Estilo de vida

Como a bioengenheira Taciana Pereira trabalha

Taciana Pereira, bioengenheira na Allevi.
Nota do editor: Nesta seção, a cada 15 dias entrevisto profissionais de diferentes áreas a respeito de produtividade e da relação deles com a tecnologia. Veja os anteriores e cadastre-se gratuitamente na newsletter para ser avisada(o) dos próximos.


  • Nome: Taciana Pereira.
  • Cidade onde mora: Filadélfia, PA, EUA.
  • Emprego atual: Diretora de bioengenharia na Allevi.
  • Computador: MacBook Pro (2017) de 13 polegadas.
  • Celular: iPhone XS.
  • Gadget favorito: Meu relógio Garmin, que me permite treinar corrida em qualquer lugar do mundo.

Como você chegou onde está?

Gosto muito de medicina e exatas desde pequena. Por conta dessa paixão, meu desempenho e alguns outros critérios, ganhei uma bolsa na Escola Internacional de Curitiba, onde comecei a sonhar a fazer graduação no exterior. Fui aceita em Harvard em 2013, quando iniciei minha formação que inicialmente achava que seria em física. No meio do caminho conheci a bioengenharia, uma área da engenharia focada em sistemas biológicos e biomédicos, e comecei a trabalhar em um laboratório de engenharia de tecidos. Meus projetos eram bastante focados em biomateriais, especialmente para tratar diferentes tipos de câncer. Quando me formei, me juntei à Allevi, uma empresa que faz bioimpressoras 3D e biotintas para construir tecidos que podem ajudar a curar doenças, estudar os efeitos de diferentes substâncias em órgãos e automatizar a biologia em geral.


Receba a newsletter (grátis!):


Como é um dia típico de trabalho seu?

Dentre muitas tarefas, faço três principais:

  1. Experimentos com a bioimpressora para imprimir tecidos funcionais;
  2. Leitura/pesquisa de campo, para saber no que o resto da área está trabalhando;
  3. Planejamento de projetos. Como diretora de bioengenharia, acabo podendo decidir bastante as direções que tomamos como empresa.

Quanto tempo eu passo em cada uma depende muito do projeto no qual estamos trabalhando, mas sempre tem um pouco de cada no meu dia.

Alguma história curiosa ou engraçada que já aconteceu enquanto trabalhava?

Trabalhamos em um prédio que tem vários laboratórios de outras empresas, inclusive um espaço de inovação da Hershey’s. Mas, como podem imaginar, a Hershey’s não foca tanta energia e recursos nisso, então é muito comum a sala deles, adjacente ao nosso laboratório, estar vazia. Por conta disso, quando estou trabalhando sozinha no laboratório, coloco música sertaneja bem alta e canto (alto também), tendo certeza de que não tem ninguém por perto. Um belo dia estava fazendo meus experimentos cantando Jorge e Mateus e escuto alguém bater na porta. É um cara da Hershey’s dizendo que “adoraram a música e minha voz, mas estão tendo uma conferência, então seria ótimo se eu pudesse abaixar o volume e parar de cantar”. Tinha umas 100 pessoas na sala me ouvindo. Obviamente, hoje só escuto música com fone de ouvido e deixo para cantar no chuveiro.

Você dá muita atenção à produtividade? Se sim, de que maneiras práticas isso se traduz em sua rotina?

Dou muita atenção. Faço muitas coisas, então não tem como fazer tudo o que preciso sem me organizar muito bem. Além disso, adoro planilhas — até nas férias eu monto uma para ter certeza de aproveitar meu tempo ao máximo. Em termos de aplicativos, uso Google Sheets, iCalendar, Asana e Instagantt. Esses dois últimos são ótimos para organizar projetos mais longos: dá pra dividi-los em várias tarefas e colocá-los em uma linha do tempo, o que também ajuda o resto do time a entender o progresso de diferentes projetos.

Taciana trabalhando em seu computador.
Em 2018, Taciana foi indicada ao prêmio de “cientista do ano” pela Rad Girls. Foto: @allevi3d/Instagram.

Qual o seu lifehack (atalho/dica/facilitador) favorito?

Meu maior lifehack é provavelmente a forma que organizo meu tempo. Muitas vezes as pessoas me perguntam se meu dia tem mais de 24 horas, mas se você senta e organiza uma agenda com tudo que você tem que fazer num dia (e segue a agenda), é surpreendente o quanto você consegue encaixar.

Você consegue se desconectar de vez em quando?

Além de ser difícil por trabalhar muito, me desconectar muitas vezes significa não falar com a minha família, que mora longe. Por isso, me desconecto mais nas férias, quando consigo estar no Brasil (o que não acontece muito).

Quais aplicativos não saem da tela inicial do seu celular?

WhatsApp e Gmail são os mais acessados com certeza — sou viciada em emails e uso o Whats pra me conectar com amigos e família que moram longe ou perto. Também tenho Slack (para mensagens de trabalho), Uber, Chase (para acompanhar meus gastos e pagar contas), Training Peaks (para pegar os treinos de corrida que meu treinador me passa), Venmo (para pagar amigos) e Instagram.

Você tem algum projeto paralelo? Se sim, fale um pouco sobre ele.

Faço mentoria com jovens que também querem estudar fora. Como consegui ser aceita em algumas universidades competitivas, gosto de compartilhar minhas experiências e tornar esse sonho mais palpável para outros jovens motivados.

O que você está lendo no momento?

Acabei de ler Minha história, da Michelle Obama. Achei muito interessante ter uma perspectiva em primeira mão do que é a vida de alguém com tanto poder. Para dar um exemplo, um dia ela decidiu ir num jantar romântico com o Barack e quase parou a cidade de Nova York por causa de toda a logística necessária para levar o Presidente e a First Lady para um restaurante. Além dessas histórias surpreendentes, ela é uma mulher extremamente forte e inspiradora.

Pratica atividade física (qual?) e/ou tem algum cuidado especial com a saúde?

Várias. Amo esportes. Jogo futebol duas vezes na semana em uma liga na Filadélfia e também estou treinando para uma maratona. Me preocupo bastante com a minha saúde. Tento dormir pelo menos sete horas por noite, me alimentar bem e ter hábitos saudáveis em geral.

Que conselhos você daria a alguém interessado em seguir carreira na tua área?

Encontre alguém da área que você admira (e faz algo que você gostaria de fazer) e grude nessa pessoa. Aulas são importantes para dar base, mas os professores e suas pesquisas são mais importantes ainda. Além disso, coloque a mão na massa em estágios em empresas ou laboratórios acadêmicos. É nesses lugares que você vai adquirir as ferramentas necessárias para te possibilitar novas ideias ou aplicar suas habilidades para desenvolver as ideias de outras pessoas.

Taciana Pereira é bioengenheira. Saiba mais sobre o trabalho dela no Linkedin.

Assine a newsletter gratuita:

Siga nas redes sociais:

Mastodon / RSS / Telegram / Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 comentários

  1. Achei a melhor frase da entrevista o “coloque a mão na massa”!
    Fundamental sair um pouco do universo puramente acadêmico e teórico de algumas linhas de formação.

  2. Carreira impressionante, tenho pena dos seus primos haha

    De fato, tempo bem gerido faz milagres no dia-a-dia…apesar de eu não me importar muito de organizar os projetos em si que estou fazendo com meus estudos e tals.

  3. gostei do primeiro lifehack, eu tenho que fazer mais uso sa agenda, geralmente só coloco algumas coisas, mas conheço gente que coloca até o tempo no trânsito.

  4. “Experimentos com a bioimpressora para imprimir tecidos funcionais”

    Isso pra mim já entra naquele campo onde tecnologia e feitiçaria se confundem.

    1. Aproveitando a deixa, digo que tava assistindo “Darkman” e o filme tem este assunto também. (O cara é um bioengenheiro e estava tentando criar uma pele artificial.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!