Smartphones enormes são a nova preferência nacional?

Eu não conhecia a Jana e mesmo depois de ver o seu site fiquei sem entendê-la direito. O que absorvi dali é que se trata de uma empresa de publicidade especializada no mercado mobile de mercados emergentes.

Brasileiro gosta de smartphone grandão.
Gráfico: Jana.

Enfim. A Jana divulgou uma pesquisa que apontou que nos países emergentes o povo quer saber de smartphone grande, com no mínimo 5 polegadas. No Brasil, esse público é de 61%, sendo que 26% prefere coisas enormes com mais de 5,5 polegadas. (Gráfico ao lado -> )

A pesquisa é questionável. A amostragem é baixíssima (1386 pessoas consultadas em nove países) e o fato da Jana ter como produto a veiculação de vídeos curtos pode ter influenciado de alguma maneira o resultado — além do tamanho preferido, a pesquisa também averiguou qual a porcentagem de usuários que consomem vídeos em smartphones.

De qualquer forma, se ainda não é uma preferência nacional, o interesse por samrtphones grandalhões já é palpável pelos reviews mais populares aqui (oi, Xperia C!) e pelo que leio e ouço por aí.

A explicação óbvia e única que me ocorre é a superutilização do smartphone por um público que prioriza convergência por preferi-la, mas também por necessidade — sai mais barato pegar um phablet mid-range do que um smartphone mais um tablet. E como quem determina market share e, para muitas fabricantes, aquele lucro suado no fim do trimestre são os segmentos de entrada e intermediários, a inundação de smartphones gigantes com configurações medianas atende a uma demanda aparentemente real.

Tenho curiosidade em saber o que a galera que cai de cabeça num smartphone grande acha da experiência. A minha é sempre um tanto frustrante, especialmente com os modelos enormes de 6 polegadas — passaram vários desses aqui recentemente e me senti muito incomodado com todos eles. Pode ser só uma fase, mas pode ser também que um novo padrão esteja se estabelecendo. Só espero que, nessa, os iPhone, Moto X e Galaxy Alpha não sumam a médio ou longo prazo…

O Manual do Usuário é um blog independente que confia na generosidade dos leitores que podem colaborar para manter-se no ar. Saiba mais →

Acompanhe

  • Telegram
  • Twitter
  • Newsletter
  • Feed RSS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 comentários

  1. Pesquisa muito interessante mesmo. Acho que o problema está em ambas as pontas. Os velhos que reclamam que não conseguem usar o teclado virtual de um celular pequeno (4 pol ou menos) e dos novos que usam o smartphone 90% das vezes para acessar a internet (mais do que no desktop). Claro que a pesquisa é realmente tendenciosa, seria interessante ter acesso aos dados de venda de modelos de celular em cada país, para poder aprofundar o assunto.

  2. Meu atual aparelho é um Lumia 925, que com suas 4,5 polegadas nem entra na categoria “smartphones gigantes”, mas eu já me atrapalho um pouco com ele. É muito difícil manuseá-lo com uma mão só, o botão de voltar eu alcanço com muito esforço. Mas no geral a experiência tem sido satisfatória sim. Se antes eu usava o smartphone com uma mão só, agora eu me acostumei a segurá-lo com uma mão e usá-lo com a outra (até o teclado à-la-swype eu comecei a usar!). Acho que o segredo está em se adaptar, e não tentar usar uma telona exatamente do mesmo jeito que você usava seu smartphone de 3,5/4 polegadas. Mesmo assim, ainda tenho dificuldade de entender um smartphone com mais de 5 polegadas, esse tamanho me parece ser o limite.

  3. Já usei smartphones com os mais variados tamanhos de telas desde n95, milestone 2, nokia n8, galaxy’s note, nexus, s4, iPhone’s 5/5s/4s, Lumia 925 ate o atual um nexus 4 (nessa ordem rsrs), que só troco se der problema, ou por um htc one m8 GPE, maaas acho que não ficaria confortável usando um xperia z ultra ou um Lumia 1520, na minha opinião os tamanhos confortaveis de tela de um smart, giram em torno de 4,3 a 5″

  4. Não é possível entender a era das telas enormes sem entender que, para cada vez mais gente, o acesso à internet via dispositivos móveis é o principal, ou único, meio de acesso. E aí telefones com telas enormes, que possam fazer voz e dados, ganham sempre.

    Fora que, depois que você se acostuma com uma tela grande, fica difícil voltar para um telefone com tela menor.

  5. Eu acredito que o envelhecimento da população tem papel nessa popularidade… Minha mãe quer um celular com tela grande por que tudo é maior e mais fácil de ler… Mostrei pra ela meu moto g, ela achou pequeno…

  6. Eu achei que odiaria um smartphone com a tela muito grande. Tive por um bom período um Galaxy Note 2, que simplesmente aprendi a adorar em virtude de todos os prós que me oferecia.

    Infelizmente, precisei voltar para o OSX/iOS por razões de trabalho; sendo esse o OS que uso desde 95 para este fim.

    Acredito que um próximo iPhone com a tela (bem) maior seja o ideal para mim..

    Pessoalmente, acabei descobrindo uma economia curiosa de tempo em executar todas as tarefas em um smartphone com a tela maior. Reconheço que é uma experiência bastante pessoal e pode não ser igual para outras pessoas, mas eu acabo economizando muito tempo com estes aparelhos.

    “Escanear” a tela mais rapidamente em apps de trabalho/projeto, ler mais com menos movimentos, enxergar mais em uma eventual navegação.. fora o prazer de poder assistir a vídeos, filmes e mídias em geral a uma distância mais confortável para os meus olhos e uma experiência um pouco mais rica.

    Eu consigo, facilmente, ir até bem perto de um tablet em benefício dessa espécie de ‘vantagem’ que experimento com phablets. Fácil.

    Cheers,
    San.

    1. Eu espero que a Apple mantenha algum iPhone com tela do mesmo tamanho da atual (4 pol, iPhone 5S) pois embora eu precise de tela pouco maior que o meu iPhone 4S não vejo necessidade minha para um smartphone com tela com diagonal muito maior que 4,5 polegadas.

  7. Acho que você acertou em cheio ns explicação. Comprei um Moto E pra minha mãe. É o primeiro smartphone dela, que não tem nenhuma intimidade com tecnologia. Fiquei impressionado como naturalmente o telefone substituiu o computador no dia-a-dia dela. Não só substituiu, mas aumentou significativamente a interação dela com o “mundo virtual”. Creio que ao contrário de nós, geeks, que ainda voltamos para o PC pra realizar parte das tarefas, as pessoas menos tecnológicas transformam o smartphone na única porta de acesso para a internet. E nisso o incômodo de alguns centímetros a mais acaba sendo amortizado de longe pela maior praticidade das telas maiores.

    Nos primeiros dias analisando o uso dela, já me bateu um arrependimento de não ter comprado um celular maior (gostei do Xperia Ultra T2 que você revisou). Na tela de 4″, ela acaba tendo certa dificuldade na leitura (tive que aumentar a fonte, e acaba não sendo ideal) e também no touch (erra bastante). Pra mim não serve, mas o próximo dela com certeza vai ser um 6″.

  8. Não gosto dos celulares de tela gigante (concordo contigo Rodrigo em relação ao fato de eles ficarem bem acomodados no bolso – isso vale para os homens, claro). O meu primeiro smartphone foi o Lumia 720 (4,3″), que passei para o meu pai (tá bem adaptado) e agora tenho um iPhone 4s (3,5″) que era da minha mulher, pois agora ela usa um iPhone 5s. Me parece que o o tamanho deste último é “limite”. A minha irmã tem um Galaxy S4 e ele é muito grande.

    Mas acho que essa discussão vai muito longe. Vamos o que a Apple vai apresentar em setembro e se vai tentar entrar na ondas dos telões… Hoje, não compro celular maior do que o iPhone 5s. Na verdade, acho este tamanho de tela ótimo. Muito suficiente.

    1. Sou da mesma opinião, mas meu caso é que estou a quase 3 anos com o iPhone 4S e meio que me acomodei nesse tamanho diminuto para alguns que são as 3,5 polegadas na diagonal da tela.

      No meu caso particular, acho que meu limite seria 4,5 polegadas. Algo muito maior que isso já considero exagero.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!