Ilustração de um smartphone.

Meu primeiro smartphone: dicas para aproveitar (e não se irritar) com o seu


19/2/14 às 10h30

Se você ainda não carrega um smartphone no bolso, é questão de tempo até se ver nessa situação. Com o aumento nas vendas impulsionado pelo barateamento da tecnologia e a substituição gradativa dos aparelhos mais simples, os dumbphones, trilhamos o caminho do smartphone onipresente. Neste post, trago tudo o que você sempre quis saber sobre smartphones mas nunca teve coragem de perguntar.

A IDC constatou um crescimento de 122% nas vendas de smartphones em 2013 no Brasil, o que o levou a superar os modelos simples em volume pela primeira vez na história — 52% contra 48%. Embora a estimativa para 2014 aponte para uma redução no ritmo, o segmento deverá crescer. A Abinee prevê um aumento de 61% na base instalada no país. No mundo, o Gartner diz que 55% de todos os celulares vendidos em 2013 foram smartphones.

Tem muita gente se aventurando com um smartphone pela primeira vez. É um universo novo, cheio de possibilidades — e dúvidas. Algumas, para o leitor regular do Manual do Usuário, podem parecer triviais. Para a maioria, porém, não são.

Este texto tem o objetivo de ser um guia de iniciação para os marinheiros de primeira viagem, um punhado de dicas compilado após consultas com pessoas que ainda não têm ou que acabaram de comprar um smartphone.

Se conhece alguém na situação, poderá poupar muito tempo, seu e dele, simplesmente encaminhando este artigo. Fiz um grande esforço para contemplar todas as dúvidas que comumente surgem no primeiro contato com um smartphone. Se ainda assim você sentir falta de alguma informação, por favor use os comentários.

O que é um smartphone?

Antes de entrarmos nas especifidades da questão, é bom esclarecer desde já o que é um smartphone.

Não existe um conjunto de diretrizes, ou características que, cumpridas, classificam um dispositivo como smartphone. Ele é, no geral, um celular com poderes que vão além de fazer ligações e trocar mensagens de texto.

As características mais distintas de um smartphone são seu alto poder de convergência e o sistema operacional que o move somado aos apps que ele pode receber.

Um smartphone consegue, diferentemente de um celular simples, acessar a Internet, fazer fotos, localizar a sua posição via GPS, tocar música e vídeo, entre outras coisas. Ele é uma máquina de convergência. Um celular simples, principalmente modelos contemporâneos, até consegue fazer uma ou outra, mas de modo mais restrito.

Todo celular, até aqueles mais simples de pouco menos de R$ 100, executa um sistema operacional. A diferença está nas capacidades dos que operam em smartphones. Eles geralmente desempenham mais funções e são abertos a apps de terceiros, que por sua vez estendem ainda mais o que esses aparelhos podem fazer.

Durante a fase de transição para os smartphones modernos, entre 2007 e 2009, havia certa confusão com featurephones, aparelhos que pareciam smartphones, mas não recebiam apps. Eles eram de uma categoria diferente? Até hoje alguns modelos desafiam essa organização, como o Asha 501, da Nokia. Esse modelo tem um punhado de características avançadas e até roda apps de terceiros, mas tudo de forma bem limitada. É um smartphone? Há quem diga que não, mas para mim não falta nenhum requisito para classificá-lo como tal, ainda que seja um smartphone mais ou menos — digno pelo que custa, mas como custa pouco…

Qual o melhor smartphone para mim?

iPhone 5, Lumia 920 e Xperia Z1.

Foto: Rodrigo Ghedin.

Este artigo é um belo guia semi-atemporal para escolher o melhor smartphone para você. Resumindo aqui, porém, a minha dica é: não economize.

Não quero dizer, com isso, que você deve entrar na primeira loja e levar qualquer smartphone pelo preço que for oferecido. Não é isso. O ponto é que, como em vários outros segmentos, no dos celulares inteligentes você também recebe pelo que paga. E, aqui, essa máxima é levada quase sempre ao pé da letra.

Algumas fabricantes lançam modelos simples com o apelo do “seu primeiro smartphone”. Não caia nessa. Aparelhos na faixa dos R$ 500 ou menos têm diversas deficiências que usuários experientes conseguem contornar com mais facilidade, mas que em mãos inexperientes podem ser bastante prejudiciais. Além de irritarem qualquer um, novato ou não.

Se puder pagar por um iPhone 5s, para que pegar um iPhone 4, hoje severamente limitado pelo iOS 7? Não faz sentido, salvo pela questão econômica. Entre esses dois extremos, dá para procurar por promoções e aparelhos com custo-benefício melhor que o iPhone 5s (e eu recomendo fortemente que você faça isso!).

Use o preço como um dos parâmetros na hora de escolher seu aparelho. Como em tudo na vida, os extremos quase sempre não são tão vantajosos e é preciso garimpar um pouco; se tiver a quem recorrer, pedir indicações para alguém mais entendido é outra boa tática a fim de fazer uma boa escolha.

Preparativos com a operadora e o mito da “Internet de graça”

Redes móveis no Android do Xperia Z1.
Foto: Rodrigo Ghedin.

Está com seu smartphone aí? Legal! Com ele vem também uma despesa extra no orçamento: o gasto com dados junto à operadora.

Sim, dá para viver apenas com Wi-Fi. Na maioria dos casos o acesso via Wi-Fi é gratuito, especialmente em estabelecimentos comerciais e, por isso, preferível a quem quer economizar — dinheiro e também bateria, já que essa forma de acesso consome menos energia que o 3G/4G. Tenha em mente, porém, que para desfrutar da conexão Wi-Fi na sua casa é preciso ter uma conexão doméstica paga (ADSL ou cabo) com um ponto de acesso sem fio. Hoje, a maioria das operadoras oferece o ponto de acesso gratuitamente.

O que tento desmitificar no parágrafo acima é a ideia de que o Wi-Fi se materializa do nada e fornece Internet grátis para qualquer um, em qualquer lugar. Não é bem assim.

Outro problema, mais grave até, é que o alcance do Wi-Fi é limitado fisicamente, e a disponibilidade, nem sempre farta. Por essas e outras, a abordagem “apenas Wi-Fi” limita um pouco o aspecto móvel do smartphone. E convenhamos: poder se comunicar e acessar a Internet de qualquer lugar é um dos pontos altos desse tipo de dispositivo, logo vale a pena investir um pouco em um plano de dados.

Se você fica muito tempo em trânsito e precisa estar conectado, vale a pena pegar um plano pós-pago. Além de velocidades mais rápidas, a franquia é maior, o que significa que você pode fazer mais coisas online sem ter a velocidade reduzida — quando a franquia estoura, geralmente as operadoras limitam a velocidade de acesso, deixando-a mais lenta que uma conexão discada.

É preciso analisar a sua rotina e quanto você tem disponível para gastar mensalmente com conexão. Converse com a sua operadora, veja se eles têm algum plano adequado às suas necessidades. Os preços têm caído e, em último caso, menos de R$ 1 por dia é o mínimo para bancar o acesso à Internet de um smartphone em um plano pré-pago — eles quebram o galho, mas oferecem franquias insuficientes até mesmo para um usuário leve-médio.

E o chip?

Os diferentes tamanhos de SIM cards.
Nano, Micro e SIM Card. Foto: photo4howi/Flickr.

Ainda se encontram smartphones com slot para SIM cards convencionais, os famosos “chips” das operadoras. A maioria, porém, já adota um padrão mais avançado — e menor –, o micro SIM. No mercado brasileiro, Moto X e os últimos iPhones (5 para cima) já deram o passo adiante e funcionam com o minúsculo nano SIM.

Se você já tem um SIM card convencional e adquiriu um smartphone com entrada para micro SIM, existem duas saídas. A primeira é cortá-lo, com uma tesoura mesmo ou usando um cortador especial para isso — que é mais seguro. A outra é comprar um Micro SIM junto à operadora e solicitar a migração do número. Um Micro SIM custa cerca de R$ 10; já um nano SIM pode custar mais caro, até R$ 40.

Como configurar o meu smartphone?

Um celular simples é fácil de configurar. Você espeta o SIM card (se tiver dificuldade nessa etapa, consulte o guia rápido que vem na caixa), liga ele, e pronto. Sem segredo.

Com um smartphone a história é diferente. Ele pede uma configuração mais detalhada, que depende de acesso à Internet. Até dá para pular essa etapa em alguns sistemas, mas acredite: fazendo isso, você terá apenas um celular simples com tela grande na mão, já que o acesso à loja de apps e outros recursos está vinculado a essa identificação.

Dependendo do sistema operacional escolhido, é preciso ter um tipo de conta, ou email. Android? Faça um email do Google, um Gmail. iPhone? Então você precisa ter uma conta no iCloud. Windows Phone? Vamos de Hotmail, ou Outlook.com. Não se preocupe se você não tiver uma dessas contas ainda, ou se tiver um email no Hotmail e estiver configurando um Android. Dá para criar novas contas no ato da configuração do smartphone.

Independentemente do caso, lembre-se sempre do seu email e senha. Eles são vitais para conseguir baixar/comprar apps, recuperar o smartphone em caso de travamento ou mesmo perda/roubo e outras situações delicadas. Sua senha é a porta de acesso para sua vida no smartphone — e em muitos casos ela vale mais que o próprio aparelho, então, atenção!

Configuração feita, o smartphone será povoado com dados obtidos a partir do email usado. O app de email puxará suas mensagens, a lista de contatos ganhará carinhas salvas anteriormente nessa conta, seus compromissos aparecerão na agenda. Se for um email secundário, um Hotmail que é pouco usado reativado apenas para configurar seu Windows Phone novo, não se preocupe. Todos os sistemas modernos permitem acrescentar contas extras, inclusive de empresas concorrentes. O que significa que, no nosso caso hipotético, você conseguiria trazer seus emails, contatos e compromissos do Gmail para o Windows Phone. Basta ir às configurações do sistema e procurar a área de contas.

Apps

Painel de apps na Apple Store de San Francisco.
Foto: Steve Rhodes/Flickr.

Do jeito que sai da caixa, o smartphone já é um ótimo computador que cabe no bolso. Mas ele pode ser muito mais, e boa parte desse potencial vem dos apps.

Um app (lê-se “épi”), abreviação de aplicativo em inglês, nada mais é que um programa. Eles são distribuídos em lojas controladas pelas empresas que fazem os sistemas — a exceção é o Android, que permite a instalação de apps “por fora” (sideloading) e a instalação de lojas de terceiros.

A instalação é bem simples, basta encontrar o app desejado e clicar no botão “Instalar”. Eventualmente a senha da conta atrelada ao smartphone é pedida — daí a importância de lembrar-se da sua!

Existem apps gratuitos e pagos, a cobrança fica a critério de quem desenvolve o app. Alguns sistemas permitem colocar créditos, como se fosse um celular pré-pago, mas garantido mesmo, em todos, é o cartão de crédito internacional. Como a cobrança em quase todos os casos é feita fora do país, é a forma de pagamento mais comumente aceita.

A manutenção desses apps é tão tranquila quanto a instalação, basta entrar no app da loja e, caso exista algum com atualização pendente, executá-la. Já é possível deixar essas atualizações no automático, o que é preferível. Atualizações costumam trazer correções de problemas, aperfeiçoamentos e até novas funções.

Cuidado com as compras in-app

Todos os principais sistemas oferecem uma modalidade de compra chamada “in-app”, ou seja, de dentro do app. É muito comum em jogos, mas também está presente em diversos apps, e pode ser uma armadilha perigosa.

Nessa modalidade, o app/jogo permite comprar elementos a partir de si próprio, de dentro do app/jogo. É uma prática que se alastra com força nos jogos móveis: embora gratuito, para liberar fases, personagens ou “dinheirinho virtual” é preciso desembolsar dinheirinho de verdade. Dependendo do jogo e do seu vício, a brincadeira pode sair cara.

Há casos em que esse mecanismo é usado de forma honesta, mas o mais comum são desenvolvedores que abusam, como ilustra a EA com Dungeon Keeper. Muita atenção, principalmente se você tiver filhos ou crianças pequenas que se apossam do seu smartphone para jogar. Histórias de crianças que gastaram fortunas comprando itens e roupinhas virtuais são mais comuns do que se imagina.

A surpresa (ruim): bateria

Conversei com algumas pessoas que nunca tiveram ou acabaram de comprar o primeiro smartphone (obrigado a todos!). A reclamação mais constante, de longe, foi sobre a autonomia da bateria.

É um grande choque mesmo. Sair de um aparelho que aguenta ficar dias, mais de uma semana longe da tomada, para um sedento por energia e que male má aguenta um dia sem ser recarregado exige mudanças drásticas na rotina.

Existem smartphones com baterias de grande capacidade, mas esses são exceções. O melhor a se fazer é aceitar a derrota e se acostumar a recarregar a bateria do smartphone uma vez por dia, de preferência à noite, enquanto você dorme.

Tem problema deixar o celular na tomada mesmo depois que a carga estiver completa? Não, o fornecimento de energia é cortado ao chegar a 100%. Tem problema recarregá-lo quando a bateria estiver pela metade? Não, as baterias atuais não têm efeito memória. Preciso dar aquela carga de 24 horas que o vendedor me orientou a fazer antes de começar a usar o smartphone? Por favor, não.

Muitos desses mitos sobre baterias são herança da época em que elas eram feitas com outra tecnologia, a de níquel-cádmio. Hoje, arrisco dizer que ela não está presente em nenhum celular moderno, nem mesmo os modelos mais simples e baratos. Todos usam baterias de íons de lítio, que não sofrem de efeito memória e são bem mais flexíveis quanto a padrões de recarga.

Se quiser mais informações sobre como otimizar a vida útil da bateria do seu smartphone, leia este post do Gizmodo.

As (chatíssimas) notificações

É fácil configurar as notificações no iOS.
Central de Notificações.

A instalação de diversos apps traz um efeito colateral que, para muitos, pode ser problema: as notificações.

A intenção, avisá-lo sobre novidades que estão rolando dentro do seu smartphone, é nobre, mas na prática o excesso de notificações, especialmente as menos urgentes, pode levá-lo à loucura. Afinal, qual a necessidade de saber que alguém retuitou um tuíte em que você foi mencionado, ou que deixaram um novo comentário na foto do seu primo em que você foi marcado no Facebook? Sim, você acertou: nenhuma.

Se estiver com um iPhone, domar as notificações é mais fácil. Nos Ajustes, entre em Central de Notificações. Essa área concentra tudo relacionado a notificações, de todos os apps. Dá para fazer um ajuste fino do que, onde e quando aparecerá no aparelho.

No Android e no Windows Phone, a tarefa é mais ingrata. Carentes de uma central similar à do iOS, o jeito é recorrer às configurações individualmente, dentro de cada app. Todos que emitem notificações têm opções para desativá-las. Dá mais trabalho, mas o resultado é igualmente tranquilizador.

O que deixar? Depende muito do seu perfil de uso. No meu caso, limito as notificações a apps que demandam, em tese, respostas imediatas, o que significa que basicamente apenas apps de bate-papo e mensagens, como SMS, WhatsApp e WUT têm esse privilégio.

Fique especialmente alerta com jogos: a maioria se utiliza desse recurso para lembrá-lo de jogá-lo (!) ou anunciar ofertas de compras in-app. Acredite: é bem frustrante pegar o smartphone após ouvir o barulhinho de notificação e ser apenas o Temple Run chamando-o para completar o desafio do dia.

Preciso mesmo de capinha e película?

Não precisa de película para manter a tela intacta.
Nexus 4, um ano de idade, sem película. Foto: Rodrigo Ghedin.

Grandes são as chances de você ter adquirido um smartphone que tenha a tela com Gorilla Glass — ou Dragon Tail. Ambas as tecnologias são revestimentos para o vidro que reforçam ele contra riscos e quedas leves.

Um erro muito comum é acreditar que a presença do Gorilla Glass torna o vidro indestrutível. Não. Às vezes, por uma queda boba, de alguns centímetros, ele pode estilhaçar. Embora sejam mais resistentes que o vidro nu, o que esses revestimentos fazem, principalmente, é proteger a tela contra riscos.

É por isso que, pessoalmente, desaconselho a aplicação de películas na tela. Elas reduzem a sensibilidade do toque, algumas até alteram a visibilidade graças a acabamentos foscos e, no fim das contas, funcionam como uma proteção em cima de outra proteção, o que, se você parar para pensar, não faz muito sentido.

Alguns justificam a utilização da película para evitar marcas de dedos, aquelas digitais feias. Mesmo com a camada oleofóbica que muitos smartphones apresentam atualmente, elas são de fato inevitáveis: ao fim do dia grandes são as chances da tela estar uma nojeira. Mas há uma solução menos invasiva: basta passar um pano específico, de microfibra, para ver essas marcas sumirem. Funciona tão bem que parece mágica.

Nunca usei película nos meus smartphones e eles não apresentam marcas permanentes — sou cuidadoso, é bom notar. Meu Nexus 4 (Gorilla Glass 2), esse da foto acima, foi usado ininterruptamente por cerca de um ano e continua como novo, com a tela intacta.

E a capinha? É outro acessório que eu também não uso, mas que… vá lá, para os mais desastrados pode ser uma boa. Ela costuma destruir o equilíbrio, a ergonomia e o design do aparelho, mas… ok, eu entendo.

Milhares de capinhas para iPhone.
Foto: Julien GONG Min/Flickr.

Mesmo sem partes móveis, o smartphone é um dispositivo sensível, miniaturizado e com uma face inteira de vidro. Dificilmente ele sai inteiro de quedas. As capas amortecem esses acidentes e ajudam a manter a integridade do aparelho. Algumas vão além e fornecem recursos extras, como maior autonomia para a bateria, ou mais espaço interno para salvar fotos e outros arquivos.

É uma defesa válida, só não confie cegamente nela. Casos de smartphones com capa que saem danificados após uma queda mais grave são fáceis de se encontrar. O ideal, mesmo, é tomar cuidado e evitar derrubá-lo por aí.

As vantagens de se ter um smartphone

Ter um smartphone implica em mais gastos, mais preocupação e o risco iminente de perdê-lo — e, com o aparelho, fotos e informações importantes. Racionalmente, talvez, não seja algo indispensável. Muita gente ainda vive, e bem, com dumbphones. Se for o seu caso, não se recrimine!

Para todas essas desvantagens, porém, o smartphone devolve a peteca com um punhado de benefícios que vão além da diversão. É, com o perdão do clichê, um computador de bolso. Com ele nos comunicamos de diversas formas, recebemos informações, nos localizamos e, já hoje, fazemos coisas bem futuristas como ter assistentes pessoais proativos e realizar pagamentos.

Familiares, amigos e conhecidos já me relataram o quanto se surpreenderam com a compra de um smartphone. Os menos ligados em tecnologia demoram a embarcar nessa por não ver uma utilidade específica para o aparelho em seu dia a dia. Mas elas aparecem. O smartphone é mais ágil que um computador e está sempre à mão; no mínimo, você acaba fazendo coisas nele que, antes, ficavam restritas ao computador, como ver o email, interagir em redes sociais e jogar. Disso para coisas maiores e mais úteis, é um pulo.

Ainda temos um longo caminho para consolidar o smartphone na sociedade e corrigir desvios comportamentais — aliás, mais uma dica: não seja o chato que vai no bar e fica bitolado no smartphone! Ele parece ter as características certas, e ter surgido no momento propício para abraçar nossas necessidades e servir de vetor para mini-revoluções. Quando alguém imaginaria, por exemplo, a utilização de um batalhão de smartphones para ajudar na previsão do tempo?

A adaptação ao smartphone costuma ser tranquila para quem vem de um celular mais simples, mas com essas dicas o processo tende a ser ainda menos doloroso. Reiterando, se ficou alguma dúvida, pergunte nos comentários. E divirta-se com seu novo smartphone!

Desenho do topo: autor desconhecido.

Cadê os anúncios?

O Manual do Usuário é um projeto independente, que se propõe crítico e que respeita a sua privacidade — não há scripts de monitoramento ou publicidade programática neste site. Tudo isso sem fechar o conteúdo para pagantes. Essas características são vitais para o bom jornalismo que se tenta fazer aqui.

A viabilidade do negócio depende de algumas frentes de receita, todas calcadas na transparência e no respeito absoluto a você, leitor(a). A mais importante é a do financiamento coletivo, em que leitores interessados sustentam diretamente a operação. A assinatura custa a partir de R$ 5 por mês — ou R$ 9/mês para receber recompensas exclusivas:

Assine no Catarse

Newsletter

Toda sexta-feira, um resumo do noticiário de tecnologia, indicações de leitura e curiosidades direto no seu e-mail, grátis:


Nas redes sociais, notícias o dia todo:
Twitter // Telegram