Cuidado, sua smart TV está te observando

Silhueta de uma cabeça em frente a uma TV ligada.

Faz alguns anos que uma política de privacidade mal escrita da Samsung gerou a suspeita de que a fabricante sul-coreana estaria, por meio de microfones em suas TVs mais modernas, captando e processando conversas dos espectadores. Nunca se provou nada, mas três novos estudos descobriram que smart TVs — não só as da Samsung — estão violando a privacidade dos espectadores de forma mais silenciosa, mas não menos preocupante.

No Twitter, o pesquisador Arvind Narayanan, da Universidade de Princeton e coautor de um dos estudos, publicou alguns destaques. Seu grupo descobriu, por exemplo, que os “canais” do Roku (não disponível no Brasil) e Amazon Fire TV, equivalentes a apps nessas plataformas, estão infestados de códigos de rastreamento típicos de plataformas de publicidade programática. O da Double Click (Google) aparece em 97,5% dos canais do Roku. Alguns canais têm mais de 50 (!) rastreadores. Eles capturam identificadores únicos do equipamento, da rede e até endereços de e-mail.

O estudo da Universidade do Nordeste, de Boston (EUA), e do Colégio Imperial de Londres, tinha um escopo mais amplo: analisar 81 dispositivos de IoT (Internet das Coisas), incluindo cinco smart TVs. A descoberta mais intrigante aqui é que quase todas elas enviavam dados à Netflix mesmo quando não havia conta alguma da Netflix configurada. Os pesquisadores também constataram que “as TVs conectaram-se ao maior número de terceiros entre todas as categorias de dispositivos”.

No terceiro estudo, também de Princeton, mas conduzido por outro grupo de pesquisadores e usando uma metodologia que capturou dados de mais de 4 mil voluntários que instalaram uma ferramenta de monitoramento do tráfego em suas redes, a descoberta mais preocupante foi a de que alguns modelos de TVs se conectavam a serviços de reconhecimento automático de conteúdo (ACR, na sigla em inglês), enviando “prints” da tela a servidores remotos em intervalos regulares curtos, de segundos, que funcionam como uma espécie de “impressão digital” para identificar ao que o espectador estava assistindo.

“Quando assistimos à TV, nossas TVs nos observam de volta e rastreiam nossos hábitos”, disse Narayanan. Tal expediente explodiu nos últimos anos, pegando carona na popularização da smart TVs. Aqui no Brasil, desde 2016 as smart TVs vendem mais que as TVs comuns, sem conexão à internet.


Receba a newsletter (grátis!):


Se em computadores e celulares há ferramentas acessíveis capazes de bloquear boa parte dos rastreadores de anunciantes, nas TVs, por usarem plataformas mais fechadas, as defesas contra esse tipo de abuso são mais restritas, complexas e, mesmo quando postas, não conseguiram bloquear totalmente o monitoramento. E como as próprias fabricantes coletam dados do tipo, é pouco provável que parta delas iniciativas que mitiguem o problema. Nos modelos que oferecem “opt-out” de rastreamento, a escolha do consumidor não é totalmente respeitada. Nos equipamentos da Roku, o segundo estudo descobriu que ao ativar a opção “Limitar Rastreamento de Anúncios” o número de servidores externos contactados aumentou.

Dados de uso de uma TV sinais valiosos para anunciantes. Com eles, é possível reconstituir a rotina doméstica sem muita dificuldade — quando as pessoas estão em casa, quantas são, o que e quando elas veem, entre outras informações. Ao combinar esses dados com os de outras fontes, anunciantes conseguem ter uma visão quase completa da rotina e dos hábitos do consumidor.

Dados de utilização de TVs são tão valiosos que marcas como a Roku já faturam mais com publicidade do que com a venda de dispositivos. Em janeiro, um executivo da Vizio (marca de TVs que não atua no Brasil) confirmou ao site The Verge que as suas TVs são vendidas praticamente sem margem para, após a venda, gerar lucro de diversas maneiras — entre elas a segmentação de anúncios: “Não é pela coleta de dados em si. É pela monetização pós-compra da TV. […] Você faz um dinheirinho aqui, um dinheirinho ali. Você vende alguns filmes, séries de TV, vende alguns anúncios, você sabe”.

Hoje é praticamente impossível comprar uma TV de boa qualidade sem a parte “smart”. E, convenhamos, TV via internet é uma tendência, já abraçada até pelas maiores redes tradicionais do mundo, vide o caso da brasileira Rede Globo com o Globoplay. Uma alternativa é deixar a TV desconectada e recorrer a uma caixinha de terceiro para conectá-la por outra via, mas… qual? Chromecast (Google), Fire TV (Amazon) e set-top boxes chinesas rodando Android são tão ruins quanto o software embutido das TVs, e equipamentos de marcas que prometem zelar pela privacidade do consumidor, como o Apple TV, custam quase o preço da própria TV, o que os tornam inviáveis à maioria da população. Sem falar que não há garantias de que ele coíba violações dessa natureza.

Dada a sede das fabricantes por dados valiosos e as mudanças céleres nas dinâmicas de mercado que temos testemunhado nos últimos anos, é pouco provável que ocorra uma reversão neste cenário a curto ou médio prazo. E é fácil imaginar, em um mundo com 5G estabelecido e barateado, cenários ainda piores, como o de TVs saindo de fábrica com um um chip próprio, já conectadas à internet independentemente da vontade do consumidor, para sua “comodidade” e “segurança”.

Narayanan, o pesquisador de Princeton, sugere algumas medidas individuais, como pesquisar muito antes de comprar e o uso de ferramentas como o Pi-hole e de monitoramento da rede doméstica. Ele próprio, porém, reconhece que “essas medidas individuais não são o bastante; precisamos de ações coletivas”. A academia fazendo a sua parte, a imprensa reportando suas descobertas, a sociedade civil pressionando contra abusos desse tipo.

Enquanto isso, talvez seja uma boa cuidar com mais carinho daquela “dumb” TV comprada antes da Copa de 2014.

Foto do topo: Al Ibrahim/Flickr.

Acompanhe

Newsletter (toda sexta, grátis):

  • Mastodon
  • Telegram
  • Twitter
  • Feed RSS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 comentários

  1. É por isso que não comprei e não comprarei mais uma tv “moderna”, ainda permaneço com a velha tv Samsung de tubo com sinal analógico, que desde o desligamento do sinal analógico, não assisto tv, afinal, não tem nada de proveitoso e interessante para ver na tv.

  2. Minha “smarTV” é um monitor de 22′ com TV digital que comprei em 2012. Se depender de mim e da minha absoluta falta de interesse em TVs, chega até 2032 numa boa. Só trocaria por outro aparelho “dumb”. No caso, outro monitorzão.

    No mais, qualquer equipamento eletrônico com câmera e microfone eu faço questão de tampar assim que sai da caixa. Meu notebook da Dell que uso no trabalho tem a opção de desativar a câmera e mic direto na BIOS. Assim que descobri, desativei na hora.

    Meu único ponto fraco, atualmente, é o smartphone. Não é nada prático tapar e destampar a câmera dele toda hora. Microfone então, nem se fala.

    Final do ano vou ver de comprar um Mi9T por causa da câmera coberta. Tudo bem que é Xiaomi, mas já fiquei meio perito em desativar as funções de espionagem deles.

    1. Como desativar a função espião dos celulares da Xiaomi? Funciona também para celulares da Motorola?

      1. Eu instalei uma rom customizada no meu: A Xiaomi.EU. Essa rom é a MIUI original, só que refinada pra retirar todos os anúncios e backdoors chineses da Xiaomi.

        Também existem outras roms alternativas, como a Lineage OS.

  3. Como burlar isso?

    TV burra + torrent via um Raspberry PI da vida (ou mesmo um notebook plugado na TV via HDMI) com um XBMC instalado (que agora atende pelo nome de Kodi). Ou, no pior dos casos, uma TV smart desconectada da internet e um HD externo plugado na USB dela e ligado na rede pra servir de repositório para os torrents baixados.

    Dá até para a automatizar isso via Sonarr/Radarr.

  4. O texto já cita as duas opções: 1) as empresas lucram os dados dos usuários e conseguem vender TVs mais em conta. 2) as empresas vendem soluções mais caras mas sem coletar (tanto) dado.

    O problema é: quantos consumidores vão escolher a opção 2? Estamos (de forma geral) achando que vender a nossa privacidade para ter um preço acessível em vários produtos/serviço um ótimo custo-beneficio. Agora é esperar o dia chegar que a conta não bate. Como disse o comentário do “vontontu”, as teletelas do 1984 estão logo aí.

    1. Olha, a segunda opção está rareando e em breve deve deixar de existir. Tente comprar uma TV “não smart” hoje; é quase impossível. Os modelos mais caros trazem esses recursos porque eles são demandados pelo consumidor. Comprar uma TV que custa um carro e recebê-la sem Netflix e YouTube? Sem chance.

      Também me incomoda deveras a ideia de que privacidade é um item de luxo. Não é. Privacidade deve ser um direito básico de todo mundo.

  5. ou seja o 1984 está se tornando real? isso me lembra dos teletelas de 1984.

    será que estamos perdendo a privacidade e liberdade por causa de smart tv que se está se tornando teletelas de 1984?

    enfim dizem que o futuro é mutável ou seja tem vários possibilidades para o futuro diferente? ou esse futuro de seremos vigiados para sempre perdendo a privacidade e liberdade é imutável?

    1. 1984 sempre foi uma crônica atual, não apenas uma visão. Orwell meio que “exarcebou” os padrões humanos pela busca do controle social – a novela foi escrita salvo engano após a 2ª guerra e demonstrava um pouco também da mentalidade da época. Assim como Huxley em “Admirável Mundo Novo” também, que na “civilização” era lotada de tecnologias de gestão social.

      Sou meio fatalista, então tenho em mente que SEMPRE seremos vigiados, do familiar ao vizinho fofoqueiro.

      1. Há uma diferença fundamental para 1984 que é a origem da vigilância. Na obra de Orwell, o Estado vigiava e punia. Na realidade de 2019, os principais vigilantes são as empresas de capital aberto, mais capazes tecnicamente e, em certa medida, mais dispostas ao risco.

        Uma semelhança nossa com Admirável Mundo Novo é que “engolimos” esse aparato de bom grado, em troca de benefícios diversos. O nosso Soma é uma série boba da Netflix e vídeos estúpidos do Felipe Neto no YouTube…

        1. Valeu. :D Tava precisando de uma analogia assim para guardar e usar em algum momento.

          (Para mim o Soma é viver nos comentários… :3 )

          Mas dentro das analogias, dado que BNW tem varios “Administradores” estes que tomam o conhecimento antigo para si e evitam/proíbem de repassar este conhecimento ao resto do mundo, acho que os tempos atuais estão mais realmente para “Mundo Novo” do que para “Grande Irmão”.

          “Grande Irmão” é o que vive países com problemas sérios de autoritarismo.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!