Especiais

Mini, micro ou nano? Como é o SIM card de corte triplo

Chip SIM card triplo corte ladeado por celulares, ferramentas e outros chips.

Algumas áreas da tecnologia avançam em largas passadas. A dos chips de celular, os SIM cards, se encaixa aí. Em poucos anos fomos do grande mini SIM card ao minúsculo nano SIM. Um paliativo para essa multiplicidade de formatos é o chip de triplo corte, que serve nesses dois padrões, mais o micro SIM. Estou usando um e achei que seria interessante mostrá-lo aqui.

No começo de 2012, escrevi no Gizmodo sobre a batalha da Apple contra as outras fabricantes pelo formato do nano SIM. A Apple venceu, o que foi bom, pois a sua proposta era claramente superior. Em setembro daquele mesmo ano, o iPhone 5 inaugurou a era dos smartphones com nano SIM e, um pouco depois, foi seguido por alguns modelos Android, como o Moto X original. Hoje, a maioria dos modelos high-end usa o nano SIM — mais compacto e, portanto, melhor para os perfis cada vez mais finos dos smartphones modernos.

Pouco mais de um ano depois, o chip de triplo corte foi apresentado. Ele vem com marcações que permitem “picotar” o chip do tamanho adequado ao seu aparelho. O mais legal é que os recortes são retrocompatíveis. As partes são como as matrioskas, aquelas bonecas russas que se encaixam umas dentro das outras. Se você, por qualquer motivo, trocar um smartphone que usa nano SIM para um de micro SIM, basta encaixar o chip nano na moldura do micro e espetá-lo no novo aparelho.

Livros recomendados pelo Manual do Usuárioo

O objetivo da Gemalto e da Oberthur (PDF), as duas fabricantes de SIM cards que lançaram o formato, é gerar economia e melhorar a logística das operadoras. Faz sentido: em vez de ter diferentes tamanhos de chip em estoque nas lojas, basta ter o de triplo corte, que funciona em qualquer smartphone. Ao usuário também é uma boa. No momento em que ele fizer um upgrade ou se ver com um celular de chip maior que aquele que usava nas mãos, não é preciso gastar mais com um novo do tamanho adequado.

A ideia é tão simples que, sem surpresa, a indústria de acessórios havia antecipado as operadoras com adaptadores. Só que sem um controle rigoroso de qualidade, à mercê de fabricantes desconhecidas que não prezam muito por sua reputação, muito menos com a satisfação do cliente, os adaptadores genéricos colocavam aparelhos em risco.

Eu fui vítima de um deles: ao tentar inserir um chip com adaptador genérico num Lumia 920, ele ficou preso dentro da bandeja e, na tentativa de removê-lo, os conectores foram danificados. Na época, num teste rápido feito logo em seguida, consegui sinal da operadora. Mas foi o último suspiro de um celular que jamais conversaria com o mundo pelas redes da telefonia móvel. Ao custo daquele Lumia (que, mesmo comprado numa Black Friday, me deixou no prejuízo), aprendi a lição.

Recentemente, por forças alheias, me vi comprando um novo chip. Os de corte triplo chegaram ao Brasil no final de 2014, inicialmente pela Oi. Hoje, acredito que todas as operadoras o ofereçam. Sou cliente da Vivo e, lá, consegui um.

Nano, Micro ou Mini SIM, você escolhe.
Foto: Oi.

Duas coisas me chamaram a atenção antes mesmo de colocá-lo no aparelho: o custo, de R$ 12 (o micro SIM de corte duplo custa R$ 10), e a restrição do nano SIM a planos pós-pago. Ninguém soube me explicar exatamente por que clientes pré não têm acesso aos chips nano naquela loja oficial da Vivo, e até a data da publicação não recebi retorno da assessoria da Telefônica, a quem questionei sobre esse comportamento de certa forma discriminatório em suas lojas.

O “cartão” que traz o chip é similar aos demais, com a diferença dos três cortes visíveis. Eles são destacáveis e é preciso fazer alguma força para removê-los. Ser justo assim tem motivo: os encaixes precisam ser firmes para que as partes não se soltem durante a inserção ou remoção do chip. Relembro (com um aperto no peito) que foi isso que aconteceu com meu adaptador genérico no Lumia 920.

As fotos abaixo mostram o chip no formato nano e, depois, anexado à parte que o transforma de volta em micro SIM. Testei o encaixe desse em dois aparelhos com entradas diferentes, um Zenfone Selfie, com encaixe do tipo que é preciso empurrar o chip, e um Nexus 4, de bandeja.

O cartão da Vivo, com o chip triplo corte.

Nano SIM card na bandeja de um Moto X Play.
Nano SIM na bandeja do Moto X Play.
Micro SIM adaptado.
Micro SIM, adaptado, na bandeja do Nexus 4.
Micro SIM no Zenfone Selfie.
Micro SIM, adaptado, inserido no Zenfone Selfie.

O material plástico usado no chip, bastante rígido, e a ausência de vãos entre as partes dão segurança na instalação. Não é um problema que muitos usuários enfrentam no dia a dia, mas que vários terão eventualmente na medida em que a indústria avança do micro para o nano SIM — uns dois anos atrás, chips mini ainda eram bem populares; hoje, são raros.

E, claro, essa iniciativa provavelmente será assunto nostálgico em pouco tempo. A Apple já colocou um SIM card eletrônico, que dispensa o chip físico, nos últimos iPad com 4G. Em julho, o Financial Times informou que a Apple, juntamente com a Samsung, estavam em “negociações avançadas” com a GSMA, associação que define os rumos da telefonia móvel, sobre a criação de um padrão que aposentará o SIM card físico. Dessa forma, a opção pela operadora se dará digitalmente, o que torna a escolha mais simples de ser feita ao usuário. É provável que vejamos os primeiros smartphones com essa opção chegarem ao mercado já em 2016.

Revisão por Guilherme Teixeira.

A melhor maneira de acompanhar o site é a newsletter gratuita (toda quinta-feira, cancele quando quiser):

Acompanhe também nas redes sociais:

  • Mastodon
  • Telegram
  • Twitter
  • Feed RSS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

29 comentários

  1. Pra quem tiver interesse – e sangue frio :D – existem modelos em PDF na internet para transformar chips mini em micro e micro em nano. É só seguir as linhas e cortar com um estilete bem afiado após prendê-lo no modelo.

    Arriscado? Certamente. Mas fiz com o meu chip, e o da minha esposa, ao trocar de aparelho. Nenhum problema.

    Eu também poderia ter pago alguém em uma loja de celulares pra cortar o chip, ou comprar um chip novo. Mas daí qual seria a graça? ;)

  2. @ghedin:disqus, vai rolar algum hands-on do Moto X Play? e vai rolar algum post bacanudo sobre a recente decisão da TIM, depois seguida pela Oi, de limar a tarifa interclubes? :p

    1. Estou usando um Moto X Play neste momento. Semana que vem sai o review.

      Sobre as mudanças nos planos da TIM e Oi, não sei. Provavelmente não (embora o tema seja bem importante e a notícia, ótima).

  3. Para este tipo de SIM é só chegar pedindo por ele? Não sabia que existiam… já enfrentei problemas na Tim para trocar um micro para nano com a mesma desculpa de “não ter” e/ou “só para linhas pós”. Além, é claro, de ter sido extremamente mal atendido.

    1. Eles têm também um de corte duplo (mini e micro). Eu pedi o nano e não tive muito problema porque minha linha é pós, mas só de curiosidade perguntei se rolava esse nano de corte triplo para pré e a atendente me disse que não…

      1. Quer dizer que vou ter dificuldade em conseguir um chip nano pro meu S6, já que sou cliente pré da Vivo?
        P.S.: Comprei esse aparelho naquela promoção do submarino… Muito obrigado!!!

        1. Aê o/

          Talvez. Mas sempre há alguma loja que vende… Quando precisei de um nano pela primeira vez ainda era pré. Rodei umas três ou quatro lojas aqui em Maringá até encontrar uma que vendia (bem caro) chips nesse formato para clientes pré. Isso, há dois anos.

  4. Uma anedota bacana: este cartão da primeira foto é
    quádruplo: ele tem o form factor original (chamado 1FF, e é o do cartão
    de crédito) e os 3 form factor reduzidos (os de celular). Não sei se
    existe, no mundo, algum aparelho que use SIM Card de celular e aceita o
    1FF, mas a Gemalto pelo visto resolveu não quebrar a compatibilidade à
    toa.

    1. E é por isso que o Mini-SIM se chama mini!

      Não sei se existe, no mundo, algum aparelho que use SIM Card de celular e aceita o 1FF

      Sim, existe. O Motorola Microtac 7500, por exemplo, usa.

      Acho que no Brasil nunca chegou a ser comercializado qualquer aparelho desses pois quando o GSM foi introduzido aqui o mini SIM já era o padrão.

  5. Gostei da notícia da morte dos cartões SIM prevista para o próximo ano , é uma sacanagem o que as operadoras fazem tentando vender mais alguma coisa quando da troca de SIM Card.

    1. Mas não pense que não irão cobrar taxas extras para troca de número ou pelo serviço de migração, eles sempre arrumam meios de nos taxar..

  6. Muito interessante o padrão digital, igual se fazia no antigo CDMA/TDMA, isso inclusive pode acrescentar uma camada de segurança pois mesmo com hard reset, o serial e o número do telefone ficarão associados nos bancos de dados das operadoras, isso pode dificultar repassar um telefone roubado.

    Mas acho que a opção por uma outra operadora não será tão fácil, afinal, teremos que ligar para o call center e sabemos bem como é o atendimento padrão deles.

  7. Ninguém soube me explicar exatamente por que clientes pré não têm acesso aos chips nano naquela loja oficial da Vivo, e até a data da publicação não recebi retorno da assessoria da Telefônica, a quem questionei sobre esse comportamento de certa forma discriminatório em suas lojas.

    Ghedin, acho que isso é política da loja específica, ou se bobear até de vendedor para vendedor. No início do ano fiz a migração para Vivo e, quando fui em uma loja oficial (Em Florianópolis, na Rua Felipe Schmidt) ao solicitar a compra de um nano sim pré para um novo número, não enfrentei qualquer constrangimento. Inclusive, o primeiro que comprei deu problema e trocaram numa boa. O atendimento foi muito bom. E já habilitado para 4G.

    Antes, quando era Tim, na loja oficial do Continente Shopping diziam que o nano sim era só pra pós. Na loja oficial do Beiramar Shopping venderam o nano sim numa boa, da mesma forma como na da Vivo, e 4G também.

    P.S.: Menciono os locais das lojas para caso alguém da região ler, pode saber onde ir.

    1. Algumas lojas limitam os nanos SIM apenas para novas linhas, talvez por isso tu não teve problema.
      De qualquer forma, o problema é que isso é comum em todo o país. Cada loja da uma desculpa diferente, limitam de alguma forma e sempre tentam te empurrar um serivço ou plano junto. No fim, muitos se arriscam a cortar o chip, que acaba sendo o mais simples.

      Lidar com operadora de telefonia móvel é e sempre será um saco.

    2. Algumas lojas limitam os nanos SIM apenas para novas linhas, talvez por isso tu não teve problema.
      De qualquer forma, o problema é que isso é comum em todo o país. Cada loja da uma desculpa diferente, limitam de alguma forma e sempre tentam te empurrar um serivço ou plano junto. No fim, muitos se arriscam a cortar o chip, que acaba sendo o mais simples.

      Lidar com operadora de telefonia móvel é e sempre será um saco.

        1. Também cortei o meu. Muito mais rápido do que ir na loja e ter a chande de sair com as mãos abanando…

        2. O meu primeiro eu cortei em casa mesmo, puxei um gabarito na internet, tesoura e lixa e pau na máquina. Mas como queria 4G, aí só comprando mesmo.

        3. Pra corte de chip sou um verdadeiro desastre. Ja danifiquei mais chip assim do que desperdicei agua em banho. Verdadeiro mao torta.

    3. Isso é uma forma de fazer você adquirir o plano que eles quererem e configura crime contra o consumidor.
      Eu já arrumei briga em loja por causa disso.
      O chip é o mesmo para pós e pré.

    4. Comigo foi pior: comprei um Moto X e fui na loja da vivo num shopping em Santo André. Quando fui trocar meu micro chip pro nano, disseram que só forneciam este pra iPhones (!).
      Creio que foi frescura dessa loja em específico, porque, numa outra da vivo em São Bernardo, consegui o chip triplo igual o do ghedin sem problemas.

      1. Pois é, é uma zona tão grande, que antes de pensar em reclamar com a própria operadora, é mais fácil procurar outra loja que você é atendido sem problemas.

      2. Pois é, é uma zona tão grande, que antes de pensar em reclamar com a própria operadora, é mais fácil procurar outra loja que você é atendido sem problemas.

  8. Meu irmão detonou os slots ao tirar esse chip do Oi Galera do Moto G 2 dele. Lá se foram 80 reais. As partes vieram soltas, deve ter sido por isso.
    Pelo que eu entendi depois o novo Moto G tem o encaixe do slot diferentes pra evitar esse tipo de problema.

  9. É claro que são tecnologias diferente, mas é interessante pensar que os primeiros celulares não tinham chip. Lembro que fui com a minha mãe na sede da Embratel aqui na cidade para ela ativar o primeiro celular. Acho que foi por volta de 1996. O número tinha 6 dígitos! :D

    E agora, depois de todas essas fases, com diversos tamanhos de SIM card, caminhamos para voltar a não ter mais uma pecinha para nos preocuparmos.

    1. Pelo que me recordo, os SIM chips apareceram com a tecnologia GSM. Os TDMA e analógicos anteriores não demandavam SIM.

  10. É claro que são tecnologias diferente, mas é interessante pensar que os primeiros celulares não tinham chip. Lembro que fui com a minha mãe na sede da Embratel aqui na cidade para ela ativar o primeiro celular. Acho que foi por volta de 1996. O número tinha 6 dígitos! :D

    E agora, depois de todas essas fases, com diversos tamanhos de SIM card, caminhamos para voltar a não ter mais uma pecinha para nos preocuparmos.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!