Anúncio 15% de desconto no Sh*ft Festival com o cupom MANUALDOUSUARIO

Post Livre #99

Em uma semana cheia de lançamentos, anúncios e rumores do mundo mobile — Android Oreo, Bixby, Galaxy Note 8, novos Moto G5S e Z2 Force no Brasil e iPhone 8 — será que o Post Livre consegue não debater tecnologia? Por aqui a semana foi de imersão no assunto mesmo: dois posts sobre o Note 8, um aqui no Manual do Usuário, mais reflexivo, e um hands-on para a Gazeta do Povo do nosso amigo Rodrigo Ghedin, além de uma análise em cima do evento da Motorola. Os comentários estão aí para continuarmos a conversa ou mudarmos de assunto. Vocês escolhem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

40 comentários

  1. Pessoal, alguém aí possui/investe/negocia bitcoin? O que acham, vale a pena? Usam algum app para gerenciar a carteira?

    1. Cara eu tentei comprar e por hora desisti. Tem site que não funciona no Brasil, tem site que cobra uma caralhada de taxas, tem site que pede um caminhão de documentos. Acabei me irritando e deixei pra depois. Sobre valer à pena: é um investimento especulativo, de alto risco. Pode estar bem hoje e amanhã acontecer uma merda e cair o valor.

      1. Por isso que não invisto e sou contra o Bitcoin e similares.

        A falha principal é que outrora criado para ser “a moeda livre dos nerds”, virou um alvo fácil de especulação e manobra econômica.

        Fora os problemas relacionados (a questão do criador “japonês” que depois virou uma bagunça -e admito que errei também pois culpei alguém que não deveria ser culpado), sempre notei que o bitcoin foi um oba-oba demais e todo mundo queria ganhar em cima disto. Até gente veio me procurar para tentar “me converter”, tipo “carinha da Assembléia de Deus batendo na porta”.

        Sei que há relatos que as tecnologias que criaram o bitcoin hoje são valorizadas e usadas para negociações reais. No entanto, ainda torço o nariz, o sistema pode ser confiável, mas quem o usa não o é.

        Como alguns dizem, isso está quase virando uma bolha. A supervalorização do bitcoin uma hora vai se voltar contra os próprios ancaps defensores da ideia. Afinal, uma coisa que noto é que muitos especulam muito com o bitcoin, depois trocam o dinheiro e caem fora.

        1. Realmente, nunca vi alguém comprando bitcoin pra usar mesmo, só pra ganhar dinheiro em cima.

  2. Não entendo como o Medium faz questão de apresentar uma identidade visual pior a cada mudança. Não só achei a nova marca e o novo logotipo muito piores que o original de 2013 e a atualização de 2015 como fiquei impressionado com o quão ruim ficou o ícone do aplicativo. https://uploads.disquscdn.com/images/006507ba5224081053effe0a08007a1ea706a73fb2c8f92ff6d4cf965c22e4a8.jpg

    http://www.underconsideration.com/brandnew/archives/new_logo_for_medium_done_in_house.php

    1. Isso é péssimo para o branding de qualquer marca. O Medium parece bem perdido, sem direção e sem conceito, e essas mudanças radicais na marca endossam o fato.

      1. Medium tem uma área paga agora, inclusive.

        Eu ainda gosto e uso a plataforma, mas, não é nem sombra do que disseram que iria ser e do que eu pensei que iria ser (um local pra eu parar de publicar textos no Facebook ou num blog pessoal).

        1. Eu curti a proposta quando ele surgiu, mas na época eu meio que sabia que não daria muito certo. Tenho um perfil no Medium, mas nunca publiquei nada nele… A culpa da irrelevância dele pode ser dividida por vários fatores, incluindo a audiência que se dá pra portais grandes que publicam “notícias” com um parágrafo. Também dá pra por na conta sua falta de integração com sites comuns: o Facebook tem o botões curtir, compartilhar e recomendar (redundante?), e um plugin de comentários; o Twitter tem o botão tweet; o Google+ tem o botão +1… O Medium tem o que pra marcar seu território? Que eu saiba, nada.
          Dito isso, imagino que o Disqus seja o que o Medium poderia ter sido, ainda que as propostas sejam diferentes. Pois o Disqus pode tanto ser um sistema de comentários de qualquer site como também uma rede social com canais próprios, que é algo próximo do que o Medium é.

          1. Tive alguns textos aceitos no Medium Brasil quando ele existia e era de responsabilidade do Leandro Demori com muitas visualizações (o de depressão tem quase 6k views e 153 “curtidas”, por exemplo, foi o texto escrito por mim com mais alcance na rede e que me permitiu entrar em contato com bastante gente, normalmente querendo conversar sobre o assunto).

            Mas fora do Medium Brasil, esse texto: https//goo.gl/WSxvtv é que tem mais visualizações (116). Ou seja, era muito complicado sair da bolha sozinho. Esse era um dos problemas do Medium pra quem queria ser lido.

            Acho que o que a plataforma quis/quer é ser um hub de textos longos, bons e trabalhados (era isso que eles falavam ao menos) e não mais uma rede social de insights curtos (twitter) ou discussões (Facebook e Google+).

            Eu curtia, hoje perdeu o apelo pra mim.

          2. Licença? Um ponto extra é que a bolha do Medium era bem seletiva e tinha seus pormenores para se fazer crescer dentro da plataforma.

            Existia uma promessa de se fazer uma comunidade que fosse livre nas ideias, mas também organizada por si só. No final, virou uma bolha com seus próprios vieses. Já tentei fazer duas vezes alguns textos, mas acabava apagando a conta de raiva quando tinha problemas.

          3. O publico-alvo é bem específico – ainda que com o tempo tenha se tornada um grande repositório de feedback de entrevistas no Google e posts sobre hacking – e era focado no pessoal “progressista” digamos assim. De fato, visões que saíssem desse escopo iriam ser “malhadas” nos comentários pelos outros usuários. E provavelmente as publicações não iriam aceitar (mas pra isso você poderia simplesmente publicar apenas no seu perfil).

            O Medium jamais resolveu o problema de quem queria ser lido, mas foi quem chegou mais perto.

  3. Gostaria de saber se alguém conhece um app que sincroniza uma pasta do smartphone (android) de forma automática na nuvem(OneDrive se possível). Tenho alguns arquivos que salvo do Trainee no celular e gostaria que essa pasta que está no aparelho seja salva de forma automática na nuvem.

  4. Li o texto no Tecnoblog sobre o próximo aumento nos preços dos tops de linha. Estava falando sobre isso essa semana, coincidentemente. Acredito que vá mesmo acontecer, e que, na contramão, a Motorola acertou no preço do Z2 Force, afinal fica abaixo de qualquer top de linha, é preço de top de linha de 2015 e até então é o melhor hardware vendido oficialmente no país. Estou ansioso pelo Zenfone 4

      1. Ou não, já não carregam um pedaço de metal ainda mais caro no pulso? E sem ser de luxo, e sim, estou me referindo ao Apple Watch

      1. Sim, aparentemente reduziram o lucro por peça para ganhar por quantidade, igual fizeram no começo

  5. Li o texto no Tecnoblog sobre o próximo aumento nos preços dos tops de linha. Estava falando sobre isso essa semana, coincidentemente. Acredito que vá mesmo acontecer, e que, na contramão, a Motorola acertou no preço do Z2 Force, afinal fica abaixo de qualquer top de linha, é preço de top de linha de 2015 e até então é o melhor hardware vendido oficialmente no país. Estou ansioso pelo Zenfone 4

  6. Caros, em dezembro do ano passado resolvi me aventurar fora dos smartphones high end, e comprei um Zenfone 3 Max por uns 800 e poucos contos. Achei que seria dinheiro jogado fora, mas no geral está dando conta do recado e me atendendo bem.

    Com esses lançamentos de high ends cada vez mais caros, eu me pergunto: vocês ainda veem necessidade para seus usos diários dos high end, ou os smartphones mais singelos já estão dando conta do recado pra vocês também? Queria saber se eu que diminuí minhas exigências, ou se é geral o sentimento de que os high end são canhões para matar mosca.

    1. Em geral, smartphones high-end são desnecessários. A massa mesmo usa o “básico”, que resume-se a Facebook, WhatsApp, Instagram, Uber… Enfim, apps populares. Não sei qual é a sua necessidade, mas imagino que se enquadre dentro dessa curta descrição acima.

    2. acho que high-end só faz sentido para quem quer uma câmera super ultra blaster de boa. mas eu sinceramente só compraria com seguro. de resto, um intermediário premium resolve bem.

      1. Eu tbm, acho que seria o diferencial. Agora pagar muito mais para ter mais processamento e memória que não serão utilizados acho que não vale a pena.

      2. Talvez comprar um high end do ano passado seja uma boa solução , boa camera , boas specs é provavelmente receberá uma atualização de OS

    3. Cansei de carregar celular “trambolhão”. Cheguei a ter um Moto X Style e foi a gota d’água. Passei pro S7 Flat e mesmo assim incomodava no bolso da calça. Como nosso mercado não tem opção de novidade em tela pequena, comprei um Z3 Compact de vitrine. S7 Não faz nenhuma falta pois não utilizava todo o poder dele. Então descobri após ‘jogar dinheiro fora’ com high end que eu não preciso de uma super câmera, um super processador do ano, etc. Z3 Compact atende muito bem e ainda é um belo aparelho.

    4. Tô com um Nexus 5X e percebi que não preciso de nada além disso. Antes era necessário um high end pra ter uma boa experiência, agora os mid já dão conta do recado.

      1. Mas o 5x também foi lançado como flagship, só que mais barato por causa da construção e processamento. Ainda sim, a meta era oferecer um desempenho alto por menos. Agora em 2017 percebo que dava pra cobrar um pouco mais por mais RAM, o meu carrega as coisas de forma rápida porém não mantém muito, recarrega os apps da home, com o Android O vai melhorar isso pq já vi um 5x com ele. Mas agora, no Nougat mais atual, não tá dos melhores.

        1. Não classificaria como flagship, acredito que seja mais um médio com processador melhor. Não sei como ele foi nomeado na época, mas não tem construção premium, tem “apenas” 2GB de RAM (na época 3GB já era unanimidade nos high ends) e tem uma tela sem exagero de pixels.

          Falei “apenas” 2GB porque sinceramente não vejo ele engasgando com tarefas corriqueiras. Pode ser por eu usar custom ROM, mas também não lembro de nenhum engasgo com o Android stock.

          1. O meu começou a ficar meio lento em certas tarefas depois de algumas atts do Nougat, mas acredito que com uma rom como o lineage ele fique melhor. Pelo menos funcionou com o X Play

          2. Acredito que resolva sim. Não consigo ficar sem Custom ROM, mesmo sendo Nexus o aparelho fica mais leve com elas

          3. O grande empecilho para mim é o leitor de digitais e a qualidade da câmera, que está excelente no atual android.

    5. Eu uso um iPhone SE e esta ótimo, não sou heavy-user de smartphone, então a tela é chata mas a praticidade do tamanho é vantagem também. Por outro lado, tem ótima qualidade de áudio, as fotos são boas e o desempenho acima da média. A diferença de preço não justifica um iPhone 7, para considerar apenas um smartphone da mesma marca.

      Acho que.o que mais pegava era desempenho e isso os mid-ends já atendem e, para piorar, a Quallcomm está bem estagnada: não há tantas diferenças entre os processadores da linha 800, então um high-end do ano passado ou mid-end pode ser bem razoável já que não estão ocorrendo saltos de geração para geração.

      1. Um SE tem desempenho de iPhone 6s, não era pra ser abaixo da média de qualquer forma. Mas concordo com você, a diferença entre os processadores já está bem pequena em relação ao uso geral. Exemplo é que o Snapdragon 625 tem desempenho igual ou melhor que o 801, que já era e ainda é bom; o Snapdragon 650 tem desempenho próximo ao Snapdragon 805 e 808, o 652 beira o 810, e agora o novo snapdragon 660 tem poder praticamente idêntico ao 820 só que mais econômico graças à litografia menor e aos núcleos Kryo que são da mesma geração do 835. Essa mistura acaba sendo boa para quem quer desempenho alto sem pagar muito.

    6. Depende muito do uso. Tops de linha nunca são tão populares quanto os intermediários por causa disso. Eu uso um Mi5s, quero desempenho e câmera, então tenho, e não paguei caro. Para quem só usa redes sociais um bom intermediário tá ok, só que no Brasil um intermediário tem preço de top de linha importado.

    7. Um high end do ano anterior considero (ainda) uma boa compra , provavelmente receberá uma atualização de OS e terá uma boa camera

O site recebe uma comissão quando você clica nos links abaixo antes de fazer suas compras. Você não paga nada a mais por isso.

Nossas indicações literárias »

Manual do Usuário