Post Livre #90

Finalmente é sexta-feira! Por aqui uma semana tão cheia que não consegui terminar os textos que pretendia, mas que logo virão! Por outro lado, pela primeira vez am algumas semanas, tivemos dias bem movimentados na cena tecnológica do Brasil e do mundo. Teve CEO do Uber saindo, novas TVs da Samsung e novos Motos da Motorola no Brasil, e até uma aquisição surpreendente: Cabify comprando a Easy, aquela que antes era só de táxi. Sobre o que vamos falar primeiro?

O Manual do Usuário é um blog independente que confia na generosidade dos leitores que podem colaborar para manter-se no ar. Saiba mais →

Acompanhe

  • Telegram
  • Twitter
  • Newsletter
  • Feed RSS

89 comentários

  1. O que vocês acharam sobre a notícia do Google não ler mais ou emails para criação de publicidade?
    O que isso realmente significa para a privacidade do usuário?
    Vi muitos sites falando sobre a notícia, mas ninguém lidando sobre o que realmente importa, que é como fica a privacidade.

    1. Pedro, eu acho que se altera pouco, porque eles não vão ler *para anúncios* apenas. Ou seja, vão continuar lendo para outros objetivos, como parsear os e-mails com reservas de voo para colocar na agenda, parseando e-mails de compra para colocar um botão para rastreamento; etc.
      Alguém pode alegar que os dados não serão usados para anúncios, logo, isso protege a privacidade porque os demais usos “beneficiam o usuário”. Entretanto, o próprio uso para anúncios era “relativamente” anônimo: o Google não vendia seu perfil para terceiros, ele apontava públicos-alvo para terceiros com base nos dados que ele tinha.
      Eu acho que pouco se altera porque o Google, seja como for, tem os dados. Pode ler os e-mails. Por isso eu acho muito saudável a criptografia de ponta-a-ponta, e outras iniciativas como o ProtonMail, por exemplo.

      1. Estou começando a estudar alternativas de emails e talvez eu migre para o Zoho.
        Eles oferecem um plano grátis e outro a U$2,00 por usuário que me parece bem interessante, e ainda posso usar meu domínio que hoje funciona como alias no Gmail.

  2. Aparentemente setup Dual Cam é o futuro dos smartphones, já que estamos quase no limite de megapixels, aberturas, lentes, etc, a moda agora será ter duas câmeras para um efeito extra, seja efeito bokeh, imagem grande angular ou B&W. O que vocês acham que virá depois disso?

    1. Isso me parece uma daquelas novidades “inúteis” que vão fazer propaganda à vontade pra justificar a compra de um novo celular… assim como o 3D em TVs…

      Mas falando sério, para um leigo, qual a vantagem de duas câmeras em um celular?

      1. Acho que para uso em redes sociais. Não exatamente por ter duas câmeras, mas pelo efeito, pois o efeito bokeh é bem legal e para quem vive tirando fotos é bem chamativo tal recurso. Já para um público que gosta mais de câmeras, uma câmera B&W tipo da Huawei é bem interessante, assim como para alguns streamers a grande angular da LG é extremamente conveniente. Pra mim qualquer um desses recursos seria legal, pois se com uma câmera já consigo bons resultados uma segunda câmera seria um adendo, apesar de gostar do efeito bokeh acho que iria querer mais uma câmera monocromática, a solução da Huawei é interessante pois além do sensor mono é possível fazer um efeito bokeh, que por sinal fica excelente justamente pq o sensor monocromático captura mais luz e detalhes. Isso prova que não precisa ter zoom de 2x para ter o efeito bokeh. De todas, a Huawei é a que consegue os melhores resultados em condições de pouca luz, que é o calcanhar de Aquiles do efeito bokeh

          1. tambem tive que pesquisar pra entender o que era.
            e tambem acho pouco relevante. hhahaha

          2. Isso é essencial pra isolar o assunto principal da fotografia qdo há muita informação no enquadramento. Dá pra usar das mais diversas maneiras e, claro, tem gente abusa e fez ficar banal.

          3. Entendi bokeh como aquele efeito que você separa o objeto fotografado do backgrorund, que fica com um leve blur

    1. Já ouvi vários relatos de amigos que disseram que o ladrão que não leva iPhone aqui em Porto Alegre porque o iCloud fica bloqueado a o telefone não serve pra mais nada. No OLX tem iPhone “bloqueado” aos montes.

      Já ouvi de gente que apanhou por ter iPhone – o cara vai roubar e se depara com um telefone que não serve pra nada pra ele, grandes chances de apanhar, tomar uma coronhada, etc.

      1. Rola mesmo, mas por causa de fenômenos assim (ou só pra não perder o celular mesmo) rola uma parada aqui no RJ de andar com o “celular do ladrão”, ou então com o “dinheiro do ladrão”, muitos amigos(a) meus fazem isso e tal, é engraçado mas é trágico também

          1. Pode ser tipo uma devassa (a q era feita no Brasil colonial e não a cerveja, diga-se).

        1. Aqui em BH rola também, não é aos montes, mas conheço algumas pessoas que fazem assim.

  3. Já viram o http://pixelcanvas.io/ ? Não vi nenhum site “grande” falando sobre isso, mas aparentemente é a nova sensação da internet. Você pode pintar 1 pixel da imagem (que aparentemente é infinita) a cada 1 minuto e meio. E brasileiro, como sempre, já se apoderou de boa parte do “território”… Será que poderíamos comparar a um grande muro virtual colaborativo?

    1. Derivou-se de uma brincadeira de primeiro de abril do Reddit… E o tempo varia, ao que me parece, dependendo da distância do centro.

    2. Achei curioso vc usar a palavra ‘território’. Tenho pensando muito justamente sobre o ‘território’ no ambiente virtual. Já te ocorreu algo sobre isso?

      1. Penso no território virtual em camadas do que uma fragmentação de um plano

      2. Então, eu usei a palavra território num sentido mais literal, pensando “território” como uma “área” do mapa do pixelcanvas. Mas a gente pode pensar “território” no ambiente virtual como uma página, site ou sistema administrado por qualquer pessoa, que poderia ser “dominado” ou “conquistado” por um hacker.

  4. Alguém de vocês já usou Duolingo? Mais especificamente para Alemão… é legal, dá para aprender um básico razoável?

    1. Eu usei o Alemão por umas duas semanas só, mas parei por falta de tempo + falta de eu me forçar a abrir ele todo dia.

      Ele ensina o básico, dá pra se virar um pouquinho. O que ele não costuma fazer é te ensinar o porquê das frases serem escritas do jeito x e não do jeito y. Como o alemão tem uma conjugação de verbos e artigos mais complicados do que o inglês, se tem uma dificuldade nisso até pegar o jeito.

      Acredito que não sirva como um “curso” pra nenhum idioma, mas é ótimo pra praticar pronúncia, ou simplesmente aprender o básico para estudar de outra maneira mais pra frente.

    2. Já usei e recomendo. Mas não fique só tentando responder e passar pra próxima, as vezes é bom ver as dúvidas das pessoas, tem discussões legais lá. E, é claro, não pode parar de praticar.

  5. Meu primo quer fazer faculdade na área da computação. Em minha cidade existem três cursos na área: Análise e desenvolvimento de sistemas, Ciência da computação e Sistemas de informação. Qual a diferença entre eles? Qual vocês recomendariam?

    1. Análise e Desenvolvimento de Sistemas: Foca, como o nome diz, em análise e desenvolvimento, com várias disciplinas de áreas gerenciais.

      Sistemas de informação, apesar do nome, abrange mais coisas além de computação. Aqui na minha cidade, reformularam o curso de biblioteconomia e colocaram esse nome.

      Ciência da computação é o mais completo, abrange tudo o que o primeiro e vai bem mais além. É bem mais pesado, geralmente é ofertado na modalidade de bacharelado com duração entre 4 e 5 anos.

      Se o cara tem como se dedicar apenas aos estudos, vá com este último. Eu comecei a cursar Ciência da Computação, tive que parar quando me mudei de cidade e comecei a trabalhar e, por não dar conta de conciliar os dois, acabei fazendo análise e desenvolvimento de sistemas. E sim, eu gostaria muito de ter concluído o primeiro. Considero que hoje eu seria um profissional mais bem qualificado e teria sido uma imensa satisfação pessoal pra mim.

    2. Recomendo dar uma olhada na grade curricular de cada curso, pois isso pode variar de universidade pra universidade.

      Mas em CC o que se vê é o core da computação, então terão disciplinas bastante voltadas para matemática, como cálculo e álgebra, além de disciplinas como teoria da computação, compiladores, arquitetura e etc.

      Em ADS e SI normalmente é algo mais voltado ao mercado de trabalho. Então essas disciplinas mais ‘teóricas’ tem menos espaço na grade curricular.

    3. Teoricamente CIC forma cientistas aptos a entrar no meio acadêmico e seguir carreira dentro da universidade com uma sólida base teórica de informática voltada para software (programação) principalmente sem se preocupar muito com o mercado de trabalho atual (vai formar um programador muito mais capaz e com muito mais conhecimento da ciência de fato por trás da computação mas que provavelmente tem lacunas de conhecimentos mais novos e/ou mais aplicados ao mercado).

      Vai ter cálculo diferencial e integral, matemática discreta e álgebra linear, por exemplo.

      Os outros dois cursos são mais gerenciais e/ou técnicos (de formar profissionais aptos ao mercado e com conhecimentos voltados ao mercado corporativo) do que CIC.

      Eu recomendo quem quer aprender computação a cursar CIC e quem quer arrumar emprego de programador a fazer um curso técnico. Não vejo faculdades de Análise de Sistemas ou Sistema de Informação (que é uma coisa super genérica inclusive) como uma boa indicação para alguém que quer aprender informática e está no início da vida profissional, que é quando você pode escolher caminhos e tem mais mobilidade.

    4. CC = Vai ver muuuuita coisa teórica, e um pouco de tudo de computação. Eu diria que é a “medicina” da computação. Mais voltado pra área acadêmica.

      SI = é computação + administração. Você vai ver muita coisa relacionada a organizações, projetos, administração em si, etc. Voltado pra aplicar a computação a processos de empresas.

      ADS = Eu não saberia dizer, mas eu poderia arriscar que é um curso mais voltado pra parte prática, onde você se tornaria um engenheiro de software mesmo. Poderia dizer que é CC menos todo o arcabouço teórico.

    5. Acho que o pessoal já explicou bem, mas talvez seja legal esse podcast também:
      http://hipsters.tech/faculdades-ciencia-da-computacao-e-sistemas-de-informacao-hipsters-47/

      O pessoal se perde um pouco com a história dos cursos no podcast, mas acho que
      mais informação sempre é válido para uma decisão importante como essa.

      Dando um relato pessoal: eu fiz Sistemas de Informação na USP, optei por esse curso por ser mais fácil de entrar e ser de noite, permitindo que eu trabalhasse durante o dia. Além disso, eu tinha em mente que o caminho era seguir para a área gerencial mesmo pela minha experiência no técnico em Anáise e Desenvolvimento de Sistemas.

      Durante o curso, tomei gosto pela área de computação e decidi fazer um mestrado focado em machine learning, nessa hora pesou um pouco a falta de background que um bom curso de ciência da computação me daria em álgebra linear e cálculo, mas consegui contornar porque o curso de SI da USP ainda é bastante focado em computação.

      Reiterando o que o @brncavalcante:disqus falou: avalie a grade curricular, tem muito curso de Ciência da Computação que muda de foco para atender ao mercado por exemplo.

    6. Como o pessoal falou, varia de faculdade pra faculdade.

      Na UFMG existe uma diferença, mas nada gritante. SI tem até Cálculo II, CC até Cálculo III, CC tem umas matérias da Física enquando SI tem algumas da Adm, SI tem 2 matérias de Engenharia de Software enquanto CC tem 1 e outras coisas nesse sentido. De semelhanças temos Álgebra, Matemática Computacional e outras matérias “de base”, além de termos acesso às mesmas optativas. Em um curso é possível cobrir as todas (ou no mínimo 90%) as matérias obrigatórias do outro pegando como optativas.

      Está havendo uma discussão entre os professores daqui para fazer o ciclo básico de ambos os cursos igual, e, ao chegar no período X, o aluno escolhe se quer focar na grade de SI ou CC. Particularmente achei essa proposta muito boa, vamos ver no que vai dar.

      Vale a pena conversar com pessoas que fizeram esses cursos na sua cidade e refletir onde você tem preferência para seguir carreira. No pior dos casos você pode se transferir, não vai ser ~um ou dois semestres da sua vida que foram perdidos~, já que você vai aproveitar muitas coisas de um curso no outro.

      (no fim das contas pode parecer que não respondi diretamente a sua pergunta, mas foi um adendo ao que o pessoal já falou :D)

    1. Garanti Portal 1 e 2 que estavam absurdamente baratos. Peguei Spelunky também, mas por enquanto foi só isso.

    2. receber a mensagem pela email “54 jogos da sua lista de desejos estão em ofertas” é tentador, mas como to quase sem dinheiro talvez só pegue uns 2 ou 3.

    1. Não conheço nenhum canal sobre programação que seja realmente bom, mas, se você quiser aulas de programação o EdX e o Coursera tem muitos cursos com professores de universidades de renome, e para apenas assistir as aulas não precisa pagar nada (e se você quiser se engajar nos cursos/programas deles sempre é possível pedir financiamento e não pagar pelo acesso/certificado, eu fiz isso pra um curso do ITA de Java + TDD que eu tô fazendo nesse momento).

      Recomendo mais do que qualquer tutorial no Youtube.

      1. Bacana a dica. Eu já devorei o conteúdo sobre HTML5 e CSS3 do Curso em Vídeo, estou assistindo os vídeos de um egípcio (fala muito e ensina pouco), tenho umas apostilas aqui em casa e pretendo ver conteúdo do W3C. Claro que coisas fora do YouTube estão no meu radar. O YouTube pode facilitar uma vez que posso ficar em casa mesmo

        1. Eu acho que o filtro no Youtube que você vai ter que fazer vai ser muito mais trabalhoso em relação aos sites de EAD. Udacity tem uns programas bons também.

      2. @paulopilotti:disqus como funciona esse pedido de financiamento?
        Sempre quis pegar uns certificados, mas pagar em doletas pesa no orçamento

        1. Em todo o curso/especialização deles tem um link na barra lateral com o “financial aid” que tu pede pra fazer o curso sem pagar.

          Eu consegui pra especialização que eu queria respondendo as perguntas que eles colocam ali – renda per capita, se tá empregado, etc.

    2. O Free Code Camp tem um canal, mas que funciona mais como auxiliar do site. Recomendo dar uma olhada pra ver se te interessa. Eles focam em programação web pelo que vi quando dei uma passada rápida no site.

    1. Acho que isso é pessoal.

      Você tem, por exemplo, metas de curto/médio/longo prazo que você quer cumprir, se conseguir pode se dizer que foi tudo plenamente produtivo.

      Você pode ter tarefas diárias/semanais/mensais que também, caso cumpridas 100%, pode-se dizer que foi um mês produtivo, por exemplo.

      Mas a real é que não tem como medir isso e a própria neura de medir isso é uma coisa completamente sem sentido que a nossa sociedade impõe cada vez mais. Acontecem problemas, imprevistos e toda a sorte de coisas no caminho de cada pessoa que, no final atrasam tudo e podem dar a impressão de “improdutivo”. Do mesmo modo, cada pessoa tem uma história e um ritmo que quando olhados e comparados com pessoas completamente diferentes podem virar uma pressão desnecessária.

      A busca por produtividade, viagens, sucesso e realização é uma busca vazia e imposta. Cada um sabe quando está sendo produtivo e fazendo aquilo que queria/deveria fazer e quando não está. Quando essa sintonia interna está desalinhada, normalmente é fruto de uma pressão externa irreal ou de expectativas que nós mesmos criamos e que são impossíveis de serem alcançadas.

      Resumindo: relaxa.

      1. Não sei se é uma neura — em sentido negativo — ou apenas você querer aperfeiçoar seu rendimento numa determinada tarefa para ter benefícios com isso.

        Percebo que minha dificuldade é não ter uma constância de produtividade. Em certos momentos atinjo picos (principalmente próximos da deadline) e em outros estou no vale. O ideal seria ter menos desvios, equilibrar bem e ir buscando subir a média.

        Mas meu ponto mesmo era como ter foco para fazer um trabalho que precisa ser feito? Como exercitar o poder de dizer não para as distrações e as coisas que te atrapalham do seu objetivo?

        1. Foco é uma coisa que não tem muita relação com produtividade.
          Se você não consegue manter o foco numa determinada tarefa o problema é outro e não necessariamente ser produtivo ou não. Foco é uma coisa difícil de alcançar mesmo, acho que é muito mais disciplina do que qualquer coisa.

          É uma neura quando começa a ser algo que norteia a vida das pessoas a ponto de ser uma preocupação maior ou uma comparação irreal. Você diz “aperfeiçoar o rendimento” o que exatamente é isso? Fazer mais tarefas em menos tempo? Entregar mais trabalhos em menos tempo?

          Eu digo que é uma neurose exatamente porque nós ficamos presos em algo que sequer conseguimos determinar/definir (como por exemplo, exatamente a ideia de aperfeiçoar-se em algo sem saber exatamente o que seria).

        2. Falando de parte prática, percebo que as técnicas de produtividade rondam duas premissas: reduzir interrupções (e consequentemente multi-tasking) e manter um sistema de recompensas para que você não desista e perca foco.

          O maior problema é como atingir esses objetivos, acho que depende muito de cada pessoa e do tipo de trabalho, não consigo implementar muito bem essas técnicas…apenas aspectos pontuais em determinadas atividades.

    2. Produtividade, depois de certo ponto, vira um fim em si mesmo. O que eu tento ser é empenhado, dedicado e proativo. Não somos máquinas para sermos mensurados dessa maneira, por “produtividade”.

      Se um dia você não cumpre a contento as suas tarefas, tudo bem — é isso, em parte, o que nos faz humanos, e acaba compensado por dias em que nos sentimos melhores, fazemos mais coisas ou a sorte dá uma força.

      Se essas deficiências se repetem com frequência, tem que parar e analisar o que está errado. Às vezes, aliás, o problema é justamente a expectativa de se ter resultados surreais.

    3. Não :(

      Às vezes eu penso que o problema é (falta de) motivação, às vezes eu acho que é com minha saúde (fico com preguiça muitas vezes), já tentei ir até pra psicólogo ver isso, mas infelizmente ainda não encontrei uma “causa”….

      1. Mesma coisa pra mim. Às vezes simplesmente não consigo focar e simplesmente vou deixando de fazer o que preciso, não no trabalho. Mas coisas que preciso fazer em casa.

        1. Pois é. No trabalho também não me ocorre isso. Às vezes eu acho que é por falta de alguém “lhe cobrando o trabalho” ou simplesmente te atribuindo as tarefas que você precisa fazer (eu mesmo me atribuir tarefas não dá certo…)

    4. produtivo? sim.
      só detesto que fiquem me enchendo o saco com dezenas de tarefas urgentes.

          1. De fato, ser produtivo nos moldes que ensinam que o sistema prussiano de trabalho/escola pede é incompatível com criatividade (de qualquer tipo).

  6. Vocês ainda acham necessário fazer root/jailbreak em seus celulares?

    Eu fiquei um ano sem, mas ontem resolvi mudar a rom do meu celular e aproveitei para fazer root, e logo em seguida instalei o cerberus e configurei tudo, e me senti mais seguro em relação a ser roubado, pois terei certeza que ele não vai acessar meus dados, além de instalar o Titantium Backup, para fazer backup das configurações dos aplicativos, o que não é feito por padrão, pq tive que entrar em cada aplicativo e reconfigurar tudo, o que é bem chato, ainda mais se vc tiver muitos aplicativos.

    1. Fiz quando tinha iPhone 3GS, pq queria testar 1 app (tinywings) e não tinha CCi e não existia Appstore BR. Nunca fiz no Android

    2. Não acho. E não sei até que ponto as ferramentas oficiais ficam atrás dessas que você citou. Quando roubaram meu iPhone, bloqueei ele pelo Find my Phone e, depois, pela operadora, e quando comprei um novo, baixei os apps e tudo voltou como era antes pelo backup do iCloud. (Pelo que acompanho, no Android seria a mesma coisa.) Por que você usa Cerberus e Titanium Backup?

      1. Cerberus: coloquei para caso alguém erre a senha duas vezes, Rio recebo foto e localização do celular, msm que a pessoa formate o celular, ele ainda está rastreando, além de saber o novo número de celular.

        Titanium backup : backup dos aplicativos, no Android não é como vc disse, eu tenho que reconfigurar o aplicativo novamente, como por exemplo: tirar a vibração e sons do facebook

          1. Para backup, vc tb consegue desinstalar apps padrões, e transformar apps em aplicativos do sistema tb

        1. Ah sim, no iOS também não salva as configurações, só os dados. Não me parece algo muito trabalhoso, até porque (em tese) não se troca de celular toda semana. Mas o lance do Cerberus continuar rastreamento mesmo após formatar, isso é bem legal! Se bem que, com uma boa senha na tela de bloqueio, tem como formatar? No iOS, arrisco dizer que é impossível.

          1. Nos aparelhos Android é só vocês baixar a ROM do aparelho e você consegue formatar o celular, uma falha que a Google ainda. Não conseguiu resolver

          2. No Android tem sim, vc entrando no modo de recuperação vc formata o sistema facilmente.

    3. Sim! Fiz no meu e acho q só por conta disso ele é rápido e eficiente.

    4. Eu acho válido para instalar bloqueadores de anúncios system-wide, ou seja, que bloqueiem anúncios não só no navegador, mas em qualquer aplicativo.
      Pra quem é paranoico por privacidade (eu sou um pouco) também vale a pena.

      1. Vc usa qual? Eu testei o AdGuard, mas ele simplesmente consome muita memória.

        1. Atualmente nenhum porque não tem root pro meu celular. :-(
          Mas usava o AdAway, dos repos do F-Droid, que baseia o bloqueio em alterar o arquivo hosts. Super rápido e eficiente: https://adaway.org/

          1. Estou testando aqui, e ele já bloqueou a propaganda de um aplicativo muito chato, rs.

  7. Ainda não acredito que a Motorola/Lenovo teve a coragem de lançar aquele troço do Moto C e por aquele preço ainda. E pensar que em 2012/2013 eu comprei um Lumia 520 e ele já vinha com 8GB de armazenamento interno.

    1. Se levarmos em consideração o que ele oferece, ele está meio caro. Enfim, o que não está caro ultimamente?

    1. Não tenho esse app instalado, mas parece que deu um problema de mudança no diretório onde os arquivos são salvos.

      Obs: posso tá falando merda.

  8. Tem uma infeliz vendendo arroz doce aqui ao lado do trabalho gritando alto, parece que tá tentando parir o alien….a cada berro dela, minha sanidade mental cai 10%.

Os comentários deste post foram fechados.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!