Post Livre #84


12/5/17 às 18h43

Sexta-feira é dia de post livre por aqui, uma tradição que precisa ser mantida para que essa comunidade tão especial tenha espaço no blog que ajuda a cuidar, a manter e a promover. Apesar do adiantado da hora (desculpem, dia cheio por aqui), vamos começar a conversa do final de semana? Sobre o que, além desse ataque hacker histórico, vocês querem falar? A Build 2017, a conferência da Microsoft para desenvolvedores, também é uma boa, assim como sugestões de pauta, dúvidas de tecnologia (ou da vida, por que não?) ou apenas mais um bate-papo entre amigos virtuais. Bóra lá?

Cadê os anúncios?

O Manual do Usuário é um projeto independente, que se propõe crítico e que respeita a sua privacidade — não há scripts de monitoramento ou publicidade programática neste site. Tudo isso sem fechar o conteúdo para pagantes. Essas características são vitais para o bom jornalismo que se tenta fazer aqui.

A viabilidade do negócio depende de algumas frentes de receita, todas calcadas na transparência e no respeito absoluto a você, leitor(a). A mais importante é a do financiamento coletivo, em que leitores interessados sustentam diretamente a operação. A assinatura custa a partir de R$ 5 por mês — ou R$ 9/mês para receber recompensas exclusivas:

Assine no Catarse

Newsletter

Toda sexta-feira, um resumo do noticiário de tecnologia, indicações de leitura e curiosidades direto no seu e-mail, grátis:


Nas redes sociais, notícias o dia todo:
Twitter // Telegram

70 comentários

  1. Pessoal, comecei a analisar a ideia de comprar um smartwatch para me acompanhar em caminhadas. O objetivo é apenas auxiliar no controle do smartphone, controle de música, aplicativo de exercícios. Não penso em monitor cardíaco ou contador de passos.
    Pensando nisso fui atrás de alguns aparelhos mais antigos e encontrei um Zenwatch 2 por U$79,99, ele é um refurbished.

    Acham que vale a pena? A tela dele é aceitável para ser ver com sol?

    1. Ao que li esses dias, será que uma mera Mi Band não supre esse objetivo?

      Do pouco que pesquisei desde que me interessei pelo assunto, esse Zen tá com preço bom comparado aos smartwatchs que vi na ultima semana.

      1. Mas uma Mi Band controla aplicativos?
        Por que esse é meu objetivo, controlar Spotify, Play Música, Endomodo sem precisar tirar o celular do suporte, bolso ou seja lá onde estiver…
        Acho que as Bands são mais fitness, não?

  2. Graças ao WannaCry, sera que as grandes empresas darão mais atenção a manutenção/atualização de suas maquinas?!

  3. Pessoal, lá venho eu pedir recomendação de novo: alguma sugestão de roteador WI-FI para substituir um antigo Linksys wrt54g que sustentava tranquilamente uns 20 notebooks/smartphones numa sala de 20m2? Ele tinha dd-wrt, não sei se muda tanto. Como não manjo nada, vocês acham que dá para conseguir algo assim dentro de 200-300 reais?

  4. Quais sites/blogs vocês costumam acompanhar (fora o manual) sobre tecnologia? Conhecem algum blogs de pessoas “comuns”?

    1. Adrenaline, Canaltech, Manual, Meiobit, e Tecnoblog principalmente. Também acompanho alguns especializados, tipo MSPowerUser e Windows Central (uso um Lumia, já viu né… No Brasil não tem nada de qualidade).
      Fora isso acompanho outros com menos assiduidade.
      Eu gostaria inclusive de elencar uns cinco sites estrangeiros pra por numa lista de elite no Twitter, mas sempre fico na dúvida sobre quais são os melhores.
      Alguma sugestão?

      1. PQP! Você consegue de fato acompanhar tanta coisa distinta?

        Eu acompanho somente o MdU e o 8-bit Guy no Youtube, deixei todos esses blogs de tecnologia pré-adolescente pra trás (1/2 bit, Giz e Adrenaline) porque não conseguia mais aguentar a pegada tóxica dos textos (1/2bit) ou dos comentário (Giz).

        “Acompanho” o tecnoblog via Telegram, lendo manchetes durante o dia e caso seja **MUITO** interessante eu leio a matéria (normalmente não é, infelizmente).

        E acompanho as discussões sobre redes e internet no r/InternetBrasil.

        1. Acompanho muita coisa mesmo. Eu acompanhava mais. Trabalhei no falecido Grupo Up escrevendo pra dois sites de tecnologia, e tinha que ficar ligado, por que o ritmo deles nada tinha de slow. De uns tempos pra cá cortei muita coisa, usando meus dois critérios subjetivos de qualidade e relevância. Olhar Digital, TecMundo, Gizmodo (Brasil e gringo), Showmetech, Mashable, Tech Chrunch estão entre os cortados. E devo cortar vários outros, incluindo o Adrenaline. A qualidade da redação deles é baixa, em termos de português mesmo, o que é lamentável considerando a audiência que eles tem. Outros sites gringos também devem passar pelo meu facão, que eu acompanho mais por causa do inglês, que persisto em querer melhorar. Mas às vezes as matérias são muito clickbaits, ou o próprio site é péssimo – demora pra carregar, não aguenta ficar em segundo plano, tem design ruim, etc. Então, os cortes devem continuar.
          E valeu pela “dica” do subreddit, darei uma olhada nele.

    2. Eu acompanho o Showmetech, apesar de estranhar como os artigos são escritos, sei lá, a estrutura do texto. Pode ser um vício por acompanhar o Tecnoblog desde o início.
      Outro é o Tekimobile, acho bem interessante por ter muito conteúdo sobre smartphones chineses. Algo que vem crescendo o interesse pela facilidade de importação que tem ocorrido por lojas online.

    3. E falar que acompanho o Giz mais pelos comentários que pelos textos em si.. por mais que seja uma terra de trolls (pacíficos, mas trolls) ocasionalmente surgem boas discussões nos comentários – e não é lá raro, a cada três ou quatro artigos tem um com bons comentários.

      Obviamente eles nem sempre são ligados aos posts, mas tem.
      De resto, entre os brazucas além do MdU, sou fã de 1/2bit e tecnoblog. O restante acompanho pelo telegram e via twitter, quando tem algum post que chama a atenção, vou até o site.
      Adrenaline eu acho uma zona, mesmo tendo uma comunidade legal.

      Agradeço a dica do showmetech, não conhecia.

      1. Programa legado é uma merda.
        Às vezes parece que algumas empresas consideram o TI um setor sem importância, e cortam orçamento sem dó. Esse pessoal precisa acordar e se informar (e isso me motiva a levar adiante meu Projeto Xadrez).
        A Microsoft tem o Centennial pra conversão desses programas legados, e de tempos em tempos libera API’s pra tornar os velhos Win32 compatíveis com o UWP – só na última leva foram mais de 4000 API’s liberadas.
        Muita gente já tem condições de migrar e não sabe, ou por alguma outra razão não quer. E isso tem seu custo cobrado com a falta de segurança, conforme todos puderam testemunhar.

          1. TI é aquele negócio:

            Se tá tudo funcionando: “Por que eu te pago afinal?”
            Se não tá funcionando: “Por que eu te pago afinal?”

  5. Sobre a BUILD 2017: A Microsoft apresentou muitas novidades mesmo. O Xbox terá suporte total à periféricos de pc https://twitter.com/mspoweruser/status/862740411432947713 algo até previsível, embora impensável até um ano atrás. Uma bem inesperada foi o anúncio do iTunes na Loja https://twitter.com/onmsft/status/862716001275793408
    Isso por sí só já foi bastante surpreendente, mas teve algo ainda mais incrível: Ubuntu, Fedora e SUSE estarão na Loja https://twitter.com/windowsdev/status/862720951531610112
    Isso pra mim é conceitualmente semelhante a ir na Play Store ou em outra fonte e baixar uma custom ROM.
    Mas eu, designer formado que sou, gostei bastante foi do Fluent Design System
    https://twitter.com/Nawzil10/status/862999401257742338
    Essa identidade visual, além de muito elegante em sua releitura do Aero e de conceitos de plataformas rivais, tem um branding fortíssimo, é muito funcional e é 100% coerente com os conceitos minimalistas que atualmente guiam as linguagens visuais da Microsoft. Resta esperar que os devs a usem em seus programas.

    1. Pra mim a MS hoje é a empresa mais inovadora em SW do mundo. Apple e Google estão presas demais faz alguns anos.

      Eu uso o Ubuntu faz um bom tempo – aquele bash liberado no Windows 10 – e me serve pro que uso de Linux (Vim, gcc, python).

      1. O Google parece que tá parado, mas deve soltar uma tremenda novidade em breve, o Fuchsia https://tecnoblog.net/214247/google-fuchsia-interface/
        Esse sistema é ao meu ver uma senhora resposta ao Continuum da Microsoft, em termos de sistemas adaptativos e responsivos. Certamente será a base de algum Android futuro, com camadas de emulação pra rodar apps Android atuais. Não duvido que junto com o Fuchsia o Google uma linguagem própria para o sistema – e isso seria uma resposta ao Swift. Ou até mesmo passe a usar o Swift no Fuchsia, já que rumores relativamente recentes apontavam nessa direção.
        Com relação à Apple, acho que o Swift foi uma grande inovação da qual pouco se fala. Sem muito alarde, a Apple criou seu próprio Continuum através do Swift e do Continuity: programar em uma só linguagem pra todos os sistemas da casa, e manter tudo sincronizado usando um simples Apple ID

        1. Usar uma mesma linguagem não é algo novo, até onde me lembro o Android sempre rodou num java e o Windows Phone era C#, ambas linguagens do desktop que eram usadas pro mobile também.

          Swift é boa, usei quando tentei programar para iOS, mas ainda é absurdamente mal acabada em termos de chamadas e funções – ela parece uma linguagem dos anos 80 quando comparada com Python, Lua ou Go (do Google).

          O Fuchsia eu li sobre essa semana, acho que pode ser algo bom, mas, pra mim é o mesmo problema de quase todas as soluções do Google (tirando Android e o buscador) onde tu tem 3/4 opções para fazer a mesma coisa de modos diferentes e nenhuma que seja realmente boa – tal qual hangouts, allo e duo, por exemplo.

          1. No caso do Swift acho inovador por permitir criar pra todas as plataformas da Apple alterando pouco o código.

            Sobre o Fuchsia, me parece que um dos objetivos é evitar processos. Ele pode muito bem ter uma linguagem própria, para encerrar de vez litígios por conta de linguagens proprietárias, necessárias para o desenvolvimento de apps. De quebra, com sua aparente função adaptativa e sua multitarefa, ele ainda poderá ser o primeiro sistema desktop eficiente feito pelo Google – não estou dizendo que o Chrome OS é ruim, advirto. Convergência tem sido um elemento comum nos últimos anos, e o Google nada tinha a mostrar nesse sentido.

          2. Poizé. O problema do Google é que ele quer mostrar coisas e muitas vezes saem coisas que não parecem bem acabadas ou que estão órfãs de função, como o Allo e tantos outros mensageiros que foram lançados nos últimos meses pelo Google.

            Como eu disse, parece que as aplicações do Google são perdidas e eles não sabem muito bem o que fazer, tirando o Android (que veio inicialmente de outra empresa) e o buscador (que sempre foi “O Google” pra maioria das pessoas) o resto das aplicações e investidas deles parece vazia, parece apenas para marcar presença em determinado setor/local.

            Eu gosto do ChromeOS atualmente. Ele se propõe a fazer X (ser rápido e centrado na experiência web) e consegue se comunicar com o Android de modo OK (pra desbloqueio do laptop eu sempre usava o meu telefone, por exemplo). Uma coisa boa seria ir mais a fundo em permitir que aplicativos do Android rodem no ChromeOS (eles deveriam rodar, mas, tem N problemas em relação a isso).

            Enfim, não vejo nenhuma inovação do Google nos últimos anos (vi muitas tentativas). Da Apple a coisa foi caindo cada vez mais e hoje ela corre atrás do Android. Posso estar enganado, mas, o Objective-C sempre foi multiplataforma (desktop e móvel) ainda que fosse bastante complexa de se usar. O Swift veio porque todo mundo reclamava do Objective-C (que é muito ruim de fazer qualquer coisa) e, de fato, melhorou muito, mas, ainda é bastante complexa.

      2. instalei o Windows 10 em meu serviço, instalei o WSL, VS2017 e tal…aí o W10 ficou catatônico, mostra uma tela preta, embora o mouse esteja vivo…consigo acessar via terminal services, mas a tela continua preta…é a black screen of death, que afeta muita gente na internet…eu oficialmente agora odeio o W10…

      3. Você já chegou a testar esse Ubuntu integrado com Windows?

        Estou bem interessado, apesar de não achar o Fedora ruim, ainda sinto falta de um sistema mais bem suportado para coisas “normais” por assim dizer. Aí eu consigo colocar Windows de volta no notebook da empresa sem perder as vantagens do Linux.

        1. Eu uso bastante, mas, meu uso se resume a GIT, Vim, gcc e Python. Vez ou outra algum comendo de mc ou ter que instalar alguma coisa além disso. Tudo linha de comando.

          1. Eu também só uso linha de comando de relevante, a minha única dúvida é se as IDEs, por exemplo, conseguirão se integrar bem como se fosse uma aplicação nativa.

            Queria que o IntelliJ integrasse com o Ubuntu/Fedora da mesma forma que se as ferramentas estivessem instaladas localmente (Java, Scala, etc..)

    1. Me corrigindo… Vocês estão vendo a conta dizendo que na verdade são @planaito e não @planaLto?

      1. Não reparei.
        Essas fontes não serifadas e a natureza conflitante do alfabeto romano ajudam a criar essas confusões. Agora estou em dúvida sobre qual é a letra nesse @

        1. Pois é, ele diz que é i, além de que o perfil existe desde 2016.
          Não resolvi pesquisar por que acho mais legal a pós-história de que o perfil foi roubado… Mas sei que pode não ser…

          1. Realmente é Planaito. Coloquei no Word do celular mesmo, mudei a fonte pra uma serifad e logo de cara deu pra ver que é um i maiúsculo

  6. Gente, não foi o WannaCry, mas sim, caímos nesta madrugada, porém, já estamos de volta graças ao James! Gratidão!

  7. Dúvida: Quem é Leandro Souza que contribui na newsletter do Manual?

  8. Sobre o Tecnocast intitulado “Sobrecarga de Informações”, como vocês gerenciam esse avalanche de notícias, fotos e textões que inundam nossas telas?

    1. Engraçado, eu já ouvi esse podcast, mas estava instalando uma distro linux ao menos tempo…

      Acho que estou na fila dos que precisam melhorar nesse aspecto. Pelo menos, eu não sou de consumir muita coisa que já vai na briga política, então isso deve ajudar. Tem gente que eu juro que só compartilha notícia para falar algo EDGY sobre política, seja esquerda, seja direita, seja o que for. Algo semelhante sobre o caso do “13 Reasons Why”, que comentam no começo do podcast.

        1. Imagino.
          Eu usei dois critérios simples, embora subjetivos: qualidade e relevância. Tudo que estava entre esses dois parâmetros ganhou mais atenção da minha parte, todo que estava de fora eu passei a ignorar.

    2. Leio apenas o que me convém. No passado eu lotava minha lista de leitura com diversos artigos, hoje eu vou lendo e arquivando, se eu estiver estudando sobre um assunto “X” dou prioridade a ele.

    3. Num primeiro momento eu parei de consumir muita coisa sem sentido (tipo o feed do Facebook) e passei a consumir coisas que eu julgo mais interessantes. Achei que estava resolvendo essa saturação, mas só troquei de fonte, com um agravante que tenho lido textos mais longos e que precisam “ser digeridos”. No fim das contas fiquei com uma lista enorme de coisas pra consumir e me sentindo pressionado a esvaziar o Instapaper.

      No nomento continuo consumindo esse tipo material, mas estou mais seletivo e aprendendo a conviver com minha lista do Instapaper, que tá bem menor inclusive. Tô trocando uns minutos do dia por livros ao invés de internet, isso tem me ajudado também :)

      No fim tudo se resume ao que o @tuneman disse, basta ignorar haha

  9. Uma dúvida, mal lhe pergunte, estão com problemas com o layout do site? Algumas matérias estão na frontpage faz 1 semana já. É meio estranho.

    1. Não acho que seja problema, mas a @emilycantonunes:disqus pode definir como destaques e essas matérias ficam fixadas no topo. Atualmente temos sobre o Facebook e o concurso de Abril. Tem até a faixa preta na parte inferior da imagem do post.

      Não seria isso?

      1. Sim, é que achei estranho isso. Normalmente os posts não são fixados, pelo menos não por tanto tempo.

        Não é um ~problema~, é que eu sou chato assim. :P

  10. Boa noite, senhores. Acho que temos um assunto um tanto quanto importante para discutir. Sem essa de ataque hacker, e blá blá blá. Vamos falar sobre as “FRORZINHAS” do Facebook. Vocês são gratos pelo quê na vida de vocês?

    1. Poder comer de tudo. Digo, eu tenho uma restrição alimentícia foda, mas se eu quero comer sorvete por exemplo, do mais barato da esquina ao Bacio di Latte, eu posso. É bem engraçado como antes eu nem me importava com isso.

      Hoje em dia, percebo que essa disparidade é a raiz de muitos problemas de saúde. Uma educação alimentar é importante, e é algo que no Brasil, falta tanto para a população mais carente, como na população mais rica. Sim, hoje me dia o pessoal vai na academia, mas é uma fração.

Os comentários estão fechados.