Post livre #79

Atendendo a pedidos, post livre já está na área para que possamos conversar sobre o que quisermos. As regras são as de sempre: publique um comentário sobre qualquer assunto e responda os dos demais; respeite o outro; evite brigas, nada de beliscar o amiguinho. E é isso aí, bem-vindos!

O Manual do Usuário é um blog independente que confia na generosidade dos leitores que podem colaborar para manter-se no ar. Saiba mais →

Acompanhe

  • Telegram
  • Twitter
  • Newsletter
  • Feed RSS

241 comentários

  1. Uma coisa que eu gostaria muito: um criador de listas no twitter a partir das descrições das contas. Sigo gente e empresa pra cacete. Não tenho disposição pra arrumar isso sozinho em listas como gostaria… Acho q nem é pedir demais :(

    1. Aproveitando, me tirem uma dúvida.
      Uso o aplicativo padrão do Twitter no Android, mas não sei se é uma situação do serviço mesmo. Vamos lá.

      Se eu coloco um usuário juma lista ele para de aparecer na timeline do Twitter e só tenho acesso a ele se olhar a lista? Tenho essa impressão, é verdadeiro ou fiz alguma configuração desastradamente?

      1. Acho q se vc só adicionar à lista, ele só aparecerá lá. Mas se vc segui-lo também, ele aparece nos dois.

  2. Recentemente descobri que ouvir álbuns inteiros, principalmente novos (para mim, não necessariamente recentes), fazem eu ficar mais concentrado na hora de fazer meus desenhos e maquetes digitais. Assim sendo, gostaria que me indicassem quaisquer álbuns que vocês gostem, independente de gênero musical, época ou país (nessa semana cheguei a intercalar pagode com Bob Dylan e Safadão)

    1. BadBadNotGood – Sour Soul
      Joep Beving – Solipsim
      Howlin’ Worlf – His Best
      Taber Arias – Her
      Jinsang – Solitude
      Mounika – Basket Sound

        1. A três primeiras tem em serviços de “streaming” as demais no BandCamp. Inclusive acho ótimo e recomendo muito o BandCamp.

    2. Tu parece ser aberto, legal.

      The Getaway – RHCP
      MultiViral – Calle 13
      Quelqu’un m’a dit – Carla Bruni
      Creedence Clearwater Revival – Best Of

      BR eu gosto de Banda Eva e Zeca Pagodinho, tem os albuns Sem Limite, com um compilado.

    3. tentei botar um apanhado das coisas mais novas que sairam no spotify

      the 1975 – i like when you sleep, for you are so beautiful yet so unaware of it
      bk – castelos & ruinas
      luccas carlos – Um
      os travessos – 20 anos ao vivo
      the maine – love little lonely
      father john misty – pure comedy
      Steve Moakler – Steel Town
      A Will Away – Her Again
      E a terra nunca me pareceu tão distante (é uma banda, procure todas musicas no spotify)
      tides of man (mesma coisa de cima, instrumental etc, procura la nos streaming da vida)

  3. Algum de vocês conhecem serviços para pagar serviços em conjunto? Lembro que alguma vez na vida apareceu um serviço desses (cheguei a clicar :@), mas não estou sabendo colocar as palavras certas (ou palavras chave) no buscador.

  4. Pessoal, tenho uma pequena dúvida técnica referente ao famoso Samsung Pay.
    Estou pensando em trocar meu Nexus 6P por um Galaxy S8.
    Sim, vou largar o Android puro e sei o que isso poderá me custar. Uso aparelhos assim desde o Galaxy Nexus, depois Moto X1 e agora um Nexus 6P.
    Mas eu me apaixonei pelo design dele e estou para viajar aos EUA e acho que comprado lá fica num valor que eu aceito pagar.

    A questão é: ouvi de um colega que é mais antenado do que eu em questões técnicas de que o Samsung Pay em aparelhos de origem dos EUA não funcionária aqui no Brasil por questões bancárias.
    Ele não me explicou muito o que ocorre, mas seria isso, o Samsung Pay não vai funcionar aqui se o aparelho vier dos EUA.

    Isso seria verdadeiro?

    Me ajudem por que o Samsung Pay é um fator importante na minha compra. Gostaria de entrar nesse mundo dos pagamentos via smartphone.

    1. Os pontos de venda aqui no Brasil já tem suporte a Sansumg Pay ?
      Se tiver aí você pesquisa sobre a imcompatibilidade EUA-Brasil, se não tiver o suporte aqui no Brasil nem perca o tempo.

      Entrar em contato com a Samsung não ajuda ?

      1. A Samsung da suporte ao Pay faz um tempo por aqui.
        Entrarei em contato com a Samsung para perguntar, veremos o que dizem.

      2. As principais do Brasil tem suporte sim, Getnet, Cielo e Rede, não sei as outras. Só não é muito confiável, tem POS que não tem a tecnologia.

          1. deduzo “Point Of Sale”.
            em portugues-br seria PDV, ou Ponto de Venda

          2. POS = maquininha. Não é confiável pq nem todas tem suporte, de qualquer maneira vai ter que levar o cartão.

          3. Então, a maravilha do Samsung Pay é que nos aparelhos mais novos, digo 2016, eles vem com com um hardware que simula a tarja magnética via baixa/alta frequência. Ou seja, mesmo que a maquininha não possua o famigerado NFC com o Samsung Pay vai funcionar já que ele percebe a não existência do NFC e manda as informações por essa solução.
            Vale a minha ena dar uma olhada na solução Samsung Pay, está muito bem desenvolvida.
            Claro que pode ou não funcionar e estar com o carta é seguro, mas é muito mais fácil tirar o celular do bolso do que os cartões.
            Além do mais, passe a reparar no símbolo de NFC nas máquinas, ele fica no canto superior esquerdo, a grande maioria das máquinas no Brasil já tem suporte.

          4. Amigo eu trabalho com essas máquinas, nem todas tem NFC. Sobre a tarja, acredito que isso não funcione no Brasil pq se o cartão tem chip não aceita passar na tarja, pelo menos eu não ouvi falar disso por aqui.

          5. Eu não disse todas, amigo, disse a maioria.
            Sobre a função da tarja, não posso confirmar, apenas dizer o que a Samsung informa. Nesse caso teremos que buscar alguém com um aparelho com essa função para confirmar.

    2. Será que colocando uma Rom BR não funcionaria? Vai ter que ver com o suporte mesmo.

      1. Nesse caso acho que não.
        Para trocar a ROM é preciso root, e isso viola o Knox, não? Com essa violação o Samsung Pay não funciona mais.
        Valeu.

    3. Escrevi para a Samsung e a notícia não me agradou.
      Aparentemente aparelhos não brasileiros não conseguem cadastrar os cartões de nossa terra.

      O irônico é que em meu email de dúvida, já prevendo isso eu pergunto por que não seria possível, mas eles simplesmente ignoram essa pergunta. Ou seja, não funciona, mas não digo o porquê. ? Fácil assim.

      De qualquer forma, mandei um novo email sendo mais específico e perguntado apenas por que não funcionaria. Veremos o que respondem. ?

  5. Amigos a tendinite chegou aqui no meu pulso direito (apesar de eu ser canhoto, mas o mouse é sempre com a mão direita). O que fazer agora? alguém sofre desse mal e tem dicas de remédios, alongamentos, etc, coisas pra fazer sobre? lembro que o ghedin fez um podcast com o fabio e o higa eu acho, a pouco tempo, mas nao lembro se teve nenhuma dica pratica, me ajudem!
    Ps: não vale dica de comprar uma mesa/cadeira melhores pois estão fora de cogitação ($$$$), de resto vale tudo!

    1. É fazer alongamento, descansar o braço, procurar equipamentos que possam lhe auxiliar na postura (munhequeiras por exemplo), mas principalmente…

      procure um ortopedista. Ele pode lhe receitar melhor ;)

    2. Fisioterapia vai ajudar a amenizar as dores imediatas. Depois disso, procure incorporar alongamentos à sua rotina e evite longos períodos de digitação — tente fazer intervalos a cada 40~50 minutos, com alongamento nessa pausa.

        1. Poxa, não sei. Eu faço alguns alongamentos que aprendi no pilates e que independem dos equipamentos. Acho que esses apps “sete minutos de exercícios” devem ser uma boa para começar!

    3. Sou canhoto também e usei mouse minha vida toda com a mão direita, assim como você. Recentemente começaram as dores em meu pulso direito e então troquei o mouse de mão. No início sofri um pouco mas depois de uns cinco dias já estava adaptado e as dores desapareceram. Já tentou?

      1. Ja to nisso, so que volta e meia a gente tem que digitar e tal, fora digitar usando o celular tambem, ai que é impossivel deixar a mão descansando e tal

  6. Pessoal, como vocês consomem notícias? Por anos centralizo tudo no FB, mas nesse último mês parece que o FB resolveu me sacanear, não aparecem todos os posts das páginas. Já tentei colocar tudo no Feedly mas alguns sites não funcionam direito, acaba não sendo tão prático. Preciso de alguma forma mais confiável e direta pra acessar os sites.

    1. uso feedly mesmo, as vezes da erro em alguns sites e isso é chato, e alguns de fato não “pegam” la, mas como Jack falou, listas do twitter são ótimas, tudo que tenho no feedly tenho la, mas não vejo muito porque o feedly ja me supre isso

      1. Não confio muito em RSS, parece que sempre falta alguma coisa. Tipo algum vídeo ou imagem no meio do texto.

        1. Isso não é um problema do feed,as como o autor das postagens configura.
          Pessoalmente uso o Feedly (como serviço, não app), mas se vou ler um site que gosto (o Manual, por exemplo) faço questão de ir na página.
          Uso também muito podcast.

          1. Acho bem chato isso, acabo perdendo os comentários ainda. Podcast pra mim é um “pós-notícia”, uso para saber a opinião de gente entendida do assunto.

          2. Mas o feed é um agregador, um facilitador para ter suas atualizações.
            Fica impossível acompanhar muitos sites ao mesmo tempo sem feed, fora que existem sites que não são atualizados sempre então é uma forma de simplesmente saber que tem algo novo. Não entendo porquê é ruim.
            Como comentei, sempre acabo indo para a página nos sites que me valem e acho que essa é a função do feed.
            Sobre o podcast ser pós notícia, é verdade, mas também é impossível ficar a par de tudo, sempre tem algo que passa e aí acaba não sendo tão pós… ?

          3. Encare o feed como uma lista de manchetes, o que te interessar você clica e tem a notícia complete, comentários e o que mais interessar (artigos que não apareceram no seu feed).

    2. Gosto de ouvir sobre o que as pessoas falam nas ruas. Como só pego fragmentos dessas conversas, faço várias deduções q confronto com textos jornalísticos q trombo qdo navego. Nem sempre as coisas batem e acho que, no geral, tá todo mundo meio fora de sintonia e evitando os assuntos que realmente importam… Em outras palavras, é o triunfo do fait diver q me incomoda.

        1. Info Line Channel
          On Sale
          O Mundo da Bola (do site Trivela)
          Tudo com Excel
          Gizmodo Brasil (oficial)
          Netflix Brasil (atualiza os lançamentos semanais)
          MEC (oficial do Ministério da Educação)
          GearBest Portugal (oficial)
          PromoPlay (promoções na Play Store)
          Tech Conectados
          Google Discovery (oficial do blog)
          BBC Brasil (oficial)
          Tecnoblog (oficial)
          Dicas Português
          Android Brasil
          Canção Nova (oficial)
          Estudo Bíblico Diário
          Garota sem Fio (dá jornalista Bia Kunze)
          Manual do Usuário (oficial)
          Questões de Concursos (oficial)

        2. Fora bots para tudo!
          Previsão do tempo, cliente de email, conversão de arquivos, baixar vídeos, converter imagem em PDF…
          Me adiciona lá que vou lhe passando os links: @junior_malafaia

        1. Para usar o Telegram vc não precisa ter absolutamente nenhum contato! Esqueça a quantidade. Eu prezo pela qualidade e pela privacidade.
          Canais, grupos, supergrupos e os bots fazem o Telegram ser muuuuuuito além de um simples mensageiro.

          1. Me refiro aos sites de notícias, ou eu que não estou sabendo usar

    3. Por newsletter (Meio, MdU), Portais, Facebook (pessoas, não páginas) e Twitter (mix de pessoas e páginas).

      Nessa ordem de importância

    4. O melhor é o Twitter mesmo. Facebook só nos mostra as páginas mais curtidas. Algumas sumiram da minha timeline.

    5. dablio dablio dablio ponto nomedosite direto. Não me dou bem com feed ou qualquer otura forma. E FB já se definiu como “espaço familia”.

      1. Nossa mas dai não tem controle nenhum. Sites de tecnologia até tem uma cronologia, já as homes dos portais é sempre uma bagunça.

        1. Cara, hoje só acesso MdU, Tecnoblog, Gizmodo (desativo via Ghostery os comentários) e olha lá. Raramente Teleco, ZTOP (eles são slow, então acompanho no rítmo), e um ou outro fora.

          Não tem mais site bom por aí, então dá para ir tranquilo.

          1. Praticamente só acompanho o MDU, Tecnoblog e Meiobit. Só q no celular por exemplo é mais demorado entrar no sites do que ter um agregador.

          2. Prefiro ler em casa ou usar o “modo leitor” do navegador quando vejo no celular. No celular, priorizo mais comunicação (ultimamente tava viciadão em Facebook mesmo sem fazer nada de útil nele. Tou tentando me limpar disto. Vamos ver se consigo – já tou no seguindo dia e pensando em recaída :p )

          3. Também só leio em casa. Perguntei aqui pra ter como já ir adiantando alguma coisa no tempo livre do trabalho, pra sair do FB, se organizar melhor.

          4. Ah sim :)
            Quanto o Face, é algo bem além – e tou fazendo terapia para isso tudo :)

          5. Chamo o Giz de Giz de Cera devido aos comentários nada V. O Tb também acesso. No TecMundo eu fui banido por atacar um usuário que copiou minha conta (para o que alguém faz isso?). Alguns especializados em Microsoft e outros em futebol. Generalistas, ocasionalmente.

          6. Já falei mil vezes sobre minha história com os comentários do Gizmodo que cansei. Por mim, que o pessoal se exploda lá.

            Tem uma matéria que acho que foi feita ou pela BBC ou pelo New York Times, que fala de um estudo que fizeram sobre os comentaristas de internet (e a relação com o porque do Trump ter sido eleito). É muito bom e vale a pena a leitura.

          7. Não entendo o porquê de pensarem que desabilitar o upload de imagens e abandonar a moderação era suficiente. Nem a matriz se salva (no geral, não só comentários).

          8. É bagunça. Simplesmente.

            Cara, falo uma coisa – não entendo porque os comentaristas culpam os sites pela má conduta que eles mesmos causam. O que mais noto é que quem faz a seção de comentários são os comentaristas.

            Se as pessoas fazem maus comentários até demais, não adianta moderação, pois as pessoas temem em suas atitudes. Se o conteúdo é ruim, o que noto é que a criançada prefere se divertir “causando” do que colaborando. Ou virando a cara e indo embora.

        2. De notícia, só acompanho UOL e G1. Não tenho dinheiro para pagar sites bons, e outros sites tenho implicância devido ao viés que muitos tem.

          Então é aquela coisa: contando nos dedos, é mais fácil de gerir.

          1. Eu acompanho o El Pais Brasil, DW Brasil, o Nexo e o Infomoney, mesmo este último tendo um viés político bem claro.

          2. Sim, mas tem sites com viés exposto, mas são ótimos para discussões (Nexo é assim). Mas para evitar esquentar a cabeça, tenho reduzido muito minhas leituras.

            Fora que tenho trauma de ler alguns sites, seja porque por exemplo impliquei com o responsável ou como o conteúdo é per si.

          3. Eu fico um pouco frustrado quando não fico sabendo de algum acontecimento atual, aquele sentimento de estar perdendo alguma coisa, que acho que já foi discutido por aqui. Pra mim não só o fato de se manter atualizado, é meio que um aprendizado. Sem falar que caso eu precise fazer algum, ENEM ou afins estar “por dentro” já é meio caminho andado.

          4. Então, tenho um pouco disto. Diz-se que o termo para esta sensação é o “Medo de Perder Algo”, em inglês “Fear Of Missing Out” – FOMO.

            Não sei como está o Enem com isso – nunca fiz… mas acho que não é para tanto.

          5. Cai alguma coisa de atualidades nas provas e tem a questão da redação também, dependendo do tema pode ajudar a argumentar.

  7. Gosto de tudo que o MU posta. Gosto da abordagem, da linguagem utilizada…
    A única coisa que peço é que não abandonem o canal no Telegram. É meu único mensageiro e principal fonte de notícias, através dos canais e dos bots.
    10 de março foi a última postagem. Trabalhem melhor o canal, façam parcerias de divulgação mútua com outros canais e tenho certeza que vai lotar de usuários!

    1. Imagino que a Emily esteja meio corrida ainda adequando os trabalhos do MdU, além de pensar em formas de enriquecer isso aqui, tanto de conteúdo quanto financeiramente (lembrando que o MdU basicamente trabalha com doações também :) ). Acho que ter um pouco de paciência ajuda :)

    1. Eu apaguei minhas contas das redes sociais e estou de boas.
      Claro que tem horas que você se sente perdido porque fica isolado do mundo, as a sensação de paz e sossego que eu tenho acaba compensando muito o fato de não usar redes sociais.

      1. Quanto a sair das redes sociais, acho que vai de cada um a necessidade de estar ou não em uma.

        Falando por mim: eu fico em rede social meio que por vício, mas noto que não sou tão “conversador” (antigamente eu era mais). Nisso sinto-me um vazio.

        Invejo quem tem aquela sensação de “não tou nem aí para os outros”, pois tipo, no fundo, a pessoa de alguma forma está estabilizada em si.

        1. Juntando 2 resposta em 1.

          Eu sei que comentários é uma rede social, mas até onde sei, nenhum familiar e/ou amigo próximo e/ou colega de trabalho conhece meu perfil no disqus :D

          Eu até me preocupo com os outros, mas poxa… a pessoa fica postando fotos e frases dizendo “estou com sono e preciso trabalhar/estudar, odeio isso” ou “fim de semana chege logo, pois preciso dormir”.
          Aí você olha os horários da pessoa e ela vai dormir as 2 da manhã e tem que levantar as 6 da manhã para fazer as tarefas do dia… e repete esse ciclo dia após dia (tipo minha irmã).
          Como já percebi que não adianta falar isso para essas pessoas e eu não quero me preocupar de forma desnecessária e nem ser incomodado com isso, apaguei as contas.

          1. Rede social é uma rede de relacionamento – não importa com quem.

            O ponto é que sempre o pessoal ignora que os comentários também é uma forma de rede social, tal como fóruns e outros espaços onde há relacionamento entre pessoas.

            Aí muitas vezes vemos nos comentários “ah, eu não tou em nenhuma rede social”.

      2. Eu tenho esse problema mais com o Facebook, mas o que fiz foi deletar o aplicativo e só entrar via navegador e sempre deslogar. Já foi uma grande ajuda.
        Outras redes não tem atrapalhado.

        O Google+ é um grande fórum sobre Android (graças a comunidades) o Twitter eu quase não uso, e o Instagram eu já tenho uma rotina.

        Agora, participo de alguns grupos no Telegram e aí só silenciando mesmo.

  8. Esses dias me peguei calculando quanto tempo eu gasto com tv, pois raramente eu assisto. O máximo que vejo é um ou outro jornal, de canais variados, esportes e algum programa da Cultura que possa ser interessante, tipo o Terra Dois. Somando tudo, assisto no máximo duas horas por dia. O resto vejo no YouTube, em 100% dos casos conteúdo feito para o YouTube (Omeleteve, Collider, Tecnoblog, Windows Central, Android Authority, e outras coisas). Tem dias que nem ligo a tv. Só quem assiste mesmo são meus filhos, que geralmente assistem os desenhos da Cultura.
    E vocês?

    1. Depende. Realmente estou que nem você – gasto mais tempo online do que em TV.

        1. Até hoje meio que faço manha para pegar Netlifx – eu ia pegar via “cartões de presente”, pois não uso cartão de crédito (tenho um gigantesco medo disto).

          Preciso instalar antena e conversor aqui na verdade.

          1. Depende do plano que você pega. Acho que os vale-presentes compram da mesma forma que cartão comum, a diferença é que funciona como um pré-pago – terminou a validade, põe outro.

    2. Eu não assisto praticamente nada. Antes parava pra ver futebol e o Altas Horas, hj nem isso mais, no máximo algum episódio novo do Irmão do Jorel.

        1. Se depender de mim sim, mas não sou a regra. Muita gente acompanha as notícias, séries, esportes, programas aleatórios. Tá MUITO longe de falir.

    3. Eu não assisto tv nunca, e quando assisto é pela net, como ver jogo de futebol na globo pelo globoplay e tal. De resto, gasto a maior parte do meu tempo assistindo videos no youtube (até bem mais que séries e filmes, por exemplo) ou assistindo espn (via watch espn) ou sportv (via globosatplay)

    4. Fui pego de surpresa com essa de vc ter filhos. Qdo via sua foto no disqus tinha a impressão que vc era muito jovem… Que coisa!

      1. Ontem eu completei 35 anos rsrs
        Minha foto não mostra, mas eu tô cheio de cabelo branco. Imagino quem em cinco anos eu começarei a fazer cosplay de Mobilon lol

    5. Cancelei a TV acho q já vai fazer uns dois anos… Qdo vejo uma ligada na casa de alguém ou em algum comércio sou atraído como uma mosca pelo brilho. Passam alguns segundos e começo a reclamar e ver defeito em tudo. A TV te deixa meio anestesiado. Coisa que YouTube não faz – ainda. Tenho procurado informações de modo ativo. Um dos grandes ensinamentos do MdU, diga-se.

      1. Procurar de informações de modo ativo… Hmmm. Será que o fato de eu ver jornais diferentes de canais diferentes a cada dia, e também ler coisas de fontes variadas na internet, se enquadra nessa definição?
        Esse efeito da tv de atrair olhares é geral, imagino. A passividade da situação me irrita muito – não poder comentar algo no Disqus por exemplo (rsrs).
        Acho que o YouTube nunca terá esse efeito, pois o usuário tem controle sobre o ritmo da exibição e ainda pode interagir ali mesmo, curtindo e comentando.

        1. Justamente. O Youtube tem, qdo apareceu, para os mais jovens, o mesmo efeito q o video cassete teve pra pessoas da nossa idade, eu presumo.

          Não sei se encaixa, não… vc apenas recebe informações de fontes variadas e vc não escolhe o q vê, escolhe apenas o canal q está exibindo algo já determinado. O máximo q vc consegue com isso é cotejar como um canal X (o SBT, por exemplo) e o canal Y (a Globo) tratam o mesmo assunto: um cara negro amarrado pelado num poste, por exemplo, é visto por um como algo positivo e por outro como emblemático. Um exemplo de procurar informações mais ativamente se deu na internet: vi um texto no Tecnoblog sobre super computador q o Brasil tem e q estava sem grana pra pagar a conta de energia. Achei estranho e fui no portal da transparência checar. Alertei o autor do texto q poderia ser um ardil pra queimar, mais o filme, do então governo do PT (eu não sou membro do partido), pois pelas informações do portal, não havia como corroborar q eles estavam sem grana pra pagar a conta de luz etc. Era preciso se debruçar sobre esses dados e ver o q realmente estava acontecendo.

          Se jornalistas, q tem como ofício depurar informações, não o fazem ativamente, nós, leitores, ouvintes e telespectadores temos menos ainda do q nos gabar qdo nos afirmamos cidadãos informados.

          1. Então ainda sou um embrião nessa forma de pro-atividade rsrs
            Se bem que muitas vezes quando eu leio algo que eu desconfio que não seja verdade num primeiro contanto com determinada pauta eu corro atrás das fontes e de outros textos, e assim acabo descobrindo distorções do assunto abordado

          2. Sim… Não temos acesso às fontes, então não tem jeito, o lance é notar essas distorções q vc diz. Por isso eu gosto de ver a fala das pessoas (fontes, entrevistados, coisas fora do controle do jornalista etc) ao invés de análises de figurões e só opiniões sobre os assuntos.

        2. Esqueci de comentar. Tem os documentários! Alguns são um primor pra vc realmente entender as grandes questões.

          1. Sim. Documentários tem uma linguagem interessante – não isenta totalmente de alguma manipulação, mas melhor do que a superficialidade de reportagens comuns

    6. Ainda uso muito TV para séries a la GNT e esportes. O primeiro caso dava para viver no VOD, mas o segundo é foda, está pulverizado em vários canais.

      1. A última barreira que sustenta a tv são os esportes. O dia que um Cruzeiro ou um Santos da vida venderem seus direitos de imagem pro YouTube ou pro Facebook, essa barreira terá sido quebrada. A rachadura já apareceu aliás, com a recente transmissão do Atletiba pelo Facebook.

        Falando nisso, o julgamento dos responsáveis pela proibição da transmissão do Atletiba via YouTube não deu em nada – ninguém foi culpado por desrespeitar os torcedores que foram ao estádio e os outros tantos que estavam conectados no YouTube

        1. Isso não vai ocorrer tão cedo.

          Ano passado o Inter, Santos e mais alguns times venderam o PPV deles pro EI (que dá pra assistir via web, pagando R$14,90) e o pau quase fechou nas emissoras de rádio/TV do país.

          Os outros clubes grandes todos baixa a cabeça pra Globo/Globosat porque precisam muito do dinheiro do adiantamento das cotas de TV que essa emissora paga (daí um jogo avulso de estadual no Premiere custar R$100).

          1. Sim, e eles tem muita grana cara. Não sei se isso é bom ou ruim, mas pelo menos fará a discussão sobre os direitos de transmissão vir a tona

          2. Já ficou a tona faz uns dois anos. Tá uma briga boa entre ESPN, Globo e Tuner (tou falando de metido por ler manchete no UOL :p ).

          3. Em relação ao contrato antigo de TV fechada, o Inter eu sei que ganhou 660% a mais. Não sei como ficou a comparação com os novos contratos – a Globo aumentou bastante a cota dos que fecharam com ela e não com o EI, por exemplo, o Grêmio recebia R$60mi pelo pacote de TV aberta, transmissão internacional, internet, PPV e mobile e depois de fechar o contrato com a Globosat até 2024 passou a receber R$120mi).

            O Inter ainda não negociou as 5 mídias restantes (a principal é a TV aberta, que responde por 80% do faturamento desse pacote). Acho que a tendência é fechar com a Globo por conta da recente briga do Inter com a CBF/STJD e também porque a estrutura da Globo é muito melhor para TV aberta, ainda que isso signifique ter 4/5 jogos (da temporada normal) transmitidos por ano em rede nacional (quando isso).

            Ou seja, antes de 2024, nada vai mudar no atual cenário de transmissões esportivas do Brasil, vão continuar todas centradas na Globo e nas suas afiliadas com alguns clubes tendo a transmissão fechada pelo EI, o que ainda não se sabe é como vão ser as partidas “mistas” a partir de 2019 (por exemplo, Santos x Inter deve ser transmitido pra todo o Brasil pela rede do EI, mas, um GreNal não, porque Grêmio é assinado com a Globo e Inter com o EI).

            Ainda tenho esperança de que a pressão do streaming faça a Globo ter um plano de mobile/internet no lugar o Premiere atual (que tem streaming mas só se você já assina o Premiere normal) mas não é algo que eu sequer espere acontecer.

          4. Quer dizer, a partir de 2019 teremos uma bagunça nas transmissões, a não ser que um improvável acordo ocorra entre as partes.

            Esportes são um troço complicado de se analisar no Brasil. Se a emissora não paga o que o clube merece, pela sua história e torcida, os times europeus acabam se fortalecendo pois os nossos clubes acabam vendendo os jogadores pra tapar buraco nas contas. Se vem um EI e paga uma fortuna em relação ao que a Globo paga, aí vem a críticas sobre o quanto se gasta com um mero entretenimento, num país sem educação, sem infra-estrutura, sem saúde. Isso sem falar nos outros esportes, completamente depreciados – vôlei, tênis, basquete, atletismo e etc – que nunca tiveram a mesma atenção do futebol por aqui

          5. O problema é que os clubes são desunidos – e isso ocorreu com o fechamento do Clube dos 13 – e a Globo negocia individualmente, criando assim acirradas disputas internas nos estados. Corinthians e Flamengo tem muito mais visibilidade, inicialmente, por conta do potencial das suas torcidas, e por isso sempre recebem muito mais cotas de TV da Globo, o que emperra a negociação, uma vez que todos os canais gostariam de ter essa torcida do lado deles. Com cada clube individualmente negociando perde-se o grande trunfo do campeonato, como temos na PL ou La Liga, e acabamos tendo uma taxa de transmissões de jogos do RJ-SP quase 10x maior do que dos outros.

            Anos atrás aqui no RS o Gaúchão foi comprado por uma emissora menor, a Guaíba (hoje comprada pela IURD e transformada em Rede TV!) e tivemos um campeonato onde quase todos os jogos forma transmitidos via TV aberta. No ano seguinte a RBS, filiada da Globo, já comprou novamente os jogos e passamos a ter apenas 1 (no máximo 2) jogo transmitidos semanalmente (normalmente o de domingo as 16h) e clássico como o CaJu pelas quartas-de-final sábado passado (as 11h em Caxias) sequer estavam no minuto-a-minuto do site da ZH.

            Futebol, ainda que tenha seu nicho, é um programa que pra Globo e afiliadas é pouco lucrativo (tem uma palestra do Thiago Leifert falando sobre isso) e ele serve como desafogo na programação da emissora. É um momento que tem uma audiência estável (que sobe bastante nas finais mas cai pouco em relação aos anos anteriores) ainda que baixa e que, num caso de novela das 22h ruim, sobe a audiência e mantém pro próximo programa (na quarta e no domingo).

            PPV ainda é um bom negócios pros clubes que recebem essa verba antecipadamente e se desafogam das más gestões, e a Globo ainda é a única que consegue fazer isso de maneira constante.

            Sem falar, ainda, na relação nefasta da CBF com a Globo.

            Resumindo: é muito complicado o futebol sair da Globo nos próximos 20 anos pelo poder econômico da emissora, pela relação delas com as federações e com a CBF e pelas relações obscuras que ela mantém com os grandes cartolas.

          6. Aviso: para quem não sabe, o Esporte Interativo tem canal aberto em alguns lugares do Brasil. E salvo engano, nas parabólicas “analógicas” também (vou consultar depois) :)

    7. a TV foi muito importante para mim. A parabólica foi incrivel, pois lá na roça mal pegava a rede Glóbulo.
      Mas hoje já nao suporto muito. Até consigo assistir alguma coisa, mas têm que ser em volume baixo.

      1. Falando em parabólica, queria reativar a que tenho em casa. Procuro de vez em quando fóruns sobre (como o PortalBSD), só que muitas vezes a gente vê por lá uns “nerds de parabólica”, que vão atrás de canais abertos em vários satélites.

        E da-lhe “kit carona”, “chave Diseq”, etc… :)

        Para mim, pelo menos pegando uma programação boa tá valendo.

    8. Não tenho acesso à TV tradicional (aberta ou paga) já faz uns cinco anos (o aparelho é usado quase que exclusivamente para netflix e youtube, e ocasionalmente para videogames e espelhamento do laptop). Às vezes sinto falta de cobertura de eventos ao vivo, mas descobri que para a maior parte dos casos, alguém está fazendo uma transmissão alternativa no twitter, no facebook ou no youtube.

      1. …ou no Periscope (mr. Jack, por favor coloque o Periscope dentro do Twitter!).
        O aparelho tv certamente tem muita utilidade ainda, já as emissoras estão fadadas. Não a toa a Globo criou aquele Globo Play, que é um Netflix dela. Não sou fã de nada deles mas gostei da iniciativa, mostra que eles temem e respeitam a internet, e não vão ficar nessa de brigar com empresas de tv paga nem de tentar sabotar a internet de algum jeito

    9. Eu também raramente assisto, só paro em casa no fds e não tenho TV no lar hahaha.

      Não sinto falta de nenhum programa, com exceção do Provocações da Cultura e uns desenhos adultos do Comedy Central e Cartoon Network

      1. Esses desenhos não estão disponíveis on-line? Os programas da Cultura devem estar on-line, seja via YouTube seja no próprio site deles

        1. Somente alguns desenhos, tem muitos deles (mais datados) que estão perdidos, fragmentados internet afora ou sem nenhum ep online. Agora os da Cultura e da MTV realmente são fáceis de achar no YouTube

    10. no máximo uns 40 minutos por semana. Não tenho tv (canais) em meu apartamento há 02 anos. Sinto falta nenhuma.

  9. Essa semana eu vi uma reportagem sobre como os ambientes de trabalho “abertos” (ou seja, a empresa é um “vão aberto”, sem paredes entre os funcionários/setores) são muitas vezes prejudiciais para a produtividade dos funcionários. E concordo, pois onde eu trabalho é assim e muitas vezes acabo perdendo o foco por conversas do outro lado da sala.

    A maioria das empresas atuais/”modernas”, como o Google ou a Microsoft, aparentemente adotam esse estilo, o que indica que isso talvez veio pra ficar, em vez dos ambientes “segmentados”. Vocês lidam com algo do tipo? O que vocês acham?

    Link da matéria: http://www.bbc.com/portuguese/vert-cap-39299838

      1. Concordo, tarefas mais repetitivas e com passos bem definidos combinam mais com fones de ouvido. O problema é com tarefas que exigem raciocínio e criatividade, como é o caso de programação. Nesse caso, eu acho que o silêncio e o foco são melhores.

    1. Varia muito a mecânica do trabalho. Lógico que distrações demais é um horror. Mas acho que as empresas deveriam sempre conversar e analisar seus funcionários de forma a adequa-los conforme seu estilo de trabalho e necessidade.

      Senão vamos enclausurar todo mundo, o que também pode resultar em novos estudos que “comprova que ambientes fechados fazem mal aos funcionários”.

      (Pobre do pessoal de Call Center…)

      1. Pois é, concordo. Acho que, nesse caso, o ideal seria o meio termo: o lugar padrão seria uma sala “soundproof”, mas oferecer outros lugares como alternativa, para arejar. Particularmente, eu trabalho em um lugar, que é, ao mesmo tempo aberto (uma sala grande sem divisórias), mas fechado (sem janelas, com a mesa virada pra parede), o que não acho muito bom, acaba pegando o pior dos dois mundos.

    2. Acho que o diagnóstico da matéria é bem preciso: o pessoal conversa mais e fica mais próximo, mas é mais amenidades mesmo que são discutidas. Na hora de sentar e focar, é realmente mais complicado…principalmente quando alguém pede para fazer alguma coisa diferente (não uma pergunta só, mas preciso olhar um documento por exemplo) do nada.

      Duvido que isso mude e acho que tem uma questão de custo envolvida também, mas acho que um bom começo seria os próprios profissionais se educarem para não interromper os outros sem necessidade.

      1. Algumas empresas tem locais isolados para quando alguém precisa de muito foco.

      2. Sim. Porém é algo que tem que vir mais da cultura da empresa, em dar o exemplo, e tudo mais. Não adianta todo mundo seguir a regra quando o gerente do outro setor ainda tel esse mau hábito, por exemplo.

  10. Sem querer ser chato… estava lendo aquela seção das mochilas e os posts se parecem muito. Tive até que voltar pra confirmar se não estava relendo algo.

    Pq vcs (Emily e cia) não aproveitam as “entrevistas” que fazem com as pessoas e já não tiram mais coisas? TIpo, aplicativos que eles usam, SO que usam, rotinas de produtividade, dicas de compra/uso das coisas que eles mostraram. Algo como aquela seção “How I Work” do Lifehacker. Algo como “o manual” daquele usuário.

    Alguem ve sentido nisso ou escrevi besteira?

    1. gostei da ideia. Vou incluir umas perguntas básicas no e-mail padrão. :)

    2. Eu gostaria de ver isso. Uma das coisas que tenho curiosidade é com o conjunto de “assinaturas” das pessoas:
      • música: spotify, apple music, deezer, torrent ou walkman com fita gravada no rádio?
      • nuvem pessoal: dropbox, google drive, onedrive, iCloud ou pendrive?
      • backup: crashplan, hd externo em rede, etc?
      • netflix: netflix, amazon, etc?

          1. Jogar muita informação online pode dar “pérola aos porcos”. O pessoal que é hacker e é bom em “engenharia social” pode usar as informações para atacar alguém que tenha jogado sua informação aqui no MdU na seção das mochilas. Sempre fiquei um pé atrás sobre esta seção por causa disto – alguém pode reconhecer a mochila e fazer dela um alvo.

          2. sabendo de tudo q vc usa, fica muito mais fácil eu tentar invadir uma conta sua ao invés de ir tentando se vc tem algo nesse ou naquele serviço. e como a maioria das pessoas usa senhas simples e repetidas em vários serviços, descobriu uma, descobriu quase todos.

          3. legal! nesse site q vc mandou já achei algo bacana. sobre a EmiSpicer…

          4. Saber qual serviço usa é ainda bem diferente de saber qual usuário/senha a pessoa usa. E ainda assim, é muita informação para cruzar não acha?

            Se uma pessoa for alvo de uma ataque assim, provavelmente não será por postar quais serviços/assinaturas usa no MdU e sim por outro meios/motivos.

          5. Algumas pessoas são mais visadas q outras. A depender da pessoa, qto mais ela se expõe nesse sentido, de dizer tudo q usa, pior pra ela. Mas se for alguém precavido talvez ela tenha mais chances de se uma invasão acontecer, o impacto ser pequeno. Veja a quantidade de vazamentos q acontecem de fotos íntimas, de pessoas q perdem o controle de suas redes sociais, golpes online etc. Se vc for um alvo e alguém estiver realmente engajado em vasculhar a sua vida, ele pode cair num comentário desses e já ter por onde começar. O lance da privacidade envolve um pouco vc não dizer tudo sobre vc. Dizer q usa netflix é meio lugar comum, mas dizer q usa coisas um pouco mais obscuras (e talvez por isso mesmo um tanto menos seguras) eu acho preocupante. Eu, não diria. Fico tentando a mostrar a minha mochila, mas depois penso q não acho boa mostrar o q carrego. Não tenho nada de valor, mas, sei lá… Não digo.

          6. Mostrar a mochila e essa virar alvo envolveria alguém saber quem você é, onde mora e seus hábitos. Se essa pessoa está nesse nível de envolvimento com a sua rotina, mostrar a sua mochila aqui seria o seu menor problema.

    1. Quanto mais fundo você olha dentro do fundo do abismo, mas o fundo do abismo olha fundo dentro de você

  11. Alguém tem uma mandinga para deixar o whatsapp (e apenas ele) “offline”?
    Explico, não quero ele me incomodando durante o trabalho, eu sei que poderia colocar o celular no não perturbe e tal, mas não é de meu interesse. Além disso, ele continuaria “dedando” que eu efetivamente recebi a mensagem, o que eu não quero. Quero que a pessoa saiba que eu não recebi a mensagem, e se for importante, me ligue.
    O que já fiz foi bloquear o acesso a dados em segundo plano e fechar ele. Funciona, mas porém contudo entretanto todavia, ele fica apitando a cada X tempos avisando o que eu posso ter mensagens novas.
    Resumo da ópera, bloqueei todas as notificações do dito cujo e ainda não atingi meu objetivo. Como fazer? Como tratar? Do que se alimentam?

      1. Um jeito rápido e habilitar de novo quando eu quiser, na hora do almoço, fim de semana…

    1. Tive um problema similar… Mesmo desabilitando as notificações ainda aparecia uma dizendo que havia mensagens não lidas. O jeito foi bloquear o acesso as notificações do Android.

    2. Quick and Dirty? Apaga logo o Whats!

      Jeito polido? Dcho que tu deveria nem dar bola para os avisos e ir fazer sua vida. Avisa aos seus contatos que você pode até ver a mensagem, mas não vai conseguir responder na hora. Melhor política é ser justo e honesto. :)

      1. Isso eu já faço, mas não dá pra ficar avisando de um por um! Sempre tem um perdido. Hehehe
        Já pensei muitas vezes em desativar o bicho, mas a família mora longe, e todas as vezes que tentei mudar os mensageiros não deram certo!

        1. Cara, o meu serve mais para atender cliente. Então dependo dele funcionando. É aquela coisa – a melhor forma é tu achar você mesmo. :)

    3. Você pode restringir as confirmações de leitura e o “visto por último”.

      Além disso, você pode desativar as notificações, tanto de mensagens individuais quanto de grupos, nas próprias configurações do aplicativo.

      Por fim, no sistema você pode tirar o acesso do Whatsapp ao sistema de notificações.

      1. Isso tudo eu já fiz, mas só todas soluções “permanentes”. Queria algo como um login e logoff mesmo!

        1. Aí é só desinstalando e reinstalando o app todo santo dia.
          Se pá talvez exista um app para android rooteado que simule isso

          1. Muito empenho! Daí prefiro desinstalar de vez mesmo! hahahahah
            Impressionante como não existe uma porcaria de login/logoff desta porcaria! :/

    4. Mas se a pessoa ver que você não recebeu a mensagem, deduzirá que você está sem cobertura também para receber ligações, não…?

      O que eu faço é ligar o “não perturbe” e boa. Se for importante, a pessoa me liga (e aí tem uma exceção nas configurações para tocar). Se não, na hora do almoço ou depois do expediente eu vejo e respondo. Sem crise, nunca reclamaram. Se alguém reclamar, explico e bola pra frente. Se a pessoa ainda assim se incomodar, paciência.

      1. Talvez. Tenho ignorado o Whatsapp mesmo, é o que se pode fazer né?!
        Quanto à cobertura, não creio muito. Internet ainda é mais complicado de ter sinal que voz. Mas vai saber!

    5. Android ?
      Pressiona o ícone do maldito aplicativo por uns segundos, arrasta para o “informações” -> forçar parada.

      Ou taca modo silencioso.

      1. O WhatsApp se auto-regenera-se-a-si-próprio-mutuamente-consigo-mesmo e abre de novo! Infernal!

      1. Eu des-destaco o seu destaque. O Whatsapp quase não é utilizado pelos teens americanos, ele ainda saiu foi no lucro.
        Destaque mesmo é para a VICE… os caras se autoavaliavam em quase U$3bi e diziam que eram a voz da molecada. Nesta semana já vi vários editores putos com o resultado e não aceitando que os teens não os ache cool.

    1. pergunta sincera: vocês confiam em pesquisas feitas por empresas em que as empresas aparecem ou não?

      1. Acho que (como qualquer pesquisa comercial, aliás), vale mais pra verificar como essas representações são posicionadas. No caso, por exemplo, acho interessante a google reconhecer a força da netflix.

        1. Sem metodologia não dá pra confiar. Com metodologia ainda é preciso desconfiar do viés das metodologia – como escolha do espaço amostral, modo como foram conduzidas as perguntas, etc.

  12. Ja pediram demissão de um emprego para ir pra ouro? Estou passando por isso e estou bem ansioso, começo no outro segunda-feira, saí de um que estava a quase dois anos para outro que ficarei 3 meses de experiência, mas ficar só depende de mim, e em relação a isso estou bem confiante.

    Quando vcs o fizeram, como foi?

      1. Qual a experiência de sair de um lugar relativamente estável para um que vc não conhece muita coisa

        1. Justamente a experiência de conhecer algo novo. Ficar preso a padrões é uma zona de conforto. vai da sua mentalidade pensar se compensa sair da zona de conforto atual e ir para uma nova empreitada ou continuar onde está. :)

        2. Voluntariamente só fiz uma vez isso, mas na época sai animado com as perspectivas e nem fiquei preocupado…o que mais me chateia, na verdade, é deixar o seu time já que em desenvolvimento suas responsabilidades acabam sendo passadas para outras pessoas.

          É normal, mas é chato imaginar que pessoas terão que “arcar” com sua saída.

    1. Só lembre-se de uma coisa: o primeiro dia de trabalho em qualquer lugar é uma merda.

      1. Eita! No meu emprego atual e no anterior foi bem tranquilo. Eu fiquei fazendo treinamento enquanto o pessoal de TI ainda tava arrumando uma estação de trabalho pra mim. O que aconteceu contigo de ruim, cara?

          1. Ah… Mas isso meio que faz parte, né? Demora um tempo até engrenar. Eu demorei até um pouco mais do que queria quando comecei no atual, aí realmente isso me incomodou.

    2. fiz várias vezes e acho que esse tipo de mudança é sempre boa, especialmente se você tem novos desafios pela frente. A ansiedade faz parte, só não pode deixar ela passar dos limites. ;)

      1. Err… perae.. tu pediu demissão de si mesmo (ou melhor, dos assinantes :p ) e foi para outro lugar, é? :3

          1. Só botei a frase pois achei cômico/divertido pensar assim :)

            Eu já tinha visto o post :)

    3. Já, inclusive o fiz no dia que fui promovido, pra ir na concorrente que me paga o dobro e que estou satisfeito até hoje.
      Primeiros meses foram um choque por conta da cultura diferente da empresa que tinha saído (metodologia, horas extras, relacionamentos, etc.).
      Também tive bastante problema por causa da ansiedade, dessa coisa de que, qualquer burrada, vou ser demitido. Mas é como você mesmo disse: Confia no seu trabalho e vai com calma que você vai longe.
      Outra coisa: Deixar bem claro suas limitações e seu interesse em aprender e crescer dentro da empresa é melhor que ficar se achando o bonzão em tudo logo de cara. Tive muitos colegas que foram demitidos porque passaram uma imagem muito maior do que eram de verdade, e não conseguiam entregar o trabalho esperado pro tamanho da língua deles.

      Enfim, boa sorte no novo trampo! ;)

    4. Já fiz isso e estou na empresa até hoje, depois de 5 anos.

      Quando fiz foi por uma questão essencialmente pessoal.

      Morava no Rio de Janeiro e minha noiva em São Paulo e precisava voltar. Fui para uma empresa maior do que a que trabalhava, mas com uma situação de salário um pouco pior. A questão é que valia a pena pessoalmente e profissionalmente eu teria espaço para crescimento.
      Consegui me firmar e me destacar na empresa, foi uma questão de correr atrás. Valeu a pena.

      Sempre rola o nervosismo e o medo de não atender expectativas, mas com o tempo você vai entrando no clima e da tudo certo.

  13. Alguem ainda usa Smartwatch?Uso ainda moto 360 e parece Android Wear parou no tempo,foi atrasado a versão Android 2.0,parece que ninguem tem mais paciência de carregar dois smartphone e relógio a noite,enfim.

    1. Não tenho qualquer interesse na verdade, mas conheço alguns colegas nada gearheads que usam. Todos applewatch, todos são team mac/iphone

        1. Acho que nem o Apple Watch se firmou (daqui a pouco alguém posta um relatório de vendas/envio dos smartwatches da Apple e me contradiz =P) porque relógio é uma coisa que precisa muito mais do que um apelo “smart” para vender.

          Acredito que a reedição do Seiko clássico do Jobs deve vender mais do que os relógios da Apple.

          1. Provavelmente, mas o que importa ali (como sempre) é faturamento. E aí, acho, o Apple Watch vai bem — segundo a Apple, só fica atrás da Rolex, em comparação com fabricantes de relógios tradicionais: https://news.fastcompany.com/by-revenue-the-apple-watch-lags-only-rolex-4018508

            Em números absolutos, ainda mais para os padrões da Apple, vende pouco mesmo. Em 2016, segundo estimativas, vendeu 11,6 milhões de unidades: https://www.macrumors.com/2017/02/01/apple-watch-q4-2016-estimated-sales/

          2. Os números da Apple nos Watchs leva crer num Watch 3 ainda esse ano ?

          3. A margem de lucro do Apple Watch deve ser ainda maior do que a dos Rolex, chuto eu.

            Fato (anedótico) é que todas as pessoas que eu vi usando smartwatch tinham um Apple Watch, nunca vi um android wear na vida.

      1. Interesse eu tenho. O que não tenho é a mínima vontade de pagar o que as marcas (Samsung e Motorola) pedem.

    2. cara, muita gente achava que isso ai não ia dar em muita coisa mesmo.
      o Apple Wacth “se firmou” mesmo? É realmente tão util assim?

      Esperta foi a Microsoft que nem perdeu tempo criando uma versão do Windows para isso aí! hahaha

      1. Para min é,só vejo notificações que realmente preciso,consigo responder sem mexer no smartphone entre outros .

      2. Acho que o que matou o ramo de smartwatches foi a duração da bateria.
        Eu mesmo, que tinha um Champion Steel cuja bateria durou 7 (sim, SETE) anos, achei uma vergonha ter que carregar bateria de relógio toda noite. Já me basta o celular que dorme plugado na tomada.

    3. Relógio é um troço que tem que ser bonito e mostrar as horas.
      Não precisa de mais nada, na minha humilde (porém correta hahaha) opinião!
      Eu mesmo, ando diminuindo muito a quantidade de notificações do celular. Até o Whatsapp não apita mais e nem aparece nas notificações por aqui. E sabe, tá fazendo um bem danado!

    4. Antes meu pulso coçava por um smartwatch, mas acabei comprando uma Mi Band 2 só pra ver a pegada desses reloginhos e se valia a pena migrar.
      Percebi que não. A Mi tem tudo que eu preciso pro meu dia a dia, é linda e ainda mostra as horas. ;P
      E também estou muito feliz com ela nos 3 meses de uso e 3 recargas.

      1. O feedback da Microsoft band 2 é super positivo mesmo,sabe se tem a venda ainda?

        1. No Mercado Livre dá pra achar algumas, mas todas na faixa dos R$900~1.100,00, enquanto a Mi Band 2 tá uns 250. Barato até mesmo por ser Brasil.

          EDIT: A “Mi” da minha pulseira é de Xiaomi, não de MIcrosoft hahahaha

          Não sei se foi interpretação minha, mas acho que rolou uma confusão entre as pulseiras aí. Se não rolou, mil perdões.

    5. Queria um só pra poder ficar mais fácil na hora de acompanhar a chegada de um uber ou 99… Mas acho q seria basicamente isso. Talvez gps pra qdo se está caminhando ou mesmo de bike e previsão do tempo. De resto, não consigo pensar em outras utilidades.

        1. estou com um carregador q carrega mais de um aparelho ao mesmo tempo e isso parece ter resolvido parte dos problemas de ser um fardo carregar mais de uma coisa… se esse era o problema, acho q não seria tanto.

      1. Essa coisa de previsão de tempo é útil mesmo? Sempre achei isso curioso. Talvez seja porque eu só morei em cidades que o céu era absurdamente visível de qualquer lugar

        1. ah sim. em sp, dependendo de onde se está, não dá pra ver o horizonte e vc não sabe se vem tempo ruim pela frente. daí como muda muito rápido, vc pode ser pego de surpresa. desde morrer afogado a ficar preso por horas em determinados lugares. sp é meio vida ou morte qdo chove.

Os comentários deste post foram fechados.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!