Post livre #63

Um post.

Zero conteúdo.

Comentários abertos.

Eu, você e os demais leitores do Manual.

Assuntos variados, você escolhe, posta e todos comentam.

Valendo!

Acompanhe

Newsletter (toda sexta, grátis):

  • Mastodon
  • Telegram
  • Twitter
  • Feed RSS

439 comentários

  1. O que vocês pensam sobre armar os cidadãos ? Não com o porte 24/7 mas sim com o direito de ter uma arma?

    1. Sou a favor, desde que seja feito de forma muito rigorosa. Se absurdos já acontecem com imprudência de trânsito imagine o que ocorreria com ‘pessoas de bem’ armadas.

      1. Se a lei se tornar mais rigorosa, as imprudências acabam reduzindo.

        1. Sim, a lei já é bem rigorosa. Apesar de algumas burocracias é permitido ter armas.
          Não quero uma cultura de armas como nos USA. Eu acho que é mais importante diminuir a violência de outras formas, assim poderíamos ter armas por hobby, não “para defesa”.

        2. Sim, por isso que nunca mais tivemos crimes hediondos com a lei dos crimes hediondos e as várias alterações nela ao longo dos anos.

          Não é punição que resolve, é educação, conscientização. Polícia, encarceramento, essas medidas não são soluções, são paliativos. Enquanto tivermos essa mentalidade punitiva, a coisa não mudará.

          1. Mas se não punimos, como então compensar as falhas e evitar que as pessoas façam mal as outras só com educação, conscientização? tem gente que vai ignorar leis pois tem a mentalidade de “fazer o mal”.

          2. Sim, levar leva. Mas as pessoas querem resultados mais “imediatos”. Não é a toda que hoje uma “pessoa comum” dá mais valor ao papo do Bolsonaro por aqui do que de um pacifista. Anos e anos de pessoas que se julgavam “pacifistas” no poder, e no final a criminalidade aumentou ao invés de diminuir.

        3. Isso é uma falácia. Não caia nessa. Nem a pena de morte impede q crimes sejam cometidos.

        4. Assista a gravação do Amilton Bueno de Carvalho. É elucidativa qto a essa questão do crime e a impossibilidade total de resolver isso dessa forma como fazemos.

    2. Do que eu sei, países desenvolvidas com baixos índices de violência tem políticas de armamento bastante diferentes, algumas extremamente restritivas e outras bem abertas. Dado isso, parece algo muito mais de base ideológica que uma medida pública pragmática. Os EUA talvez seja um caso a parte pela cultura de armas que as deixam muito acessíveis para incidentes, mas fora isso me parece uma discussão pouco importante.

      Acho os argumentos pragmáticos em favor da liberação bastante fracos, nunca vi nenhum estudando validando aquela história de “bandido vai ter medo de assaltar” ou o “cidadão armado vai impedir um assalto”.Em países violentos como o nosso, acho que pode até agravar o problema, mas não tenho nenhum dado em relação a isso.

    3. Do que eu sei, países desenvolvidas com baixos índices de violência tem políticas de armamento bastante diferentes, algumas extremamente restritivas e outras bem abertas. Dado isso, parece algo muito mais de base ideológica que uma medida pública pragmática. Os EUA talvez seja um caso a parte pela cultura de armas que as deixam muito acessíveis para incidentes, mas fora isso me parece uma discussão pouco importante.

      Acho os argumentos pragmáticos em favor da liberação bastante fracos, nunca vi nenhum estudando validando aquela história de “bandido vai ter medo de assaltar” ou o “cidadão armado vai impedir um assalto”.Em países violentos como o nosso, acho que pode até agravar o problema, mas não tenho nenhum dado em relação a isso.

      1. se não me engano, falando apenas de memória, sem dados concretos, me parece que por exemplo, no Japão o índice de criminalidade é baixo, e o porte de armas é severamente restringido…é lógico que existe crime em geral, crime organizado, etc, mas a impressão que tenho é que a população não tem essa neura com segurança

    4. É meio que um dilema.

      Penso que o direito de usar um armamento tem alguma relevância, pois é nivelar o poder de intimidação, medo e morte das pessoas.

      Depende muito da cultura do local, das condições colocadas, etc…

      Teoricamente na verdade hoje a pessoa pode ter sim uma arma em posse, desde que devidamente registrada e com todas as condições psicológicas e sociais atendidas. Sei disso pois conheço uma pessoa que trabalha com armamentos.

      Na prática, também sabemos que portar arma na rua é proibido, o que gera este dilema entre ter uma arma e usa-la. Até porque é sabido também que uma vez que a pessoa usa uma arma em legitima defesa comprovada, há um caminho burocrático que pode resultar inclusive na prisão do próprio usuário da arma.

      Já usei airsoft/armas de pressão algumas vezes e a sensação é de ter um poder que precisa ser treinado sempre para saber usa-lo. Mesmo uma arma de pressão tem capacidade de ser fatal se souber usa-la.

      Se vamos viver sempre temendo uns aos outros, a arma acaba sendo um dos maiores muros existentes. O fato de uma pessoa não armada saber que o outro tem uma arma já inibe muitas coisas – inclusive falar uma verdade inconveniente por exemplo. Depende muito do psicológico também, e sabemos que isso pode variar.

      Atualmente no Brasil vejo que não adianta armar o cidadão. Precisaria treinar e dar as devidas condições de uso primeiro. E mesmo assim, há inúmeros riscos, como criminosos acabarem ousando ainda mais do que já ousam.

      Do jeito que está, por mais que hoje infelizmente há toda esta condição de “crime ocorre nada acontece feijoada” em alguns lugares, ainda assim está um pouco mais razoável. Acho que nos anos 80-90, quando entramos na nova democracia e refizemos nossas leis, talvez a condição era pior ainda, pois bastava uma briga de bar para alguém dar um tiro – e isso infelizmente ainda é “comum” em alguns lugares mais “interioranos” do país. Ou o marido desconfiar da esposa e desferir um tiro pois fora considero “corno”, por isso também uma deshonra… :

      Hoje temos problemas bem piores, como o aumento de criminalidade em alguns estados, a falta de ação da polícia, etc. Creio que se for realmente necessário armar a população, isso será provavelmente ocorrido “naturalmente”, quando a população sentir que será necessário se armar por si só, já que não poderá contar com alguma forma de defesa exterior, como policiais ou seguranças. Pode ser que isso até aconteça nestes estados citados.

      Sempre me lembro de um caso contado na imprensa brasileira de uma vila mexicana onde a população se armou contra as milícias, os traficantes e demais criminosos, e ainda “peitou o governo”, se pondo no direito de usar as armas pois o governo não ajudara inicialmente.

      1. Então, o grande problema é, as polícias estão para servir a população a mando do governo. Então se o governador mandar acabar com uma manifestação, a polícia o serve. Acho extremamente difícil, a polícia engessada do jeito que está, se virar contra o governo, pois sua estrutura militar pune isso.

        Hoje nossa justiça pune demais os que tem de menos.

        E se um dia, uma cidade/população resolver tomar alguma atitude para parar os crimes. Muitos deles serão punidos por se defenderem. Acabam por chegar cruzar o que é justo de facto e o que é lei. Se alguém invadir tua casa, e você o prender apenas, ainda pode ser processado por cárcere privado. O que acho um absurdo.

        Quando se fala de poder. É uma coisa complicada esse complexo de Deus que podemos vivenciar.

        Enquanto quem comete crimes graves não forem devidamente punidos. Mas apenas com uma reforma do sistema carcerário. Em São Paulo, são 46.9% de reincidência, isso dentro de cinco anos. Quase 1 em cada 2 presos voltam para a cadeia. O que acaba sendo contraprodutivo, mantê-los lá apenas para voltarem, sem de fato se corrigirem. E esse número é maior entre os mais jovens, que acabam sendo os alvos mais fáceis de aliciar., afinal, são mais influenciáveis. E incríveis 23.9% comentem crimes mais graves que o primeiro. Isso não leva em conta a quantidade de crimes que não se conseguem provas o bastante para apreensão.

        Ter uma arma, tenho achado cada vez mais importante. Portar uma arma, ainda reluto demais com a ideia, justamente por vivemos em sociedade. Mas este exemplo do vilarejo mexicano, é uma prova disto. Existem locais em São Paulo, que são dominados por facções criminosas, há anos, e a polícia não faz nada. Provavelmente pois ganha mais não o fazendo do que qualquer coisa.

        Eu morei bem próximo a aquela unidade da Protege que fora assaltada em Santo André. E o armamento utilizado lá, é armamento de guerra, que nem a polícia tem acesso, apenas o Exército. Só que acho extremamente difícil de acreditar, que não conseguem prender ninguém quando se tinha mais de 20 pessoas participando do assalto. E Ainda a quantidade de câmeras de segurança é enorme. As vezes parece que falta um pouco de vontade das autoridades, por inocência ou não, em seguir certos crimes high-profile.

        As pessoas tem amado essa lava-jato e ainda sim, viram a cara para certas ilegalidades no dia-a-dia que seus amigos cometem, como pagar a taxinha pra alguém no Detran para agilizar o processo. Lembro que houve épocas que a única função do Despachante era ser a ligação entre o cliente e o funcionário corrupto no Detran. E ninguém reclama disso.

        http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/relatoriopesquisa/150611_relatorio_reincidencia_criminal.pdf

      2. Então, o grande problema é, as polícias estão para servir a população a mando do governo. Então se o governador mandar acabar com uma manifestação, a polícia o serve. Acho extremamente difícil, a polícia engessada do jeito que está, se virar contra o governo, pois sua estrutura militar pune isso.

        Hoje nossa justiça pune demais os que tem de menos.

        E se um dia, uma cidade/população resolver tomar alguma atitude para parar os crimes. Muitos deles serão punidos por se defenderem. Acabam por chegar cruzar o que é justo de facto e o que é lei. Se alguém invadir tua casa, e você o prender apenas, ainda pode ser processado por cárcere privado. O que acho um absurdo.

        Quando se fala de poder. É uma coisa complicada esse complexo de Deus que podemos vivenciar.

        Enquanto quem comete crimes graves não forem devidamente punidos. Mas apenas com uma reforma do sistema carcerário. Em São Paulo, são 46.9% de reincidência, isso dentro de cinco anos. Quase 1 em cada 2 presos voltam para a cadeia. O que acaba sendo contraprodutivo, mantê-los lá apenas para voltarem, sem de fato se corrigirem. E esse número é maior entre os mais jovens, que acabam sendo os alvos mais fáceis de aliciar., afinal, são mais influenciáveis. E incríveis 23.9% comentem crimes mais graves que o primeiro. Isso não leva em conta a quantidade de crimes que não se conseguem provas o bastante para apreensão.

        Ter uma arma, tenho achado cada vez mais importante. Portar uma arma, ainda reluto demais com a ideia, justamente por vivemos em sociedade. Mas este exemplo do vilarejo mexicano, é uma prova disto. Existem locais em São Paulo, que são dominados por facções criminosas, há anos, e a polícia não faz nada. Provavelmente pois ganha mais não o fazendo do que qualquer coisa.

        Eu morei bem próximo a aquela unidade da Protege que fora assaltada em Santo André. E o armamento utilizado lá, é armamento de guerra, que nem a polícia tem acesso, apenas o Exército. Só que acho extremamente difícil de acreditar, que não conseguem prender ninguém quando se tinha mais de 20 pessoas participando do assalto. E Ainda a quantidade de câmeras de segurança é enorme. As vezes parece que falta um pouco de vontade das autoridades, por inocência ou não, em seguir certos crimes high-profile.

        As pessoas tem amado essa lava-jato e ainda sim, viram a cara para certas ilegalidades no dia-a-dia que seus amigos cometem, como pagar a taxinha pra alguém no Detran para agilizar o processo. Lembro que houve épocas que a única função do Despachante era ser a ligação entre o cliente e o funcionário corrupto no Detran. E ninguém reclama disso.

        http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/relatoriopesquisa/150611_relatorio_reincidencia_criminal.pdf

        1. Parto sempre do princípio que “o governo somos nozes”. Querendo ou não, a lógica básica é essa, e acho que é um “aceite” que as pessoas no país ainda não tem como contrariar. Pessoas só contrariam um poder quando ao menos algum grupo assume o risco de ser “a testa de ferro da população”, pois por mais que fiquemos anônimos em uma revolta, queremos uma reinvindicação da conquista em caso de uma luta por um poder.

          Como você falou, o problema é que já estamos acostumado com corrupções. E a polícia tem um trabalho falho por motivos justamente também de corrupção. Ei, a polícia é feita por pessoas como nós. O governo, idem.

          Pela lógica que tu colocou, a ideia é ter uma arma para “punir quem for me atingir, já que a justiça não pune direito”. Não discordo e tenho uma linha de pensamento similar a ti.

          Porém, penso que se for na lógica de que “vamos matar todos os piores bandidos”, o mais ideal era parar com a ideia de “direitos dus manus” e deixar os grupos de extermínio agirem. E nem punir os policiais que cometeram o “massacre do Carandiru”.

          É a lógica do “se já carimbaram ‘criminoso’ na vida dele e ele não superou este carimbo, que o mate”. É algo que tenho alguma linha de pensamento também, e provavelmente afloreceria se eu ver um criminoso fazer um mal a mim ou famiilar/amigo. E de fato isso ocorreu há algum tempo:

          Um amigo, ex policial, tinha deixado a filha na casa de praia de uns tios. A casa de praia foi invadida e os tios foram rendidos. Ao que fora me relatado, os criminosos foram violentos e ficaram ameaçando os moradores. Essa filha estava meio que escondida e acabou indo pegar a arma do pai, que estava escondida. Conseguiu dar um tiro e atingiu um criminoso, mas um dos criminosos revidaram e deram um tiro nela.

          Resultado: da menina, uma mandíbula quase destruída e quase que um mês no hospital. : Hoje ela está viva e bem. O pai, se já era superprotetor antes, hoje ainda é mais que o triplo.

          dos criminosos: um carro dos familiares que foi roubado (depois a polícia recuperou), e dois ou três criminosos mortos por policiais em retaliação a menina atingida.

          O que muita gente que “defende a pacificação” (como o Montarroios) acho que não consegue dar a devida explicação que possa ser o “ponto de virada” para mudar a cabeça de alguém que defende o posse de armas ou a violência da polícia, é justamente isso: se os criminosos ficam mais e mais violentos a cada dia, como então tentar pacifica-los? Como curar o trauma de receber uma violência sem nunca ter gerado violência contra esta pessoa?

          A minha solução é ter uma vida sem luxos. E “dar uma de louco também”, deixar claro que se alguém me atingir, este também será atingido por mim. Infelizmente somos uma sociedade que valoriza muito o estereótipo. Ande com algo de valor para alguém crescer o olho. E vivemos muito de temer quem achamos louco, errado, diferente, fora dos padrões. É complexo.

          1. Sobre os policiais do Carandiru, pelo que tenho lido, vários deles conseguiram reverter e anular várias punições.

            Uma coisa é o sistema carcerário funcionar, o que faz com uma porcentagem menor de pessoas vá presas. Outra coisa é ele funcionar parcialmente, mas para aqueles que não funcionam, piorar ainda mais.

            Sim, mas alguns luxos eu fiz questão de não abrir mão, pois, para mim seria se render ao Estado de Violência em que vivemos. Blindei meu carro, para poder fazer uma rota mais curta, Na Av. Al. Delamare, divisa entre São Caetano e São Paulo( Próximo ao Sacomã) ainda fico abismado com a quantidade de assaltos que tem lá, ao menos 1 por dia, e tem uma delegacia de policia há menos de 600 metros do foco dos assaltos, e ainda sim, há pelo menos 15 nada é feito. Lá é ponto manjado para quem passa por lá já. As autoridades sabem, e não fazem nada. Poxa, se for algo pouco frequente, e inconstante, até entenderia a inércia da polícia, mas ainda sim são 15 de assaltos diários. Toda semana prendem alguém, mas parece que cada vez que prendem 1 saem mais 10 para te roubar.

            E sobre dar uma de louco, concordo plenamente contigo.

            O que tenho achado cada vez mais difícil de se entender. Porque não fazem nada sobre aqueles que mandam de dentro das cadeias? É sabido que o sistema é corrompido, é sabido que são alguns poucos que mandam e desmandam e ainda sim não se faz nada. Tem alguns caras em Segurança Máxima, e ainda sim possuem acesso irrestrito a telefones.

          2. Volta ao que falo sobre “somos nozes”. Sei que muitos que não fazem nada de errado não concordam comigo com isso, mas o que vejo muito é que de alguma forma sabemos quem erra e o porque erra.

            Hoje o sistema carcerário é falho pois a população falha em como trata o crime e criminosos – já que isso é lidar com si mesmo também. Do jeito que está, na mente de muitos, “ao menos está preso” é uma forma de tranquilizar e pensar que a pessoa está pagando pela sua punição necessária.

            Claro que a imprensa expõe o que ocorre realmente e no fundo sabemos que a situação atual – não há tanto controle sobre punição e limitações no sistema carcerário. Quem tem coragem burla as condições e corrompe também lá dentro para poder atuar de alguma forma. Na “máquina do capitalismo” que muita gente defende, as atuações de um criminoso dentro das cadeias também é uma forma de ganhar dinheiro e fazer a economia girar. Tal como o assalto comum em uma avenida de grande demanda.

            Afinal, para o criminoso, compensa (e muito) o lucro de vender a droga contrabandeada, de vender o celular ou outros objetos roubados (o criminoso, na mente dele, solta algum dos mantras de criminoso do Racionais MCs que defende a criminalidade falando que eles são “vitimas da sociedade”… oras…). É só lucro, sem produzir. É só “tirar do pé, mas com violência”.

            Policiais ganham com isso pois dizem que o “salário não dá para pagar as contas” (e isso depende de como cada policial lida com o dinheiro – mas há sim alguns que realmente estão certos). No entanto, como o crime sempre tem o lucro da corrupção de alguém da lei, policiais ganham com isso também. Por isso que um cara que trabalha na segurança máxima ganha com o telefone para o preso.

            Fora os assaltos a cofres e roubos de grande monta, que apesar do esforço e investimento exigidos, no fundo para estes (que não duvido que possam ser ex policiais ou agentes da lei), o resultado compensa – a adrenalina de fazer algo igual a um filme, a ação, o dinheiro…

            Acho que no fundo não temos ainda a coragem total de dizer que “todos são corruptos”, até porque sabemos que nós de alguma forma o somos, e que conhecemos pessoas que corrompem.

            Outra coisa também é como é tratada a corrupção. Noto também que pessoas que são geralmente conhecidas como “de direita” fazem de tudo para que algo que é popularmente tratado como corrupção seja no final polido e exposto como “algo inócuo”. Já falei: saiu um livro recente do Mário Rosa, o “Memórias de um Consultor de Crises”, onde ele fala sobre as atuações dele há tempos atrás (nos últimos 20 anos) para muitos dos que hoje estão presos na PF, e ele fala também da sensação de ter sido investigado por ela por causa destas atuações antigas. Sugiro sua leitura.

        2. “Se alguém invadir tua casa, e você o prender apenas, ainda pode ser processado por cárcere privado.”

          Isso não procede.

          Não é respondendo com mais violência que se resolve a violência ou qualquer outro problema.

          1. Isso procede bastante, é muito tênue a linha da Legítima Defesa. Aonde atenta-se para o uso moderado, afim de fazer-se uma defesa eficaz, sendo estritamente condenável por excesso doloso/culposo. E isso tem-se mostrado como realidade há anos. Um policial que tira a vida de um criminoso que atirava contra o mesmo, não é considerado um bom policial.

            Então é preferível que atentem contra tua honra e patrimônio, do que tentar protegê-lo?

            A polícia, mesmo que você considere uma medida paliativa, é extremamente necessária.

            Claro medidas educativas são excelentes, mas e como combater o problema que temos hoje? Temos uma enorme população carcerária, aonde cada vez mais o número de reincidência cresce, enquanto nossa população diminui no ritmo de crescimento. Como combater tal problema?
            Abrir mão de bens materiais, não é uma solução viável no cenário capitalista atual, para que parem de roubar? Abrirmos mão de locais que gostamos de ir, por medo?

            Acho triste ver histórias de menores de idade que já foram apreendidos pela polícia mais de 40 vezes, e ainda sim, todos sabem que irá voltar a cometer crimes, e esperam ansiosamente ele completar 18 anos para ser posto longe da sociedade.

            E numa sociedade que começa a se armar, infelizmente alguns irão morrer dada a idiotice dos outros, mas ainda sim, as pessoas já morrem hoje.

          2. Sendo um pouco chato aqui na conversa, noto que tudo relacionado ao combate a violência empaca nestra frase citada por ti Ghedin. É algo que fico no meio do muro aqui.

            Se não é respondendo com mais violência, qual seria a resposta ideal? Como remediar pessoas que usam de violência pois sabe o poder gerado com isso?

        3. Veja a palestra q deixei aqui. Ela é de altíssima lucidez. Mais punição não vai resolver nada e nem impedir nada.

    5. pra que ? tem que ter pesquisas, estudos, estatísticas, etc, que comprovem que armar os cidadãos melhora o quadro de segurança pública

      e armar como ? cada cidadão poderia ter uma arma sem burocracia ? ou cada cidadão poderia ter quantas armas quisesse ? na prática isso não faria diferença, porque quem quer ter armas consegue ter armas hoje, não fica se preocupando com legislação

      na prática o efeito seria provavelmente contra-producente, pelo aumento do número de armas em circulação, parte do qual com certeza seria desviado para o crime organizado, tráfico, quadrilhas, etc

      se armar os cidadãos resolvesse garantidamente os problemas de segurança pública estaríamos vendo essa medida sendo tomada em todo mundo

      1. Bom, quando o crime organizado possui ao menos 4 metralhadoras calibre .50 a seu dispor, possuem equipamentos melhores que muitas unidades policiais. Acho que um civil ter um revolver não irá mudar muito o crime organizado.

        2 grupos possuem armas atualmente no Brasil, as polícias/forças armadas, que servem o governo. E os criminosos. Um destes grupos possui recursos quase ilimitados para comprar as armas que quiserem. E a população fica a merce. Se algum destes grupos resolver exterminar o outro, quem acaba pagando o pato é o grupo desarmado. Vamos lá, falo de possuir uma arma, não de portá-la. São coisas diferentes. Ter uma arma em casa, na prática não faz diferença, pois ela precisa estar devidamente guardada, então a não que more num forte, não terá tempo de pegá-la em caso de alguma emergência, mas ainda sim, a sensação de proteção que ela fornece é incrível. Assim como aquele Muro que Trump disse que quer construir, ele não irá parar a imigração, mas o fato dele estar lá faz as pessoas se sentirem mais seguras.

        Você consegue imaginar algo sem burocracia no Brasil? Se para certas coisas é necessária um grande processo, imagine o de conseguir uma arma. Olha já tentei conseguir uma arma, mesmo passando em todos os testes psicológicos e sociais, minha necessidade não é situação de morte, claro, se eu pagasse 25K para “agilizar” meu processo, teria porte em meses, mas ai não seria muito diferente de quem estaria tentando me defender. Se quisesse ainda poderia ir comprar uma arma no mercado negro. Outra opção, mais barata e rápida, mas totalmente ilegal.

        Você compra e registra uma arma, se você a “perdeu” o que pode ser bem difícil de acontecer, dada a segurança que se precisa ter para ter uma, tudo tem que ser relatado.

        E outra, 2 grupos tem armas, e o terceiro, e o único que faz os outros 2 funcionarem não tem. Nós, como população fortalecemos tanto o crime, quanto o governo e acabamos ficando no fogo cruzado de braços cruzados.

      2. Bom, quando o crime organizado possui ao menos 4 metralhadoras calibre .50 a seu dispor, possuem equipamentos melhores que muitas unidades policiais. Acho que um civil ter um revolver não irá mudar muito o crime organizado.

        2 grupos possuem armas atualmente no Brasil, as polícias/forças armadas, que servem o governo. E os criminosos. Um destes grupos possui recursos quase ilimitados para comprar as armas que quiserem. E a população fica a merce. Se algum destes grupos resolver exterminar o outro, quem acaba pagando o pato é o grupo desarmado. Vamos lá, falo de possuir uma arma, não de portá-la. São coisas diferentes. Ter uma arma em casa, na prática não faz diferença, pois ela precisa estar devidamente guardada, então a não que more num forte, não terá tempo de pegá-la em caso de alguma emergência, mas ainda sim, a sensação de proteção que ela fornece é incrível. Assim como aquele Muro que Trump disse que quer construir, ele não irá parar a imigração, mas o fato dele estar lá faz as pessoas se sentirem mais seguras.

        Você consegue imaginar algo sem burocracia no Brasil? Se para certas coisas é necessária um grande processo, imagine o de conseguir uma arma. Olha já tentei conseguir uma arma, mesmo passando em todos os testes psicológicos e sociais, minha necessidade não é situação de morte, claro, se eu pagasse 25K para “agilizar” meu processo, teria porte em meses, mas ai não seria muito diferente de quem estaria tentando me defender. Se quisesse ainda poderia ir comprar uma arma no mercado negro. Outra opção, mais barata e rápida, mas totalmente ilegal.

        Você compra e registra uma arma, se você a “perdeu” o que pode ser bem difícil de acontecer, dada a segurança que se precisa ter para ter uma, tudo tem que ser relatado.

        E outra, 2 grupos tem armas, e o terceiro, e o único que faz os outros 2 funcionarem não tem. Nós, como população fortalecemos tanto o crime, quanto o governo e acabamos ficando no fogo cruzado de braços cruzados.

        1. de tudo isso que você escreveu eu ainda não consegui ver como ter porte iria mudar alguma coisa

          exemplo: se os caras te assaltam na rua, você estando a pé ou de carro, qual é o modus operandi desse pessoal ? em geral eles se valem da superioridade numérica, da surpresa, e supressão da possibilidade de resistência: já chegam te abordando, pressionando, agarrando, te espetando com armas (talvez falsas, vai saber) sem dar chance de resistir…não acredito que portar uma arma iria mudar muito a situação (a não ser para gente muito bem treinada, com experiência nesse tipo de situação, que nem sei se existem)…e se você estiver com a família, ou namorada, etc, a situação é pior ainda, qualquer ação de resistência pode acarretar violência contra eles

          se os caras te assaltam em casa o cenário é parecido, geralmente são vários atacantes que não dão possibilidade de defesa, praticam terror psicológico, etc…apesar de que minha preocupação com assaltos em casa é zero, normalmente os caras vão preferir entrar em casas desocupadas

          partindo para uma outra abordagem, onde estão as pesquisas que mostram que tal país, ou estado, ou cidade etc tinham um nível de criminalidade X, e que depois da liberação do porte de armas o nível de criminalidade diminuiu ? ou então, que o número de ataques frustrados porque a vítima estava armada e conseguiu reagir aumentou ? não me lembro de alguma vez ter visto esse tipo de coisa (se bem que não tenho nenhum interesse especial por esse assunto)

          geralmente as discussões sobre liberação do porte de armas vêm misturadas a um contexto emocional, são obviamente influenciada por lobbies da indústria, e normalmente fazem parte de um “pacote ideológico”, geralmente de pessoas de direita (são os mesmos caras que vão por em dúvida, por exemplo, o aquecimento climático, são contra políticas sociais, etc)

          a violência é um fato real, existe, mas não existe uma solução simples, como “distribuir armas para os cidadão”, não existe uma bala de prata, como para outros problemas complicados de nossa época (como tráfico de drogas, por exemplo)

          resumindo, acho que a abordagem de problemas complexos deve ser feita de maneira racional, científica, baseada em pesquisas e dados sobre a realidade, as decisões não podem ser tomadas baseando-se apenas no “senso comum” e nas promessas de “salvadores da pátria”…para problemas complicados simplesmente não existem soluções simples, apesar de que essa é uma ilusão muito comum de se encontrar na internet

        2. de tudo isso que você escreveu eu ainda não consegui ver como ter porte iria mudar alguma coisa

          exemplo: se os caras te assaltam na rua, você estando a pé ou de carro, qual é o modus operandi desse pessoal ? em geral eles se valem da superioridade numérica, da surpresa, e supressão da possibilidade de resistência: já chegam te abordando, pressionando, agarrando, te espetando com armas (talvez falsas, vai saber) sem dar chance de resistir…não acredito que portar uma arma iria mudar muito a situação (a não ser para gente muito bem treinada, com experiência nesse tipo de situação, que nem sei se existem)…e se você estiver com a família, ou namorada, etc, a situação é pior ainda, qualquer ação de resistência pode acarretar violência contra eles

          se os caras te assaltam em casa o cenário é parecido, geralmente são vários atacantes que não dão possibilidade de defesa, praticam terror psicológico, etc…apesar de que minha preocupação com assaltos em casa é zero, normalmente os caras vão preferir entrar em casas desocupadas

          partindo para uma outra abordagem, onde estão as pesquisas que mostram que tal país, ou estado, ou cidade etc tinham um nível de criminalidade X, e que depois da liberação do porte de armas o nível de criminalidade diminuiu ? ou então, que o número de ataques frustrados porque a vítima estava armada e conseguiu reagir aumentou ? não me lembro de alguma vez ter visto esse tipo de coisa (se bem que não tenho nenhum interesse especial por esse assunto)

          geralmente as discussões sobre liberação do porte de armas vêm misturadas a um contexto emocional, são obviamente influenciada por lobbies da indústria, e normalmente fazem parte de um “pacote ideológico”, geralmente de pessoas de direita (são os mesmos caras que vão por em dúvida, por exemplo, o aquecimento climático, são contra políticas sociais, etc)

          a violência é um fato real, existe, mas não existe uma solução simples, como “distribuir armas para os cidadão”, não existe uma bala de prata, como para outros problemas complicados de nossa época (como tráfico de drogas, por exemplo)

          resumindo, acho que a abordagem de problemas complexos deve ser feita de maneira racional, científica, baseada em pesquisas e dados sobre a realidade, as decisões não podem ser tomadas baseando-se apenas no “senso comum” e nas promessas de “salvadores da pátria”…para problemas complicados simplesmente não existem soluções simples, apesar de que essa é uma ilusão muito comum de se encontrar na internet

          1. Mas não defendo o porte, como já disse ao Montarroios, portar uma arma na rua, requer muito de uma pessoa, e a preparação para tal é algo exaustivo.

          2. Mas ter em casa é a mesma coisa. E se vc se envolver em algo q acha inseguro, vc VAI levar sua arma. É batata. Eu levaria se tivesse uma…

          3. Mas ter em casa é a mesma coisa. E se vc se envolver em algo q acha inseguro, vc VAI levar sua arma. É batata. Eu levaria se tivesse uma…

        3. Veja as estatísticas, Marcos. A maioria dos crimes e feita com o velho três oitão.

    6. Um retrocesso, uma selvageria. Não é assim que resolveremos o problema da violência — pelo contrário, isso provavelmente o pioraria.

    7. Dentro do meu ateísmo a única coisa q penso é: “Deus nos acuda se liberarem as armas”.

    8. Dentro do meu ateísmo a única coisa q penso é: “Deus nos acuda se liberarem as armas”.

    9. O ladrão vai tomar a sua arma e se não te matar com ela, vai matar alguém depois. São raríssimas as situações em q uma arma poderia te ajudar a se safar de uma situação surpresa. E a depender da sua reação, se ela for desproporcional ao ataque, dependendo da legislação do país em q vc estiver, vc estará ferrado.

      Um policial reagiu a um assalto qdo estava dirigindo um uber. Ele matou os três q tentaram assaltá-lo (ele foi muito celebrado e um deputado fez piada dizendo q ele devia pedir música no Fantástico), mas para “cessar a agressão” ele teve q atirar nas costas de dois deles (o q mesmo em círculos militares e visto como covardia). Três vidas perdidas, potencialmente a dele tb poderia ter sido, dada a reação e o fato dele ser policial, e das pessoas na rua q passavam por ali e poderiam levar um tiro tb.

      Vale a pena mesmo ter tanta arma por aí?

      1. Não defendo o porte, os requisitos necessários para se portar uma arma, tanto psicologicamente quanto fisicamente são bem elevados, e deveriam ser. Mas sim o direito do cidadão ter uma arma. Muitos aqui pensam apenas no porte. Mas portar uma arma exige tanto de uma pessoa. É um esforço físico e mental. Ter que zelar por si e pelos outros enquanto porta uma arma é um fardo enorme.

      2. Não defendo o porte, os requisitos necessários para se portar uma arma, tanto psicologicamente quanto fisicamente são bem elevados, e deveriam ser. Mas sim o direito do cidadão ter uma arma. Muitos aqui pensam apenas no porte. Mas portar uma arma exige tanto de uma pessoa. É um esforço físico e mental. Ter que zelar por si e pelos outros enquanto porta uma arma é um fardo enorme.

        1. Se vc mora num lugar muito, muito isolado, até pode fazer algum sentido ter uma arma como relativa proteção… Mas, ainda assim, vc tem q saber usar e ter acesso a ela numa situação de perigo. Mas essa disponibilidade permanente tb põe em risco a sua família e vc mesmo: desde acidentes (crianças ou na limpeza da aema), até momentos de descontrole podem fazer vc usar a arma e depois se arrepender para sempre… Qto vizinhos ou familiares não discutem por qualquer porcaria?

          1. Exatamente por isso, que as caixas que vem com as armas, já vem com uma chave, e é necessário, na maior parte dos locais, em cofres para armas. Uma criança que pega uma arma, por exemplo, seus responsáveis já deram tantas brechas, que o acidente é inevitável. Limpar uma arma carregada é outra idiotice sem tamanho, não é algo que você deveria fazer na correria por exemplo, um lado mais satírico meu vê isso apenas como seleção natural, a lá Darwin Awards.

          2. Não sei como está agora, mas teve uma proposta de lei a um tempo atrás para regulamentar o uso de armas de fogo dentro de propriedade rural. DENTRO.
            Saiu pra fora já responderia criminalmente.
            Mas no meio havia umas outras propostas bestas e acho que acabou não passando.

          3. Acho impraticável e, ao mesmo tempo, já é assim na área rural. Há muita gente armada.

      3. fora os casos como “Policial mata namorada em festa universitária e depois se suicida em SP”
        poxa, o cara era um profissional e faz uma barbaridade dessas por ciumes!
        se um policial treinado faz isso imagine o resto da população.

        1. Um amigo de infância, q não era policial fez isso, pegou uma arma, foi até a loja onde a namorada trabalhava, um shopping movimentado aqui de SP, matou a namorada e depois se matou… A disponibilidade da arma facilita MUITO esse tipo de reação.

        2. Um amigo de infância, q não era policial fez isso, pegou uma arma, foi até a loja onde a namorada trabalhava, um shopping movimentado aqui de SP, matou a namorada e depois se matou… A disponibilidade da arma facilita MUITO esse tipo de reação.

    10. Num país caracterizado por um “Estado de Deixe Estar Social”, armar a população é uma tragédia anunciada.

  2. O que vocês pensam sobre armar os cidadãos ? Não com o porte 24/7 mas sim com o direito de ter uma arma?

    1. Grafite é uma coisa. Pixação é outra. :)

      Grafite é algo que ao menos o artista buscou respeito per si e respeitar o outro.

      Pixação é outra.

      E outra, o pessoal pensa que a PM é “truculência”. Quanto mais leio sobre a polícia, mais vejo que o problema é a sociedade que cria “esteriótipos” e vivem neles…

      1. Mas o atrito com a polícia tb existe. Muitos grafiteiros são presos e não tem papo. Acredito q esse é O caminho: aproximação, diálogo e contato. Um dos grafiteiros q tem um trabalho incrível, o Crânio, não curtiu e é uma pena… Ele não entendeu o significado da coisa. Não adianta hostilizar os policiais.

        1. Isso! Chegamos em um consenso aqui. :)

          O mal é isso: quem é pixador ou “grafiteiro old school”, hostiliza os políciais. Sim, há explicação e justificativa – há truculência e prisões indevidas, como você colocou.

          Mas se não há estes trabalhos de “conexão”, de juntar duas partes conflitantes, é difícil achar uma forma de juntar estes antes conflitados.

          1. Pena ser exceção. Nesse caso, o major quis. Não veio do comandante geral.

  3. Noutra discussão, comentei q achava ‘melhor’ (atenção às aspas) os crimes cibernéticos, pq eles não envolviam violência e indicavam aumento de instrução das pessoas.

    Mas não é o q está acontecendo:

    “Alvez explica que, diferentemente de países como Estados Unidos, Rússia e China, a particularidade no Brasil é a dissociação entre os operadores dos golpes e os desenvolvedores do malware. “Estes operadores praticamente não tem conhecimento técnico, eles compram as ferramentas para os ataques.””

    Nada como a realidade pra desfazer deduções apressadas.

    https://motherboard.vice.com/pt_br/read/ha-uma-nova-geracao-de-vrus-sequestrando-discos-rigidos-no-brasil

    1. Olha, isso não me surpreende nem um pouco. Estudar para ter conhecimento para se criar um malware leva tempo e dinheiro, mais fácil comprar algum pronto, e alguns minutos para conhecer e pronto.

    2. não acredito nisso

      acho que a maioria dos perpetradores de crimes cibernéticos compram, trocam, roubam, emprestam, etc, as ferramentas e os exploits, os bugs 0-day, etc, em todo o mundo

      existe um mercado bem estabelecido para isso, existe todo um submundo, uma sub-cultura subterrânea de hackers criminosos

      não tenho conhecimento direto desse assunto, minha opinião é baseada em todos esse anos lendo sites tipo Slashdot e similares

      o conhecimento técnico necessario para se desenvolver ferramentas de hackeamento é razoavelmente alto, em qualquer lugar do mundo

      provavelmente os maiores especialistas nesse assunto hoje em dia são os serviços de segurança e espionagem dos EUA, apesar do que às vezes falam de russos

      algums dos malwares mais sofisticados que existem (Duqu, Stuxnet, Flame, etc) são muito provavelmente obra dos serviços secretos americanos (NSA ? CIA? outros ?)

      1. Faz muito sentido isso q vc disse. Me parece até uma hierarquia isso tudo. Cara, vc viu o doc “Zero day”?

      2. Faz muito sentido isso q vc disse. Me parece até uma hierarquia isso tudo. Cara, vc viu o doc “Zero day”?

        1. nunca li nada especializado sobre tudo isso, mas estou na internet há tanto tempo :) (e também trabalho com informática) que isso que escrevi é “cultura geral”, ao menos para mim

          no caso dos malwares Duqu, Stuxnet e Flame minha impressão é que é consenso que sejam obras de “estados”, não de pessoas, dado o tamanho do malware, a quantidade de esforço em homens-hora que deve ter sido dispendida para escrever o malware

          acho que muitos dos ataques, talvez a maioria, sejam feitos por quadrilhas, tanto quadrilhas de amadores (hackers, no sentido original da palavra), quanto de profissionais, coisa de máfia mesmo, que rouba senhas, números de cartões, etc, mas essas quadrilhas não são formadas por gênios da computação, elas conseguem as ferramentas de ataque no “mercado” que existe para isso

          agora, é o seguinte: a internet é muito insegura, porque software (programa) é um negócio inerentemente inseguro…implementar segurança tem custo, quanto mais segurança, mais caro, e às vezes é simplesmente inviável, como por exemplo no caso dos 0-day exploits: uma vulnerabilidade é descoberta, e imediatamente os grupos, quadrilhas etc, passa a escanear a internet tentando achar sites vulneráveis…isso sem contar que às vezes as falhas são descobertas, mas não publicadas (inclusive por gente como CIA, etc, porque podem ser usadas como “armas”)

  4. Noutra discussão, comentei q achava ‘melhor’ (atenção às aspas) os crimes cibernéticos, pq eles não envolviam violência e indicavam aumento de instrução das pessoas.

    Mas não é o q está acontecendo:

    “Alvez explica que, diferentemente de países como Estados Unidos, Rússia e China, a particularidade no Brasil é a dissociação entre os operadores dos golpes e os desenvolvedores do malware. “Estes operadores praticamente não tem conhecimento técnico, eles compram as ferramentas para os ataques.””

    Nada como a realidade pra desfazer deduções apressadas.

    https://motherboard.vice.com/pt_br/read/ha-uma-nova-geracao-de-vrus-sequestrando-discos-rigidos-no-brasil

    1. deixei um pouco de lado o canal no disqus e o face (quase totalmente).

      1. Tou falando do Disqus. Do face, se tu tivesse interessado, estariamos conversando por la :P

        1. sim, mas existem essas três formas de participação no mdu: comentários (do disqus, mas nos posts), o canal no disqus e o face. a q mais tenho usado é de comentários mesmo. no face é bom, pq o pessoal é muito rápido, mas perdi total interesse no face e vejo como algo BEM problemático de se usar.

        2. sim, mas existem essas três formas de participação no mdu: comentários (do disqus, mas nos posts), o canal no disqus e o face. a q mais tenho usado é de comentários mesmo. no face é bom, pq o pessoal é muito rápido, mas perdi total interesse no face e vejo como algo BEM problemático de se usar.

          1. Face do MdU eu nao tenho pois nao assino. Tava pensado em assinar, mas a grana continua curta. Dias atras ate tive gastos extras e nao tou conseguindo repor.

          2. Trabalhar por conta e assim mesmo. Nao sou um Ghedin ou qualquer um dos comentaristas daqui. O custo medio de cada servico que pratico eh de 30~50 reais. Se aumento, os clientes reclamam ou nem me chamam mais. Fora que muita gente que eh meu cliente e ta me devendo.

  5. Estou jogando Hotline Miami e outros jogos antigos (quer dizer, alguns são mais antigos q esses). Vcs recomendam algo imperdível do q já passou faz tempo?

    1. Half Life 2, Halo Reach.
      Metroid Fusion, Castlevania Simphony of the Night, Castlevania Order of Eclesia, Ori and the Blind forest, Steamworld Dig, Shadow Complex.
      Limbo, Inside, Brothers a Tale of Two Sons, Shovel Knight, Mario e Luigi Bowser’s Inside Story.
      Inside não é novo, mas tinha que recomendar o meu jogo do ano. Que narrativa sensacional.
      Menção honrosa a Destiny e Rocket League que me prendem maior parte do tempo em que estou jogando em casa.

      Você me perguntou estes dias como acompanho o mundo dos joguinhos eletrônicos. Basicamente eu me mantenho informado por sites de hard news(Polygon, IGN BR), podcasts(superamibos) e alguns canais de Youtube(noclip, Velberan). A partir daí você acaba esbarrando com algum conteúdo mais denso que seja do seu gosto. Desculpe a demora pra responder, mas eu só vi a sua pergunta quando o ultimo post livre tinha fechado.

        1. Sim cara. E fiquei praticamente sem jogar video game desde os 8 bits. Voltei no 360 e o primeiro jogo com uma historia mais densa que eu peguei foi logo Halo Reach. Me prendeu muito.

        2. Sim cara. E fiquei praticamente sem jogar video game desde os 8 bits. Voltei no 360 e o primeiro jogo com uma historia mais densa que eu peguei foi logo Halo Reach. Me prendeu muito.

      1. esqueci de avisar q tenho ps3 e steam no pc.
        vou ficar de olho nessas dicas.
        e estava vendo q vai sair um filme sobre os criados do rocket league.

        não tem galho sobre a resposta ter vindo agora para a pergunta do outro post livre. vou dar uma olhada em todas essas referências q vc passou.
        valeu!

      2. esqueci de avisar q tenho ps3 e steam no pc.
        vou ficar de olho nessas dicas.
        e estava vendo q vai sair um filme sobre os criados do rocket league.

        não tem galho sobre a resposta ter vindo agora para a pergunta do outro post livre. vou dar uma olhada em todas essas referências q vc passou.
        valeu!

        1. Se curtir jogos de mundo aberto, GTA IV e V, e Red Dead Redemption são indispensáveis.

          1. Gosto sim! Acredito q é um tipo de jogo específico e bem interessante dentre os jogos disponíveis. Ia fazer uma pesquisa justamente sobre um deles, o Minecraft. E com certeza ia esbarrar nesse ponto: o mundo aberto.

          2. Gosto sim! Acredito q é um tipo de jogo específico e bem interessante dentre os jogos disponíveis. Ia fazer uma pesquisa justamente sobre um deles, o Minecraft. E com certeza ia esbarrar nesse ponto: o mundo aberto.

        2. Ah sim. Fica tranquilo que a maioria dos indicados é multiplataforma.
          O noclip fez um mini documentário com os caras do Rocket League, agora filme mesmo eu não sabia.

          1. posso ter confundido, então. na verdade me deparei com esse mini documentário achando q ia ser um documentário mais longo. se ficar sabendo de algo aviso.

      3. Estava de olho no Inside. É tipo de jogo q gostaria de fazer!

      1. Esse não terminei, mas já joguei. Muito bom tb! Queria jogar o “the witness”, q é do mesmo criador.

      2. Esse não terminei, mas já joguei. Muito bom tb! Queria jogar o “the witness”, q é do mesmo criador.

          1. tive q reinstalar meu win10. e acabei indo jogar outras coisas, mas vou retomar. joguei o portal antes. faço mais ou menos como faço com leituras. interrompo uma, depois a retoma qdo termino de ler algo mais interessante q apareceu de repente.

    2. Bioshock – agora tem a versão remasterizada, mas, a versão original continua ótima.

      Além disso, tem o ótimo e antigo EarthBound.

      1. Falando em EarthBound, tem também o Undertale, que bebeu bastante da água dele.
        E, da minha lista pessoal, recomendo Dust: An Elysian Tale e os últimos jogos do Rayman: Origins e Legends.

    3. Battlefield 1942, Battlefield 2, Swat4, Rise of Nations.
      eu curtia muito esses.

      1. Tô tentando me esquivar desses jogos muito violentos. Gosto, claro. Mas ando bolado com eles.

        1. Rise of Nations ? Imagine um Age of Empires. Muito bom. No momento tenho jogando CIV6, e cara, estou amando, tirando o fato de estar em guerra com Mahatma Ghandi.

        2. Rise of Nations ? Imagine um Age of Empires. Muito bom. No momento tenho jogando CIV6, e cara, estou amando, tirando o fato de estar em guerra com Mahatma Ghandi.

      2. Ah… Hotline Miami é um jogo q explora a violência, mas, aparentemente, há algum sentido nisso pelo q andei vendo.

  6. Pessoal, vocês por acaso notaram uma queda na qualidade do atendimento do Uber?

    Ontem aconteceu uma coisa que considerei a gota d’água com o serviço: Era o dia da apresentação do meu TCC e, para não zoar o terno e chegar a tempo, chamei um Uber até a faculdade.
    Chegando no lugar combinado, percebi que o motorista ainda não tinha chegado, mas o app mostrava que ele INICIOU A VIAGEM. Sim, o bonitão foi embora sem mim, e ainda cobrando a corrida.
    Liguei pro espertalhão já com os ânimos exaltados, e qual foi a desculpa dele?
    Que ele pegou outro passageiro achando que era eu. Até porque tem muito Pierre no mundo, facinho de confundir, né?
    Nessa hora, meu sangue ferveu de tal maneira que xinguei o cara de palavrões que nem eu sabia que constavam no meu dicionário pessoal. E, de quebra, tomei uma chamada de um policial que estava lá perto (a estação onde chamei o cara é do lado de uma guarita da PM), de tão alto que gritei com o vagabundo no telefone.

    Enfim. Acabei indo de ônibus pra faculdade, apresentei o TCC, e voltei de Uber (sim, sou teimoso pra burro).
    Além de vir um motorista que não sabia usar o Waze (!), não sabia o nome da pessoa que o chamou pelo app (!!), o cidadão me aparece com uma Spacefox com motor de Kombi velha(!!!). Talvez isso explicasse o porquê ele não passou de 30 km/h a viagem toda. Só não cancelei porque já era 1 da manhã quando saí da facul.

    E isso tudo foi só no dia de ontem. Costumo pegar Uber umas 4 vezes por semana, e já deram várias mancadas comigo, como cancelar várias corridas seguidas sem motivo, dar várias voltas num caminho diferente do Waze, e ter a incapacidade de parar dentro de shoppings, dando várias voltas lá dentro dizendo que não acha a entrada onde estou, até eu cancelar a corrida e ter 7 reais mordidos do meu cartão.

    Enfim de novo… É só comigo ou estamos presenciando a “orkutização” do Uber?

    1. Sim.

      Estive no Rio e Brasília semana passada e nos dois locais o atendimento foi ruim. Principalmente no RJ, teve uma vez que o Uber nem sequer apareceu e tentou cobrar o serviço.

      Em compensação o serviço de táxi melhorou nesses dois locais.

      Em Brasília vale a pena usar táxi, pois, às vezes chega a ser até mais barato que o Uber.

      1. minha pior experiência com uber foi no rio tb. as estratégias q os motoristas usam são as piores pra ganharem uma grana.

    2. já tive alguns dissabores, principalmente no rio de janeiro. mas aqui em sp, procuro me posicionar bem e tenho escolhido o carro. não pego mais siena, por exemplo, q pode ser tanto um novo ou um muito antigo, sem encosto de cabeça no banco de trás. bem poucos motoristas me incomodaram. mas minha esposa passou mais perrengue, pq por ela ser mulher, os caras fazem caminho mais longo, reclamam qdo ela indica um caminho melhor ou simplesmente não encerram a viagem qdo ela desce antes do destino.

    3. A galerinha defendendo o Uber, depois o Uber faz besteira e todo mundo reclama do Uber.

      “Eu te disse! Eu te disse!”

    4. A galerinha defendendo o Uber, depois o Uber faz besteira e todo mundo reclama do Uber.

      “Eu te disse! Eu te disse!”

    5. A galerinha defendendo o Uber, depois o Uber faz besteira e todo mundo reclama do Uber.

      “Eu te disse! Eu te disse!”

        1. Insisto: o Uber nao eh a solucao ideal e as pessoas estao tratando como “o futuro do transporte”. Nao vira. Fora que sinto que o Uber quer monopolizar o transporte, ou melhor, as relacoes economicas em torno dela.

          Ja falei varias vezes para lerem outros textos sobre o porque da origem dos taxis. Sao Paulo regularizou o Uber, mas nao duvido que ela opera de forma fora da regularizacao colocada.

          Daqui a pouco o Uber vai se quebrar sozinho se ele continuar agindo deste jeito que ele age.

          1. a mobilidade, no mundo, provavelmente passe por esse tipo de economia q o uber participa. mas, claro, isso significa concentração de poder e influência nas cidades. as parcerias do uber com as montadoras está parecendo um pouco como foi o progresso (como avanço) da distribuição elétrica. antes cada empresa tinha q gerar sua própria energia. saia caro e vieram as grandes empresas pra cuidar disso. o mesmo acontece com o TI… me parece um caminho natural. e se os carros forem autônomos então… aí a coisa muda de vez.

          2. O ponto eh o seguinte: concentracao de poder significa justamente limitar o poder a poucos, sem possibilidade de ir alem daquela condicao imposta por quem esta nele.

            Antes do Uber, o que era feito ja era feito por pessoas de forma ilegal, porem discreta. Basicamente um servico de fretamento.

            A entrada do Uber e as condicoes por ela colocadas criou uma espece de “jogo” no transporte, voltando as mesmas condicoes pre criacao e regularizacao dos taxis: quanto mais oferta de veiculos, mais barato a viagem. Quanto menos, mais oneroso (e a demanda fica implicada com isso).

            Tem muita gente que era taxista e esta indo para o Uber, o que nas condicoes da prefeitura paulistana, seria o ideal (a regra de regularizacao pede que condutores do Uber (ou similares) tenham o condutax).

            No entanto, muita gente anda sem o Condutax, e so esta no sistema mais pelo dinheiro rapido do que pelo trabalho a ser feito. Resultado: pessima qualidade de servico, pessima remneracao, aumento da reclamacao e ma imagem para a empresa, que se posiciona de forma dubia.

            Noto que parte da culpa e da propria populacao. Como dizem, ” tem muito pobre querendo virar aristrocrata”. Esse e outro problema.

          3. Acho meio perigosa essa visão dicotômica, de que o Uber ou é bom ou é mau. Ele tem uma série de problemas, mas méritos também — sua política truculenta mexeu numa estrutura arcaica e bem mais fechada, a dos alvarás de taxistas, e suscitou mais discussões sobre mobilidade urbana.

            Muitas coisas na vida passam por isso. Nem sempre o seu amigo fará coisas benéficas a ti ou aos demais e, muitas vezes, alguém desprezível é capaz de fazer coisas boas. Muitos tons de cinza entre os dois extremos.

            O Uber tem um monte de problemas e políticas condenáveis. Deve ser cobrado e barrado (e, do tamanho que está e quase sem concorrentes, voltamos àquele papo de governos e outras instituições capazes de peitar grandes corporações). É complicado, sempre foi e, apesar de todas as suas qualidades e avanços alcançados, a tecnologia não é mágica nem substitui o bom e velho debate em busca de um denominador comum.

          4. Quando se age “atropelando tudo para ser referencia”, isso gera prejuizos de todas as formas. O Uber, ao meu ver, eh “mau” por causa disto. Neste caso recorro a dictomia pois o que vejo eh algo que soa prejudicial ao futuro. So que nao vejo debate pelo Uber. Se tivesse, para comecar, ele nao teria agido fora da lei em quase todos os paises que participou.

            Como defender algo que justamente nao fez o debate, nao criou o “denominador comum” como tu diz?

            claro que peitar governos foi uma atitude “louvavel”.O ruim eh peitar um governo e ao mesmo tempo tentar ser outro governo…

          5. Não é porque é lei que está correto. Mulheres já foram impedidas de votar e escravidão era lugar comum — garantidos por lei. Vejo, por esse e outros comentários, que você tem um posicionamento bastante positivista, mas (algumas) leis existem para serem quebradas. A sociedade muda, a cultural evolui e, o que é pior, nos habituamos a situações que, com algum distanciamento, parecem no mínimo questionáveis. Caso do monopólio dos taxistas, por exemplo.

            Novamente: não é questão de defender o Uber, mas de reconhecer que ele se tornou (e esse método pode e deve ser questionado) uma referência em sua área, um player que merece atenção para que evoluamos a mobilidade urbana. O Uber está sujeito ao debate, como qualquer outra empresa. Daí a dificuldade dele em se estabelecer legalmente em São Paulo, o fracasso na operação chinesa, a pressão dos motoristas insatisfeitos com a precariedade da relação de trabalho em diversas cidades dos EUA…

            Não existe um protocolo e, quando existe, nada garante que ele será seguido corretamente. O debate público é uma tensão permanente entre partes interessadas; faz parte do jogo esse embate e nós, como participantes interessados, devemos estar atentos às movimentações que ocorrem e, assim, cobrar de quem deve ser cobrado na medida das suas ações, omissões e potenciais.

          6. Mas sempre foi notório o jeito que o Uber atuava e as suas atitudes. Se o questionamento entra em um consenso que as atitudes de algo são prejudiciais, não é a toa a existência das leis.

            Vamos esquecer o velho argumento de que “se não mudassem as leis, as coisas seriam tais”. Isso é óbvio. Aproveito para justamente tentar contar por cima sobre a história da tentativa da prefeitura de São Paulo tentar mudar a lei para mudar a conduta dos taxistas.

            Não sei a época exata e qual prefeito começou isso, só sei que há um bom tempo, há uma tentativa da prefeitura de São Paulo de mudar a forma de como os táxis são tratados pela lei. Antigamente, pontos de táxis eram “hereditários” e fixos, tal como um imóvel. Sabido disso, creio que sabe também que houve muito comércio ilegal de pontos de táxi (algo que era proibido por lei, mas tolerado – eis uma corrupção comum).

            Quando as últimas gestões da prefeitura começou a tentar mudar a lei para transformar os pontos hereditários em concessões, da mesma forma que se trata o transporte por ônibus, houve chiadeira e tentativas na Justiça de barrar esta mudança. Resultado, até 2015, a prefeitura perdeu diversas vezes na Justiça o direito de mudar os pontos para concessões. Salvo engano, a alegação é que leis antigas que fossem modificadas poderiam prejudicar pessoas que dependiam deste trabalho.

            Chegou o Uber e a prefeitura provavelmente ficou no dilema: “como trabalhar com esta tecnologia, que de alguma forma até ajuda e ao que veem, as pessoas acabam desvalorizando os táxis, só que os táxis são ao menos legalizados, fiscalizados e pagam suas taxas?”.

            Resultado: a prefeitura de São Paulo resolveu fazer aquelas regulações (mal seguidas) para o Uber e demais aplicativos, taxistas começaram a ir mais para o Uber (já que a maré abaixou… que vá atrás da maré… :p ) e com isso “matou” parte do mercado ilegal de pontos de táxis.

            No entanto, criou outro dilema: como lidar com isso tudo, sendo que era sabido que seria mal regulado e daria um número maior de pessoas que prestariam um serviço péssimo devido a questão custo x benefício?

            O resultado é este visto: pessoas que atuam no Uber “só pela grana”, que maculam a imagem de outros profissionais do volante.

            Se não se segue protocolos, temos confusões. Se o protocolo atrapalha, que se usa a elegância da diplomacia ao invés da estupidez do pé na porta. Se existe uma lei, são três condições disponíveis: ou se remove/muda, ou se segue, ou se burla.

            Remover ou mudar a lei é mais fácil do que parece (apesar de burocrático): só saber lidar com a lei, ter políticos favoráveis a esta remoção e voilá! Se há milhões de brasileiros que usam o Uber e são a favor dele, só fazer a devida pressão popular pela mudança da lei e remover a lei que impede a atuação do Uber de forma mais livre. Ponto.

            Seguir a lei é fácil no papel mas difícil no social. Sem as leis, também provavelmente matar, ofender, roubar, etc… seriam mais banal que nunca, e as condições para trabalhar seriam inúteis. Claro que existem leis inúteis, preconceituosas e que de alguma forma prejudicam parte de uma população. Mas depende da cultura daquela sociedade que aceitou (ou renegou) a lei para deixa la ou remove-la.

            Burlar uma lei é algo mais que comum, pois é aquela coisa do limite do entendimento social do próximo. Pirataria, ofensas simples, “liberdade de expressão” caem aqui. São coisas que são proibidas, mas “todos fazem”. A pergunta que se faz: por que ninguém muda estas leis? O que falta para aceitar socialmente que certas coisas que são proíbidas deveriam ser mais que livres? Ou será que as leis no final só apenas servem para impedir que o que hoje é feito não fique algo pior?

            Enfim, enquanto só burlarmos as leis, ficaremos a mercê das condições futuras. Tem que se ter algum parâmetro para impedir abusos. E mesmo que não seja uma lei governamental, ao menos será uma lei social – como a pontuação do próprio Uber funciona, e a propósito já foi discussão aqui, não?

          7. Você acha que alguém que pirateia um documentário deveria ter o mesmo tratamento legal de alguém que comete um assalto? A justiça tem gradações e faz sentido; e tem crimes e contravenções que não fazem sentido. Até uma década atrás, adultério era crime — e todo mundo fazia. Esses deveriam esperar a lei cair para só aí se encontrarem com seus amantes? Você mesmo diz que se tudo fosse seguido à risca, não restaria um em liberdade. É um problema maior, pois: tipifica-se muita coisa, pune-se muito por coisas mínimas. (As penas alternativas são uma boa ideia para aliviar isso, mas não são suficientes.)

            “O resultado é este visto: pessoas que atuam no Uber ‘só pela grana’, que maculam a imagem de outros profissionais do volante.”

            Por que outro motivo alguém se prestaria a um serviço mecânico e sem perspectiva como dirigir um carro o dia inteiro?

          8. Do jeito que hoje as pessoas (e a lei) tratam, tem gente que trata pirataria como se fosse assalto. Já tive briga por causa disto no Fórum PCs. Volta ao que falei: ou se retira então as leis que tratam pirataria como se fosse assalto ou vamos burlando. Não vira.

            O que precisamos aqui é de reforma penal, mas bem, se hoje há busca por anistia de crime político…

            Sobre o Uber e a quem presta serviço: Ghedin, há pessoas que gostam de trabalhar (ou pegaram gosto) como motorista. Não é um “serviço mecânico” só (na verdade há uma renca de “serviços mecânicos” por aí, até jornalismo se analisar friamente – o tanto de matéria “enche linguiça…” quanto lanche fast food). É um trabalho que lida com pessoas, com trânsito, com a cidade. Só que tem toda uma série de regulamentações para impedir justamente um desequilíbrio entre oferta e demanda. Se não fosse isso, a oferta demais de transportes deixaria os preços e a qualidade lá embaixo. Não é que nem criar processadores, que se buscam formas eficientes e baratas de fazer processadores, ao mesmo tempo que a cada geração sai processadores mais baratos.

            É um mito pensar que o serviço de transportes sairá mais barato com a automação – pelo contrário, chuto que por causa das tecnologias empregadas, ficará mais caro quando se fala de “veículos individuais”. E o custo será muito mais oneroso inclusive para pessoas fora de faixa de renda menores. Estamos falando de no futuro contratar engenheiros para consertar veículos, e acho que isso é mais caro do que ter mecânicos consertando e motoristas dirigindo.

            O limite disto já chegou – são os transportes coletivos como trens e ônibus. Com eles, o custo se dilui pois atende mais, com mais eficiência e menor preço. Nisso não tem problema um engenheiro consertar um trem – o custo se justifica melhor.

      1. Cara, confesso pra você que sou e continuo sendo defensor do Uber, mesmo com tudo que eu relatei aí em cima.

        Uber ainda continua melhor que o taxi, tanto no preço, quanto no conforto. No meu trabalho, sou praticamente obrigado a usar um dos 2, porque me desloco bastante ao longo do dia. Inclusive, os problemas que citei aconteceram comigo no taxi quase que frequentemente.

        Minha crítica é que, como usuário a mais de 2 anos do serviço, pude acompanhar que ele foi piorando gradativamente. No começo, os requisitos pra ser um motorista do Uber eram bem mais rígidos, o que exigia que o carro fosse bem mais confortável (com direito a me aparecer uma SW4 no UberX), conservado e, na minha opinião, o carro refletia o comportamento do motorista e vice-versa.

        Só que, de uns tempos pra cá, já me apareceu até Uno sem ar condicionado com motorista mais malandro que taxista carioca. Percebi que a curva desceu bastante depois que a Uber passou a aceitar dinheiro vivo, também.

        Tenho uma teoria meio delicada de comentar que, quando mais popular um serviço fica, mais rápido ele se deteriora. Infelizmente, é isso que estou sentindo com o Uber.

        1. As empresas áreas se popularizaram e não pioraram, a meu ver.

          1. No Brasil, há uma regulação e o máximo para se “popularizar´” é o que fizeram. Em outros países, por exemplo, o custo de bagagem é separado e mais caro.

        2. Tem uns comentários que fiz ao Montarroios e ao Ghedin. Dá uma lida por lá ;)

    6. Isso já aconteceu em outros lugares do mundo. No começo o Uber atraiu muitos usuários por ter um serviço melhor,e depois o serviço acaba deteriorando em qualidade. Em NYC, a qualidade do Uber é igual as dos Taxis já, o que acaba fazendo com que os serviços sejam iguais.

    7. é a oferta e procura que o pessoal tanto busca. no começo eram poucos motoristas e estes esforçavam-se para fazer um bom atendimento. agora que são muitos e já passou o hype começam as reclamações.

  7. Conforme discussão no post sobre ‘criptografe sua vida já’, comentei q gostaria de ter meu roteador já configurado com VPN. Contrariando as recomendações do grande Marcos Balzano, optei por um reteador TP-Link mesmo. Achei um usado na versão em q posso instalar o firmware DD-WRT e testar com o serviço de VPN q uso, o Private Internet Access. Como tenho alguns devices q não podem ter aplicativo específico de vpn ou q não suportam configuração pra q ele fique ativo, vou por esse caminho. Caso alguém já tenha tentado ou tiver interesse, me avise. Acabei descobrindo meio sem querer essa possibilidade.

  8. Gente, meu pai quer comprar um Smartphone nessa Black Friday de no máximo R$ 1500,00. Qual seria a melhor opção, considerando que o velho quer um aparelho com boa câmera.

  9. Virei consultor de promoções hahahah

    Meus amigos são meio desesperados para comprar, quando decidem comprar algo, no mesmo dia compram.

    Eu não. Pesquiso PRACARALHO, então nunca me arrependo e sempre pego o melhor preço daquele período.

    Aliado ao fato de eu trabalhar com TI, peguei certa fama por sempre comprar as coisas em promoção, então sempre me perguntam quando vão comprar algo relacionado a eletronicos. Só hoje na black friday, já foram 2 celulares, 1 pc gamer, 1 notebook e 1 tv que me pediram recomendação ou duvida.

    Pior que curto ajudar a galera nessas coisas. Alguem também passa por isso?

    1. Sim. Recebi uma mensagem por WhatsApp de um cara do serviço (o qual nem sei como conseguiu meu número) ontem a noite, me pedindo ajuda para comprar um notebook. USAhusahsausha

    2. ja passei muito por isso. é aquele “você que entende, poderia me ajudar”.
      eu não entendo nada! apenas pesquiso! hahahah

      1. Até hoje dou risada com pessoas do suporte técnico que não sabem nada sobre o serviço/produto que oferecem, e apenas usam o google para trabalhar e acabam saindo muito bem.

          1. Cara, me lembro do instrutor que eu tive no Pronatec falando para “pegar dicas na internet”. E de fato, hoje uma das melhores salas de aula é a própria.

            Talvez se não fosse a internet, a mão de obra seria bem mais especializada, porém muito mais cara também.

            Fui tentar estudar o curso da Cisco de redes, só que depois da segunda aula que caiu a ficha que era mais “virtual” do que “real” (o professor falava que lá era só tira dúvidas e mais nada). No final só fiquei quatro aulas e desisti. :

          2. De fato, o conhecimento está ai, tem proveito que sabe usar. Sobre as notícias falsas, é bem fácil identificá-las é só usar um pouco o Google, que você consegue saber se é real ou não.

        1. basta pesquisar os termos corretos que a respota cai como uma luva. hehe.
          quando trabalhei com isso ajudei a desenvolver muitas tecnologias dessa maneira.

          1. Meu filho era o suporte técnico da empresa durante vários meses, o ensinei o segredo milenar do Google, o problema + o nome do erro/o que está acontecendo e voilà.

          2. Meu filho era o suporte técnico da empresa durante vários meses, o ensinei o segredo milenar do Google, o problema + o nome do erro/o que está acontecendo e voilà.

  10. Virei consultor de promoções hahahah

    Meus amigos são meio desesperados para comprar, quando decidem comprar algo, no mesmo dia compram.

    Eu não. Pesquiso PRACARALHO, então nunca me arrependo e sempre pego o melhor preço daquele período.

    Aliado ao fato de eu trabalhar com TI, peguei certa fama por sempre comprar as coisas em promoção, então sempre me perguntam quando vão comprar algo relacionado a eletronicos. Só hoje na black friday, já foram 2 celulares, 1 pc gamer, 1 notebook e 1 tv que me pediram recomendação ou duvida.

    Pior que curto ajudar a galera nessas coisas. Alguem também passa por isso?

    1. Sou do Rio e aqui a gente vê coisa de São Paulo, Minas, Bahia, Acre(!) mas nunca vê nada do Espírito Santo. Sempre achei isso estranho. Num tem notícia de político preso, chacina, ganhador da mega sena, resultado de futebol, nada. Hoje que eu descobri que tem Balanço Geral lá/aí (estou supondo que você seja do ES pelo post, foi mal). Tô quase achando que tinha que rolar uma investigação semelhante a do AC pra ver se o estado realmente existe.

      edit: desculpa qualquer x̶e̶n̶o̶f̶o̶b̶i̶a̶ coisa

      1. Eu não sou do ES, mas também compartilho dessa suspeito sobre o estado. Nada se fala! Nem da praias, nem de nada! Cadê os times de futebol famosos?

        1. Eu não gosto de futebol, mas sei que o futebol daqui está passando por uma crise horrível – há décadas, por sinal.

          Em questão de praias, aqui perto tem Manguinhos e Barra do Sahy, que são praias lindas. Esta última não sei como está hoje depois da Samarco ter cagado o litoral norte do estado…

      2. Esse cara é o Amaro Neto. Ele é Deputado Estadual e perdeu por muito pouco a prefeitura de Vitória. Qualquer semelhança com Tropa de Elite 2….

      3. Esse cara é o Amaro Neto. Ele é Deputado Estadual e perdeu por muito pouco a prefeitura de Vitória. Qualquer semelhança com Tropa de Elite 2….

        1. manda aquele vídeo do moleque zoando q tem água e aqui em sp não q tá tudo certo.

        2. manda aquele vídeo do moleque zoando q tem água e aqui em sp não q tá tudo certo.

          1. Já sabemos que o Acre existe e possui água, a parada agora é o ES. Mas vai ser difícil investigar já que não temos mais as CPIs do Orkut.

          2. geralmente no noticiário paulista falam da moqueca e para nisso.

      4. Bem, eu sou do ES e sempre acho que o estado, apesar de pacato, acaba sofrendo por ter vizinhos muito mais expressivos. O que eu acho que deve chegar aí no RJ são os chocolates da Garoto e o Hortifruti, que são marcas nascidas aqui.
        Eu não acompanho futebol, mas acho que não tem time daqui nem na série C e o destaque acaba vindo em esportes menores. No vôlei de praia, a Larissa (prata no Rio 2016) e o Alysson (ouro) são daqui. O ES ganhou o primeiro campeonato de futebol americano e acho que o atual campeão de beisebol é daqui também.
        Quanto a notícias mais sérias, a lama do desastre em Mariana ano passado cortou o estado para chegar ao mar, deixando um rastro de destruição que foi notícia por semanas.

  11. Taxa de atualização das TVs

    Galera, comprei hoje uma LG LED 43″ Full HD com taxa de atualização de 60Hz. Paguei a merreca de 1070 reais

    Será que é tão perceptível assim essa taxa de atualização? Achei que valeu muito a pena pelo preço. Eu já tenho em casa uma LCD Panasonic e também é 60Hz

    Quero avaliar quando a TV chegar, se não gostar devolvo ela mas queria saber a opnião de vcs.

    1. Só sei que pra jogos quanto mais melhor. A galera dos fps recomenda sempre 144Hz.

    2. Sinceramente, não acho que isso seja o melhor critério para escolher uma TV.

      Até pensei em comprar uma, mas, não tinha o modelo que eu precisava.

    3. Toda Tv, e quase todo monitor, são 60Hz, a tela de seu celular é 60Hz. Alguns monitores gamers tem taxas mais elevadas. Mas acabam sacrificando qualidade de imagem para ter uma taxa de atualização mais rápida.

      1. Então, é isso que eu queria saber, a opinião de vcs em relação a 60hz pq tem comentário na net de gente dizendo que é ruim. O buscape por exemplo declara que essa TV não vale a pena por ser 60hz, talvez eles não consideraram o preço que paguei rs

        1. Vamos lá. Não se tem TVs acima de 60Hz, os painéis LCD e IPS(LED) para televisores não passa de 60Hz, eles usam tecnologias que interlaçam os frames. Mas a atualização da TV não passa de 60Hz.

          Até existem monitores capazes de passar os 60Hz, mas ainda sim, são vendidos apenas para gamers e sacrificando a qualidade da imagem.
          https://www.cnet.com/news/what-is-600hz/

        2. Vamos lá. Não se tem TVs acima de 60Hz, os painéis LCD e IPS(LED) para televisores não passa de 60Hz, eles usam tecnologias que interlaçam os frames. Mas a atualização da TV não passa de 60Hz.

          Até existem monitores capazes de passar os 60Hz, mas ainda sim, são vendidos apenas para gamers e sacrificando a qualidade da imagem.
          https://www.cnet.com/news/what-is-600hz/

          1. Ah entendi amigo. Obrigado pelas informações, fico mais tranquilo que fiz uma boa compra rs

          2. Ah entendi amigo. Obrigado pelas informações, fico mais tranquilo que fiz uma boa compra rs

    1. não é nem pelas cifras envolvidas (um ap de quase 3 mi), mas pelo brutal do simbólico: afronta ao patrimônio histórico, a história de salvador, a população de maioria negra e sua elite branca, um ministro e um presidente diretamente envolvidos etc…

          1. Eu não lamento, espero que qualquer bandida ou bandido pague pelos crimes que cometeu.

            É apenas muito engraçada a forma que esses “protestos” ocorrem.

          2. Eu não lamento, espero que qualquer bandida ou bandido pague pelos crimes que cometeu.

            É apenas muito engraçada a forma que esses “protestos” ocorrem.

          3. não é ‘engraçado’, louis. obviamente todo mundo tem suas preferências e as suas flexibilidades. é normal vc ser mais tolerantes com seus e menos com outros na esfera privada, mas na esfera pública isso não pode acontecer. mas como é q se vira a chave? não tem como… precisaríamos de um outro entendimento da relação com os bens públicos e essa discussão ou não acontece ou é travada por todos. vc, talvez, seja contra alunos ocupando escolas, mas disso pode sair uma discussão pelo menos. e veja a importância: são jovens estudantes q formarão as gerações futuras. daí poderia sair uma outra relação com a coisa pública. mas logo aparece alguém pra sacar rótulos de esquerdismo, esquerdopata, petralha etc. é de se lastimar…

          4. não é ‘engraçado’, louis. obviamente todo mundo tem suas preferências e as suas flexibilidades. é normal vc ser mais tolerantes com seus e menos com outros na esfera privada, mas na esfera pública isso não pode acontecer. mas como é q se vira a chave? não tem como… precisaríamos de um outro entendimento da relação com os bens públicos e essa discussão ou não acontece ou é travada por todos. vc, talvez, seja contra alunos ocupando escolas, mas disso pode sair uma discussão pelo menos. e veja a importância: são jovens estudantes q formarão as gerações futuras. daí poderia sair uma outra relação com a coisa pública. mas logo aparece alguém pra sacar rótulos de esquerdismo, esquerdopata, petralha etc. é de se lastimar…

          5. Acredito que é justamente o contrário. Velhas doutrinas que são postas de forma inquestionável e não refletem a realidade (senti isso na pele na faculdade).

            Não sei se sou um ponto muito fora da curva, mas, não vejo nenhuma forma do sistema político brasileiro trazer alguma contribuição real ao povo da forma que está organizado.

            Não é questão do Temer, Lula ou qualquer um outro. Na verdade isso que está posto aí, é uma coisa só.

            Na corredor vemos uma “guerra ideológica”, esquerda x direita, entretanto, as atitudes práticas no interior de salas escuras, mostram que são apenas quadrilhas com objetivos iguais. Poder para se manter no poder.

          6. mas vc está generalizando. há muita gente seríssima (não falo de políticos profissionais) no serviço público com engajamento e vontade de servir bem. infelizmente essas pessoas não tem como fazer valer certos princípios por estarem num nível mais baixo da hierarquia em grande parte das vezes. essa desesperança não ajuda muito, louis, pq isso anula aqueles q querem mudanças profunda. muita gente quer, mas infelizmente direciona suas energias pra gente perversa como o sergio mouro ou promotores e suas campanhas anticorrupção q não vão resolver o problema – ao contrário, vão agravar as coisas.

          7. mas vc está generalizando. há muita gente seríssima (não falo de políticos profissionais) no serviço público com engajamento e vontade de servir bem. infelizmente essas pessoas não tem como fazer valer certos princípios por estarem num nível mais baixo da hierarquia em grande parte das vezes. essa desesperança não ajuda muito, louis, pq isso anula aqueles q querem mudanças profunda. muita gente quer, mas infelizmente direciona suas energias pra gente perversa como o sergio mouro ou promotores e suas campanhas anticorrupção q não vão resolver o problema – ao contrário, vão agravar as coisas.

          8. O Louis nao esta tao errado. Destas pessoas engajadas, sao pouquissimas. A grande maioria das pessoas que trabalham em ~ “orgaos publicos” o fazem pelo salario e estabiliadde, alguns ainda mais pelo poder que tem nas maos, pela possibilidade de corromper e tudo mais.

            Poucos sao realmente os engajados. Conta-se nos dedos.

          9. todo mundo trabalha pelo salário.
            com exceção dos voluntários e dos falsos voluntários (pessoas em funções públicas q abrem mão do salário por serem ricas, mas q querem o poder, por exemplo).

          10. Voce escorregou aqui.

            Se defende o capitalismo, sabe que ganha mais quem atende bem. No entanto, a estabiliadde em um servico publico acaba dando margem para atittudes displicentes de quem trabalha para orgaos publicos.

          11. geralmente “monopoilos” e servicos essenciais.

            Mas no caso, digo que se eh necessario exigir uma qualidade no atendimento, isso tem que vir da cultura da populacao. Ponto.

          12. Clamar por um bom atendimento também deveria significar entender com funciona ter um bom atendimento. Usando um pouco de preconceito, generalização burra e tudo mais, o vídeo mostra um monte de gente reclamando da demora da médica em atender, a médica revoltada em não conseguir atender tudo isso…

            Aí pensamos:

            – O porque de toda essa gente doente no pronto socorro (houve trabalho de prevenção de problemas? As pessoas são bem cuidadas em outros serviços de saúde? os pacientes se cuidam? havia outros prontos socorros próximos? será que os 50 reais do voto vendido por muitos destes que aplaudiram a médica não pagariam um outro médico?)
            – Por que só tem uma pessoa atendendo (houve desvio de recursos para contratar mais médicos? houve médicos que apenas “bateram o ponto” e foram embora sem trabalhar? Houve dinheiro suficiente para pagar só este médico?)

            – Se há formas de remediar isso (dá para contratar outra médica? há dinheiro para isso? há formas de prevenir que pessoas vão ao pronto socorro?)

            Enfim.

            Ser bem atendido é uma coisa. Ter condições para ter bom atendimento é outra. E isso é bem variável. Não desmerecendo a médica que se desdobra com mais de 100 pacientes naquele bairro carente, nem o fiscal da prefeitura que multa quem bota som alto na festa do vizinho. O ponto é que noto que boa parte da população não faz a parte dela para ser bem atendia, até porque no fundo sabem que exigir dos outros deve ser antes um exercício de exigir de si mesmo. É difícil de explicar…

          13. Ótima argumentação do seu ponto visto.

            Além disso, é questão importante que não se resolve no modelo que o Brasil de hoje adotou.

          14. Em suma, o comportamento das pessoas teria q refletir a perfeição dessa idealização… Vejo como inviável.

          15. Em suma, o comportamento das pessoas teria q refletir a perfeição dessa idealização… Vejo como inviável.

          16. Mas quem escreveu isso foi vc e não eu… O q eu quero é tangível e não demanda um esquema perfeito. Levo em conta imperfeições, contradições e impossibilidades das pessoas (não teria como ser diferente). O q se conseguiria com isso ainda é algo melhor do q temos hj. Creio q lugar perfeito não há, do contrário não haveria suicídios na Finlândia.

          17. Mas não é você que defende que se voltemos a ser uma anarquia?

            A responsabilidade é das pessoas a partir do momento que elas assumem os riscos por elas. E justamente os exemplos que tu citou são falhos nisso. Vamos lá.

            “Falta água – as pessoas não economizam”. Hoje está mais que martelado que dependemos de um sistema finito de abastecimento de água, e este depende de vários ciclos da natureza. Não é culpa do governo quando o governo já assume a sua responsabilidade de dizer que está com problemas de abastecimento (se bem que o Alckmin é especialista em enrolar o dito pelo não dito). Se a imprensa já avisa “olha, o que o governo diz é o que não está acontecendo”, então a população deveria entender que há falhas e deve se racionar água.

            “A mulher foi estuprada – ela tinha saia curta”. É difícil conversar sobre isso pois há muito a questão de “dar o cheque branco à vitima como compensação pelas vitimas anteriores que não foram atendidas”. Culturalmente, para um homem “comum” de uma vila “comum” em uma sociedade “comum”, “mulher de saia curta é ‘dadeira’, quer transar com todos”. Todo mundo sabe disto mas não muda a cultura – seja na música, seja nas piadas, seja em todas as mídias

            Existem vários fatores que de alguma forma a culpa recai na vitima, pois para evitar que a vitima fosse alvo neste caso, anteriormente o culpado deveria ser retirado da situação antes da ocorrência. Se é falado para a mulher “olha, aquela rua tem homem tarado e com faca e a polícia nunca conseguiu prender”, e a mulher vai lá naquela mesma rua, é difícil aceitar de forma lógica que a mulher não correu um risco. A não ser que quem falou para a mulher isso antes tenha matado o cara tarado ou até pedido para a polícia matar. “E isso não pode, você diria”.

            Entende a complexidade da coisa? Em tempos atuais, quem segue a lei só pune quando tem provas na mão, o que é uma condição “ideal”, mas é dúbia também. Se a pessoa vai pela barbárie, pune-se sob qualquer circunstância, o que não é ideal (o caso da mulher assassinada no Guarujá pois foi considerada “bruxa”… )

            “Tem acidente na estrada da morte – o motorista é culpado”. é algo similar ao caso acima: se a pessoa está acima do limite de velocidade ou fez algo no carro que comprometeu sua estabilidade, a culpa é dele. Ponto. Se foi algo relacionado a estrada, seja sujeira, acidente anterior, etc… onde este culminou no erro que fez o motorista se acidentar, a culpa é de quem cuida da estrada.

            Agora vamos aos exemplos do serviço público.

            Se o médico do SUS disse que tem que parar com a bebida e você não para e a doença volta, de quem é a culpa?

            Se o professor da E.E.E.M disse que você tem que estudar português para passar de ano e tu não estuda e repete, de quem é a culpa?

            Se o policial disse que o que você fez de errado é contra a lei, e se pegar fazendo de novo vai prender. Aí pega você fazendo de novo e te prende, de quem é a culpa?

            Cara, é simples aqui.

            Não sei se é impressão minha, mas acho que muitos de nós “complexamos” as coisas para fugir de nossas responsabilidades como pessoas em uma sociedade…

          18. Defendo, mas não vivemos numa, percebe?

            E veja, vc ora invoca as leis, ora as suspende…

            Toda essa questão de responsabilidade das autoridades está em diversas leis, então qdo alguém pleiteia uma vaga no serviço público e a consegue, deve estar ciente dessas diversas leis q regulam e orientam suas atividades. E em diversos níveis de complexidade.

            O cidadão, q deve ficar atento às autoridades, não tem como resolver as coisas, mesmo pq ele não tem os acessos e principalmente, não tem a responsabilidade e autoridade para tanto.

            Enfim… Todos os exemplos q te dei são coisas notórias de q o cidadão não pode resolver sozinho. E esqueci de comentar: as pessoas pagam impostos e proporcionam recursos ao Estado…

            Cara, conversei com um engenheiro de seria viária e ele me disse q a marginal tem um projeto errado e tb por isso não pode ter altas velocidades. As autoridades sabem!

            A Sabesb vende água mais barata pra empresas se elas GASTAREM MAIS! Os mais consumidores de água saonas empresas e não as pessoas!

            Estupro não tem justificativa… A mulher pode estar pelada. Há uma cultura do estupro? Sem dúvida. Mas isso não exime as autoridades de, por exemplo, discutir gênero nas escolas pra justamente combater essa cultura, por exemplo…

            Desastre em área de risco tem relação direta com o problema da habitação q simplesmente não é tratado com decência…

            Cara, lamento, mas a sua abordagem da questão é extremamente problemática…

          19. Se a marginal tem projeto errado, ok, não é a toa as placas com limites de velocidade. Se as pessoas não as seguem, a culpa é delas. Entende?

            A Sabesp vende água mais barata para empresas pois se cobrar o preço de um consumidor comum, o custo dos produtos será mais caro. Isso vale para energia também, e na verdade isso é “venda por atacado”, comum a maioria das vendas de grande quantidade. Mesmo assim, as empresas devem ter fiscalização de consumo, e consumir o necessário (até as próprias empresas tem isso em mente, já que senão o consumo da água fica acima do estipulado e isso significa produtos mais caros ou prejuízo).

            No caso do estupro, vamos entender uma coisa que é difícil de ser colocada na pauta já que há toda essa coisa de que “não pode se culpar a vitima”.

            Não discordo, a condição ideal e perfeita é “não se culpa a vitima”. E estupro é inaceitável. Mas estamos falando de situações onde um estupro pode acontecer devido a manutenção destas. Se você não quer que um estupro aconteça, deve se prevenir a situação que culmina no estupro. Uma forma é colocar fiscalização no local onde ocorre estupros para pegar o suspeito. Outra é matar o suspeito. A terceira é evitar o local, o que é mais comum.

            A mudança de cultura é óbvia que também tem que ser tratada. Mas o difícil é lidar com a teimosia das opiniões ortodoxas que só acabam com a morte de quem o tinha (Cuba que o diga – e hoje vários agradecem pela morte de Fidel). Por causa desta questão de deixar os ortodoxos pensarem como querem, o resultado é a burca nas culturas islâmicas por exemplo. Já parou para se perguntar o porque da Burca (e porque há mulheres que aceitam isso)? “Ah, é opressão a mulher”… Não é só isso, é como é visto a beleza e a sensualidade. É como o corpo é tratado, mas isso cabe em outro assunto.

            O caso das habitações concordo. Mas não é culpa de um governo quando moradores teimam em morar em lugares inseguros e não fazem nada para mudar sua situação. Governos colocam condições para as pessoas morarem em um lugar – inclusive com burocracias quilométricas e travadas.

            Na verdade não é eu que estou problematizando, é a questão que você coloca (e culpa) que realmente é problemática. A culpa é de todos ao meu ver. Se culpar só o governo, é pedir uma babá para a sua vida. Se culpar só a pessoa da sociedade, é ignorar que temos regras.

          20. Ligeiro, esse discurso do “estupro errado, mas veja bem…” é a própria cultura do estupro. O que de combate são essas ressalvas, essas condições às quais as mulheres precisam se submeter para não serem estupradas. Cultura do estupro é justamente relativizar tudo isso.

          21. Ligeiro, esse discurso do “estupro errado, mas veja bem…” é a própria cultura do estupro. O que de combate são essas ressalvas, essas condições às quais as mulheres precisam se submeter para não serem estupradas. Cultura do estupro é justamente relativizar tudo isso.

          22. Mas se não “relativizar”, não se acha onde realmente tem quem que ser o cerne do problema. Na situação atual, se falar que “a culpa é do estuprador”, ignora-se justamente o fato que há a questão da sensualidade, do valor dado ao corpo, do medo usado como arma.

            Tem uma matéria no “Risca Faca” que fala sobre uma ida a Barretos, e por lá, até o jornalista estranhou as atitudes das pessoas por lá, escutando músicas que justamente tratam o corpo da mulher como objeto, incentivam estupro, de prostitutas fazendo shows em cima de caçambas, etc…

            Para mudar a cultura do estupro, se ataca o cerne – que é justamente a cultura. E isso é a parte difícil. Como se muda pessoas cuja cultura já estão “travadas”? Se não procurar entender esta cultura “travada” para achar o destrave, só vamos continuar bradando que “é contra o machismo”, mas vamos ainda deixar muita coisa rolando.

            já falei: o jeito mais fácil é “matar quem é teimoso”, mas isso ninguém quer e entra em outro dilema – o direito de usar a vida e a morte para punição. No fundo, muitos que hoje são contra o machismo querem mesmo é que machistas sejam mortos. Só não expõem isso pois sabe “que é feio” e contraditório per si.

            Na lógica da vida, se corremos um risco, não adianta discursos sociais – o risco foi corrido e ocorreu algo. Se eu ando em uma favela perigosa onde é sabido que há muitas pessoas que podem querer simplesmente me matar por um real ou matar uma mulher depois de a estuprar, quem correu o risco ali foi eu ou a mulher. Como fazer isso?

            Edit: o problema aqui é que se considera que de forma “absoluta”, “não se deve estuprar”. Ok. Isso é tão válido quanto “não se pode matar”, “não se pode roubar”, “não se pode fazer mal ao outro”.

            Só que ver só de forma absoluta e travar o discurso no “não pode” ignora o fato que há pessoas infelizmente que para eles o “não pode” não funciona pois elas não atendem esta frase, simplesmente fazem o que querem e acabou. Esse acaba sendo o problema.

            Na condição social hoje que temos, as pessoas seguem as regras colocadas e discursos como o “não estupre” pois sabem das consequencias. Sabem que de alguma forma se descoberto que o erro fora feito, isso fica estigmatizado em si.

            Para outras pessoas, o discurso “do outro” se invalida. Para este, só vale suas sensações e pontos de vista, não a do outro. Se ele estupra, mata e rouba, ele faz porque o quer. E se ele quiser achar uma resposta válida, ele vai falar que “a culpa é da sociedade, da mulher e seu corpo, etc…”. Geralmente psicopatas são assim. E talvez estamos aos poucos criando novos psicopatas… :

          23. Totalmente lastimável: “já falei: o jeito mais fácil é “matar quem é teimoso””. Sério, cara?

          24. Vc interpretou o texto do q vc me mandou ou mandou por mandar aleatoriamente?

            Serio, Ligeiro, falando contigo começo a suspeitar q estou num maldito teste de Turing.

            Vc é um robô?

          25. Vc interpretou o texto do q vc me mandou ou mandou por mandar aleatoriamente?

            Serio, Ligeiro, falando contigo começo a suspeitar q estou num maldito teste de Turing.

            Vc é um robô?

          26. Mandei aleatoriamente, mas entra no contexto do combate a vioência contra a mulher, da responsabilidade do governo e das atitudes de “teimosos”. A mulher da matéria matou um ex-parceiro pois ele estava a perseguindo. A polícia não fez nada. O governo não fez nada. Ela matou. Foi presa. E a justiça entendeu que eles (como governo) falharam e a inocentaram.

            Voltemos ao meu comentário que tu implicou: o jeito mais fácil é “matar quem é teimoso”, mas isso ninguém quer e
            entra em outro dilema – o direito de usar a vida e a morte para punição.
            No fundo, muitos que hoje são contra o machismo querem mesmo é que
            machistas sejam mortos. Só não expõem isso pois sabe “que é feio” e
            contraditório per si.

            O texto no final cai como uma luva no comentário que fiz: se a pessoa como “opressora” é teimosa e não sai deste papel e ninguém consegue fazer nada para tira-la deste papel, o que resta é atitudes extremas. É ao invés de deixa-la fazer o outro se sentir dominado pelo medo, tentar amedronta-lo.

            Para prevenir, para mudar cultura, isso vai demorar. E as pessoas precisam de necessidades imediatas. Só que se esperar de um governo esta necessidade imediata, acontece o que aconteceu com esta mulher.

          27. Como assim?

            O juri ao inocentar a moça não reconheceu a negligência e a omissão da justiça… Reconheceu o direito à vingança!

            Todos os q foram omissos nessa questão não sofreram nenhuma sanção… Nadica… E a mulher ficou com o trauma de ter convivido com um marido violento e com o trauma de tê-lo matado. E, claro, seu auxílio psicológico do Estado.

            Ligeiro, sério, leia com atenção esse texto q vc me mandou aleatoriamente. Ele é esclarecedor. Se vc não quiser ler, paciência.

          28. Direito a vingança? Sério que você acha isso “direito a vingança”?

            A mulher foi ameaçada anos e anos, caiu na lábia de uma pessoa que a prostituiu, fez de tudo para se livrar dele, e o que lhe restou foi matar pela ameaça que lhe era causada. E a mulher ficou presa, prestou todas as contas à justiça, então podemos dizer que “pagou” pelo crime cometido.

            SÉRIO QUE VOCÊ ESTÁ TRATANDO ISSO COMO DIREITO A VINGANÇA?

            Agora eu que digo que o que você acabou de fazer é lastimável. Direito a vingança é eu pegar uma arma e matar alguém que matou uma pessoa que eu goste, ou fazer um mal ao outro. O velho “olho por olho, dente por dente”.

            A matéria é mais que esclarecedora. Ela ilustra o problema que temos.

            Ilustra justamente o problema que temos com a “cultura de estupro”- a mulher era “massagista” e trabalhava como tal. E isso é mal visto por muitos, já que dependendo de como é o serviço, é considerado prostituição. Ela mesma fala na matéria que há abusos por clientes.

            Ilustra o problema que temos com a visão do outro: por ela ser “massagista”, por ela estar com uma pessoa e não conseguir sair pois era ameaçada, os outros – inclusive a justiça (inclui polícia) a via como “ela que foi atrás, ela que aguente”.

            É possível sentir na matéria que ela fez algum mínimo esforço para se livrar dos problemas pela má escolha, e foi atrás das possibilidades para se livrar disto. O que lhe restou foi usar de violência contra a violência cometida contra ela. E ainda ela foi julgada por isso.

            Direito a vingança? Oras! Direito a vingança seria eu pegar uma arma e matar quem me xinga aqui na rua de casa.

          29. É nítido q foi vingança. 12 tiros!?
            Ela tinha outras opções, mas foi pela cia do ódio. E as autoridades omissas saíram limpas. É por isso q muitos outros cada os como esses vão acontecer novamente. E vc não entendeu a questão pq suspendeu as leis outra vez. Uma pena.

          30. Vingança ou desespero?

            Eu acho que você nunca na vida ficou em uma situação onde a ameaça a sua vida era extrema. (e não falo de enquadro de policial).

            A mulher estava em uma situação de desespero. Ela estava sendo ameaçada. Vingança seria ela ir na casa do ex e atirar contra ele. Proteção e desespero é ela ter que usar uma arma na casa dela pois vivia sendo ameaçada pelo ex.

            Esse é o problema de muitos que se julgam “pacifistas”: renegam que existem condições onde há pessoas que vão fazer mal as outras sem mensuração de seus atos, e o que resta são atos opostos tão ou mais violentos quanto.

            Isso não é um “pixador contra o sistema”, é uma mulher que foi ameaçada. A não ser que você tenha algum preconceito por ela ser “massagista”, você não está entendendo o lado dela.

            E depois você vem me falar que não se pode culpar uma vítima pelos abusos que ela sofreu? Cara, ela mesmo assumiu que matou o cara. Ela falou que preferiu a prisão do que ficar amedrontada o resto da vida. Ninguém quer matar, pois ninguém quer ter o peso de uma vida tirada na consciência (exceto psicopatas).

            A não ser que isso seja um teatro armado por ela, a não ser que exista provas que ela tenha feito algo de errado e o outro estava certo, a priore a situação exposta nesta matéria é essa.

            Eu agora que digo que lamento sua posição. Você que sempre dizia que não pode se culpar a vitima, aqui temos claramente uma pessoa que foi vitima de uma série de fatores – inclusive culturais (não culpo aqui autoridades, é fácil demais culpar uma autoridade pela omissão cultural da própria sociedade).

          31. ” Esse é o problema de muitos que se julgam “pacifistas” “.

            Curioso, semana passada vc dizia q não sabia nada de pacifismo. Agora já consegue até identificar o discurso de quem se julga pacifista!? Muito foda esse curso q vc fez, me indica depois por favor.

            Vc está misturando tudo… Ligeiro.

            Ele foi vítima de muitas agressões e vivências. Não à toa está traumatizada. Agora isso autorizar ela matar alguém? Não… Não, não na nossa sociedade. Lamento.

            Eu não tenho nada contra ela sr massagista. Mas se ela fosse negra, creio q o destino dela teria sido outro.

          32. Se ela fosse negra, eu aposto que o resultado seria o mesmo (a justiça a absolveria) e ainda de quebra isso teria repercussão global em primeiras páginas por aí. A propósito, com negras acontece pior ainda a situação – não duvido. Não teve o cara tempos atrás que foi filmado espancando a esposa em um bar? Aposto que se ela reagisse a ponto de matar o cara, ela estaria absolvida também.

            Ninguém falou de autorizar em matar alguém, mas em reconhecer que há momentos que o risco corrido necessita de atitude extrema. Não estou falando de “a pessoa está autorizada a matar quando ela se sentir ameaçada”. Mas como você mesmo colocou: ela estava traumatizada, ela não tinha mais a quem recorrer. Fosse ela negra ou branca.

            Ou ela tinha uma arma e reagiria para não ter mais o que reagir, ou ela poderia no final ser morta. Aí lhe pergunto: qual seria a melhor condição: ela morta e ele preso por anos, ou ele morto e ela agora absolvida por provar que tal morte foi último recurso por causa de uma falha da própria sociedade em acolhe-la?

            A não ser prova em contrário, não vejo que o governo falou “vai lá e mata o cara”. Ela provavelmente também não se autorizou. Ela simplesmente estava acuada tal como um animal preso, acuado e maltratado. E como qualquer animal, vai reagir com violência. Vai morder, vai mandar um veneno, qualquer coisa para atacar seu algoz. É isso.

          33. Converdando com a esposa sobre a questão ela me alertou q.foi crime predicado pelo q pareceu.

            E Tb lembramos do caso da mulher q matou o herdeiro da yoki, q matou, esquartejou e tentou ocultar o cadáver. Ela tinha os motivos dela e ao invés de ir a justiça, vingou-se.

            É o promotor não ficou nem um pouquinho curioso em.saber por que depois de 20 BOs nada foi feito? Não ocorreu q poderia haver associação criminosa do cara com a polícia?

            O júri e a justiça lavaram as mãos e autorizaram mais um justiça mente…

          34. Converdando com a esposa sobre a questão ela me alertou q.foi crime predicado pelo q pareceu.

            E Tb lembramos do caso da mulher q matou o herdeiro da yoki, q matou, esquartejou e tentou ocultar o cadáver. Ela tinha os motivos dela e ao invés de ir a justiça, vingou-se.

            É o promotor não ficou nem um pouquinho curioso em.saber por que depois de 20 BOs nada foi feito? Não ocorreu q poderia haver associação criminosa do cara com a polícia?

            O júri e a justiça lavaram as mãos e autorizaram mais um justiça mente…

          35. Crime premeditado, você diz.

            Cara, para ser um crime premeditado, deve existir alguma condição que o trate como crime mesmo. Novamente, a não ser que exista alguma coisa que inverta o onus e prove que a mulher foi que criou a condição para o crime, para mim é legitima defesa. Eu não duvido de nada.

            O caso da esposa do empresario esquartejado é provavelmente bem diferente, pelo que sei, este foi premeditado. Existe diferença entre uma pessoa matar a outra por ameaça (e se entregar a justiça), e outra pessoa matar sem ameaça (e ainda ocultar o corpo).

            O promotor já deve estar cansado de ver tanta omissão e problemas nas polícias (dias atrás vi um vídeo pornô vazado por aí onde policiais catarinenses pediam um “boquete” – só não sei o porque).

            A justiça brasileira é um horror. Não duvido que daqui há algum tempo, chegaremos rapidamente a uma condição de barbarie. Basta só a justiça continuar agindo do jeito que age e não fazer mudanças, inclusive nas suas condições de cobrança (salários estratosféricos…)

          36. Deus dos céu, Ligeiro. Como assim?

            A sabesp vende e tem contrato q diz q qto mais vc gasta, menos vc paga. Não tem nada a ver com atacado. Vc está lidando com recurso escasso e finito q deve ser usa do com total ricos e controle e vc diz pra um empresário, q pensa prioritariamente em reduzir custos e lucrar mais (o core de qualquer capitalisno), pra ele gastar mais? Sério!? Estamos com falta de água e vc diz pro cara gastar mais q ele vai pagar menos?

            Quanto estupro suas recomendações são absurdas e é ilegais. Matar o suspeito? Como assim? Como vc identifica e mata alguém por algo q ela não comenteu? Isso se chama pré-crime. Vc está seguindo a linha da cultura do estupro. A mulher não pode ir aonde ela quer? Cara… A sobrinha do Sarney foi estuprada em casa e pega qdo estava dormindo. Uns animais tiveram a pachorra de dizer q ela não deveria dormir sem roupas. E uma parte considerável dos estupros e feita por pessoas q conhecem a vítima. Como uma mulher vai evitar isso? Vc tem noção do q diz?

            Velocidade alta em curva inclinada pro lado errado é acidente na certa. Isso é física elementar. 90 km/h é uma velocidade alta… Pq tantos caminhões tombam? Não foi o vento, te asseguro…

            Cara, o cidadão pode teimar, bater o pezinho, fazer beiço, chorar pra mamãe e não importa. Se o governo deixa de fazer sua parte isso é omissão! Qdo um policial diante de um crime não faz nada ele está prevaricando. Não tem por onde é não tem desculpa.

            Vc está tentando contornar problemas notórios com suas impressões, o q não é inválido, mas veja q ao fazer isso vc desconsidera a realidade.

          37. Tenho que gritar aqui: VOCÊ QUE ESTÁ IGNORANDO A REALIDADE, CAR***!

            Cara, se uma fabrica de alimentos precisa de água para fazer seus alimentos, ela vai precisar de muita água! Pagar o mesmo preço de água oferecida a consumidores de menor consumo significa que o alimento sairá mais caro. Salvo engano, muitas empresas na verdade contam com poços de água e sistemas de tratamento próprios. Ou tem contratos de fornecimento de água com a distribuidora. E não estamos falando de pagar pouco, mas algo mais “justo”. É atacado, caramba! Qualquer empresa sabe que ter água é algo finito – pergunte a fabricas no Brasil em lugares mais secos como o Nordeste. Custa entender isso?

            Da velocidade: meu, qualquer estrada tem limites de velocidade. a grande maioria da população anda(va) acima destes limites só parando quando tinha radar à frente. Caminhoneiros inclusive. As velocidades são colocadas justamente prevendo tudo isso que você falou. Se as pessoas passam do limite de velocidade, ou cometem erros no volante sob risco, é responsabilidade DELAS. Simples.

            Se o governo errou no projeto da rodovia, ok, que se culpe e puna. Quantas pessoas hoje não processam o Estado por causa de buracos?

            Quanto ao esturpo, vide resposta que dei ao Ghedin.

          38. Adendo: vi que o assunto saiu um pouco da linha, mas vou tentar voltar nele com um simples exemplo:

            Ontem peguei o ônibus para casa, só que o mesmo demorou e haviam pessoas esperando no ponto. Todo mundo reclamou com o motorista por causa da demora, e no final ele falou: “olha, me chamaram correndo e só estou aqui atendendo por causa disto. Não sei de mais nada”. E só tinha ele, sem cobrador. Imagine o trabalho do cara. Fora um monte de problemas no caminho: passageiros agoniados, exigentes e apressados, coisas nas ruas que faziam o ônibus ter que parar, um cabo de energia que foi rompido e o ônibus teve que tentar passar por baixo dele (resultado: uma das claraboias do onibus foi danificada)…

            Para a população, não importa o que o ônibus faça. Ele só tem que estar no ponto na hora que eles tiverem por lá e chegar rápido em casa (sem “carregar seda” nas palavras de uma das passageiras). Só que se ele não “carrega seda”, ele pode causar um acidente. E não é culpa do motorista se a empresa tem problemas com falta de pessoal. Mas a população joga suas frustrações no empregado da empresa, o mesmo fica estressado, pede licença e ficamos sem mais um motorista. Porém é culpa da população quando a mesma vende seu voto para um vereador que recebe propina da empresa de ônibus para a mesma se manter nas linhas existentes. :

          39. Cara, vc não precisa gritar, basta encerrar a conversa. Pq é isso o q eu vou fazer agora.

          40. E o cidadão teima, bate o pé e faz beiço quando o governo é omisso. Ou você está lendo tudo que estou escrevendo do jeito errado ou está ignorando alguma coisa.

          41. Claro q faz. E qdo faz a população bate palma pra qto o governo taça boa nas pessoas…

          42. Mas é isso que tou tentando falar desde o começo: se há coisas que não é culpa do governo, pois o governo já tenha feito algo para tentar previnir, a culpa recai naquele que cometeu o erro. É isso.

          43. Vc se esquece ou ignora q há gente responsável (com responsabilidade de fazer coisas) e investida de autoridade pra tratar de várias questões da complexidade, por exemplo, de um atendimento médico, da administração pública etc. Vc está simplesmente transferindo a responsabilidade para as pessoas como se estivéssemos num sistema anárquico, o q obviamente não é o caso… É esse raciocínio, q considero absurdo, q transfere as pessoas responsabilidades q NÃO são delas. Falta água: as pessoas não economizam; tem estupro: culpa da vítima q usa saia curta; tem acidente na estrada da morte: culpa do motorista q resolveu enfrentar a gravidade; tem desastre em Petropolis: não deviam morar lá etc etc etc. Esse raciocínio é extremamente problemático, pq acima de tudo representa o alto grau de insensibilidade q vivemos… Nesse esquema q vc apresenta, o problema são os vivos.

          44. Cara, Mas é exatamente isso que ocorre: Existe sim responsabilidade nos outros em certas ocorrencias . Tou no telefone, depois explico melhor.

          45. Num período pre-Uber, o serviço de taxi era horrível, pois só existia ele na rua. Logo, se o Uber manter sua estratégia, o preço ira ser igual aos de Taxi, e o serviço será a mesma coisa de antes.

          46. Qual a base de vocês para afirmarem com tanta convicção que “conta-se nos dedos” as pessoas engajadas do serviço público? Na boa, isso chega a ser desrespeitoso.

          47. Falemos dos serviços públicos que atendem o público. A grande maioria tem ao menos um funcionário que é corrompido. Aquele que facilita as coisas para ti. Todos que consideram o funcionarismo público, sabem que não podem ser demitidos, até podem, mas precisa-se de uma grande “cagada” para que tal surta efeito. O que acaba resultando, em o funcionário não dar o melhor de si, justamente por seu rendimento não resultar numa demissão. Claro, isso acaba evitando o abuso de poder e o partidarismo. Mas ainda sim, é quase um passe-livre para não ser um bom funcionário.
            Empregos no setor público que requerem o ensino superior. Pagam muito bem, além de ter a tão sonhada estabilidade.

            Ainda reafirmo que conto nos dedos, bons funcionários. Falo na base de experiência própria. A quantidade de servidores públicos.

            Já presenciei, abusos e falta de interesse, na Vigilância Sanitária, Secretária de Meio Ambiente, Fazenda, Receita Federal, Prefeitura, Detran, isso apenas para citar alguns.

          48. Isso me lembra. Ontem estava prestando serviço para um cliente, uma empresa de mão de obra, e eles dependiam do acesso a um site do Ministério do Trabalho. Toda vez que eles tentavam cadastrar algo em uma parte do site, o site dava uma mensagem de erro. Testei de várias formas diferentes e vi que o problema estava no site e não neles.

            Tentamos ligar lá e começou o jogo de empurra-empurra. liga para um setor, passa para outro, o outro não atende, o outro não tem telefone válido.

            Resultado: prejuízo do meu cliente porque não deu para cadastrar a tempo o empregado no sistema do site.

          49. Teoricamente seria se o cliente fosse responsável pelo servidor de dados do Governo, onde o programa acusa mensagem de erro. Não é.

          50. Então… Ele é responsável pelo estado do servidor. Pela sua lógica, claro.

          51. Pela sua lógica, é culpa da sociedade a existência de pixadores. Pela minha lógica, é culpa do pixador assumir responsabilidade por fazer algo que pode lhe prejudicar.

          52. Isso acontece muito por causa do funcionarismo público. Aonde o funcionário A é contratado para carimbar o tipo de papel X, qualquer outra informação A não precisa saber, ele se classificou no concurso e faz X, Y Z não está no escopo de trabalho dele, e mesmo que ele aprenda não terá nenhum incentivo para ajudar, já que quem ele atende não irá mudar sua posição, ou ainda, seu salário. Então não existe motivação para ser um bom funcionário.

          53. Falo pela cidade que vivo, pelos lugares onde há atendimento público que conheço, pelo “papo de bastidor” que escuto. Desrespeitoso é chegar em um lugar onde há atendimento público e a pessoa dar patadas porque a outra não tem dinheiro para alguma coisa. Ou não ver alguns órgãos públicos atuando.

            Mas como já falei, o problema não é só culpa de quem atua no serviço público, mas da própria população que não sabe exigir um serviço melhor, e muito menos como funciona este serviço para exigi-lo que funcione bem.

            Conheço cidades que contratam bolivianos para atuar na medicina pois bolivianos cobram menos para trabalhar e trabalham mais, mas também muitos cidadãos desconfiam de sua atuação – enquanto que médicos brasileiros reclamam de baixos salários mas também exigem luxos demais para trabalhar. (isso que resultou no Mais Médicos… ) É complexo.

          54. Ainda sobre o Mais Médicos, Medicina é o único curso que você sai ganhando um salário astronômico assim que sai da faculdade.

            Além do Mais Médicos, eles conseguiram mandar médicos para regiões aonde médicos não vão por serem cidades extremamente pequenas, e afastadas aonde não poderão usufruir de se ter muito dinheiro. Afinal, poucos são os médicos que sairiam de SP para ir para o interior de Pará para trabalhar.

          55. Sobre a questão do poder, poder vicia, quando se chega no poder, você já tem dinheiro. Então não é só uma questão de ter dinheiro. Lembro sobre a Lava Jato, alguns gerentes da Petrobrás já tinham mais de 200 milhões de dólares em suas contas, e ainda sim continuavam a querer mais, não só porque precisavam, mais porque podiam.

            Se com 10 milhões já é possível se viver bem sem trabalhar por anos, imagine 200 MI.

            Trabalhei para Maluf, quando saiu da prefeitura, e ele já era um cara extremamente rico na época, e muitas pessoas que trabalhavam para ele o perguntavam, o porque de continuar tentando virar prefeito novamente, ele dizia, não é o dinheiro que ele queria, e sim o poder.

            Consigo ver certa verdade no que ele diz. Quem já jogou SimCity sabe, o poder de fazer o que você quer é uma sensação maravilhosa.

          56. Sobre a questão do poder, poder vicia, quando se chega no poder, você já tem dinheiro. Então não é só uma questão de ter dinheiro. Lembro sobre a Lava Jato, alguns gerentes da Petrobrás já tinham mais de 200 milhões de dólares em suas contas, e ainda sim continuavam a querer mais, não só porque precisavam, mais porque podiam.

            Se com 10 milhões já é possível se viver bem sem trabalhar por anos, imagine 200 MI.

            Trabalhei para Maluf, quando saiu da prefeitura, e ele já era um cara extremamente rico na época, e muitas pessoas que trabalhavam para ele o perguntavam, o porque de continuar tentando virar prefeito novamente, ele dizia, não é o dinheiro que ele queria, e sim o poder.

            Consigo ver certa verdade no que ele diz. Quem já jogou SimCity sabe, o poder de fazer o que você quer é uma sensação maravilhosa.

          57. Muito interessante isso que você escreveu. Também tive/tenho contato com pessoas desse meio e é difícil.

          58. Muito interessante isso que você escreveu. Também tive/tenho contato com pessoas desse meio e é difícil.

          59. essa visão da política é ingênua, para dizer o mínimo, porque a política afeta diretamente a vida concreta das pessoas (nós, o povo) no dia a dia

            os exemplos são inúmeros, muita coisa está acontecendo diariamente, nem dá pra acompanhar

            apenas como exemplo, algumas coisas que me lembro

            cancelamento do PRONATEC: era bom ? era ruim ? não sei, mas foi cancelado imediatamente assim que Temer assumiu, sem nenhuma explicação

            diminuição e atraso dos recursos do FIES

            cancelamento do Ciência sem Fronteiras: um programa baratíssimo que mandava estudantes brasileiros ao exterior…pessoal teve que voltar na metade do ano (onde eu trabalho tinha um garoto que estava nos EUA e voltou)

            diminuição de vagas na universidades federais: o atual “ministério da educação” está fazendo isso, no esquema de sempre: sem discussão, sem explicação

            desmantelamento do programa Minha Casa Minha Vida: era bom ? era ruim ? eu acredito que era ótimo, mas não vou discutir, na prática acabou, e a Caixa agora está financiando imóveis de padrão mais elevado

            desmantelamento do programa Mais Médicos: à medida que vão vencendo os contratos dos médicos estrangeiros (na prática, todos cubanos) o “ministério da saúde” vai passar a aceitar apenas médicos brasileiros…detalhe 1: os médicos estrangeiros estavam aqui porque os médicos brasileiros não se interessavam por essas vagas…detalhe 2: algumas vantagens que eram oferecidas aos médicos brasileiros que participavam do programa Mais Médicos foram retiradas…na prática, vai acabar…esse “ministro da saúde” é na verdade “ministro dos planos de saúde”, e a intenção desse governo é diminuir o alcance do SUS e conseguir que os planos de saúde passem a oferecer “planos populares” para a parcela mais pobre da população

            não vou me alongar, mas quem acompanha o noticiário do dia a dia (não apenas pela Globo, jornais, etc, mas pela mídia independente) com certeza sabe dos planos desse governo de “modernizar” a CLT (fazendo prevalecer o “negociado” sobre o “legislado), autorizar terceirização ilimitada, e enfraquecer a justiça do trabalho…antes de ontem mesmo o TST (alinhado ao governo) deu ganho de causa dos bancos contra os bancários, na questão de não considerar sábados como “descanso semanal remunerado”, decisão que terá impacto sobre os valores de horas extras pagos aos bancários (entre outras coisas, imagino eu)…alguém aí acha que os bancos nao têm condições pagar horas extras aos bancários ?…o GIlmar Mendes já andou dando declarações contra a justiça trabalhista, assim como, pasmem, o presidente do TST, um conhecido direitista de São Paulo, membro da Opus Dei, chamado Ives Gandra Martins Filho

            retirada, de uma penada só, de 1 milhão de pessoas do Bolsa Família…a questão aqui não é ser contra, mas duvido que eles tenham feito o tal “pente fino” que disseram fazer, sem chance…Bolsa Família é baratíssimo, em comparação com subsídios e incentivos para outras áreas da economia, e com as mordomias absurdas de judiciário e ministério público (que aliás, receberam aumento logo que Temer assumiu, acho que de mais de 40%)

            enfim, tem muita coisa mais que poderia escrever (e com certeza ainda esqueceria de muita coisa), mas o fato é que política não é algo abstrato, não é novela de televisão, embora seja retratada assim pela mídia, política é algo importante que afeta diretamente a vida das pessoas, especialmente as pessoas mais humildes que não possuem poder de pressão sobre as esferas superiores de poder

          60. mas eu entendo a sua decepção como um comentário como esse. vc espera de mim, eu acho, uma condenação ao lula, por exemplo… mas isso não se dá por vários motivos. mas uma coisa te asseguro: não morro de amores pelo lula, ele tem advogados (os melhores) pra se defender, tem estrutura social e mental pra lidar com tudo isso… mas, por ora, não se achou nada concreto, diferente do q se vê agora.

    2. Piada meio sem graca. Gostei da atitude do Caieiro e espero que o Roberto Freire nao entre no jogo. O bom e que mais um caiu. E vimos que talvez a politica brasileira eh mais engracada que “House of Cards”

    3. só que ele não vai ser tombado…pelo menos enquanto a Globo não quiser…a chave para descobir isso é: quanto minutos disso aí vai sair no JN e no Fantástico, e como vão ser esses minutos

      1. Já parece haver uma movimentação da grande mídia em desagravo com Temer. Pode ser apenas uma ameaça, mas uma capa como a da Veja dessa semana não tem nada de ingênua.

    4. Eu trabalho com patrimônio cultural e o que acho mais interessante dessa história toda é o fato de todo o imbróglio ter surgido por conta do caráter excessivamente tecnocrático que o Iphan ainda possui, resquício do contexto ditatorial em que foi criado nos anos 30. Justamente onde há autoritarismos e falta de transparência que se abre a oportunidade para relações fisiológicas e patrimonialistas como a do Geddel com o Estado.

      A questão em si é banal: é a disputa da vista dos milionários moradores atuais contra a vista dos milionários que se mudarão no futuro para a Barra. Mas se isto ajudar a fazer o Temer cair… que assim seja!

    1. Sempre gosto de buscar a fonte original quando vejo manchetes esquisitas como esta. De lá, continuação da citação que o TudoCelular transcreveu (pela metade):

      “Therefore [with Nokia assets], we stopped doing things that were me-too and started doing things, even if they are today very sub-scale, to be very focused on a specific set of customers who need a specific set of capabilities that are differentiated and that we can do a good job of.”

      Em outro trecho:

      However, persistent rumours have since emerged that the company is poised to unveil a new line of phones under the Surface brand.

      Mr Nadella, however, said the company was not going to launch into a device category without bringing something different to the table, and was more interested in how individuals and organisations were using devices, than the devices themselves.

      Ou seja, a Microsoft não compete mais com Apple, Samsung e Google. Ela ainda está no mercado de smartphones, mas com uma abordagem de pequena escala e focada em diferenciais. É como se ela estivesse buscando o que vem depois do smartphone como o conhecemos hoje — o que é, dadas as circunstâncias, a melhor estratégia possível no momento.

      Para quem quiser conferir na fonte, siga o link: http://www.afr.com/technology/technology-companies/microsoft/how-satya-nadella-is-making-microsoft-cool-again-and-taking-on-apple-and-amazon-20161118-gssfb1

    2. Sempre gosto de buscar a fonte original quando vejo manchetes esquisitas como esta. De lá, continuação da citação que o TudoCelular transcreveu (pela metade):

      “Therefore [with Nokia assets], we stopped doing things that were me-too and started doing things, even if they are today very sub-scale, to be very focused on a specific set of customers who need a specific set of capabilities that are differentiated and that we can do a good job of.”

      Em outro trecho:

      However, persistent rumours have since emerged that the company is poised to unveil a new line of phones under the Surface brand.

      Mr Nadella, however, said the company was not going to launch into a device category without bringing something different to the table, and was more interested in how individuals and organisations were using devices, than the devices themselves.

      Ou seja, a Microsoft não compete mais com Apple, Samsung e Google. Ela ainda está no mercado de smartphones, mas com uma abordagem de pequena escala e focada em diferenciais. É como se ela estivesse buscando o que vem depois do smartphone como o conhecemos hoje — o que é, dadas as circunstâncias, a melhor estratégia possível no momento.

      Para quem quiser conferir na fonte, siga o link: http://www.afr.com/technology/technology-companies/microsoft/how-satya-nadella-is-making-microsoft-cool-again-and-taking-on-apple-and-amazon-20161118-gssfb1

      1. Isso mesmo. Será uma nova categoria de smartphone que terá a Microsoft como a detentora dessa tecnologia e de responsabilidade pela difusão no mundo. O smartphone como conhecemos está acabando

        1. Olha, acho louvável esse teu amor e confiança que você deposita na Microsoft.

        2. Olha, acho louvável esse teu amor e confiança que você deposita na Microsoft.

          1. Amor? Apenas fatos verídicos afirmados pelo próprio Nadella e que muitos ficam negando. Aceite.

          2. Sim, amor. Acreditar cegamente que eles irão mudar a industria considero isso amor. Sem considerar a possibilidade de não dar certo.

            Os fatos verídicos que você diz, ele de fato fala que a Microsoft não irá sair do Mercado de SmartPhones :

            “We will continue to be in the phone market not as defined by today’s market leaders, but by what it is that we can uniquely do in what is the most ultimate mobile device,”

            “Therefore [with Nokia assets], we stopped doing things that were me-too and started doing things, even if they are today very sub-scale, to be very focused on a specific set of customers who need a specific set of capabilities that are differentiated and that we can do a good job of.”

            Neste parágrafo ele diz que irá parar de correr atrás da concorrência, e ira tentar focar em nichos, ou seja, não pretendem ser populares, e sim muito bons em certas áreas.

            Então afirmar que o mundo de smartphones está acabando é um pouco precipitado, para se dizer no mínimo.

            Então se o Studio servir de benchmark, um BELO computador, mas seu uso está limitado a artes gráficas. Aonde ele brilha, chegando ou passando a Wacon, lider do segmento há anos. Mas a quantidade de pessoas que defacto poderão usar é bem pequena. Então acaba sendo uma troca. É muito difícil ter tanto o mercado principal quanto os nichos, já que o foco é diferenciado.

            Tente não engrandecer tanto um produto, de qualquer marca, não é saudável, e você pode acabar perdendo o que tem de bom por só querer Microsoft.

          3. Mas estou te respondendo por um IPad Mini. E não sou entusiasta da Microsoft. Apenas acredito que o Windows Mobile precisa ser mais difundido e ter menos preconceitos e/ou opiniões controversas sobre o mesmo.

  12. Quais suas expectativas para o ano que vem?

    -Eu finalmente decidi qual faculdade cursar, estava na minha cara o tempo todo e só percebi agora! Irei iniciá-la assim que terminar meu técnico;

    -Mudar de emprego;

    -Dar início aos estudos em inglês, preciso aprender essa língua, alguém tem dicas?;

    -Tirar CNH.

    1. Ano que vem, pretendo terminar minha faculdade (já deveria ter terminado aliás), e já empregado e com namorada, provavelmente será um ano de mudanças, hehehe

      Não sou muito de estabelecer metas (um defeito meu), prefiro deixar as coisas acontecerem “naturalmente” :P

      1. Sei como é, fiz uma lista de metas uma vez e acabei que não cumpri nada, heheh.

        Mas todos esses que listei são relativamente fáceis de alcançar, com exceção de mudar de trabalho, que creio eu, será o mais difícil.

      1. Fiquei curioso… A nova faculdade é uma continuação da faculdade anterior ou uma mudança completa de área?

        Eu sou formado e não passa muito pela minha cabeça fazer uma outra faculdade, já que tenho a impressão que seria perda de tempo e, por isso, só penso em fazer pós. Apenas se daqui a algum tempo me der vontade de mudar completamente de área, pensaria em fazer outra faculdade.

        Eu realmente sou curioso de saber por que alguém faria duas faculdades… hehe.

          1. Beleza, salvei no Pocket.

            Por sinal, já reparei que a maioria das pessoas que trocam de área são aquelas que fizeram faculdade de Direito ou Administração. Fico imaginando que, na maioria das vezes, a escolha tenha sido por pressão dos pais. Eu só não consigo entender por que terminam o curso ao invés de abandonarem antes. Não é possível que só percebam a escolha errada depois de pegar o canudo.

            PS: não estou dizendo especificamente de você. Lerei seu texto para entender o seu caso =D

          2. Beleza, salvei no Pocket.

            Por sinal, já reparei que a maioria das pessoas que trocam de área são aquelas que fizeram faculdade de Direito ou Administração. Fico imaginando que, na maioria das vezes, a escolha tenha sido por pressão dos pais. Eu só não consigo entender por que terminam o curso ao invés de abandonarem antes. Não é possível que só percebam a escolha errada depois de pegar o canudo.

            PS: não estou dizendo especificamente de você. Lerei seu texto para entender o seu caso =D

          3. Muitas pessoas só se tocam msm quando estão para acabar, aí acham mais cômodo terminar, ganhar uma grana na profissão enquanto faz outro curso.

          4. Eu nem considerei as pessoas que gostam/amam a área, mas se depararam com um mercado de trabalho péssimo depois de terem pegado o canudo e tiveram de fazer outro curso para ter renda. Para essas eu mando minhas melhores vibrações para que consigam achar um emprego na área – por mais que demore.

            O que eu não consigo entender é quem se arrasta por todo o curso, mas mesmo assim o finaliza. Encontrei vários desses durante a minha graduação. O desânimo era palpável.

          5. Meu caso, terminei o ensino médio e fiz um técnico em contabilidade, conclui e não sabia o que queria da vida, agora to fazendo um técnico em administração e percebi que quero fazer ciências contábeis, rs, no meio do ano que vem termino meu técnico, então começarei o ensino superior, e na área que me agrada.

        1. Não vou fazer porque seria muito complicado, mas gostaria de fazer matemática agora que estou trabalhando como cientista de dados…é complicado uma pós que capacite bem nessa área já que é de pouco interesse do mercado em geral.

          1. eu tb gostaria de fazer matemática, mas sem ter q fazer cálculos nem nada. só pela beleza da coisa mesmo.

          2. vou me contentar em ler a história da matemática… e ficar boquiaberto ante algumas equações. por falar nisso, estreia ‘a chegada’. é adaptação de um conto de um cara q leva a matemática e ciência para sua obra. parece interessante.

          3. Tinha vontade de estudar matemática e física, mas não sei se aguentaria também o nível de abstração das coisas

          4. Sempre pensei que Matemática é um curso para quem quer enxergar a Matrix. O nível de abstração é absurdo. Não à toa que os graduados em Matemática sejam… peculiares.

            Já pensei em fazer Física por prazer, mas é provável que a minha visão da área esteja distorcida por ter estudado a física aplicada em engenharia e acabar encontrando no curso muita abstração. Outro curso que pensei em fazer por prazer foi Astronomia… de qualquer forma, acho um exagero fazer uma graduação apenas por prazer se posso ser hobbysta.

          5. Ah sim, tenho inveja dos matemáticos aqui haha

            Tentaria fazer matemática aplicada mesmo…na verdade se eu tivesse feito ciência da computação já seria bem suficiente para entender melhor algumas coisas. Enfim, vou correndo atrás por fora, mas tomei mais gosto por matemática depois de mexer com Machine Learning e afins…

          6. Ah sim, tenho inveja dos matemáticos aqui haha

            Tentaria fazer matemática aplicada mesmo…na verdade se eu tivesse feito ciência da computação já seria bem suficiente para entender melhor algumas coisas. Enfim, vou correndo atrás por fora, mas tomei mais gosto por matemática depois de mexer com Machine Learning e afins…

          7. não acho exagero se vc tem a possibilidade e disposição – e recursos. física, astrofísica, astronomia, matemática são áreas fantásticas q só atraem as pessoas pelas possibilidades de remuneração (astronomia e astrofísica menos, claro), mas não deveria ser assim. acho q se trata aí de erudição. faltam pessoas eruditas e sobram pedantes… eu tb queria estudar tudo isso e biologia, botânica etc. uma vida só é insuficiente, infelizmente.

          8. Eu encaro graduação como algo que vai te profissionalizar para uma área específica, por isso acho exagero estudar isso durante 4/5 anos se não for para seguir profissão. Para satisfazer a curiosidade, existem outros cursos de menor duração que podem ser mais focados, ao invés de graduação que tenta abraçar vários conteúdos.

            Acho que uma boa comparação seria aprender a tocar um instrumento por lazer: você não precisa de fazer uma graduação em música sendo que um professor semanal e sua dedicação são mais do que suficientes

          9. de fato, é muito tempo pra fazer algo apenas por prazer. mas é pq, talvez, o tempo tenha ficado escasso demais com as outras coisas com as quais nos ocupamos e aquilo q poderia ser interessante, num nível bem pessoal, como se aprofundar em uma área através de uma graduação, na vida adulta e já cheia de compromissos, soa mesmo meio absurdo. mas, sei lá, estou tentando, de algum modo, ir um pouco contra isso. se me envolver de aprender japonês, vai ser por interesse pessoal e pra ter acesso a uma cultura q me interessa tanto pelo cinema q faz, qto pelo jogos q cria. me parece inevitável esse percurso (q pode demandar 11 anos de estudos até). não carece, mas me parece um desperdício não fazer.

            e, a propósito, depois q passei a escutar jazz e os clássicos, tb quis estudar música. especialmente a teoria musical, conseguir ler uma partitura etc.

          10. Eu encaro a graduação de maneira diferente, uma visão talvez enviesada por só fazer cursos de humanas; provavelmente nas exatas e biológicas haja um foco maior/menos flexibilidade sobre o que fazer.

            Frequentar uma graduação para aprender a apertar parafuso (aprender uma profissão) é um desperdício. Esses 4/5 anos formam um período em que você pode mergulhar numa área de conhecimento sem ter que se preocupar com muitas externalidades. Pode-se errar, entrar em contato com linhas de pensamento e raciocínios diversos, encarar o mundo sob incontáveis pontos de vista. É enriquecedor num sentido que, idealmente (e ficaria feliz se fosse o caso da maioria, embora pareça que não), vai muito além do “estudarei isso para conseguir um emprego e ter um salário”.

            De qualquer modo, essa ideia de que a universidade profissionaliza, que “prepara para o mercado”, encaro-a como uma restrita. (E que se faz presente no Direito, aliás; em boa parte, o foco na minha graduação era em preparar para o exame da OAB ou passar em concursos.) Infelizmente, é uma ideia cada vez mais dominante, mesmo na universidade pública. O tecnicismo mata o pensamento crítico e isso não é só ruim, é perigoso.

          11. Eu encaro a graduação de maneira diferente, uma visão talvez enviesada por só fazer cursos de humanas; provavelmente nas exatas e biológicas haja um foco maior/menos flexibilidade sobre o que fazer.

            Frequentar uma graduação para aprender a apertar parafuso (aprender uma profissão) é um desperdício. Esses 4/5 anos formam um período em que você pode mergulhar numa área de conhecimento sem ter que se preocupar com muitas externalidades. Pode-se errar, entrar em contato com linhas de pensamento e raciocínios diversos, encarar o mundo sob incontáveis pontos de vista. É enriquecedor num sentido que, idealmente (e ficaria feliz se fosse o caso da maioria, embora pareça que não), vai muito além do “estudarei isso para conseguir um emprego e ter um salário”.

            De qualquer modo, essa ideia de que a universidade profissionaliza, que “prepara para o mercado”, encaro-a como uma restrita. (E que se faz presente no Direito, aliás; em boa parte, o foco na minha graduação era em preparar para o exame da OAB ou passar em concursos.) Infelizmente, é uma ideia cada vez mais dominante, mesmo na universidade pública. O tecnicismo mata o pensamento crítico e isso não é só ruim, é perigoso.

          12. acho q é por aí tb. esse lance de ter q corresponder às demandas do mercado tá matando aqueles q querem fazer algo novo, q querem aprender, ou q apenas não sabem o q querem e precisam de tempo.

          13. Eu devo estar sobrevalorizando muito o prejuízo do tecnicismo na área de exatas, ja que me interessa lutar contra ele na minha área, mas acho que é o atestado de sub-desenvolvimento do Brasil já que as elites parecem ser marjoritariamente favorável a essa visão de “faculdade boa para conseguir um bom emprego”.

            Acho que tanto aqui qunto nos EUA há um exagero da importância da figura dos grandes empreendedores, mas a diferença no invesimento em educação científica e, consequentemente, nas possibilidades de investimento é enorme.

            Por exemplo, eu vejo uma diferença clara entre um Easy Taxi (criado por um brasileiro) e empresas como Google, Amazon, Apple, etc. O tino comercial do CEO é comum a todas, mas a sustentação a longo prazo e o que as mantém relevante é o expertise próprio que não é copável (mesmo com muito dinheiro). Das gigantes, talvez o Facebook seja a que mais se baseia apenas em uma boa ideia sem muito diferencial de expertise, mas na qual o pioneirismo pesa muito.

            O Easy Taxi já está sofrendo com a concorrência, é fácil copiar um produto que é apenas uma boa sacada, mas bater no Google e na Apple exige muito esforço de P&D que os brasileiros nem sonham e competir.

            É difícil sair da faculdade esperando desenvolver algo que envolva engenharia de ponta, geralmente inicado dentro de universidades como o Google em si. O sonho do programador aqui é desenvolver o próximo “Uber de X” com alguém de “business”, não criar um carro autônomo.

          14. muito esforço de P&D = muito, muito dinheiro, sendo grande parte dele a fundo perdido

            startups normalmente não possuem muito dinheiro pra pesquisa, ela tem que mostrar algum resultado rápido para os financiadores, para conseguir o próximo round de financiamento enquanto não estouram a boca do balão, ou enquanto não são compradas por alguma gigante

            não dá pra comparar o mercado brasileiro com o americano, lá tem muito dinheiro de venture capital, e o mercado obviamente é muito maior, além de que ser bem sucedido no mercado americano automaticamente já torna uma empresa bem sucedida em muitos outros mercados

            quem deveria investir em P&D no Brasil deveria ser as grandes empresas já estabelecidas, mas esse pessoal não tem essa visão, inclusive porque ou fazem parte de um mercado oligopolizado, ou fazem as pesquisa nas matrizes no exterior

          15. Veja, não estou dizendo que a ideia é que a startups em si invistam em P&D, apenas estou pontuando que esse tipo de inovação baseada em alta tecnologia é diferente e quase não acontece aqui. De fato, para extrair valor de P&D é necessário muito investimento, mas o Brasil teria condições de iniciar isso principalmente via universidades e centros de pesquisa que é o começo de tudo.

            P&D gasta muito dinheiro porque muita coisa é jogada fora, mas não é caro se a startup tem algo mercadologicamente interesse. Existem um monte de startups baseadas em alta tecnologia, as empresas grandes continuam investindo em P&D para manter-se na ponta, mas muitas nasceram como startups baseadas em uma tecnologia inovadora como o sempre citado Google, Bose, Oracle, etc. A própria Siri era um projeto de Stanford se não me engano, vira e mexe você vê notícias de empresas menores baseadas em tecnologia de ponta de outros países como Israel (LinX comprada pela Apple), Inglaterra (DeepMind comprada pelo Google) e países nórdicos (Skype, Kaazaa, etc..). Aliás, até o Google Brasil foi instalado aqui no Brasil com uma empresa que o Google adquiriu tecnologia de buscas da UFMG.

            A gente não precisa chegar no nível dos EUA em investimento, nem mesmo investir tanto em startups, pode-se investir em qualquer tecnologia própria de relevância como ocorreu com agricultura com a Embrapa. Sei lá, tecnologia para energia limpa como a Alemanha investe pesado…certeza que estaremos importando painéis solares de lá em pouco tempo. Enfim, tem que fazer como a Coréia do Sul, China, etc…

            Não é critica as startups, o NuBank e o próprio EasyTaxi são ótimas ideias, mas isso é um tipo de inovação mais “frágil”. Inclusive, acho que o NuBank tem poucas condições de sair do Brasil já que seu diferencial inicial era fornecer juros menos exorbitantes e menos taxas…algo que não deve ser tão caro em países desenvolvidos por exemplo.

          16. Veja, não estou dizendo que a ideia é que a startups em si invistam em P&D, apenas estou pontuando que esse tipo de inovação baseada em alta tecnologia é diferente e quase não acontece aqui. De fato, para extrair valor de P&D é necessário muito investimento, mas o Brasil teria condições de iniciar isso principalmente via universidades e centros de pesquisa que é o começo de tudo.

            P&D gasta muito dinheiro porque muita coisa é jogada fora, mas não é caro se a startup tem algo mercadologicamente interesse. Existem um monte de startups baseadas em alta tecnologia, as empresas grandes continuam investindo em P&D para manter-se na ponta, mas muitas nasceram como startups baseadas em uma tecnologia inovadora como o sempre citado Google, Bose, Oracle, etc. A própria Siri era um projeto de Stanford se não me engano, vira e mexe você vê notícias de empresas menores baseadas em tecnologia de ponta de outros países como Israel (LinX comprada pela Apple), Inglaterra (DeepMind comprada pelo Google) e países nórdicos (Skype, Kaazaa, etc..). Aliás, até o Google Brasil foi instalado aqui no Brasil com uma empresa que o Google adquiriu tecnologia de buscas da UFMG.

            A gente não precisa chegar no nível dos EUA em investimento, nem mesmo investir tanto em startups, pode-se investir em qualquer tecnologia própria de relevância como ocorreu com agricultura com a Embrapa. Sei lá, tecnologia para energia limpa como a Alemanha investe pesado…certeza que estaremos importando painéis solares de lá em pouco tempo. Enfim, tem que fazer como a Coréia do Sul, China, etc…

            Não é critica as startups, o NuBank e o próprio EasyTaxi são ótimas ideias, mas isso é um tipo de inovação mais “frágil”. Inclusive, acho que o NuBank tem poucas condições de sair do Brasil já que seu diferencial inicial era fornecer juros menos exorbitantes e menos taxas…algo que não deve ser tão caro em países desenvolvidos por exemplo.

          1. Cara, dependendo da sua motivação, o curso é bem dispensável e até desmotivador em muitos casos.

            Acho importante fazer um curso de computação pela base que ele fornece, mas para muita coisa começar com um hands-on nos cursos web é mais divertido e útil para grande parte do mercado de trabalho.

          2. Entendi, explicando melhor o que eu digo: se você se interessa por resolver desafios tipo “achar menor caminho entre dois pontos de um grafo” um curso de ciência da computação será bem interessante. Se você quer construir sites e apps, acho que esse caminho de cursos online como o CodeAcademy é uma boa.

            De qualquer forma recomendo uma “formação” em ciência da computação, mas no começo é fácil se desmotivar e a parte de estrutura de dados e algoritmos é bem teórica, então você vê pouca coisa sendo construída.

          3. Entendi, explicando melhor o que eu digo: se você se interessa por resolver desafios tipo “achar menor caminho entre dois pontos de um grafo” um curso de ciência da computação será bem interessante. Se você quer construir sites e apps, acho que esse caminho de cursos online como o CodeAcademy é uma boa.

            De qualquer forma recomendo uma “formação” em ciência da computação, mas no começo é fácil se desmotivar e a parte de estrutura de dados e algoritmos é bem teórica, então você vê pouca coisa sendo construída.

          4. eu pulei fora das ciências da computação por falta de interesse e talento. acho q é melhor deixar quem gosta e quer colocar a mão na massa, enqto eu entro com as ideias e projetos. veja se não é o seu caso.

      2. Metas:
        – Aprender o máximo possível no estágio novo que tô curtindo demais
        – Juntar uma graninha
        – Ler mais do que tenho lido ultimamente
        – Encaixar de vez os exercícios físicos na minha rotina

      1. Tem alguma dica para o Duolingo depois de dourar a árvore?

        Estou há três meses basicamente fazendo tradução, e não porque estou melhorando meu inglês com isso (não estou), mas porque a gamificação desse site é viciante e quero chegar no nível 25 haha.

        Falta listening na aba Imersão do Duolingo, sem contar um componente de rede social para a galera poder conversar online por áudio na língua que está aprendendo.

        1. eu fico na imersão DIRETO, e escolho os textos que traduzo, na maior parte das vezes, eu mesmo subo os que quero traduzir.

          pra listening, vejo vídeos do Y2B interessantes, ouço stories no blog Deepenglish.com (aulas grátis) e vídeos com legendas transcritas em inglês como os da PragerU.com

          e filmes com legendas em inglês ajudam.

        2. eu fico na imersão DIRETO, e escolho os textos que traduzo, na maior parte das vezes, eu mesmo subo os que quero traduzir.

          pra listening, vejo vídeos do Y2B interessantes, ouço stories no blog Deepenglish.com (aulas grátis) e vídeos com legendas transcritas em inglês como os da PragerU.com

          e filmes com legendas em inglês ajudam.

          1. Para falar a verdade, eu não tenho problemas para escutar. Consigo absorver >95% dos vídeos em inglês que assisto. Mas tem de ser vídeos onde os interlocutores falem de maneira clara, o que não acontece em um filme, ainda mais se for de drama, onde meu entendimento é uma tristeza.

            Por sinal, é normal que a habilidade de ouvir em inglês seja tão diferente a de falar? Porque nos sites de empregos só tem um item para conversação, sendo que meu listening é muito bom, mas o speaking é bem mediano por falta de ter com quem conversar. Daí eu coloco que conversação é avançado mesmo que a conversação propriamente dita não seja. Por isso eu gostaria tanto que o Duolingo tivesse esse componente de conversação entre os usuários.

            Outra coisa que tenho a reclamar do Duolingo é que existe a lista de domínio de palavras, e tem algumas que eu realmente tenho dificuldade como é mostrado lá, mas nunca aparecem para mim. O Duolingo precisa melhorar o script.

          2. Iniciativa bacana! Obrigado pelos links. :-)

            Para conversação sugiro o Italki (necessário pagar mas nem é tão caro) e o Tanden (app gratuito que onde você aprende uma língua e ensina outra).

          3. Iniciativa bacana! Obrigado pelos links. :-)

            Para conversação sugiro o Italki (necessário pagar mas nem é tão caro) e o Tanden (app gratuito que onde você aprende uma língua e ensina outra).

          4. Eu tentei fazer cadastro no Tandem, mas não consegui. Está dando erro. Enquanto isso fico esperando o Real Life Global voltar. Eu encontrei esse site aqui para pegar contato (Skype) de pessoas que querem conversar em inglês, mas ainda não usei: http://speaking24.com/indexpt.php

          5. Eu tentei fazer cadastro no Tandem, mas não consegui. Está dando erro. Enquanto isso fico esperando o Real Life Global voltar. Eu encontrei esse site aqui para pegar contato (Skype) de pessoas que querem conversar em inglês, mas ainda não usei: http://speaking24.com/indexpt.php

          6. É bem mais fácil para a maioria das pessoas entender o que está sendo dito do que falar algo em outra língua. Muito da prática da fala, vem de experiências próprias. Ouvir, pode-se treinar e conseguimos assemelhar com alguns sotaques e variações da fala. Mas quando precisa-se falar, é muito difícil encontrar alguma referência, pois na maior parte da vezes, nunca falamos tal palavra. E acabamos forçando demais para tentar lembrar como pode ser falado. Isso acaba prejudicando a velocidade e a certeza no momento.

            O jeito é para melhorar a fala é treinando.

        1. Jamais. Particularmente, não gosto do clima de lá e já vivo em um local com mais de 40º diários. Quero morar em local frio e tranquilo, com outra cultura e objetivos.

          1. Olha, estou a 5 meses já aqui no Canadá, e olha, sem arrependimento nenhum.

          2. Olha, estou a 5 meses já aqui no Canadá, e olha, sem arrependimento nenhum.

          3. Depois de assaltarem minha família e eu no carro, e chegar em casa e descobrir que também tinha sido assaltada. Foi o ponto de ebulição. Já estava descontente com várias coisas no país, estava e ainda estou tendo problemas com uma ex-funcionária que usou e abusou da CLT para não trabalhar e me processar. E um descontentamento geral com o rumo que o país estava tomando. Ai comecei os processos para imigrar. Já conhecia Toronto e Ottawa, e por seu um país maravilhoso, acabei escolhendo aqui.

            Não preferi um país nórdico pois acho que seria extramente difícil minha família se adaptar a cultura deles.

          4. Muito obrigado por responder e compartilhar esse fato aqui.

            Também não estou aguentando tanta violência (não apenas física, mas a parcialidade a favor de práticas criminosas que vigoram naturalmente nesse país) e esse é um dos principais motivos para querer sair daqui.

          5. Conta pra gente como tá sendo! Tenho interesse em um dia morar na Austrália ou no Canadá, são países que curto muito

          6. Wow!

            Canadá e Austrália são países muito diferentes no clima. Cheguei até a considerar a Austrália, mas os impostos lá, são maiores, principalmente no equivalente ao IPTU.
            Além de ser mais tranquilo de imigrar para o Canadá do que para a Austrália.

            Aqui no Canadá você irá encontrar diversos Indianos, Jamaicanos e Chineses, essas três nacionalidades possuem como se fosse um bairro da liberdade aqui em Toronto. Aonde a imersão cultural é simplesmente incrível, parece outro mundo, mesmo.

            Aqui um vídeo sobre um agente de imigração:

            https://www.youtube.com/watch?v=BkYcjXfXm4Q

            A transição da vida tem sido mais tranquila do que eu esperava. Quem mais está sofrendo as dificuldades tem sido meu filho. Dada a diferença de calendário escolar, uma diferença de 6 meses do ano letivo entre o Brasil e aqui. Mas fora esse contrapasso está tudo tranquilo. Minha esposa está tendo que repatriar seu diploma, para que possa trabalhar aqui na área dela. Isso é obrigatório em trabalhos da área de saúde.

            Ainda estou chocado com a qualidade de inúmeras coisas aqui. A facilidade que é viver aqui.

          7. Tem muita gente interessada nesse assunto! ainda acho q vale a pena vc falar mais.

          8. Tem muita gente interessada nesse assunto! ainda acho q vale a pena vc falar mais.

    2. Emagrecer 10kg, comprar um carro e continuar no meu emprego pra poder pagar o carro e a academia :P

      1. bastou eu parar de beber e diminuir o consumo de açucar que perdi 8Kg em menos de 2 meses.

      2. bastou eu parar de beber e diminuir o consumo de açucar que perdi 8Kg em menos de 2 meses.

    3. – Aprender o máximo possível no estágio novo que tô curtindo demais
      – Juntar uma graninha
      – Ler mais do que tenho lido ultimamente
      – Encaixar de vez os exercícios físicos na minha rotina

    4. – Aprender o máximo possível no estágio novo que tô curtindo demais
      – Juntar uma graninha
      – Ler mais do que tenho lido ultimamente
      – Encaixar de vez os exercícios físicos na minha rotina

    5. Queria muito melhorar meu inglês.

      ps: Já tentei tirar CNH há uns anos, não consegui e acho que nunca mais tentarei. kkkk

    6. Se resumem a:

      – Conseguir um emprego na minha área para finalmente começar a minha carreira depois de graduado
      – Ficar fluente em inglês
      – Ter nível avançado em espanhol
      – Fazer cursos complementares, tais como autocad e programação avançada.
      – Receber propostas para trabalhar fora do país
      – Fazer aulas de violão e guitarra
      – Viajar pra qualquer lugar fora do ES (não vou pedir muito haha)

    7. Se resumem a:

      – Conseguir um emprego na minha área para finalmente começar a minha carreira depois de graduado
      – Ficar fluente em inglês
      – Ter nível avançado em espanhol
      – Fazer cursos complementares, tais como autocad e programação avançada.
      – Receber propostas para trabalhar fora do país
      – Fazer aulas de violão e guitarra
      – Viajar pra qualquer lugar fora do ES (não vou pedir muito haha)

    8. – Me formar, se o governo ajudar haha
      – Ser efetivado no meu estágio
      – Trocar de celular
      – Viajar com a namorada

    9. – jogar (video game)
      – aprender japonês (começar, apenas)
      – me alimentar melhor
      – dar uma arrumada na casa.

        1. acabei não sendo muito claro. arrumar a casa no sentido de fazer algumas reformas. preciso arrumar alguns problemas no teto, montar umas estantes, arrumar uma parede q ficou com infiltração, instalar duas luminárias, trocar todas as tomadas e interruptores…. algumas dessas coisas demandam grana e contratar alguém e outras eu mesmo me viro, mas estou só adiando… :/

        2. acabei não sendo muito claro. arrumar a casa no sentido de fazer algumas reformas. preciso arrumar alguns problemas no teto, montar umas estantes, arrumar uma parede q ficou com infiltração, instalar duas luminárias, trocar todas as tomadas e interruptores…. algumas dessas coisas demandam grana e contratar alguém e outras eu mesmo me viro, mas estou só adiando… :/

        3. qto a organizar a vida… prefiro deixar meio caótica mesmo :)

    10. aprender espanhol, visitar POA com minha namorada…,

      alguma outra coisa que ainda nao sei…. hehe

    11. -Conseguir um permanent resident card(green card)

      – Conseguir lançar minha empresa no mercado.

      – Fazer um MBA

    12. -Conseguir um permanent resident card(green card)

      – Conseguir lançar minha empresa no mercado.

      – Fazer um MBA

    13. O ano foi bem produtivo até: consegui terminar meu mestrado, estou com o emprego que desejava (apesar de ser muito longe de casa) e comecei a fazer exercícios físicos.

      Ano que vem eu quero uma “namoradinha”, parece pouco mas para mim é a coisa mais complicada de tudo que eu tento fazer. :(

      Fora isso, estou pensando em investir em um apartamento ou uma viajem, mas acho que isso é o de menos…nada que eu queira tanto assim.

    14. Conseguir terminar o mestrado em… março.

      E voltar a (conseguir achar tempo para) ler literatura não-acadêmica, viajar, etc. Ou engatar o doutorado (opções que parecem ser mutualmente excludentes).

    1. – 2 games: Witcher 3 Goty Edition e Overwatch Origins
      – 2 camisetas geek por 40 temers

    2. Aqui no trabalho a gente comprou uma cafeteira Dolce Gusto que chegou semana passada, e desde então um supermercado aqui perto estava com promoção de cápsulas de café, de R$26 por R$16, e hoje tava por R$13. Só eu e meus colegas, devemos ter comprado umas 10 caixas… Acho que só, até agora :P

      1. Pena que o Mocca é exclusivo do site – é o melhor da Dolce Gusto. Tive uma por 2 anos que começou a dar problema e vazar água quente. Por esse motivo, joguei fora e não pretendo adquirir nunca mais.

      2. Pena que o Mocca é exclusivo do site – é o melhor da Dolce Gusto. Tive uma por 2 anos que começou a dar problema e vazar água quente. Por esse motivo, joguei fora e não pretendo adquirir nunca mais.

    3. Acabei de comprar uma TV LED 43″ Full HD da LG no barateiro por míseros 1070 pilas. Não era uma promoção de black friday mas que precinho hein

      Apesar do preço, a TV tem alguns poréns: Não smart (tenho chromecast), volume de apenas 10W rms, apenas 1 entrada HDMI (vou usar no pc e no chromecast, se ficar ruim, coloco um switch) e taxa de atualização de 60Hz.

      To pensando ainda se compro os dois primeiros StarCraft 2, estão 25 cada (sou grande fã desse jogo, desde o primeiro)

    4. Acabei de comprar uma TV LED 43″ Full HD da LG no barateiro por míseros 1070 pilas. Não era uma promoção de black friday mas que precinho hein

      Apesar do preço, a TV tem alguns poréns: Não smart (tenho chromecast), volume de apenas 10W rms, apenas 1 entrada HDMI (vou usar no pc e no chromecast, se ficar ruim, coloco um switch) e taxa de atualização de 60Hz.

      To pensando ainda se compro os dois primeiros StarCraft 2, estão 25 cada (sou grande fã desse jogo, desde o primeiro)

    5. Pneus! Comprei um par de Pneus da black friday!
      Paguei R$199 num pneu Momo, com medidas 185/60/15.
      Bom!

    6. Pneus! Comprei um par de Pneus da black friday!
      Paguei R$199 num pneu Momo, com medidas 185/60/15.
      Bom!

    7. Pneus! Comprei um par de Pneus da black friday!
      Paguei R$199 num pneu Momo, com medidas 185/60/15.
      Bom!

    8. Nadica (ainda). Estou aqui na expectativa por uma queda de preço em algum monitor de áudio.

    9. Nada, mas to pensando nuns livros de design, uma bike e uns periféricos pro notebook.

      1. os livros da cosac tão valendo. não é de design, mas comprei o ‘o futuro da arquitetura’ por 59 mangos.

        1. Esse já tenho
          A tradução foi realizada pela minha orientadora, fantástica
          Queria ter 1% da percepção e inteligência dela

          1. Esqueci de comentar. Aproveitei e peguei o ‘cidades do amanhã’, ‘cidade caminhável’ e ‘o triunfo da cidade’. Vamos ver se chegou a algum. Lugar com essas leituras.

    10. um novo smart pra substituir o que deixei cair e quebrar a tela… =/

      e antes da BF, um Chromebook por necessidade. aguardando um bom SSD pra reanimar o bom e velho note

    11. um novo smart pra substituir o que deixei cair e quebrar a tela… =/

      e antes da BF, um Chromebook por necessidade. aguardando um bom SSD pra reanimar o bom e velho note

        1. estou gostando, mas tenho só alguns dias de uso. ontem mesmo deu uma travadinha que precisou desligar… não sei se foi o site ou minha conexão que acarretou isso.

          de modo geral, estou gostando, é rápido pra inicializar e desligar, em comparação com meu note com um i7 3ª G e 4GB RAM que está uma carroça… ¬¬

          o touchpad dele é muito legal. como segundo note, pra o que se propõe, é bem válido se vc usa muito os prod do Google.

          abs.

    12. Nada ainda. Pretendo comprar a versão digital XCOM Enemy Unkown Plus para PS Vita na PSN. Está por U$ 4,99.

        1. XCOM foi o único jogo que chamou minha atenção nas ofertas da Black
          Friday da PSN. Em compensação peguei alguns jogos nos lançamentos e
          ofertas de Outubro.

        2. XCOM foi o único jogo que chamou minha atenção nas ofertas da Black
          Friday da PSN. Em compensação peguei alguns jogos nos lançamentos e
          ofertas de Outubro.

          1. Peguei também dessa promoção de outubro.

            Faz pouco tempo que comprei um PS Vita.

            Na verdade, vendi meu 3DS e com o dinheiro peguei um.

            Fiquei surpreso e como gostei tanto do Vita, fora as promoções de verdade (já peguei vários jogos baratos).

            Só ainda não consegui tempo para jogar tudo que quero… kkk

    13. Boletei o Galaxy S6 na Submarino por volta de 1500-1600. Segurar o boleto até o fim do dia, caso apareça uma promoção melhor que dá pra dividir em ao menos 6x

    14. Boletei o Galaxy S6 na Submarino por volta de 1500-1600. Segurar o boleto até o fim do dia, caso apareça uma promoção melhor que dá pra dividir em ao menos 6x

    15. uma porrada de livros digitais na amazon (e dois físicos mesmo), mais alguns da feira de livros da usp (q não é black friday, mas calhou de ser na semana esse ano) e acho q só.

    16. uma porrada de livros digitais na amazon (e dois físicos mesmo), mais alguns da feira de livros da usp (q não é black friday, mas calhou de ser na semana esse ano) e acho q só.

    17. Nada, e nem pretendo comprar. Meu único interesse era o Moto Z Play, mas peguei um antes da BF por um preço bem melhor que o das lojas agora.

    18. Pensando em comprar ou não um Kindle e se compensa passar meu Nexus 5X pra uma colega da faculdade pra comprar um iPhone 6 ou 6s. Mas tô tendendo a não comprar nada e seguir feliz da vida :)

      Update: comprei o Kindle e mantive o Nexus, acredito ter feito boas escolhas.

    19. Uma máquina de lavar roupas, a minha quebrou mês passado :/
      Portanto, fiquei sem grana pro resto. Mas se achasse um fone Bluetooth decente eu estouraria o cartão sem pensar duas vezes.

    20. Uma máquina de lavar roupas, a minha quebrou mês passado :/
      Portanto, fiquei sem grana pro resto. Mas se achasse um fone Bluetooth decente eu estouraria o cartão sem pensar duas vezes.

    21. Parece mentira mas consegui boletar alguma coisa na Kabum. Um caixinha de som BT 8W da C3 Tech por 39,90. Não é uma JBL Flip mas por esse preço…

Os comentários deste post foram fechados.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!