Post livre #45

Post livre você já sabe: nada de conteúdo aqui em cima, apenas os comentários, ali embaixo, para conversarmos no fim de semana. Vale qualquer assunto.

Acompanhe

Newsletter (toda sexta, grátis):

  • Mastodon
  • Telegram
  • Twitter
  • Feed RSS

423 comentários

  1. Para fechar o post livre, bom dia para quem sonhou com o @ghedin:disqus passando numa propaganda de televisão (??) com um corte de cabelo diferente (????????)!

    1. o pessoal tá reclamando bastante da qualidade da bike…

      eu nunca pedalei numa roda presa. acho difícil mudar pra uma q não seja MTB, porque o caminho q eu faço tem um asfalto ruim pra cacete.

  2. Pessoal que manja da vida doméstica: produtos de limpeza como sabão, agua sanitária, detergente, amaciante etc.: vocês compram sempre do mais barato no momento ou há realmente marcas melhores?

    1. Depende. Sabão em pó, água sanitária, sábado líquido e amaciante são dos mais baratos. Removedor de manchas e roupas não. Detergente também não, porque uma casa fedida é o pior que existe.

      1. Aqui: sabão líquido é OMO desde sempre, nenhuma racionalidade envolvida. Amaciante é normalmente Bijou ou Fofo. Removedor de manchas não uso, mas vez ou outra tem Vanish.

        Detergente é Ype ou Geo, que não são os mais baratos mas a diferença é de menos de 50 centavos. Água sanitária eu usava qboa porque ela era recomendada para lavar as frutas e legumes. Limpador geral é sempre VEJA e desinfetante é o mais barato e de preferência neutro.

  3. Comprei um livro no site da fnac pra retirar na loja. Até ai, OK. Mas VC só tira o livro se falar um código q recebe por email. Não adianta falar o nome ou CPF, tem q ser o maldito código… Pra q facilitar se VC pode complicar, né?

      1. é q tava com 50% de desconto ;) mas agora notei q o livro veio um pouco detonado…

    1. Só não entendi as outras características: o que diferencia uma pessoa fit de um fitster haha? Talvez eu seja, comecei a fazer exercícios no final do ano passado…talvez eu esteja seguindo a vibe inconscientemente haha

      1. Em vez de ir para academia com seu smartphone, você leva sua máquina de datilografar.

  4. Ah, enfim respondendo a sua colocação no PL 44, Fabio: Não, nunca considerei seguir psicologia, embora tudo que tenha lido me pareceu interessante e os referidos parentes formados tambem so tenham elogios

    1. Poxa, é mesmo. Pensei q vc tivesse respondido no anterior e ao tentar lembrar da resposta, nada me veio à mente e me senti um tanto indiferente e desatento, mas felizmente vc não tinha respondido. Ufa…

      Pois é, cara. Tudo q li é bem interessante e, há algum tempo, tava lendo a amostra grátis do ‘o tronco e os ramos’ , do renato mezan, q é uma história da psicanálise e é fascinante.

      Bom, considere essa possibilidade no seu horizonte se for oportuno. Afinal entre direito e história, não seria estranho considerar psicologia tb.

    1. Não vi nem verei.
      Fiquei até surpreso de sbaer que a record tava com ibope absurdo com a novela religiosa

    2. Sendo ateu eu só posso dizer uma coisa: “Senhor, dai-me paciência”…

    1. É engraçado ele dizer que limitar a opção na amazon é a maior democratização. Da pra concordar e discordar ao mesmo tempo.

      E achei simbólica a fala “e aqui acaba minha relação com as livrarias”.

      1. Pois é, mas as livrarias ajudaram a Cosac a ter a fama q tem tb… Afinal, meu primeiro livro da Cosac comprei numa livraria, depois de ter visto o livro e ter ficado impressionado com a edição.

    2. Chateante que até hoje a danada da Amazon não vende por boleto. Não querem, devem ter suas razões, mas podiam se posicionar, ué. Ficam naquela de “obrigado pela sugestão” desde que abriram aqui e nada. Só não comprei lá até hoje por isso, o meu Nubank também parece que nunca vai sair, tenho 18 anos e sempre comprei coisas em nome dos meus pais. Acho que vou criar uma conta própria pra ver se meu nome passa a constar nas listas de compradores.

        1. Só sei que eles perdem uma razoável freguesia com isso, já viu a página deles no Facebook? Repleta de gente pedindo. Talvez seja inviável para os preços que eles praticam(se é que os preços deles são tão espetaculares), ou estejam esperando abrir a loja completa pra inaugurar a opção. Ultimamente não li nenhum boato a respeito, mas o que resta fazer é… aguardar.

          1. Além do que o @fredmmtt:disqus comentou, boleto tem outro problema: não garante a compra. Vê-se muito disso em grupos de descontos, gente que “boleta” um produto para garanti-lo e, só depois, pensar se vai ficar com ele ou não — se não, é só não pagar o boleto e pronto. Eu vejo isso nos programas de afiliados que rodo aqui no Manual — a disparidade entre o que é comprado e o que é pago de fato chega a mais de 50%.

      1. Cara, eu acho q vc pode abrir uma conta no banco e ter o seu cartão de crédito se lhe interessar. Sei q pra estudante tem modalidades de conta bem interessantes, com taxa pequena e tal. Não manjo como funciona o Nubank, mas se fizer o mesmo, tb pode ser uma boa. Eu não curto muito boleto, exceto qdo dá desconto, claro, tipo o Kabum (mas no débito em conta tb dá)… A Amazon tem um sistema tão redondinho q acabo até gastando mais por isso :/

  5. Havia um post sobre um pedido de capas para Kindle(versão 4, com direcionais, no meu caso) a preço justo, mas foi removido(provavelmente pelo comentarista) antes que eu respondesse.

    Estou procurando também uma capa pra Kindle… Aqui na minha cidade nenhum vendedor das várias
    lojas de acessórios pra eletrônicos e afins ouviu falar em Kindle
    hahahah. Também, moro num ovo, mas ainda assim achei meio absurdo. Tem
    umas no DX e no AliExpress que são bem recomendadas, mas eu queria algo
    pra agora e a um bom preço. Talvez na capital… Alguém sabe?

  6. Pós dica do Ghedin, acabei comprando um Inspiron.
    Senhores, QUE MÁQUINA. Único “defeito” que de primeiro estranhei foi a borda preta que tem na volta da tela(dentro da moldura, mas em volta da tela) que dizem ser por causa do touch. Porém dois dias depois e já tô me acostumando.

    Rápido e com um touch ótimo. Começando os planos pra comprar um SSD já, apesar de esse ter um SSHD, não é mesma coisa :S

    1. Não mesmo. No que vem de fábrica, a função deve ser de cachê.

      O ssd o desempenho é alto o tempo todo, não tem barulho e ainda consome menos energia.

    2. Não mesmo. No que vem de fábrica, a função deve ser de cachê.

      O ssd o desempenho é alto o tempo todo, não tem barulho e ainda consome menos energia.

      1. Tá aí uma boa pergunta hahahah
        Ele tem 1TB de HD com 8GB SSD que não fica acessível ao usuário. Mas não sei como é fisicamente.

      2. Tá aí uma boa pergunta hahahah
        Ele tem 1TB de HD com 8GB SSD que não fica acessível ao usuário. Mas não sei como é fisicamente.

        1. Acho que é o modelo híbrido. O meu notebook tem um msata de 32GB separado. Pode ser usado para o recurso Intel Rapid. Mas eu instalei linux nele e deixei o HD só pra arquivos.

  7. Como vocês lidam com a ressaca quando precisam trabalhar?

    Para mim sempre foi tranquilo esticar o happy hour pela madrugada mas ultimamente a ressaca tem batido forte hoje minha produtividade foi baixíssima mesmo ontem tendo bebido bem menos que o de costume, geralmente para mim basta tomar isotônico, fazer um pedal e me empaturrar no café da manhã, o problema é que ultimamente mal consigo comer direito e muito menos pedalar, tirando não beber alguém tem alguma técnica boa para ressaca? que sabe algum app… hahaha

    1. Não bebo e não tenho esse problema. Mas, nas vezes que bebi nunca tive ressaca.

      Dizem que água tônica e carboidrato ajudam bastante a diminuir a ressaca.

    2. Também adoto a técnica do isotônico, só que aliado a dois comprimidos de neosaldina. O mais importante: tem que ser antes de dormir.

      Acordo como se não tivesse bebido haha.

    3. Engov? É uma carga pesada para o organismo (pelo que li sobrecarrega principalmente o fígado), mas em casos excepcionais pode ser uma saída.

      1. Sim, eu tomo o Engov quando vai ser caso de grande bebedeira, eu tava procurando um método para o dia-a-dia porque o álcool já não é amiguinho do fígado se eu tomar Engov com frequência vai virar um patê.

      1. Vou tentar, meu problema com ressaca é recente então não testei muitas técnica.

      1. Gostei dessa, bem melhor do que aquela de um copo de cachaça pra um copo de água, não ia ter paciência sem falar que água fica muito ruim quando tô bebendo.

    4. cara eu nunca tive ressaca, e isso é muito louco, porem to anotando todas as dicas aqui, vai que eu precise um dia…

  8. Alguém aí recebeu hoje dinheiro em dólar grátis para comprar livros na Kobo?

    Acabei de receber e nem sei qual livro pegar.

    1. Recebi vários cupons da amazon e perdi o prazo deles todos… Vai pra um email q eu uso pouco e nem sabia dessas vantagens :(

        1. Depois daquele lance da Nokia, fico sempre com o pé atrás.

          E… Será que seria melhor com o S6?

          1. é q, cara, se deu certo, fazer um documentário poderia ficar infinitamente mais barato e iria requerer bem menos esforço pra se locomover com o equipamento… um tripé pra segurar um iPhone não precisa ser um super tripé… mas tem limitações, claro, q talvez uma câmera DSLR não teria.

          2. Particularmente, dependendo das condições de iluminação, acredito que boa parte da safra de smartphones de 2014 já consegue atender bem esse requisito.

    1. Mas provavelmente é filmado com o 5S, mas usando aquelas lentes especiais e tal, como uma emissora fez com os repórteres, colocou eles usando iPhone para fazer as reportagens, mas todos usando lentes e afins.

      1. “Inteiramente filmado com celulares, o modelo usado foi um iPhone 5s com uma lente anamórfica acoplada, Tangerine, diz o diretor, “ficou ainda mais cinematográfico. Nós usamos um aplicativo chamado Filmic Pro. Acho que, tudo isso combinado, nós conseguimos passar um olhar diferente, único, e isso era algo que eu queria conquistar com esse filme, porque, além da forma, o assunto também é um pouco diferente”, afirmou Baker” [o diretor]

        Acho q é bem por aí mesmo, os caras usam umas lentes, uma iluminação adequada e uma boa captação de som. Se isso reduziu o custou ou agilizou o processo, eu não sei. Mas deve ter ajudado em algo.

          1. Parece q o diretor estava bem ciente disso, mas esperava q não fosse só isso o filme dele. O filme parece ser bom, mas eu não vi.

  9. Há um tempão, eu estava aqui reclamando de um Galaxy S6 que estava usando, enfim, depois de algumas semanas, fui na loja e troquei ele pelo iPhone 6S, e posso dizer, acho que foi a melhor coisa que fiz.

    Estou com meu 6S há quase 3 meses, e funciona lindamente! A bateria até me surpreendeu, dura mais que a do S6 e mais que a do 6 que eu tive antes do S6. E a melhor parte: não está travando como o S6 travava, e olha que eu não tenho costume de fechar aplicativos, mesmo assim o desempenho é o mesmo!

    Enfim, agora minha pergunta. Eu tenho um Macbook Pro antigo, 2011, to querendo comprar um novo este ano (EUA), mas a minha dúvida está entre o modelo de 13” Pro, com as configurações topo, ou o Macbook 15” configurações topo, exceto SSD de 1TB, pegaria o de 512GB mesmo. Só que vou comprar depois que sair os modelos 2016, andei lendo uns rumores hoje que diziam que provavelmente apenas o modelo de 13” será atualizado por agora, e o de 15” está entre julho e setembro. E também de que a Apple poderá demorar mais para atualizar o modelo de 15”, talvez apenas de 2 em 2 anos, fazendo como ela fez ano passado que só mudou os gráficos, se não me engano.

    Qual vocês comprariam? Lembrando que farei praticamente de tudo, inclusive edição de vídeo e imagens, e quero mantê-lo por pelo menos uns 3/4 anos.

    1. Se dinheiro não for problema, o mais caro :)

      Falando sério, se a ideia é editar vídeos também, eu priorizaria o de 15 polegadas com GPU dedicada. Deve fazer diferença nessas atividades mais intensivas.

      1. Estou levando isso em conta também. Porque o de 15″ apesar de ser mais pesado, é normal. Eu sempre tive PCs de 15″, tenho esse Mac de 13″ antigo que nem uso direito e um hackintosh num Asus top de 15″, mas nada melhor que o sistema numa máquina realmente feita pra ele.

        Pensei apenas no futuro, pegar para ir para escola e tal um de 12″ e o outro ser usado mais pra viagens de quando eu for no Brasil e tal.

    2. Complementando o @ghedin:disqus, além de GPU o MacBook Pro de 15 polegadas também tem processador quad-core, enquanto que o MacBook Pro de 13 apenas dual-core. Para tarefa pesadas, isso representa o dobro de desempenho.

      Se puder eu esperaria para comprar, se não for muito urgente.

      1. Sim, de todo jeito eu esperaria, não quero comprar o modelo de 2015 e logo logo ele ser atualizado e por aqui acabar ficando o mesmo preço do anterior. Ainda não estou na urgênciaaa! hahah

  10. Aproveitando o ensejo daquela foto de ambiente minimalista e meu comentário esdrúxulo, vcs tinham ou têm o hábito de amassar papel e fazer aquelas bolas de papel e durex pra jogar no serviço ou nem? Faz um tempo q não posso fazer isso e sinto mó falta :(

    1. Aqui no trabalho é proibido desperdiçar papel. Toda sala tem uma caixa com rascunho, para usar o outro lado.

      Mas, nunca tive essas coisas.

        1. Depende. Se for documento guarda. Depois dá para reciclar ou vai para o lixo.

      1. só com o papel inutilizado, claro. mas dá pra reciclar a bolinha depois.

          1. o recheio dela daria pra reciclar. isso não é politicamente correto. é reaproveitar os recursos, ora. deveria ser um mantra capitalista.

    2. fazia isso pra jogar em casa mesmo, no auge da pobreza e das bolas caindo no quintal de vizinhos, no valão, e por ai vai, e o menino já na ansiá de jogar um futebol dava o seu jeito né, metia vários papeis e uma fitinha isolante, 10/10 eu diria.

  11. Aproveitando o ensejo daquela foto de ambiente minimalista e meu comentário esdrúxulo, vcs tinham ou têm o hábito de amassar papel e fazer aquelas bolas de papel e durex pra jogar no serviço ou nem? Faz um tempo q não posso fazer isso e sinto mó falta :(

  12. Tenho um vídeo aqui que possui data de criação e de modificação em 01/2016. Porém, o Galeria de Fotos do Windows, mostra (corretamente) que ele é de 10/2015.

    Alguém sabe dizer como isso? Nas propriedades do arquivo não vejo mais nenhuma data a não ser as duas citadas acima =/

      1. Consegui visualizar a real data de criação com o ExifTool!

        Agora só falta arrumar um jeito de jogar esses videos para pastas usando o ano e mês dessa informação. Tentei fazer isso com o DropIt mas ele só pega a data de criação do Windows. Se alguém tiver ideias…

      1. pô, ele me pareceu ser um cara tranquilo. o g1 não é melhor referência. um jornalista do g1 teve a pachorra de dizer q o filme não tem diálogo. qdo ele disse isso eu fiquei pasmo.

    1. ainda não, apesar de estar em cartaz num cinema aqui perto de casa, ja viu? curtiu?

      1. Vi e curti muito. O filme é belíssimo e entrelaça temas correntes nos dia de hj de forma muito corajosa. Só não creia q não tem diálogos, pq ele é cheio deles.

    1. Hahaha, genial mesmo! Errei os dos Pokémons “novos” (leia-se pós-150 originais). Ainda bem, né? Eu acharia estranho, com 30 anos nas costas, saber de cor os nomes de todos Pokémon…

      1. o chutes que dei foram bons
        O engraçado também é que as logos de alguns são podemos mal desenhados

    2. Eu gostava do Pokémon. Agora eu curto “A hora da aventura”!

  13. Tenho curtido muito os textos do Matheus Gonçalves no tecnoblog. Alguém acompanha?

    1. Todos ótimos, né? Teve até aquela polêmica do texto que não cabia no site, sobre o álbum de um cantor ou algo assim, mas sinceramenre adorei.

    2. Todos ótimos, né? Teve até aquela polêmica do texto que não cabia no site, sobre o álbum de um cantor ou algo assim, mas sinceramenre adorei.

      1. não achei polêmica, vi mais como rejeição ao diferente. mas até aí, normal. a relação leitor e escritor/jornalista/etc está se tornando uma relação de consumidor e escritor/jornalista/etc. se se acha q o q se lê é uma mercadoria, me parece normal esse comportamento similar de quem liga no sac insatisfeito com algo q comprou. mas não é bem por aí.

        e sim, são textos ótimos. acho ótimo a temática e os ganchos q ele pega.

    3. Sim, desde da época do MeioBit. Pra mim, já era o cara mais sensato de lá

      1. a insensatez não chega a ser um problema… pode ser até necessária.

          1. ora, em muitos. e a q nos levaria a sensatez senão ao mesmos lugares q o outros já foram?

      2. Curto bastante os textos do Cardoso, apesar dele ser persona non grata pra muitos.

      3. Curto bastante os textos do Cardoso, apesar dele ser persona non grata pra muitos.

        1. Ah, ele escreve bem e tal que qualquer besteira que ele fale parece a mais pura verdade.
          Só que nos comentários ele é muito cavalo

          1. A explicação oficial para isso: ele recebe os mesmos comentários desagradáveis há anos e prefere não perder tempo com o que considera como ruído.

    4. De lá é excelente os textos do Higa e também do Alecrim. Em compensação, odiei até agora tudo que saiu pelo Jean Prado.

      1. hum, mas o q ele publica é bem legal tb, cara. não será q vc está sendo muito rigoroso?

        1. Não gosto do estilo de escrita dele. Não sei porquê. O estranho é que nem preciso ver quem o autor, pois nem consigo avançar até o final.

    5. Muito bons. Perdi alguns porque o feed do Tecnoblog parou de funcionar, mas depois boto a leitura em dia.

  14. Jovens, de uns tempos pra cá, tenho pensado seriamente em largar a carreira em TI de vez e começar do zero em outra área. Alguém já passou pela experiência?

    1. Penso nisso o tempo todo. Mas o problema é q até hj eu não seu o q quero da vida. Eu queria ajudar as pessoas, isso eu sei. Mas falta a guinada e concretizar as coisas.

    2. Por quê? Eu já pensei muito em fazer TI, até passei na federal, só que não fiz o curso.

        1. Na época não dava por já cursava na federal em outra área e trabalhava durante o dia.

      1. Já trabalhei com suporte, gerência de projetos, processos e atualmente trabalho como auditor, praticamente só em empresas grandes. E cheguei à conclusão que não importa o cargo, TI sempre é tratada como vira-lata (os famosos “meninos do computador”). Tô ficando de saco cheio da falta de respeito que o mercado tem com a área, e comecei a ter sérios problemas de saúde por causa do estresse no trabalho – isso com 22 anos, ainda.

        Isso tá me fazendo considerar colocar nas famosas metas de “onde eu quero estar daqui 5 anos”, picar a mula da área.

        O foda é jogar fora os 7 anos que gastei na facul e começar do zero numa idade já “avançada” (molecada já começa como estagiário ou trainee na casa dos 18), onde o mercado vai me olhar torto também pela falta de experiência. Além do fato de eu estar ganhando muito bem no trampo atual, daí os cifrões pesam um pouco na decisão. Mas, às vezes, me pergunto se realmente vale a pena.

      2. Já trabalhei com suporte, gerência de projetos, processos e atualmente trabalho como auditor, praticamente só em empresas grandes. E cheguei à conclusão que não importa o cargo, TI sempre é tratada como vira-lata (os famosos “meninos do computador”). Tô ficando de saco cheio da falta de respeito que o mercado tem com a área, e comecei a ter sérios problemas de saúde por causa do estresse no trabalho – isso com 22 anos, ainda.

        Isso tá me fazendo considerar colocar nas famosas metas de “onde eu quero estar daqui 5 anos”, picar a mula da área.

        O foda é jogar fora os 7 anos que gastei na facul e começar do zero numa idade já “avançada” (molecada já começa como estagiário ou trainee na casa dos 18), onde o mercado vai me olhar torto também pela falta de experiência. Além do fato de eu estar ganhando muito bem no trampo atual, daí os cifrões pesam um pouco na decisão. Mas, às vezes, me pergunto se realmente vale a pena.

        1. “Já trabalhei com suporte, gerência de projetos, processos e atualmente trabalho como auditor, praticamente só em empresas grandes.”

          E eu com 23, ainda sou Desenvolvedor Jr. Bateu a bad.

          1. Cara, eu me arrependo de ter trabalhado em tanta coisa.

            Sabe por quê? Eu tô virando um pato: Faço um pouco de tudo, mas não sou especialista em nada!

            Não tenho condições de falar que sou o fodão em alguma coisa que eu faço… só conheço, sei fazer e pronto, não passa daí. E fica aquela sensação de que, mais pra frente, vou acabar pagando a conta por isso.

          2. Cara, será que seu caso você não precisa de um acompanhamento profissional? Terapia, sei lá.
            Às vezes o problema tá mais na nossa cabeça do que no ambiente em que se trabalha.

          3. Até concordo, Luis, mas essa questão do ambiente eu concluí meio que por observação…
            Auditor e GP (gerente de projetos, não pensem besteira :P) precisam entender o ambiente do cliente pra atender, e nisso você acaba observando também a cultura da empresa, sabe?

            E em todas que atendi, sem exceção, tinha esse descaso com a TI. Parece que faz até parte da cultura das pessoas, empresas e do mercado esse tratamento. Sei que TI não é a única que sofre, mas fazer parte de uma área onde você é o menino do computador, não importa se é o estagiário ou o diretor da empresa, desanima bastante.

          4. Eu entendo o estigma que os profissionais de TI sofrem, ainda mais aquelas com a sua idade.
            Aqui no trabalho temos uma analista de TI que reclama exatamentee dos mesmos pontos que você. Infelizmente é uma cultura fortemente enraizada na sociedade, mesmo em tempos que o digital é parte do dia a dia.

          5. Comecei a ler um livro chamado, O Programador Apaixonado, ele é uma especie de guia para ter sucesso como desenvolvedor de software, mas, acho que vai além também, recomendo mesmo se você não programar.

            Mas uma das dicas do Livro é “Seja Generalista” e “Seja Especialista”, não é ruim ter um conhecimento amplo, mas também é bom ser especializado em algo.

            Se você estiver mesmo pensando em sair da área tem um leque de possibilidades por ai, difícil até recomendar. Eu mesmo, entrei na faculdade querendo criar jogos, mas descobri que não era o que eu queria. Gosto de programar, mas não quero fazer isso para sempre. Vou começar uma pós em BI (Business Intelligence), só pela ‘curiosidade’, foi um assunto que me chamou muito a atenção.

            tl;dr – Você não esta com nenhum tipo de “defeito”, só precisa escolher algo que goste pra focar.

          6. É, eu sei que minha maior dificuldade vai ser escolher pra onde vou depois, mas queria ver, de início, como é a transição e tals…

            PS: Já dei umas pinceladas em BI (olha o pato de novo) e Big Data, e achei legalzinho, até. Só não sigo na área porque sou uma vergonha com banco de dados, e por trauma do meu professor de BI da faculdade. :P

          7. Você parece ter uma carreira consistente, eu estou na mesma que o @Flávio Tassan:disqus, meio que como um reles dev com 24 anos haha

            Parece que você é mais da área de gestão né? Acho que nesse caso não tem muita escapatória dessa relação, talvez você já tenha passado por uma, mas recomendo procurar uma empresa mais focada em tecnologia mesmo…o ambiente é naturalmente mais amistoso. Ser consultor é sempre meio complicado…

            Eu estou tentando caminhos diferentes de acordo com meu perfil, trabalhei 5 anos com Oracle mas decidi que não quero ser especialista nisso…principalmente por ficar preso em ambientes como o que você citou dada as características da tecnologia (só empresa gigante usa Oracle). Não levo jeito para área gerencial, não sou horrível mas tenho certeza que o técnico é meu lado forte.

            Agora estou em uma startup mexendo com um monte de coisa, mas estou pensando em seguir como cientista de dados, acabei de terminar o mestrado em PLN…então espero achar algo nessa linha e ver como é.

    3. as vezes to surtado e fico me imaginando tambem.
      acho que faria algo como jornalismo ou educação fisica. sem problemas em ganhar menos, mas tenho me preocupado mais com qualidade de vida mesmo.

      *ou abrir um bar. haha

      1. Já passou pela minha cabeça fazer arquitetura, ou algo relacionado a design… Atendo vários clientes no Morumbi e na Faria Lima, e acabo gostando mais dos prédios que do meu trabalho em si.

        E nem tinha pensado no bar… Ótima ideia! kkkk

        1. arquitetura é uma excelente ideia.
          sabe como funciona uma ideia né? voce têm ela bem pequena, mas como uma arvore ela vai crescendo,
          como voce falou abaixo…, tambem penso no que poderia estar fazendo de diferente…, e essa ideia cresce….

    4. em princípio, acho que não vale a pena…qualquer área, qualquer profissão tem seus pontos positivos e negativos…agora, se eu fosse começar de novo, tenho certeza absoluta que iria fazer “direito” e dar um jeito de entrar na magistratura ou no ministério público…os caras são uma aristocracia medieval em pleno século 21 aqui no Brasil

  15. Para quem trabalha em escritório/home office, e passa o dia sentado: qual cadeira vocês usam?

    1. Aqui é cadeira muito boa, com regulagem de altura e posição dos braços, além de apoio para o pescoço.

      Antes não usava apoio para o pescoço e hoje em dia não consigo me imaginar sem.

      Passo umas 11 horas aqui e a diferença no fim do dia é gigante.

      1. Tenho uma boa cadeira, mas ela não tem esse apoio e faz mesmo muita falta.

        1. Comprei uma no fim do ano com esse tipo de apoio para usar no meu quarto e valeu muito a pena.

        2. Comprei uma no fim do ano com esse tipo de apoio para usar no meu quarto e valeu muito a pena.

        1. Nem lembro disso, mas duas vezes na semana vem um instrutor fazer alongamento e movimentar os sedentários (estou incluso) do setor.

    2. Caiu a NET em casa e vim para o meu lugar “predileto” usar a internet: a academia. E, cara, è o melhor lugar mesmo… Estou respondendo emails num elíptico. E, cara, dia vim jogar ‘horizon chase’ aqui e q suadouro. Já li uma vez, Harvard business review q o ideal eram as reuniões acontecerem em volta de uma mesa cercada de esteiras. Faz sentindo.

      1. Fico impressionado com tanta gente na academia que usa o smartphone. Não consigo usar lá, por é muito perigoso. Já quebrei duas películas de vidro, quando derrubei sem querer o meu smartphone no chão. Cheguei a usar com o Keep (por sinal, um dos melhores apps do Google) para marcar as séries que fazia, mas desisti depois do que aconteceu.

        1. Academia tem q ser relógio… Não tem jeito. Outra função utilíssima pra smartwatch.

        2. Nem levo celular pra academia
          O que as vezes dá problema com as músicas ambientes. Na que faço usam spotify free.

          1. Só… As músicas aqui são as piores. Ainda bem q hj tá desligado. Só assim pra ficar sem fone.

        3. Nunca fui de levar smartphone pra academia também. Não consigo malhar direito pensando no aparelho que está no bolso.

          Pior é a turma que bota o aparelho em qualquer lugar, atrapalhando os outros.

          1. Não rola usar aquelas armbands? Eu uso pra correr e é bem seguro.

          2. eu tinha uma e tal… e era boa de usar, apesar do fio atrapalhar. mas acabou em em total desuso.

          3. O som da academia tá de boa pra mim. Prefiro um som disperso do que levar minhas músicas que gosto de ouvir em ocasiões diferentes.

          4. sorte sua. na minha além das escolhas musicais ruins, o som é ruim… misturado com a balbúrdia dos figurantes da ‘malhação’, fica difícil de aguentar.

      2. É sério isso? Não consigo imaginar alguém respondendo e-mail num elíptico.

        Porém adoraria fazer reuniões na esteira

        1. Tem q se equilibrar, só isso. E manter a postura. Isso é bom pq deixa o exercício mais difícil.

          Vou me sentir a blogueira de moda mas lá vai..

          1. calção furado, camiseta com proteção uv mesmo se vc estiver na sompra, pq pele é tudo, né, amiga? tênis com chulé e garrafinha de água dessas normais de mercado pra mostrar q me preocupo com o meio ambiente.

  16. Vocês leram essa matéria sobre curadoria de conteúdo no Whatsapp? (link: https://youpix.com.br/o-whatsapp-a-classe-m%C3%A9dia-e-o-mundo-underground-do-conte%C3%BAdo-3b69e7cd5492#.4r4dyiisc)

    Eu ainda estou um pouco…incrédulo. Eu conheço pessoas que estão em dezenas de grupos e passam o dia interagindo entre eles. mas alguém que pague por isso realmente é novidade.

    enfim, dito isso, a pergunta: existe algum tipo de conteúdo pelo qual você pagaria para chegar no seu whatsapp?

      1. Incomoda-me profundamente a justificativa dele, de que “não é matéria, é um artigo”. Pode ser um lenço de papel escrito em carvão, mas se se faz uma afirmação desse porte, de algo tão genial e rentável, você precisa confirmar. Eu poderia dizer que o Manual do Usuário tem um faturamento mensal R$ 1 milhão, o que certamente me daria, no mínimo, uma matéria no Youpix, mas alguém acreditaria sem uma checagem de fatos?

        Jornalismo cidadão é lindo, mas tem dessas pegadinhas. E, vale dizer, falha grotesca do Youpix por publicar esse negócio sem qualquer verificação.

  17. Vocês sentem que passam tempo demais usando o celular?
    Há algumas semanas, instalei o aplicativo Quality Time que monitora o tempo gasto com cada aplicativo no celular, elaborando uns relatórios no final de cada dia e de cada semana. Dá também para definir alertas de uso de aplicativo e um modo que bloqueia o uso de alguns por um tempo pré-determinado.
    Eu me impressionei como perco tempo a toa no celular, culpa, em grande parte, do Twitter e seu scroll infinito. Senti-me até culpado, pois seria um tempo melhor gasto lendo, jogando me divertindo ou até mesmo dormindo.

    1. Passo tão pouco tempo que as pessoas até reclamam porque perco chamadas, demoro a responder etc.

        1. Faz uma daquelas resoluções de ano-novo que teve em um post aqui no MdU: deixa só as notificações mais necessárias, e o resto, desativa.

          1. Em último caso, desinstala o Twitter. Já recomendei para o Facebook, mas por que não outras redes sociais? Eu abandonei o Snapchat…

          2. Desintalei o face, mas acabo de comprar o talon. Acho o twitter muito útil e agradável de usar por conta do limite de caracteres. Só estragou esse lance de ter imagem…

          3. Mas no desktop desativa tb? Lembro de ter procurado e não ter encontrado…

          4. creio que desinstalar o facebook seja um grande passo, se cada pessoa perceber o tempo que perde só olhando o feed quando não esta fazendo “nada” e tal, é um tempo muito grande…

        2. Aprendi com meu irmão com um hábito bastante interessante: ele não levava celular pro almoço. Daí pro resto é um pulo

          1. Finais de semana e a noite, você diz?
            Chega em casa, tira do bolso e joga em algum canto qualquer perdido da casa

    2. eu não, mas minha mulher usa demais! chega a perder o foco das tarefas por causa do smartphone e da internets.
      eu já silenciei vários grupos e obrigo ela a deixar em modo aviao de madrugada.

    3. Nem tenho instalado o twitter e uso somente em períodos específicos. Entretanto, acho que Whats deve ocupar a maior parte do tempo dos usuários no Brasil.

    4. Meu uso é moderado. Tenho um PowerBank e raramente uso. Agora o notebook eu uso pacas.

    5. Uso muito na sala de aula, sim, e isso é triste, chego até a sentir saudades de quando tinha uma celular que não tinha 3g/wifi etc, o tive até setembro de 2014, era chato porque eu não tava incluso nos grupinhos de “zap zap” da galera entre outras coisas, porem eu percebo que como eu não tinha nada pra me distrair durante a aula, eu prestava muito mais atenção (fora quando eu caia no sono né, o que aconteceu muito naquele ano), e eu também lia muito mais os textos passados pelos professores etc, apenas saudade, ja hoje em dia acho que também criei uma certa ansiedade sobre o celular..

    1. Puts… Ia escrever umas coisas, mas lembrei do estatuto do idoso.

        1. Ele parece não estar bem. E pior q ele era colunista da revista Bravo! e manjava muito de literatura da idade média. É outra pessoa ou eu era jovem demais pra perceber…

    2. Não conheço. Fui antecipadamente afastado de qualquer contato pela atitude de pessoas que compartilham conteúdo dele na Internet.

    3. Eu sinto que não posso opinar, já que nunca tive contato direto com seus “ensinamentos”, apenas o que respinga de forma descontextualizada.

    4. Já ouvi falar, mas nunca tive interesse de procurar algo sobre.

      Todavia, acho muito positivo um autor que não seja de esquerda, afinal os intelectuais de esquerda do Brasil repudiam com todas as formas qualquer um que não pense como eles.

      1. O olavao deixou de ser um intelectual faz tempo. Agora ele só ofende e levanta teoria conspiratória… TB acho saudável ler autores q não sejam de esquerda… E há uns muito bons por aí pelo q sei.

        1. quais ? :)

          acho que o último intelectual de direita que existiu no Brasil foi o José Guilherme Merquior

          hoje tem o “historiador” marco antonio vila, o “filosofo” pondé, o “geógrafo” demétrio magnoli, o astrólogo olavo de carvalho (sério, ele é, ou foi, astrólogo), o reinaldo azevedo, o lobão, o roger, o danilo gentili, o kim kataguiri, o marcelo reis :)

          tudo gente boa

          1. cara, nunca li nada do merquior e estão relançando a obra dele em boas edições. só não sei se está meio datado… e tem o otto maria carpeaux, tb.

            desses q vc citou, o magnoli me parece sério, cara. claro q dá umas escorregadas, mas nada grave.

            hj estive na fnac e vi a estante de sociologia. cara, q medo. era reinaldo azevedo, olavão, flavio morgenstern e outras coisas q, definitivamente, não são sociologia. talvez poderia encaixar, forçando a barra, em comunicação, mas sei lá… estudantes de jornalismo merecem coisa melhor pra ler. eles não devem ter muito onde colocar esses livros tb, sei lá. bom, não importa. essa leva do andreazza da record é bem fraca na verdade e certamente está deixando os conservadores muito mal servidos.

            tem o joão pereira coutinho q faz um trabalho honesto de divulgação do pensamento conservador (mas eu não li o seu livro, creio q valha a pena). eu não o desclassifico como os citados acima, já q leio a coluna dele na folha com alguma regularidade.

            e um britânico, q tinha umas sacadas interessantes, era Christopher Hitchens, mas é um pouco difícil posicioná-lo como conservador, já q ele mesmo recusava esse rótulo qdo em vida. mas o lance dele era mais o ateísmo, enfim, uma figura ambígua.

            tem q garimpar e eu acho q fazem muito mal em não darem a devida e merecida atenção ao pensamento conservador sério, pq isso abre justamente caminho pra essa gente deplorável como rodrigo constantino e cia.

      2. Vc deve ter visto e por mais q discorde do cara, o Jean willys foi pra Israel e criticaram muito ele. Mas ele foi em busca de diálogo. Os caras não entendem q só é possível um mundo melhor com diálogo, tolerância e respeito…

        1. O Jean Wyllys está bem longe de alguém com tolerância e respeito. É só mais querendo se dar bem e se fazendo de coitado o tempo todo.

    5. É um cara que vive num mundo paralelo. Só acho engraçado as brigas dele no twitter.

  18. @ghedin:disqus e demais, alguém sabe de alguma promo do Moto X Play em curso? agradeço se alguém souber e der o grito.

    abs!

    1. A Motorola subiu o preço dele no final do ano passado. Está difícil, mas quando encontrar alguma, aparecerá na página de promoções aqui do site.

        1. queria estar aí pra poder tirar umas fotos. mas o q tá pegando?

          1. É a minha primeira Campus, e a impressão de cara é péssima, a estrutura está bem fraca e a nova organização está dando muita bola fora, um dos ápices foi ter proibido uma palestrante de entrar com a papinha da filha dela no evento.

            Fora internet que não funcionou direito no primeiro dia, queda de energia entre várias coisas como citei.

    1. Ah sim… eu vi esse post e fiquei aborrecido, não imaginava q problematizar questões q precisam ser problematizadas tb fosse motivo de piada – bom, tudo pode ser motivo de piada. Isso me parece uma forma ampliada de enquadrar como politicamente correto uma crítica um pouco mais abrangente. Se vc for ver, esse caminho foi aberto pelos comediantes q se sentiram bem à vontade em falar qualquer merda.

    2. santa tartaruga…, cheguei na parte do chaves quase chorando sangue. vamos ver o resto…

        1. as pessoas estão levando a vida a sério demais!
          não dá pra fazer usar de ironia, sarcasmo ou humor negro sem ser perseguido com tochas e foices.

  19. Após mais de 15 anos trabalhando com TI, ajudando tanta gente a reconhecer e-mails falsos, golpes, scams, etc, fui vítima de um falso comprador do Mercado Livre e enviei meu Surface Pro 2 pro cara… Como eu estava viajando pra fora do Brasil, visualizava meus e-mails pelo celular, até que recebi a mensagem de que teria vendido meu produto e daí pra frente troquei algumas mensagens com o “comprador” até enviar o produto pra ele. Quando cheguei de viagem que fui perceber o vacilo.

    Já fiz BO, enviei relatos pra PF, Delegacia de Crimes Virtuais de São Paulo, pro Mercado Livre, mas nada até agora… Senti muita dificuldade em tratar esse tipo de problema. A PF demorou uma eternidade pra responder um e-mail e até agora não mandou mais nada. O ML mesma coisa, disse que iria me ajudar, mas não recebi mais nada após ter descrito o ocorrido.

    Mas é isso ai, vida que segue, comprei um SP4 contando com a grana da venda do SP2, mas acabei me dando mal…

    1. já levei cambal um vez no mercado livre comprando umas roupas. o cara mandou coisas falsas e levei um pequeno preju, já q o seguro do ML cobriu uma parte do problema.

      mas tentaram me vender coisas velhas sendo q estavam anunciadas como novas, felizmente deu pra devolver.

      mas o ML não pode se abster de não lhe ajudar com isso, porque ele é responsável pela venda das coisas tb. se vc entrar na justiça, pode acioná-los.

    2. Eita. Que ruim. Passei pro algo assim esses dias.

      Digo… coloquei um note dell para vender e surgiu do nada uma pessoa com nome de mulher no ML perguntando se podia conversar fora do ML dizendo que no trabalho dela era restrito. Escreveu o email dela todo no comentário (meio que codificado) , sei que mandei o email para “ela”, ela só me respondeu perguntando qual era meu anúncio. Respondi.

      Dois dias depois recebo um email do Mercado Livre dizendo que minha venda foi efetuada com sucesso. Fiquei foi feliz, depois analisando bem, percebi a falcatrua.

        1. Na hora bate a alegria. Depois analisei melhor.

          O frete SEDEX de 200 reais, para parecer que ele ta pagando o valor que for no envio.

          E as observações finais, dizendo que o mercado livre só paga depois dele receber e confirmar.

          Enviei até um email para pessoa falando que ainda estava em aberta a venda. Não recebi mais respostas.

          Denunciei no ML a pessoa que me fez a pergunta, não tive retorno deles.

          1. Que picaretagem! Ainda bem q vc se ligou, porque é o email de vendas concretizada editado e falsificado. Deu pra ver no email de envio tb o trambique.

  20. Olá amiguinhos.
    Esta semana vi o Ghedin reclamar sobre como o twitter fica “poluído” (ou “ruidoso”) quando o pessoal está acompanhado algum esporte ou um programa de TV. Pouco tempo atrás ouvi um cara de um podcast de games reclamar da mesma poluição por causa de Star Wars. Pergunta de quem não entende destas coisas: Não era só não abrir o twitter?

    1. Acho que não é muito questão de só não abrir o Twitter, pq aí você estaria se privando de algo por causa dos outros. Seria uma boa se o Twitter tivesse filtros de assuntos ou palavras, ajudaria bastante na hora do pessoal bloquear assuntos específicos.

      1. Analogia: Bar com ótima cerveja e pessoas se divertindo com um estilo de musica que eu não gosto.
        1) Não ir ao bar (me privar). Acho OK.
        2) Ir ao bar e aturar a música assim mesmo. Acho OK.
        3) Ir ao bar e ficar reclamando da música. É OK?
        Mas concordo com você em um ponto. Seria bom se o bar tivesse mais de um ambiente neste caso.
        Mas só pra esclarecer. Eu entendo de bares, não de twitter :)

      2. Analogia: Bar com ótima cerveja e pessoas se divertindo com um estilo de musica que eu não gosto.
        1) Não ir ao bar (me privar). Acho OK.
        2) Ir ao bar e aturar a música assim mesmo. Acho OK.
        3) Ir ao bar e ficar reclamando da música. É OK?
        Mas concordo com você em um ponto. Seria bom se o bar tivesse mais de um ambiente neste caso.
        Mas só pra esclarecer. Eu entendo de bares, não de twitter :)

        1. A analogia não cabe. O Twitter é passivo e tem um contingente muito maior de pessoas na sua timeline, a maioria desconectadas umas das outras, falando de assuntos aleatórios. É um caos, um legal, mas ainda assim um caos. Já no bar você escolhe com quem quer ir e, na maioria dos casos, tem intimidade com essas pessoas e elas se conhecem entre si. Sem falar que é um grupo muito menor e, portanto, a “pauta” é mais gerenciável.

          Claro, sempre rola um ou outro assunto desinteressante na mesa do bar, mas ele está mais próximo e mesmo desconversar sobre ele é uma maneira de interação.

          O Twitter tem esse contra. Às vezes sigo alguém muito legal, que sempre compartilha coisas interessantes, mas fica irritante em jogos ou com programas de TV. Paciência (e dá-lhe “mute” :)

          1. Às vezes eu vou a bares sozinho (E se tiver chato porque tá passando um jogo que não é do meu time eu só vou embora, que nem eu faço com o twitter). Talvez por isso a analogia faça mais sentido pra mim do que pra você.

            Edit: Sem contar que no meu caso o público de um bar pode ser fácil, fácil maior que minha timeline.

          2. Mas ainda assim, Ghedin, uma coisa eu não entendi: Porque na hora do jogo ou do Master Chef ou ainda da estreia de Star Wars as pessoa não simplesmente fecham o twitter e abrem depois? Perdão pela ignorância, mas estou com essa dúvida mesmo.

          3. Porque o Twitter não é só isso, tem mais coisas e… bem, é estranho eu me furtar de usá-lo pelo conteúdo que rola na timeline que eu montei — daí o uso dos filtros.

            Mas, no geral, eu faço isso mesmo, fecho o Twitter quando é dia de evento grande na TV (premiações como Grammy e Oscar são outro porre).

      3. O Twitter tem filtros do tipo, dá para dar “mute” numa pessoa sem deixar de segui-la. Apps específicos, como o Tweetbot, têm “mute” para termos — e, no meu, já estão BBB, Big Brother, Master Chef e afins.

          1. Nem é. Tem muita gente interessante que se perde em determinados eventos — gostam muito de TV, ou de esportes. Ninguém é legal 100% do tempo.

          2. eu usava muito o twitter a um ano atras, dai parei de usar por estar atarefado na faculdade etc, quando voltei, fiquei analisando tudo que eu falava, e agora se eu falo muito eu acabo apagando tudo depois e acho que to sendo chato com quem em segue, era desses que comentava premiação, BBB, etc, mas não é porque eu não faço mais (só uma vez ou outra), que eu fico “bolado” com quem faz, simplesmente ignoro, ou saio do twitter e vou fazer outra coisa, e felizmente eu só sigo gente que comenta eventos grandes que todo mundo acompanha, nada particular tipo jogos de futebol de quarta/domingo (só de leve, como eu também faço vez ou outra), então é tranquilo até na maior parte do tempo.

    2. tb me aborreci com o lance do master cheg, ficou tão chato q parei de usar, mas tinha a opção de ‘silenciar’ algumas pessoas. eu queria me livrar das imagens no twitter, deixando-as oculta, vou ver se o app talon, recém adquirido e muito bom, diga-se, tem esse recurso.

      1. Fabio, O Master Chef era um programa semanal tarde da noite. Poluía seu twitter mais ou menos neste período ou realmente te atrapalhava a semana toda? Por que se for o segundo caso, eu começo a entender melhor a problemática da coisa.

        1. Fiquei puto e larguei mão. Foi incompreensão da minha parte. Um piti eu diria. Já passou. Estou curado e enchendo o saco dos q me seguem. ;) @binho_bike às ordens.

          1. Compreensível. Acho que por eu encarar muitos problemas com a solução “Aqui já deu. Vou embora.” não consigo entender muito a galera que fica e reclama.

  21. Desde semana passada tava pesquisando o preço de uma TV, na sexta passada ela tava em R$ 2100, no gráfico do Buscapé mostra que em dezembro chegou a R$ 1800. E agora desembestou a subir! Nas promoções aparecem como R$ 2200, e hoje o preço normal marca com R$ 2800 pra cima!!!

    To aqui pensando se vai vir uma promoção mesmo. Ou se será que é porque com o fim do verão, o preço das TVs aumentam? Qual seria a melhor data pra comprar uma TV?

    1. Sei q em época de grandes eventos esportivos, as vendas aumentam. Mas notei tb uma elevação geral do preço dos eletrônicos. Pra mim é a fórmula impostos + ganância + variação de mercado + dólar, q nos ferra legal.

    2. acho que li no Lifehacker uma vez…
      a melhor temporada pra comprar eletrônico é entre Junho e Outubro…,pega-se os preços mais baixos com a limpa de estoque…, as lojas precisam vender os ‘velhos’ para colocar os lançamentos.
      são modelos ‘desafasos’, mas ainda muito bons.

    3. acho que li no Lifehacker uma vez…
      a melhor temporada pra comprar eletrônico é entre Junho e Outubro…,pega-se os preços mais baixos com a limpa de estoque…, as lojas precisam vender os ‘velhos’ para colocar os lançamentos.
      são modelos ‘desafasos’, mas ainda muito bons.

      1. o problema é q no brasil, eu acho, não tem essa lógica de ‘limpar o estoque’, por como aqui as coisas não giram muito em termos de venda, a gente, qdo vai numa loja, vê aparelhos velhos ao lado de novos com preços relativamente próximos e se vc for na onda do vendedor ou comprar sem pesquisar muito, mesmo online, acaba dançando… nosso capitalismo é bem do torto. acontece o mesmo com outros segmentos, como o da moda, q, se vc for ver, faria ainda muito mais sentido despachar o velho por preço baixo.

        1. acho que é a cultura do mercado diferente.
          pela minha experiencia com o clientes vejo que os caras colocam pelo menos 100% de margem de lucro.
          poxa, os caras poderiam pôr 30% e vender muito mais!

          1. sim, ganância total isso. 100% é um lucro exorbitante q só se justificaria do ponto de vista capitalista se fosse uma mega novidade e q ninguém tem, mas cobram isso em coisas banais e eu acho q isso fode totalmente a economia de um país – fora os impostos q tem o destino q já sabemos. mas se vc for ver, cartão de crédito cobra juros de 400% ao ano. é a nossa sociedade q está conformada com isso, então…

    4. Comprar coisas, principalmente na WEB é um jogo de paciência, tenho minha lista de produto com as característica que quero, espero o momento certo, já teve caso que levei três meses para comprar um TV.
      Dica! Siga o tópico de promoções do Hardmob e o Gatry, lá você tem boas chances de fazer aquela compra esperta.
      Graças ao Gatry economizei 600 na lavadora de roupas e 850 numa lava e seca para o meu irmão.

    5. Comprar coisas, principalmente na WEB é um jogo de paciência, tenho minha lista de produto com as característica que quero, espero o momento certo, já teve caso que levei três meses para comprar um TV.
      Dica! Siga o tópico de promoções do Hardmob e o Gatry, lá você tem boas chances de fazer aquela compra esperta.
      Graças ao Gatry economizei 600 na lavadora de roupas e 850 numa lava e seca para o meu irmão.

      1. Não conhecia estes sites que você citou, parece ser bem interessante.

        Valeu pela dica!

    6. agora que você comentou eu acabei me ligando, mas no ano passado, periodo setembro/dezembro eu via MUITAS promos de TV’s, todo dia, sempre, mas ultimamente não tenho visto muitas não, ta bem estranho mesmo os preços.

  22. Desde semana passada tava pesquisando o preço de uma TV, na sexta passada ela tava em R$ 2100, no gráfico do Buscapé mostra que em dezembro chegou a R$ 1800. E agora desembestou a subir! Nas promoções aparecem como R$ 2200, e hoje o preço normal marca com R$ 2800 pra cima!!!

    To aqui pensando se vai vir uma promoção mesmo. Ou se será que é porque com o fim do verão, o preço das TVs aumentam? Qual seria a melhor data pra comprar uma TV?

  23. Acho que já perguntei isso aqui, mas aproveitando o gancho da última má notícia para o Windows Mobile, será que o pessoal de tecnologia não tenta se auto-enganar com uma premissa de objetividade nas discussões?

    É meio que proibido você falar: eu gosto de X porque sim, não tenho uma boa justificativa. Você pode achar o Windows Mobile legal sem qualquer motivo explicável, assim como muito de nós escolhe torcer para um time de futebol independente dele ser vencedor ou não. Me cansa ouvir os malabarismos “”objetivos”” dos fans para justificar tudo: “atende minhas necessidades”, “é bom para o mercado” , “no futuro acontecerá X que irá chamar os devs” e assim por diante…

    Entendo que há uma questão toda em volta de “torcer por empresas privadas” e “espelhar produtos em sua personalidade”, mas não é negando a realidade que se resolve esse problema. Para começo de conversa, se não existisse o mínimo de conexão emocional, não existiria tantas pessoas discutindo (eu incluso) SOs, smartphones, empresas de tecnologia…talvez seja o caso de admitir que se gosta de tecnologia per si. Muitos não enxergam tecnologia como meio, mas como fim de interesse em si.

    Acho preocupante como sociedade, mas não estúpido ser torcedor da Apple ou Microsoft. Não mais estúpido que ser torcedor de futebol.

    1. Na real eu estendo a estupefação aos times de futebol — entendo, como entendo o apreço por empresas privadas, o que existe por times, mas não consigo ter o mesmo sentimento declarado.

      E pode soar paradoxal, mas concordo contigo de que não existe opinião imparcial ou livre da paixão, em menor ou menor grau, consciente ou subconsciente. Falando por mim, pelo menos: muitas das minhas preferências por produtos passam por critérios totalmente subjetivos. Um dos desafios no Manual, aliás, é traduzir essas coisas para texto (de uma forma conciliada às informações tangíveis, aos dados objetivos). Porque embora análise de mercado e preferências pessoais sejam bem diferentes, elas se completam de um jeito legal, talvez até necessário para o que é proposto aqui.

    2. eu acho absurdo alguem defender marcas de forma tão ferrenha.
      parece que a pessoa precisa auto afirmar as escolhas e gastos que fez na empresa. e pior que isso não limita-se ao meio tecnológico.

      1. Concordo. Utilize o seu dispositivo de preferência e seja feliz. Discussões de superioridade das marcas não levam a nada. Acho q o tempo gasto em “qual é melhor”, poderia ser substituído por “como usar melhor o dispositivo”.

    3. Eu gosto do Windows Phone e só. Também não vejo, hoje, razão pra ficar justificando assim, do nada. Simplesmente simpatizo hahahah.

    4. Desconfio q a analogia com esporte e mesmo com futebol não caiba por conta das tradições envolvidas e outros aspectos sociais. A paixão pelo esporte mobiliza outros sentimentos e desemboca num apalco de jogo… Diferentemente dos Bates entre empresas q até pode ser visit como jogo estratégico, mas ainda asim é uma analogia ao jogo… O interesse em tecnologia vem mais depois da eletricidade.
      .. Já existia invenções antes claro, Leonardo da Vinci q o diga, mas essa paixão por tecnologia mimetiza o jogo e não o contrário, eu acho.

      Torcer por uma empresa não é totalmente estranho, afinal há times q ostentam marcas (o redbull, por exemplo). Eu Nito q as marcas se apropriam do espírito esportivo. E o exemplo máximo é a nike. Adidas e Nike são o verdadeiro embate na copa do mundo? Tem gente q acha q isso… Pra mim é só nacionalismo travestido de esporte provido por grandes marcas…

      1. A ideia era só comparar o tipo de comportamento, o futebol é o exemplo mais imediato. Poderia ser qualquer outra atividade que envolve uma relação passional, seja carros e política para (infelizmente) muitos. Eu entendo melhor a ideia de torcer para um time futebol do que para empresas, há muita coisa boa envolvida nesse processo de torcer para time de futebol que não vejo em torcer para empresas de tecnologia, apenas acho que o conceito é similar…mas o julgamento social dado é exageradamente diferente.

        Eu gosto de futebol de forma similar ao que as pessoas chamam de “correto” para tecnologia: acompanho vários campeonatos diferentes, assisto jogos de outros times e, apesar de corintiano, não me importo tanto assim com o meu time em especial. Para você ver, nunca fui na Arena Itaquera e nem estou tão ansioso assim. Por outro lado, muitas pessoas gostam mais de seu time que de futebol como esporte e tudo bem, é até admirado esse tipo de comportamento. Eu que sou o estranho no ninho por não me envolver de forma tanto com time e mais com o esporte em si, em tecnologia, a relação é inversa: o cara estranho é o desprezado fanboy.

        A priori não acho grave estar relacionado com empresas ou não seu objeto de paixão, ironicamente, eu discordo sobre empresas privadas em uma ideia que tanto direita e esquerda concordam: empresas privadas são ferramentas que pensam apenas em lucro, sem qualquer julgamento de valor ou filosofia, apenas a busca pelo lucro norteia tudo. Acho meio cínico demais isso, simplista e conveniente, então não sou do tipo que acha que torcer por uma organização privada seja um problema…mas claro que vale a reflexão.

        1. Isso me faz lembrar daquela imagem tradicional do jogador de futebol, recém contratado, q enqto não veste a camisa do clube, é um ninguém. Algumas pessoas, me parece, mesmo não sendo funcionárias da empresa x ou y (qdo a Perdigão comprou a Sadia, dois funcionários da empresa, brigaram no meio do corredor de um supermercado, por conta da rivalidade das duas empresas q sempre existiu e q agora não podia existir mais), de certo modo, vestem a camisa da empresa da qual são fã e ficam nessa de torcer pra valer. Aquele evento da MI me surpreendeu pacas, porque, como pode aquilo? É bem curioso… Qdo alguém torce por um time, de futebol no nosso caso, isso costuma vir de família e tal… No meu caso, sou palmeirense por conta do meu pai, q, no caso dele, foi contra a família, totalmente corinthiana. Mas ele cresceu sem o pai, então, tinha um motivo extra pra se rebelar ao modo dele.

          A paixão por uma marca, qdo ganha esses contornos de torcida de clube, a mim, parece algo artificial até certo ponto, já q falta justamente esse embate com dia e hora marcada e q, assemelhados a uma guerra, tem regras e um objetivo: a vitória, a glória. Vale o mesmo, por exemplo, em corridas de carro. Vc pode se identificar mais com um piloto e tanto faz a equipe da qual ele faz parte, mas há fãs fanáticos da Ferrari… A Ferrari faz carros, essencialmente, e tb compete em corridas, mas o negócio deles é vender carros. As corridas, desconfio, não são a prioridade. Mas a turma não quer saber só dos carros, quer saber das vitórias da marca em relação as outras marcas. Acho q nesse caso a mistura entre marcas e torcida é mais parecida com essa q vc aponta no mundo da tecnologia.

          Há valores subjetivos, claro, q fazem fulano escolher X e não Y e às vezes não passa disso, dos valores subjetivos (sendo até em alguns casos fonte de prejuízo ou pior desempenho dependendo da escolha). Se alguém defende um marca de fabricante de eletrônicos com unhas e dentes, pra mim, isso sempre vai soar estranho, pq esse cara, provavelmente, está preenchendo um vazio já q não se identificou com nenhum esporte ou equipe esportiva, por exemplo.

          Pra ser sincero, a formação da identidade é tão complicada, q qdo um cara se associa a uma marca (a Apple, por exemplo, q é sinônimo de sofisticação e eficiência) ele me parece estar mais interessado nisso, nesses valores, e associá-los a si e pertencer a um grupo X q tem produtos tais e tais e todos se reconhecem ali. Costumam dizer q é só pelo status q as pessoas compram um iPhone, mas me parece simplista.

          Dá uma olhada nisso:

          Os seguidores, como a palavra sugere, são os consumidores que se identificam fortemente com o mito da marca. Confiam no mito como numa panaceia para o desejos e ansiedades do dia-a-dia. Em resultado, tornam-se devotos do disseminador do mito – a marca – porque ele atende aos seus anseios de identidade e age como um norteador moral. Nos capítulos anteriores, para simplificar a exposição, deixei implícito que toso os consumidores são seguidores. Isso, certamente, não é verdade. Ainda assim, os seguidores formam o núcleo da base de consumo do ícone, pois são os que mais valorizam o mito.

          p. 148.

          (…)

          Vemos agora por que é tão importante, para as marcas-ícones, usar o conhecimento de causa e a fidelidade para fixar uma posição autêntica no mundo populista. Se não o fizerem, os insiders [um tipo de fã específico] prontamente classificaram a marca de traidora. Por outro lado, quando as marcas-ícones se revelam proficientes em suas expressões populistas, passam a ser reconhecidas como colaboradoras desse mundo e os insiders não apenas as acolhem como as legitimam tornando-se seus defensores. A Apple e Nike são excelentes exemplos. O papel primário dos insiders não é gerar renda, mas conferir legitimidade. Os insiders atuam como líderes de opinião, posicionados para exarar julgamentos competentes sobre a marca de fato possui caráter populista ou apenas finge que o possui para lucrar.”

          p. 154.

          Tirei essas passagens do livro “Como as marcas se tornam ícones”, do Douglas B. Holt, e tem umas sacadas boas especialmente no capítulo 6: “Como administrar a lealdade da marca como uma rede social”. Talvez possa lhe ser útil. :)

    1. Entre 2010 e 2011 passei por essa fase de descoberta e deslumbramento com a ideia. Visitava mais os blogs do Leo Babauta (que, hoje, vejo como alguém meio extremista) e, embora ainda ache que a filosofia de vida tem alguns pontos bem bacanas, segui-la à risca traz mais transtornos do que benefícios — algumas exigências mais avançadas caem naquela do minimalismo pelo minimalismo, sem justificativas plausíveis ou ganhos reais em qualidade de vida.

      1. Sim, eu não seguiria à risca todas as “exigências” pra ser 100% minimalista. Vejo mais vantagem em pegar certos pontos e sugestões dessa filosofia e aplicar na vida, sabe? Tipo o desapego com algumas coisas, a diminuição no consumismo e tudo mais.

    2. cara, nem sabia que isso existia, hahaha.
      mas não foge muito do que eu faço.

      1. Curto demais ele também, mas toda vez penso NO QUÃO IMENSAMENTE RICO ELE É. AKA: REVIEW DE MERCEDEZ BENZ.

        1. Eheheheheh pode crer. Ele me parece meio obcecado, tudo o que ele faz, lugares que ele frequenta, come, tem um estilo minimalista. Assusta um pouco :)

        2. o site tb me faz ver q fotos isoladas ajudam o minimalismo a ganhar forma, junta tudo o q esse cara compra no mesmo plano e me diz se ele é minimalista ou um colecionista de um determinado tipo de estilo…

          1. hum… então ele tem esse trampo de ficar vendendo as coisas.

          2. hum… então ele tem esse trampo de ficar vendendo as coisas.

        3. Toda hora ele tá viajando pra ásia, tomando whisky e comendo em sushi de 300 dólares o menu.

          1. com tantos cavalos no motor, o minimalismo disse adeus. um três cilindros ou um elétrico seria mais a cara, não?

          2. com tantos cavalos no motor, o minimalismo disse adeus. um três cilindros ou um elétrico seria mais a cara, não?

    3. Muito! Cada vez q posso me livro de coisas q não uso e tento ficar só com o básico do básico. Algumas coisas novas aparecem e tento e usar aquela regra de descartar algo velho. Só não tenho como fazer isso exatamente com livros, q se acumulam mais e mais…

      1. livros eu parei de comprar. primeiro preciso ler um monte de coisa.
        o unico que tenho interesse é o proximo capito das cronicas de gelo e fogo.

        1. É… é meio uma compulsão, colecionismo e o desejo de ler tudo (algo impossível). Eu gostaria, por exemplo, de falar todas as línguas e nem por isso me matriculo em todos os cursos disponíveis… Mas como um livro é só pegar e pagar (qdo não existe a possibilidade, rara, de pegá-los de graça), a coisa parece não ter fim. Ainda bem q compro digitais, senão… Minha casa está em reforma, daí q os livros estão empilhados no chão, estou cercado por eles aqui.

          1. Eu ainda não consegui comprar um e-reader (os Kobos só sobraram os bem caros!) mas, quando comprar, logo me livrarei de grande parte dos meus livros. Acho que é mais questão de eu me adaptar à leitura virtual. Os meus livros estão empilhando aqui cada vez mais (e já comprei mais 2, haha).

          2. É o q eu fiz, vendi livros impressos, ainda não lidos e já lidos, e comprei a versão digital qdo há. Só não optei por leitor como o Kindle, pq não acho necessário pra mim, comprei um tablet bom, mas usado, por 500 mangos e estou satisfeito com isso. Estou lendo o próximo livro do clube de livros nele, o ‘Teoria do drone’ e vai suave. E a possibilidade de marcar o texto com cores diferentes é ótima. E dá pra fazer notas etc… muitas vantagens.

          3. Não sei se teria coragem de me desfazer dos livros impressos.
            fico pensando quando eu tiver uma prole, eles não ter curiosidade de usar o kindle para ler

          4. tem uma pilha aqui de livros da cosac q corri comprar. espero ler todos um dia.

          5. tem uma pilha aqui de livros da cosac q corri comprar. espero ler todos um dia.

        2. Estou na mesma que você.

          Nos últimos 2 anos comprei mais de 200 livros físicos. E não funciona muito bem, principalmente para quem mora em apartamento.

    4. Seria o minimalismo uma aversão a “bagunça organizada” de cada um ou conscientizar-se de que você pode viver com menos?

      Será que as pessoas que tentam ser “minimalistas” com os gastos mais altos, estão sendo minimalistas?

      1. Tenho a impressão de q algumas empresas tiram proveito disso, de q o menos é sofisticado e vai sair caro, daí o alto custo com algo q deveria ser o contrário, já q prima pelo essencial.

      2. “Será que as pessoas que tentam ser ‘minimalistas’ com os gastos mais altos, estão sendo minimalistas?”

        Totalmente. Minimalismo não é voto de pobreza, é viver com menos (quantitativamente). Com frequência, um produto convergente de melhor qualidade substitui um monte de outros ruins, além de te fazer comprar menos do mesmo, já que o prazo de validade dos produtos melhores costuma ser maior.

        1. Um franciscano é um religioso minimalista! Vi um quadro uma vez, q infelizmente não lembro o autor, no museu de arte sacra, e era um encontro de um franciscano com um religioso do vaticano. era o encontro do minimalista com o ostentação.

        1. Então, acredito que ela decidiu usar 2 éles pelo fato de ter o domínio minimallista.com.br disponível. Acredito que pesou bastante na decisão do nome.

    5. Eu sou minimalista dentro do meu parâmetro de razoabilidade.

      Roupas/calçados: tenho poucas de cada tipo. Por exemplo, apenas 2 cintos (1 de couro e 1 de corda), 1 tênis, 1 bota, 1 chinelo, 3 camisas, cuecas e meias apenas o suficiente para passar a semana (mais uma ou duas de reserva), 2 calças jeans.

      Eletrônicos: 1 notebook, 1 smartphone, 1 tablet. Pretendo aposentar o tablet até o final do ano, mas até lá ele ainda me ajuda na faculdade. Nada de videogame, nem e-reader, nem smartwatch/smartfit.

      Aplicativos: tento ter apenas um para cada função (se po$$ível, o melhor), tanto no computador quanto nos dispositivos móveis. Não tenho nem 2 páginas de apps no meu celular, contando aí os nativos que não podem ser apagados.

      Finanças: conta em apenas 1 banco, e apenas 1 cartão de crédito na carteira (do Nubank, não do meu banco). Aliás, minha carteira contém apenas a CHN, o cartão Nubank e uma nota de dinheiro de emergência, caso algum lugar não aceite cartão.

      Bolsa/mochila: em geral levo apenas um “caderno” (folhas de fichário presas com clipes, dentro de uma pasta fininha), o estojo (com apenas 1 caneta preta e 1 azul, 1 lapiseira e 1 borracha), o tablet (para ler livros e apostilas na aula) e o celular. O notebook só quando vou fazer algum trabalho, senão fica em casa.

      Higiene/”Beleza”: apenas 1 desodorante e 1 perfume. E 1 talco para os pés, porque suo bastante.

      1. Não ligo muito pra roupas, prefiro as confortáveis e tal.. E acho um saco ir comprar roupas. É a coisa q mais me desagrada, na verdade.

        1. Eu detesto comprar roupas e calçados. Às vezes, no caso de marcas mais conhecidas que eu já sei o tamanho, acabo até comprando pela internet. Sou cliente habitué da Netshoes, haha

          1. apesar q as vezes vale dar um pulo em outlet. pelo menos vou no da adidas e da nike. no da nike consegui um tênis por 60 reais. como é pra pedalar, não pode ser lá grandes coisas pq vai detonar logo.

        2. Eu ligo e acho um saco comprar, justamente porque eu ligo haha

          Eu sou muito baixo e magro, então é difícil achar algo que me agrade e acho um saco ser atendido em lojas de roupa…principalmente vendedor chato que empurra qualquer coisa para você.

          1. ah cara, detesto loja onde o vendedor te atende. poxa, deixa eu ver as coisas com calma. se eu precisar de ajuda eu chamo! =P
            quando compro eu opto pela Renner pra roupas e Pittol pra calçados. São as lojas com vendedores menos intrusivos.

          2. Tipo quando você está andando pela loja e aquela sombra caminhando atrás de você, mas que não é sua haha

          3. Comprava coisa na Renner, só q ficou careira depois q abriu o capital na Bovespa.

          4. Eu sou muito desleixado com roupa e qdo acho uma marca q me serve bem, insisto nela. Ultimamente tenho usado muita coisa da adidas, pq serve bem , é confortável e vende pela internet. Tem jornal dizendo q tá na moda usar roupa de academia no dia-a-dia… Faço isso há anos.

          5. Ainda bem que existe a internet né? imagina antigamente, ter que ir só em loja pra comprar, que terrivel… AHHAH
            E outra dica (não é bem dica, pois todo mundo ja sabe né), é ir em lojas de departamento grandes como C&A, Renner, Riachuelo, Forever 21, etc. Hoje em dia elas vendem umas roupas que condizem muito mais com a realidade e com o que as pessoas tem usado, e não apenas aquela “adivinhação”, tipo antigamente quando tinham umas roupas feias abeça nas lojas, mas na cabeça das lojas os “Jovens” estavam usando, então ta valendo muito comprar nessas lojas hoje em dia.

          6. Eu não costumo comprar roupa na internet, só se eu conheço a marca e o modelo, já comprei umas duas vezes e não gostei muito…sou meio fresco mesmo. :(

            Eu compro quase tudo na Renner e Zara ultimamente, calças eu dou uma olhada na Calvin Klein também que são muito boas. C&A as peças são muito grandes para mim e Riachuelo acho muito mal feito, na Renner tem uma marca Request que pego tudo de lá quase…estilo minimalista. Aliás, hoje mesmo peguei umas camisetas na Renner e na Zara. Não sabia que Forever 21 vendia roupa masculina, pelo menos nunca vi nada quando passei na frente…darei uma olhada um dia.

          7. Eu não costumo comprar roupa na internet, só se eu conheço a marca e o modelo, já comprei umas duas vezes e não gostei muito…sou meio fresco mesmo. :(

            Eu compro quase tudo na Renner e Zara ultimamente, calças eu dou uma olhada na Calvin Klein também que são muito boas. C&A as peças são muito grandes para mim e Riachuelo acho muito mal feito, na Renner tem uma marca Request que pego tudo de lá quase…estilo minimalista. Aliás, hoje mesmo peguei umas camisetas na Renner e na Zara. Não sabia que Forever 21 vendia roupa masculina, pelo menos nunca vi nada quando passei na frente…darei uma olhada um dia.

          8. Entendo isso de comprar roupa na internet, hoje em dia compro mais só pela “exclusividade”, pois ja cansei de ver gente na rua com a mesma roupa que eu compro na Renner, e é no minimo engraçado… AHHAHAHAH
            E sim, a Forever 21 vende roupa masculina, acho que la é uma pegada meio Zara, vende umas coisas bem legais, F21 e Renner são as que eu mais indico hoje em dia.

          9. Poxa, tb não sabia q a Forever 21 vende roupa masculina… Tem uma na Paulista agora. Vou aproveitar qdo a esposa for lá pra ver o q tem. Mas sou muito muquirana com roupas, então… não pretendo gastar muito com isso.

        3. Também detesto! Nos últimos anos eu descobri uma ótima técnica: Entrego à minha irmã mais nova a palmilha de um tênis, ou uma camisa ou uma calça para referência de tamanho e ela, que adora bater canela em shopping, compra aquilo que sabe que eu vou gostar dentro do orçamento pré-estabelecido que dou a ela! É uma maravilha!

        4. Acho uma bosta também, pior parte são os atendentes, atualmente compor 80% pela internet.

          1. como compro pouco roupa, estou quase nesse placar. estou pra comprar uma calça jeans há meses – tem q ser na loja mesmo – e até agora não arranjei saco pra isso…

          2. Calça jeans tem uma loja outlet aqui que o vendedor não enche o saco como já sei meu número é modelo que eu gosto eu chego lá pego umas três e só volto em uns 2 anos.

        1. Acho que a escolha dos móveis foi infeliz e os vasos de flores também não ajudam, mas gosto de ambientes assim, mais utilitários e com menos coisas. Meu apartamento segue essa linha.

        2. Acho que a escolha dos móveis foi infeliz e os vasos de flores também não ajudam, mas gosto de ambientes assim, mais utilitários e com menos coisas. Meu apartamento segue essa linha.

        1. pô, gente… dá até pra jorgar bola aí… os vasos serviriam de trave.

    6. Me amarro nisso também. Minha mesa tem o mínimo possível para manter a produtividade também.

    7. Acho que a palavra que me define não é minimalista, sim preguiçosa, sou mulher, ok, mas não gosto muito de comprar roupas. Compro na necessidade, pra falar a verdade vou na loja procurar exatamente o que quero, não sou dessas que vai pra comprar um sapato e sai com vestido, jaqueta e afins. hahaha

    8. A maneira como a palavra é usada hoje me incomoda um pouco.

      Embora eu não ache que as palavras têm seu sentido (supostamente) original “deturpado” — já que a língua é um fenômeno vivo e mutável — vale a pena olhar um pouco para a trajetória dela. Os primeiros usos da palavra surgiram (até onde eu sei) para se referir à obra de um conjunto de artistas plásticos estadunidenses posteriores à febre do expressionismo abstrato, nos anos 1960. Fortemente associados à cena cultural novaiorquina, Donald Judd, Sol LeWitt, Dan Flavin e Frank Stella, entre outros, ficaram conhecidos por uma produção artística que desafiava os limites protocolares dos usuais suportes tradicionais da arte (desenho, pintura, escultura, limites estes que sequer as vanguardas de fato desafiaram, com exceção dos dadaístas), sem, no entanto, partir para a experimentação pop de artistas como jasper johns e similares. Não só desafiavam os limites dos suportes como questionavam os espaços protocolares para a realização artística (galerias e museus), produzindo obras ou inerentes aos espaços nas quais eram expostas ou que os questionavam plasticamente. Era um grupo muito distinto, porém (eles mesmos não se consideravam um “grupo” ou um “movimento”), mas o rótulo “minimalista” acabou pegando (rótulo este que até mesmo os desagradava).

      Este rótulo acabou muito associado às formas geométricas básicas e elementares usadas por alguns daqueles artistas (particularmente Judd e LeWitt). No entanto, “minimalista” também era frank stella, que fazia coisas como estas:

      Com o tempo, a expressão acabou sendo usada, grosseiramente (fora do contexto da história da arte), para se associar a outros artistas e movimentos que não tinham NADA a ver com o minimalismo americano, como o De Stijl do início do século ou até mesmo a arte concreta brasileira.

      O problema se complicou quando se resolveu associar este rótulo a certa arquitetura contemporânea que pretendia se distanciar dos delírios pós-modernos — e, por extensão, às obras modernas que as inspiraram, em maior ou menor medida, como as coisas do Mies van der Rohe (que está muito longe de qualquer forma de “minimalismo” — pelo menos no sentido que vinha sendo trabalhado). O uso da palavra assumiu um caráter mais cosmético, superficial. O problema é que este uso da palavra é bastante ilusório: tentando sugerir economia de recursos, sobriedade formal e ascetismo espacial, na prática o que este “estilo” (e uso a palavra de forma bastante grosseira) apresenta é uma cenarização extrema de um suposto ascetismo técnico que demanda imensas pirotecnias construtivas para ser atingido.

      Não que eu veja qualquer problema nessas pirotecnias ilusórias — pelo contrário, acho até um fenômeno interessante. Mas o problema está neste uso da palavra que me parece ingênuo — ou, no mínimo, ignorante de uma trajetória bem mais problemática. Mas, enfim, posso estar apenas sendo ranzinza.

  24. Aquele momento que você pensa. Já é sexta! :|
    A minha semana pareceu mais um lançamento da SpaceX, rápido e com poucas chances de retornar com sucesso (ao menos uns tempos atrás).

    Queria desabafar aqui, sobre como uma falta de planejamento financeiro pode nos chatear. Fui convidado para ser padrinho de casamento, do nada, amigo de infância. Não tendo como recusar – e nem me passou pela cabeça -, aceitei. Eis que ai, vieram os gastos: Terno + Sapato e Presente. Junto a isso, os gastos da auto escola (na minha cidade é uma luta tirar a CNH) e fatura do cartão.

    O que me deixa, triste/chateado, é que você tenta juntar grana pra comprar algo – tecnologia anda um absurdo de caro -, não compra por “enrolar” e acaba gastando o dinheiro com outra coisa. Enfim, Sexta da depressão. Mas desejo um bom dia a todos vocês. :(

    1. Vejamos as coisas pelo lado bom: terno e CNH são gastos que perduram bastante. (Também estou em vias de ter que comprar um terno, mas o que eu tenho, já bem surrado, serviu por mais de dez anos.) O presente é, numa análise fria, “gasto perdido”, mas é por uma boa causa — a alegria do seu amigo de infância.

      O que todo economista diz e acho que funciona é fazer a reserva antes de incorrer em gastos. Ou seja, caiu o salário, já reserva 10% ou 20% para investir e desconsidere esse valor — considere, para fins psicológicos, o investimento como um “gasto”. Como alguns fundos têm carência, de repente essa restrição acaba até servindo para te educar a não mexer nessa grana nos primeiros meses. Com o tempo isso se torna automático e, dependendo do montante, começa a render legal. E aí é uma bola de neve — das boas! — que só te beneficiará no longo prazo.

      Ok, sei que é um pouco utópico, mas só um pouco. Com planejamento, dá.

      (Cadê o amigo do novo site de investimentos… que está para chegar… para nos dar uma ajuda aqui?)

      1. E o que pode ajudar e muito nesse planejamento financeiro é o uso de uma planilha de receitas e despesas.
        Comecei a utilizar faz uns 2 anos e os resultados foram super positivos, agora sei quanto eu recebo e quanto posso gastar, já que lanço todos meus gastos no inicio do mês, nunca mais caí no poço do cheque especial e aplico pelo menos 10% de minha renda todo mês.
        Recomendo essa prática a todos, basta ter um pouco de disciplina.

        1. eu comecei a fazer isso no fim de ano. já da pra sentir que sobrou mais pra coisas que eu precisava.

      2. Sempre guardo uma parte do salário na poupança, mas é aquela grana de emergência, nem gosto de mexer nela. O problema começa quanto tem que organizar o que sobra. Me perco em alguns gastos.

        Mas é isso, a gente sempre tira uma lição. Agora é me organizar melhor e quem sabe investir em algo além da poupança, pode ser uma boa.

          1. Eu me inscrevi na easyinvest pra comprar aquele lance de tesouro de direto (já comprei 100 incríveis reais em títulos, estou esperando ficar rico com isso!). Eles não cobram taxa de administração pra isso e parece ser uma boa.

          2. Eu comprei alguns títulos de LCI (juntos com a LCA, são isentos de Imposto de Renda!) uma vez na Órama, que também não tinham taxa nenhuma. Renderam uns 6,5% em 6 meses.

            O legal é que nessas empresas você sempre pode estimar o ganho futuro. Os títulos mais vantajosos são para 3 a 5 anos, mas daí acho o prazo grande demais. Não consigo deixar meu dinheiro trancado por mais de 1 ano, lembrando que a LCI/LCA (pelo menos lá com a Órama, não sei se isso é uma regra geral) não pode ser resgatada antes do vencimento.

          3. fiz o primeiro gasto pra ver como era e é simples. e estou tentando fazer algo pra velhice mesmo, afinal, estou com 35, e os 65 não estão tão longe assim.

            vou dar uma olhada nesses LCI. eles ainda existem?

          4. Existem sim, na verdade as LCI são praticamente idênticas às LCA (em taxas, rendimentos, isenção de impostos…), e ainda existem os LC e CDB tão vantajosos quanto, mesmo quando possuem alguma taxa ou imposto.

            Se é algo mais voltado para a velhice, acredito que não seja problema comprar títulos de longo prazo, e eles rendem mais (alguns chegam a 18% ao ano!).

          5. Quanto menor o banco, maior a taxa do LCI/LCA que eles pagam. Há bancos que pagam até 120% do CDI. O LCI/LCA geralmente é atrelado à CDI, portanto, quanto maior o percentual, melhor.
            Em tempos de juros altos, a CDI é maior.
            Dá uma olhada no SISCOB.
            E não importa se o banco é pequeno, pq o fundo garantidor de crédito (FGC) garante até R$ 250.000,00 se o banco quebrar.

          6. Isso do resgate é carência. Por isso eles conseguem taxas melhores. A carência mínima em LCI/LCA é 90 dias.

    2. corte gastos desnecessários.
      mas quando precisar de algo, como o terno e a CNH pense no benefício deles ao longo do ano.
      ontem eu estava insistindo pro meu chefe comprar um bom capacete de moto. isso custa entre 400 e 500 reais, mas se for ver nos 3 anos de uso (no minimo) voce gasta menos de 15 reais por mês num item essencial de proteção.

      1. CNH é investimento, porque uma vez com ela, só uma catástrofe para fazer perder. A minha saiu o dobro do que deveria, por conta de retestes e aulas extras, mas no fim valeu (e vale) muito a pena. Mesmo que você não vá ter um carro seu (eu até hoje não tenho), sempre pode pegar o dos pais, esposa, marido, empresa…

        1. isso mesmo. eu fiz a minha de motocicleta. agora só falta a motocicleta. hehehe
          dirigir pra fora da cidade é muito prazeroso.

    3. Eu to numa situação parecida. Um casal de amigos resolver casar em janeiro e fui padrinho. Já sabia que eles casariam, mas não agora. Terno já tenho e presente já tinha dado (eles moram juntos há algum tempo). Gastos com jantares/almoços e passeios porque recebi a notícia em dezembro que eles se mudarão do país. Planejamos viajem no meio do ano já. E lá se vai mais dinheiro além do esperado.
      Pra completar, fiquei noivo. Gasto com anel.
      Dezembro e janeiro, sempre que posso, pago as contas anuais a vista. Prefiro me apertar esses meses e ficar livre o resto do ano.
      Em tempo de dólar alto, gastei (e vou gastar) muito além do que deveria esse ano. Ainda mais levando em conta que pretendo comprar algum lugar pra morar rs.
      É meio desesperador.

      1. ah eu tambem paguei minhas contas do ano. não quero nem saber de parcelar IPTU. hahaha

    4. Estava eu, pimpão, no shopping, com a esposa, e ia comprar algo pra mim. Era véspera de natal. Mas nesse shopping, fica um cara, totalmente sem grana (eu não sei como os seguranças não o expulsaram ainda) e vi q ele estava com tênis muito surrado. Fui lá, deixei de comprar algo pra mim, e comprei um tênis pro cara. Foi caridade mesmo. O cara aceitou, ficou feliz, e eu tb fiquei. É diferente do seu caso, do presente ao amigo de infância e gastos com roupas especiais pra eventos formais, mas é algo parecido. Esses desvios são normais, eu acho, fazem parte do imponderável, pq, convenhamos, por mais planejamento q vc faça, não dá pra prever tudo.

Os comentários deste post foram fechados.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!