Post livre #44

Mais uma sexta, outro post livre liberado. Você já sabe (acho), mas não custa lembrar (caso não saiba): trata-se de um post sem conteúdo, apenas para abrir os comentários, onde conversamos sobre assuntos diversos até domingo à noite.

O Manual do Usuário é um blog independente que confia na generosidade dos leitores que podem colaborar para manter-se no ar. Saiba mais →

Acompanhe

  • Telegram
  • Twitter
  • Newsletter
  • Feed RSS

303 comentários

  1. Ótima notícia essa, Rodrigo Ghedin: “Werner Herzog está produzindo um documentário sobre inteligência artificial e Internet”.

    https://www.youtube.com/watch?v=HtEMD4JfVp4&feature=youtu.be

    Esse diretor é fantástico e tenho certeza q o documentário de ser muito bom. Ele fez três q vi q recomendo fortemente pra quem curte documentários:

    1. Grizzly Man (2005)

    Doc sobre o homem urso. É fabuloso, porque boas partes da imagem vem do próprio cara q conviva com os ursos. Ao diretor coube entrevistas, narração e edição.

    2. Cave of Forgotten Dreams (2010)

    Descobertas de pinturas rupestres incríveis e q levam a grandes questionamento filosóficos. Se a filosofia não te interessa, apesar dela ser incrivelmente conduzida pelo Herzog, vc pode ficar só com as imagens q são incríveis.

    3. Into the Abyss (2011)

    Esse aqui é de arrepiar, porque aqueles q acham q a pena de morte é a solução pra determinados crimes, ninguém se imagina como sendo o carrasco, isto é, o cara q vai dar injeção letal nas pessoas. Herzog fala com dois condenados (q sabe-se lá se são mesmo culpados tendo em vista o “ótimo” sistema de justiça americano, e com muitas outras pessoas dentro desse contexto de condenação à morte.

    1. Tava tentando descobrir como essa página veio parar nas minhas abas e eis a origem. Eu li e depois fui ler os comentários… Fiquei um tanto encabulado.

      Mas tb fiquei perdido… não sei q história é essa da ‘diferentona’ e muitas outras piadas ali me escaparam.

      Agora, de fato não sabia q rolava, quer dizer, acho q rola, uma banalização tão grande assim do ato de problematizar algo. Se isso virou piada ou anda sendo feito de modo tosco, lascou… pq, de fato, qdo alguém ter q problematizar algo, não será levado a sério.

      Fiquei um tanto decepcionado com o rumo das coisas, agora…

  2. E essa parada da nova lei do ICMS que gerou videos no YT e textões no Medium?
    Em breve o e-commerce brasileiro morrerá pela inviabilidade burocrática e o preço para se manter?

    1. Mais do que um problema tributário, acho que esse caso do ICMS revela a fragilidade da nossa estrutura federativa.

      1. Já tenho!
        Leio ocasionalmente. Também tenho o da Ellen Lupton, Pensar com os Tipos.

        Tem um da Zahar que é muito interessante porque conta história e causos de certas famílias tipográficas.

        1. sim, sim, tenho essa zahar tb. o da ellen, cara, eu não curti muito… acabei me desfazendo dele.

          1. Temm um dela que to querendo: Tipos na Tela, publicado pela GG.
            Foda que é GG, é sempre 8 ou 80 pra mim.

          2. Temm um dela que to querendo: Tipos na Tela, publicado pela GG.
            Foda que é GG, é sempre 8 ou 80 pra mim.

  3. Semana passada terminei, enfim (e infelizmente), Mad Men. Um professor de TV disse certa vez que Mad Men é a melhor novela que existe porque deixa de lado todos os vícios e partes rasas comuns em novelas. Não sei se concordo, exceto por ser uma trama longa e sem grandes reviravoltas.

    É das melhores coisas que já vi em audiovisual, com uma fotografia impecável, personagens sensacionais e diálogos muito bons. Pessoalmente, os recortes geográfico e temporal da história, a Nova York dos anos 1960, me atraem bastante.

    Alguém mais assistiu?

    1. Estou criando coragem. A temática (ou sobre o que acho que terá na série) em muito me atrai, mas são o quê, 100 horas de dedicação? Puxado, mas já assisti os primeiros três episódios.

        1. 92 episódios, quase acertei.
          Verei então a primeira temporada, se viciar viciou.

    2. Como fã incondicional de Wagner Moura( Homem do Futuro , Tropas 1 e 2, Elysium e afins) fiquei, infantilmente, bravo com o ator principal por ” tirar ” o Globo de Ouro do Pablo Escobar. Mereceu?

        1. Ele inclusive, pessoalmente, teve problemas com bebida se não me engano e isso parece q tinha relação com a série na qual eles viram um copo atrás do outro o tempo todo, além dos cigarrinhos…

          1. É muita bebida e cigarro. Os dois, inclusive, eram personagens do seriado…

      1. Mereceu, cara. Ele encarnou perfeitamente os dilemas existências q um homem na condição dele (dentro do contexto da história q não lhe adianto nenhum pra não estragar qdo vc for ver) teve q encarar. É muito foda mesmo, cara. Se puder reserve um tempo pra assistir. Todas as histórias paralelas à trama principal são ótimas.

        Ah, cara, de todos esses filmes q vc citou, tirando o ‘Tropa 1’, o Wagner Moura fez uma puta atuação no “Cidade baixa”. ‘Praia do futuro’, infelizmente, ainda não vi. Um colega trabalhava no estúdio na Alemanha q cuidou do filme por lá e pode conhecê-lo. Parece q ele é muito gente boa, inclusive.

      2. Já que o assunto é seriado, vcs virão o “Sessão de terapia” na versão nacional?

    3. Comecei assistir bem próximo do lançamento, mas acabei interrompendo na terceira ou quarta temporada (quando eles precisam abrir a própria agência o Draper se casa pela segunda vez etc). Resolvi assistir desde o início porque a série é excelente. Tanto no clima da agência, como no contexto histórico. Só tem praticamente cenas internas, o que é plenamente compreensível pro se passar na década de 60, e valorizaram muito o figurino etc. Mas, cara, q joia rara essa série. Eu diria q até onde vi é impecável. Acho q nunca assisti a mesma série duas vezes, mas essa valia mesmo a pena. Depois de ‘Sopranos’, vem essa em termos de qualidade.

  4. Tinha ouvido algo sobre uma “escola de magia” brasileira que cobra R$ 1.850 dos alunos, mas achei que era exagero ou brincadeira. Parece que não é: http://www.brasilpost.com.br/2016/01/22/hogwarts-no-brasil_n_9052706.html Pior, o “curso” é de apenas quatro dias.

    Tenho muita dificuldade em entender o conceito e as atitudes do fã, mas do fã hardcore, aquele que vai à estreia vestido de cosplay e paga R$ 1.850 para ter um experiência simulada do objeto do seu fanatismo — impossível ser de outra forma quando se trata de uma história de mágicos.

    Isso extrapola em muito o meu entendimento. Vejam, eu admiro várias pessoas e franquias, e não ligo de pagar para ter acesso ou suportá-los (nesses casos, que inclui quem apoio via Patreon, pago com gosto). Mas esse exemplo da “escola de magia”e outros de fanatismo exacerbado extrapolam meu entendimento. Até porque a J. K. Rowling não deve receber um centavo da escola brasileira e… bem, ela já ganhou bastante vendendo livros, os direitos deles para o cinema e em merchandising.

    Alguém consegue explicar, racionalmente, como funciona a cabeça do fã?

    1. Cara, é complicado. Tenho alguns parentes, se não todos psicólogos, versados em psicologia. Pra quem não tem um núcleo familiar fechado, organizado e atencioso, noventa por cento dos espelhos que a criança tem desde o peito se perde. Isso , quando a criança atinge a adolescência, cria uma necessidade de criar espelhos. Pegando seu exemplo, Harry é um órfão deslocado na casa de tios maldosos. É MUITO fácil para um adolescente anolagar sua vida com essa situação do personagem. Mais exemplos podem ser a banda de rock pesado que transforma um anjinho em metaleiro e até mesmo o dono da boca de fumo, que transforma o menino que nunca teve oportunidade em dependente. Quem finalmente encontra esse ídolo, vai fazer tudo por ele( ir aos shows, roubar a mae pra comprar droga etc), e sente necessidade de pagar um curso de magia.

      1. Não me parece que o problema seja procurar ou ter esses espelhos. A gente faz isso o tempo todo; somos seres sociais e, mais que isso, inseguros, tanto que buscamos a validação nos outros e o atalho mais simples para obtê-la é imitando o comportamento dominante do grupo. É natural, até.

        O meu ponto é quando esse desejo de fazer parte é transcendido, quando ele vira uma obsessão por alguém ou alguma coisa — ou, no termo mais correto, quando a afeição vira fanatismo.

        A definição do dicionário aqui para “fanatismo” dá uma dimensão do quão torta é essa ideia em termos práticos: “que se acredita inspirado pelo espírito divino, por uma divindade; iluminado”. Ou seja, é colocar num pedestal um semelhante apenas porque ele faz algo muito bem e, derivado dessa habilidade, tem uma exposição pública maior que a média.

        Tem muita gente, anônima e famosa, que admiro. (Tenho a sorte, inclusive, de trabalhar/ter trabalhado e conhecer alguns.) Mas nunca me ocorreu… sei lá, gritar, ou pedir autógrafo ou qualquer coisa típica de fã perto dessas pessoas. Não estou me colocando como “o superior”, só tentando dar a medida do quão incompreensível, para mim, é esse comportamento/estilo de vida.

        1. Já tive alguns compromissos de trabalho no Rio e tive q almoçar e jantar no baixo Gávea… Muitos atores da Globo vão lá e tal. E é bem normal q eles estejam no mesmo restaurante q vc. Ao lado de alguns, vc mal os reconhece sem maquiagem e figurino (além da aparência irreal q muitos ganham nas propagandas depois de camadas e camadas de photoshop). Não tinha ninguém querendo a atenção deles nem nada… Era bem normal. Eu mesmo só achei curiosa a presença deles. Qdo encontro alguém q admiro por aí eu acho ótimo o fato da pessoa estar viva e se estiver produzindo, ainda melhor. Mas por ter estudado história e ter dedicado um pouco de atenção a história oral, é q há pessoas incríveis anônimas por aí e com coisas muito interessantes pra serem contadas.

          Sobre a formação da personalidade, é bem por aí. Essas referências são bem importantes e podem ser difíceis de administrar.

      2. Cara, não foi vc q comentou q estava entre estudar história ou fazer outra coisa?

        Edit: lembrei, vc estava em dúvida tb sobre fazer direito?

      3. Cara, não foi vc q comentou q estava entre estudar história ou fazer outra coisa?

        Edit: lembrei, vc estava em dúvida tb sobre fazer direito?

        1. Sou eu. Notícias: Amigas minhas fundaram uma ong que visa dar aulas de reforco para alunos da rede publica. Canditatei me na hora

          1. Ótima notícia, diga-se. E, cara, aproveitando q vc tem todas essas referências de psicologia, não seria uma boa área a seguir? Há uma grande escassez de bons psicólogos, já q há muitos q realmente não fazem um bom trabalho. Além de ser uma área muitíssimo interessante e q vc pode seguir pra vários lados diferentes dependendo do seu interesse. Eu a levaria em consideração, mas isso é contigo.

      1. Eu não gosto de café… Meus pais insistiram pra eu tomar, mas nunca gostei.

        1. Nao curtia até sei lá, 21 anos
          Daí agora tanto uma boa cerveja, quanto um bom café quanto um chocolate quente com manjericão

          1. gosto muito de chocolate quente, mas com manjericão eu passo. de onde vem isso?

      2. Gosto de chocolate quente, mas acho chocolate quente mega cremoso overrated. Ano passado conheci com manjericão e hortelã. Que coisa doida, maravilhosa.

  5. (function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = “//connect.facebook.net/en_US/sdk.js#xfbml=1&version=v2.3”; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

    ISSO QUE DA MEXER NO WHATSvai bobo mexer no WhatsApp na hora do trabalho kkkPosted by Thiago e Júnior on Monday, November 30, 2015

  6. Meus agradecimentos para quem indicou Master of None semana passada. Estou assistindo e, apesar da sensação “nada acontece feijoada”, ela traz umas temáticas bem legais. Gostei bastante do episodio dos Pais e Ladies & Gentleman

  7. Há sócios torcedores de algum clube de futebol por aqui? Digo isso porque tenho vontade de ir ao estádio do meu time, recém reformado, e q agora praticamente inviabilizou o acesso ao ingressos senão pela filiação. Eu ia mais frequentemente antes da reforma no Parque Antártica, que agora se chama Allianz Park, não consigo ir sem esse lance de sócio torcedor. Passam pelo mesmo “problema”?

    1. Sinta se sortudo por ser palmeirense. São Paulo não se preucupa nem com ls planos

      1. tá melhorando agora, mas os caras têm as manhas de estregar tudo, então… vai saber.

    2. Sou sócio do Brasil, aqui de Pelotas.
      A modalidade de sócios antiga é 50 reais e acesso a todos os jogos. Os ingressos custavam em média 60-70 no dia do jogo na Série C.
      Esse ano tivemos que pagar check-in pra comparecer os jogos, pois abriu um buraco na arquibancada durante o jogo contra o Flamengo na Copa do Brasil, logo o estádio ficou com capacidade reduzida, menor que o número de sócios.

      Agora com o acesso pra Série B e com as obras pro novo estádio em andamento, não sei como ficará o plano de sócios. Acho que vão diminuir valor e cobrar ingresso mais barato. Mas espero que os sócios antigos possam continuar na mesma modalidade de pagar mensalidade e ter livre acesso. A maior força do Brasil é a torcida, o negócio é ANIMAL aqui. Na Copa do Brasil perdíamos de 2×0 em casa pro Flamengo, íamos ser eliminados. Falta no último minuto. 15000 pessoas gritando, com o coração na boca. Gol e jogo de volta no Maraca com presença de 600 xavantes. Que clube do interior, que em 2013 ainda estava na segunda divisão estadual faz isso? Nem vou comentar dos acessos a elite estadual, Série D, Série C e calar o Fortaleza no Castelão com 60000 pessoas ganhando o acesso a Série B hahahah

      1. poxa, cara. acho q deve estar mais emocionante as séries de baixo, viu. mais pegado e tal… pelo sei bem do q falo, o palmeiras já jogou duas vezes a série b e era sempre, digamos, emocionante. o clube q vc torce é o ‘brasil’?

        1. Sendo um grande fã do mata-mata, e tendo tido a sorte de um ano ganhar o acesso nos pênaltis e no outro vencer de 1×0 a ida e empatar no Castelão na volta com 60000 torcedores e 257 defesas difíceis do goleiro do Brasil sem ter dado um chute a gol, sim a C e a D são emocionantes hahahhah

          Sim, o Brasil de Pelotas. Grêmio Esportivo Brasil. Nós torcedores não gostamos muito do termo Brasil de Pelotas pois seguidamente acabam nos confundindo com o nosso rival, o Esporte Clube Pelotas, ou simplesmente o Pelotas. Mesmo que o Brasil esteja numa Série B nacional, único clube do RS a disputar desde o Juventude em 2008(?) e o Pelotas amargando pela segunda vez seguida a Série B. Estadual hahahah

          O Brasil ficou mais conhecido nacionalmente pelo 3º lugar do Brasileirão(taça de ouro) de 1985, quando eliminou o grande Flamengo do Zico num 2×0 inimaginável em Pelotas. E também ficou conhecido pelo acidente do ônibus da delegação em 2009, matando o maior ídolo da história do clube e mais dois membros da equipe. Naquele ano o Brasil foi obrigado a disputar o Gauchão com jogos a cada 2 dias e sem ter jogadores próprios, vindo jogadores de todos os clubes do estado em doação. Mas óbvio que infelizmente acabou em rebaixamento… Mas hoje o Brasil se reestruturou e com o trabalho do técnico Rogério Zimmermann, no clube desde 2012, conquistou todos os acessos até a Série B e começa a obra do estádio novo no início de fevereiro.

          1. Que interessante, cara. Ficarei atento ao desempenho do clube. A primeira divisão tem emoção, claro, a última q o Palmeiras ganhou do Santos, Copa do Brasil, foi incrivelmente emocionante na disputa dos penaltys… Mas, poxa, desconhecia esse acidente. E, cara, q feito, ganhar do time do Zico não devia ser fácil. Vou dar uma pesquisada. Depois q li o “A dança dos deuses”, do Hilário Franco Jr., passei a me interessar por futebol de outra forma. Valeu pelas informações. :)

    3. Imagina se eu seria sócio torcedor do vascão rs

      Meu tio é do Sport Recife e o cartão deles é lindo demais. Não sei que benefícios isso traz para ele, já que ele em Brasília.

  8. Alguém tem alguma recomendação de uma boa TV de 32”? Já li que alguns modelos de smart tv’s acabam apresentando problemas com o tempo e etc… Enfim, alguma sugestão de marca/modelo?

    Vlw!

    1. Cara, estou satisfeito com a qualidade de imagem de uma LG aqui de casa. não é FHD mas não deixa a desejar: bom contraste, ótimos ângulos, aquela coisa toda de painel IPS.

      É smartv web os e só uso o Netflix. Dá pra espelhar ele e YouTube na TV de boas..

    2. Compramos recentemente uma Semp 32″. Ela é Smart LITE, então tem acesso só a YouTube e navegador web(nem Netflix tem). Vale mais a pena comprar uma normal e plugar um Chromecast, sinceramente, No nosso caso, nem sabíamos do “smart”, só quando chegou é que fui reparar na caixa e na descrição detalhada na web. Estamos gostando.

    3. Compramos recentemente uma Semp 32″. Ela é Smart LITE, então tem acesso só a YouTube e navegador web(nem Netflix tem). Vale mais a pena comprar uma normal e plugar um Chromecast, sinceramente, No nosso caso, nem sabíamos do “smart”, só quando chegou é que fui reparar na caixa e na descrição detalhada na web. Estamos gostando.

      1. Algumas Smart TVs são compatíveis com Google Cast, o padrão usado pelo Chromecast. De repente vale a pena ficar de olho nessa característica — você aproveita os apps da própria TV e, para os inexistentes ou quando a fabricante deixar de atualizar o firmware dela, passa a usá-la como se houvesse um Chromecast ali.

      2. Algumas Smart TVs são compatíveis com Google Cast, o padrão usado pelo Chromecast. De repente vale a pena ficar de olho nessa característica — você aproveita os apps da própria TV e, para os inexistentes ou quando a fabricante deixar de atualizar o firmware dela, passa a usá-la como se houvesse um Chromecast ali.

  9. Olá, boa noite a todos!

    A cerca de uns 6 meses conheço o Manual do Usuário, porém, é a primeira vez que me manifesto por aqui.

    Queria por gentileza pedir a opinião de vocês. Sou usuário de Windows Phone há aproximadamente 18 meses, mas irei mudar de SO. Já utilizei Android há um bom tempo, estou pensando em voltar para o sistema da google, mas, queria um aparelho com tela não muito grande. Tipo um Xperia Z3 Compact ou Galaxy S5 Mini.
    O que vocês acham? Convém pegar um aparelho do início de 2014?
    Pois não encontrei um aparelho mais novo bom com tela um pouco menor.

    Também uma segunda hipótese (correndo por fora) seria experimentar o sistema da maçã, pois, nunca tive um aparelho da Apple e tenho certa curiosidade. Se fosse para adquirir um, seria o Iphone 5S, sendo o menos caro.
    Ainda compensa um 5S nos dias de hoje?

    Grato pela atenção.

    Obrigado!

    1. Bem-vindo, @charlesbarroso:disqus!

      Ainda compensa pegar aparelhos de 2014 sim, mas apenas se forem high-ends da época — caso do Xperia Z3 Compact; não sei se o Galaxy S5 Mini envelheceu tão bem.

      Quanto ao iPhone 5s, também acho que ainda compensa. Tem aparecido frequentemente por R$ 1.600 no varejo. Há rumores de que a Apple lançará, em março, uma versão reformulada dele com as entranhas do iPhone 6. Se não estiver com pressa, talvez valha a pena esperar um pouquinho mais.

      1. Boa Ghedin muito obrigado!

        Vejo tanto aparelho bacana, porém, em sua grande maioria com telas grandes. Atualmente uso um Lumia 640, a tela atende super bem. Porém me sinto mais confortável com uma tela um pouco menor.

        Estou quase certo que vou de Z3 Compact, é um excelente aparelho pelas pesquisas que tenho feito. Só me resta resolver se convém ou não me aventurar na empresa da maçã.

        E a partir de hoje, prometo interagir por aqui, pois curto muito o Manual.

        Vida longa ao projeto!

      1. Quero que lançe a quarta temporada de Sherlock. Elementary é legal, mas Sherlock é incomparável .

      2. Acho que Sherlock é muito melhor, especialmente no formato. Mostra o raciocínio dele em tempo real. É muito massa. Elementary se torna sem pé nem cabeça quando tenta ligar os personagens de Sherlock aos de Elementary. Moriarty, por exemplo. Acho que me entendes.

        1. Eu gosto muito dos dois, tenho uma certa preferencia por Elementary, mesmo as vezes sendo meio massante os episódios eu gosto. Mas isso que você disse sobre o raciocínio em tempo real do Sherlock é bem legal mesmo.

    1. Sherlock. Recomendo te ler os livros, sao infinitas as referências

    2. Puts, cara. Até me animei de ver, mas acabei vendo no youtube um compilado com “cenas engraçadas”, acho q da versão americana, q não sei qual das duas é, e perdi, justamente, a graça de ver. Acho essas piadas entre os protagonistas um tanto cansativas de um modo geral. Mas posso estar com a impressão errada.

      1. Realmente humor não é o forte de Elementary. Sherlock também não é lá essas coisas, mas é melhorzinho. Porém, a série em si é legal. Recomendo assistir Sherlock antes, Elementary é tipo uma continuação. Meio sem pé nem cabeça, quando tentar fazer conexões com Sherlock, mas é legal. A meu ver, o formato de Sherlock é muito melhor, mas ambas as séries são boas.

  10. Pessoal, me ajudem. Preciso de um fone intra auricular, básico, mas bom, até, no maaaaaximo, 100 reais. Can you help me?

    1. Eu acho até que demorou para aumentar, os cartões com códigos que dá para comprar no varejo já estão no preço aumentado há um mês pelo menos.

      E vendo a escalada do dólar, parece um aumento até compreensível, e ainda acho que vale a pena assinar, pelos descontos e jogos grátis para assinantes, se fosse só para jogar online eu ia deixar quieto.

  11. Alguém sabe se dá pra usar o um powerbank da MI ou similar pra carregar um notebook com o adaptador certo ou as voltagens não permitem tal feito?

      1. Sim, notebooks têm tensão de 19,5V em teoria, e celulares de 5V. Muito embora com correntes bem maiores que essa hahahah
        Mas resumindo: o PowerBank não tem potência suficiente pra carregar uma bateria de notebook.

    1. Acho que não. A tensão e a corrente de saída da powerbank são muito baixas pra carregar um laptop.

      1. tb ignorava a existência desse treco. viu em q lugar, a propósito?

          1. um tanto caro e desconfio q não sirva pro meu. a dell é ótima em acessórios!

          2. Mas será que o fato de existir pela Dell não é um indicativo que alguma marca asiática também tenha e que seja possível achar no ML/Feiras de SP?

  12. Boa tarde galera, aproveitando o post livre da semana vim deixar o endereço do blog que acabei de fazer:

    http://www.4olhoscity.com/

    Lá faço posts diários falando basicamente sobre tecnologia, jogos e cinema. A ideia é falar sobre o mundo geek/nerd do meu ponto de vista. Estou aberto a críticas e sugestões do que posso melhorar no site.
    Agradeço desde já as visitas. Até!

  13. recebi uma propagandinha da motorola ontem, sobre o smartwatch deles e achei bem bacana (com exceção do preço, q dificilmente pagaria). sei q detonaram os smartwhachs, mas, poxa, tem várias coisas q ele poderia fazer em termos de notificação pra não ter q tirar o celular do bolso. uber, por exemplo, se ele me dissesse no relógio qto tempo falta pro carrinho chegar, seria excelente. entre outras coisas de utilidade vital duvidosa, eu acharia bem maneiro ter um relógio com mais funções. apesar de achar q talvez eles não tenham uma vida tão longa qto um relógio normal, pq eu tenho um polar e ele já vai pra dez anos… só não uso mais como monitor cardíaco. depois q se corre com mais frequência, isso passa a ser algo não tãoo importante assim se vc se conhece bem – e vai ao médico claro.

    1. A verdade é que os smartwatches ainda não emplacaram e nem sei se vão. Potencial para coisas bacanas, eles tem podem até ter mas a criatividade dos devs, creio eu, vai depender muito da popularidade desses produtos.

      1. olha, eu acho q têm chances pq o contexto em q recebemos notificações e avisos curtos e breves só aumentam. a nossa resposta tb tende a ser cada vez mais curta e sintética, daí o relógio, ferramenta tão antiga e duradoura, com essa roupagem, pode ter uma boa função. eu não acho q é sempre o interesse das pessoas q movem as coisas, mas tb algumas criações forçam o interesse.

        1. Notificações são o caso de uso mais lembrado e, pelo que o pessoal comenta, mais popular entre os adeptos de smartwatches. O problema é que isso é pouco para justificar o investimento — não só o financeiro, mas também os inconvenientes como recarregar a bateria todos os dias e ter um peso extra no pulso.

          Li hoje uma crítica do Walt Mossberg, do Recode, sobre o Apple Watch. Ele diz que o gadget não é indispensável e que para se provar tão útil quanto outros (smartphone, notebook), precisa ficar mais inteligente. A saída apontada por ele pode ser uma saída para o segmento:

          “Não tenho uma bola de cristal para essa pergunta, mas acredito que uma forma de tornar o smartwatch indispensável é fazer dele uma espécie de token digital que representa você no ambiente a seu redor.”

          Para quem tiver interesse: http://recode.net/2016/01/20/mossberg-the-smartwatch-needs-to-get-smarter/

        2. Notificações são o caso de uso mais lembrado e, pelo que o pessoal comenta, mais popular entre os adeptos de smartwatches. O problema é que isso é pouco para justificar o investimento — não só o financeiro, mas também os inconvenientes como recarregar a bateria todos os dias e ter um peso extra no pulso.

          Li hoje uma crítica do Walt Mossberg, do Recode, sobre o Apple Watch. Ele diz que o gadget não é indispensável e que para se provar tão útil quanto outros (smartphone, notebook), precisa ficar mais inteligente. A saída apontada por ele pode ser uma saída para o segmento:

          “Não tenho uma bola de cristal para essa pergunta, mas acredito que uma forma de tornar o smartwatch indispensável é fazer dele uma espécie de token digital que representa você no ambiente a seu redor.”

          Para quem tiver interesse: http://recode.net/2016/01/20/mossberg-the-smartwatch-needs-to-get-smarter/

          1. Hum… tenho lá minhas dúvidas. Porque, me parece, a função primordial do relógio é notificar e não ser um passaporte, apesar de ser uma função igualmente interessante. (Na ficção científica ele é comumente visto como comunicador, o q não deixar de ser interessante, mas ainda é uma troca de notificações, porque geralmente são vistos em comunicações breves.) As horas são uma notificação do tempo que lhe falta ou sobra. O seu relógio de pulso lhe dá a perspectiva de como vc está inserido no tempo. Parece banal, mas buscar o tempo no pulso é distinto de buscar a hora no celular. Eu tenho uma certa fé no dispositivo, porque ele dá uma vida nova ao relógio. Muitas informações que vc gostaria de ter seriam melhores se ficassem nos relógios ao invés de socadas no bolso ou mochila. Pegar o celular envolve vc estar com a mão livre, o relógio não, fica no seu pulso. Eu não acho q seja necessário adesão maciça dos desenvolvedores, porque não carece q o relógio se transforme num smartphone… O smartphone tem espaço de tela e potência pra muitas coisas e outro formato e função social… o relógio é algo consolidado há séculos me arrisco a dizer e se ele ganhar algumas funções extras, excelente. O seu alto preço tb não se justifica ou talvez encontrem uma forma de barateá-lo, afinal, a relógios caríssimos, q custam milhões e tornam qualquer smartwatch um equivalente a uma gorjeta.

    2. Me recuso a gastar com isso. Vou continuar tirando o celular do bolso quando precisar..

      1. por essa gaita q estão pedindo, com certeza. mas qdo ficar mais barato pode ser uma opção interessante.

      1. Sailfish OS seria minha alternativa ao Android. Eles tem compatibilidade com apps Android.

  14. Alguém aqui já teve a oportunidade de morar um tempo fora do país? Caso sim, para qual país e qual tua opinião sobre o Brasil depois de ter voltado pra cá?

    1. Nova Zelândia. E meus resumos sobre morar fora são:

      1) PaísQualquer é bom, mas é uma merda. O Brasil é uma merda, mas é bom;

      2) Sempre será uma troca de coisas boas por coisas ruins e vice versa;

      3) Você vai morrer de saudades do Brasil depois de um tempo e depois de um tempo você vai morrer de vontade de ir embora de novo.

      Ou seja, não há consenso. Funciona aquilo que funcionar para você naquele momento.

        1. curioso, eu acho q seria mais feliz em outros lugares, especialmente num lugar q não houvesse um trânsito assassino como o nosso e q houvesse um maior respeito com a coisa pública de modo generalizado nessa sociedade. o brasil tem várias coisas boas, q muitos fazem questão de esconder, e talvez o q é bom no brasil não é generalizado, então esse alcance restrito torne as coisas mais difíceis aqui do q pra muita gente. mas, por exemplo, qdo pintam q a américa é muito melhor q o brasil, eu tendo a ver isso agora com muito mais rigor, pq eles pisam feio na bola lá tb em vários aspectos. se a pessoas curtir um lugar e, principalmente, a cultura local, tem tudo pra se dar bem.

          1. Eu gosto muito do Brasil pela questão geográfica (invejável) e pelas pessoas, ao mesmo tempo que também algumas dessas pessoas me fazem ter vontade de dar o fora.

          2. É verdade, cara. E pior q não dá pra ver em gerações mais nova uma espécie de espírito renovador a ponto de mudar as babaquices arcaicas q nos assolam desde há muito tempo. Ao contrário até: muitas pesquisas indicam que os jovens seguem conservadores em várias aspectos que poderiam ter um grande impacto social. Mas, ao mesmo tempo, há muito inconformismo por aí e isso é bom e positivo para todos. Eu gostaria de viver fora por conta do idioma e de outras culturas. Isso faz bem pra qualquer pessoa – mesmo ela não viajando por esses motivos. Eu não sei se ficaria com saudades daqui não. Só tenho muitas memórias aqui, mas se vc for ver, de fato, minhas memórias são só memórias, porque em SP tudo é destruído e reconstruído. Os lugares da minha infância estão bem diferentes do q eram. Escolas q estudei fecharam etc. É como se eu já morasse em outro país… :(

          3. Fiz um comentário acima: ia ao Parque Antártica, estádio do Palmeiras, quando era mais jovem com meu pai. Ele foi destruído e construíram outro estádio no lugar… Minhas memórias ficaram, mas não podem ser, digamos, reavivadas mais pela presença no lugar.

          4. Fiz um comentário acima: ia ao Parque Antártica, estádio do Palmeiras, quando era mais jovem com meu pai. Ele foi destruído e construíram outro estádio no lugar… Minhas memórias ficaram, mas não podem ser, digamos, reavivadas mais pela presença no lugar.

      1. Você morou na capital ou em alguma das cidades grandes de lá ou numa média?

        1. Eu rodei o país em um sabático. Dormi em mais de 35 cidades das lhas sul e norte. Onde eu “mais morei” foi em Wellington, a capital. Tem 200 mil habitantes, é grande pro padrão Nova Zelândia. Auckland, a maior cidade, tem 1,3 milhão.

        2. Eu rodei o país em um sabático. Dormi em mais de 35 cidades das lhas sul e norte. Onde eu “mais morei” foi em Wellington, a capital. Tem 200 mil habitantes, é grande pro padrão Nova Zelândia. Auckland, a maior cidade, tem 1,3 milhão.

  15. Eu sei que muita gente diz que Antivírus não é necessário, mas eu pretendo adquirir um. Estou em dúvida entre o Norton Security e Kaspersky Internet Security. Destes dois qual vocês acham que é melhor?

      1. Tô contigo! E dentre os dois, prefiro o McAfee por consumir menos recursos. Talvez esses outros por aí (Kasperskky, AVAST, AVG e tranqueiras do tipo) até funcionem (eu tenho lá minhas dúvidas), mas a quantidade de FUD que essas porcarias trazem consigo me incomodam muito.

      2. Tô contigo! E dentre os dois, prefiro o McAfee por consumir menos recursos. Talvez esses outros por aí (Kasperskky, AVAST, AVG e tranqueiras do tipo) até funcionem (eu tenho lá minhas dúvidas), mas a quantidade de FUD que essas porcarias trazem consigo me incomodam muito.

        1. Nao gostei do Kaspersky… Prefiro McAfee. Tem colegas falando bem do Norton.

      3. Queria o Kaspersky, mas parece que ele está tendo alguns problemas com o Windows 10. Achei o McAfee meio caro.

      4. Queria o Kaspersky, mas parece que ele está tendo alguns problemas com o Windows 10. Achei o McAfee meio caro.

        1. Quando eu atualizei meu PC para o W10 ele realmente apresentou alguns problemas. Mas eu entrei no site deles e baixei a versão compatível.

        2. Quando eu atualizei meu PC para o W10 ele realmente apresentou alguns problemas. Mas eu entrei no site deles e baixei a versão compatível.

        3. Eu uso Kaspersky no computador do meu pai, não tivemos nenhum problema com o Windows 10. A não ser que seja Insider e não usuário final. Ai imagino que não somente Kaspersky mais outros tantos apps podem ocorrer algum problema.

    1. Eu acho que os gratuitos já fazem um bom trabalho na grande maioria dos casos. Dos gratuitos, eu ficaria com Avira, Avast ou AVG.

      Agora se fosse para comprar um, eu iria de Kaspersky, que sempre está no topo ou quase, nas análises especializadas de eficácia.

    2. Eu pago em torno de R$30,00 anualmente pra ter o Kaspersky e ele faz um trabalho muito bom.

      1. Você paga pelo AV? Acha que o KIS é necessário ou KAV já está de bom tamanho?

        1. Sim, o KAV. Olha, ele protege bem o PC, as ameaças são removidas sem problemas, bloqueia sites maliciosos, identifica links suspeitos na busca do Google…me atende bem.

      1. Realmente. Nos testes que são feitos, sempre o Kas e o Bit Defender estão lá nas cabeças como os mais eficientes. Volta e meia o Bit entra em promo de 6 meses gratuitos da versão Pro.

        1. A diferença entre eles com base no meu uso é só a quantidade de Ram, se tiver um computador atual no mínimo i3 e 6 de Ram pode usar qualquer um… Uma vez ganhei uma Key de 3 anos do Bit defender, era para ser nove meses e veio 3 anos kkk

      2. tudo funcionando bem com o bit? eu não lembro exatamente o motivo, mas tive q desinstalá-lo do win10. no win7 funcionava muitíssimo bem…

        1. tudo certo, mesmo atualizando cada versão de build do Win10.
          comecei a instalar nos clientes tambem. os demais acabam atrapalhando o acesso remoto pelo VNC

        2. tudo certo, mesmo atualizando cada versão de build do Win10.
          comecei a instalar nos clientes tambem. os demais acabam atrapalhando o acesso remoto pelo VNC

        3. Lembro que ele tornava o Windows uma carroça para iniciar e deletei ele rapidinho.

    3. usava o bitdefender, mas ele estava criando alguns problemas… passei para o avira, mas preferia o bitdefender, q era bem mais leve.

    4. Acho que o melhor antivírus é o usuário consciente, mas entendo quem usa no PC. O risco é sempre existente.

      Agora, tem gente que acha necessário no celular, daí eu acho um exagero hahahah

  16. Gostaria da opinião e o parecer dos aficionados pela Apple sobre os novos Mac Mini.

    Estou cogitando em adquirir um para usar em casa: navegar, ler e responder e-mails e afins… Talvez trabalhar com algumas virtualizações.

    Será que vale a pena o Mac Mini ou é mais vantajoso investir em um MacBook?Lembrando que a portabilidade está dispensada nessas considerações.

    1. Gosto muito do mini. Na minha opinião já foi o desktop com melhor custo benefício da Apple. Contrariando muita gente, nunca gostei dos iMacs e o Mac Pro era voltado ao mercado profissional que tinha necessidade do poder que ele trazia (depois do modelo lata de lixo, nem isso mais). Mas os últimos modelos do mini não me agradaram: memória RAM soldada e sem uma GPU decente, só aquela amostra grátis de saída de vídeo da Intel. O meu Mac mini atual é de 2009 e, embora me atenda, começa a sentir o tempo. Penso num upgrade, mas sinceramente vou buscar um modelo usado menos velho que o meu. Infelizmente o último modelo que contou com uma GPU minimamente decente (AMD Radeon) é de 2011.

      1. Esse negócio da memória soldada também não me agrada, mas acredito que 8GB ainda seja suficiente para dar conta de recado por uns bons anos.

        Agora a GPU… Essa é minha principal dúvida. Assim como você diz, sendo usuário de um antigo Mini, já li muitas críticas negativas sobre as atuais GPUs da Intel nessas versões mais novas do Mini. Mas fico sem entender um negócio (até porque não sou um usuário assídio de Macs), o hardware do Mini não é muito semelhante ao de um MacBook Pro, que também utiliza amostra grátis de vídeo Intel?

        Acho estranho porque não vi ninguém falando mal de MacBook, seja o Pro ou o Air…

        Minha outra opção era comprar um bom desktop Small e usar Linux nele, mas fiz umas cotações e vi que o preço não era tão legal assim. Um da Dell com a configuração semelhante ao Mini custaria uns 2 mil, e eu consigo o Mini intermediário por pouco mais de 3 mil.

        1. Cara, quanto à memória: Hoje os 8GB que tenho instalados no meu mini são mais do que suficientes também. A questão é que quando você compra um Mac, sabe que ele vai durar muito tempo. Meu último Mac antes desse mini foi um iBook G3 de 2001 que usei entre 2005 e 2010. Quando foi comprado, tinha 320MB de RAM e atendia bem. Quando foi aposentado, tinha 576MB e já não atendia bem. O mini foi comprado com 4GB e hoje roda com 8GB. Ou seja, as chances de um dia você precisar de mais RAM existem e se isso acontecer você vai ter que trocar o computador inteiro. Então vale a pena pensar.

          Quanto à GPU, me parece que a única que não engasga muito é a IRIS (acho que é esse mesmo o nome), mas só equipa o mini topo de linha. O MacBook Pro, se não me engano usa GPU dedicada. O Air, acho que depende da configuração, mas não me lembro de cabeça agora.

          Quanto ao Linux: Gosto do sistema, mas a falta de aplicativos, pelo menos para o que eu faço, é decisiva para a minha não adoção do sistema em desktops. Uso muito em servidores e outros projetos embarcados, no entanto.

          Outra sugestão, menos ortodoxa, e se você não faz questão de uma máquina muito compacta: Monte um hackintosh. Ultimamente ando considerando isso quando puder trocar de computador.

          1. Agora você chegou em um ponto interessante e ressaltou algo que foi decisivo na minha escolha em cogitar um Mac: ele vai durar muito.

            Atualmente minha máquina principal é um Dell Vostro early 2011. A máquina foi excelente durante dois anos, depois começou a patinar com o Windows 7, Windows 8 e até com o 10. Mesmo tendo um bom hardware. Acredito que seja problema de drive, mas nunca consegui uma fluidez de como era quando novo, nem reinstalando a partir do cd de recovery. Enfim, parti para o Linux nele. Gosto de sistemas UNIX like, mas como você citou, há carência de vários programas que uso no dia a dia.
            Esse mini que me refiro é o intermediário, vem com i5 (GPU Iris), 8GB RAM e HD 1 TB. O topo de linha vem com i7, 16 GB e opções de armazenamento em flash. Pelo que vi no site os MacBook estão usando as GPUs Intel também.
            Já li a respeito de hackintosh, mas não sei. Fico desconfiado.
            O relato da sua experiência foi válido, pois fiquei pensativo em relação à memória e a impossibilidade de upgrade. Mas uma coisa já é certa, os MacBooks estão descartados.

          2. Sim, a questão da durabilidade dos Macs é muito interessante. Muito se questiona acerca do preço das máquinas que, de fato, não é baixo, mas muita gente não leva em conta o fato de ser um hardware com qualidade premium (embora ande caindo ultimamente, vide essa adoção de GPU Intel) que não apenas resiste muito bem ao tempo (meu iBook de 2001 funciona muito bem até hoje), como conseguem ser úteis por mais tempo fora uma conservação considerável no valor de revenda.

            Também gosto de sistemas UNIX like (o OS X não é um like como o Linux, ele tem até selo Unix desde a versão 10.5) e o OS X une a robustez inerente ao unix com a praticidade de uma interface gráfica fácil de usar com um leque de aplicativos que cobre quase que integralmente qualquer necessidade. Nele eu consigo usar o meu desktop normalmente com aplicativos triviais como um office e fazer coisas mais avançadas que um windows da vida não faria, sem ter que trocar de computador ou alternar entre sistemas. Essa flexibilidade é o que me cativa nos Macs já há 10 anos.

            O MacBook Pro de 15″ usa uma IRIS e uma AMD Radeon para quando você precisa de desempenho.

            Quanto ao hackintosh, já configurei alguns e cheguei a utilizar um diariamente por alguns anos. Para quem está habituado a uma linha de comando, não há muita dificuldades em manter um. Considerando os custos e as especificações de um mini hoje, a única coisa que ainda me faz pensar entre outro mini e um hackintosh é a questão do espaço e do silêncio. Um mini ocupa pouquíssimo espaço e é praticamente inaudível enquanto ligado.

          3. Sim, a questão da durabilidade dos Macs é muito interessante. Muito se questiona acerca do preço das máquinas que, de fato, não é baixo, mas muita gente não leva em conta o fato de ser um hardware com qualidade premium (embora ande caindo ultimamente, vide essa adoção de GPU Intel) que não apenas resiste muito bem ao tempo (meu iBook de 2001 funciona muito bem até hoje), como conseguem ser úteis por mais tempo fora uma conservação considerável no valor de revenda.

            Também gosto de sistemas UNIX like (o OS X não é um like como o Linux, ele tem até selo Unix desde a versão 10.5) e o OS X une a robustez inerente ao unix com a praticidade de uma interface gráfica fácil de usar com um leque de aplicativos que cobre quase que integralmente qualquer necessidade. Nele eu consigo usar o meu desktop normalmente com aplicativos triviais como um office e fazer coisas mais avançadas que um windows da vida não faria, sem ter que trocar de computador ou alternar entre sistemas. Essa flexibilidade é o que me cativa nos Macs já há 10 anos.

            O MacBook Pro de 15″ usa uma IRIS e uma AMD Radeon para quando você precisa de desempenho.

            Quanto ao hackintosh, já configurei alguns e cheguei a utilizar um diariamente por alguns anos. Para quem está habituado a uma linha de comando, não há muita dificuldades em manter um. Considerando os custos e as especificações de um mini hoje, a única coisa que ainda me faz pensar entre outro mini e um hackintosh é a questão do espaço e do silêncio. Um mini ocupa pouquíssimo espaço e é praticamente inaudível enquanto ligado.

          4. tentei fazer um hackintosh no meu notebook, mas nao saiu do logo da maçã.
            como é meu unico computador eu preferi instalar o Ubuntu e deixa-lo assim para não ficar sem computador. hehe
            mas ainda está nos meus planos fazer um hackintosh.
            tem alguma dica de hardware barato para montar um?

          5. Cara, tem muito tempo que não monto um, mas normalmente com notebook é mais complicado por questões de compatibilidade com hardware, já que é mais difícil personalizar as configurações de um portátil. O mais indicado é procurar placas com o mesmo chipset que a Apple usa nos Macs. Quanto mais parecido for o hardware, mais chances de dar certo. Na época em que eu mexia com isso com mais frequência, eu costumava frequentar alguns forums tipo o Insanely Mac ou o TonyMacX86. O pessoal do Life Hacker também sempre mantém um guia atualizado para montagem de hackintoshes.

          6. Cara, tem muito tempo que não monto um, mas normalmente com notebook é mais complicado por questões de compatibilidade com hardware, já que é mais difícil personalizar as configurações de um portátil. O mais indicado é procurar placas com o mesmo chipset que a Apple usa nos Macs. Quanto mais parecido for o hardware, mais chances de dar certo. Na época em que eu mexia com isso com mais frequência, eu costumava frequentar alguns forums tipo o Insanely Mac ou o TonyMacX86. O pessoal do Life Hacker também sempre mantém um guia atualizado para montagem de hackintoshes.

    2. Se portabilidade está dispensada, creio que vale a pena investir no Mac Mini sim.
      Faz tempo que não olho os preços, mas ele é sempre bem mais barato que MacBooks e tal.

      Te aconselho usar ele num monitor full HD, para usufruir bem das imagens e também comprar um Magic Mouse ou Magic Trackpad para usar os atalhos do sistema. No início parece besteira, mas esses atalhos facilitam muito a vida e uma vez que tu te acostuma com eles, é difícil querer ficar sem.

      1. Sim, se decidir comprar o Mac Mini comprarei o Magic Mouse e o teclado bluetooth. A ideia inicial seria usar ele na minha TV full hd, mas futuramente compraria um monitor dedicado.
        O preço dele está salgado na loja oficial, mas tenho meios de importar e pagar um pouquinho mais do que pagaria em um desktop básico por aqui.

    3. A principal vantagem dos MacBooks (com exceção dos Air) é a fantástica tela retina deles (e, acredite em mim, sou bem chato para ficar elogiando essas coisas do diabo que são os produtos do capitalismo…), associada ao também ótimo trackpad. Depois que você usa o trackpad, não tem mais vontade de usar mouse. Nunca usei um Mini, mas fico pensando que sentiria falta desses elementos (motivo pelo qual também não gosto dos iMacs sem retina).

      Já sobre o Magic Mouse: ele é horrível. É melhor comprar o trackpad avulso.

    4. A principal vantagem dos MacBooks (com exceção dos Air) é a fantástica tela retina deles (e, acredite em mim, sou bem chato para ficar elogiando essas coisas do diabo que são os produtos do capitalismo…), associada ao também ótimo trackpad. Depois que você usa o trackpad, não tem mais vontade de usar mouse. Nunca usei um Mini, mas fico pensando que sentiria falta desses elementos (motivo pelo qual também não gosto dos iMacs sem retina).

      Já sobre o Magic Mouse: ele é horrível. É melhor comprar o trackpad avulso.

  17. Caros amigos do MdU. Vim fazer o “merchan”, com a benção do querido @ghedin:disqus (se não puder, é só avisar kk) e lembrar vocês do meu site :D

    http://www.cimabaixoab.com.br/

    Deem uma passada lá, e para não ficar só no “merchan”, vou fazer alguns comentários sobre esse inicio de jornada que é ter um site.

    1. Ter que lidar com as nossas expectativas é pior do que pensei. A gente sabe que não vai ter um site com 1 milhão de acessos da noite pro dia. Mas sempre fica uma ansiedade para ver o site ter um fluxo constante de pessoas e comentários.

    2. Manter ritmo de postagem e a qualidade do que escrevemos é mais difícil ainda do que já falam. Vivo trocando assuntos dos textos, ao invés de discutir algo mais “complexo” para fazer algo mais tranquilo, por que to “sem cabeça”.

    3. A concorrência é desleal. Enquanto meu amigo e eu, tentamos postar uma média de 3~5 textos por semana. Tem sites e pages no facebook que fazem o dobro, com qualidade que na nossa opinião.. bom, qualidade que não tem as vezes.
    ps.: não entenda mal, não to dizendo que temos os melhores textos. Mas todo mundo já leu algo e pensou: “nossa, esperava mais”.

    4. Os custos do site, por enquanto não são tão absurdos quanto imaginei, ainda mais dividindo com um amigo. Mas aprender sobre SEO e outras tantas ferramentas para melhorar a qualidade é algo que da pra tomar muito tempo. Ainda assim é divertido.

    Enfim, acho que por enquanto é isso. Bom dia para todos o/

    1. Deixei o feed salvo aqui no navegador. Enquanto não bloquearem aqui na empresa, vou ficar visitando hein! hehe

      Sucesso e boa sorte. ;)

    2. vou acessar depois. aqui no trabalho tem proxy e deu a seguinte mensagem:”Bloqueio de URLs NAO Categorizadas”.

    3. estou usando uma internet pública do sesc, e não sei se o seu site tem ou não imagens na home. caso não tenha, curti ser só texto. :) já deixei listado aqui pra ler umas coisas. tenho visto até q bastante conteúdo sobre jogos em português, mas geralmente sobre os grandes jogos; os indies ficaram meio de lado. vcs vão atacar essa parte tb?

      1. Sim, indies ou “indie like games”, são algumas de nossas paixões. Sempre que acharmos algo interessante vamos falar. Alias, isso da uma boa ideia para um texto. De qualquer modo, já tem uma review de um indie no site, Kingdom. Da uma conferida depois.

        1. Um colega de trabalho, q é bem mais vidrado em jogos indies q eu, me disse q da imprensa nacional de games (incluindo podcasts de não jornalista), praticamente ninguém fala de indie games. não me pareceu indisposição dele, mas ele acrescentou q só lê a imprensa estrangeira mesmo. ele havia me indicado um site, q já não tem mais atualização, q é de um portuga, mas é mais acadêmico. vou achar a referência e te passo. me lembre, por favor.

    4. depois de alguns minutos, descobri q tem imagens… é legal mesmo assim!

    5. show de bola!!
      ta salvo aqui ja..

      eu comecei falando de tecnologia no blog e migrei pro youtube..
      li seu comentario e me identifiquei com quase todos os pontos!!!

      boa sorte, amigao!

        1. eh o youtube.com/nuvensgerais!

          ta no iniciozinho ainda.. ja ate deixei aqui em um post livre, no passado.. =D

    6. Quando você diz que “os custos do site, por enquanto não são tão absurdos quanto imaginei”, parece-me que falha em identificar o maior custo em um site: o seu tempo e expertise.

      Dá para fazer um site gratuitamente (WordPress da vida), mas ter quem escreva, gente capacitada, com boa redação e, no caso, boas ideias para desenvolver, é caro. É por isso que, salvo algumas exceções, amigos e gente interessada em expôr seus trabalhos, o Manual ainda sou só eu. O faturamento do site só consegue bancar uma pessoa por ora.

  18. Vi, se não me engano no tecnoblog, que a Microsoft lançou um novo app de alarme… pra Android. E somente para Android.
    A despeito do app em si ou de sua qualidade, sério, onde eles querem chegar? Já defendi muito o Windows Phone, já estou no segundo aparelho, mas acreditar na plataforma já beira o impossível.
    E no hardware também. Tinha um lumia 925, comprado em boa parte por conta da câmera (que realmente fazia ótimos registros). Ele morreu subitamente com 7 meses de uso e aí foram 4 meses de discussão com a MS Brasil até eles entenderem que eu não submergi o celular na água (sim, eles afirmam isso e anulam a sua garantia).
    Me deram um lumia 930 zero. Já ciente do problema do microfone que atinge quase todos os 930, testei isso logo que ele saiu da caixa. Funcional. Ok.
    Aí começa: A câmera, pureview também, com o dobro da resolução do 925 que tinha, é excepcional durante o dia e um pesadelo a noite (não adianta tentar. Não há salvação). Justo onde o 925 brilhava.
    O microfone? Depois de uma atualização do Windows Phone, não funciona mais. Não grava áudio no whatsapp nem em gravador de áudio. Vivavoz em ligação também já era. Filmando com a câmera, com o celular em modo paisagem tem som. Com ele em pé? Sem chance. Diria então ser caso de software. Mas a restauração para as configurações de fábrica, mesmo via PC, não resolve o problema.
    Um smartphone com 20mp que não faz nada que presta a noite, e com 5 microfones para fazer vídeos com áudio 5.1 que não fazem nem áudio mono…
    Enfim, perdão pelo desabafo. Semana que vem ele vai dar um passeio na assistência. E certamente, é minha última tentativa com Windows Phone.

    1. Você mais tem problemas do que aproveita seu smartphone. Acho que tá na hora de trocar a marca e/ou o SO, não acha?

        1. Se dinheiro não for o problema para você, tente comprar a linha Nexus, pode ser o 4 ou 5. E se por acaso você enjoear do Android, pode trocar de SO com “um piscar de olhos”, pois sistemas operacionais mobiles geralmente tem um suporte melhor nesses aparelhos(ex: SailfishOS, FirefoxOS, Tizen, Ubuntu Touch) e na maioria das vezes são desenvolvidos com eles.

    2. Tenho um 930 e o problema do microfone é de hardware mesmo. Mandei pra assistência técnica, substituíram o microfone e agora está funcionando perfeitamente.

      Sinto seu desabafo na pele. É simplesmente ridículo a Microsoft lançar apps superiores e até mesmo exclusivos para outras plataformas, enquanto sofremos com seus próprios apps capados.

      E o que dizer da atualização do windows 10 que não chega nunca? Mesmo usando o preview sei que essa demora só piora o ecossistema. Meu próximo smart com certeza não será WP.

      1. Em alguns casos o panorama aponta para hardware. Em outros, nem tanto. Se fosse hardware, o áudio não seria gravado com o smartphone em modo paisagem e não gravado com ele em modo retrato. Teve gente que restaurou o firmware e resolveu o problema.
        Mas a qualidade da câmera a noite me assusta ainda mais. Celular de 300 reais Fotografa melhor.

      2. A situação do Windows 10 é ridícula. Evoluiu muito desde os primeiros previews. Mas ainda está longe, muito longe da solidez das plataformas concorrentes. Por melhor que esteja agora, continua com cara de beta.

      3. Se a Microsoft própria não da o devido valor paras seus smartphones e seu ecossistema, as coisas só tendem a piorar.

    3. Como já comentei antes, pule desse barco enquanto é tempo. MS tá com uma puta má vontade com o Windows Phone nesses últimos anos

    4. Eu tive um Lumia 925 também, e realmente as fotos noturnas dele eram surpreendentemente boas. Acabei trocando em um Moto G 2014, que agora, 1 ano depois, já está meio lento (e a câmera é lamentável perto da do Lumia).

      Mas eu migrei por causa do velho problema dos apps, que frequentemente faltam, ou têm menos recursos, ou são mais bugados que as versões para iOS e Android.

      De uns meses para cá, a própria Microsoft parece dar mais atenção aos sistemas concorrentes que ao seu próprio, tendo lançado os apps da suíte MSN e do Office com melhor qualidade que no WP. Ok, eles podem melhorar com o Windows 10 Mobile (versão final, nada de Previews para desenvolvedores por favor), mas fica sempre essa sensação de eterna promessa, e o fato é que durante esses meses todos, usuários de iOS e Android têm usufruído dos ótimos apps que a Microsoft lançou para eles, enquanto os de WP ficam chupando o dedo.

      1. A proposta do Windows 10 mobile poderia até ser bacana nas primeiras promessas que foram feitas. Mas o tempo de desenvolvimento e principalmente a morosidade em resolver centenas de bugs eram tão grandes que, neste tempo, ios e Android se desenvolveram tanto que já há um abismo entre as plataformas concorrentes novamente. Não basta preocupar em melhorar o próprio sistema. Ao meu ver, a Microsoft desistiu da corrida. E o triste é ver que pelo menos para mostrar isso, que jogaram a toalha, isso eles têm feito muito bem.

    5. tenho mais vontade (e ansiedade) em usar um windows phone da vida do q iOS. mas ainda não tive a chance :(

      1. Em outros tempos, daria a maior força. Hoje, diria que você não está perdendo nada. Talvez um pouco de excentricidade por ser um sistema diferente. Mas nem precisa preocupar muito. Os apps todos quase estão nos outros sistemas, muitas vezes em versões mais aperfeiçoadas. Fora o visual do próprio sistema em si, que até o wp8 tinha muito de original e hoje bebe bastante na inspiração pela concorrência, sobretudo no robozinho.

        1. tem um cara q comenta aqui, o louis, ele comprou nokia, eu acho, por uns 200 mangos numa promoção. eu lastimei, pq teria sido uma boa pra pelo menos ter contato com o SO.

        2. tem um cara q comenta aqui, o louis, ele comprou nokia, eu acho, por uns 200 mangos numa promoção. eu lastimei, pq teria sido uma boa pra pelo menos ter contato com o SO.

          1. Pra ter contato até vai. Dos poucos bons pontos que ainda vejo no WP é justamente ter aparelhos na faixa mais de baixo dos valores com desempenho razoável e superior a opções com Android. O último guia de compras do Ghedin tinha uma observação sobre isso. E o sistema funciona mais fluido que nos androids de 300 reais.

          2. além da curiosidade, seria um bom aparelho reserva. se o achasse pelos 200 mangos, estaria ótimo. mas tb tinha ficado interessado pelas câmeras, q tinham uma boa fama…

          3. A parte das câmeras não sei dizer especificamente com relação aos mais baratos. No 930, é o que eu falei. De dia, excelente. Os vídeos 4k saem absurdamente nítidos. De noite, um horror. O pós processamento do sistema termina de destruir qualquer chance de registro.

      2. Não perca seu tempo, haha. O Windows Phone é curioso, mas vira uma frustração muito rápido. É deficitário, tem poucos apps, a maioria ruim ou abandonada.

        Se, sei lá, algum dia se ver entre um iPhone e um Windows Phone, vá de Apple sem pensar meia vez.

        1. olha, pelo preço de um e de outro, desconfio, só se os aparelhos forem de origem duvidosa pra q a paridade de preço de margem pra essa dúvida. curiosamente, nunca tive vontade de usar o iOS. já fiquei algumas semanas com um ipad e, tirando a tela q era espetacular, não achava o SO especificamente incrível como dizem. mas certamente é implicância minha.

          e não há chances do w10 (na versão apropriada) emplacar nos smarts e nos tablets? aí seria bem melhor aos desenvolvedores, não?

          1. É, é bem difícil mesmo estar entre os dois :) Nos tempos áureos da Nokia, com Lumia 920, era uma situação mais crível, mas hoje… meh. Mesmo os topo de linha da Microsoft são inferiores — em muito pelo sistema operacional.

            O Windows 10 Mobile não deve mudar muita coisa porque a promessa dos apps universais parte de um fundamento falho, o de que o Windows (desktop/tablets) tem apps. Antes dos smartphones, a plataforma de fato era a web, não o Windows. A maioria usava Windows porque era o que estava à mão, mas qualquer sistema com um navegador web decente já servia.

            Um app universal facilita a transposição de apps desktop para smartphones, mas se esses apps desktop também não existem, qual o incentivo para o desenvolvedor criá-los?

      1. Tem uma galera no Tecnogrupo que de ano em ano comemora a (possível) chegada de um app já estabelecido há anos no iOS ou Android. Mas ao mesmo tempo, movidos pela paixão, eles juram que as alternativas existentes na plataforma suprem essa falta.

        Como você disse, só a fé e/ou o orçamento apertadíssimo justifica um Windows Phone.

          1. Na boa, até entendo a reação. Rudy Huyn ofereceu um aplicativo PRONTO pra eles, era só lançar e não quiseram.

          2. É assim que os fanáticos do WP lidam com a falta de apps: desmerecendo os que existem nas plataformas “rivais” (há guerra ainda?).
            – “Só tem apps de peido”
            – “Tudo que eu uso tem na loja”
            – “Não tem o original, mas tem o genérico, que é melhor” (e que a qualquer momento pode ser banido, vide Snap… ops, 6snap)
            – “Já chegou à plataforma” (1 ou 2 anos depois de ter chegado ao iOS e Android, ou então sem atualizações durante esse tempo todo)

      2. Sinto muito, mas como ato de fé já não é mais possível. E olha que eu era da ala dos que tinha fé.
        O ato de fé tira totalmente o racional do jogo.

  19. Como hoje é dia de post livre, eu só gostaria de saber se vcs acham que meu site tem algum potencial =)

    http://www.meu1milhao.com

    A ideia é contar como eu chegarei ao meu primeiro R$ 1 milhão de reais. Atualmente tenho R$ 140k. Já tenho algumas ideias, mas, basicamente irei postar sobre:
    – Controle financeiro pessoal
    – Pequenas economias mensais que fazem diferença
    – Investimentos para pessoas físicas
    – Como investir com pouco dinheiro
    – Quanto realmente custa: um carro, uma casa, um namoro (rs)
    – Dúvidas recorrentes: onde investir R$ x/mês? Alugar ou financiar? Etc.

    Obrigado!

    1. Pra mim tem sim! Tô cursando faculdade, fazendo estágio e controlar certinho o $ que eu recebo é meio complicado, ainda mais quando tenho um monte de planos.

    2. Por curiosidade apenas.
      Você tem alguma formação na área financeira?

      1. Sim!

        Sou formado em Administração e Computação. Tenho pós na área de Gestão de Projetos e Gestão Financeira.

        Infelizmente não terei como comprovar nada disso, pois postarei como anônimo… Entretanto, como não irei recomendar NADA, posso dar dicas, no qual o visitante pode escolher utilizá-las ou não. Vão ser dicas práticas, que qualquer um pode usar.

        1. Suspeitei.
          Boa sorte.
          Eu tenho o mesmo desejo. Minha meta é 65 anos de idade.
          Tenho alguns trocados guardados, mas pretendo dar de entrada em casa esse ano.
          Vou correndo por fora com uma previdência privada enquanto isso.

        2. interessante.
          eu estou juntando grana pra comprar uma moto.
          pra isso estou enxugandos as despesas pra tentar sobreviver com 300 reais por mês. =P

          1. fixei o meu orçamento em 500 reais. 200 vão pra minha metade das despesas fixas: internet e luz. os outros 300 são para gastos gerais do mes…, incluindo alimentação e um pouco de lazer. espero conseguir juntar ao menos 5 mil reais nos proximos meses…, mas vai variar um pouco, pois ainda estou pagando minha carteira de motorista e tenho a receber metade da grana do IPTU da minha mulher…

    3. Legal. Mas não vai ser daqueles casos onde você vai chegar a um milhão vendendo aulas ensinando como se chega a um milhão, né?

      1. Não… a ideia não é vender nenhum tipo de aula. Quero dar dicas e repassar um pouco de educação financeira básica. Acho que esses especialistas falam demais, mas fazem de menos. Quero mostrar na prática como as pessoas fazem para ganhar mais dinheiro, até mesmo em pequenas coisas.

        Um exemplo básico: vc sabia que existem investimentos acessíveis para qualquer pessoa que rendem todo dia um pouco? Logo, aquele dinheiro que fica parado na sua conta por menos de um mês pode trabalhar pra vc tb…

        1. Muito bom, se for assim tenho interesse! Perguntei porque acho que não tem sentido esse tipo de redundância, fica parecendo uma Herbalife da vida.

          E concordo contigo. Toda vez que eu vejo essas dicas financeiras, sinto que tem muita teoria, mas não é mostrado como fazer (sinto que os especialistas meio que não querem mostrar…)

        2. Muito bom, se for assim tenho interesse! Perguntei porque acho que não tem sentido esse tipo de redundância, fica parecendo uma Herbalife da vida.

          E concordo contigo. Toda vez que eu vejo essas dicas financeiras, sinto que tem muita teoria, mas não é mostrado como fazer (sinto que os especialistas meio que não querem mostrar…)

          1. Ou quando mostram, são dicas meio fora da realidade da grande maioria das pessoas. Por exemplo, falam sobre valer a pena financiar uma casa própria vs. alugar, e dão exemplo de um aluguel de R$ 2.000 que seria financeiramente melhor que um financiamento. Mas… quem é que tem condições de pagar R$ 2.000 de aluguel? Considerando que esse tipo de gasto, de acordo com especialistas financeiros, não deve passar de 30% do salário, só alguém que ganhe (líquido!) de quase R$ 7.000 para mais. Menos de 5% da população brasileira, hehe

          2. poxa, uma pessoa que paga 2K de aluguel pode muito bem financiar um imóvel…
            eu vendi minha herança pra comprar o apartamento. se eu pagasse 1K por mês de um financiamento eu levaria 17 anos pra quita-lo….mas nao sobraria muita grana pro resto durante 17 anos. =P

          3. o problema é conseguir esse financiamento. qdo consegui o meu, logo em seguida, o generoso governo federal, mudou as regras e agora está mais difícil ainda. atualmente não conseguiria comprar o mesmo imóvel em q me encontro com essas regras… no meu caso não dá pra guardar 30% líquido, pq além de não ganhar muito, tem várias coisas pra pagar. e, ainda bem, roubaram meu carro, assim não deixo o governo e seguradora mais ricos pagando ainda mais impostos e custos pra manter o carro.

          4. Tem muitas variáveis em torno de investimentos. Qual o capital de que você dispõe? Pode abdicar dele por quanto tempo (carência)? Seu perfil de investidor é agressivo ou mais conservador? Quais as taxas e os investimentos que seu banco oferece? Tem muita teoria, então tem que estudar cada caso, considerar as circunstâncias e tomar a decisão que achar melhor.

    4. li um livro, há algum tempo, sobre um casal e como eles fizeram pra chegar ao primeiro milhão. acho q era da editora campus, mas não tenho certeza. eram boas estratégias, mas nunca consegui colocar nada em prática. acabo torrando tudo q me cai na mão :( boa iniciativa a sua!

    5. li um livro, há algum tempo, sobre um casal e como eles fizeram pra chegar ao primeiro milhão. acho q era da editora campus, mas não tenho certeza. eram boas estratégias, mas nunca consegui colocar nada em prática. acabo torrando tudo q me cai na mão :( boa iniciativa a sua!

      1. Eu li sobre um casal que “aposentou” aos 30 e poucos anos. Hoje eles vivem viajando o mundo e vivem de renda dos investimentos e empregos esporádicos que arrumam onde chegam.
        Mas ele fizeram economias absurdas desde muito cedo. Tenho minha dúvidas se vale a pena tamanho sacrifício.

        1. não acho q vale a pena um sacrifício extremo não… especialmente se vc for viajar e conhecer o mundão. é melhor vc fazer isso enqto tem disposição e saúde. depois nunca se sabe e se locomover, em boa parte das cidades, não é tarefa fácil pra quem tem qualquer tipo de restrição… é bom fazer uma reserva e tal (coisa q nunca fiz), mas acho q mais importante circular do q ficar parado ao lado do cofre. se vc for um gênio das finanças e conseguir fazer dinheiro e viajar, sorte sua!

        1. hum… acho q não. vou ver a referência e te passo depois (eram brasileiros), mas faz uns anos já q li e, pelo q me lembro, eles não viajavam não. mas seria ótimo: aposentar-se jovem e viajar. mas eu ia querer fazer algo tb, provavelmente assistencial. mas, de todo modo, desconfio q seja mais fácil juntar uma grana no canadá. eu fui vacilão e nunca juntei uma grana qdo jovem :(

        2. hum… acho q não. vou ver a referência e te passo depois (eram brasileiros), mas faz uns anos já q li e, pelo q me lembro, eles não viajavam não. mas seria ótimo: aposentar-se jovem e viajar. mas eu ia querer fazer algo tb, provavelmente assistencial. mas, de todo modo, desconfio q seja mais fácil juntar uma grana no canadá. eu fui vacilão e nunca juntei uma grana qdo jovem :(

          1. acho q é esse mesmo, cara. essa coleção, aliás, é boa. acredito q ainda tenha validade boa parte das coisas. eu lia alguma coisa daquele gerbasi, saca? peguei umas dicas sobre tesouro direito ali. mas, como disse pro @tunemanb:disqus, não consigo guardar nada…

          2. muito bom. vou tentar encontrar. no site que o M1M passou já diz “manter suas despesas dentro do orçamento estipulado”. é bem isso que estou tentando fazer. setei um orçamento e pretendo terminar o mês com grana sobrando.

          3. como não ganho muito, a grana vai q vai… então o lance é ter controle mesmo. depois q der uma arrumada no ap, vou começar a juntar uma gaita. se der pra me aposentar antes então, tanto melhor. mas não encararia como uma aposentadoria e sim uma mudança de vida q implicaria não ter q me preocupar em ganhar dinheiro através de salário ou mesmo freela. quem sabe. e tu, se for investir na moto, pense seriamente em uma com abs.

          4. Caras, vocês fazem controle financeiro? É fascinante depois de algum tempo e extremamente útil para descobrir os ralos que secam nossas carteiras.

            Sempre usei meio nas coxas, mas desde 2014 passei a anotar todos os gastos rigorosamente, até o lanche na esquina, ou as fotocópias da faculdade. Agora, por exemplo, tenho uma visão ampla do quanto gasto com cada coisa, de moradia às festas e coisas do tipo, o que me permite ajustar gastos e controlar melhor onde o meu dinheiro vai.

            Eu uso o Pocket Expense: https://itunes.apple.com/br/app/pocket-expense-personal-finance/id424575621?mt=8

            Para Android, recomendo o Expense Manager: https://play.google.com/store/apps/details?id=at.markushi.expensemanager&hl=pt_BR

          5. Caras, vocês fazem controle financeiro? É fascinante depois de algum tempo e extremamente útil para descobrir os ralos que secam nossas carteiras.

            Sempre usei meio nas coxas, mas desde 2014 passei a anotar todos os gastos rigorosamente, até o lanche na esquina, ou as fotocópias da faculdade. Agora, por exemplo, tenho uma visão ampla do quanto gasto com cada coisa, de moradia às festas e coisas do tipo, o que me permite ajustar gastos e controlar melhor onde o meu dinheiro vai.

            Eu uso o Pocket Expense: https://itunes.apple.com/br/app/pocket-expense-personal-finance/id424575621?mt=8

            Para Android, recomendo o Expense Manager: https://play.google.com/store/apps/details?id=at.markushi.expensemanager&hl=pt_BR

          6. eu faço anotações mentais e, curiosamente, sempre me surpreendo no fim do mês com a imprecisão desse método.

          7. Hahaha, Fábio desculpa me meter na conversa.
            Muito anotei mentalmente e sempre tinha a impressão que eu perdia dinheiro, literalmente (achava que tinha caído do bolso ou troco errado). Mas depois eu fazia a contabilidade, depois da ressaca e percebi que o dinheiro era volátil. ;-)

          8. Tirando a ressaca, sei como é essa sensação. Eu até tenho aquelas planilhas de gastos e tal, mas, cara, tenho uma preguiça imensa de preencher aquilo. Só q não tem jeito, se não preencher, não tem solução.

          9. Eu já tive um controle bem minucioso, hoje estou mais tranquilo.
            Não usava aplicativo nenhum, era tudo na ponta do lápis. Teve um ano que consegui fechar o balanço do fim de ano com diferença de apenas R$7,00 em relação a entradas e saídas.
            Hoje estou mais tranquilo e uso o app Grana, o qual já foi falado por aqui.

          10. Eu já tive um controle bem minucioso, hoje estou mais tranquilo.
            Não usava aplicativo nenhum, era tudo na ponta do lápis. Teve um ano que consegui fechar o balanço do fim de ano com diferença de apenas R$7,00 em relação a entradas e saídas.
            Hoje estou mais tranquilo e uso o app Grana, o qual já foi falado por aqui.

          11. Só ampliando a recomendação: eu uso o Toshl.com, que recentemente passou por uma grande reforma.

            Eu também tenho esse costume de anotar todos os tipos mas, por incrível que pareça, não descobri nada demais nos meus gastos…tirando alimentação que é um “luxo” que não estou muito disposto a sacrificar.

          12. Usei o Toshl por um tempo. Achei ele um pouco confuso, faltam algumas funções e tal. Agora estou usando o Organizze, mesmo não tendo app pra WP já me serve bem.

          13. Gosto muito do Organizze, mas acabo não usando porque na versão gratuita ele não permite gerenciar mais de uma conta, e a versão paga custa muito mais do que eu estaria disposto a pagar…

          14. Gosto muito do Organizze, mas acabo não usando porque na versão gratuita ele não permite gerenciar mais de uma conta, e a versão paga custa muito mais do que eu estaria disposto a pagar…

          15. A gratuita é bem limitada mesmo. Acabo pagando a versão trimestral, sai mais barato que o Toshl

          16. Eu morro de medo de confiar meu controle financeiro a uma ferramenta que guarde seus dados apenas localmente, e exportar para algum formato (geralmente o CSV) não me serve. Prefiro ferramentas que sincronizem automaticamente com a nuvem, como o Organizze (que ainda tem versão web para acessar no computador). O problema é que ele custa muito (sim, eu acho caro pagar 10 reais/mês em um serviço de finanças pessoais). Resultado? Acabo usando uma planilha (simples e feita por mim mesmo) no Google Drive! Não é exatamente amigável de ser usada no celular, mas funciona. No computador funciona bem melhor.

          17. O Pocket Expense (com o in-app purchase) sincroniza e mantém os dados salvos na nuvem automaticamente. O Expense Manager, até onde sei, só manualmente, via Google Drive.

          18. O Pocket Expense (com o in-app purchase) sincroniza e mantém os dados salvos na nuvem automaticamente. O Expense Manager, até onde sei, só manualmente, via Google Drive.

          19. 35, cara. vacilão porque nunca me preocupei muito com isso e, com certeza, perdi uns dez anos nessa brincadeira.

        3. e outra: nesse livro q li eles juntaram um milhão de reais… esses dois juntaram dólares… digamos q tem uma pequena diferença pra nós.

    6. Eu sou uma estranha pessoa que tem poucos problemas com economizar dinheiro, pelo menos da minha perspectiva, mas acho que dicas de investimentos pode ser interessante…conheço um pouco mas tenho preguiça de procurar e fazer os cálculos para escolher a melhor opção.

      Ah, e uma dúvida, qual o intuito de chegar ao R$1.000.000,00. É simbólico mesmo ou tem alguma coisa com “depois disso não precisa mais trabalhar”?

    1. Sim. Uma pena o Bellucci. O cara é absurdamente bom, mas peca no mental. Mesmo assim, terceiro melhor jogador (homem) da nossa história (atrás de Guga e Koch).

      1. Torcida:

        Nishikori (ou Tsonga) x Federer
        Raonic (ou Wawrinka) x Murray (chave dele tá ridícula)

        mas há chance de
        Djoker x Berdych (:///)

        No feminino, nem penso em semi, só final:
        Serena x Muguruza ou Keys.

        1. É una pena que a realidade seja mais sérvia do que gostariamos. Não curte Berdych?

          1. Não fede nem cheira. Torceria por ele nessa eventual final, que ele perderia porque amarela.
            Ele e o Ferrer são tipo o Davydenko dessa época recente (antes era o Nalbandian sdds), mas jogando bem menos.

  20. Esses dias uma matéria do BuzzFeed com a BBC fez barulho. Os jornalista fizeram uma análise a partir de big data de 26000 partidas de tenis da última década para descobrir jogadores envolvidos em esquemas ilegais de apostas.

    Eles chegaram em uma lista não divulgada com 15 nomes suspeitos, incluindo um campeão de Grand Slam (torneio mais relevante) e oito jogadores ainda ativos e que estariam na chave principal do primeiro Grand Slam do ano, o Australian Open. Não lembro se dizem quantos são homens ou mulheres.

    A metodologia e o sistema de análise de dados foi colocado no GitHub, o que eu achei curioso. Acontece que outros programadores pegaram os códigos e então refizeram a análise para chegar a lista dos 15 nomes e divulgaram os resultados. Não se sabe se são os mesmos do BuzzFeed e aí foi lançada a polêmica.

    Há um lado eufórico com esse furo do BF com a BBC, porque acreditam no jornalismo com novas metodologias e há um lado cético ou contrário, questionador da validade do uso de análise de big data como fonte primária e a publicação da metodologia e do código, que por ventura exporia jogadores sem ainda ter base legal para acusá-los.

    Quem quiser acompanhar:
    [spoiler: textões]

    Matérial original do BF: http://www.buzzfeed.com/heidiblake/the-tennis-racket#.ybz7R1BXow

    Metodologia e código: https://github.com/BuzzFeedNews/2016-01-tennis-betting-analysis

    Opinião contrária: http://fivethirtyeight.com/features/why-betting-data-alone-cant-identify-match-fixers-in-tennis/

    1. Tinha visto só a matéria original da BBC. “Jornalismo de dados” é como chamam isso e acho uma vertente nova e importante, porém tem que tomar cuidado — o algoritmo pode ser facilmente enviesado, mesmo que às vezes seja sem intenção, por incompetência mesmo.

      O Gabriel Arruda pode falar melhor disso :)

      1. Bem interessante, acho ótimo essa abordagem de fazer simulações e utilizar dados.

        O problema de erros de metodologia é reduzido se, como nesse caso, os dados e a metodologia for disponibilizada…inclusive há passou pelo escrutínio do Nate Silver que pontuou algumas coisas. A preocupação de erros que citei nos meus textos é maior no caso do big data feito por empresas que, por motivos óbvios, não disponibilizam os dados e quase nunca a metodologia.

        Meu maior medo, nesse caso, é com os próprios leitores. É complicado para nós analisar a metodologia proposta, eu mesmo não conheço esse negócio de correção de Bonferroni usado nas simulações…imagina a maioria das pessoas que não tem nenhum treinamento em estatística. Meu medo é que as pessoas dão muito respaldo a números (a gente de tecnologia vê isso todo dia com specs), o que pode justificar ações premeditadas como uma caça as bruxas a esses jogadores que supostamente venderam os jogos.

        Tenho receios, mas vejo com bons olhos, inclusive pensando agora talvez seja algo interessante para eu tentar me aprofundar.

    2. Pra mim tinha que ter botado a merda no ventilador mesmo. Como disse Federer, quero os nomes

    3. O campeão de Slam só pode ser o Cilic ou o Wawrinka. E tem um texto bem interessante de um chileno, que vende partidas.

      http://tenisnews.band.uol.com.br/73065/carta-anonima-de-tenista-revela-venda-de-partidas-nao-tenho-vergonha

      O ponto fundamental é que um tenista que é 100-150 do mundo simplesmente não consegue se sustentar do tênis. Fonte? Conheço um tenista brasileiro, melhor colocação em simples é 200, e em duplas 70. Jogou esse Australian Open (assim fica fácil identificar, mas mesmo assim), e até MUITO pouco tempo atrás, o pai dele precisava bancar tudo. Hoje em dia, depois de ter entrado no top 100 em duplas, ele consegue se bancar, mas não sobra nenhum dinheiro. O que fazer disso, como carreira, quando tu vai só poder jogar por cerca de uns 15 anos?

      O que precisa mudar é a forma da distribuição da premiação. É inadmissível que uma pessoa que esteja entre os 300 melhores do mundo em um esporte com o alcance midiático que tem o tênis não tenha condições de se sustentar!

      1. As pessoas que rodaram o código de novo chegaram no Hewitt como o vencedor de Slam. Só que o Hewitt venceu a última vez em 2002. E poderia ser o Del Potro também.

        [1] http://showlegend.tumblr.com/post/137644525409/the-buzzfeed-15-exposed

        [2] http://www.sportdw.com/2016/01/tennis-fixing-buzzfeed-hewitt-innocent.html

        O Bruno Soares deu uma entrevista sobre os custos de ser tenista: http://saqueevoleio.blogosfera.uol.com.br/2014/02/26/bruno-soares-milionario-entre-aspas/

    4. li sobre isso, mas nem suspeitava q tinha relação com big data. muito interessante.
      fiz um curso de jornalismo de dados e estavam todos muito preocupados com a qualidade dos dados o q se pode fazer com eles. geralmente os exemplos eram de bons usos, mas desconfio q esse tipo de abordagem possa, sim, tb ser usado pra, por exemplo, destruir a imagem de uma empresa ou pessoa. mas aquele lance de raspagem e limpeza de dados é bem legal e as extensões pra se usar no crume mesmo pra conseguir extrair dados de grandes páginas de dados é relativamente simples de usar. acho difícil q determinadas reportagens ou abordagens sejam feitas sem esses dados… mas as NOVAS possibilidades q o jornalismo de dados trás são fabulosas!

  21. Pessoal, estou precisando comprar um no-break, alguém indica uma marca boa e algum modelo? Vou ligar o pc e a impressora nele só.

    1. impressora laser? se sim eu não recomendo. ela suga muita energia do nobreak

      1. Impressora jato de tinta mesmo, mas bom saber que laser faz isso, tenho previsão de comprar uma esse ano, então já ficarei esperto. Obrigado

        1. Quando comprar uma laser tambem compre um transformador de uns 1400VA…
          alias, até hoje não entendo por que não vendem impressoras laser 200V

    2. Eu tenho um no-break Net 4+ 1400 VA da SMS e gosto muito dele. Em um pico de energia em 2012 ele teve problema e precisou ser reparado na SMS, demorou 2 meses para consertar mas desde então nunca mais tive problemas.

    3. Cara, da época em que eu vendia esse tipo de equipamento (uns 10 anos atrás) os que menos davam RMA eram os da APC. Vendia muito o BR1500. Contrariando a indicação do Reinaldo Santos, nessa mesma época paramos de trabalhar com SMS por conta da grande quantidade de RMA. Mas como eu disse, isso foi em 2006. Não sei como as marcas estão hoje.

  22. Galera, não tem aqueles jogos para melhorar a memória, pensamento, esse tipo de coisa? Estava vendo, todos são pagos, até aí tudo bem, mas maioria são somente por assinatura (coisa que não curto muito), ou são absurdamente caro por compra vitalícia, vocês conhecem algum em conta?

    1. Peak. No celular. Tem uma versão paga, que libera todos os jogos em todos os momentos, mas a versão gratuita é muito boa – libera 4 jogos por dia, o suficiente.

      1. Baixei ele uma vez e usei por uma semana, pq esqueci de ficar usando ele depois :P

      2. Baixei ele uma vez e usei por uma semana, pq esqueci de ficar usando ele depois :P

    2. Nintendo perdendo esse filão ao não lançar Brain Age pros smartphones.

    3. Nintendo perdendo esse filão ao não lançar Brain Age pros smartphones.

    4. Eu comecei todo empolgado brincando com o Lumosity e num determinado momento veio o valor da assinatura, é bem caro rsrsrs.

      Eu baixei o NeuroNation mas não sei como é o sistema deles, ainda não testei.

Os comentários deste post foram fechados.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!