Anúncio 15% de desconto no Sh*ft Festival com o cupom MANUALDOUSUARIO

Post livre #37

Eis que chegamos a mais uma sexta-feira e, com ela, o post livre do Manual do Usuário. Para quem conhece, é só cair nos comentários. Aos demais, uma breve explanação: o post livre é um post sem conteúdo, apenas para abrir os comentários à comunidade de leitores do site, onde ela discute quaisquer temas. Vamos lá?

PS: não ganhei o iPhone 6s que pedi semana passada :(

148 comentários

  1. Fábio ( impossível copiar se link pelo celular): Cosac com 50% de desconto pra mim esse mês em todo catálogo: aceito sugestões :)

  2. Começando ATP Finals, os oito melhores do ranking, a quem interessar possa.

  3. Olá pessoal! Cheguei um pouco tarde, aqui são 9:31Pm ainda, então… Seguinte, eu tinha um iPhone 6, mas mandei pro Brasil, agora estou com um Galaxy S6, cujo não consigo gostar e não me acostumo. Usei iOS a vida inteira, esse galaxy é minha primeira experiência com Android, estou estou esperando a boa vontade do irmão pra ir na loja buscar o 6S. Enquanto isso não acontece, queria sugestões de vocês para tentar aproveitar esse telefone, que comigo trava aos montes… Enfim, vocês tem sugestão de apps e tal? Obrigada

    1. Trava ou tem lag? Pelo que vi o problema do Android da Samsung não é travar, mas ter lags perceptíveis.

      Minha recomendação é desativar os aplicativos ruins que a Samsung e o Google insistem em manter. Vá na parte de gerenciamento de apps -> todos e desative o que você não usa (isso vai melhorar a experiência).

      Os principais apps que considero indispensáveis e trazem a ótima experiência do Android são o SwiftKey Beta (é um beta, mas está melhor que a versão normal) pela qualidade do teclado e o Nova Launcher – ele torna a experiência MUITO melhor pela leveza, beleza da interface e grande quantidade de possibilidades, por exemplo, como esse launcher é possível mudar os ícones dos aplicativos para um padrão e tornar tudo mais condizente (recomendo os apps de ícones Click Ui ou Switch Ui) ou ainda utilizar gestos inteligentes (no meu smartphone uso gestos na homescreen para desligar a tela e controlar rapidamente os diferentes volumes do sistema).

      Além desses apps, o navegador Opera recebeu recentemente novas atualizações e está ainda mais completo e estável, com diferenciais que se destacam como fácil gerenciamento de downloads (uso a pasta que você quiser para salvar seus arquivos), modo com baixa utilização de internet – inclusive para vídeos (poupe a franquia do 4g), três modos de organização para novas páginas, zoom adaptável, possibilidade de salvar links na homescreen e utilizá-los como app (já que vários apps ruins acabam saindo, o Opera acaba se saindo muito melhor que o Facebook, Flipboard, BuzzFeed etc), além de ótimo gerenciamento de memória (abro diariamente umas 20 páginas e não ficam recarregando cada que vez que alterno entre apps, coisa que é muito comum no Chrome) dentre outras funções.

      Infelizmente não posso recomendar nenhum app de música (só o Walkman, que é exclusivo da linha Xperia e Androids com root), porque é uma área que o Android está bem ruim.

    2. Será que essa unidade não veio defeituosa? Porque usei um Galaxy S6 e, sem fazer nada, apenas com os apps normais que vêm pré-instalados e alguns que baixei, ele rodava bastante liso, sem travadas ou engasgos. A Touchwiz está bem amena e não chega a atrapalhar o uso. Acho estranho que esteja enfrentando problemas ido tipo…

    3. Algo que costumo fazer e recomendar para os smartphone/tablet.
      Comprou? Coloca na tomada, deixe carregando até uns 80%, ligue e faça uma configuração básica (sem usar sua conta), vá em configurações e mande fazer um reset para o estado de fábrica.
      Parece besteira, mas percebi que o iPad da minha mãe, o Samsung S5 do meu tio, o meu Moto G 2ª ger. (para ficar em 3 exemplos) ficaram bem mais lisos e rápidos.
      No Android, o que o @disqus_1TXBqyGKZD:disqus falou é bem verdade, abra o menu (onde fica exibido todos os apps instalados/ativos) e veja qual você vai e qual não vai usar e anote em um papel os que você não vai ou não quer usar. Entre em Configurar -> Aplicativos -> deslize para a direita até chegar na aba “TODOS”, procure pelos apps que você não vai usar, clique neles e depois em DESATIVAR (assim ele não fica rodando em 2º plano e libera CPU/bateria para outras coisas). Aproveite e veja a lista inteira no TODOS e desative outros que não queira usar.
      Reinicie o celular (no motorola basta segurar o botão power por 7~10 segundos que reinicia) e pronto, após um bom tempo perdido seu dispositivo está “menos lento”. XD

  4. Já atualizaram o Windows 10 para o update do dia 12 de novembro de 2015?
    O Windows agora está mais rápido e personalizável. Entretanto, o Microsoft Edge continua bem ruim e travando de vez em quando para digitar no Disuqus e sem suporte para extensões (Microsoft garante que chegam a partir de 2016).

      1. Aqui funcionou bem, mas foi a noite de quinta e madrugada de sexta para conseguir atualizar. Consegui baixar tudo rapidinho, só que ficava pedindo para reiniciar e quando fazia isso nada acontecia.

        Só funcionou quando desconectei o notebook da fonte de energia e ativei o modo de economia de energia. Depois disso instalou o novo Windows 10 da mesma forma como tinha sido o update do W8.1 para o W10.

        Fora isso, no site de drivers da fabricantes, a Bios foi atualizada.

        1. Super intuitivo! Vou ficar num pé só quando atualizar o meu. Deve ter o mesmo efeito.

    1. Tentei atualizar da primeira vez, mas deu erro. Aí baixou de novo (2.7Gb!), aí consegui fazer a atualização. Deve ter demorado 1h.

  5. Viram que esse ano quase ninguém foi ao lançamento do iPhone 6S na loja da Apple em São Paulo?

      1. Acredito que isso é reflexo da crise, mas, pode ser uma pequena amostra dos próximos anos até a eleição de 2018.

        Também penso que decisões como a da Nintendo de sair do país, pode ser mais acertada do que lançar produtos por valores tão absurdos.

      1. acho q os brasileiros optaram por comprar no exterior… caiu não.

      1. Depois do q fizeram na redação do Charlie Hebdo, acho q teria sido no mínimo prudente ficar atento, não? Especialmente as autoridades ditas dos serviços de inteligência.

        1. Sem contar que oficiais americanos já tinha interceptados terroristas em um trem na França esse ano. Talvez o presidente socialista da França pense como a presidente guerrilheira do Brasil, que a melhor alternativa é manter uma conversa com o Estado Islâmico.

          1. Desculpe, Louis, mas nada a ver… A França tem uma concentração grande de mulçumanos. Não é fácil equacionar isso dentro da cultura francesa…

          2. Na verdade, quis puxar o fato de estarmos tão mal representados.

          3. Guerrilheira? Comunista? Conversa com terroristas? Sério mesmo?_

          4. Você nunca acompanhou política internacional e viu que a Dilma criticou por anos os Estado Unidos por realizarem ataques ao Estado Islâmico?

            Na abertura da Assembleia da ONU em 2014 ela criticou os ataques dos Estados Unidos ao Estado Islâmico, e ainda classificou a atitude americana como “barbárie”.

            Isso sem contar o total apoio a Venezuela ao assassinato de civis que protestavam contra o governo e prisão e agressão de políticos da oposição.

            Na dúvida, fica o link para você ao menos se informar: http://noticias.terra.com.br/brasil/na-onu-dilma-critica-bombardeio-dos-eua-ao-estado-islamico,b0830d67fc3a8410VgnVCM3000009af154d0RCRD.html

          5. Você nunca acompanhou política internacional e viu que a Dilma criticou por anos os Estado Unidos por realizarem ataques ao Estado Islâmico?

            Na abertura da Assembleia da ONU em 2014 ela criticou os ataques dos Estados Unidos ao Estado Islâmico, e ainda classificou a atitude americana como “barbárie”.

            Isso sem contar o total apoio a Venezuela ao assassinato de civis que protestavam contra o governo e prisão e agressão de políticos da oposição.

            Na dúvida, fica o link para você ao menos se informar: http://noticias.terra.com.br/brasil/na-onu-dilma-critica-bombardeio-dos-eua-ao-estado-islamico,b0830d67fc3a8410VgnVCM3000009af154d0RCRD.html

          1. ora, fazendo o trabalho de inteligência. investigando, se infiltrando etc. o problema é q combater o terrorismo tem justificado práticas igualmente abjetas como prisões ilegais, tortura, violação da privacidade. a sociedade deveria estar atenta aos movimentos dos aliciadores de jovens para as frentes terroristas e tb de seus governos q violam direitos humanos.

    1. E eis que surge um comentário (travestido de análise) ultra conservador sobre o uso das redes sociais em situações como esta. Curiosamente tb recaí sobre os jornalistas a crítica de que eles geralmente falam, com uma puta propriedade, sobre coisas que não entendem, estudaram ou se quer vivenciaram… Se esse texto tivesse sido escrito por um dinossauro moralista ainda vá lá, mas não parece ter sido o caso. Agora, essa frase é a melhor: “Por que absolutamente TODO MUNDO precisa ter opinião?”. Depois dessa já consigo ouvir os tanques de guerra tomando a praça.

      http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2015/11/1706415-em-tragedias-redes-sociais-revelam-o-pior-de-nos.shtml

      1. Crítica realmente boba, mas eu evito redes sociais em eventos do tipo. Há menos que eu esteja cobrindo algo (eventos de tecnologia, pesquisa para uma matéria, coisa do tipo), sempre rola muito ruído, muita cacofonia e, na hora de saber de fato o que houve isso mais atrapalha do que ajuda.

        Mas… cada um, cada um. Todo mundo tem opinião e o direito de expressá-la. O que mais me espanta é como a maioria realmente faz uso desse direito e expõe essa opinião, mesmo quando ninguém perguntou e, pior, pode te queimar por nada. Caso em tela:

        1. Claro q rola ruído, mas um profissa da informação deveria saber lidar com isso ao invés de reclamar do direito à opinião. Queixune de madame dos jardins…

          Qto a senhorita kefera, q descobri recentemente q se trata de fenômeno na web e “” literário””… Daí, a filosofia beijinho no ombro lhe parexe lhe ser bastante adequada.

          1. Licença.

            Prefiro que alguém reclame da liberdade de opinião para ver se muitos se tocam sobre sua dar sua opinião e assim uma opinião ser melhor elaborada, do que deixar as opiniões livres demais e isso alimentar mais informações negativas ou situações que prejudicam.

          2. Da Wikipedia: Fascismo é uma forma de radicalismo político autoritário nacionalista que ganhou destaque no início do século XX na Europa. Os fascistas procuravam unificar sua nação através de um Estado totalitário que promove a vigilância , um estado forte, a mobilização em massa da comunidade nacional, confiando em um partido de vanguarda para iniciar uma revolução e organizar a nação em princípios fascistas hostis ao socialismo e ao comunismo em todas as suas formas

            Os movimentos fascistas compartilham certas características comuns, incluindo a veneração ao Estado, a devoção a um líder forte e uma ênfase em ultranacionalismo, etnocentrismo e militarismo. O fascismo vê a violência política, a guerra, e o imperialismo como meios para alcançar o rejuvenescimento nacional e afirma que as nações e raças consideradas superiores devem obter espaço deslocando ou eliminando aquelas consideradas fracas ou inferiores, como no caso da prática fascista modelada pelo nazismo.

            Do jeito que muitos agem hoje, tem horas que flerto sinceramente com o fascismo. Difícil lidar com extrema liberdade, inclusive quando esta liberdade incomoda o outro…

          3. Veja: VC respondeu por reflexo, copiando e colando conteúdo da wikipédia (q tem como fonte confiável). Não se tratou de fruto de uma reflexão e aí sim uma reposta. Outras respostas suas flertam com a ideologia fascista TB. Qdo VC fala q antigamente era melhor, por exemplo, ou qdo VC diz q há uma caminho certo a seguir.

            Sugiro a leitura do último texto de Eliane Brum, no e”El país”. Ela trata de um livro da Márcia Tiburi recém lançado.

            edit: eis o link: http://brasil.elpais.com/brasil/2015/11/09/opinion/1447075142_888033.html

            edit2: não estou dizendo q vc é fascista ou q vc se encaixa no perfil analisado no texto da eliane brum, q fique bem claro. sugeri o texto para q vc possa fazer suas próprias considerações, pq ele é bem oportuno e vai de encontro a coisas sobre as quais vc mesmo já falou sobre a violência da linguagem. assim como o livro.

          4. mas aí q está, por várias respostas suas, vc não é um fascista, pelo menos ainda não e, claro, se esforçar pode se tornar um. mas não me parece nem ser esse o seu desejo. o q talvez lhe falte é paciência com certos desdobramentos q uma discussão toma. eu não sou a pessoa mais paciente do mundo, bem ao contrário, diga-se, então não posso condená-lo por não ter paciência… mas, sei lá, qdo não houver essa paciência faça como num jogo de cartas: passe. vc não precisa fazer sempre fazer uma jogada qdo não tem uma carta boa, por assim dizer. pq daí a tendência é se aborrecer mais e mais, não?

            veja, já falamos sobre muros outras vezes e, recentemente, me deparei com o trabalho desse cara q é, no mínimo, um esforço válido pra entender esse mundo cada vez mais hostil. eu sei mais ou menos o q vc pensa sobre os muros. dá uma olhada e veja o q acha do trabalho desses fotógrafo e se vc não tiver paciência pra discutir sobre isso, não discuta… deixa quieto. isso tem a ver com liberdade tb, vc não querer continuar com uma conversa ou discussão. talvez vc prefira q haja mais concordância do q discordância, mas a discordância, por mais aborrecida q seja, não é necessariamente ruim.

            https://www.youtube.com/watch?v=lC_RfKKXx4M

      2. Entendo que o tom que o autor conferiu o texto não é o melhor, mas tem muita coisa ali que há de concordar e outras são fatos. Ontem viralizou um texto dizendo que, junto com a tragédia de Paris, uma outra teria acontecido no Japão, onde um terremoto teria matado 18 mil pessoas. Não sei o que essas pessoas ganham em disseminar mentiras na internet, mas sempre tem aqueles que não buscam fontes e repassam esse tipo de informação caluniosa.

        1. ah… esse texto é indefensável. ora, ela está diante de outro problema: o excesso de informação. se for assim, qdo ela entrar numa livraria, ela vai se perguntar: “por que absolutamente todo mundo tem que escrever um livro”? se ela entrar no spotify vai se questionar sobre o excesso de músicas etc. e, além do mais, “quem lê tanta notícia” cantava caetano na década de 70…

          1. Eu juro que não consegui ler que ele tenha dito algo sobre o jornalismo de grandes redações ser melhor e mais confiável que o jornalismo 2.0, muito menos reclamar por existir uma quantidade imensa de informações – por falar nisso, alguém tem de fazer uma IA (redes neurais etc) que filtre big data.

            O que ele pôs no texto é criticar os abutres sociais que emitem opiniões desencontradas sobre as tragédias que ocorrem no mundo e que repassam informações sem qualquer tipo de verificação de fontes. Em momento algum ele disse sobre pessoas que compartilham informações nas redes sociais.

          2. curioso, a pecha de “abutres” (o social deixo por sua conta) era dada à imprensa da qual ela, a propósito, faz parte… agora não vale mais? mudou depois q surgiram as redes sociais? acho q não…

            disse sim: “Cada um tem sua própria análise de 140 caracteres sobre as diferenças e as semelhanças entre Estado Islâmico e Al Qaeda.”. pra dizer isso ela deve ter essa super rede neural e analisou todos os comentários q foram escritos (apesar de estar se escorando em sua própria time line e estender o q lê ali ao resto do mundo).

            sem conta q por mais q as pessoas não se manifestem da forma q agrede a rainha da cocada preta, ela tira dos outros qualquer forma de empatia e compaixão possíveis, porque, partindo de si e transferindo aos outros, ela se diz incapaz de sentir algo “verdadeiro” pelas pessoas q morrem em situações como essa, daí os outros, claro, não podem sentir nada tb.

            mas a moça vai longe: ” Mas poderíamos guardar um pouco da nossa mesquinharia, da nossa hipocrisia e da nossa prepotência para depois. Agora não é hora. Deixem a ambulância passar.”

            quer dizer q informação q ela e empresa dela produzem tem caráter de cura (como os reis taumaturgos q tinham um toque capaz de curar, o texto mágico e o vídeo mágico da imprensa curam tb? que dizer q se assistir fátima bernardes vou ser uma pessoa melhor? se ler qualquer caderno da folha me livrarei de todos os males?), pois as ambulâncias servem aos doentes e a metáfora do abrir caminho a uma ambulância é a mais prepotente q ela poderia arrumar… mas deixa quieto, prepotente são os outros, ela não.

            talvez ela não goste dos coletivos de imprensa independente, daqueles q correm por fora e dão furos na velha imprensa. talvez ela tenha asco da, por exemplo, “mídia ninja”, q faz um trabalho melhor em alguns casos e com bem menos recursos. só q não é à toa q o jornal dela fez parceria com a “vice”… mas por que será, né? empatia não deve ter sido.

          3. Como já tinha, o tom do texto dá essa ideia de arrogância de que a imprensa tradicional é superior, mas é o sentimento que o texto passa, não algo que ela disse diretamente.

            ” Mas poderíamos guardar um pouco da nossa mesquinharia, da nossa hipocrisia e da nossa prepotência para depois. Agora não é hora. Deixem a ambulância passar.”

            Juro que não entendi como você entendeu, mas você pode estar correto, ou não…

            E cara, você sabe que existem os abutres sociais. A não ser que você nunca tenha tido Facebook ou não segue certas hashtags no Twitter. Eu não disse, em momento algum, que as pessoas estão erradas em prestarem solidariedade às vítimas em suas redes sociais, o problema está quando essas pessoas repassam desinformações que só atrapalham ou só falam merda a respeito, influenciando mal outras pessoas e o rastro de bosta ficando cada vez maior.

          4. cara, acho q já não estamos falando mais da mesma coisa…

          5. cara, acho q já não estamos falando mais da mesma coisa…

  6. Acabei de ler no Meiobit sobre o maior prejuízo que a Lenovo já teve.

    O que acham disso? Compraram a Motorola, fizeram tudo diferente do que o Google fez e deu nisso?

    1. Acho que (infelizmente) é o normal, ao meu ver a estratégia da Motorola continua sendo muito similar a proposta pelo Google no primeiro Moto X com a exceção da ergonomia apenas…

      Apesar de muitas pessoas (geeks) elogiarem otimização de software, linha enxuta e Android mais puro não há evidências que isso seja uma boa estratégia: a Samsung faz exatamente o contrário e domina o lucro e os mercados, assim como Xiaomi na China e até a LG que corre por fora junto com a Motorola.

      1. Isso mesmo. E muita gente fala como se a Samsung fosse a mesma de uns 2 ou 3 anos atrás – só pensa assim que não conhece a linha mais recente, com destaques de estar mais enxuta de aplicativos e com tela, acabamento e sensor biométrico superiores a concorrência Android. Fora que a Samsung e Lg tem aplicativos realmente úteis e que funcionam perfeitamente e até melhores que várias soluções do mercado.

    2. Diferente do Google? Não mesmo.

      E o Google se livrou logo da Motorola pelos prejuízos exorbitantes que tiveram no curto período.

      1. Interessante é ver que os prejuízos diminuíam a cada trimestre mesmo com o Google/Motorola tendo uma linha pequena e barata (em comparação com a concorrência).

        Já a Lenovo… primeira ação foi voltar o preço de venda para o preço de lançamento :(

      2. Interessante é ver que os prejuízos diminuíam a cada trimestre mesmo com o Google/Motorola tendo uma linha pequena e barata (em comparação com a concorrência).

        Já a Lenovo… primeira ação foi voltar o preço de venda para o preço de lançamento :(

  7. Me tirem uma dúvida por favor: quando o problema comprado pela internet ainda esta dentro da garantia de 90 dias, e ai ele apresenta algum tipo de defeito, o vendedor é obrigado a pagar o frete de devolução do produto ou não?

  8. Engraçado como as coisas são: a Apple (mais seus fans) criaram um certo mito sobre a integração de hardware e software que tornavam seus aparelhos melhores mesmo com menos poder de processamento. Junto a essa fama, as comparações de performance erradas que muitos fazem como achar o Moto G melhor que o Moto X porque um é quad-core e outro dual-core, só aumento essa ideia de que a integração de hardware + software é uma espécie de mágica que faz um hardware lento ter ótimo desempenho.

    Nesse contexto, talvez o maior mérito dos iPhones é descartado: performance em estado de arte, consideravelmente acima dos concorrentes, em questões de CPU, GPU e desempenho de memória/armazenamento.

    http://www.anandtech.com/show/9686/the-apple-iphone-6s-and-iphone-6s-plus-review

    1. E aí sempre tem aqueles que bradam que o novo SoC octa-core com 3 GHz é mais rápido porque NÚMEROS.

      Dá para estender esse raciocínio a software de terceiros também. Imagino que otimizar software seja complexo, então muitos desenvolvedores se aproveitam do excedente em poder computacional para “relaxar” na programação. Temos dispositivos super avançados que, com o software atual, não faz muita diferença do que tínhamos no passado.

  9. Conseguem explicar o fenômeno dos fones de ouvidos aqui no Post Livre? É sagrado, toda semana tem um post sobre !

    1. Infelizmente no Brasil é um acessório extremamente negligenciado pelos sites de tecnologia, graças a isso usuários comuns acabam precisando se virar e pesquisar bastante. Por esse motivo o MdU acaba se tornando praticamente uma válvula de escape para esse assunto.

    2. Acho que apesar de ser odiado, a fama dos Beats ajudou a criar um awareness de áudio de qualidade: antes as pessoas não gastavam com fones porque nem sabiam que o fone do iPod era um dos piores e não dos melhores, não existia nas lojas de eletrônicos sessões com fones para experimentar e perceber que há opções bem melhores mas que são 5x ou 10x mais caro que o fone que vem na caixa do smartphone.

      A primeira vez que gastei R$100,0 em um fone fui taxado de louco, agora isso é meio que o mínimo.

  10. Alguém que tenha uma Moto ou um Carro, vai vender pra comprar o novo iPhone 6S? Um amigo meu perguntou se valia a pena vender o apartamento dele pra comprar o iPhone 6S + Apple Watch…… :p

    1. W
      T
      F
      !
      !
      !

      Só isso a dizer para seu amigo.

      edit: manda ele alugar o apartamento que rende mais dinheiro.

  11. Pessoal, na opinião de vocês, placa de video dedicada faz MESMO a diferença num notebook? Tô de olho em alguns com placa da Nvidia, mas não sei se ainda existe aquele abismo entre estas placas e as integradas da Intel mais atuais.

    1. Depende da aplicação. Vale se você joga ou usa aplicações com suporte a GPGPU… Para outros cenários, as integradas da Intel dão conta muito bem. E não é de hoje. O meu notebook atual tem uma Iris 6100; meu antigo tinha uma HD 3000 (de 2011). Em ambos, nunca passei por perrengue.

      Acho bizarro o povo que quer notebook leve e fino e que tenha GPU dedicada. O projeto fica mais complexo e isso tem um custo estrutural. Pessoalmente, prefiro menos poder de processamento (até porque, hoje, tudo é rápido) e um perfil mais fino/leve. Como eu só escrevo e ~visito websites~, para mim esse trade-off funciona.

      Edit: outra esquisitice do nosso mercado é notebook com GPU dedicada e disco rígido. Se você quer velocidade, SSD é o mínimo. Depois se pensa em outras coisas, mas, de longe, para aplicações corriqueiras e que não exigem muito do processador, SSD é o que faz mais diferença.

      1. Penso igual sobre o tamanho do note, Ghedin. Pra mim não importa se ele vai ser uma tábua, contanto que seja potente. Afinal, dificilmente vou tirá-lo de casa. Só não pego um desktop por questões pessoais.

        Quanto a aplicação, seria só praquela jogatina depois do trampo e de fim de semana. Não precisa ser uma placa que rode qualquer AAA no ultra, mas que pelo menos rode a maioria dos jogos com fluidez. Meu note atual também tem uma HD 3000, e considero uma placa integrada razoável. Já me deu muitas alegrias, mesmo jogando tudo no low.

        1. Tente achar algum note com Intel ix-5xxx ou ix-6000.
          No caso vale lembrar que como é VGA integrada, quando melhor o CPu melhor a VGA, então um i5 é o mínimo, ás vezes dependendo do preço um i7 compensa.

          E RAM é claro, 8 GB para cima para não passar nervoso, principalmente se comprar notebook com VGA dedicada que costumam usar a RAM normal como vRAM.

      1. O que tem elas, Louis?

        Os que eu estava de olho são das 820m e 840m. Creio que esses sejam ainda piores do que os que você mencionou, certo?

        1. Acho que um notebook não vai suprir a necessidade de alguém que goste de gráficos com alta resolução e textura. Entretanto, se a pessoa estiver disposta a deixar isso de lado, pode jogar algo com aproveitamento melhor em uma 840m (se o notebook tiver uma placa off mais simples que isso e ainda for 64 bits, não terá grande diferença dos gráficos integrados dos processadores da Intel mais recentes e em alguns casos pode ser até inferior).

          No início até o meio desse ano, a Asus teve um modelo que esgotou rapidinho com a 840m e saia por volta de R$1.600,00.

          Só recomendo que não acredite que uma placa assim fará milagre, pois, você pode acabar bem desapontado.

          Fuja da Acer (tem um modelo atualmente da empresa com um 840m – com um preço competitivo) e procure (se possível) por algum notebook da Avell que caiba no seu orçamento.

    2. Depende, se for até uma GTX 960M não vale, a diferença é mínima entre a dedicada e a linha Intel HD, se o note vier com qualque coisa acima o investimento é bem válido. Isso apenas comparando números dos diversos benchmarks disponíveis. Talvez se for fazer algo específico para trabalho, você possa ver vantagem em ter uma placa dedicada. Ai é bem passível de mudança.

    3. Se você joga faz absolutamente toda a diferença, nem importa quão vagabunda ela é. Eu tenho um MacBook Pro 2015 com a Iris Pro (o estado da arte de placa onboard), e a minha esposa tem um MacBook Pro 2011 com alguma AMD dedicada da época, de 1GB. Você só vê o poder da Iris em renderização de vídeo, ou pelo fato de gastar bem menos energia. Mas em termos de framerate em jogo bom, novo, o de 2011 ainda é melhor. Mas se você não for jogar, não faz diferença hoje em dia.

    4. Se você joga faz absolutamente toda a diferença, nem importa quão vagabunda ela é. Eu tenho um MacBook Pro 2015 com a Iris Pro (o estado da arte de placa onboard), e a minha esposa tem um MacBook Pro 2011 com alguma AMD dedicada da época, de 1GB. Você só vê o poder da Iris em renderização de vídeo, ou pelo fato de gastar bem menos energia. Mas em termos de framerate em jogo bom, novo, o de 2011 ainda é melhor. Mas se você não for jogar, não faz diferença hoje em dia.

    5. Se precisa realmente de um equipamento dedicado, pegue com placa dedicada. Claro que como bem falado, videos integrados atuais aguentam bem coisas que há 10 anos atrás, as antigas placas integradas não faziam bem.

      Aproveitando para não dar dupla resposta, em partes concordo com o Ghedin – um SSD (provavelmente) é uma boa pedida. Ainda não adquiri algum equipamento com isso, mas espero assim que os preços abaixarem um pouco mais…

  12. Pessoal, na opinião de vocês, placa de video dedicada faz MESMO a diferença num notebook? Tô de olho em alguns com placa da Nvidia, mas não sei se ainda existe aquele abismo entre estas placas e as integradas da Intel mais atuais.

  13. Com o nosso dólar de quase quatro reais os produtos eletrônicos acompanharam a alta e deixou alguns preços quase abusivos na questão do custo benefício. Não só a Apple como várias empresas tem feito a assustadora conta de multiplicar por 8, 9 ou até 10 vezes o preço em dólar para chegar no preço praticado aqui.

    Pensando nisso, gostaria de saber de algum tributarista ou entendido no assunto como é o processo de importação de produtos eletrônicos por empresas varejistas e por filiais. O imposto é o mesmo de 60%? É sobre o preço cheio ou sobre o preço de custo?

    Pergunto isso porque tenho visto muitas discussões em torno do preço de alguns produtos(principalmente os da maçã). Alguns fazem uma conta como se a empresa importasse igual a um usuário final e defendem o preço praticado. Já outros acreditam que as empresas estão aproveitando para lucrar bastante.

    Qual o correto afinal?

    1. Não sei se estão aproveitando para lucrar bastante (chuto que sim), mas imagino que PJ tem uma cascata de imposto bem diferente de PF. Sem contar os outros custos.

    2. A Apple e Sony sempre fizeram isso e estão aproveitando a alta do dólar.

  14. Com o nosso dólar de quase quatro reais os produtos eletrônicos acompanharam a alta e deixou alguns preços quase abusivos na questão do custo benefício. Não só a Apple como várias empresas tem feito a assustadora conta de multiplicar por 8, 9 ou até 10 vezes o preço em dólar para chegar no preço praticado aqui.

    Pensando nisso, gostaria de saber de algum tributarista ou entendido no assunto como é o processo de importação de produtos eletrônicos por empresas varejistas e por filiais. O imposto é o mesmo de 60%? É sobre o preço cheio ou sobre o preço de custo?

    Pergunto isso porque tenho visto muitas discussões em torno do preço de alguns produtos(principalmente os da maçã). Alguns fazem uma conta como se a empresa importasse igual a um usuário final e defendem o preço praticado. Já outros acreditam que as empresas estão aproveitando para lucrar bastante.

    Qual o correto afinal?

  15. Porque seria interessante para uma pessoa aprender programação? Digo, nem que seja uma coisa básica, mas já que tem bastante programador aqui, queria a opinião de vocês.

    1. Se você aprender a programar direito, mesmo o básico, você aprende a resolver problemas de maneira lógica. Isso pode te ajudar a resolver outros problemas, que não envolvam programação, também de maneira lógica. Outro ponto que eu acho legal é poder entender melhor como esse mundo de coisas tecnológicas à sua volta funciona, isso pode te ajudar a tirar melhor proveito delas.

    2. O que o Vagner falou é verdade, eu fiz um curso de Lógica de Programação, que é meio uma iniciação na programação, e cara, você começa a assimilar a tudo, de verdade, você consegue ate arquitetar como determinados app’s funcionam…

    3. De forma genérica, acho meio sobrevalorizado o ensino de programação, mas pode ser útil para bastante gente sim. O que você pretende fazer da vida?

    4. PORQUE É LEGAL DEMAIS!

      Hahaha, agora falando sério, meu raciocínio lógico e, consequentemente, meu pensamento matemático melhoraram demais depois que comecei a programar. Além do que o Vagner falou, você compreende muito melhor o que usa de tecnologia.

    5. Cara, trabalho como auditor, tive lógica de programação, Java, HTML e SQL na facul, mas não sei programar uma linha de código sequer (tanto que estou fazendo DP de programação web pela 3ª vez kkkk). Mesmo sendo um cone programando, a visão que você tem da lógica pode ser aplicada em praticamente qualquer problema do seu cotidiano. Já tive minha pele salva várias vezes no trampo por ter aplicado conceitos de if e else numa base de 15 milhões de linhas.

    6. Muitos cursos de faculdade como engenharias, estatística, matemática e física estão ensinando conceitos de programação hoje em dia e fazendo uso desse conhecimento, principalmente se vc fizer parte de algum grupo de pesquisa. Então mesmo que vc não vá parar na área de computação, saber programar pode ser útil pra vc de alguma forma.

    7. Como outras disseram, no começo, digo que programar te ajuda a resolver problemas de raciocínio lógico. Se você já for bom nisso, te garanto que vai ser um bom programador.

      Outra coisa que te ajuda também é planejar melhor as suas ações, ser mais organizado. Como para programar você exercita o planejamento dos passos para chegar a um objetivo, esse tipo de coisa vai te ajudar em vários aspectos da vida.

  16. Ghedin, o Iphone 6s que eu comprei não chegou? Vou cancelar a compra então! Depois de passado o dia do aniversário não tem mais graça! :’)

  17. Há duas semanas se não me engano falamos aqui do rio Doce sobre ele estar secando. Muitos devem estar acompanhando pela mídia o desastre de Mariana que afetou ainda mais o rio. Mas há visões alternativas que mostram o quão grave é a situação aqui: https://vimeo.com/145527950

    1. Cara, que merda essa situação do Rio.
      Fodeu com tudo a custo da mais simples mesquinharia. Revoltante.

    2. Por algum motivo o firefox não quer exibir a janela de video do vimeo aqui ‘-‘
      Tive de caçar o link pelo IE para poder ver.

      Salvando aqui só para o caso de alguém estar com o mesmo problema https://vimeo.com/145527950 .

  18. Galera, indicação de fone de ouvido in ear: jbl t100 a. O som é bom (não sou audiófilo, mas é melhor que os philips que eu tinha), é bastante resistente (mais de seis meses de uso diário, segunda a segunda) e me custou R$72 na época. E tem microfone.

    1. Depois de incríveis 3 anos de duração, meu House of Marley Smile Jamaica morreu esses dias. Como o Ghedin defende, estou disposto a fazer um bom investimento para ter um bom fone por mais alguns anos. O HoM não vende mais no BR, e das minhas pesquisas, o que mais acredito que atenda às minhas demandas (bom grave, microfone e cabo resistente), achei esse JBL J22i http://www.americanas.com.br/produto/116456801/fone-de-ouvido-jbl-j22i-branco?DCSext.recom=Neemu_Produto_viu-viu-2&nm_origem=rec_produto_viu-viu-2&nm_ranking_rec=2.

      Alguém conhece, recomenda? Ou então, recomendam outro modelo que atenda a essas demandas por até uns 200 reais?

      (Burgos, aproveitando que você está nos comentários, e que sinto falta de suas matérias sobre fones, peço sua opinião também, considerando mercado BR. Ficaria muito agradecido!)

    2. E Vagner, até cogitei esse modelo, mas fico com o pé atrás pelo fio dele parecer frágil. O que você me diz sobre isso?

      1. Parecer, parece mesmo. Só que foi uma das coisas que mais me impressionou. Bem mais resistente que os Philips, Koss e Cretive que dava preferência antes. Eu ouço indo, voltando e durante o trabalho, e também quase sempre que tenho que sair além da esquina de casa, e até jogando vídeo-game. Já prendi no ziper da jaqueta! E tá de boa até hoje. Qualquer outro fone que conheço já estaria inutilizado. Agora, se são tão resistentes quanto os que você tinha eu não sei.

    3. Na Fnac está uns R$ 90,00. O microfone dele é compatível com android? O controle tem botão apenas para atender chamadas? ou ele também serve para pausar, retroceder ou avançar músicas?

      1. Uso num Moto G 2 e funciona tanto o microfone quanto o botão para atender/encerrar chamadas e avançar/retroceder/pausar músicas. Serve também no Xbox One e dispositivos iOS e tudo que aceita padrão CTIA (deve funcionar no PS4 também). Não funciona em androids muito antigos (antes de 2012) que usavam o padrão OMTP.

  19. Aproveintando o lançamento da Mi Band no brasil, vou relatar mais ou menos minha experiência de 2 meses com ela

    Comprei no dx.com, na época foram uns R$65 mas com impostos e taxa dos correios, o preço ficou um na casa dos R$100. Não pratico nenhuma atividade física, o que mais me animou foi a questão do monitoramento do sono. Eu achava que talvez o Sleep Cycle não fosse tão preciso e queria testar a Mi Band. Pelo que percebi, o Sleep Cycle é, sim, bem preciso, e o app é bem melhor que o Mi Fit. A quantidade de dados que o Mi Fit exibe é bem fraca comparado com o Sleep Cycle. Aqui a comparação dos dois que eu fiz por 5 dias: http://imgur.com/a/4F3Dq

    Infelizmente ela só durou 2 meses. Durante a Campus Party Recife desse ano o bluetooth dela parou de funcionar. Não sei se foi o ambiente (muitos wifis, bluetooths, NFCs) ou se foi coincidência, mas não estava mais conseguindo conectar a pulseira com meu celular, nem com celulares de amigos.

    1. Eu tenho uma que comprei pelo mesmo motivo. A pulseira durou 2 meses :(

      1. Pelo mesmo motivo do rapaz acima? Comprei uma e tô esperando chegar :(

          1. Me refiro ao problema, foi o mesmo? (Também comprei como monitor de sono, e pra desbloquear o celular sem senha)

          2. Então: A compra foi pelo mesmo motivo. O problema foi outro, a pulseira.

          3. A pulseira é mais fácil de resolver, só comprar uma nova. A cápsula ainda funciona pelo menos?

          4. A cápsula tá de boa. Se quiser ver der a pulseira da sua…

          5. se vc pagar o envio, eu coloco numa caixa a pulseira original e uma outra pulseira genérica que também comprei no dx.com e te mando

          6. Pago o envio sim. E se quiser bota um preço nelas também. Me diz como entro em contato com vc pra combinar.

    2. Comprei a minha na Mi BR ,esperando chegar, a de vcs é original? vi que tem muita falsificação da Mi band

      1. creio que era original sim, embora não posso dar 100% de certeza pq não comprei num site oficial

    3. Ja faz um ano que uso quase que diariamente a MS Band. Nunca apresentou problema. Super recomendo.
      Um amigo usa uma da Garmin, mais enxuta porém bem bacana tbm…

      1. então, eu fiquei muito interessado na ms band, mas como não pratico esportes nem nada, achei que era um investimento meio grande

  20. Aproveintando o lançamento da Mi Band no brasil, vou relatar mais ou menos minha experiência de 2 meses com ela

    Comprei no dx.com, na época foram uns R$65 mas com impostos e taxa dos correios, o preço ficou um na casa dos R$100. Não pratico nenhuma atividade física, o que mais me animou foi a questão do monitoramento do sono. Eu achava que talvez o Sleep Cycle não fosse tão preciso e queria testar a Mi Band. Pelo que percebi, o Sleep Cycle é, sim, bem preciso, e o app é bem melhor que o Mi Fit. A quantidade de dados que o Mi Fit exibe é bem fraca comparado com o Sleep Cycle. Aqui a comparação dos dois que eu fiz por 5 dias: http://imgur.com/a/4F3Dq

    Infelizmente ela só durou 2 meses. Durante a Campus Party Recife desse ano o bluetooth dela parou de funcionar. Não sei se foi o ambiente (muitos wifis, bluetooths, NFCs) ou se foi coincidência, mas não estava mais conseguindo conectar a pulseira com meu celular, nem com celulares de amigos.

  21. Jogos de tabuleiros modernos (observar que não falo dos war/monopoly da vida), novo hobby recente e fantástico. Mais alguém?

    1. Queria adentrar nisso.
      Nunca joguei aquele Niagara Falls ou Catan

      1. Sim, fiz apenas 12 :( Os melhores que joguei até agora foram Trajan, Puerto Rico e Battlestar Galactica (ainda estou sob efeito da primeira e única partida). Estou iniciando alguns amigos ainda, mas já encontrei um grupo dedicado à Euros pesados. O que você recomenda que possa agradar tanto iniciantes intermediários (que não foram para além de 7 Wonders) e estrategistas heavy-gamers? Nessa linha, um que funcionou foi Istanbul.

        1. Ticket to Ride, Stone Age, Navegador, Pandemic (especialmente esse novo) e Antike são alguns que eu acho que são tranquilos de pegar e tem estratégia pra quem é mais “heavy”.

          Se o povo gosta de coisas mais temáticas e não tem problema em ler em inglês, Thunderstone e Roll for the Galaxy funcionam bem também.

          Se você gosta de jogos de cartas, mais abstrato, Splendor tem sido dos favoritos do ano. E Tichu é outro clássico.

          1. Ticket já jogamos e foi bem bom. Já comprei Stone Age (pro grupo misto) e Race for the Galaxy (a versão em cartas pro grupo Heavy), jogaremos em breve. Interessaram-me bastante o Navegador, Tichu e o novo Pandemic. Valeu pelas dicas! Espero ganhar mais XP pro Mage Knight, hehe.

        1. Bem difícil. Os 10 favoritos que vem à cabeça, sem ordem precisa.

          1. Twilight Struggle
          2. Combat Commander: Pacific
          3. Twilight Imperium 3
          4. Mage Knight
          5. Terra Mystica
          6. Eclipse
          7. Through the Ages
          8. Steam
          9. X-Wing Miniatures
          10. A Game of Thrones

          (Mas tudo isso depende obviamente do grupo, tamanho da mesa, tempo, etc. =))

  22. Algum desenvolvedor mobile com experiência em iOS poderia me ajudar? Estou com dificuldades para fazer o upload de um binário via Application Loader, e isso está me deixando sem cabelos já…

  23. Pessoal, alguém já testou MiBand no windows phone? Vi que tem alguns aplicativos na loja, só não sei se eles funcionam bem.

  24. Pessoas, estamos nos articulando aqui, nos bastidores, para voltar com o podcast (YEAHHH). Quero ouvir de vocês o que vocês querem ouvir de nós. Temos alguma ideia de como será esse “revival”, mas opiniões são sempre bem-vindas.

    1. Sugestões:

      – Bloco de comentários das principais notícias do período;
      – Bloco sobre experiências com aplicativos (desktop/mobile/web/etc) e/ou dispositivos usados no período (informações/impressões);
      – Bloco sobre um tema para debate/discussão;
      – Bloco de recomendações gerais (relacionadas ou não com tecnologia);
      – Bloco de entrevista com convidados (Com talvez algumas poucas perguntas fixas: “O que você leva de diferente na sua mochila?”);

      Alguns blocos podem ser curtos e fixos (notícias, experiências) e outros podem ser mais longos e intercalados (debate, recomendações, entrevista). Pode ser uma boa usar o modelo de “temporadas”. O lance das recomendações, ainda que não-tecnológicas, me parece interessante por trazer o ponto de vista de pessoas que são íntimas de tecnologias/comunicação/internet e trazer um pouco do clima dos “posts livres” para o podcast também.

      1. “Bloco de recomendações gerais”, não pode faltar. Cortem o resto, mas não cortem isso, haha. O Braincast tem um bloco do tipo, tão popular que começaram a fazer vídeo a respeito.

        “Qual é a boa?”, uma palinha..
        https://youtu.be/6CEZqXP6bGU

        1. Não tenho mais tempo de ouvir Braincast, mas sempre paro para ouvir o qual é a boa

          amo sou crisdicas

      2. Não sei se vai rolar algo tão abrangente e variado assim. Nesse primeiro momento, nosso objetivo é pura e simplesmente fazer a coisa andar, então deveremos focar nas notícias da semana (sim, a cada sete dias um novo!).

        As sugestões são ótimas e, na medida em que engrenarmos, poderemos tentar incluir algumas delas na rotina do programa. Valeu pela contribuição, @witaro:disqus!

    2. As sugestões do Witaro são ótimas , não ficar preso em um único tema.

    3. Que bom que o Podcast voltará. Sugiro o assunto da falta de bons aplicativos de Podcasts (principalmente Android e Windows).

      1. Eu uso o DogCatcher no Android há anos. É bonitão e todo fácil de usar? Não (é mais focado em ter muitas opções). Funciona? Muito bem.

    4. Se seguisse a linha do Tecnocast já ia ser uma boa, dai com o tempo e sugestões o podscast poderia se moldar e ganhar uma identidade própria.

    5. Se seguisse a linha do Tecnocast já ia ser uma boa, dai com o tempo e sugestões o podscast poderia se moldar e ganhar uma identidade própria.

      1. Tecnocast tem uma pegada bem pauta fria. Acho que para a periodicidade que estamos propondo (semanal), não rola. O tempo de preparação para um Tecnocast deve ser grande, além de trabalhoso; queremos algo simples e ágil, do tipo sentar, ler a newsletter do MdU e conversar :)

        1. Não que ter um podcast mais elaborado de tempos em tempos não seja bacana, mas eu geralmente prefiro ouvir sobre ciência e tecnologia como se estivesse numa mesa de bar. Scicast é mestre nisso.

    6. Eu gostava do formato que estava de falar das notícias da semana e comentar, achava legal. Focar em uma delas.

    7. Sugestão?
      Como comprar artigos recentes de tecnologia no Brasil e pagar barato.

  25. Vamos começar com essa grande e saudosa imagem, que diz muito acerca de nós mesmos.

Os comentários deste post foram fechados.

O site recebe uma comissão quando você clica nos links abaixo antes de fazer suas compras. Você não paga nada a mais por isso.

Nossas indicações literárias »

Manual do Usuário