Fundo azul, com uma chamada para um PlayStation 5 no centro. À esquerda, a frase “Ofertas de verdade, lojas seguras e os melhores preços da internet.” À direita, “Baixe o app do Promobit”.

Post livre #322

Toda semana, o Manual do Usuário publica o post livre, um post sem conteúdo, apenas para abrir os comentários e conversarmos sobre quaisquer assuntos. Os comentários fecham segunda-feira ao meio-dia.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Dúvidas? Consulte a documentação dos comentários.

201 comentários

  1. Pessoal, a namorada quer comprar um Xiaomi, na faixa de 1500 reais. Qual melhor modelo?

    Ou vale à pena juntar um dinheirinho a mais e pegar um melhor?

    1. Também estamos procurando um aparelho até essa faixa de preço, Xiaomi ou Samsung. Dicas são bem vindas!

  2. Meu iPad está com um problema esquisitíssimo que não tenho ideia de como resolver. Quando desligo a tela, ou seja, coloco-o em modo descanso, aparentemente a conexão Wi-Fi para de funcionar. Ele continua conectado, mas sem internet.

    Disso decorrem dois problemas:

    1. Ao ligá-lo novamente, tenho que desativar e reativar o Wi-Fi para a conexão funcionar.
    2. Enquanto ele está com a tela apagada, consome muita bateria — praticamente toda ela durante a noite.

    Já resetei o modem, desativei o Pi-Hole, redefini as opções de rede do iPadOS e, numa tentativa mais drástica, hoje cedo voltei o tablet às configurações de fábrica e refiz toda a configuração.

    E… o problema voltou.

    É bem frustrante. Topei com alguns relatos de gente com problema parecido, ninguém com uma solução, porém.

    Se alguém já passou por isso e tiver uma luz aí, sou todo ouvidos.

    1. Ghedin, coloca o modelo dele no comentário. Pessoalmente nunca vi esse tipo de relato, mas posso tentar ajudar.

    2. O meu acontece isso (iPad Pro 10.5-inch), tanto o consumo de bateria quanto o wifi dando umas paradas ao longo do dia. Já li que poderia ser devido a um ping de AirTag e já li também que usar o iPad como hub do HomeKit acaba com a bateria. Aqui em casa estou com ambos os casos e a bateria dura umas 30h só. Antigamente durava vários dias. Nunca consegui resolver com essas mutretas de reiniciar/redefinir. Parece que (se) o defeito for corrigido, será pela Apple.

      1. É, depois de tudo o que fiz, parece-me que é alguma falha que só a Apple para corrigir.

        O que me intriga um pouco é que uns meses atrás ele começou a apresentar esse comportamento, mas depois corrigiu. Não lembro o que fiz, nem se fiz alguma coisa.

        Só para constar, não tenho nenhuma AirTag por perto nem uso ele como hub do HomeKit.

  3. Certa vez li aqui no site uma dica de como organizar a inbox do Gmail separando as newsletters dos demais. Procurei no campo de busca mas não encontrei, alguém se lembra disso e pode compartilhar por favor?

  4. Aquele bichinho da nostalgia está me pinicando tem algumas semanas com um veneno de jogar SNES, GBA, Playstation 1 e Mega Drive.

    Vocês tem alguma indicação de box ou videogame retrô?

    1. Raspberry Pi, placa FPGA com MiSTER, Wii com o homebrew channel ou até seu próprio computador. Pra esses sistemas ai deve rodar liso até PS1 (nunca fiz esse em particular).

      Se for uma solução mais direta, o Switch tem uma seleção interessante de coleções retro disponíveis.

    2. Eu tentaria uns emuladores no seu computador mesmo, para ter certeza de que esse bichinho não é sazonal.

      Se o seu computador for um Mac, não tenho como elogiar mais o OpenEmu — é fantástico.

  5. Depois de ver aqui o comentário do Ghedin sobre os escritórios e minha cabeça ficar a 1000 lendo sobre várias coisas que eu poderia adicionar, queria perguntar fazer uma pesquisa sobre o fluxo de trabalho de cada um.

    Eu, por exemplo, tenho uma parte dos serviços que uso no browser: e-mail, calendário, lista de tarefas e “cérebro virtual”. Cada um fica na sua aba, mas vez ou outra um é negligenciado pois ainda não criei o hábito de consultá-los o tempo todo.

    Tentei resolver isso usando uma extensão que troca a página inicial de uma aba para uma lista de ícones de sites. Por um lado funciona, mas para serviços onde eu preciso consultar o que está acontecendo como calendário e lista de tarefas, abrir a aba e ver ambos ali, junto com quantidade de e-mails não lidos, seria o ideal, mas não achei algo que fizesse isso por mim ainda de forma satisfatória.

    Comunicação eu geralmente uso app externo no Windows pois no caso do Whatsapp e Telegram, em um dado momento não podiam fazer chamadas de áudio e video pelo webapp – e quase ninguém usa Discord profissionalmente. Fora isso, VS code (Python e LaTeX (que 99% das vezes vai pelo Overleaf pela praticidadade)), Word/Excel/PowerPoint, leitor de PDF (Sumatra é o melhor! Foxit se preciso fazer anotações), notepad++ para notas rápidas (tipo o antigo bloquinho e caneta que ficavam do lado do telefone fixo!) e OpenBoard para desenhos manuais com mesa digitalizadora.

    E como é o fluxo de trabalho de vocês em relação a utilização dentro do browser? Extensões? Ícones ao lado da barra de endereços? Simplesmente entra no browser e vai digitando o endereço até ele autocompletar? Aplicativos dedicados para tudo e usar o browser só para pesquisas?

    1. Leitor de PDF usava o Sumatra, pela sua leveza, mas agora o Edge já tem nativamente, por isso não uso mais outros. Além disso, como já uso o VS Code para codificar, uso também uma outra aba em modo Plain Text para anotações (aliás o mesmo arquivo texto pra anotações eu uso o ano inteiro, o que monta um histórico informal do que eu trabalhei)

      1. Mas acho que todo browser sempre foi leitor de PDFs né?

        Essa sua idéia do VS code e uma aba de texto é bem interessante mesmo!!
        Realmente uma coisa que me falta é o hábito de registrar o que eu fiz no dia.

        1. Vou entregar a idade, mas não foi sempre assim, não. Salvo engano, o Chrome começou com isso — e o Chrome é de 2008. Antes, PDF só abria em leitores dedicados.

          1. Ok, sempre foi um exagero meu, mas tem um bom tempo que browsers já fazem isso. Uns 5 anos? 10?

            O Netscape nunca fez, eu acho 😂

            Nem quero lembrar da época do Acrobat Reader!!

  6. O fato de eu dividir com as pessoas é na busca de chegar a algum lugar. Mas às vezes não é possível, como no seu comentário por exemplo rsrsrs

  7. Oi Gente!
    Queria saber a opinião pra vocês sobre anti-virus.
    Eles servem mesmo? Vocês usam? Recomendam qual?

    Eu assino o norton, PORÉM, ele tem constantemente me manda pop up de propaganda dizendo que pode melhorar a proteção se eu pagar mais. Eu achava que o que pagava era suficiente, e isso me fez questionar se anti-virus realmente protege. Algum help?

    1. Mano… Meu conselho pessoal é, o original da Microsoft já faz bem o serviço, o resto é desespero comercial. Uma hora qualquer percebe isso, exceto aqueles que se sentem abraçados num lençol quentinho por usar um antivírus pago desde sempre.

      1. A única vantagem possivel sobre antivirus pago seria o suporte pessoal, mas é raro achar isso.

        Se a pessoa insiste em um antivirus fora MS, o único que recomendo hoje é o Kapersky, e com muita ressalva, pois já vi equipamento lento com ele instalado. Demais marcas dispenso (até pq tem uns 5 antivirus sob o mesmo tero hoje).

    1. Olha, só agora tenho um MotoG5 (obrigado tia 😁).

      Mas sinto falta so MotoG1 e a praticidade dele.

    2. usei um 6s entre 2015 e 2020

      aguentou bem, mas teve troca de tela e de bateria no meio do caminho

    3. Eu uso um iPhone 7 de 256GB. Funciona muito bem (melhor que meu antigo Moto G7) e não pretendo trocá-lo pelos próximos 4 anos, pelo menos.

      1. eu tenho um 7, mas de 128gb, comprado no lançamento. queria eu estar tão otimista quanto você, mas acho que não vai durar mais 4 anos, não. espero estar enganado!

        1. Confesso que a minha compra foi impulso ocasionada pela experiência horrível com o Moto G7 (que tinha dois anos já, tudo bem). Mas acho que, se não tiver nada de muito complexo no futuro médio, ele dura mais ~4 anos pro meu uso (ele até roda jogos como Diablo Immortal, veja só, nunca tive telefone que rodasse jogos).

    4. Uso a primeira geração do SE com 128 gb e, tirando a bateria que tá em 60% de saúde, ele é perfeito pra mim que tenho mãos muito pequenas. Sentirei muita saudade quando tiver que trocar :/

      1. Quanto tempo de uso, Polli? O meu iPhone 8 chegou a 4,5 anos com a bateria em 76% da capacidade original.

        Por ora, você (e eu!) estamos respaldados em caso de troca — a Apple ainda atualiza o iPhone SE e lançou uma nova versão uns dois meses atrás, com o mesmo chip do iPhone 13 e suporte a redes 5G.

    5. eu troquei o 6 só pq o wifi e o bluetooth começaram a dar pau. até bateria troquei naquela época q a apple fez um desconto. sinto falta do botão até hj. iphone de botão s2

  8. qual a maior coincidência que aconteceu com vcs?

    Ontem estava no trabalho e meu cinto quebrou, na hora de ir embora peguei o ônibus e logo depois entra um vendedor ambulante vendendo… cintos! eu já vi venderem diversas coisas mas nunca cintos, achei bem curioso, rs.

    1. Que eu me lembre, recente foi a de eu ligar para questionar quando iam entrar em contato comigo sobre uma consulta médica pra descobrir na ligação que já estava marcada para o dia seguinte. Se eu não ligo, teria perdido a consulta.

      1. A maior coincidência da minha vida foi eu pegar o telefone pra ligar pra alguém e a pessoa pra quem eu ia ligar já estava na linha (a pessoa tinha me ligado, mas o meu telefone ainda não tinha tocado quando eu tirei o fone do gancho).

        PS: para os novos perguntem pra vó o que significa “tirar o fone do gancho”…

    2. Um dia na faculdade ia começar a aula onde teríamos uma prova.

      Estava chovendo muito, falei brincando pro professor:
      – Prof., melhor deixar a prova pra outro dia, pois pode acabar a luz.

      Mal terminei de falar, acabou a luz na faculdade toda. o.O

  9. Desde que os serviços de streaming se popularizaram, eu abandonei a pirataria quase que por completo. Todo o meu consumo de música é através do Spotify, filmes e séries pelo Netflix e Prime, e jogos primeiramente pela Steam. A comodidade desse conjunto, combinado com vários serviços gratuitos, cinema presencial, e a controversa satisfação moral de estar suportando os artistas, me satisfez por um bom tempo.

    Com exceção de algumas “escapadas” pra conteúdos mais específicos, eu quase que esqueci como usar torrent. Eu, que já participei até de trackers privados no passado, nem tinha mais um cliente instalado.

    Recentemente, tenho tido mais dificuldade em encontrar conteúdo de forma “legítima”. Eu até me disponibilizaria a pagar pra assistir aquele filme ou a 10a temporada de uma série que só as 9 primeiras estão na Netflix. Mas o problema vocês já sabem: tá difícil de encontrar. Ou você precisa assinar mensalmente um nonagésimo serviço de streaming, ou simplesmente não encontra “disponível na sua região”.

    Encurtando a história, lá vou eu me banhar nas águas dos torrents depois de uns tantos anos. De cara, já surgem as dúvidas:

    – Quais são os principais sites de torrent atualmente?
    – Por que não to encontrando nada nos primeiros resultados do google?
    – Preciso de VPN?
    – Como sei em qual torrent confiar e não baixar um vírus?
    – Será que consigo um convite pra tracker privado ou esses também já estão no modelo de assinatura mensal?

    Essas perguntas, que seriam óbvias pro meu eu de 14-15 anos, hoje ficaram mais difíceis de responder. Será que realmente ficou mais difícil ter acesso a pirataria ou eu que to velho?

    Encontrei respostas básicas pra essas perguntas. Tenho agora uma lista de 2 ou 3 sites públicos, escondidos atrás de domínios duvidosos, cheios de conteúdo de variadas qualidades.

    Eu até consigo me virar bem, até os torrents com poucos “seeders” estão baixando ok – todavia logo percebi que estou mal acostumado com todo o conteúdo de alta qualidade 4K. Não pra reclamar. Na verdade, acho louvável que um conjunto de pessoas se deu ao trabalho de disponibilizar o filme pra eu baixar com a minha bunda sentada no sofá.

    Apesar disso, alguns motivos ainda me causam FOMO, o medo de estar por fora do mundo dos torrents.

    – Muito conteúdo duvidável, medo de baixar e compartilhar malwares
    – Conteúdo ao mesmo tempo diverso e limitado, se é que isso faz sentido
    – Conteúdo abandonado
    – Baixa qualidade

    É verdade, eu to mal acostumado mesmo. É hora de aceitar isso, fechar o bico e me contentar com o 720p WEBRip.

    Depois de navegar sites e , a pergunta que permanece é: “o quão difícil é pra ingressar no mundo dos trackers privados”?

    Encontrei algumas comunidades como o /r/OpenSignups. Esse pessoal costuma ser bem reservado e rigoroso. E o rigor é alto mesmo, alguns pedem até comprovante de participação em outros trackers privados! Parece até o dilema do primeiro emprego com experiência. Além disso, a maioria dos sites são novos e com conteúdos bem específicos.

    Esse mistério me gera muita curiosidade. Eu gosto de imaginar que existe uma comunidade de pessoas cuidadosamente selecionadas que ajuda a manter e compartilhar uma biblioteca sólida e de qualidade. Eu, que nunca gostei de panelinhas, queria mesmo era fazer parte dessa comunidade.

    No fim, acabei aceitando que a 10a temporada da série vai ficar na imaginação. Na Baía do Pirata, nem sempre o conteúdo é de qualidade, nem sempre o que quero está disponível, mas a comunidade me recebeu de braços abertos.

    1. Eu sou bem mais resignado com isso. Seja por questões éticas e morais (para mim) ou seja pelo trabalho que dá obter conteúdo.
      Se não tem nos streamings que eu assino, eu simplesmente não assisto e deu. Tem tanta tanta coisa pra ver, que perder uma série ou um filme, não muda nada na minha vida. ;)

      1. eu sou assim pra filmes e séries, mas animes muitas vezes não tem disponível, aí o jeito é piratear

      2. Pra mim não tem essa de não tem e ta tudo bem. Sempre acontece de você querer ver algo que não tem no serviço. Aquele filme que todo mundo ta comentando, aquela série do momento e justamente naquele serviço que você não assina.

    2. É bem fácil achar conteúdo em 4k e sem vírus se souber onde procurar, não vou postar os sites aqui porque não acho legal, mas existe e não é difícil. Hoje em dia um Adblock e pesquisa bem feita deixa a experiência muito fácil.
      Eu até tenho conta em sites privados de torrent mas acabo não usando porque os sites abertos me atendem em todas as séries e filmes que preciso e é bastante difícil manter ratio bom em alguns sites porque não tem muita gente baixando fora dos lançamentos.

    3. A maioria das operadoras de internet bloqueiam sites de torrents e de futebol ao vivo (o Google Trend semanal sempre tem a procura de links para jogos ao vivo em seus primeiros lugares), esse bloqueio está no DNS e a maioria das pessoas não saberá como contorna-lo, apesar de não ser tão difícil.
      Tenho apenas uma senha compartilhada da Netflix que mal uso porque o catálogo não me agrada, busco manter uma curadoria ativa da mídia que consumo, então estou acostumado a ir atrás de torrents mesmo, mas nada de especial, procuro no piratebay e baixo com transmission. meu VPN é um cliente gratuito de apenas 500mb por mês que as vezes lembro de usar quando vou pesquisar por um arquivo e a melhor prevenção contra malwares sempre foi e será o bom senso.
      No final das contas as pessoas buscam sempre por maior conveniência e vão achar mais simples assistir a décima temporada do seriado feito por um algoritmo da netflix mesmo.

    4. Sinceramente, te falta prática ou está procurando um conteúdo muito pouco popular..
      Torrent não é esse mar de problemas que você descreveu, com ublock e qBittorrent já está praticamente evitando a maioria dos problemas….
      Hoje eu pego de poucas fontes, depende do que eu preciso, seja musica, software ou video. Entre eles incluo o rarbg, thepiratebay, 1337x… cada um se sai melhor em um ponto. Eu tenho pego mais conteudo de vídeo pelo rarbg mesmo, pois têm muita opção de tamanho, qualidade e codificação.

      não vai encontrar nada diretamete no google, pois ele filtra pra evitar problemas com direitos autorais, aqui no BR não precisa de VPN, você nao vai executar um filme que termina com *.avi.exe né? (espero que não)

    5. – Quais são os principais sites de torrent atualmente?
      Pirate Bay ainda existe, EZTV pra séries ainda acho que é o melhor e o RARBG é excelente tbm.
      – Por que não to encontrando nada nos primeiros resultados do google?
      Por causa das legislações novas contra pirataria, os buscadores mais populares acabam escondendo endereços de sites de torrent, torna tudo mais difícil mesmo.
      – Preciso de VPN?
      Não.
      – Como sei em qual torrent confiar e não baixar um vírus?
      Os sites que eu recomendei lá em cima tem sempre sessões de comentários e ferramentas de avaliações de perfis e da segurança dos arquivos.

      Vale a pena procurar o Stremio tbm, é um aplicativo que meio que seguiu com o objetivo do que era o Popcorn Time, mas com uma interface mais bonitinha e não tão lenta, e com uma comunidade bastante ativa e vários plugins pra assistir as coisas. Uso a bastante tempo e recomendo tranquilamente

      1. EZTV eu fico com pé atrás, porque um tempo atrás o site foi tomado por outra pessoa e o dono original perdeu acesso. Teoricamente o site é bom mas depois disso nunca mais baixei por lá.

    6. Respondendo as suas perguntas, em resumo para o Brasil não precisa de vpn. Existem alguns sites públicos que são bons, mas os melhores são os privados mesmo. Convite para eles você até consegue, mas não está em nenhum vai demorar, tem que começar debaixo para depois chegar até os melhores.
      O Google, mas não somente ele, já está censurando faz tempo, sites de torrent.
      Sites bons para baixar no momento são: RARBG e 1337x, que são abertos e Demonoid e TorrentLeech que são fechados, mas todos mês abrem para cadastro. Além da dica do amigo aqui nos comentários sobre o Stremio, que também uso e recomendo.
      Se quiser mais dicas, me avisa que te mando mensagem no telegram. Eu vi que você está no grupo.

    7. Digita “Awesome Piracy” no google e vai na seção “torrenting” que deve ser o melhor lugar para vc voltar.
      Eu tenho conta em 1 tracker privado mas praticamente não uso. Não sou do tipo que tem um PC pra deixar ligado o dia todo semeando. Na maioria das vezes os públicos (RARBG, 1337x e Torrent Galaxy) me atendem bem, e se não encontrar algo lá provavelmente encontrarei no melhor semi-privado tracker que existe (sem convite), o Rutracker (tem que usar tradutor). O LegendasTV é um grande amigo tbm, tanto pelas legendas como para descobrir conteúdo novo que possa me interessar (ArtSubs <3)
      Agora, a forma que consumo mais conteúdo hoje é usando o Plex. Não tenho um servidor próprio mas tive sorte de encontrar um bem bom no r/plexshares. Também divido algumas assinaturas de streaming com amigos.

    8. Oi! Sei que não responde nenhuma de suas perguntas, mas absolutamente tudo que eu assisto é pelo fmovies

  10. Gente, vocês estão por dentro do OpenAI?

    Vi o Marco Gomes mexendo com GPT-3 e fiquei realmente assustado com o poder desse negócio. Parece que IA está deixando de ser um monte de IFs pra se tornar algo realmente inteligente.

    Dei uma olhada no site, e outras aplicações bebem dessa fonte, como o Github Autopilot e o Dall- E 2.

    Vou deixar um exemplo do GPT-3:

    Faça um texto sobre nenhuma carreira estar a salvo, robôs vão fazer qualquer trabalho:

    “A era da automação está chegando e, com ela, a ameaça de robôs fazerem qualquer trabalho que um ser humano possa fazer. Nenhuma carreira estará a salvo: médicos, advogados, jornalistas, contadores, programadores, engenheiros, dentistas, enfermeiros, professores, caixas de supermercado, cobradores de ônibus, vendedores, bibliotecários, investigadores, arquitetos e até mesmo políticos poderão ser substituídos por máquinas.

    A automação já é uma realidade em muitos setores da economia e a tendência é que ela se intensifique nos próximos anos. Segundo um estudo realizado pelo Banco Mundial, 67% dos empregos que existem hoje nos Estados Unidos podem ser feitos por máquinas até 2030.”

  11. Faz 1 semana que instalei Lineage 19.1 (12) no meu Asus Max Pro M1 (depois de brickar e conseguir recuperar kkkk).
    Aproveitei pra instalar apenas o essencial que uso do Google, no entanto tem um item que ainda não encontrei substituição: previsão do tempo. O app do Google é tão simples e eficiente, mas eu acho um puta bloatware espião pra algo tão simples. Kkkk. Alguém tem sugestão de app leve que mostre a previsão ao longo do dia e semana?

      1. certeiro. esse supre perfeitamente!! muito obrigado! tava complicado de achar algo que não fosse ‘mainstream’ dos apps.

  12. É o seguinte: desencanei do medo das amarras do google.
    Durante anos li pessoas ensinando o passo-a-passo para se livrar do Google e a importância da privacidade.
    Uns mandam mudar de sistema operacional, mas com uma pesquisa rasa vc descobre que quem mais paga dinheiro ao Safari/Apple é o Google. Quem mais paga dinheiro a Mozilla (navegador quase oficial do linux) é o Google.
    Quem mais paga dinheiro nas pesquisas do Vivaldi é o Google.
    Fora que não existe vida sem o Youtube para qualquer internauta do ocidente. Sinto dizer.
    Não adianta sair do Google para entregar os seus dados nas mãos de empresas que comem na mão do Google.
    Usar Duckduckgo ou bing não dá. São ruins! Ponto! É tipo procurar alternativa ao MS Excel e ter que sempre voltar a ele ao descobrir que os concorrentes não fazem mts das coisas que vc precisa.
    Vou voltar a usar o Chrome e serviços do Google que me servirem bem.
    Abraços!

    1. Não adianta sair do Google para entregar os seus dados nas mãos de empresas que comem na mão do Google.

      Em termos de privacidade, não vejo uma relação direta: ela paga para ser o buscador padrão da plataforma, a partir do momento que você altera o buscador, eles não tem acesso a seus dados.

      Além disso, não entendo privacidade como algo binário e vejo vários motivos diferentes para priorizar: por que você acha importante?

      Meu “problema” é mais por modelos de negócios baseados em anúncios. Eles incentivam produtos feitos para vício, que a nível individual acaba com tempo livre e saúde mental…a nível global está destruindo o diálogo. Por exemplo, para o YouTube barrar vídeos sensacionalistas/mentirosos é negativo para o objetivo de negócios.

      Por outro lado, acho que o caso do Google Photos é uma troca mais positiva: você disponibilizou suas para para treinar os modelos deles, que até onde eu sei são imbatíveis. Não uso esse recurso, mas vejo que muita gente curte e acha até imprescindível.

      O Open Banking que é opcional também acho que tem potencial para melhorar as coisas: não imagino resolvendo o problema real de crédito no Brasil, mas o problema de pessoas com dinheiro que tem dificuldades em trocar de banco por causa de crédito.

      Nesse contexto, vale reduzir o que te aflige mais e acomodar outros por necessidade. Reduzir já pode ser muito importante e suficiente, é o que muita gente faz com o Facebook, para não ficar viciado mas ainda ter contato com parentes/amigos. A postura de privacidade me lembra muito a dinâmica do FOSS: ou tenho tudo ou esquece.

    2. Concordo com sua premissa, como expus nesta coluna. A pressão de quem “acorda” para a questão da privacidade pode se tornar sufocante e entrar na frente de outras prioridades, então, use o que julgar necessário ou se sentir confortável.

      Porém, concordo com o @Gabriel Arruda também: privacidade não é algo binário. O fato do Google financiar tantas empresas e iniciativas que competem com seus próprios produtos é sintoma do poder desmedido que o Google detém. E esse poder deriva única e exclusivamente do uso massivo que bilhões de pessoas fazem dos seus serviços. Em última análise, deixar de usar o Gmail já é um baque ao modelo de negócio do Google — mesmo que você continue usando a busca e o YouTube.

      Outro aspecto que acho importante nesse debate é separar o que é hábito do que é essencial. O Gmail (para ficar no mesmo exemplo) não tem absolutamente nada que outros serviços de e-mail não tenham e, arrisco dizer, faz várias coisas de maneiras piores. Às vezes achamos que “precisamos” do Gmail por puro hábito/costume.

      1. Infelizmente não estou disposto a uma longa discussão mas o Gmail é superior desde seu nascimento, e até Bill Gates assumiu, muitos anos atrás.

        1. O Gmail era muito superior quando surgiu — outros webmails eram terríveis. Hoje, não mais.

          O que ele tem que outros não têm, ou quais as vantagens que você observa nele, Hélio?

          1. A capacidade excelente de filtrar spam, priorização de e-mails, é todo o contexto de opções que claro outros serviços tem mas, no Gmail é muito mais cômodo.

            Mas essa capacidade de filtragem é tão relevante, que até o Telegram resolveu contar com a IA da Google pra transcrever os áudios pra quem tem o Telegram Premium.

          2. @ Hélio

            Filtros anti-spam são bons em toda a indústria — os provedores trocam informações para barrar spammers mais explícitos. Uso o Fastmail e não tenho problema com isso.

            As outras vantagens são bem subjetivas, em alguns casos podem até ser encaradas como desvantagens. O lance da filtragem automática, por exemplo, a mim é algo ruim, uma automação que não me interessa porque adoto outros meios de gerenciar mensagens.

  13. Alguém por aqui já tentou baixar MP3 do Spotify? Tava querendo baixar um podcast pois o aplicativo do Spotify fica muito pesado no meu celular Android antigo.

      1. Queria baixar/converter um podcast exclusivo do Spotify para MP3 e assim não precisar do aplicativo oficial.

    1. As vezes o Podcast tem fora do Spotify. Além disso, há extensões de aplicativo que permitem o download do que quer.

      Uma terceira opção é deixar gravando no PC direcionando o som para o mixer interno do mesmo, o que é complicadinho, chato e demorado.

      1. Pois é, geralmente a primeira coisa que faço é dar uma caçada nos feeds, mas o podcast é exclusivo Spotify. Tentei uma extensão do Chrome, mas nada acontecia.

        Cheguei a considerar essa possibilidade também de deixar gravando o PC, mas a opção que vi capturava todos os sons tocando, ai ficava meio bagunça se alguma notificação tocasse.

        1. Para não capturar outros sons, basta “dar mudo” nos sons do windows e não usar outra coisa no PC (vai tomar um café, um banho, ver tv, etc…). Ah! E dar mudo no microfone também.

    2. Gostei do empenho meu querido,
      deixo esse link para que possa (talvez) solucionar teus problemas: https://www.reddit.com/r/DataHoarder/comments/qcrywi/spotify_podcasts_downloader/ :]

      O spotify infelizmente me fez parar de ouvir podcasts, porque matou a maioria dos feeds que assinava ou descaracterizou os programas musicais que ouvia (Benzina no Meião é o formato que mais sinto falta).
      Espero que tu consiga baixar, sei que pelo deezer rola de puxar pelo deemix, enfim, boa sorte !

      1. Tinha caído nesse post do Reddit, infelizmente a maioria das soluções cairam já… parece que a tecnologia atual é bem fechada. Talvez eu apele para a técnica de captura.

      2. Tbm senti isso. Muita coisa deixou de ser boa em conteúdo pra ser apenas normal só que com roupa bacanuda.

      3. Não seria o caso de deixar de usar o Spotify e usar aplicações diferentes pra obter seus feeds?

        Em minha experiência pessoal, apenas uns poucos podcasts foram pra dentro de jardins murados como Spotify em um modelo exclusivo. A maioria dos meus feeds agregaram a opção do Spotify às ofertas de disponibilidade.

        Alguns formatos ficaram quase extintos como o da curadoria musical. Talvez porque serviços de streaming de música puxaram pra si essa responsabilidade e também incentivaram a perseguição judicial de qualquer trabalho de curadoria independente.

        Enfim, momento velho-gritando-com-a-nuvem… ou não!

    3. Eu utilizo o zspotify pra músicas mas acabei de testar aqui e ele não funcionou com podcasts. É uma pena porque é muito bom. Quando eu cancelei a minha assinatura eu baixei todas as minhas playlists com ele.

      Talvez você consiga usar o Spotify Lite? Apesar dele ser focado em “streaming-only”, é possível baixar episódios de podcasts. Eu acompanho só um podcast exclusivo de lá, então pra mim serve o seu propósito.

    4. Acabei de ver que o podcast que eu queria baixar alguém fez o trabalho de extrair do Spotify e subir no YouTube, de lá é facinho baixar somente o áudio.

      1. Ublock Origin > Desabilita Javascript
        ou
        entra no site e rapidamente aperta o X (ícone antes de aparecer o atualizar a página)

        Boa leitura :]

  14. Vi uma palestra essa semana em que o palestrante (o Maurício Arruda, arquiteto) soltou que o número de buscas por termos no Youtube já superam os do próprio Google.
    Não achei esses dados em nenhum lugar mas acredito que pode ser possível.
    O que vocês pensam disso? Faz sentido?
    De qualquer forma isso nos indica muita coisa também sobre o comportamento das pessoas na internet. Tanto dos produtores de conteúdo que querem falar sobre qualquer coisa para aparecer quanto dos consumidores, que preferem uma plataforma que apresenta os resultados de maneira uniformizada e mastigada.
    O palestrante também falou de como o Tik Tok está entrando nisso, focando em virar uma “plataforma de educação”, pagando para pessoas fazerem vídeos de “como fazer tal coisa” dentro do formato tik tok.

      1. Não deve estar. Foi um evento presencial. O foco da palestra foi um pouco do escritório dele e como ele utiliza as redes sociais para divulgação.

    1. li sobre isso esses dias, mas agora perdi a fonte: é o segundo buscador mais usado no mundo e o primeiro no brasil (o que também é um dado interessante)

      o celular como aparelho principal das pessoas também influi muito nisso, né? nesse sentido, é até estranho que o youtube ainda não tenha dado preferência ao formato retrato em vez do paisagem — como o tik tok

        1. eu nunca nem chutaria que tem esse alcance

          quase não vejo youtube no celular, então quando os shorts aparecem no computador ou na televisão eu meio que ignoro

          estou ficando velho mesmo

    2. Trabalho com formação de professores e não me impressiona isso ai não.
      A maioria deles prefere buscar por referências de aulas ou fazer cursos no modelo Youtube, numa forma de assistir com o mínimo de interação real possível.
      O que me impressiona é, fruto da subjetivação desse tipo de comportamento, que eles reclamam sobre a falta de atenção dos alunos e falta de participação nas atividades. Dá para imaginar que a minha reclamação em relação aos profs, né? Falta de participação e de atenção nas atividades que proponho durante as formações.
      Agradeço ao ‘pivot to video’ do Mark Zuckerberg por esse efeito nas nossas cognições.

    3. Fico pensando no quanto isso vai impactar as pessoas quanto ao processo de aprendizagem, quanto à interpretação, leitura, etc.

      1. pode tornar as pessoas menos propensas a construírem relações tão precárias com o universo da imagem, não acha?

    4. Assino YouTube Premium pelo motivo único de ver sem propaganda (mas tem uns bonus) e eu arrisco a dizer que se um dia apertar a conta ele talvez seja o último serviço de streaming que vou cancelar. Depois que você para de odiar o YouTube pelas propagandas chatas em várias partes dos vídeos, se torna uma plataforma excelente pra qualquer conteúdo.

  15. Vocês costumam acessar email e calendário/agenda pelos aplicativos nativos do sistema operacional ou preferem a versão web?
    Para quem usa os aplicativos nativos, quais vantagens veem?

    1. Uso o Thunderbird pra gerenciar os e-mails e calendários. O principal motivo é que tenho várias contas de e-mail e calendários em provedores diferentes (do trabalho, pessoal, da comunidade de software livre, etc), então tê-los todos em um só lugar facilita muito o gerenciamento.

      E como é um software desktop, ele fica o tempo todo em background no system tray e é menos várias abas caso fosse utilizar as versões web.

    2. também uso agenda nativa da apple — ao menos por enquanto, já que meu macbook está parado no big sur e sabe-se lá quando vão parar de sincronizá-lo no iCloud

      as ferramentas nativas são suficientes para mim — agenda, bloco de notas, lembretes, etc — e outras soluções mais avançadas me parecem tomar tempo demais de organização pessoal para algo tão simples

      apenas o e-mail que uso a interface do navegador e o aplicativo do gmail no celular

      1. Deixei de usar o Notas porque tinha ali alguns conteúdos que não posso/quero perder e a Apple faz um “lock-in” nesse aplicativo. (O Lembretes eu uso porque, se perder ou migrar para outra solução no futuro, não tem nada muito importante ou que queira preservar.)

        Para notas, misturo arquivos *.txt soltos no computador e o Simplenote, da Automattic.

          1. Não é fácil exportá-las. O Notas salva as notas em um banco de dados interno. Se você um dia quiser migrar para outro serviço, por exemplo, precisa usar aplicativos de terceiros para exportar as notas em formatos abertos ou então abrir esse banco de dados em um aplicativo apropriado para isso.

            O Simplenote, para ficar num bom exemplo, exporta todas as suas notas em arquivos *.txt esparsos em dois cliques.

            (Descobri que o Fastmail não exporta notas também, o que me desanimou de usá-lo para esse fim.)

      2. Depois que respondi seu comentário, lembrei que o Fastmail oferece um lance de notas e que ele é compatível com o Notas da Apple, embora possa apresentar algumas incompatibilidades com as notas salvas no iCloud.

        Como não as estava usando, dei uma nova olhada e… não é que funciona bem? Pensando aqui em contras para essa abordagem — usar o aplicativo Notas com o “back-end” do Fastmail. Numa dessas, largo o Simplenote.

  16. Qual streaming de música vcs têm assinado?

    Eu tenho usado o YouTube Music porque entra no pacote “grátis” assinando o YouTube. Porém, o serviço peca por não entregar ficha técnica dos single/álbum: selo, produtor, compositor… sou muito ligado nesses coisas ainda, vim da época dos encartes nos discos. O Spotify entrega esses dados, mas não tenho gostado da ideia de misturar música com podcast, fica uma bagunça só. Será que existe alguma plataforma, mesmo que não seja de música, que entregue essas informações?

    1. Desde que a Apple lançou o Apple One eu migrei do Spotify para o Apple Music. Salvo alguns álbuns de bandas específicas o catálogo é bem parelho. Sobre a experiência de uso em si, posso dizer que a curadoria de novos artistas / músicas da Apple está melhor do que a que o Spotify entregava para mim. Em usabilidade a experiência é satisfatória. Tem o que o usuário comum busca, mas nada além de qualidade de áudio, letras (onde você encontra info sobre compositor) e informações básicas do disco (sem esmiuçar a parte técnica) e quando disponível, videoclips.

    2. Tidal, pra qualidade sonora, ainda é o melhor. Dentre os outros serviços que tem lossless ou hi-fi, ainda é o melhor.

      1. Já testei o Tidal e descobri que não tenho essa sensibilidade auditiva toda. Não percebi diferença alguma em relação ao Apple Music ou Spotify. Mesmo com fones bons.

        1. Eu também. Minha questão é só com acocha técnica. Aliás, o Tidal é o que traz mais informações.

        2. Já rolou um grande debate em post livre ou no grupo do Telegram. Tenho a mesma impressão que você, depois de passar por Apple Music, Deezer e Tidal (atual). Talvez sejam meus equipamentos sonoros (caixinha simples da Logitech e EarPods), mas não senti diferença alguma na qualidade sonora.

          No fim, o que determina a escolha é a qualidade dos aplicativos, pequenas variações de acervo e… só. No meu caso, levo em conta também o fator “não dar mais dinheiro à Apple”; não fosse ele, usaria o Apple Music — acho o melhor de todos, disparado.

  17. Como vocês lidam com os estressores do dia a dia?

    Fui promovido pra um cargo de liderança no trabalho, e tô ficando simplemente maluco com a nova rotina. É reunião pra lá, gente te chamando no Teams pra cá, e no fim do dia não consegui fazer nada do que precisava fazer ou fico perdido no meio de tanta coisa.

    Soma isso ao fato de eu morar sozinho e ainda ter que cuidar das coisas de casa, como limpeza e alimentação, e tô quase virando o Coringa.

    1. Essa frase de “virar o coringa” tá me dando coisas ultimamente…

      Cara, é escalonar e priorizar o que tem que ser priorizado.

      Cargo de liderança é justamente organizar as rotinas para priorizar o que (você sente) precisa ser priorizado. Por exemplo, precisa priorizar uma investigação de segurança por uma suspeita de fraude, mas chega um pedido para investigar um usuário por uma atitude indevida. É ver o que pode jogar em primeiro lugar, ou o que pode ser direcionado e vai se resolver por si só, talvez até descobre que os dois estão ligados. Ou não.

      Enfim, liderar é organizar, é por em ordem para que tudo flua bem. Tipo que nem maestro de orquestra com a batuta na mão. Um, dois, três, quatro e todos entram no ritmo da batuta.

      (Tá, só falei o que senti que tinha que falar. Lembrei que fiz um curso de administração com 20 anos, mas esqueci tudo pois não anotei direito… e saí do curso pq fui para a Frente de Trabalho)

      1. Ligeiro, na teoria é isso.
        Mas infelizmente na prática a situação é outra.
        Nao existe prioridade pq na visão dos gestores “tudo é prioridade”. E o resultado é isso que o Pierre está passando.

        A unica coisa que eu diria é: se alimente direito, durma direito e cuide da sua saúde mental pq se nao vc morre e a empresa continua.

        1. Sim sim João Pedro.

          Só que tipo, acho que é do ritmo e de como a pessoa se impõe na liderança. “Tudo é prioridade”, mas cai no clichê “alguns são mais prioridade ainda que outros”.

          Lembrando que liderança é delegar. Não precisa estar tudo no colo da chefia. Se sente confiança em uma ou mais pessoas, a função de liderança é delegar tarefas também.

          1. “Tudo é prioridade”, mas cai no clichê “alguns são mais prioridade ainda que outros”.

            Pois é, exatamente isso, cai naquele paradoxo: se tudo é prioridade, nada é prioridade. E no fim o que realmente é prioridade “naturalmente” se assume. i.e: quando dá merda.

            E tem essa, boa parte de um trabalho de liderança é saber delegar funções de forma que o trabalho seja diluído na equipe. Na teoria.

            O foda é que muita empresa “promove” a pessoa, mas ela, além de ganhar novas atribuições, continua com todas as atribuições antigas.

        2. O que tá mais me desgastando é o excesso de interações sociais, o famoso “gente me caçando”. Ontem eu fui acordado às 7h por uma notificação no Teams, só pra você ter ideia. O resto do dia foram só calls e reuniões.
          Quando deu 18h, sentia meu corpo de boa, mas minha mente tava em estado de burnout total, tipo um carro sem combustível e bateria arriada tentando dar partida.

          Antes, quando era senior, minha tarefa era encontrar soluções pros problemas, alinhar com outros coords ou gerentes, meu coordenador avaliar e jogar pra frente. Agora que eu sou o coordenador, não só tenho que bolar a solução, como defender minha escolha.
          E isso não é mais pra gerente, é pra diretor, C-Level e presidência. Se eu der uma vírgula de margem pra questionamento, todo o alto clero vem pra cima de mim.

          1. Tendi.

            Como ja disseram abaixo, aí é usar o não sempre que sentir abuso da galera.

            Em tempos: cargos de liderança costumam ter assessores. Se sente confiança em alguém, chama para assessorar.

    2. Parabéns pela promoção!
      Concordo com o Tyrso. O item 1 é inacreditável, de verdade. Todos ganham

    3. Parabéns pela promoção! Quando eu passei por isso, acabei optando pela solução mais simples de mudar de emprego haha, voltar para área mais técnica e com empresa mais preocupada com qualidade de vida.

      Para não deixar os pratos cair, eu acabei optando por trabalhar um pouco fora de horário, chegando mais cedo para ter 1-2 horas livres sem interrupção de manhã. No final, eu acabava sempre fazendo hora extra, mas ao menos de manhã estava mais descansado para focar e conseguia ir tocando até me organizar.

      Onde eu trabalho hoje, a questão de horas é bem regulada, então algumas pessoas bloqueiam a agenda para não serem importunados. Isso é bem respeitado pelas outras pessoas, mas entendo que nem toda empresa funciona dessa forma.

      Recomendaria trocar ideia com outros coordenadores, porque a estratégia muda de acordo com a cultura geral. É fácil falar para impor limites, mas é difícil ler como isso é interpretado pelas outras pessoas e gestor precisa saber que brigas vai comprar ou não.

    4. Separa tua rotina em deep work e shallow work.

      Pega um tempo para te concentrar no que tu tem de projetos, objetivos, etc. E separa uma parte para conversas, reuniões, responser slacks, emails, etc! :)

      Meio que a “filosofia” que é descrita no “Deep Work” de Cal Newport: https://www.calnewport.com/books/deep-work/ :)

    5. Parabéns.

      Muito se falou aqui sobre por o pé e dar límites mas se isso fosse viável acho que nem promoção você teria né? Rsrsrs

      Entendo por liderança um cargo em si então esse monte de reunião misturado com tarefa parece um erro estrutural então de alguma forma você tem que reduzir as reuniões e justificar que tem prioridades, como muitos já falaram aqui.

      Sobre a casa, se você ganha mais, contrata uma diarista de confiança pra ir uma vez por semana por exemplo, deve resolver seu problema de limpeza da casa.

      Mas no geral o pessoal aí falou que não tem jeito, não sei se concordo.

      Tira o domingo pra planejar a semana seguinte e prever os problemas que podem acontecer.

      Além claro, se desse pra ter um assessor seria bom. Mas se não tiver como, cria um, tipo um braço direito, alguém que queira aprender, crescer e que seja humilde, respeitoso e honesto. Nem sempre tem, mas vale tentar.

  18. Fala pessoal,
    Gostaria de fazer um curso de Microsfot Power BI para começar a preparar alguns dashboards e automatizar alguns reports (trabalho na área financeira, mais focado em custos e FP&A).
    Alguem aqui que trabalhe com análise de dados ou qualquer outra área e que utilize Power BI pode me recomendar algum curso para começar? Vi alguns na Udemy e outros de Youtubers e infleunciadores no Linkedin, mas gostaria de ouvir a experiência dos amigos antes de decidir por algum curso específico. Obrigado!

    1. Minha esposa fez um curso pela DataB e curtiu bastante, os professores Karina e Laender são, segundo ela, duas referências no Brasil.

    2. A Data Science Academy tem um curso excelente de Power BI de graça.

      É bem completo e ensina te pegando na mão do zero, desde como instalar a ferramenta até publicação de dashboards online e uso do Power Automate. Recomendo demais.

    3. Fiz um curso de Análise de Dados numa renomada escola que ainda não me deu meu certificado e tentou me cobrar uma mensalidade a mais, depois ainda me recomendaram um aprofundamento em Power BI pela Data Science Academy.
      Antes eu tivesse feito direto na Data Science Academy.

  19. Fala, pessoal, suave? Uso o Last.FM até hoje. Inclusive é ele que determina se vou usar uma plataforma de streaming de música ou não. Se não tiver conexão com ele, nada feito. É por ele que ainda hoje descubro novos artistas, além de gostar de ver métricas de plays, listas etc. Alguém aqui usa? Se não, como descobrem novos artistas? Só pelas sugestões dos streamings?

    1. também uso o last.fm até hoje, mas acho triste o fim moribundo que a rede teve. na real até houve um certo ressurgimento, pois por vários anos o site esteve completamente largado às moscas, e percebo que de uns 2-3 anos pra cá tem tido uma movimentação de pessoas mais jovens usando o last.fm… mas nada comparado ao que já foi. é uma pena, já utilizei o last.fm como minha fonte principal pra conhecer música nova. hoje prefiro buscar no rateyourmusic, navegando pelos rankings e perfis de gente com preferências similares

    2. Uso lastfm até hoje tbm só uso serviço que tenha suporte a ele.
      Quando o vejo o as pessoas bobas com essa retrospectivas de streaming, eu só fico rindo pq tenho total controle das minhas estatísticas e já sei tudo o que o Spotify vai me mostrar.

    3. Uso só pelo afeto de ser talvez a coisa mais antiga que tenho conta depois do gmail. Nem sei mais navegar pelo site, de tempos em tempos tento descobrir o mais ouvido do mês, semestre etc.

      Para descobrir música, tenho usado a função rádio da música do spotify. Essas semanas descobri que fado português pode ser bem legal (criei rádio da música Falando de Amor, Carminho com Chico Buarque).

    4. Visitava muito o Last.fm, mas de um tempo pra trás só olho no final do ano para ver quantas bandas antigas escutei no ano.

    5. Já tive no passado, mas cansei de tentar fazer scrobble em tudo que é dispositivo. Tem coisas onde não vai dar pra fazer scrobble, tipo som do carro com pendrive com arquivos MP3. No final das contas, eu não anda mais me importando muito com as estatísticas, e acho que essa era a única razão pela qual eu usava o last.fm. Acho que nunca o usei de fato para descobrir música. Atualmente o que eu uso mais para descobrir música e de alguma forma registrar o que eu ouço é o RateYourMusic (futuro Sonemic), já citado aqui.

      1. eu penso como eu era investida nele pq todo dia sincronizava o ipod com o last.fm usando plugin e as vezes dava um trampo…
        agora o spotify ainda sincroniza, mas nem vejo. e ainda as estatisticas estão misturadas pelas coisas q meu marido tbm pede na alexa (geralmente musica q ele mostra pro cachorro kkk)

    6. Não faço uso assíduo do lastfm, mas não ouço música sem que o streaming ou o app faça scrobble.

    7. Ainda uso e adoro! Acesso frequentemente para ver estatísticas do que tenho ouvido, ver o que anda sendo ouvido, mas não sei se eu perdi o jeito ou se a rede já foi melhor para descobrir novos artistas…

      Nessa seara, tenho preferido o Spotify – não só de maneira passiva, mas também ativamente explorando e pesquisando.

    8. Uso e amo, mas infelizmente o app deles não é grande coisa. Por isso recomendo o Finale, que é algo como um client do Last.fm. Além de ser melhor ele ainda tem uma função de ouvir a música ambiente de tempos em tempos pra fazer scrobble e de criar aquelas montagens de álbuns/artistas ouvidos em um período.

    9. Ainda uso, eu amava conhecer novos artistas por lá, agora com a falta de moderação, as tags ficaram inúteis para explorar.

      Meu sonho seria que eles mudassem para uma rede social parecida com o Twitter…

    10. Tenho e uso desde 13/06/2006. Não tão ativamente como há alguns anos, mas de vez em quando ainda entro para dar uma olhada. Ano passado cheguei a marca de 100.000 músicas registradas. =]

      Confesso que conheci vários artistas pelo serviço, mas ultimamente tenho me contentado apenas com a descoberta do Spotify.

  20. Tivemos um bom debate no grupo do Telegram dia desses a respeito de acessórios que melhoraram a ergonomia no uso do computador, como monitor, mouse e outras coisas do tipo.

    No meu caso, gosto muito do teclado e do mouse à parte (uso notebook), mas o monitor grande acabou que não fez tanta diferença no meu dia a dia. Pelo contrário, trouxe até algumas inconveniências, como bagunçar as janelas abertas quando conecto/desconecto o monitor, devido à diferença de resolução.

    Então, pergunto a vocês: das coisas que vocês compraram ou têm para tornar o trabalho mais confortável ou saudável, o que recomendam? E, em sentido contrário, o que vocês acharam que faria uma grande diferença, mas que no final não fez ou até piorou a situação?

    1. Na minha jornada de quase dois anos em busca de uma boa ergonomia, fui descobrindo que o ideal é uma mistura de melhores equipamentos e melhores hábitos. Nenhum equipamento vai curar todos os problemas de ergonomia que você tem se você passa 6-8 horas em frente ao computador ininterruptamente — você precisa manter uma rotina de exercícios, alongamentos e pausas.

      Ter bons equipamentos, no entanto, torna os momentos em que você precisa estar em frente ao computador muito mais prazerosos. Inclusive, a minha volta às aulas presenciais na universidade foi dolorosa não só pelo trânsito, mas por perceber o quão inferior a ergonomia das salas de aula e laboratórios é em relação ao escritório que montei em casa com tanto afinco.

      Os meus equipamentos favoritos:
      * A minha cadeira (Herman Miller Aeron)
      * O meu teclado (Moonlander Mark I)
      * O meu mouse (Logitech MX Vertical)
      * Os meus fones de ouvidos (Sony WH-1000XM4, Kuba Disco)

      Os dois monitores externos (Dell P2319H) também fazem uma baita diferença. Comecei a trabalhar com laptops de 13”. Passar a usar monitores de 23” me ajudam a não forçar a minha visão já muito limitada. Cheguei a cogitar comprar monitores com uma resolução bem melhor, mas não tenho nenhuma justificativa além de “tudo ficaria mais bem definido”. Prefiro gastar esse dinheiro nos móveis do nosso futuro apartamento! ✨

      1. Anna, você demorou a se adaptar a este modelo de teclado? acha que o ganho de ergonomia compensa a transição? e não se bate um pouco pra digitar em teclados com o layout qwerty comum?
        acho o conceito interessante, mas só de alternar entre teclado padrão US (casa) e ABNT (trabalho) já me sinto confuso

        1. A primeira semana com o teclado foi terrível, eu digitava muito devagar (média de 23 wpm). Eu errava constantemente. Foi um momento em que tive que ter muita paciência, ou teria jogado o teclado pela janela.

          A segunda semana foi melhor e a terceira, excelente. Hoje sou mais rápida com teclados ergonômicos (média de 90 wpm) do que costumava ser com teclados normais (média de 70 wpm). O grande pulo do gato é construir uma disposição de teclas que se adapta ao seu estilo de escrita e às tarefas que você executa cotidianamente. Aproveitar as funcionalidades únicas (como Tap Dance e Auto Shift) também te levam muito longe.

          Comecei a usar outros teclados após 1 mês imersa no Moonlander Mark I. Geralmente esse é o período necessário para você desenvolver hábitos mais duradouros. Depois do primeiro mês, comecei a usar outros teclados sem me embananar toda.

          Uso o teclado do meu ThinkPad, um teclado que montei especialmente para carregar na mochila (Lily58 Pro), o teclado do meu companheiro… todos sem problema algum. O máximo que preciso são 30s para me localizar em cada um.

          Uso teclados ABNT se necessário, mas prefiro o teclado estadunidense internacional com as tais das “dead keys”. Mesmo quando digito com o teclado ABNT do ThinkPad, uso esse teclado internacional em todo software. Já estou bastante acostumada a usar Alt Gr + [teclas] para digitar coisas como ç.

      2. Eu tenho muita vontade de tentar um teclado ergonômico desses. Ver os dois modelos que você citou (Moonlander Mark I e Lily58 Pro) fez meu cartão de crédito até suar de nervoso na minha carteira.

        Pergunta: como foi o processo de aquisição desses teclados? Aliexpress ou algum outro site? Pro Lily a primeira ocorrência foi o keyhive. Quando comprei meu Keychron, foi pelo Ali mesmo pois, se não me falha a memória, direto da Keychron o frete era um horror.

        Eu, como professor, digo que a volta ao presencial foi extremamente dolorosa também pelos mesmos motivos. O que eu fiz foi transferir todas minhas aulas “teóricas” (termo antiquado para meu tipo de aula, IMHO) para o laboratório de informática pois na pandemia elas já estavam mais práticas.

        1. O Moonlander Mark I é vendido exclusivamente pela ZSA. Ele chega por courier, tornando impossível evitar a taxação. Escrevi mais sobre o processo de importação no meu blog. Spoiler: foi muito, mas muito caro. Mas como é uma ferramenta de trabalho, ele se pagou rapidamente.

          Quanto ao Lily58 Pro, eu comprei via Boardsource. Ele é um teclado completamente aberto, então você poderia até encomendar a impressão das suas próprias PCBs e escolher componente por componente para diminuir os custos diretos.

          Digo “custos diretos” porque você ainda teria que escolher, soldar e montar tudo — dependendo do seu grau de interesse e seu valor/hora, talvez essa aventura sequer compense.

          Há alguns teclados split no AliExpress. Meu noivo e eu montamos um SP84 há alguns meses que veio de lá. Mas você não vai encontrar a mesma variedade de projetos que encontra em lojas estadunidenses e europeias, infelizmente.

    2. Pensando em “setup” para desktop, as coisas que fazem diferença para meu trabalho, além da cadeira confortável, é o uso de uma Pen Tablet no lugar do mouse, que mantem o punho sempre em posição de escrita e reduz bastante a necessidade de uso de botões e uma luminária simples. Para os fones de ouvido, acabei me rendendo aos TWS (Galaxy Budas Live, que são super ergonômicos e quase não tem peso), pois os headphones acabam ficando desconfortáveis depois de algumas horas.

    3. Eu recentemente comprei um mouse vertical de uma marca obscura. Não vou mentir, não demora pra se acostumar, mas tem situações que ele me atrapalha. Por ele ser alto, por exemplo, várias vezes já esbarrei nele e o derrubei na mesa. A minha mão direita acaba tendo um obstáculo na mesa pra pegar coisas que estão além dele. Então minha experiência com ele está num meio termo.

    4. Uma coisa que me ajuda é um knob multifunção que construí com Arduino. O projeto não é meu, eu só construí e fiz modificações mínimas no hardware e software para poder usar tanto em Macs quanto em PCs, mas ele ajuda demais para avançar/retroceder áudio quando preciso transcrever textos e controlar o undo/redo em softwares de edição.

      1. Ah, e uma coisa que eu só fui pensar em fazer quando já não era tão necessária: Um pedal para ativar/desativar câmera e microfone durante reuniões por videoconferência. Queria muito que essa ideia tivesse me ocorrido no início da pandemia.

      2. Queria achar algum knob multifunção barato. Noto que seria uma boa para quem por exemplo trabalha com “mixer virtual” (microfones USBs por exemplo) e grava podcasts ou edição de vídeo.

        Sei que tem interfaces MIDI que agem de forma similar, talvez até uma interface de mixagem tipo “DJ” pode funcionar.

        1. Para esse fim, talvez o projeto que usei precisasse ser alterado. O custo dele, no entanto, foi muito inferior a qualquer coisa que está no mercado e o produto final não aparenta ser algo DIY.

    5. Bom, deixei de usar 3 monitores, e por hora deixei de usar meu ultrawide pois tenho TDAH, e estava me destraindo muito. Agora estou usando um Dell wide de 27.

      Melhor teclado que já tive é o atual Keychron K3v2. É meu primeiro mecânico, e pesquisei antes de comprar e é muito macio e um bom som (brown).

      Comprei uma cadeira mais cara do que uma mais barata e me arrependi pois além de não ser tão confortável, os braços super ajustaveis não são capazes de se encaixar na mesa sem cansar meus ombros. Na altura certa esbarra na mesa.

      Mouse é um Logi MX Anywhere 2. Penso em comprar o MX Master 3 mas nada urgente.

      Dica máxima: fones de ouvido com ANC. Tenho um Xiaomi Redmi Buds 3 PRO. Não trabalho mais sem ANC :)

      PS: Uso microfone de lapela pra agradar qualquer ouvinte de reuniões mas estou me preparando pra comprar um sem fio de lapela pra ficar melhor pra mim.

      1. Estou fazendo esse movimento de 2 monitores extras para 1 (além do notebook, que é uma telinha que eu deixo para chat) justamente por sentir que consigo ter um foco melhor, além de evitar ficar girando demais o pescoço.

        Como tem sido a experiência?

        1. Honestamente não tenho certeza se melhorou mas tenho trabalhado um pouco melhor então, mais focado, então acho que valeu à pena.

    6. Na correria de adaptar ao ambiente na pandemia, entre erros e acertos, algumas coisas menos óbvias:

      – A cadeira ajuda muito, mas após intensificar os exercícios de calistenia e ganhar mais massa muscular, sinto menos dor nas costas mesmo quando estou em cadeiras menos confortáveis.

      – Eu comprei um MX Keys, ótimo teclado, mas tive dois problemas que eu não esperava. As teclas pesadas me davam dor na mão nos dias de digitação mais intensa, achei que era o mouse…mas era o teclado. Além disso, após anos usando notebook, percebi que teclado completo é um layout pior porque o mouse fica distante e os botões tipo Home/End também.

      – Passei a usar um microfone de mesa e a caixinha de som, o Microsoft Teams faz filtragem de ruído incrível, consigo fazer a reunião com melhor qualidade sem nenhum fio e nem os problemas de qualidade do Bluetooth.

      – Acho que o MagSpeed da Logitech melhora muito o uso do mouse para programação, ao menos para mim, rolar a tela é algo comum e que com a rodinha padrão é travado e pouco confortável. Usando MagSpeed é quase como rolar no touchscreen, a inércia faz toda diferença na experiência.

      – Eu também não me importo muito com espaço extra do monitor, mas a renderização de fonte em HiDPI ajuda muito para leitura. Além disso, meu notebook do trabalho tem um contraste tão ruim, que atrapalha até o esquema de cores das IDEs.

    7. A compra de um headset com ANC foi divisora de águas na minha vida. Tenho dificuldade pra me concentrar com muitos estímulos externos, principalmente sonoros, e o apê onde moro não ajuda muito nisso (já comentei aqui sobre minha guerra com os vizinhos evangélicos).

      Outra coisa que facilitou bastante minha rotina foi um switch KVM da Ugreen. Trabalho com um monitor de 25′, e deixo meus notes pessoal e do trabalho fechados num suporte. Antes do switch, quando encerrava o expediente, tinha que passar todos os cabos e dongles de um note pra outro. Hoje só aperto um botão no switch ou uma combinação de teclas, funciona como mágica.

    8. Quando fui trocar de óculos me ofereceram uma lenta com filtro azul, é uma Zeins. E bem curioso que no final quando coloca a lente na frente da luz da pra ver claramente que está amarelado, da mesma forma que alguns apps e OS fazem. É um detalhe que me ajudou muito a não ficar com a vista totalmente destruída no final do dia.

      Mas algo que gostaria de fazer e projetar são as mesas que sobem e descem, é muito caro ainda aqui, trabalhar um pouco de pé e te forçar a não ficar todo torto na cadeira.

    9. Das coisas boas:

      1. Suporte para notebook.

      2. Uma cadeira decente, comprada quando estava de trabalho remoto na pandemia. No caso comprei uma Cavaletti, modelo que esqueci (não tem apoio de cabeça e nem taaantas regulagens, mas o assento é de espuma bem firme, ela reclina e tem apoio de lombar móvel (pode subir ou descer, não ir pra frente e pra trás).

      3. Teclado e mouse normais, fora. O mouse principalmente, não abro mão, mesmo que esteja usando o teclado do notebook. No fim o teclado de membrana e um mouse convencional com pelo menos 1.200dpi já resolve.

      O que foi ruim:
      1. A mesa do escritório de casa, que foi comprada mais pela beleza do que pela praticidade, tem gavetas, aí bate as coxas na altura e fica tudo meio desregulado na altura, a cadeira não consegue “entrar” tanto pois os braços batem nas gavetas. Um suplício. Mas como não é o computador principal de trabalho, agora que saí do remoto e voltei para o presencial em uma repartição pública, uso mais para jogar então tá de boas. Mas se fosse trabalhar de casa por mais tempo, precisaria de uma mesa melhor.

    10. mesa 2,10 x 80 (bastante espaço, gosto de escrever) em cavalete onde consegui deixar a altura que eu queria e variar um pouco.

      a melhor compra com certeza foi uma tv 4k 50 polegadas uso em 4k 120hz.. equivalente a 4 monitores. com o power toys/fancy zones, geralmente uso 3 em baixo e 3 em cima, sendo os 3 de baixo maiores (web, vs code, banco) e os outros 3 email e chats. (fim, teoria daqui em diante) talvez seria um pouquinho mais feliz com ela curva, mas ser uma tela contínua é MUITO bom, já usei 2 monitores, e um gigante realmente é melhor. talvez o tamanho de 42 polegadas seja o ideal para não virar a cabeça nenhum um pouco. mas tenho dúvida que algo que não seja 4k fique bom.

      iniciei com um teclado logitech mk270 (ainda usando o mouse), fui para um royal kludge rk860 (pesquisem a tradução do nome) brown que é ótimo, mas achei alto (assim como todos os outros teclados do tipo) e errava algumas teclas por ser compacto, então agora estou com um redragon K618 horus que é low profile e vem com switch red (gostando já que é sensível para digitar). já pedi o kit blue e eles tem o brown e black. talvez compre algum outro, permitindo variar conforme o mood. (fim, teorizando agora) pela forma como posiciono teclado/mouse com o mouse perto da barra de espaço, tem funcionado bem, eu comprei achando que conseguiria usar os macros mas ainda não me acostumei pois ele é um gravador de digitação e reproduz até o tempo entre as teclas, mas as teclas de atalho com ahk já resolvem.

      autohotkey + listary, basicamente revolucionou meu uso do computador, vai customizando com o tempo, mas em geral só uso mouse quando realmente necessário, pq a maioria das vezes eu consigo apenas clicar o control 2 vezes e achar o que eu quero ou apenas digito atalho do script e ele acontece.

      fone soundcore q30 com anc ótimo e barato, mas variando com kz sk10 e um outro kz pendurado com fio as vezes por ser mais leve.

      falta:
      – cadeira que barata com meu jeito de trabalhar, ainda tentando fazer a cadeira com banco de carro
      – mx master 3
      – fone de ouvido anc formato earbuds tipo do kz, o formato da apple não encaixa comigo, em preço razoável
      – gostei da ideia do teclado de atalhos feito com arduino e comando com o pé

      1. Não querendo ferrar com sua conta bancária, mas o MX Master 3 está em promoção na Kabum. Entre pelo promobit que vai vê-la. Eu até cogitei pegar um para andar na mochila, mas aquele valor é apenas por PIX e não to podendo fazer um compromisso desses de uma pancada só.

    11. Desde 2020 que eu venho mudando minha área de trabalho completamente. A mesa eu já tinha comprado a “dos meus sonhos” anteriormente e estava satisfeito. Mas como usava notebook e monitor externo, ficava incomodado com essa mudança de resolução. Minha solução foi montar um frankenstein desktop.

      Mantive o notebook para quando precisar visitar um cliente ou quando o ensino presencial voltasse. Quando peguei o teclado mecânico, que não é ABNT, até troquei o teclado do notebook pois estava me enrolando todo.

      E desde 2020 fui comprando braço para microfone (e um microfone mais safado do ML que eu modifiquei para não ficar com som “metálico”), cadeira nova, monitores (2 ultrawide), uma pequena soundbar, hub usb com alimentação separada, teclado mecânico e mouse trackball.

      As últimas adições foram um suporte de fone de ouvido na lateral da mesa, um apoio lombar (que minha cadeira não tinha – peguei um daqueles para usar no chão mas amarrei na cadeira – gambiarra total!) e um suporte de pés que tem uns rolinhos para massagear também.

      Os próximos passos seriam adicionar uma dessas barras de luz no monitor, trocar o sistema de som (até estava conversando sobre isso no último post sobre escritórios) e colocar uma GPU nova (nova para minha máquina – estou namorando uma Quadro P200 usada que já é bem melhor que minha jurássica GeForce 210) para poder ligar os monitores via DP e poder ligar meu Switch no monitor também, só alterando a fonte de entrada sem zuar as janelas do meu desktop.

      Queria também embutir portas USB na minha mesa para não ficar com o hub jogado por aqui, mas ainda não encontrei algo que me satisfaça.

        1. É parecida com essa daqui, mas cor de madeira escura e as pernas pretas. A loja original não tem ela atualmente.

          É simples, de “madeira” (pois eu sei que isso aqui é compensado com aparencia de madeira). Mas eu queria que ela fosse ampla para poder, quando necessário (99% do tempo), espalhar tudo que eu estiver usando. E pelo que lembro foi bem barata na época (2018, pelos meus e-mails, mas não consta o valor).

          E eu venho modificando ela desde que comprei. Adicionei mais dois passa fio para os cabos dos monitores e hub USB. Nessa parte vertical de madeira que tem embaixo, atrás, eu prendi essas grades de vitrine usando ganchos e é onde ficam filtro de linha, fontes, etc, tudo amarrado com fitas de velcro.

  21. Salve, salve pessoal! Como estamos?

    Estou iniciando meus estudos sobre UI e UX. Entendi recentemente por alto as aplicações desses conhecimentos. Uma coisa que me chamou a atenção é a necessidade de sempre estar em contato com pessoas. Acredito que seja uma área que tenho certa facilidade e provavelmente seria uma habilidade interessante.

    A ideia é iniciar os estudos enquanto ainda estou em outro emprego e futuramente empenhar nessa área ou em outras relacionadas. Alguém trabalha com isso? Quais conteúdos sugere para quem está iniciando os estudos? Como está o mercado nessa área? Por favor, deixe suas dicas.

    1. Dia! Cara eu trabalho com UX e Design Thinking e minha recomendação é você investir nestes 2 cursos:

      Certificado Profissional UX Design pelo Google (coursera.com)
      Certificado Profissional UX DEsign pela IXDA (ixda.org)

      Ambos são pagos, custam na casa dos US$10,00 mensais e vão te direcionar em várias etapas do processo, desde pesquisa, entrevistas, design sprints, prototipação, validação e Handoff. Cada um demora pelo menos 6 meses para ser concluído e exige um conhecimento intermediário de inglês.

      Sobre mercado, é uma área que está aquecida e neste processo de Jornada Digital que várias empresas estão adotando é uma boa pedida até para tentar vagas no exterior. Eu por exemplo, fiz a transição da área de publicidade / design gráfico (uma carreira de quase 20 anos) e atuo há mais de 4 anos exclusivamente com UX.

  22. Mais uma questão filosófica aqui. Eu poderia estar roubando, matando ou pesquisando no YouTube, mas ainda acho válido discutir aqui:

    Quando chegou sua hora? Geralmente falam da hora de morrer, mas quero saber quando é o melhor momento da sua vida?

    Alguns falam que é o presente, mas ainda que seja, excetuando a morte (sua hora?), esse presente vai virar passado e deixar de ser o melhor momento da sua vida.

    Então como lidar com o fato de que talvez sua melhor hora já passou, está passado ou ainda vai passar?

    Buda disse que a felicidade é o caminho, eu, por exemplo, sou feliz, mas não posso garantir que estou no auge…

    Discorra sobre, 3 linhas.

    1. Eu me vejo mais feliz hoje do que há anos. Gosto muito da rotina, quando eu consigo me manter nela, me sinto satisfeito. Porém, acho que os anos mais felizes foram dos meus 8 aos 13.

    2. Não existe auge, só existe o aqui e agora.

      Essa é só uma opinião, que vem da minha trajetória com o zen budismo, mas enfim. Acho também que a ideia que existe “auge” da vida é um entendimento bem capitalista, de colocar valores quantitativos em diferentes fases da vida. Mas já estou me estendendo hahaha

    3. Rapaz, você acaba de me dar gatilhos o bastante pra eu pedir o aumento da minha dose com a psiquiatra :D

    4. Felicidade é a construção de memória afetiva é líquida, pode ser cristalina e se tornar turva, calma e se tornar agitada. O auge sempre está no passado, pois o agora é perene e o futuro incerto.

    5. eu estou no meu melhor momento hoje, recebi uma promoção, estou fazendo uma pós, dei entrada num apto., estou comprando as coisas pra casa com minha noiva. lógico que pode melhorar, mas no momento é o auge.

    6. Se o “auge” você quer dizer o período de vida mais feliz, então certamente foi aos 12 anos de idade. Foi o ano que eu mais me diverti e tudo na minha vida estava bem.

    7. Não acredito que haja um auge em si, um ponto máximo, mas, sim, vários altos e baixos ao longo das fases da vida

      Até hoje, há dois períodos de “altos” que consigo recordar. O primeiro foi entre 2008 e 2011. Não sei exatamente descrever os porquês. Só sei que havia um clima legal em torno da minha vida nessa época. O segundo período foi em 2015. Nesse ano tudo estava dando certo: estava me formando na faculdade, bolando várias ideias para um pré-projeto de mestrado, apresentando trabalhos em eventos acadêmicos, saindo de um emprego ruim para um promissor e iniciando um novo relacionamento. Infelizmente deu quase tudo errado no final do mesmo ano.

      Ah, e sobre os “baixos”, bom… Acredito que hoje eu esteja no ponto mais baixo do gráfico da minha vida até então.

    8. Eu não sei o dia de amanhã. Então só vou vivendo.

      Depois de ver pessoas próximas indo por caminhos diferentes conforme escolhas, vi que o ideal é tentar ficar sem conflitos demais com os outros (exceto no Twitter… :op).

    9. Certamente os meus 18 com o início da faculdade foi uma das “minhas horas” para mim. Épocas com a vida sexualmente ativa também são alguns auges. Hoje estou em uma fase de transição com muitas mudanças, rotina corrida e algumas angústias que eu não deveria dar tanta atenção mas mesmo assim me incomodam. Mas acho que logo chego em um novo auge.

    10. Muita gente pensa em felicidade como momentos felizes, eu gosto de pensar como momentos sem preocupações negativas. Como saber qual o “melhor” momento? Em todas as fases da vida temos preocupações, é bastante relativo.

    11. É o presente, em questão de “momento de vida” ou “fase da vida”. Acho que a felicidade é composta de várias coisas que nos deixam satisfeitos no dia a dia. Talvez quando isso mude ou deixa de ocorrer, ou seja, só acontece porcaria, aí é momento de avaliar o que está ocorrendo. E no fim o passado não existe, é isso, passado, então não dá pra comparar.

      E sobre o auge, auge do que? O que é o auge da vida? Sei lá, acho que isso não existe. Tipo, meu auge de metabolismo já passou quando passei dos 20 e poucos. Testosterona de agora em diante é só ladeira abaixo, salvo suplementação. Mas não quer dizer que a questão física fosse melhor lá. Só fica mais difícil atingir certas coisas. Mas hoje me sinto muito melhor fisicamente do que com 20 anos que era basicamente uma pessoa sedentária.

      Financeiramente essa tem sido a melhor época, mas não é critério pra medir. Mas embora ter uma estabilidade financeira ajudam a tirar a preocupação de certos imprevistos acontecerem.

    12. Gosto de pensar que perguntas devem nos levar a algum lugar
      Dito isso, onde você gostaria de chegar com essa pergunta? Só concluir é muito pouco

    13. Vivo para a morte, pois ela não é o fim, mas o começo. Portanto, o auge seria o tão esperado dia da morte, o dia mais importante da vida. Estou em terra estrangeira e, finalmente, irei para a morada eterna, onde serei feliz. Um lugar onde Alguém me espera desde o início dos tempos. O lugar para qual fui feito. Com essa fé, as preocupações deste mundo são simplesmente sem sentido, então o fardo se torna suave e o peso leve. Já sou feliz por entender isso, mas essa felicidade daqui é só um leve apreciação do que me aguarda. Tenho uma Mãe, Maria Puríssima, e um Pai, o próprio Criador, cuidando de mim. Uma família. Jesus convida para o banquete celestial, quem come e bebe deste banquete nunca mais terá fome ou sede. O passado é lembrança; o futuro, incerto. Só tenho hoje para amar.

      Um pouco mais de 3 linhas, desculpe. Boa proposta de reflexão a sua pergunta.

Compre dos parceiros do Manual:

Manual do Usuário