Post livre #300

Toda semana, o Manual do Usuário publica o post livre, um post sem conteúdo, apenas para abrir os comentários e conversarmos sobre quaisquer assuntos. Ele fecha na segunda-feira ao meio-dia.

256 comentários

  1. Só para fechar este post livre, não resisto em trazer um meme da década de 10:

    THIS IS POST LIVREEEEEE!!!

    para quem não pegou, é referencia ao filme 300 , conhecida pela cena em que o líder grita. “This is Sparta” e chuta um emissário de um faraó

  2. Acabei de descobrir uma coisa no Term.ooo (o jogo de forca “Slow Web”) que me deixou intrigado.

    Resolvi testar no jogo no “modo anônimo” depois de uma jogada em um perfil normal. A palavra dada foi a mesma dada antes, com isso posso fazer jogadas que “acerto na primeira”. Isso em um Firefox.

    (deixe-me testar com o chrome…) DEU NA MESMA NO CHROME!!!

    Fico me perguntando como o programador faz para isso, se no caso ele identifica a máquina como individual.

      1. Ah, não sabia (ou na verdade nem li direito a matéria do Ghedin).

  3. Olá!
    Costumo acompanhar os comentários, mas nunca cheguei a efetivamente postar.

    Tenho um MacBook e gostaria de vendê-lo, para poder em breve comprar um M1.

    As especificações dele:
    MacBook Pro (Retina, 15-inch, Mid 2014)
    Processador 2,2 GHz Intel Core i7 Quad-Core
    Memória 16 GB 1600 MHz DDR3
    Gráficos Intel Iris Pro 1536 MB
    256GB de armazenamento

    Saídas:
    Porta de alimentação MagSafe 2
    2 portas Thunderbolt 2 (de até 20 Gbps)
    2 portas USB 3 (de até 5 Gbps)
    Porta HDMI
    Porta para fone de ouvido
    Slot para cartão SDXC

    Precisa trocar a bateria e os alto falantes que não estão bons.

    Vocês acham que vale mais a pena anunciar por um valor menor do jeito em que ele está OU é melhor arrumar pra depois tentar vender?
    E vocês acham que ele valeria quanto nas condições de hoje?

    Obrigada pela atenção!

    1. Se tu vender agora, pode ser que consiga um bom dinheiro, dado que o M1 (aparentemente) vai fazer os Macs terem queda de preço nas próximas gerações (e nos futuros lançamentos do Mac OSX.). Configuração excelente, diga-se.

      Mas creio que nos tempos atuais, com a dificuldade de girar dinheiro por causa da inflação, talvez o interessante seria ver se tu pode ir até o fim com ele e juntar o dinheiro a parte. Se vender agora, os M1 estão na casa dos 10/15 mil (chutando sem ir no Google), enquanto que o seu (chutando) possa valer uns 3 a 5 mil (sinceramente não sou bom em precificar – nessas horas pesquisar Mercado Livre e outros classificados ajuda a dar uma média de preço). Dado que tem que trocar a bateria e arrumar o alto falante, acho que não rebaixa tanto o preço quanto tu pensa.

      Uma coisa que noto é que aparentemente os Macs Core 2 Duo já estão rebaixando bem os preços, isso depois de 15 anos. O fim do ciclo do OSX já define bastante o destino – galera ignora que pode instalar Windows nos Macs ou usar com Linux.

  4. Quais as perspectivas para 2022 além de sobreviver?

    Eu ainda tô nas estatísticas de desempregados, saí da oficina de harley davidson, pois era uma vaga arrombada apesar do serviço ser muito fácil. Tentei me aventurar com lanchonete, mas a dona do estabelecimento é ‘cidadã de bem’ e eu saltei fora. Agora to fazendo teste numa empresa de balanças, mas estou de olho numa vaga de auxiliar de manutenção aqui na universidade. kkkk.
    A meta esse ano é apenas pagar as contas e tentar fazer sobrar uma grana.

    1. Eu tou pelos ventos. Quero mesmo é sair da casa da mãe e tentar fazer um mochilão sem dinheiro e ver se me fixo em algum lugar no futuro.

      Onde moro já não me sinto bem faz tempo e queria mesmo era encontrar um lugar que eu pudesse ter mais amizades. Aqui desconfio de todos.

      Falta-me coragem (ou um “chute na bunda” mesmo… :\ )

      Meu maior problema é que ainda sou imaturo para lidar com finanças. Não sei cobrar direito, e bem, ao menos hoje tenho uma noção melhor de poupança.

    2. terminar com êxito meus cursos, me alimentar bem e me exercitar, ganhar um salário menor e ter uma boa grana guardada.

      eu tento não fazer muitos planos pq não quero me pressionar, então esses aí de cima é o de todos os anos há um tempo, hehehe

    3. não sei se te interessa, mas há uma demanda reprimida por funcionários públicos no país inteiro que vai significar um aumento do número de editais de concursos neste ano e — sobretudo — nos anos seguintes, após as eleições

      1. Eu tenho uma desconfiança que até o fim da era salnorabo, boa parte dos concursos provavelmente estarão “contaminados”, ou seja, já terão “cartas marcadas” e gente entrando em esquema.

        Tanto é que boa parte das contratações atuais em prefeituras estão sendo feitas por indicação / comissionado (até a hora que o MP atua).

        1. em processo seletivo simplificado (sem concurso) esse tipo de maracutaia pode acontecer mesmo sem fiscalização do MP

          mas a partir deste ano voltam os concursos de verdade — ou seja, aqueles promovidos por bancas sérias e com editais transparentes e fiscalizados

          nesses casos esse tipo de corrupção é muito mais difícil de acontecer

  5. Comprei (e vendi ontem!) um iPhone XR, gostaria de passar minhas experiências com ele e ouvir opiniões.

    A câmera é fora da curva, um leigo como eu só precisa mirar e tocar no botão, o software faz tudo. Me impressionou até lembrar que paguei 2900 nesse celular. Instagram sem bugs e stories em vídeo não perdem qualidade. A bateria do XR dura. Os alto falantes impressionam mesmo, e a falta de plugue P2 também, hahaha. Ou você compra fones bluetooth, ou paga 100 reais num adaptador extremamente frágil, se quiser curtir música com fones.

    Você não consegue passar nada além de fotos/vídeos no PC windows sem o iTunes. Me impressionou eu poder fazer isso. Achei que era uma caixa preta.
    A tela decepcionou. Boa definição, cores meio lavadas. Um Zenfone 5Z parece ter a tela bem melhor que o XR, e um Galaxy A22 tem menos resolução, mas reproduz as cores bem melhor que o XR.
    O conector lightning não é ruim, mas parece muito frágil. Só usei o cabo usb original nele.

    Eu ando muito na rua. “Ter 3 mil reais” no bolso andando por Caucaia e Fortaleza (Ceará) é horrível, nunca se sabe quando você vai perder o celular. Esse foi o ponto que me fez vender o iPhone. Acho que prefiro um android barato e me sentir menos preocupado se for roubado, o prejuízo é menor.

    Vendi pelo preço que eu paguei (foi difícil) e vou quitar o cartão de crédito. Não me vejo comprando outro iPhone tão cedo.

    1. sério que achou a fidelidade de cor ruim?

      costumo ver nas telas dos outros celulares as cores muito mais saturadas (enquanto no iPhone elas ficam mais equilibradas)

      1. (inclusive sinto o mesmo em TVs da Samsung: em geral as cores ficam bem mais saturadas)

        1. a TV que uso até hoje (um modelo básico da Sony) tem já quase dez anos e quando a compramos eu lembro que na loja comparamos as mesmas cenas com TVs de outras marcas e era nítido como todas as outras eram mais saturadas (especialmente as da Samsung)

        2. Cara essa questão de TV é real, aqui usamos uma LG “led” e as cores saltam aos olhos. Nos últimos anos as TVs mudaram o perfil de cor, e às vezes cansa de ver, principalmente vídeos do youtube.

      2. Sim, comparei com a tela do Zenfone 5Z antes de vender e achei ele melhor que o iPhone XR. É uma impressão pessoal minha, então eu sei que a maioria prefere a tela dos iPhones.
        E como eu só testei o XR, só posso falar dele. Aposto que os iPhones das linhas 12 e 13 são muito melhores.

        1. É mais provável que a tela do Zenfone 5Z seja supersaturada que a do iPhone XR seja lavada. Essa questão de cores é tipo açúcar e sal em comida industrializada — a gente se acostuma com o excesso a ponto de usá-lo como parâmetro de “normalidade”.

          1. Bom, eu nunca tive iPhone antes, então a minha opinião já é enviesada. Eu considerei válido comparar o XR com o Zenfone 5Z, pois ambos têm telas LCD IPS, e o Zen5Z permite escolher entre um perfil de cor natural ou saturado, o qual optei pelo natural na hora de comparar com o iPhone XR.
            É possível que eu esteja completamente errado ao achar ruim a tela do XR, mas foi minha experiência. A tela não me pareceu tão superior e diferenciada quanto a ideia que meu irmão e alguns conhecidos meus me passaram. Resolução boa o suficiente para não ver pixels, de resto o padrão de sempre.

  6. Trocamos aqui em casa o consumo de refrigerantes, sucos, etc, por água com gás.

    Eu odiava água com gás. Por isso no começo eu comecei tomando água com gás com limão espremido, depois de um tempo, um dia não tinha limão em casa, tentei puro e já tinha me habituado. Hoje prefiro muito mais uma boa água com gás (evito as que tem muito sódio), do que qualquer refrigerante ou suco.

    Dito isso, notei que tenho gerado muito lixo, pois todo dia é uma garrafinha de plástico, as vezes chegando a duas. Por mais que eu separe para por nos recicláveis, não me sinto confortável gerando tanto lixo plástico. Estou atrás de outras alternativas, vi que existem maquinas para gaseificar água, e é aí que peço ajuda aos leitores.

    Alguém tem ou já experimentou água com gás dessas máquinas? Recomendam?

    Agradeço antecipadamente.

    1. Não muito relacionado mas talvez seja do seu interesse. Lembro de na faculdade algumas pessoas terem adquirido o mesmo hábito porém com Kombucha.

      E aí faz a bebida em casa msm, não lembro o processo de gaseificação, mas não era nada de outro mundo.

      1. Experimentei uma vez uma dessas em um restaurante, mas não gostei, mas acho que não época não gostava de água com gás também. Vou experimentar novamente usando tiver oportunidade. Pelo que li dá pra fazer em casa sim, mas não sei se teríamos esse empenho em fazer, pois uma vez fazíamos Kefir e acabamos abandonando por preguiça.

    2. Olá amigo! Fiz isso há 9 meses atrás. Aqui de casa somente eu abandonei completamente o refrigerante e café com açúcar por água com gás e café sem açúcar. A maioria dos sucos tomo sem açúcar também.
      Comprei a SodaStream e foi uma das melhores coisas que já comprei (junto com uma chaleira elétrica e uma air fryer).
      Digo sem medo de errar que se você gosta de água com gás, vai amar a máquina. O custo benefício dela também é muito bom. Você não precisa necessariamente encher o refil no lugar que eles indicam. Aqui em SP Capital tem um lugar chamado FDM EXTINTORES que eu encho por 39 reais (diferente dos 120 que eles cobram).

      1. Achei engraçado o fato de tu comprar refil para gaseificação em fábrica de extintores. Aí me caiu a ficha que geralmente água é gaseificada com gás carbônico (o mesmo item usado em extintores tipo B).

      2. Bom saber que aprovou uma dessas máquinas, me deixa mais tranquilo pra comprar.

        E excelente dica sobre a recarga, nem tinha pensado nisso ainda, e não fazia ideia que o gás carbônico é o mesmo usado em extintor. Vou procurar algum lugar aqui na cidade que faça essa recarga antes de comprar a máquina.

        Também deixamos de usar açúcar, em casa temos somente uns sachês que pegamos em alguns cafés para no caso de uma visita ter disponível. Minha esposa conseguiu até deixar de por leite no café, mas eu não consegui ainda, mas estou diminuindo aos poucos a quantidade de leite até conseguir tirar totalmente. O primeiro passo na verdade foi substituir o leite integral pelo semi-desnatado, e também substituir o café de mercado, que é super amargo, por um café de uma micro-torrefação aqui da cidade, que visita e compra os grãos direto de produtores de MG, e eles me indicaram uma variedade deles que tem um sabor que lembra melado, então ele já é um pouco mais doce, e isso ajudou muito a tirar totalmente o açúcar.

        É incrível a diferença que você começa a sentir até nos sabores de outros alimentos depois de um tempo de eliminar o açúcar das bebidas, parece que tudo fica mais saboroso. Já os refrigerantes, hoje em dia quando tomo, acho extremamente doces.

        Essas duas experiências me mostraram que gosto é um hábito adquirido sim, como comentei antes, eu não conseguia sequer dar um gole de água com gás antigamente, hoje troco com prazer qualquer refrigerante por uma água com gás bem gelada, e a dica que posso dar é ir aos poucos substituindo ou reduzindo o consumo, em vez de cortar de vez.

        1. Vou dar uma chance pra água com gás, meu paladar ainda está viciado mas estou tentando diminuir o refri.

    3. Tomamos refrigerante raramente, água é o item predominante. Com o tempo você pode pegar esse costume também. Pode confiar na água da torneira, água aqui no BR costuma ser muito boa.

  7. Pessoal,

    Quais são os melhores e mais tops smartwatchs com foco em saúde que recomendam?

    1. Melhor e mais top no sentido geral de saude não tenho dúvidas que seja o Apple Watch.

      Se o foco for na linha de exercícios físicos, seria o Garmin. Aí dependendo qual o tipo de exercício para saber qual linha do Garmin seria mais indicada.

    2. A escolha começa por qual telefone você possui.

      Se possuir iPhone seria difícil indicar algum outro diferente do apple watch.

      Para o Android, acredito que no momento o melhor seria o Galaxy Watch 4, pois além de rodar o wear os (que irá possibilitar acesso a muitos apps), ele também possui sensores interessantes além dos tradicionais encontrados na maioria dos smartwatches.

  8. Alguém aqui usa o youtube vanced?
    App pirata do youtube que libera o music gratis e retira a propaganda dos video do youtube

    1. Não utilizo. Confesso que não tenho coragem de usar esse tipo de software – até por conta de eventual roubo de dados feito pelo aplicativo.

      1. Também não uso, a assinatura tem um bom custo benefício e já vem com o Music.

    2. uso invidious aqui. tem um post maneiro aqui no manual falando sobre.

  9. Devido a industria 4.0, pessoas que trabalham com tecnologia estão vivendo o hype de salário mais alto da história. O quão privilegiado vocês se sentem dado a escolha dessa área em detrimento de outras? Afinal, a aleatoriedade manda em tudo, e simples contato com um PC a 15 anos atrás pode ter despertado esse desejo em você ao invés de virar bombeiro, advogado ou qualquer outra profissão.

    Deixo o link abaixo para o os senhores masturbarem-se mentalmente (psicanaliticamente falando): https://www.bbc.com/portuguese/brasil-57909632

    Forte abraço!

    1. Mas aí vc está assumindo que a pessoa se deu bem na área. Pq tem casos de infelizes que mesmo com o contato e bastante envolvimento com a área não conseguiu nada. Por falta de network ou resiliência… sei lá gatilho demais olhar o sucesso alheio

      1. Nesse caso, é exceção a regra, logo, não inviabiliza o todo.

  10. Devido os tempos que vivemos, pessoas que trabalham com tecnologia estão vivendo o hype de salário mais alto da história. O quão privilegiado vocês se sentem dado a escolha dessa área em detrimento de outras? Afinal, a aleatoriedade manda em tudo, e simples contato com um PC a 15 anos atrás pode ter despertado esse desejo em você ao invés de virar bombeiro, advogado ou qualquer outra profissão.

    Deixo o link abaixo para o os senhores masturbarem-se mentalmente (psicanaliticamente falando): https://www.bbc.com/portuguese/brasil-57909632

    Forte abraço!

  11. Olá colegas,

    Estou voltando aos estudos de cybersecurity, e entre meus desejos está fazer um bom curso de Python para quem ainda não sabe nada, indicam algum específico? Perguntando mesmo para receber indicações, porque tem trocentos cursos de Python disponíveis Internet afora rsrsrs

    Obrigado desde já.

    1. Vão no twiter do Guilherme Felitti pois ele sempre manda dicas de cursos de Python

      1. eu fiz esse no final do ano passado e adorei, recomendo. É bom pq além das aulas tem exercicios que vc sobe na plataforma e são revisados.
        O curso é de graça, mas tem q pagar para ter o certificado.

    2. Curso de Python do Curso em Vídeo no YouTube, vai lá que é certeza de sucesso

  12. Ano passado foi bem puxado pra mim no trabalho – com direito a burneout (que me levou a ficar 3 dias numa UTI investigando se havia algo no meu coração – não havia), coisa que eu subestimava e jamais achei que me atingiria. Fui tentando administrar da melhor forma possível depois, mas uma resolução que tomei e que não imaginei que me faria tão bem foi simplesmente ter um celular pro trabalho e outro pra vida pessoal. Isso tem lá suas dificuldades, claro, mas ao fim das tarefas do dia (e fins de semana e feriados) desligo o aparelho usado pro trabalho e me afasto das preocupações ao ponto de não pensar mais nelas. No meu PC eu já fazia isso: Chrome pro trabalho e Mozilla pra minha navegação pessoal. Mas o celular era o que mais me fazia ficar preso em ruminações sem fim sobre coisas que fiz, deixei de fazer ou poderia ter feito diferente (melhor), além de tantas outras paranoias sem sentido e fundamento… E mesmo não trabalhando com vendas ou outros segmentos que botam ainda mais pressão nos funcionários, não escapei de ficar mal. Essa mudança teve um custo: comprar mais um aparelho, ter outro chip, capinha e tal, mas acho que valeu. Desligar quase todas as notificações também ajudou bastante. E também não sou usuário assíduo de redes sociais (algo com o qual tebalho todos os dias) e isso também ajuda bastante, eu acho.

    1. Não deveria ser a empresa quem deveria fornecer o aparelho corporativo, já que é uma ferramenta de trabalho?

      1. Acho q deveria, mas não pude esperar o pedido ser avaliado…

    2. Eu também, atualmente, tenho um aparelho para uso profissional (emprestado pela empresa) e o meu pessoal.
      E uso um perfil de trabalho no Chrome e um perfil pessoal.
      Fica muito mais fácil e prático se focar no trabalho e desligar do trabalho no fim do expediente.
      Essa pequena mudança faz muita diferença no fim das contas.

      1. Faz toda diferença! O celular, apesar de várias formas possíveis de se manter distância do trabalho com o mesmo aparelho, estava sendo o vetor dos meus problemas com ele misturado com o trabalho e minha vida pessoal. Senti uma grande melhora!

    3. Eu precisei me reeducar pra não deixar o trabalho invadir demais a vida, e agora vejo a mesma coisa acontecer com outras pessoas e os avisos caírem em ouvidos surdos… Foda.

      1. Eu trabalho de casa agora e com a pandemia a demanda aumentou. Eu não tinha problemas antes antes, mas a coisa pegou nesses dois últimos anos. Achei q tivesse estrutura pra passar ileso, mas não tinha não.

    4. Saúde a ti, Fábio.

      Pensando aqui: já pensou em “fazer um downgrade”, usando celulares que não usam internet?

      1. Obrigado, Ligeiro! E aproveitando o contato, desejo a vc um bom ano! Então, até pensei num aparelho bem simples, mas o celular, esses mais modernos que usamos, é importante pra mim. Mantendo distância das redes sociais já tá de bom tamanho e a chateação com ele é quase nula. Claro que quando a gente vê alguma notícia ruim se aborrece, mas é mais tranquilo. Com esse aparelho não penso nos problemas do trabalho e, por ora, tá funcionando!

  13. Fiz pela primeira vez uma compra no Rappi, e a experiência foi… terrível.

    Tentei primeiro comprar pelo site, mas era tudo muito lento e bugado. Várias vezes o meu carrinho foi zerado sem motivo algum. Fui pro aplicativo, que apesar de também ser meio bugado, dava pra usar. Na hora do pedido, dois itens não estavam disponíveis e foram reembolsados. Tudo certo.

    Mas depois que recebi o pedido, percebei que um item tinha sido comprado pelo entragador, mas ele não me entregou. Então, fui reclamar no aplicativo, e eles BLOQUEARAM a minha conta para novos reembolsos, afirmando que eu estaria fazendo muitos pedidos de reembolso. Reclamei mais algumas vezes no aplicativo, mas só recebi a mesma mensagem programada.

    Hoje tentei comprar de novo e simplesmente todos os meus pedidos estão sendo cancelados porque eu “não cumpri os termos da plataforma”. Bizarro.

    1. Fiz a minha primeira compra no ifood e deu tudo certo, apesar de ter achado tudo muito caro. Só me senti no dever de remunerar o entregador diretamente, pedi o pix dele e mandei um extra. Tenho optado por pedidos direto pelo WhatsApp. Assim escapo dessas plataformas. É um pouco mais demorado, mas tudo bem. Só não sei bem se o entregador é do estabelecimento ou se eles tem alguma forma de acionar o ifood sem que eu use o APP…

      1. Normalmente se o estabelecimento vende por whatsapp, eles tem um entregador próprio ou pelo menos contato de um para fazer suas entregas (que pode muito bem ser um do ifood).
        Os entregadores do iFood me parecem tipo Uber, que eles aceitam o seu pedido, vão para o estabelecimento e depois vão no seu local de entrega. Mas ainda existem estabelecimentos com seus entregadores específicos.

        1. Compro de uma pizzaria que tem entregador próprio. Coisa rara mesmo. Mas acho que deve ser isso, algumas empresas pequenas devem chamar entregadores por algum APP.

    2. Se vc quiser dar um pouco de dor de cabeça pra eles e achar que vale a pena, abra uma reclamação no PROCON, os caras vão vir atrás de vc para saber o que está acontecendo e vão fazer de tudo para resolver. Além do básico, review na loja do app e no reclame aqui, que podem não resolver nada mas já ajudar Randons como eu a nem se dar o trabalho de baixar e testar uma tranqueira dessas.

  14. alguma pessoa maravilhosa pode recomendar alternativas seguras e com bom custo-benefício para comprar um raspberry pi? o meu objetivo é usá-lo como controle parental em uma rede (utilizando pi-hole etc.).

    vi algumas versões clone como “banana pi” na aliexpress. essas servem também?

    muitas dúvidas e queria gastar o mínimo possível pra desenrolar isso.

    1. Uma alternativa seria reaproveitar um computador velho. Se você já tiver em casa, ótimo; se não, de repente consegue achar um Celeron ou Atom usado por valores menores que o de um Raspberry Pi novo. O Pi-Hole funciona em qualquer coisa que rode Linux, não precisa ser necessariamente um Raspberry Pi.

      1. é verdade, não tinha pensado por esse lado. vou ver com algum amigo se tem um notebook antigo encostado.

    2. Eu uso um orange pi zero com 500mb de ram mas o de 250mb já devem dar conta de sobra (lembrando que ele não tem entrada HDMI, só linha de coomando)

  15. Olá, eu tenho um mi 11 lite e percebi que a bateria não está redendo tanto, acabei analisando melhor e percebeu q o Chrome está consumindo ela de forma totalmente abusiva, mas eu uso bastante navegador! Tem opções melhores que eu seja parecida com o Chrome?

    1. Testa o Vivaldi. É um ótimo navegador e bloqueia propagandas n ativamente.

    2. Eu tenho usado o Fennec (puxado via F-Droid) e ao meu ver ele não consome energia tanto quanto parece. Não testei outras alternativas pois Lineage 14 / Android 7 sem muito espaço de armazenamento (Moto G1)

  16. Olá. Estou pensando em adquirir uma cadeira, alguma indicação de um bom custo benefício? Minha coluna agradece.

    1. Tenho ouvido muita gente falar das cadeiras da Flexform. Minha namorada comprou uma, modelo Tecton, e está gostando. (Estava beeem mais barata na Black Friday.)

      Eu uso uma “tipo presidente” da Plaxmetal. Está comigo há três anos e segue inteirona. Só não gosto do apoio para a cabeça; é meio inútil, gostaria de tirá-lo, mas não sei se é possível.

    2. Compramos no início da pandemia duas Flexform My Chair, uma das mais básicas, pois não imaginavamos que hoje estaríamos trabalhando em Home Office permanente, senão teria investido mais. Mas não tenho do que reclamar da cadeira.

      Agora, o que acabei descobrindo depois, é que não é incomum pessoas comprarem bancos de carros de luxo, de algum velho ou algo do gênero, e mandar colocar rodinhas. https://br.pinterest.com/pin/504192120781181578/

    3. Bem provavelmente vc deve estar pesquisando já, mas caso não, eu tenho um não recomendação kkkk fuja das cadeiras gamers, a maioria só são mais caras por ter a “etiqueta” de gamer. Esquentam muito e quebram fácil (no geral, deve existir alguma boa)

      1. Eu tenho uma, mas pesquisei bastante (assisti reviews diversas) e investi um valor melhor nela, além da marca (DxRacer) dar uma garantia de +- 5 anos (não lembro o tempo exato).

        Essas gamers abaixo de 1000 reais não costumam compensar mesmo não.

    4. Não seria muito custo/benefício, mas comprei uma Cavaletti NewNet recentemente e estou gostando muito

  17. Em alguns posts livres atrás, foi falado muito a respeito de comprar notebooks usados, máquinas essas de empresas que trocam todo seu parque e se desfazem dos modelos antigos. Pois bem, não era minha meta no momento, mas meu computador está apresentando sinais claros de cansaço, afinal, 14 anos de trabalho é um bom tempo.

    Minhas perguntas para quem já comprou (a Ana Só era uma dessas pessoas) é: vocês fazem essas compras pelo eBay? Qual o risco de taxação? Como devo procurar esses produtos por lá?

    1. Primeira coisa antes de tudo é saber o que você deseja. Tipo, se é ter mais atualização (14 anos = primeira série Core iX e final da série Core 2 X) ou apenas ter um equipamento confiável. De qualquer forma, ver até onde seu orçamento dá e qual tipo de equipamento deseja.

      Tinha lojas na Santa Ifigênia que eram especializadas em vender PCs remanufaturados a ponto de terem uma licença específica do Windows (Windows for Refurshbed PCs) para serem revendidos. Hoje não tem mais , aparentemente.

      Nunca comprei no exterior, mas creio que o maior mal em compra via exterior é tanto taxação quanto risco de quebra. Comprar por aqui tem a vantagem que tu pode comprar de alguma loja que trabalha revendendo PCs usados e que te dê alguma garantia mínima.

      1. Eu estive na Santa Ifigênia em julho, e caminhei por toda ela, começando pelas lojas de usados. Bem, o que eu vi é que as lojas estão praticando preços altos demais para equipamentos que tem um pouco mais do que “la garantia soy yo”.

        Quanto a importar, a chance de ser tributado é razoável. Tudo depende de como o invoice é discriminado e da sorte/azar que você tenha, de passar pela fiscalização da Receita Federal. Coleciono histórias curiosas de importação (sou colecionador de micros clássicos), desde itens que foram fiscalizados pela Receita Federal e liberados sem tributação, até encomendas que foram caracterizadas como importação para fins comerciais (e não era), e o comprador conseguiu a isenção mandando fotos da coleção.

        Mas é uma loteria, com um pouco de lógica (aparentemente) absurda por trás. Eu não arriscaria a importação, ainda mais no valor que está o dólar.

        1. O problema é que a galera na Santa é bem gananciosa. Quando começou a escalada do dólar e também o problema de aumento de preços dos computadores por falta de componentes, os preços dos pcs por lá escalaram.

          Um Core i5 de primeira geração que era 600 $, foi aumentando até chegar no patamar de 1000 $. Isso desde o fim da era Dilma, escalando aos poucos na Era Temer e agora explodindo os preços nos primeiros anos do salnorabo (curiosidade: muitos na Santa são eleitores do salnorabo, provavelmente vários deles arrependidos hoje). Hoje tem lugares que até tem um preço menor para equipamentos Core iX de primeira e segunda geração, mas varia muito o estado. (Já vi i7 gen 1 por uns 1200 a 1500$ ).

    2. Para computadores da linha ThinkPad, este é o guia mais completo: https://www.bobble.tech/free-stuff/used-thinkpad-buyers-guide

      Coisas a serem observadas no computador em si antes da compra (e devem ser sempre perguntadas a qualquer vendedor):
      • UEFI trancada por senha? (Você não vai conseguir fazer coisa alguma com o computador se o vendedor não te fornecer a senha ou disser que não sabe. Isso também torna o produto mais suspeito.)
      • Computrace ativado? (Isso é uma outra maneira de proteger computadores. Se estiver ativado, costuma também ser sinal de um computador suspeito.)
      • Histórico de troca de peças.

      Coisas que você deve fazer ao receber o computador:
      • Inspeção visual (condiz com o que o vendedor afirmou? Você consegue encontrar alguma coisa que coloque em cheque a integridade do computador?)
      • Checagem das especificações (corresponde ao que foi dito no anúncio? Mesmo processador, quantidade de RAM, etc.)
      • Testes de estresse — verifique a integridade do disco, se suporta cargas de trabalho, etc.

      1. Sobre o restante das suas perguntas:
        • Comprei o meu ThinkPad no MercadoLivre em 2019. Na época, paguei R$2.990 pelo T480, então foi um excelente negócio.
        • Nunca comprei nada pelo eBay, então não posso te responder a pergunta sobre taxação e a plataforma. Mas na minha experiência, se você importa via courier, com certeza será taxado. Se você importa via Correios, há uma chance de não ser taxado.

        1. Um problema que vejo (talvez por ser extremamente desconfiado), é o vendedor ter esses equipamentos suspeitos, mas diz que tá tudo certo (bios destrancada, etc).

          Nesse quesito ainda sou velha guarda: comprando pessoalmente e testando.

          1. Isso vai funcionar em grandes cidades como São Paulo, mas até aqui em Goiânia foi complicado achar vendedores oferecendo os modelos que eu queria. 😬

      2. Sobre Computrace e Bios bloqueada, um adendo – isso falando de praça BR.

        Quem compra em lote muitas vezes só é cara que só sabe comprar e vender, não tem técnico acompanhando ou fazendo revisão (direito) nas máquinas e nem sabe destravar BIOS. Outro ponto é que empresas leiloam “no estado”, muitas vezes nem limpando o HD, tirando senhas ou removendo itens de segurança.

        Não exatamente “passando pano”, mas explicando um dos problemas comuns nas lojas de pcs BRBR.

        1. Eu entendo. Mas como uma pessoa que usa Linux, ter a BIOS trancada significa não poder fazer muita coisa com o computador. 😕

          1. Geralmente há tutoriais e ferramentas para “reset” de bios ou remoção de senha. O ideal é que governos e empresas tivessem políticas melhores para computadores e dados, mas bem, dado como eles lidam com isso.

            Uma vez fui em um lugar onde o PC era de um outro departamento – público – e quando notei, estava recheado de informações do antigo setor que trabalhava. Aparentemente nada muito confidencial ao ponto de ser necessário alertar o antigo departamento, mas bem, sabe “vacilada”?

  18. Vcs já viram o recurso de podcast do Spotify que vc coloca as músicas do próprio Spotify dentro do podcast. Dá pra fazer tipo uma rádio mesmo.
    Alguma outra plataforma de áudio faz isso?

    1. Que interessante isso. No meu trabalho deixamos de colocar alguns programas no Spotify justamente por eles terem música no meio. Vou dar uma explorada nisso!

  19. Acabei de fazer uma compra na Shopee, a primeira. (Comprei uns apoios de pulso para teclado e mouse, que comentei mais abaixo.)

    Fiquei fascinado com o fluxo da compra. É tudo meio caótico, o que me parece padrão em lojas orientais (AliExpress também é assim). Mas o que mais me chamou a atenção é o uso que a Shopee faz dos cupons. É uma espécie de jogo, com diversos tipos de cupons que podem ser coletados e usados antes de passar o cartão.

    Tem cupom da loja, cupom de parceiros (usei o do Nubank), cupom da minha primeira compra, e aí tem critérios para aplicar o cupom e, numa dessas, tive que caçar outro vendedor que estava cobrando a mais por um produto que estava no meio carrinho para torná-lo elegível ao cupom de frete grátis, válido apenas para produtos de R$ 20 ou mais, e que, não por acaso, só pode ser usado no aplicativo — daí se entende porque o app da Shopee é o mais baixado da App Store brasileira no momento.

    É a lógica Candy Crush aplicada ao varejo. Imagino que o objetivo seja tornar a experiência empolgante e dar um verniz de que o consumidor está levando vantagem, pois cupons, cupons, cupons. De minha parte, porém, achei exaustivo, mas consegui um bom desconto — os mesmos produtos, no AliExpress, sairiam ~25% mais caros.

    1. O shopee é uma boa para comprar produtos de menor valor no Brasil, se você não mora em São Paulo. O frete do Mercado Livre para cá (Piauí) é impeditivo, a não ser que a compra seja de mais de R$ 120 reais. Depois da Shopee praticamente abandonei o Mercado Livre e já comprei muita coisa baratinha, de pequenos negócios nos Brasil (aromatizantes de ambiente, tupperware, mascaras pff2 – há inclusive fabricante com loja por lá -, prateleiras em mdf, controle remoto de reposição, óleo de coco, reparo para pia (que não achei do modelo na minha cidade… enfim). Sempre há cupom de desconto no frete, fazendo que eu pague quase sempre entre 0 a 8 reais no custo de envio – bem melhor que os ~30 (mínimo) do Mercado Livre.

      Pelo que vi parece que a porcentagem que a Shopee cobra por compra dos vendedores é menor que no Mercado Livre, então ainda é uma vantagem para quem vende na plataforma.

      1. Exatamente isso, compra acima de 120 ainda é bem interessante o mercado livre, mas abaixo disso a shopee é excelente.

    2. Quando fui comprar no Shopee pela primeira vez (e única até agora), me senti em uma 25 de Março virtual. Loucura total!

    3. Como diz uma amiga e eu concordo: A Shopee é o camelódromo da internet

    4. Gosto de comprar no Shopee, mas cada vez mais está difícil ter um cupom de desconto. Os de frete são fáceis de pegar, mas aqueles de 10 reais, 20 reais estão cada vez mais raros e nem sempre funcionam, de tantas exigências que fazem.
      Eu costumo comprar minhas máscaras PFF2 por lá, saem bem mais em conta que em outros lugares. Vez ou outra também compro alguma bobeirinha lá… mas como disseram aqui, é basicamente um camelódromo online. Se não souber pesquisar, a chance de comprar algo de qualidade suspeita é bem grande.

    5. Eu me rendi ao Shopee pelo fator frete grátis. Desde a primeira experiência, já comprei brinquedos para os gatos, rolos de fita adesiva, sacolas de viagens e cafés gourmet (???). É uma zona on-line, mas funciona.
      Além disso, foi a única plataforma na qual consegui vender meus produtos usados – uma pá de gibi antigo. Creio que pela frete grátis, muitos animavam comprar um volume só. Mais trabalho para mim que já parecia um sacoleiro quando ia aos Correios.

      1. uso shoppee basicamente para comprar café
        experiência satisfatória

      2. Estou fazendo uma limpa também nos meus gibis. É inviavel manter algumas coleções. Pelo espaço que ocupam e pelo fato de que há tanta coisa pra ler, que vai ser difícil ficar relendo. Terminei de ler “Lobo solitário” e já anunciando.

    6. Como disse um outro comentário, realmente, o Shopee parece um camelódromo virtual. Tem muita coisa bacana e barata lá, e os cupons que toda hora eles dão fazem a gente comprar com vontade. Só tem que tomar cuidado pra não fazer como eu que já comprei coisa que se tornou inútil pra mim só porque o preço parecia bom. Lojinhas chinesas estimulam muito o nosso lado consumista.

    7. Só um adendo, a Shopee não é chinesa, mas sim de Singapura.

      https://pt.wikipedia.org/wiki/Shopee

      É um modelo bem diferente de outros marketplaces. Um pouco mais caótico, é verdade, mas cheio de cupons e focado em itens de menor valor agregado.

      Quando os cupons de frete grátis estavam abundantes, vendi uma máquina de costura e a enviei para o interior de Goiás (resido no Rio de Janeiro). Quinze quilos e a compradora pagou nada… Ela ainda queria o móvel da máquina, mas eu desaconselhei, era abusar muito da sorte.

      Colecionadores de cartuchos de videogame usaram os cupons de frete grátis para trocar itens entre si durante algumas boas semanas. A farra foi boa, mas acabou.

      1. Ótima observação, Ricardo! Aliás, é do Sea Group, mesma empresa dona do Free Fire. Os caras estão surfando muito bem no gosto do/mercado brasileiro.

        Editei meu comentário.

    8. O que me surpreende é sobre como, em pouco tempo, eles conseguiram montar uma base tão grande de vendedores.

      Em menos de 6 meses já havia milhares de pequenos lojistas de todos os lugares do Brasil.

      Como isso foi feito? Com vendedor porta a porta?

      Muito curioso…

      1. Incentivos. Taxas menores e frete grátis = boom! Obviamente isso não vai durar para sempre, mas é uma estratégia até manjada para crescer rapidamente. Uber e 99 usaram e abusaram disso entre 2016 e 2018.

      2. Incentivos, taxas menores q ML e fazendo vista grossa pra coisa que o ML exige dos vendedores. No shopee quase nada tem/é vendido com nota fiscal e eles ignoram que estão vendendo réplicas ( produtos piratas)

    9. A shopee conquistou o mercado brasileiro de forma muito rápida. Ao entrar no país todas as vendas até um determinado valor tinham frete grátis e os vendedores não pagavam nenhuma taxa. Nos grupos de vendas em quadrinhos do qual faço parte todos só queriam vender e comprar por lá.
      A farra acabou e a shopee já havia consolidado um bom pedaço do comércio online, aparentemente muitos clientes do mercado livre.
      Sempre comprava réplica de vans no mercado livre e era cheio de vários anúncios, mas após a entrada da shopee todos migraram pra plataforma, excluindo seus anúncios do mercado livre.
      Com a política atual de cupons e frete grátis até determinado valor, provavelmente eles estão tomando prejuízos a fim de erradicar a concorrência. Aparentemente a resposta do mercado livre vai ser pagar pra ver quem aguenta mais. Algo me diz que essas empresas seguem apostando fortemente na privatização dos correios.

    10. Já comprei e vendi coisas (especialmente jogos em mídia física) na shopee e funcionou muito bem. É fácil cadastrar as coisas por lá, mas acabou que eles ficaram com taxas maiores que o ML. Acho que depois ajustaram isso e voltou a ser interessante. Eles têm um teto de taxa de 100 reais para venda e isso bate fácil o ML pra quem quer vender coisas mais caras. Mas sinto que rola uma desço fiança ainda do público. Algumas coisas que tenho à venda no ML e sugiro pra pessoa que quer comprá-las que posso ofertá-lo também no shopee… Geralmente as pessoas recusam. Não sei bem a razão, pq a pessoa pagaria menos já que não preciso repassar a taxa do ML… Tb gosto que na shopee vc pode fazer uma oferta pelo produto e se o vendedor aceita, já dá pra fazer na hora a compra pelo valor que vc ofereceu. A shopee tem boas ferramentas pra quem vende. O ML meio que parou no tempo e ficou cada vez mais trabalhaso cadastrar as coisas por lá, pq ao invés deles terem um bom motor de busca, eles fazem vc catalogar o produto de forma exageradamente detalhada pra que os filtros da busca funcionem. E isso não funciona, é uma lógica da ciência da informação que exige uma disciplina que as pessoas não têm pra cadastrar as coisas…

    11. Vc ainda não viu as moedas, com reviews e ficar sacodindo o celular kkkkkk

      Shopee é sensacional, tem feitos todas minhas compras por lá recentemente. Pelos cupons de frete grátis e por que tem coisas que simplesmente não encontra em cidade pequena tipo “protetores de analógico para Nintendo Switch”. Até encontra essas coisas em outras lojas tipos Amazon e Magazine Luiza mas aí o frete de 20 ou até msm 10 reais não compensa pois é o preço do produto.

      Agora estou me arriscando e compra do jogos do switch da China… essa semana deve chegar o primeiro.

      1. Eu nunca havia pensado em procurar jogo de Switch no Shopee nem no Aliexpress! Metroid Dread físico mais barato que o digital pelo ML! 😱

        Eu cheguei a comprar dois Amiibos recentemente pelo Shopee, mas eram vendedores nacionais que provavelmente estavam se livrando de suas coleções.

        1. Tem até Pro Controller mais barato que o nacional e com mais opções! Só tem o porém de esperar a entrega e o risco de ficar na alfândega. Mas os cupons+moedas fazem toda a diferença.

          1. O Pro Controller eu teria um pouco de receio de ser um piratão vagabundo. Pelo menos por aqui ele não tá mais custando R$900 como no início de 2020.

    12. Meu consumo por lá é basicamente máscara pff2 e café em grãos.
      Eventualmente sou tragado pelas ofertas com cupom. Mas confesso que esse modelo de cupons com regras que nunca se sabe direito quais são e joguinhos em troca de moedas, que a shopee e o aliexpress tem não me prendem.

  20. vcs se interessam por retrogames? não sou especialista no assunto, no máximo entusiasta e, finalmente, depois de pesquisar um pouco, me dei conta q existem diversos (diversos mesmo) aparelhos dedicados a isso. encomendei um da marca anbernic: ele lembra um antigo gameboy (o qual eu nunca usei, pq tinha um gamegear da sega), mas é maior e, claro, colorido. há vários joguinhos bem legais q pra jogar no pc ou celular, mas não tem tanta graça jogar assim, eu acho. sendo da época dos tosquinhos minigames (muito cobiçados no meu tempo de escola), um aparelho dedicado a jogos é uma maravilha pra mim. me dei conta tb q é um mundo à parte e q se vc mergulhar nele vai descobrir muitas e muitas possibilidades. algo parecido com o q os teclados mecânicos oferecem.

    1. eu sempre tive vontade de ter um, mas não o tenho pq sei que quase não vou jogar, então nem gasto dinheiro

      sei que o izzy nobre e o Gabriel de pinho falam muito disso (ambos no YouTube)

      1. Do izzy recomendo vc passa longe haha.
        Fora isso, Tb não tenho tanto sobrando, mas eu queria encarar um joguinhos de luta (daqueles dos arcades) e me pareceu uma forma bem legal. Dá pra jogar umas partidas rápidas, longe do PC, e no formato original 4:3. É com aquele sonzinho que não fazem mais – exceto em alguns jogos indies.

    2. Eu durante um tempo usei o RaspberryPi para emular jogos…
      É uma pegada mais DIY porém basicamente ele, uma bateria externa e uma tela tu já consegue jogar de boas…

      1. Falando em retrogame e Raspberry Pi, tenho um RPi Zero e morro de vontade de comprar um GPi Case, aquele que imita o visual do Game Boy original. Mas tá cada vez mais caro!

        E será que o RPi Zero 2 roda jogo de PS1 ?

        1. Pouco provável. Tenho um Raspberry Pi 3+ e jogos de PlayStation 1 são meio que roleta russa — uns funcionam, outros não vão de jeito nenhum.

          1. Pois é.
            No caso de PS1 pra cima melhor tentar emulador no PC mesmo…

        2. Olha o lakka… O ideal pra ele é um bom PC velho com vídeo dedicado Intel.

    3. Retrogaming está na moda, com muita gente desejosa de satisfazer a nostalgia. Acompanho alguns canais de caçada no YouTube, de gente que compra videogames clássicos (velho é o seu PC/Mac) em feiras do rolo, dão um trato e vendem, completando a renda familiar.

      Em tempo, se alguém tiver interesse em retrocomputação (o primo mais velho do retrogaming)… https://www.retropolis.net.br . E temos newsletter também. ;-)

      1. Também acho bem bacana isso de recuperar os aparelhos antigos e revendê-los. Alguns fazem isso bem e outros nem tanto, mas é uma bela sobreviva que os aparelhos ganham. Vi outro dia um cara que modifica Gamegears e fica muito bom. Ele troca a tela e faz umas pinturas estilosas e temáticas. É uma reciclagem misturada com a adição de novas peças. O futuro é cyberpunk mesmo.

    4. Cara, que surpresa ver alguém comentar isso por aqui!
      Se tu souber inglês, lá no reddit tem uma comunidade chamada SBCGaming, e o pessoal sempre fala dos novos lançamentos de aparelhos dedicados a emulação. E te recomendo acompanhar o obscurehandhelds.com, se quiser saber mais das novidades que tão por vir.

      Os “meus” favoritos (já que eu não tenho dinheiro pra comprar nenhum hahaha) são o RG351MP, o Retroid Pocket 2+, o Miyoo Mini e o Powkiddy V90, e já imaginei um propósito para cada um hahaha.

      Se quiser ver boas análises (em inglês), tem o Taki Udon, o ETA Prime, o Retro Game Corps e o The Phawx. Em português eu só conheço o Ruivo e o Pocket Hype, e não acho tão bons quanto os canais “gringos”.

      Eu já tentei emular jogos no celular, nunca fica tão bom quanto um dispositivo dedicado. Ainda mais quando o celular agora tem tantas funções agregadas que deixa de ser um equipamento pra lazer e vira algo sério.

      1. Haja grana pra acompanhar essa parada! São muitos modelos e alguns bem caros! Eu fiquei num desses abaixo dos 100 dólares (que já não é barato pra nós que temos o azar de contar com a moeda mais desvalorizada do mundo). Pior que depois ele ficou ainda mais barato num saldão que estão fazendo…

        Eu vejo mais os canais gringos também e fui pelas avaliações deles, pq não sabia nada de nada do assunto. Vi alguns brasileiros também, mas são um tanto parecidos e chegam atrasados no lançamento haha. Mas é bom ter um retorno das impressões dos compatriotas! Além desses q vc citou, tenho acompanhado também o Retro Dodo Games.

        Estou animado, pq uns joguinhos eu me lembro eram BEM legais, mas q passaram batido na minha juventude: ou eu não tinha o console certo ou faltou grana pra comprar ou alugar o jogo. Fiquei um bom tempo afastado dos games e perdi muita coisa mesmo. Só voltei a me interessar na época do PS2 por influência de um amigo que jogava e recomendou q eu comprasse um (e lá fui eu na Santa Ifigenia no seus bons tempos, né Ligeiro?) . De uns tempos pra cá tenho jogado mais indies (alguns simplesmente geniais) e alguns triple As, mas os retrogames tinham ficado totalmente de lado. Cheguei a testar emuladores num Raspberry Pi 3+ e até que foi legal, mas não achava muito prático ter que jogar na TV e não era tudo que funcionava facilmente… Com aparelhos dedicados é outra história! Bom, pelo menos assim parece. O q eu peguei é baseado em Linux e tem formato vertical (o Rg351v). Se me animar pego depois um no formato horizontal e baseado no Android. Esse Retroid Pocket 2+ parece q tá muito bom e iria nele por ser também abaixo dos 100 dólares! E sem falar que esses aparelhos são BEM bonitos!

        1. Pois é, dizem que esse hobby começa com os baratinhos, aí você vai fazendo upgrade, e de repente tá cheio de mini consoles na casa, e o cartão com o limite estourado haha
          Ah, eu acho que o apelo de alguns desses mini consoles é justamente a sensação de nostalgia, e o que tu pegou consegue fazer isso muito bem. O formato, a construção e os botões importam na hora de trazer o passado pra gente, até ajudam a dar uma ideia melhor de como se jogavam os retrogames nos consoles originais.

  21. A quem interessar possa, o canal Espiadinha no Telegram voltou a cobrir o BBB. Boa diversão!

  22. Olá pessoal. Preciso de uma dica. Tenho um MacBook Pro 2011 e estou querendo instalar um Linux nele para substituir o MacOS já obsoleto. Alguma sugestão de distribuição que tenha bom gerenciamento do uso da bateria. Já tive experiência com o Ubuntu e o mesmo era bem ruim nesse sentido. Pesquisei sobre o Fedora e o feedback é o mesmo. O que vocês recomendam nesse sentido?

    1. tem uns serviços que permitem instalar versões novas em macbooks obsoletos, vc não tem esse interesse?

      1. Sim. Já usei os patches do DODDude1. Mas aí o Airplay parou de funcionar entre outros problemas. Se for pra abrir mão do Airplay por exemplo, prefiro migrar pra um Linux e usar algo opensource.

    2. Quando testou o Ubuntu, chegou a instalar o TLP? Não acho que vá fazer milagre, mas em certos casos ele melhora bem a autonomia da bateria.

    3. Acho que hoje, quem quer um notebook com autonomia de bateria, infelizmente nao consegue contar com linux…
      Ja testei diversas solucoes, inclusive o TLP, e nenhuma solucao consegue chegar nem perto do gerenciamento que o windows entregava na maquina.
      Isso quando eu tinha notebook linux/win, hj com o macbook, ja pensei em migrar pro linux porem eu dependo bastante da autonomia que a bateria me dá

      1. Infelizmente é verdade… uso notebook Linux há mais de uma década, e todos os que tive tinham baixa autonomia de bateria ou a bateria logo dava problema.

        Por conta disso sempre usei minhas máquinas direto na tomada mesmo.

      2. Bem, não posso reclamar da autonomia que tenho com Debian Linux 11 no meu Thinkpad T495… Ele fala em 5, 6 horas. Mas eu não pretendo gastar a bateria até o talo, então o carregador está sempre por perto.

        TOC de carregamento, sabe? Devem ser traumas. Freud deve explicar. Ou não.

        PS: Aliás, o Thinkpad é o melhor notebook que eu já usei, e seguramente o melhor notebook para usar com Linux que eu já tive. E olha que o notebook anterior era um System76, que veio com Linux pré-instalado.

    4. Amigo, não sei se é o caso, mas o Fedora 35 parece que tem alguma coisa nova agora pra gerenciar a bateria. Parece que é presente do Gnome 40 ou 41. Dá uma olhadinha.

    5. Fala Leandro. Eu instalei um Ubuntu 20.04 LTS num MacBook Pro de 2009, 4GB de ram e tá liso aqui. Tô usando pra Plex, file server e Transmission. Tá maravilhoso e revitalizou seu uso, além de ajudar a aprender a usar Linux por linha de comando.

  23. A notinha sobre o Wordle de ontem mencionava uma tal de web lenta, da qual nunca tinha ouvido falar. Esse conceito logo me lembrou um aplicativo que conheci justamente essa semana, que pra ser sincero nem sei se se encaixa exatamente no conceito de web lenta.

    O aplicativo se chama Slowly, e é uma rede social que procura simular a experiência de penpal que exisitia no passado (aquela prática de fazer amigos por correspondência, muitas vezes de vários lugares do mundo). Ao criar um perfil, você monta um avatar (não há espaço para fotos), coloca algumas poucas informações pessoais e marca seus interesses de uma extensa lista de opções (como música, aviões, jogos de tabuleiro, investimentos, depressão, tecnologia, agropecuária). Daí ele sugere algumas pessoas que tenham algumas coisas em comum com você, para que você possa entrar em contato.

    O grande diferencial dessa rede, que justifica seu nome, é que as mensagem vão levar um tempo para chegar no destinatário dependendo de onde a pessoa mora, como se fosse uma carta de verdade. Por exemplo, comecei a me corresponder com alguém da Coreia, e as cartas demoram dois dias para chegar. Para a Colômbia são 9 horas; para a Turquia, um dia. Ok, esses prazos ainda são bastante rápidos se comparados com correio de verdade, mas o interessante é que essa mecânica faz com que você precise escrever mensagem maiores, mais pensadas, com mais conteúdo.

    Enfim, não sei se seria propriamente slow web, porque ainda tem umas notificações e outros mecanismos para tentar prender o usuário; por exemplo, ele avisa instantaneamente que alguém lhe enviou uma carta, o que me deixa curioso e um pouco ansioso. Além disso, é uma coisa meio de nicho. De qualquer forma, achei a proposta interessante e achei que alguém aqui poderia gostar.

    1. Acho que o Slowly se encaixa sim, Jucá! Troquei algumas correspondências por lá no início da pandemia, mas não consegui sustentar o hábito. Não me recordo (e nem cheguei a procurar) uma versão web/no computador, mas seria útil — escrever e-mails no celular é bem chatinho.

      1. Ele tem versão web sim! Não sei adicionaram de lá pra cá, mas o login é feito escaneando QR Code com o celular, igual o WhatsApp web. Inclusive você ganha um selo quando conecta assim :)

    2. estou há alguns dias curioso com essa rede Slowly

      a sensação que tenho, sem experimentá-la, é a de que ela pretende mais vender a “experiência” da desaceleração do que propriamente praticá-la — quase que a tornando em espetáculo, um pouco como o “turismo de experiência”, que inventa experiências “autênticas” para vender

      mas pode ser só preconceito mesmo

      1. Acho que depende um pouco do usuário.

        Em pouco tempo na rede, percebi que tem gente que leva o hobby meio a sério, dizendo na bio que quer receber cartas longas, que quer de fazer amizades reais, duradouras, etc, e que não quer trocar contatos de outras redes sociais instantâneas.

        Por outro lado, todo mundo (3 pessoas 😛) que entrou em contato comigo até agora veio com umas cartas meio genéricas, curtas e sem puxar conversa sobre nenhum assunto específico. Imagino que essas pessoas estejam apenas curiosas com a plataforma e talvez em breve abandonem. Mas pode ser só preconceito mesmo.

    1. Vi e pensei em repercutir no Manual, mas no fim é uma discussão tão “americanocêntrica”, não? O resto do Ocidente usa o WhatsApp e é isso — todo mundo com a mesma cor de balão.

      1. WhatsApp domina tanto ao ponto de eu ter iPhone e não fazer a mínima ideia do que essa matéria está falando.

    2. Como o primeiro comentário lá no site: “Esse povo tá precisando de um lote pra capinar…”

    3. Fazendo coro com o Ghedin, o problema no BRBR não é o (não) uso do iMessage. E lembrando que nem é só o Whats. O Messenger do Face, o Telegram e eventualmente Zoom, Skype e Signal são usados também.

      Aqui o problema do uso de aparelho “elitizado” é outro.

      (Vai soar sexista, mas noto muito que mulheres usam Apple, isso falando em uma noção de bolha. Noto muito no transporte público e em alguns lugares, mesmo pobres, que há uma preferência feminina pelo uso de iPhones)

      1. Ligeiro, tenho uma prima (adolescente) que quer iPhone. Os pais dela não têm condição de comprar, mas ela bateu o pé no chão e quer um.
        Quando fui chamado pra instalar programas no notebook dela, me pediram pra convencer ela que um celular android é melhor, do ponto de vista de quem só tem mil reais pra investir em celular.

        E eu vou te dizer, tentei e não consegui. Ela soltou sem querer que todas as amigas dela têm iphone, e ela é a única do grupo que não tem. O que me assusta é isso acontecer em escola pública, cara. Pais que não têm condições se endividando pra dar iphone velho (5s, 6s, 7) porque é o que os filhos querem.

        Inclusive tavam me perguntando se um iphone 7 com bateria em 75% de saúde presta, porque é o que dava pra pagar.

        Complicado.

        1. Taí uma coisa que eu tava por fora, mas não duvidava desta possibilidade. O “efeito manada”, de um ter e a pessoa não ter e ficar “descolada” do grupo.

          Mas não era bem isso onde eu queria chegar. Tenho a sensação que as mulheres acabam de alguma forma preferindo a Apple, seja pela comodidade do ecossistema, seja pela ostentação.

          Fica o convite as meninas que participam aqui para dar seus pitacos e ajudarem a nos elucidarem

          1. Bom, se não era o ponto que você queria chegar, acho que não ajudei muito.
            Acho que outro fator é a aparência dos iPhones, que tem um design diferente dos androids (que é uma bagunça), e ao mesmo tempo não muda muito com os anos. São celulares bonitos. Tem um sistema bonito, que muda pouco e de forma incremental.
            Devem ter outros motivos, mas não faço ideia de quais sejam hehe

            Reforço o convite do Ligeiro às mulheres que participam do manual ajudarem aqui. Nada melhor que o ponto de vista de vocês para entendermos um pouco melhor o que acontece, hehe

          2. No meu caso não teve nada especial, os pontos que mais me agradaram foram a tela pequena (na época que eu adquiri o iPhone SE era uma alternativa boa em relação aos outros “grandões” que não cabiam na minha mão).
            O valor no mercado de revenda de usados e o suporte estendido das atualizações também foram fatores que levei em conta.

          3. Nunca tinha pensado nesse recorte por sexo. Dei uma pesquisada rápida e o único embasamento que encontrei foi este estudo da Flurry, uma consultoria especializada em aplicativos, que embasa essa impressão: 66% dos usuários da Apple são mulheres, ao passo que 62% dos de Samsung são homens.

            Segundo a Flurry:

            Existe uma boa quantidade de especulação do por que mulheres jovens usam Apple e homens mais velhos usam Samsung. O design sofisticado [elegante? “sleek”, no original] da Apple e a experiência de usuário intuitiva talvez tenham mais apelo junto às mulheres, enquanto a capacidade de personalizar profundamente o Android na Samsung possa ter mais apelo junto aos homens.

            Acho uma explicação meio simplista, porém, mas aí é só (mais uma) especulação de minha parte.

          4. Eu uso pela comodidade do ecossistema mesmo.
            Meu primeiro smartphone foi em 2011, qdo ainda estava bem mais barato… Lembro q paguei 1200 num iphone 4 presa no plano da claro.
            Naquele momento eu fazia questão de iphone pq eu tava vindo de um telefone da sony q eu achava muito ruim. Estava de saco cheio dele, num emprego ok, morando com os pais, peguei meu 13o e quis comprar a melhor coisa possível da época pq não queria mais passar raiva. Meu namorado (q agora é meu marido) foi a 1a pessoa q eu conheci q tinha iphone e eu via como era tudo mais facil de usar lá.
            Agora estou no 3o iphone e fico nele por pura comodidade mesmo. Tô acostumada com os apps, com onde as coisas ficam, gosto de como é facil qdo compro um novo transferir as coisas, não me importo pelas coisas de customização q o android tem. Enquanto eu puder ($$$) eu fico neles, mas uso até o limite da funcionalidade. Os 2 anteriores só troquei pq já tinha coisas q não funcionavam. Compro sempre o menor pq eu não gosto desses enormes e não sou de encher o aparelho, então a falta de memória externa não me incomoda.

            Curiosamente meu marido, q tinha um iphone 3G em 2009 qdo eu o conheci, e era entusiasta de apple desde adolescente nos anos 90, teve esse iphone roubado num show, dps usou outro q ganhou de alguém da família q tinha um q não usava, mas a partir daí só usa android, acho q desde 2015, por aí… tvz colaborando q homens usam android, mulheres usam iphone?

            Já minha irmã, dei um iphone de 2a mão enquanto ela estava na faculdade, foi o 1o smartphone dela assim como o meu. Logo no começo ela falava “nossa, ele é muito bom, agora entendo pq as pessoas compram iphone não os outros”. Esse foi usado até ficar lastimável, ela não cuidava bem, aí dps ficou desempregada assim q se formou. Assim q conseguiu, ela comprou um android pq era o q dinheiro dava. Qdo ficou melhor, ela comprou um galaxy S9 q na época foi, sei lá, só uns 500 de diferença do q eu paguei no meu ultimo iphone, mas gosta de tirar sarro q eu sou cachorrinha da apple, pq é caro e não é melhor, sendo q o dela foi caro tbm.

            Enfim, usando casos anedotais da minha família pra mostrar 3 pessoas q começaram com iphone, e só eu q continuei.

  24. segunda semana do ano e já tem notícia de desastre/crime ambiental em MG

    queria estar mais alegre com o ano novo, mas tá difícil

    1. A única saída é transformar o desespero e tristeza em mobilização coletiva organizada, camarada! :)

    2. o lado positivo é q esse ano a gente pode se livrar de uma certa pessoa, aquela lá do df! boto fé!

      1. Taí algo que eu queria puxar discussão. Ficamos até agora 3 anos boa parte da oposição fazendo de tudo para botar o traste para fora de forma institucional (que aparentemente não funciona como se deve e o Felitti por exemplo deve estar puto e cansado de tantas denúncias), e agora boa parte da oposição “só conta as horas para terminar isso”.

        Sei lá, as vezes eu queria só fazer uma roda de conversa para ver onde chega sobre esta questão de o porque de não se usar uma forma mais enérgica para chutar o energúmero (e a corja) para fora do poder.

        1. Taí uma coisa que eu participaria com gosto. Há três anos venho consumindo análise atrás de análise sobre como raios chegamos nessa situação, e tenho muitas ideias. Adoraria conversar e debater com outras pessoas sobre isso.

      2. nunca estive tão lulista na vida

        por mim o lula ganhava logo de primeiro turno

          1. Régis, normalmente eu votaria no PSOL ou em outro partido da esquerda radical.

            Mas neste ano não dá. É nosso dever cívico expulsar o nazismo do Palácio do Planalto. Bolsonaro deve ser eliminado e o bolsonarismo deve ser combatido de todas as formas.

            Quem lidera esse esforço hoje — ao menos no plano institucional — é Lula. Então dou todo o apoio a Lula. No dia 1º de janeiro de 2023 eu eventualmente posso voltar a fazer oposição de esquerda ao governo Lula. Mas por ora, é meu dever enquanto cidadão gritar: LULA LÁ!

            e FORA BOLSONARO!

          2. Quem seria este “qualquer um” para você, baseado nas projeções atuais?

        1. O mal na política brasileira é esse: nossa cultura de “escolher político” é midiática. Lula é um dos poucos políticos que é midiático e ao mesmo tempo atuante.

          Sinceramente espero que ele seja eleito, mas temo que de alguma forma a briga politica fique mais na proximidade com as eleições e a oficialização de candidaturas – lembrando que o Brasil ainda tem problemas com compra de voto e voto de cabresto. 2020 teve a rodo, exposto e sem punição.

          Lembrando também que votar com boas escolhas para deputados, senadores e governadores ajuda. (E se faz necessário ter consciência)

          1. Pessoal, sério.. Lula?! De boa.. Poxa, que seja qualquer um… mas… Lula??!!

          2. Tipo, eu entendo a repulsa de muitos pelo Lula em certo aspecto. A era Dilma não foi perfeita e estávamos em começo de atritos entre diferentes tipos políticos.

            Aí galera votou no salnorabo, sendo que tinha Ciro, o cara do Paraná que me deu branco no nome, Marina Silva, o Daciolo, esqueci quem tava pelo PSDB… enfim… várias opções e bem, galera votou “no emocional” contra Lula e PT… e olha onde estamos? Será que vamos ter uma nova opção real em 2022 ou “ser contra o PT seria votar em outro ‘salnorabo'”, mesmo que esse salnorabo seja moroso?

            Lula não foi um dos melhores políticos no quesito “combate a corrupção”, mas ao menos em tentar fazer reformas para dar um equilíbrio social, nisso ele ajudou. Nordeste e Norte tiveram suas melhorias e incentivos (e isso aparentemente sem “cabrestro”, pois agora está pior que nunca).

            Existia uma super expecativa no Lula, que no final foi “broxada” com a entrada da Dilma e diminuição de alguns dos trabalhos que vieram em gestão anteriores (como Fies e programas de auxilio e educação por exemplo). Ao mesmo tempo, a sensação de ter o PT por mais tempo no poder cansava e desconfiava a galera.

            E os incentivos políticos midiáticos orquestrados no submundo dos chans e comentários de internet acabou incentivando os discursos preconceituosos e estúpidos que começaram a perturbar a internet, e por consequencia, as conversas do dia a dia na vida real também.

            Em 2022 aparentemente vai ter bastante opções de políticos na concorrência, principalmente de “menores”, no caso, políticos sem poder midiático grandioso como os “lideres de pesquisa” tem. Se for algo que seja Ciro, Simone Tebet ou alguém entre o progressismo de direita, central e de esquerda, beleza. Pq salnorabo e moroso, ao meu ver, não são opções. É continuar na mesma, senão, na pior.

  25. Bom dia pessoal

    Gostaria de indicação de cases para organização de cabos em bolsa (sds seção de Mochilas aqui no site).

    Todos os cases que encontrei (Amazon/Mercado Livre) são grandes, estojos, mais voltados para quem trabalha com muitos eletrônicos, ou para quem vai viajar e levar muita coisa.

    Eu quero só deixar organizado meu fone de ouvido intra-auricular com fio, e o cabo USB do carregador de celular. 3 compartimentos, presos com elástico, seria suficiente.

    1. Estreando no post livre…

      Dia desses eu vou mandar fotos da minha mochila e do meu escritório. Por enquanto, eu uso algumas bolsinhas pequenas, como estojos para lápis, para organizar tudo: Uma com pen-drives, mouse e cabos; outra com carregador do notebook, cabos maiores e um powerbank; e uma terceira com remédios. E claro, um estojo.

      Pode ser que ajude. Ou não.

    2. Fique de olho em estojos escolares e necessáries. As vezes não é nem necessário “reinventar a roda”, basta só adaptar o que tem na mão para seu uso. Fazer uma divisória em um estojo que tu tenha parado talvez o transforme no porta-treco organizado que você precisa.

      1. É essa a ideia, para guardar somente 3 cabos, enrolar e guardar na bolsa, sem ficar um grande volume.

        Pelo visto vou ter que pedir pra minha sogra fazer algo do tipo, usando os dotes de costura dela.

    3. Eu uso pegadores de roupa, desses de varal. Não sei se te ajudaria. Qualquer coisa, pode fazer contato.

    4. Dá para se reinventar! Eu mesmo tenho diversas necessaires daí aproveito para guardar os cabos. Tenho um só para o cabo do iPhone e do Apple Watch, e uso para levar nos lugares também. Sou muito chato com organização.

    5. Grid-it… eu uso uma versão pirata chinesa,mas isso não tira a usabilidade. É uma placa com faixas elásticas que serve pra segurar objetos de vários tamanhos e formatos. Faça uma busca por “coroou grid it”. Se não me engano tem alguém na seção de mochilas que usa.

  26. Bom dia manualers,
    Alguém sabe se existe algum site/ferramenta front-end alternativa pro twitter que me deixe visualizar minha tl ou listas específicas?

    1. Pra Android, tem o Twidere. Dá para personalizar abas de diferentes tipos, inclusive uma lista sua.

      1. Estava procurando algo web/desktop mesmo!
        Mas obrigado pela dica, vou testar no celular.

    2. Tenta o hootsuite,no navegador. A versão gratuita é bem boa.

  27. ah, que doce é a volta desse espaço.
    O que aconteceu com os scanners de fotografia? Aqueles da Epson.

    Desdo fim de 2019 queria comprar uma, mas não consegui por motivos de: grana curta demais.
    2020 veio e nada (de grana)
    Agora que o porquinho está apresentando sinais de engorda, que a represa volta a encher, que o arco iris começa a se formar rumo ao pote de ouro… não acha mais esse tipo de produto.

    Alguém sabe dizer o que aconteceu?

    será se já perguntei isso aqui 🤔 Feliz será 2022 !

    1. Nossa, faz séculos que não ouço falar de scanners de mesa! Acho que o último desdobramento que vi nesse setor foi o da consolidação nos “3 em 1”: impressora, fax e scanner. De fato, imagino que seja meio difícil encontrar um scanner dedicado hoje. Talvez modelos profissionais/industriais? Com o risco de que, nesse caso, o preço provavelmente é proibitivo.

      1. Nossa, deve ter uns 5 anos que eu não *leio* a palavra fax, que engraçado

      2. e pra foto deve fazer sentido ter um dedicado, mas pra documentos em geral, o celular resolve muito bem o problema, tenho usado e cumpre perfeitamente o papel.

      3. É, tentei procurar coisas mais políticas que tentassem justificar esse desaparecimento e não achei nada.

        tua resposta já me deu uma certeza de procurar na gringa ou usado

        Obrigado :]

      4. Eu ainda encontro em algumas lojas físicas o scanner dedicado,mas o preço acaba sendo um pouco caro em relação a uma impressora multifuncional. Geralmente com bandeja tamanho A4.

    2. Me parece que a Epson tirou a linha de fotografia do mercado brasileiro.
      Não me surpreende, já que Nikon, Sony e Panasonic já pularam fora também.
      Tenho um Epson v600 que uso para digitalizar desenhos e pinturas (e escanear slides e negativos de vez em quando).
      Os scanners de multifuncionais geralmente são ruins, não tanto pelo hardware, mas pelo driver, que oferece poucos ajustes.
      A Plustek continua com representante no Brasil, mas o foco deles parece ser para documentos e livros ou negativos.

        1. Ivan !
          Exatamente são negativos que me apetecem o ato de virtualizar !

          Agradeço-te, vou a me buscar nessa tal Plustek. De Epson, tu continua certo… eles listam no site mas o impressora.com já não funciona e as únicas 3 lojas que existem são em São Paulo.

          Abraço

    3. tenho um scanner aqui e o uso dele, apesar de raro, continua sendo útil especialmente pra documentos q precisam de mais qualidade q uma foto não atenderia. olha, acho q os da epson continuam à venda nas grandes redes, não. sei que a kalunga continua sendo a pedra de salvação pra compra de periféricos (há décadas!). há não muito tempo tive a experiência de usar um scanner exclusivo pra livros. tive que importá-lo pra um projeto e, cara, o que demoraria um tempão feito num scanner comum ou num arranjo com celular o máquina, aconteceu em bem menos tempo. pena q o projeto naufragou. estava escaneando uma revista histórica, de mais de cem anos, e a proprietária, do nada, tirou o direito de usar o acervo… :(

    4. Dê alguma cavucada em classificados em busca de lojas de fotografia que estejam a ponto de fechar. Pode ser que tu consiga algum equipamento barato para compensar e que já ao menos está testado.

    5. Pra poucas fotos tem o app da Google pra isso o PhotoScan… Tu basicamente tira a foto 4x e ele junta numa só… Eu gosto do resultado…

    6. Lá em 2013 comprei um Epson V330. Em uma semana fiz o scan de todas as fotos e negativos e o scanner acabou voltando pra caixa. Ano passado cheguei a pegar ele pra scanear uns negativos pra um amigo. Até pensei em vender, mas nem sei qto valeria e acabei deixando.

        1. Aproveitando o fio, acho que seria interessante a ideia de ter uma espécie de “canal de segurança” para fazer o desejado (por alguns) classificados no Manual. Sei lá, um grupo no Telegram, um Discord, algo que não precise expor (aqui) algum dado para uma futura situação de troca, compra e venda.

          1. É uma responsabilidade muito grande que não sei se quero ter. Bastaria um caso ruim para que todo o grupo fosse questionado ou gerasse uma baita dor de cabeça.

          2. Foi o que imaginei, @Ghedin. Acho que já tínhamos falado sobre isso antes.

            Talvez uma sugestão é em casos de situações como esta, a gente só pede para apagar o contato assim que a outra parte der o ok. (ou dar um prazo para apagar o twitt com contato).

            Perdão a inconveniência.

    7. Os scanner da Epson sempre foram meio difícil de encontrar por aqui e geralmente com os preços bem salgados. Scanner de mesa para filme geralmente tem uma qualidade inferior que os scanners dedicados devido a própria natureza construtiva deles. Se você quiser investir pouco o Hp g4050 é fácil de encontrar usado por preços bons, já se é pra ter uma imagem com uma qualidade melhor eu iria de Plustek como indicaram aqui, tenho e é excelente, se os filmes que vc quer escanear forem apenas 35mm vale muito a pena.

  28. Uma das coisas que eu realmente não acho legal das redes sociais é que sempre que lançam uma novidade que se torna popular, tudo que é rede social copia. Veja os exemplos do snapchat e tiktok.
    Daí fica tudo com a mesma cara, sem nada muito diferente de um serviço para outro.

    Obs: Não uso rede social, no máximo whatsapp e discord, mas essa característica das redes sociais me incomoda mesmo eu não estando na maioria delas.

    1. interessante isso, pq penso que não se aplica só a redes
      qualquer aplicativo, serviço ou produto hoje em dia é assim

      Na era dos dados, o que “se prova” lucrativo é imitado a esmo. Mas que novidade é essa, né? Indústria de mídia americana faz isso desde que (eles) inventaram os dinossauros

    2. Empresas privadas buscam o lucro, e como em software tudo é copiável dado alta quantidade de engenheiros-hora, assim o fazem para aumentar/manter sua margem de lucro

    3. O Pinterest é um bom exemplo do que você mencionou.

      Eu uso esse aplicativo e acompanhei as tentativas dele de surfar nas tendências.

      Primeiro foi adicionado um feed semelhante ao Instagram, onde todos os pins das pessoas seguidas apareciam num único lugar, depois eles trocaram por stories de criadores da plataforma escolhidos por algoritmo e hoje usam o formato de vídeos curtos iguais aos do Tique-toque, que rolam verticalmente.

          1. Qualquer busca de imagem no Google, chutando uns 70% dos resultados apontam em imagens no Pinterest, muitas vezes exigindo login no site.

  29. que saudades eu estava disso daqui <3

    só queria compartilhar que ganhei uma bolsa pra estudar programação e ser desenvolvedor full stack pela boticário, e o treinamento será pela alura (600h a carga horária, começa semana que vem e vai até outubro, assinei até um termo me comprometendo a estudar 4h por dia).

    Se até o final do ano não mudar de área, esse aprendizado vai me ajudar muito na minha profissão, mas dá até dó, visto que comecei um MBA agora, hehe

    1. Will,

      Você atua na boticario hoje? Qual a area? É remoto?

      Desculpe as perguntas, mas iniciei alguns cursos na Udemy, pretendo mudar de area até o final do ano, hoje atuo na area financeira. Fiquei curioso com a oportunidade oferecida pela Boticario.

      1. André, talvez eu tenha me expressado mal, mas eu não trabalho na boticário.

        o tecnoblog tem divulgado vagas e curso em área de tecnologia e em outubro divulgaram um programa de desenvolvimento de algumas empresas, entre eles a boticário, na qual me inscrevi e fui sorteado, veja aqui (https://desenvolve.grupoboticario.com.br/).

        e vc atua numa área bem próximo da minha hein, eu sou contador, rs.

        1. Que massa!! Poxa parabéns por ter sido classificado, tomara que você consiga fazer a migração, eu pretendo muito.

          Quem sabe daqui algumas 40 semanas, a gente converse por aqui sobre nossas primeiras dúvidas como analista de dados ou de programação. hehe

    2. Parabéns, Will! Os conteúdos da Alura costumam ser bem bons. Agora é sentar a bunda na cadeira e estudar.

    3. muito bom, will! vc é com certeza um dos jovens talento que acompanha o mdu!

    4. Boa sorte! Parece uma ótima oportunidade.

      Sobre o blog, uma dica: aproveitando até o curso, acho que seria melhor fazer algo no Github Pages usando Jekyll. Vai ser bom pelo aprendizado e o Medium é uma plataforma meio chatinha, apesar de (infelizmente) bem popular na área de dados.

      1. Eu não queria criar no Medium, mas como vc msm disse é o mais popular, o meu blog msm é no mataroa e eu queria algo assim, mas optei pelo medium pela facilidade de encontrarem e acompanharem.

        e eu pensei em usar o github pages também, mas eu não possuo nenhum conhecimento na área, vou esperar o curso começar e após aprender algumas coisas e ter algum projeto eu vou maturando e testando o github, até pq na grade curricular tem essa parte de ensino do github

        e muito obrigado pela dica :D

    5. Parabéns cara! Muito feliz por você e triste por mim kkkk, não acredito que perdi uma oportunidade dessas! Já tô a um tempo atrás de algo assim, venho estudando por conta própria, mas é difícil. Vou ficar atento este ano, mas já vi que se surgir uma nova oportunidade será só no fim do ano. Seria ótimo começar esse ano já fazendo alguma coisa. Mas reforço, parabéns, aproveita e se esforce é uma excelente oportunidade!

      1. vlw, vou aproveitar sim!

        e eu sempre vejo o tecnoblog divulgar esses cursos, fica de olho, e tb tem no LinkedIn, eu me inscrevi pra um curso na Stone por lá , infelizmente as inscrições fecharam, mas ainda não sei o resultado.

  30. Abrindo o post livre em 2022 com um pedido: existe um mousepad ou apoio para o pulso no uso do mouse que não seja horrível?

    Tenho buscado esse tipo de produto e simplesmente não acho — todos os que encontrei são daquele modelo com o apoio em gel e uma área arredondada para deslizar o mouse. Como já uso um mousepad “tapete” (enorme), queria só o apoio para o pulso para o mouse.

    Hoje, uso um apoio de teclado levemente deslocado para o lado para dar conta do pulso da mão que usa o mouse. É meio gambiarra. Ele está esfarelando depois de cinco anos de uso e não queria substitui-lo por outra gambiarra.

    1. Deixei de usar mouse por “n saber usar”.
      Uso mesa digitalizadora por ter um apoio mais natural mas posso estar completamente errado.
      Em outras palavras, usei mouse e meu pulso dói. Uso mesa digitalizadora e meu pulso só alegria.

      1. Lembro que a Logitech lançou um, mas exceto a Apple…nunca vi nenhuma empresa vender trackpads externos. Acho bem legal para usá-lo: os gestos são úteis no MacOS, a rolagem inercial é útil e mais agradável. Para programação, acho que são mais úteis que a eventual perda de precisão do mouse.

        1. Lembrando que algumas mesas digitalizadoras tem sensibilidade ao toque e aceitam gestos. Pode ser uma alternativa ao trackpad externo…com a vantagem da caneta, que acrescenta algumas funções e ainda previne alguns tipos de lesões.

    2. Eu procurei e não achei também, o que eu vi foram esses individuais. Pareceu-me pouco prático para usar com mouse normal, talvez a maior diferença mesmo seja usar mouse vertical e não apoio.

      Usando o MX Master que é “meio vertical”, nunca mais tive dores. Comecei a sentir nas últimas semanas, mas aparentemente a culpa é do moedor de café manual haha

      1. Por que te parece pouco prático? Por talvez escorregar?

        Vou comprar alguns para testar e, de quebra, já escrevo alguma coisa a respeito para o Manual.

        1. Por que te parece pouco prático? Por talvez escorregar?

          Eu mexo o meu braço para usar o mouse, justamente para não tensionar só os músculos do punho, imagino que eu ficaria tentando arrastá-lo….mas só impressão.

      2. Fugindo um pouco dos mouses, mas mantendo a essência do assunto. Alguém já chegou a usar aqueles teclados com cabo enrolado (igual aqueles cabos que se usava no telefone fixo)?

        Parece que agora tá começando a virar moda, além de teclados coloridos que parece um “Pense Bem”

        Seria algo parecido com isso: https://images-americanas.b2w.io/produtos/2379354970/imagens/cabo-espiralado-feito-a-mao-mechzone-bobina-tipo-c-diy-cabo-espiralado-usb-c-conector-de-aviacao-para-teclado-mecanico/2379354970_1_large.jpg

        1. Meu IBM Model M usa um fio desses, gigante… Se desenrolar deve ter uns 10 metros, hehehe! O chato é ter que prender embaixo da mesa pra não ficar batendo na perna.

          1. A única vantagem é se você precisar usar o teclado a uma dezena de metros do computador (teclado sem fio para quê, né?). Tirando isso, só estética de “telefone velho”.

          1. Até onde sei, só estética mesmo.
            É a mesma vibe de customizar o teclado mecânico, usando keycap “artesanal” (sim, até pra keycap estão usando esse termo 🤦‍♂️).
            Tem vários videos no YouTube ensinando a fazer o cabo enroladinho (coiled) em casa mesmo.

          2. Duas vantagens ptincipais:

            1 – o cabo enrolado evita o “embaraçamento” de cabos na mesa, contribuindo pra um melhor gerenciamento de cabos na mesa

            2 – esses cabos com o plug no meio (chamados de aviator) são bem usados pelos aficcionados por teclados mecanicos pq facilitam o swap de teclados (nao precisa mexer atras da CPU pra trocar de teclado).

      3. Eu uso um igualzinho a esse que você postou, com um mouse MX Master 3, e realmente sinto diferença… Mas vendo o post recente do Ghedin, percebi que ele é canhoto e a parte mais côncava do apoio está deslocada para a direita, tentanto “verticalizar” o punho… Talvez seja o caso de procurar um simétrico ou um específico para canhotos. No mais, comprei esse mesmo baratinho da Ali express e me atende muito bem.

        1. Pior que sou destro, mas há uns quatro anos uso o mouse com a mão esquerda para poupar o pulso e o ombro direito. Após ~15 anos de maus tratos em frente a telas de computador, eles começaram a dar sinais de exaustão aí achei melhor não arriscar 😬

      1. Tenho muita vontade de migrar pra esse tipo de mouse, mas um medo gigante de não me acostumar.

        1. Sei que existem umas versões mais de entrada, um amigo meu comprou uma com cabo, por exemplo. Talvez investir em um modelo mais simples pra testar valha a pena.

        2. Eu tenho um MX Vertical há cerca de um ano e meio. O primeiro dia foi esquisito, o segundo eu já tava mais acostumado (mas ainda clicava forte demais e ele acabava arrastando pro lado, afinal o clique é na horizontal agora). Depois disso, foi só alegria. Nunca mais tive dores nos pulsos/braço. O problema é que é um processo doloroso usar um mouse normal depois.

        3. Eu comprei um vertical há um tempo atrás, não me acostumei. Não sei se eu uso mouse errado, ou se o mouse que eu comprei tinha uma qualidade duvidosa, mas o problema que eu tive foi o seguinte:

          Eu uso o mouse com a mão direita, mas ele fica levemente virado para a esquerda, não o uso com o pulso reto pra frente. Quando troquei pro vertical, a forma como eu precisava pegar o mouse impedia que eu conseguisse usar da mesma forma. Se eu usava o mouse levemente virado para a esquerda, quando eu tentava arrastar o mouse pra cima ele ia para a diagonal, me forçando a usar ele em uma posição diferente, muito incômoda e que foi praticamente inutilizável. Eu ficava perdendo o mouse, tinha um trabalhão para tirar a mão do teclado, colocar no mouse, posicionar meu braço na posição correta, posicionar a setinha no lugar certo… Desisti. Hoje em dia, que estou usando um teclado split, o mouse fica no meio das duas metades, e está mais “tiltado” pra esquerda do que nunca. Nunca mais peguei no mouse vertical, está na caixa, parado. Como uso pouco mouse no meu dia a dia de trabalho (utilizo muitos atalhos de teclado), nunca realmente tive um problema ergonômico relacionado a ele, comprei mais pela curiosidade na época.

          A única funcionalidade que aprendi a gostar são daqueles mouses que tem DPI variável. Comprei um kit teclado/mouse desses “gamers de entrada”, muitos anos atrás, e o mouse tem esse botãozinho que permite trocar o DPI. No fim das contas acabou sendo muito útil, principalmente porque trabalho com diversos monitores, e as vezes preciso clicar em coisas em vários deles, mas as vezes preciso também de dar cliques mais “precisos”. Uso até hoje.

      2. Ahhh, lembro de já ter visto esse Carpio 2.0 em algum momento do ano passado. Porém quase R$ 200 em um apoio de pulso, e no escuro (não sabemos se presta), é pesado.

        1. e os trackball eu só parei de usar pois estou sem espaço na mesa gostava muito.

          1. Troquei meu mouse tradicional por um trackball e meu pulso agradeceu.
            Fiquei com medo de não acostumar, mas felizmente a transição foi muito boa. Tem um problema novo que é o acúmulo de sujeira nos roletes, me fazendo lembrar os tempos de mouse de bolinha. E dá pra notar claramente na sensibilidade do movimento do cursor.

          2. Tenho muita curiosidade pra experimentar um trackball. Tenho flertado com a ideia de teclados montados em cadeiras, e para esses casos, um trackball ou um trackpad são ideais, pois podem ser montados em um lugar fixo.

    3. como o gabriel já disse, usando um mouse ergonômico me parece melhor do q usar esse apoio. tinha muitas dores até achar um q encaixou bem na mão por justamente ser ergonômico. já apeleis a esses mousepads com gel e nunca deu muito certo, já q limitava muito o movimento da mão, acho q no fim das contas, o esforcço exigido pra movimentar o cursor com a mão parada era maior do q movimentá-lo pelo mousepad. uma coisa q recomendam tb é um mouse gamer, desses competitivos, q são ultra leves, um mousepad gamer tb q é bem liso. infelizmente essas últimas recomendações envolvem a palavra gamer, mas parece q têm funcionado tb. eu uso um pouco das duas: mouse ergonômico e mousepad gamer. não senti mais dores.

    4. Uma compra de oportunidade que tive e não me arrependo é de ter comprado um trackball antigo da Logitech. Para se ter uma idéia, o bicho é bege, já tá apagado as letrinhas de baixo, mas tá funcionando (apesar de umas gambiarrinhas que fiz porque perdi uma das bolinhas que sustenta a bola principal)

      1. Digo o mesmo.
        Peguei ano passado um MX Ergo em uma promoção. Estava com medo de não acostumar e nunca mais usei um mouse tradicional.
        Penso até em comprar outro pois a partir do próximo mês o home office deve acabar e vou precisar voltar a andar com o notebook por ai.

Os comentários deste post foram fechados.

O site recebe uma comissão quando você clica nos links abaixo antes de fazer suas compras. Você não paga nada a mais por isso.

Nossas indicações literárias »

Manual do Usuário