Dois homens, em poses diferentes, usando cuecas pretas da Insider, um em cada canto da imagem. No centro, a frase: “A cueca mais confortável com 12% Off. Cupom MANUALDOUSUARIO12”

Post livre #293

Toda semana, o Manual do Usuário publica o post livre, um post sem conteúdo, apenas para abrir os comentários e conversarmos sobre quaisquer assuntos. Ele fecha na segunda-feira ao meio-dia.

243 comentários

  1. 1 semana usando o Fedora (35) pela primeira vez (depois de sair do Ubuntu e Pop_OS). As minhas experiências:

    – Apesar de já ter visto muita gente falando que a RedHat é deveras xiita com softwares proprietários, o processo de instalação dos drivers da nvidia foram supreendentemente tranquilos e eficientes. Assim que executei os comandos, tudo foi instalado e a distro passou a se logar por padrão pelo xorg (sendo que anteriormente o padrão era o Wayland, não suportado pelos drivers proprietários) e colocou a placa de vídeo em formato híbrido (tudo roda na placa de vídeo Intel a não ser que seja expresso que vc deseja executar na nvidia), o que salva horrores de bateria.
    – Tudo está funcionando surpreendentemente bem e tive uma experiência geral melhor que o próprio Ubuntu, conhecido por ser o fusca do Linux (simplesmente funciona)
    – O gerenciamento térmico está um pouco melhor que no pop_os (melhor experiência que havia tido até agora). A bateria também está muito bem e funciona tão bem quanto no Windows 10.
    – O touchpad ainda está com um bug que sempre tenho usando qualquer Linux: ele deixa de entender que o toque único no touchpad é o toque primário em alguns instantes e passa a reconhecer somente toques na parte inferior esquerda. Bizarro.
    – Demorou um absurdo para o software center achar as atualizações e tudo veio um pouco desatualizado. Estranho quando você pensa que eu baixei o F35 no dia que lançou.
    – Gnome puro é a melhor coisa que existe.

    Sou cientista de dados e há certo tempo vinha procurando uma alternativa para me desvencilhar do Windows. Não aceitar comando unix no terminal, como Linux e Mac, é um pouco limitador para o meu trabalho, mas minhas experiências usando Linux na máquina “front ent” não vinham sendo tão boas e eu acabava voltando pro sistema das janela

    É uma ótima distro, mas precisa de certo estudo para mergulhar nela. Ativação de repositórios proprietários, download de pacotes de mídia proprietários e tudo mais precisa ser ativado manualmente. Quem quiser, eu fiz um tutorial para o meu setup, pode ajudar alguém por aí: https://classy-citrus-77d.notion.site/Port-Fedora-b7806dfae9894876b4a67c6aaca92901

    1. Uhh, que bom relato! Vou tentar o Fedora na minha migração para Linux, em um desktop antigo (a princípio, pelo menos). Ler relatos como o seu é animador!

    2. As facilidades para lidar com softwares proprietários é algo relativamente novo no Fedora. Antes era mais trabalhoso mesmo, facilitaram bastantes nos últimos anos essa gestão.

      Eu sou fã de Fedora: Gnome puro, repositórios atualizados e compatibilidade com RHOS. Perfeito para trabalhar ao meu ver e vem melhorando muito o Gnome nos últimos tempos. Eu só não recomendo muito para geral, porque uma base Ubuntu ajuda muito para quem está começando, a compatibilidade e troubleshoot costuma ser bem mais fácil.

      Legal seu guia, é basicamente isso que eu recomendaria também.

  2. O pessoal aqui sempre comenta sobre bloqueadores de anúncios.
    Coloquei o AdGuard aqui rodando num computador antigo.

    Quais listas de bloqueios vocês usam?

    1. Uso uBlock Origin em um Firefox e a lista de bloqueio padrão.

  3. Uma dúvida genuína: como acessar o próximo Post Livre? hahaha

    eu sempre acesso para ver o post livre que o Ghein disponibiliza, mas adoraria saber como mandar uma dúvida/pergunta para aparecer na próxima?

    1. O post livre é esse post, e todas as quintas ele abre um novo.

      O post em si não tem “nada”, o conteúdo está todo nos comentários.

    2. Você diz a chamada que faço na newsletter e nas redes sociais? Aquilo eu monto de acordo com o que já foi publicado — ninguém manda dúvidas antes do post livre ir ao ar.

      Abro o post livre quinta-feira de manhã, aí o pessoal começa a conversar. Na sexta de manhã, olho quais debates estão rolando e pesco alguns. Não tem nenhum critério específico, porém.

      1. ah sim! daí vc abre na quinta mas divulga em algum lugar ou os usuários tem que vir neste site para ver se abriu? kkk perdão a lerdeza da minha parte 🤧

  4. Um email gratuito só pra cair fora do Gmail, e que eu consiga configurar num thunderbird da vida, pra não precisar do webmail.

    alguma sugestão? sei que os tuta e proton não deixam no gratuito usar programa externo pra gerenciar os emails.

    já me passou pela cabeça pagar tipo um “posteo” mas sei lá, 7 reais por mês na cotação do euro atual só pra ter email eu acho esquisito. se fosse um uso profissional, eu faria sem dúvida.

    1. Depende do q quer. Se for somente sair do Gmail, outlook/Hotmail , Yahoo entre outros , mas creio q queria fugir de bigtech.

      Da uma olhada no mailfence

    2. Proton Mail pode sim ser usado no Thunderbird. Basta apenas instalar um programa chamado ProtonBridge

  5. Olá amigos!
    Preciso de um teclado bluetooth para usar num iPad. Preciso de um que tenha “Ç”, mas não consigo encontrar nenhum.
    Alguém teria alguma recomendação?

      1. Mas, esse teclado funciona em iPad? Porque ele tem um receptor bluetooth pra colocar na porta USB, mas o iPad não tem essa porta. Será que daria certo?

        1. Segundo a página do produto no site da Logitech, esse teclado não tem interface Bluetooth. Ele usa um protocolo proprietário da Logitech, que necessita o conector USB. Resumindo, não funciona no iPad.

          Da Logitech com Bluetooth (portanto, compatível com o iPad), tem o K480 e o K380.

          1. Valeu Ghedin!
            Esses dois eu tinha encontrado e curti bastante. Mas eu queria um teclado com “Ç”. :/
            Mas, se não encontrar, acho que vamos de k480 mesmo

          2. Ah Ghedin, obrigado por me corrigir. Eu achei estranho pois este foi o primeiro teclado que achei no buscador. Não li a letrinha miúda.

  6. Existe algum S.O. de propósito geral que rode suave no Raspberry Pi 3?

    Talvez não exista pois eu sei que essa placa não foi pensada para ser um computador “de verdade”, mas não custa perguntar. Já tô cansado dos eternos “projetinhos” e queria testar usar o Raspberry na vera mesmo, como computador substituto para a diária.

    Os que já testei e achei capengas demais: Raspbian/Raspberry Pi OS, MX Linux, CentOS, Ubuntu Mate. Até me animei com a ideia do Risc OS, mas tá longe de ser um S.O. que realmente dê pra usar para tarefas do dia a dia.

    1. Completando um pouco: seriam tarefas basicamente usar sites da Web sem engasgos (principalmente YouTube) e ler e-mails.

    2. Esse uso, como desktop/computador de uso geral, só veio com o Raspberry Pi 4. Acho que será complicado você encontrar um sistema que viabilize isso porque o computador não foi feito para isso — é meio como procurar um bom motor de moto para usá-lo em um carro; não vai dar certo.

      No meu Raspberry Pi 3+, uso o Raspberry Pi OS (64 bits) em modo headless, ou seja, sem ambiente gráfico. Roda suave, mas não o uso como desktop.

    3. Quais foram as limitações que você encontrou no Raspibian? Nos usos que fiz com ele como máquina principal tendeu a funcionar bem. Se você tive mais experiência, pode seguir a dica do Hilton e instalar um Arch personalizado, que, creio eu, será mais performático. Você também pode tentar usar interfaces mais leves, como o xfce ou o lxqt, que podem economizar alguns preciosos bytes de memória e um pouco de processamento

      1. Um exemplo bem emblemático no Raspbian, pra mim, é quando se tenta acessar o YouTube, por exemplo: sempre causa travamento total do sistema. Modificar a quantidade memória dedicada a vídeo ajuda um pouco no início, mas sempre acontece a mesma coisa. =\

        Tenho pensado justamente no Arch, mas sei que deve ser uma tarefa que demanda tempo e esforço consideráveis. A página oficial do Fedora para ARM faz uma propaganda bem atrativa, mas creio que se refere ao desempenho no Raspberry Pi 4. 😅

  7. O site da Claro tem uma seção chamada “Gerenciar Permissões”, na qual é teoricamente possível desativar as mensagens publicitárias que a empresa envia para você. Porém, já deve ser a quinta vez que eu desativo todas as opções lá e quando vou ver o site após algum tempo, eles automaticamente remarcam as opções de publicidade via telemarketing e via e-mail.

    Simplesmente não consigo fazer com que a Claro pare de encher o meu saco com ligações e SMS.

    1. Já tentou com a Anatel? Ligações não sei se funciona, mas consegui parar aquelas mensagens pop up de outra operadora só depois de reclamar lá duas vezes.

    2. Complementando a Andrea. Se for de São Paulo, tu pode usar o “Não Me Ligue” do Procon + o SAIR para 888 (salvo engano, tenho que consultar).

      Mas de fato a Claro mesmo com isso ele manda eventualmente mensagens promocionais para solicitar crédito adicional ou mudança de plano. Estou a ponto de sair da Claro por causa disto, mas temo em ser inútil, pois eu voltaria para a TIM, que sei que consegue ser pior em propaganda.

      (Estou tendo problemas de sinal com a Claro também)

      1. “pois eu voltaria para a TIM”

        a TIM manda direto essas mensagens

        a única maneira que consegui pra resolvir isso foi configurar o celular para não mostrar mensagens na tela de bloqueio (ou algo assim), daí o celular parou ligar a tela a todo momento

        1. Eu utilizo Tim, enquanto minha namorada possui um chip da Claro.

          Embora longe de estar livre do spam das operadoras, o que eu recebo não se compara com o que chega para ela. Há dias em que ela recebe mais de dez ligações, é sério.

          O número dela faz parte de um pacote que os pais assinam e já possuem há tanto tempo que mudar daria mais trabalho do que deixar assim, o pacote inclui TV por assinatura (Net) e talvez algum outro produto que não me recordo, o que talvez os torne clientes com maior potencial do que eu, usuário de 2 chips pré pagos que em um coloca R$50,00 de crédito mensais apenas para usar o pacote de dados e no outro faz uma recarga a cada 3 meses para manter o número no WA Business.

          Ainda assim não vejo como isso possa justificar a diferença, embora repetindo, a Tim está longe de ser exemplo.

          1. para bloquear ligações no celular eu uso o app Whoscall

            no fixo comprei uma daquelas caixinha bloqueadores que tem no Mercado Livre … demorou um pouco pra treinar, hoje passa pouca coisa

            ps. pior empresa no mundo em matéria de spam é o Banco BMG … 90% dos motivos porque comprei a caixinha bloqueadora eram as ligações do BMG

        2. De fato saí da TIM por causa das propagandas, mas como já dito, a Claro tem ficado mais esquisito para mim. Tenho problemas para acessar o 3G no meu Moto G 2, toda vez que consulto saldo vem propaganda para mudar plano, etc… Irrita.

          A TIM eu tinha saído também por causa da cobertura, mas tenho notado que ela tem melhorado um pouco. Talvez eu volte a usar dois chips para experimentar e ver qual tem mais cobertura.

    3. Curioso que eu também tentei cancelar o tratamento de dados pelo aplicativo da Claro e aconteceu a mesmíssima coisa que você relatou: a gente desmarca a caixa, volta pra página anterior e ao retornar pra página de tratamento de dados pra confirmar a desmarcação, lá estão elas marcadas novamente. 🤬
      Cheguei a ligar pra Claro solicitando que parassem de me enviar SMSs e me ligar oferecendo produtos e serviços e também não adiantou. Só resolveu em definitivo quando escrevi um e-mail pro DPO da Claro (dpo@claroatendimento.com.br). Na resposta o DPO sugeriu que caso eu continuasse recebendo ligações da Claro que eu informasse através do site Não Me Perturbe, porém não foi necessário. Desde a confirmação do cancelamento do tratamento de dados só tenho recebido SMSs informando a proximidade do vencimento das minhas faturas.

  8. Semana passada cometi o erro de criar uma conta no site do Outback (tipo um programa de fidelidade, algo assim) porque achei que ganharia uma sobremesa de aniversário (parece que não dão mais isso, rs).
    Na hora me incomodei com a quantidade de dados solicitados (CPF, se tenho filhos, cargo de trabalho (!!) e um item em especial: “Confirmo que não moro na UE” já que claramente essa coleta vai contra a GDPR deles) mas na hora não quis ser o chato da privacidade hahahah

    Acontece que (claro) não existe uma opção fácil para excluir o cadastro no site. Isso tá em conformidade com a nossa lei de proteção de dados? Achei bem bizarro mesmo

    1. Opa, só uma atualização: logo depois de escrever aqui, entrei de novo no site deles e achei um link minúsculo, lá no rodapé da página, com um formulário que permite solicitar a exclusão dos dados.
      Vamos ver o quão fácil vai ser isso rs

    2. Cara, isso é uma coisa que há muito eu me questiono. As vezes acho que a gente deva ser o chato da coisa X ou coisa Y.
      Já houveram casos de eu começar a abrir mão de coisas minhas para não ser o chato ou para agradar alguém e no final sempre quem se dava mal era eu.

  9. há tempos eu observo e me pergunto como e ao mesmo tempo, como não comento muito aqui (e em lugar nenhum), nunca vim de fato sanar minha dúvida procurando
    hoje saio do meu hábito e venho perguntar: como é que faz para ter uma foto nos comentários aqui do MdU? aliás, vejo muitos truques com os comentários aqui ,que não sei nem como perguntar como que faz rsrs

    1. Olá amigo. Usa-se o gravatar. Faz um cadastro lá e quando você usar seu email aqui vai puxar o avatar que você carregou lá.

  10. Fora os “sites comerciais”, existe algum site ou comunidade específico para “namoro, paquera e afins”? Ou até mesmo alguma alternativa “open source”?

      1. Rapaz o_O não imaginava que iria achar no Alternative.net. Obrigado :) Vou ver lá.

        1. hahah pois é né ´:D
          até criei uma conta agora, mas assim, pessoas brasileiras creio que não existam, pelo menos não apareceu pra mim, mas a ideia é bem legal, vê ai o que você me diz

          1. Lento demais. Pode ser que tenha brasileiros, mas falam em inglês.

          2. Provavelmente não dará resultados. Esses sites/apps são iguais a redes sociais, ou seja, só são úteis se há muita gente usando — e, nesse caso específico, gente fisicamente próxima de você.

          3. Tenho a sensação que o Alouva é meio que um “bait”, @Ghedin. Tou tentando apagar a conta e não consigo…

            (Ainda bem que meio que me “faço anônimo” nestas situações).

    1. Vc conseguiu apagar sua conta? A minha sorte foi um alias que usei só pra testar.

      1. Não consegui. Não tem nada de importante na conta, mas vou tentar apaga-la de novo. Se eu não conseguir, só boto uma avaliação negativa no Alternative.net e vamos ver no que vai dar.

  11. Estou procurando um site:
    Ele te mostra perguntas padrão, daí você escolhe uma resposta e aparece uma animação bonitinha dizendo a porcentagem de pessoas que também apertarm a mesma opção.

    Alguém pode me ajudar a lembrar?

    (tem duas semanas que estou procurando)

      1. Não, tipo, foi um site que o Ghedin recomendou até onde eu me recordo.

        É só um rolê, não é algo para fazer algo, só passatempo mesmo.

        1. Dá uma pesquisada nos dois últimos PLs, deve estar em um destes.

      1. GHEDIN VOCÊ É UM MESTRE DA SABEDORIA E DA CATALOGAÇÃO

        Anjo, muitíssimo obrigado por mostrar-me as caraminholas interneticais das mais cultivadas edificações edificantes.

        Um grande abraço,

        Vino Curvelo.

  12. com a chegada tardia do 5g no Brasil, quais seriam os serviços beneficos disruptivos que a tecnologia traria à sociedade?

    a materia do link cita um estudo da Nokia e consultoria OmDia, onde o 5g poderá melhorar o PIB nacionar em até us$1.2 Tri até 2035. O estudo informa que seria por meio da produtividade, redução de custos (trocando seres humanos por bots?) e novos negócios.

    Como leigo, pergunto, o 5g é tão mágico assim? ou ele apenas melhora a area de cobertura e velocidade?

    Fonte: https://g1.globo.com/economia/noticia/2021/11/04/5g-pode-elevar-pib-brasileiro-em-us-12-trilhao-ate-2035-diz-estudo-entenda.ghtml

    1. Essas previsões são meio Nostradamus: podem se concretizar, mas talvez não. O lance é que não dá para prever o que o 5G vai viabilizar. Quando o 4G chegou, ninguém imaginava que a Uber fosse ser inventada, mas ela só existe porque o 4G permitiu aquele tipo de interação. Por isso é importante ter o 5G: ainda não sabemos o que vão inventar, mas a existência da rede viabilizará ideias que hoje são impraticáveis.

      E, ao contrário do que algumas matérias e analistas dão a entender, não é tanto o aumento da velocidade que é o grande salto do 5G, mas a baixíssima latência.

      No dia a dia, nos primeiros anos, não veremos muita coisa diferente, mas aos poucos esse negócio vai mudar o cenário de fundo das nossas vidas.

    2. 5G vai abrir espaço para aumentar a automação. Não vai suplantar o 4G, vai adicionar mais uma camada de comunicação que, apesar de curto alcance, vai ter uma largura e velocidade enormes. Vamos começar a ver os benefícios a partir daqui uns 5 anos…

  13. Estava querendo passar a acompanhar alguns perfis do twitter e do instagram por meio do feedly, pra deixar de acessar tanto essas redes. Acontece que, ao tentar fazer isso, descobri que o feedly não consegue “puxar” um feed de nenhuma delas (não sei descrever isso de forma técnica rs).

    No caso do twitter, o feedly até tem essa opção na modalidade paga, que custa quase 100 dólares/ano, o que não tenho nenhuma intenção de pagar.

    Vocês sabem de alguma solução pra isso? Talvez algum tipo de serviço que gere um feed RSS de determinados perfis desses sites, inclusive algo equivalente, mesmo que não atrelado ao feedly? Realmente não sei nada da parte técnica disso, mas não parece algo de outro mundo.

    1. Você usa Android? Se sim, tem o Fritter, um app que permite seguir perfis no Twitter sem ter conta no Twitter e sem qualquer tipo de interação.

      Para Instagram existia o Barinsta, mas o Facebook ameaçou processar o cara que desenvolvia ele e agora é questão de tempo até morrer. O Bibliogram oferece RSS, mas a maioria das instâncias desativou isso porque o Facebook bloqueia.

      Eu meio que desencanei de acompanhar qualquer coisa no Instagram não tendo conta lá. O Facebook é muito carrasco.

      1. Vou dar uma olhada no Fritter. Mas na real, no caso do twitter, eu acabo achando aceitável usar timeline cronológica do tweetdeck + listas. O instagram que, pelo jeito, não tem solução, mesmo.

    2. Tem limite de perfis. Mas uso um bot no telegram pra seguir alguns perfis do instagram

      t.me/@aximobot

  14. Na Ignite, a conferência da Microsoft, os apresentadores estão se descrevendo. Achei simpático.

    Aí nesta passagem a mulher começa falando que o campus da Microsoft foi construído em terras de povos nativos. Que… foram dizimados pelos colonizadores. Essa parte achei esquisitona. Tipo, legal saber que vocês têm consciência disso, mas e aí? Vão devolver as terras?

    Dá para ver o vídeo aqui (ignorem o mensageiro; não conheço, mas tem bitcoin na bio, então já fico com um pé atrás.)

    1. o capital descolado e consciente sempre será, ao fim e ao cabo, pura hipocrisia

    2. Lembrei da Faria Lima e seu orgulho de ser “terra de bandeirantes”

  15. Pessoal, quero a opinião de vocês.

    Pretendo trocar de notebook em breve e não é novidade pra ninguém que tudo que é eletrônico ta absurdamente caro. Computador de 3000reais com configurações fraquissimas.

    E ai estou cogitando um macbook air m1, que se encontra na faixa dos 7k
    O que me deixa na duvida é que a apple nao ta nem ai pra reparabilidade dos seus produtos. Um conhecido teve que pagar quase o preco de um notebook novo por causa de um sdd que parou no macbook dele.
    Mas por outro lado, o desempenho desses novos macbooks estao acima/mesmo nivel de notebook tambem nessa faixa de preço com i7, porem, os macbooks tem uma bateria que dura muito(o que é otimo, e nao sei outra marca q tem bateria otima e trackpad), e a desvalorização da maquina,pra um futuro onde eu tenha que trocar, é bme menor. Eu nao sei pra vcs, mas bateria num notebook é muito importante pra mim, afinal, portabilidade.
    E caso nao pegasse um macbook, usaria linux, e na minha última experiência com notebooks linux, as soluções de bateria eram bem ruins.

    Meu uso é basicamente pra programar, e bobeira, nao tenho interesse em jogar e tals. hoje to com um macbook pro 2015 e ele ta pedindo arrego ja, coitado.

    Deem suas opiniões, tragam ideias :)

    1. Tenha em mente que no Air, o resfriamento do SoC é passivo, sem ventoinhas. Isso faz com que, ao esquentar, o clock seja reduzido. Na mesa dá pra amenizar usando aqueles coolers de notebook. Lá fora uns doidos abriram buracos na carcaça para ajudar na circulação de ar.

      No mais, as máquinas parecem excelentes e acho que não tem nada hoje no mercado que tenha autonomia tão boa quanto esses notebooks ARM da Apple.

      1. Pelo que vi em alguns reviews, ele atende bem pra desenvolvimento web, que é o que to trabalhando atualmente, mesmo com resfriamento passivo.

        Quanto a bateria, esse meu macbook pro 2015 atual, aguenta algumas horas tranquilo sem carregar, e estamos falando de um i5 de 2015, antes dos macs usarem arm, e ja conseguiam garantir essa autonomia

        1. Sim! Os MacBooks sempre foram longevos com a bateria. Tive um da época dos Core 2 Duo e era fantástico. Não duvido que os M1 consigam ficar o dia todo fora da tomada.

          E como você disse: Bons notebooks hoje estão custando um rim e meio fígado. Ao ponto dos Apple começaram a se tornar atrativos até quanto ao custo…

    2. Eu compraria um Apple M1 também. Mas o modelo com 16 Gb. Só que esse vai uns 13 mil ou mais (o Pro ou mesmo o Air). Isso seria pra ele durar mais… Mas esse valor está absurdo de caro. 7 já não é pouco… E pior q com os lançamentos do M1 Pro e Max o preço não vai cair…

      Acabei pegando um iPad com M1, pq eu queria substituir um equipamento aqui q não tenho usado (pra produção de música) e caso queira brincar com isso, o iPad tem apps q me Co templariam. 8 Gb pra um Tablet me parece ok. E posso usá-lo pra várias coisas além de produzir umas músicas, claro. Mas não parece um bom equipamento pra programar nele. Pode quebrar um galho apenas.

      Acho q 7 mil valeria se fosse o com 16gb… 7 mil eu acho muita gaita pra uma configuração tão justa (ssd de 256 ou 512 Gb).

  16. Pessoal, uma dúvida:

    Eu tenho uma conta antiga do Twitter que gostaria de acessá-la. No entanto, quando tento logar com a senha e o email, um código de segurança, de verificação da conta, é enviado para o meu email (antigo) do yahoo…

    ..o problema é q o email originalmente era “…@yahoo.com.br” e por algum motivo o yahoo mudou para “…@yahoo.com” e o código não chega no email (nem caixa de entrada e nem na de spam) …e eu não tinha o numero do celular cadastrado na conta, então nao tenho como receber sms.

    …alguem saberia como resolver? ou teria alguma sugestão?

    1. O yahoo não deixe criar um alias? Se não, talvez você consiga criar um “novo” e-mail com o usuário antigo.

    2. Passei por um problema parecido com o Yahoo. No meu caso era uma velha conta no Flickr que eu não conseguia acessar porque não conseguia entrar no e-mail pra receber o código de confirmação do Flickr. E nenhuma forma de recuperar o e-mail funcionava. Tive que recorrer ao suporte do Flickr, que prontamente verificou minha identidade e alterou o e-mail associado a conta para um que eu tenho acesso hoje.

      No caso do Twitter temo que possa ser mais complicado :(

  17. Nesta semana eu fiz a troca do painel do meu ThinkPad. Fui de uma tela TN HD para uma IPS Full HD. É a terceira vez que eu abro o meu notebook para fazer alguma melhoria—as outras vezes foram para colocar mais RAM e um SSD melhor e com mais espaço de armazenamento. Eu ainda comprei uma bateria externa maior assim que o fantasma do apagão começou a assombrar as notícias do Brasil.

    Tudo isso me fez pensar em como os notebooks de hoje são cada vez mais integrados e com menos partes reparáveis ou trocáveis pelo usuário final. Eu comprei o meu ThinkPad em outubro de 2019, quando não tinha muito dinheiro mas queria um computador que funcionasse bem com Linux. Comprei com especificações menos ideais porque era o que cabia no orçamento. Mas à medida em que as coisas foram melhorando financeiramente—e as minhas necessidades foram mudando—, o ThinkPad foi me acompanhando com as melhorias que citei acima.

    Eu me dei conta que as coisas que melhorei talvez fossem o equivalente a comprar dois computadores diferentes no mesmo período se o que eu tivesse antes fosse “irreparável” ou “intocável”, embora ainda funcional.

    O processador pode ser “ultrapassado” (i5 de oitava geração), mas nunca deixou de me servir—e de me servir bem. Espero que ele ainda dure muitos anos comigo.

    Mas também espero que, quando finalmente chegue o momento de aposentá-lo, eu ainda ache máquinas semelhantes no mercado: com manuais de serviço públicos e peças fáceis de comprar e trocar.

    1. Você trocou tipo na mão, DIY? Quão complexo é?

      Em todo caso, dá para fazer isso com qualquer tela IPS LCD do mesmo tamanho em qualquer notebook?

      Tenho o mesmo ACER Fseiláoquê há uns 4 anos e a única coisa que eu mudaria nele é a tela, mesmo, tanto pela resolução baixa quanto pelo cansaço que parece gerar.

      Inclusive por isso a minha pergunta sobre isso em outro comentário, eu pretendia comprar outro monitor há tempos, mas não queria encher a mesa de coisas, se eu conseguir trocar esse, ainda melhor.

      1. Uma coisa que diferencia o ThinkPad de outros notebooks é que existe uma verdadeira comunidade por trás de DYIs. O painel que eu comprei, por exemplo, é recomendado para o T440 até o T480. É uma tela da Innolux!

        Não é qualquer tela que é compatível; você precisa olhar as especificações da tela que está instalada, ver coisas como quantos pins, quanta energia console, etc.

        Outra parte que possibilita tanta flexibilidade é que os manuais de serviço são públicos, e a lista de peças compatíveis também é. Você consegue ir no site da Lenovo com o número do produto e ver uma lista de todo componente alternativo. A tela que eu usei não estava nessa lista específica, mas já era um painel muito usado pela comunidade.

        Algumas coisas que você precisa considerar:
        (1) Algumas fabricantes escrevem uma lista de bloqueio no firmware do computador que torna a troca de peças muito mais difícil. Você teria que descobrir se isso existe para o seu notebook.
        (2) Você precisa ver o mecanismo de montagem da tela e avaliar compatibilidade. Por exemplo, do painel que eu peguei a Rev. C1 não era compatível, mas a Rev. C2 é!
        (3) Apesar de tudo ser público, a troca foi um tanto delicada pela quantidade de cola na moldura que eu precisava preservar. Tem que ser muito cuidadoso, especialmente porque as empresas amam usar clipes também, e quebrar alguns desses clipes significa não consegui encaixar tudo direitinho depois.

        Tenta procurar o número de produto do seu notebook + “service manual” ou “manual de serviço”. Dá uma olhada no YouTube também.

        1. Muito legal. Parabéns pelo serviço. Tenho amigo que faz manutenção de máquina de 100 mil reais e tem receio de instalar um SSD. Kkkk

          1. Entendo ele. Se ele pudesse treinar mais, creio que ele teria segurança para mexer com isso. Tem gente que paga o curso para ficar especializado em algo, só que em compensação não entende das generalidades.

    2. Tenho o meu x230 a mais de 5 anos e foi pelos mesmos motivos que fiz essa aquisição.

      Fiz as atualizações de SSD e memória RAM algum tempo depois, pois a configuração padrão aguentava bem as cargas de trabalho. Acredito que vou ficar mais uns longos anos ainda com esse equipamento, pois não tenho quase nada a reclamar, com exceção da tela.

      Inclusive, fiquei curioso a respeito da tela Full. Você adquiriu aqui no Brasil ou importou? Precisou soldar algo pra essa adaptação?

      1. Comprei no AliExpress. Ficou menos de R$550 no total (paguei R$ 366 na tela), mas você deve conseguir preços melhores se pesquisar mais. Veio pelos Correios, demorou 14 dias para ser entregue e não foi taxado. O painel é um Innolux N140HCE-EN1 Rev. C2.

        Nada de solda — no meu modelo você só precisa conectar o painel e parafusá-lo. A parte complicada mesmo é a retirada da moldura, que é cheia de cola e clipes, mas eu não quebrei nenhum clipe e consegui reutilizar a cola que já estava ali! Recomendo ter algo como cartões de crédito velhos, qualquer coisa fina e de plástico para te ajudar a acessar o gap entre tela e moldura.

    3. Guria, parabéns pela ousadia!

      E infelizmente hoje em dias as coisas estão cada vez mais enlatadas. Tudo compra X, vai ter exatamente este X até o final, sem possibilidade de alteração, melhora, reparabilidade, etc.

      1. Bah, que trabalheira. Até o Coreboot ele colocou. Sem contar a parte de eletrônica para adaptar o painel novo e faezr o backup da BIOS original… O cara quase que (re)construiu boa parte do laptop.

    4. Nossa, Ana! Excelente! Nem cogitava que era possível fazer um upgrade de tela num notebook… As partes removíveis, claro, dentro do limite de memória e tal, blz, mas a tela! Quem dera isso fosse possível em mais modelos… Notei q fabricantes estão fazendo como a Apple e soldando memória e ssds nos equipamentos e removendo os slots pra ampliar a capacidade… É o contrário do caminho para o qual a indústria deve seguir, reduzindo ainda mais a vida últil dos equipamentos! Que bom q vc está conseguindo prolongar a vida do seu. Eu dei muito azar com meus notebooks e até desisti de ter um comigo… Sem falar q me falta essa sua habilidade haha!

    5. Poxa, tenho um ideapad de 14 e umas semanas atrás postei no post livre que tinha o interesse na troca do painel, já vi os modelos compatíveis e tal… aí tinha me convencido a não trocar. Aí vi seu post e me coçou aqui de novo, hahahaha.

      Mas na moral acho que pra mim não compensa, considerando que esse notebook é de uso secundário. Mas achei engraçada a coincidência.

    6. Queria trocar a tela do meu asus EEE 701, o netbook original, pra deixar de recordação.

      1. Mexi algumas vezes num eeePC 701 e sempre quis ter um para a coleção! No final das contas o que mantenho até hoje é um MSI Wind. Saudades desse formato: Não era tão lerdo (conseguia rodar até VM no meu), mas era leve e fácil de carregar.

      2. Tenta achar um usado com placa mãe ruim para fazer a troca. Ou se achar aqueles computadores escolares, salvo engano, eles são a mesma tela também.

    7. Eu gosto muito de thinkpads. É o q usam onde eu trabalho então faz uns 12 anos q uso um modelo atrás do outro. Acho q comecei com T60 e agora to com um X1 Yoga. Uns anos atrás passaram a fornecer macs tbm, mas os TPs são bem melhores q os macs disponíveis.
      Sempre quis comprar um usado, pq eu vejo esse notebook passar em mil mãos e sobreviver, é muito guerreiro. (infelizmente isso não vale pra outros lenovo, comprei um pra minha irmã pq ela destroi notebooks, e não adiantou. só o think pad mesmo) Mas a empresa vende os q passaram da “validade interna” muito caro ultimamente.

      Uma das coisas mais legais q já vi nisso de customizar think pads foi um adaptador para colocar um hd a mais no lugar onde normalmente ficaria o drive de cd (nos modelos velhos com drive de cd). Isso me salvou demais numa situação que o TP foi molhado e morreu, pq consegui fazer backup super fácil.

  18. Especialistas da tecnologia, uma ajuda. Eu gosto de ouvir a CBN aqui na cidade (às vezes para xingar, mas tem muita informação local útil ali). Dia desses a rádio mudou de nome e mudou de faixa, passou para a 95,1 MHz. O problema é que eu ouço via aplicativo, no TuneIn, e ele ainda não foi atualizado.

    Existe uma “web rádio” na nova frequência. É possível extrair a URL e jogar num app qualquer de rádio, tipo o Transistor?

    1. Eu ja tive (e tenho agora, de novo) esse problema. Às vezes, quando o site é mais simples, eu acessava o código fonte da página e encontrava na “raça” a URL que transmitia o áudio. Daí, eu só colava no bloco de notas e salvava como “radio.m3u”. Era só clicar que abria no meu player de audio no PC ou celular. Muitas rádios mudaram a URL e o site parece não ter mais um “link” de onde a música vinha, então eu não consegui mais pegar. Se encontrarem uma forma, eu também gostaria de saber ;)

      1. Funcionou! Foi só colocar a URL contida dentro desses arquivos — https://ice.fabricahost.com.br/cbncuritiba — e boa. Muitíssimo obrigado, Ligeiro!

        1. Grato. Méritos ao Becker também, pois se ele não tivesse falado do m3u, eu não me lembraria do site.

  19. Simplesnote: https://flathub.org/apps/details/com.simplenote.Simplenote
    Fiquei um tempo sem usar o simplenote e não sei exatamente quando ele mudou, mas agora tem widget no iOS e opção para importar/exportar as notas no app desktop. As notas são exportadas em .txt, o que facilita muito a vida em caso de migração.

    Signal: https://flathub.org/apps/details/org.signal.Signal
    Mensageiro simples e seguro.

    Insync: https://www.insynchq.com/
    O melhor cliente para Google drive e Onedrive para Linux.
    Vez ou outra tem promoção de 50% ou 75% de desconto.

    Podcasts: https://apps.gnome.org/pt-BR/app/org.gnome.Podcasts/
    Um app raiz de podcasts para quem não quer ficar refém de apps de streaming de música como o Spotify.

    Blanket: https://flathub.org/apps/details/com.rafaelmardojai.Blanket
    Sabe aquele novo recurso do iOS para tocar som de fundo que as pessoas dizem ajudar na concentração?
    Esse app disponibiliza uma boa biblioteca com sons de chuva, tempestade, vento, ondas e outros, podendo combinar todos e ajustar a intensidade dos mesmos.

    Health: https://flathub.org/apps/details/dev.Cogitri.Health
    Se quer ver os dados do seu Google Fit sincronizados no desktop, esse é o app.

    Tootle: https://flathub.org/apps/details/com.github.bleakgrey.tootle
    Cliente Mastodon.

    Fragments: https://flathub.org/apps/details/de.haeckerfelix.Fragments
    Torrent.

    Dialect: https://flathub.org/apps/details/com.github.gi_lom.dialect
    Aplicativo de tradução que usa a api do Google translate.

    Wike: https://flathub.org/apps/details/com.github.hugolabe.Wike
    Se vc gosta da Wikipedia, esse app vai te entregar diversos recursos para que vc se mantenha focado nela.

    Drawing: https://flathub.org/apps/details/com.github.maoschanz.drawing
    O Microsoft Paint do Linux.

    Mousai: https://flathub.org/apps/details/io.github.seadve.Mousai
    Uma espécie de Shazam para Linux.

    Apostrophe: https://flathub.org/apps/details/org.gnome.gitlab.somas.Apostrophe
    Editor de textos Markdown.

    Extensions: https://flathub.org/apps/details/org.gnome.Extensions
    Gerenciar as extensões do seu Gnome.

      1. O chato dessas instalações a partir do flathub é que elas não respeitam o tema de cores do sistema.

        Parece que existem maneiras de forçar a aplicação respeitar o tema nativo, mas é coisa que dá um pouco de trabalho.

        Por causa disso, sempre que possível, eu prefiro instalar a aplicação a partir do gerenciador de pacotes nativo (dnf no Fedora).

    1. Primeiramente quero dizer que fico feliz de ver um amigo usuário de Linux indicando vários apps do Gnome, o que me faz supor que você usa uma distro que usa esse ambiente de trabalho também. Bom!

      Aproveitando a deixa e o local em que estamos comentando, quero perguntar sobre o Podcasts: você consegue ouvir nele os podcasts do Manual (o Guia Prático e o Tecnocracia)? Eu pergunto pra saber se o problema é só comigo ou é alguma incompatibilidade do aplicativo.
      Eu não sei porque, eu colo lá o feed e ele carrega os episódios, mas na hora de baixá-los ele não baixa. Ele parece que dá uma engasgada. Não trava o aplicativo nem nada. Apenas não baixa os episódios. Com outros podcasts isso não acontece, o que me leva a crer que talvez o empecilho seja o sistema de feed dos podcasts, que se não me falha a memória é o Simple Podcast.

      Você sabe se tem alguma solução pra isso?

      1. É algum problema no Podcasts mesmo.
        Por algum motivo, alguns (poucos) podcasts não conseguem baixar nele.
        Mas consegui colocar o Guia prático no Rhythmbox.

        1. Obrigado pela dica! Nem tinha pensado no bom e velho Rhythmbox.

          Obrigado, amigo! Você é um amigo!

  20. Saí fora da Fancontrol depois de 3 anos e meio de desorganização, assédio e falta de consideração com os colaboradores. Não ganhava mal, vou ganhar bem menos agora, mas a saúde mental não tem preço.

    1. está certo!

      logo depois que terminou meu contrato de jovem aprendiz fui convidado pra trabalhar embarcado, aceitei, iria ganhar muito bem (ainda mais pra quem só tinha um curso técnico), saí dois meses depois pois era trabalho braçal e não compensava em nada pra mim, ouvi muita gente falar que queria ter a minha oportunidade, mas só quem passa sabe, depois consegui outro emprego ganhando menos, mas eu estava bem melhor e feliz.

    2. Tchê, só digo uma coisa: boa!

      As coisas não se resumem a dinheiro. Claro que as vezes temos que focar nele, pois, a situação exige, mas ter a mente em paz é muito melhor. Parabéns!

    3. O meu maior problema é que não consigo um emprego sempre com medo de ter problema no emprego, seja por conflitos internos, ou algum ataque de ansiedade que eu tenha. Já sai de dois trabalhos (fiquei três meses) por causa de ataque de ansiedade + algo que impliquei (algo que alguém falou mal de mim por exemplo).

      Espero que neste novo trabalho tu se estabilize e consiga até complementos financeiros :D

  21. Usar a internet no celular é uma experiência cada vez pior. Sites inchados, lotados de propaganda em vídeo, artigos quebrados em várias páginas, etc… Tenho usado o navegador da Samsung com AdBlock, mas aí alguns sites simplesmente não te deixam continuar com ele ligado. Resultado: Estou simplesmente deixando de acessar a maioria dos sites. O incômodo de ativar e desativar AdBlock e o consumo excessivo de bateria, está me fazendo desistir de usar acessar a web no celular.

    Não acho que o cenário vá melhorar. Saudades da antiga internet :(

    1. Sim, acessar sites pelo celular é horrível, eu uso o Samsung Internet que dá pra usar bloqueadores de anúncios, mas mesmo assim não é a mesma coisa, pra ler qualquer coisa que não seja rapidinho, eu vou pro PC, no celular uso cada vez menos o navegador…

      1. Eu não tive uma boa experiência com o Firefox no Android e, com a troca de celular, voltei pro navegador da Samsung. Não uso nenhum bloqueador, mas reparei que tenho visitado cada vez menos sites tanto no celular quanto no tablet. Utilizo mais no desktop (do trabalho).

      2. O problema são alguns sites que te barram por causa do bloqueador de anúncios. O jeito que encontrei é simplesmente não acessar os benditos.

    2. Usei uma custom ROM que vinha com o navegador Via. Agora indico ele pra todo mundo.
      Tem bloqueador de anúncio, usa o webview que já esta no celular. E da pra desativar o JS por site, o que ajuda em muitos paywall

  22. Pessoal que programa/escreve qual monitor recomendam?

    Sou roteirista e até cheguei a procurar por um modelo e-ink, pois sempre termino o dia com a vista bem cansada. O único que achei não tem no Brasil e é ridículo de caro, o que me fez abandonar a ideia. Mas também não sei o que torna um monitor bom para escrever e/ou programar. Nas pesquisas que fiz as recomendações entre modelos variavam muito então se alguém tiver algum conhecimento maior sobre o que torna um monitor menos cansativo, ou mesmo uma indicação de modelo, agradeço!

    1. sobre o monitor não tenho procurado muita coisa mas, uma recomendação é o uso de lente com filtro de luz azul, eu tenho usado já a quase 4 anos e tem me ajudado MUITO. claro, isso não deve inibir a compra de um monitor com melhores condições mas, deve te auxiliar já/

      1. Todos os oftalmos que conversei disseram que filtro azul em lente é placebo.
        Só serve para deixar o produto mais caro.

        1. olha, se for lente de contato eu não posso opinar mas, se for “lente de óculos”, os oftalmo(s) que vc visitou só são oftalmo mesmo, não entendem sobre produção de lente e tecnologia atrelado/aplicado a ela para poder generalizar assim (pra mim, isso parece mais teoria da conspiração), pode ser que alguns não tem tecnologia para tal e faz isso que vc comentou, sim, mas não acredito que isso seja aplicado a todos

          eu sei que, aqueles filtros a nível de software (que deixa a tela amarelada ou mais “quente”) não funciona muito mas, o filtro de luz azul nas lentes já existe a anos, bem antes dessa modinha atual

          lembrando que, esse custo exagerado aplicado no Brasil é injustificável mas, fora do Brasil, o custo é tão pequeno que só não coloca quem não gosta de uma certa coloração na lente (resultado desse filtro)

          1. A questão não é que a lente não funcione, ela realmente filtra a luz azul, a questão é que não há consenso de se a luz azul é prejudicial a uma pessoa com a visão sadia. Na realidade o consenso médico é de que a luz azul em si não causa prejuízos a quem tem a visão sadia, e como o Junior comentou, muitas vezes é o efeito placebo.

            Os sintomas de desconforto após longas horas usando telas estão mais ligados a outros fatores do que propriamente à luz azul.

            Sei lá, eu só vejo fabricantes de lentes e vendedores de ótica propagarem os benefícios do filtro de luz azul. Mas se você se sente bem assim e sente que melhorou, eu é que não vou recomendar a você parar de usar.

        2. Eu (finalmente) vou me consultar com o meu este mês e essa é uma das perguntas que vou fazer pra ele. Tem dias que meus olhos estão tão sensíveis que eu trabalho de óculos escuros (vou perguntar também se usar frequentemente interfere em alguma coisa).
          E gente, qualquer coisa que você vai colocar em lente é uma fortuna!! :(

        3. A minha oftalmo me receitou uma lente de óculos com filtro de luz azul. Uso há quase 4 anos e gosto.

    2. Qual o monitor você usa atualmente? Você sente que está ficando com a vista muito cansada com ele? Talvez a questão da luz azul, como o outro comentário falou, ajude um pouco.

      Como programador, geralmente o monitor não é o tipo de periférico que eu procuro algo mais “diferente”, eu apenas procuro um básico com tela fosca, resolução 1920 x 1080 (talvez um de tamanho maior ajudaria mais, mas como uso dois, não faria muita diferença) e uso um braço articulado pra manter no nível do rosto (além de manter a mesa desocupada e organizada). Não sei como a questão da frequência do monitor ajudaria ou atrapalharia nesse caso.

    3. Solução gratuita: Faça mais pausas e fique menos tempo em maratonas de escrita/programação. Levante, tome uma água, dá uma olhada no que está fora da janela.

      Recomendação relacionada: Não compre monitores de resoluções diferentes se tiver vários em sua mesa; se possível, compre do mesmo modelo.

      Outra recomendação relacionada: Colírios lubrificantes. Olhos secos—especialmente se você dorme de olhos entreabertos—pode causar alguns problemas sérios, e nós tendemos a piscar menos quando usamos telas.

      1. A dica de levantar, passear os cachorros, olhar pela janela etc eu faço e nem é por preocupação, eu raramente consigo ter mais de uma hora direito de concentração.

        A do colírio é ótima, me salvou durante a pandemia quando ainda trabalhava em empresa e tivemos de voltar ao escritório (por algum motivo comecei a ficar com os olhos muito secos) e acredito que deva ajudar sim porque eu realmente durmo com os olhos meio entreabertos (é medonho),

        1. Eu também durmo assim! Estava começando a ter alguns problemas na córnea por causa disso. 😬 Meu oftalmologista me perguntou se eu dormia com os olhos abertos e descobrimos que essa era a causa mesmo. Começou a regredir assim que comecei a usar mais colírios lubrificantes e dormir com uma máscara para os olhos, mas foi meio assustador.

      2. Como eu descubro se eu durmo de olhos entreabertos? Com alguém me vigiando? Pergunta séria.

        1. Eu descobri há um tempão, estava na casa da praia e uns amigos vieram me sacanear, algum tempo depois a namorada confirmou que eu dormia assim, mesmo.

          Mas se estiver em dúvida, sempre dá para tentar deixar o celular gravando (desde que consiga dormir com claridade)

      3. E já deixo a recomendação de um ótimo colírio para esse fim: Hylo-Comod da Pfizer (chokadah?!?!?!). Dá pra comprar sem prescrição médica e foi uma recomendação da minha oftalmo quando eu falei que uso muito o computador.

      4. boas sugestões!

        meio off

        imaginem então como era nossa situação na época dos monitores de tubo!

        naquela época, com monitores de 14″ ou 15″, era comum a gente usar uma tela (máscara) em frente ao monitor, para deixar a imagem menos agressiva (imagino que cortava parte da radiaão também)

      5. Nessa linha de solução gratuita, para complementar, e pra quem utiliza GNU-Linux

        Existe um programinha chamado Safe Eyes é , ele vai te lembrando de fazer pausas e exercícios, tudo pode ser configurado ao seu gosto, mas já vem com algumas configuração que eu gosto bastante: pausas pequenas de 1min a cada 15 min, pedindo para vc focar algo distante, pescar os olhos etc, e pausas maiores a cada 30min para beber água, levantar da cadeira e por ai vai.

    4. Reduzir o brilho, aumentar o contraste e colocar o monitor a uma distância e altura razoável me ajudou. A distância é um braço de distância, mais ou menos. E a altura mais ou menos o topo da tela alinhado com os olhos e a cabeça em uma posição neutra. A ideia é que a cabeça esteja levemente inclinada para baixo, e nunca olhando para cima.

      Tem a regra do 20-20-20: a cada 20 minutos olhar para um objeto a no mínimo 20 pés (6 metros) por 20 segundos. Eu costumo olhar para os prédios próximos de onde trabalho.

      Sobre o monitor, acho que não há um tipo específico. Eu uso um 1440×900 de 18 polegadas no trabalho (fico em torno de 6h a 7h praticamente contínuas)

      As dicas da Anna são muito boas também: pausas e colírios.

  23. Quem atualizou o Windows 11 já deu uma olhada na pasta “Fonts”? Usuários estão reclamando do armazenamento. No meu está em 19,9GB.

    1. Aqui está com 360MB. Eu fiz uma instalação nova do Windows 11 e não sei se isso influi.

  24. Saudações colegas do Post Livre.

    Como tem gente aqui na área de TI talvez alguém possa me ajudar com uma dúvida que fiquei. Gostaria de uma ajuda de como identificar se meu provedor está usando um VPN ou Proxy.

    O que aconteceu foi o seguinte. Minha esposa estava assistindo um seriado na Netflix chamado You. Até que um dia o seriado simplesmente desapareceu. Não constava mais no catálogo. Mesmo sabendo que a Netflix costuma tirar títulos sem prévio aviso, ainda achei estranho. Até porque é um título de sucesso. Entre no chat da Netflix e o atendente disse que o título continuava no catálogo. E me passou mais alguns títulos para que eu procurasse no catálogo. Alguns apareciam e outros não. Lembro que outro que não aparecia era Grey’s Anatomy. O atendente disse então que os títulos não estavam aparecendo porque eu estava usando VPN e/ou proxy. Garanti para o atendente que não estava usando nada disso e ele então me disse que então o meu provedor estava usando.

    Pedi uma “prova” de que o problema fosse o meu provedor, já imaginado que poderia ficar um jogo de “empurra-empurra”, onde o Netflix culpa o meu provedor pelo problema e o provedor culpa a Netflix. O atendente então me pediu para acessar a Netflix pelo rede celular os títulos apareceram normalmente.

    Liguei então para o meu provedor e é claro que eles disseram que estava tudo normal, já que os sites abriam normalmente, podia fazer downloads normalmente, etc. Ou seja, a atendente me disse que se internet estava funcionando o problema era da Netflix. Com muita paciência e tentando não me exaltar, disse pra atendente que estava na frente do computador, usando um navegador de internet para acessar o catálogo da Netflix e que usando a rede da operadora o título não aparecia e usando a rede celular o título aparecia. Como a atendente tinha a cara de pau de me dizer que o problema era da Netflix?

    E completei dizendo mais ou menos o seguinte: “Está mais que configurado e provado que o problema é com vocês. Se não for resolvido em 24h eu não vou ligar de novo pra vocês reclamando. Vou abrir uma queixa na Ouvidoria, na Anatel e entrar com um processo na Justiça. E quero receber a gravação dessa ligação”

    E atendente apenas disse algo como “vou verificar” ou algo assim e depois de umas 3 horas, mais ou menos, os títulos da Netflix voltaram a aparecer normalmente.

    Então, após essa longa história, retorno à minha dúvida. Como saber que a operadora está usando um VPN ou proxy? Ou, em outras palavras, como “testar” para identificar esse problema? Porque eu fiquei sabendo do problema por pura sorte. Se minha esposa não estivesse assistindo um dos títulos que sumiu do catálogo, nós nunca saberíamos que estava faltando títulos na Netflix por culpa da operadora de internet. E que outros serviços que eu poderia usar pela internet que poderiam ser impactados por esse problema?

    Desculpe se me estendi demais, mas acho que sem uma contextualização do que aconteceu iria ficar mais difícil de entender o problema.

    1. Não muito da minha alçada mas, irei palpitar aqui.

      Alguns sites conseguem identificar e bloquear o acesso de pessoas conectadas a VPNs e, uma dessas maneiras de identificação é através do IP. Acredito que vc deve encontrar listas de IPs de VPNs conhecidas e tentar bater o IP nessas listas.

      1. Agora, se for Proxy, eu acho que, uma maneira de burlar isso é usar o DNS sobre o HTTPS.

    2. Cara, que doido. Por que um provedor colocaria VPN ou Proxy na internet dos seus clientes, a ponto do catálogo do Netflix ser alterado? Agora eu fiquei curioso de verdade. Aliás, que provedor é esse que você usa, é um provedor local ou é uma dessas grandes?

    3. Fiquei pensando nessa história, será que o provedor não está fazendo CGNAT e a enorme quantidade de acessos vindos de um único IP pode estar fazendo a Netflix classificar ele como se fosse um proxy?

      1. Nem tenho ideia do que é CGNAT. Aliás também não posso afirmar que o problema aconteceu porque a Claro estava usando uma VPN/Proxy na minha rede. Isso foi o que o atendente da Netflix me falou.

        O importante é que resolveu. Mas por isso a dúvida. Resolveu o que? Qual era o problema que estava alterando o catálogo da Netflix? O que eu posso fazer para me certificar ou verificar se o problema não está acontecendo de novo e afetando outras coisas e eu nem estou sabendo porque não estou usando essas coisas?

        Achei bizarro isso que aconteceu e pelo fato de ter sido resolvido tão rápido, pra mim mostra que não foi um problema isolado. Mais pessoas devem ter passado por isso.

        1. CGNAT é Carrier-Grade Network Address Translation. Devido a escassez de endereços IPv4 os provedores criam algo que acontece normalmente só em redes domésticas para compartilharem um endereço único. A Claro passou a fazer isso para clientes mais novos. Geralmente ela oferece junto endereços IPv6, só que nem sempre é suportado pelo aparelho e/ou serviço acessado.

          1. Boa parte das operadoras pequenas de fibra fazem CGNAT também. Acho que a Vivo está a ponto de fazer também com os serviços de fibra, mas não vi se isso ocorre.

            (E eu pensei também neste problema do CGNAT quando ele fez a questão)

  25. Gente, pelo amor de zeus, preciso trocar de banco.

    Hoje, estou no Inter, mas não quero ficar num banco de um cara escroto como o Rubens Menin, que é dono do banco, da CNN Brasil e presidente da MRV. E ainda flerta com o bolsonarismo.

    Alguma indicação de banco que não queira virar um grande shopping virtual pro usuário?

    Preferência pra bancos que aceitem Apple Pay, mas acho que esse banco ainda não existe. rs.

    1. Olha, se o seu critério para a escolha do banco for o dono não ser um cretino, corre o risco de você acabar guardando dinheiro embaixo do colchão.

      Todo banco (e fintech) vai tentar te empurrar coisas “inúteis”, porque é nesses penduricalhos que eles realmente ganham dinheiro. Eu tenho contas em um bancão e em uma fintechona, e, sinceramente, não tenho problemas desse tipo. Vez ou outra a gerente do bancão oferece alguma coisa, só declino. No app e no internet banking dos dois vez ou outra aparecem ofertas de empréstimo e outras coisas de que não preciso no momento, daí apenas clico no “X”. Tento manter minha relação com esses lugares no mínimo necessário e aproveitar “oportunidades” só quando são muito vantajosas e depois de cansar a gerente com perguntas, até as mais bobas.

    2. olha, entendo o desconforto, mas banco é banco

      não existe banco bom: é uma instituição capitalista inerentemente perversa

      minha sugestão é privilegiar os bancos públicos — enquanto eles ainda são públicos

      1. Ontem vi um estupido cabeludo em um Banco do Brasil reclamando que “o banco não prestava pq não tinha dinheiro no caixa eletrônico”. Depois reparei que ele usava um crachá da Prefeitura de Osasco e saiu em um BMW Mini correndo.

      2. Eu depois que me associei à uma cooperativa de crédito nem consigo acreditar como as pessoas continuam usando bancos. E além de tudo, o app do Sicoob é ótimo. Com o Santander eu vivia passando raiva.

      3. “privilegiar os bancos públicos”

        é uma coisa que estou pensando em fazer, faz tempo … não fiz ainda por pura preguiça

    3. Nosso condominio tem conta numa cooperativa de crédito. Segundo o sindico, as cooperativas de crédito são mais tranquilas de se trabalhar, não ficam querendo te vender serviços, extorquir taxas, etc. E parece que parte do lucro da cooperativa volta para os cooperados (teoricamente você não é cliente do banco, e sim dono de uma micro-parte).

      Enfim, lembro dele ter comentado isso com a gente, de ter achado o conceito interessante, mas não me aprofundei. Alguém aqui tem conta pessoa física em uma cooperativa de crédito e pode nos dar um depoimento?

    4. Acho q seria interessante procurar uma cooperativa de credito como sicoob ou a sicredi ai vc tbm ajuda o comercio local

      1. Por experiência própria, fuja correndo do Sicoob. ZERO preocupação com privacidade.

        Certo dia ligaram para o celular da minha mãe (que estava em posse de meu pai no momento) e passaram diversas informações da conta dela para ele (devido a um erro cometido por um funcionário acerca de uma movimentação que ela havia feito no dia anterior). Cabe ressaltar que a única titular da conta é ela e meu pai não possui vínculo algum com qualquer coisa relacionado ao banco. Bastou ele dizer à funcionária, ao telefone, que é esposo de minha mãe (isso que sequer poderia ser meu pai).

        E não foi a única vez. Como ele também possui uma conta (separada), uma vez tinha ido a outra agência e, como ele sempre frequenta o local e os funcionários até o reconhecem, ele pediu para consultar o saldo da conta da minha mãe. Zero hesitação por parte dos funcionários em atender esse pedido. Bastou ele fornecer o CPF dela. Sem necessidade de cartão, senha, assinatura ou qualquer consentimento da titular.

        Fica claro que segurança e privacidade não está presente no protocolo de treinamento dos funcionários da rede. É tipo comércio local mesmo, bairro pequeno onde todo mundo fica sabendo de tudo sobre todos…

        1. poxa, ainda n testei a sicoob mas tenho um amigo que recomenda mas acho q depende de cooperativa para cooperativa

    5. Eu tenho uma conta em uma cooperativa de crédito (VIACREDI do Sistema Ailos), como ela é sediada em Blumenau/SC a chance dos diretores serem bolsonaristas é grande, ainda assim nunca vi uma declaração de apoio direta ou mesmo subjetiva. A estrutura em geral é bem mais amigável que a média dos bancos e todo ano eu recebo uns trocados referentes às operações que realizei e/ou o dinheiro que mantive na conta.

      O atendimento é muito bom e o único momento do ano em que entram em contato para alguma coisa é para tentar me convencer a participar das assembleias em que decidem os rumos da cooperativa. O que é basicamente uma ligação em que eu tenho de dizer que não tenho interesse.

      O lado ruim é que eles não tem a estrutura dos grandes bancos, nem essa vibe de fintech, então a maior parte das “funcionalidade” com o Apple Pay que você citou, chegam com algum atraso. Ah sim, também é preciso pagar uma quantia de “cotas” mensais, mas a princípio tudo isso retorna para o cooperado em situação de doença/morte ou encerramento da conta.

    6. Pelo que li do comentário geral, o sentimento é extremamente compartilhado comigo:

      1. Banco é banco, não tem pra onde correr.
      2. Nenhum banco menos-podre vai ter vibes de fintech. Adeus, Apple Pay.

      A dúvida, creio eu, agora seja:

      banco público ou cooperativa?

      1. Se você for de banco público, recomendo ir de Banco do Brasil, e não de Caixa.

        Tenho conta nos 2, no BB por opção, na Caixa por obrigação, e a diferença na qualidade do atendimento/app é enorme.

        1. Olha, BB nunca me deixou na mão, seja no app ou em atendimento presencial/telefônico. Inclusive, pelo que vejo, alguns outros bancos privados deixam a desejar em comparação com o BB.

        2. Sim, é simplesmente incomparável BB e Caixa. BB é um baita banco, e dos bancões nos quais eu tinha conta (Santander, Itaú, Caixa, Bradesco e BB, enfim, todos), só fiquei com o BB.

        3. Estranho que tenho uma poupança da Caixa e que eu saiba nunca tive problemas – até porque também não uso tanto. A maior vantagem da Caixa é que pode se usar das lotéricas para algumas atividades, como depósito ou pequenos saques.

          Já pensei em usar o BB pois tenho um parente que eu precisaria eventualmente transferir dinheiro, mas agora com o Pix não é mais necessário.

        4. Olha, tive conta em 2 dos 3 principais bancões mais algumas fintechs e bancos menores e fiquei positivamente surpreso com o Banco do Brasil (que tive que usar por conta do empregador). Muitas interfaces são feias (no citibank também era) mas as funções são boas. E compatível com Apple Pay.

      2. BB tem Apple Pay — inclusive foi um dos primeiros, não?

        o problema são os aplicativos: funcionam, mas são horrorosos. Identidade visual com azul e amarelo simplesmente não tem como ficar bonito.

        1. Realmente, o aplicativo do BB é horroroso. Visualmente estranho, feio, mas funciona bem e tem muitas opções que outros nem pensam em ter. Acho que já foi muito mais feio, agora está só menos feio.

          1. Sabe que eu não acho o app feio? Não sei se porque eu ele é tão funcional e fácil de mexer, quem nem reparo muito. :D
            Acho o do Santander muito complicado (e tem que usar app separado pra cartão!!!) e o da Caixa, meu deus, nem consigo comentar (mas é o lugar mais fácil pra ter conta, né).

    7. eu saí da smartfit por conta do dono ser um baita bolsonarista…
      e tá difícil achar empresários q não sejam.
      pra banco podem até não ser bolsonaristas, mas aprovaram o paulo guedes até aonde foi possível. não sei se tem muito como fugir…

    8. Hoje vi que o banco alemão N26 deve retomar o processo de entrada no Brasil.
      Tinham iniciado em 2020, mas por causa da pandemia a coisa andava meio suspensa.
      Dentre algumas coisas que me chamaram a atenção, o Spaces é uma delas. É como se fossem várias contas dentro da mesma conta, uma para cada fim. E sei também que eles aceitam o Apple Pay. Por enquanto, aguardando a chamada p/ cadastro.
      E li isso hoje: https://braziljournal.com/n26-chega-ao-brasil-e-quer-ser-a-segunda-geracao-de-fintechs

    9. Já ouviu falar no Leftbank?
      https://leftbank.com.br/
      Uma ideia interessante, apesar de ser meio difícil combinar as palavras banco e esquerda. Mas, se até o MST tá entrando na bolsa de valores…

      1. eu já me interessei em ver, mas infelizmente acho que não dá pra recomendar ainda

        o próprio site deles não funciona bem, parece que foi feito pela metade, sei lá, acho que eles não tem dinheiro pra investir

        mas eu acho que é o caminho, tenho grande respeito por empreendimentos coletivos *autênticos* … um exemplo é o MST, e isso é independente de qualquer conotação política

    10. Sobre banqueiro, então dinheiro em baixo do colchão seja a solução, vc colocou um critério q desfavorece todos eles, BTG dono já foi preso, Itaú família controla uma parte do Brasil donos de Alpargatas, Duratex, banco ITI, parte do banco XP, distribuição de gás. Bradesco mesma coisa q os donos do Itaú família controla as maiores empresas do Brasil, são donos da maioria fatia de planos de saúde privado do Brasil, o patrimônio da família Menin e o eles pensam e flertam é troco perto das famílias Bradesco e Itaú. C6 rodando até q legal, mas criado por ex sócios do BTG e estranho eles não gostarem de botar a cara na mídia para falar do banco igual o controlador do Inter. BB e Caixa bancos do governo, caso bem difícil bancos é o q melhor te atende, talvez o q seja ótimo para X não seja o mesmo para Y

        1. Eu li a matéria toda e só no final notei que era sua hahahahahaahah

  26. Quem quiser entender um pouco mais sobre as tretas envolvendo o leilão do 5G no Brasil (marcado pra hoje!), recomendo o podcast Pistolando #135. Mas é só pra quem não tem predisposição a ter úlcera.

    1. Muito boa a indicação! Estou tentando me atualizar sobre o assunto e esse podcast explica tudo que eu precisava saber.

  27. Comecei a usar o aplicativo Stoop pra administrar newsletters. Até então, tava fazendo isso com o método que o Ghedin mostrou naquele excelente vídeo. Estou gostando. Ele cria um endereço de e-mail proprietário pra você e então você cadastra esse e-mail nas newsletters. Gostei tanto dos primeiros dias que decidi pagar o valor premium (R$ 37 ao ano). Já facilitou minha rotina de leitura em 200%

    1. pq ele melhorou a leitura?

      eu transformo minhas newsletters em rss e as arquivo no e-mail, então nunca as vejo, somente no feedly.

      1. Pelo trabalho, acabo lendo muitas newsletters semanalmente, fazendo grifos, separando coisas, etc. Como ele organiza o arquivo de cada newsletter em pastas, fica mais fácil depois voltar e encontrar onde li algo interessante.

  28. Estou num processo de desvício (a palavra é essa mesmo?) de internet. Até agora estou indo bem, considerando o tanto de tempo que deixei de gastar em redes sociais e sites de notícias. Na real, me livrei de quases todas as redes sociais. Mas tenho duas que estão sendo difíceis: YouTube e WhatsApp.

    O YouTube é um buraco negro de atenção para mim. Começo assistindo um vídeo e logo encadeio três, quatro. E o WhatsApp é aquela coisa, né? A pressão de ter que responder rapidamente acaba sendo forte muitas vezes. Parar de usá-los não é uma opção viável para mim, infelizmente.

    Já tentei bloquear os sites por um período de tempo, mas como isso é facilmente burlável, nunca me serviu muito.

    Aceito sugestões de mitigação. =)

    1. Uma dica fácil para YouTube é bloquear vídeos relacionados e a reprodução automática. Se puder, use uma instância do Invidious e foque na sua lista de inscrições, que é “finita”. Se deixar pelo algoritmo, você passa horas ali e nem vê…

      1. Valeu! Eu tinha bloqueado as recomendações do YouTube usando filtros do uBlock Origin, mas talvez mudar para o Invidious seja uma opção mais sensata mesmo.

        1. Outra opção é usar a extensão ‘DF you tube’, eu uso e ajudou bastante. Acredito que tenha mais funcionalidades que o uBlock Origin.

      2. “bloquear vídeos relacionados”

        boa dica

        eu não tenho problemas com youtube (vejo pouco, fora do horário comercial, para desconcentrar após o serviço), mas tenho essa tendência com a Wikipedia, embora procure controlar

        tenho ranço com relação a vídeo exatamente por isso: é um poço sem fundo, coisa que a gente lê em 1 minuto vai gastar 5 ou 10 minutos vendo o vídeo

    2. Esse é realmente um problema bem complicado. Em termos gerais, vícios devem ser substituídos por “outros”, se possível, hobbies produtivos. Simplesmente parar, mesmo que consiga, vai apenas abrir um espaço para que você se viciei em outra coisa, talvez até mais desgastante.

      No WhatsApp eu já fui assim também. Uma dica é desabilitar as notificações. Deixe apenas de contatos importante, como familiares, arquive os outros chats e evite acessar o app constantememte para checar, pois isso não adiataria.

      Em relação ao YouTube, acredito que a extensão Less-addictive-youtube vai te salvar, caso use pc. Eu não perco tanto tempo na plataforma, mas percebi que desativando aquele preview ao passar o mouse e as sugestões sob os vídeos, consegui reduzir meu tempo ainda mais. No celular pode ser diferente. Talvez um app como o NewPipe possa te socorrer nesse processo inicial. Ele tem acesso aos vídeos da plataforma, mas de uma forma mais “feia” e limitada. Outra ideia é receber as notificações dos seus canais favoritos por algum meio que não seja o YouTube, como o email, por exemplo. Eu uso um bot no Telegram. Assim eu vou apenas no que eu escolhi receber. Ah! nisso até o Telegram pode ser de ajuda. É possível assistir o vídeo dentro do app sem ter de ir ao YouTube.

      De qualquer forma, a primeira dica é a mais importante. Tente se forçar a “viciar” em outras coisas. Meu caso, foi no hábito de escrever a mão e naqueles joguinhos de revista estilo Coquetel. Não é fácil, mas hobbies que você goste ou que nunca teve contato vão te ajudar.

      Extensão Less-addictive-youtube:
      https://chrome.google.com/webstore/detail/less-addictive-youtube/olhmbgdbpfpkpejldoihajphhilpdnle/related

      App NewPipe: https://newpipe.net/

    3. Comentarista, estamos juntos! Vou acompanhar as dicas.

      Eu já comentei aqui diversas vezes sobre isso, meu buraco negro é o twitter. Eu passo um tempo sem acessá-lo e minha vida melhora num tanto… Mas aí eu caio em um tweet, que encadeia outro e quando vou ver, tou rolando a timeline há horas e ESTRESSADÍSSIMA!!
      Eu não tenho tantos problemas com o youtube, talvez porque não salve histórico e desabilito reproduzir próximo, tocar automaticamente… Também não sigo canais nem dou like/deslike ou comento pro algoritmo não me prender, hahaha. (Isso talvez ajude?)
      (E whatsapp eu me livrei, amém! Mas esse precisa não depender tanto pra coisa importante.)

      1. Pois é, Andrea. Felizmente, eu nunca me aventurei pelo Twitter. O problema do YouTube é que tenta coisa bacana para assistir que eu pensando “não posso deixar de ver algo tão legal”, aí dá no que dá, hahah.

        O WhatsApp, apesar de eu ser menos viciado, é extremamente difícil de largar, porque é o meu principal meio de comunicação online (infelizmente).

        1. eu não tenho Whatsapp … uso Telegram, que *ainda* pouca gente usa, e só uso para coisas “sérias” de família … nada de ficar mandando “bom dia” e florzinhas … pessoal de casa já sabe disso, então quem *precisa* falar comigo sabe como fazer

      2. uma dica do twitter (não pra ser menos viciada, pq eu sou) pra ter uma experiência melhor é colocar a timeline pra ordenar por tweets recentes (não por tweets em destaque), pq aí aparece só quem vc segue em ordem e nada de coisas de algoritmo (fora propaganda)
        Eu achei q era algo mais usado, até ver pessoas reclamando do algoritmo sem saber q dá pra desligar.

        1. Amiga, isso é o pior, eu nem tenho conta lá. XD
          (Pra você ver como o vício de acessar é incontrolável.)

    4. sobre o whatsapp: uma amiga disse uma vez que desativou o visto por último e isso melhorou muito a sensação de ter que responder na hora, então hoje em dia só responde quando está a vontade.

      youtube: vc usa leitor de rss? pq se sim, vc pode pegar os canais do youtube que acompanha e criar links rss, então vc para de entrar no youtube pra ver se os canais postaram vídeos novos e usa o leior de feed, e dá pra ler pelo pró´rio serviço, aí não fica com os vídeos laterais te chamando a atenção.

      1. Valeu pelas dicas, Will! =)

        Uso RSS sim, vou testar o que você disse. Valeu!

    5. Estou em um caminho parecido, embora eu tenha que abrir uma exceção pois dependo do WhatsApp para trabalho.

      Em todo caso, Youtube e Instagram não me pegam muito, se entro no instagram é porque a consagrada me enviou algum shitposting pelo direct, mas como não consigo permanecer lá por mais de 5 minutos fico tranquilo.

      Facebook eu desinstalei do celular e raramente lembro que existe, embora ainda não tenha apagado a conta. O grande problema é o twitter, esse consegue me sugar para seu vórtice de chorume e lágrimas.

      Para resistir meu método é deslogar toda vez que termino de usar, assim eu sempre preciso colocar usuário, senha e a verificação de duas etapas, o que me desencoraja a dar aqueles olhadas rápidas que consomem horas. Basicamente a hora de ir ao banheiro (a demorada) virou o único momento de ver o twitter, o que combina bem com a rede.

    6. Cara, não li o que os outros escreveram, pois, acordei as 5h da manhã para pedalar e to caindo de sono (já passou da hora da criança aqui ir dormir).

      Sobre o YouTube, s efor no PC usa o Invidious, se for no celular, baixa o NewPipe. É possível tu te inscrever em apenas alguns canais que realmente são do teu interesse e ficar vivendo ali, naquela “bolha”. Sem algoritmos recomendando nada.

      Sobre o WhatsApp, bem… eu respondo sempre quando tenho vontade. Todo mundo da minha sabe disso e eu digo na cara de pau esse tipo de coisa: “ah, não respondi antes, pois, não tinha vontade”. Meu irmão mesmo debocha que eu sou um cara “difícil de WhatsApp”. AHahHHHAH

    7. Acho que o melhor jeito de “desviciar” do online é achar seu próprio jeito. Não tem outro. Mas claro, contar com as dicas dos outros para poder achar complementos para o seu jeito de sair.

      Eu já tentei parar de usar a internet (ou melhor, diminuir o uso) várias vezes. Geralmente isso ocorria mais quando eu entendia que algo grave aconteceu (falei alguma besteira ou entrei em atrito com alguém de forma severa) e aí eu apagava minhas contas (tempos depois voltando).

      A minha situação atual é assim:

      – Facebook – tenho pois é bom para comprar coisas. Como tenho uma conta antiga, galera desconfia menos e negocia de boa. Fora isso, uso só para xingar muito a prefeitura e ver alguns amigos que estão por lá. E só.

      – Twitter – é onde eu tenho estado nos últimos tempos. O melhor do twitter é mais seguir pessoas bacanas que puxam assunto e trazem temas de reflexão, ou usar para seguir perfis de algo que tu curte – série, sites, empresas, pessoas, etc. Ou claro, seguir também algum perfil que informa preferencialmente por lá, como os perfis de concessionárias de rodovias.

      – Aplicativos de mensagens (whatsapp / telegram). O telegram apaguei. O Whats é meu principal de mensagens, e uso mais para comunicação de trabalhos e amigos. Mas sem muito vício – acabo eventualmente vendo um ou outro “stories”, mas ok.

      – Outros tipos de rede social – obviamente venho enchendo o saco aqui no Manual do Usuário (dsclp, Ghedin), e vez em nunca vou no Flickr ver o grupo do MdU por lá. (ou postar algo para deixar meu número de participações alto :p ). Eu queria voltar a participar de fóruns, mas paciência zero e trauma 100%. Tenho conta no Discord mais para ver algo sobre My Hero Academia e só. Reddit pensei em participar, mas vendo que até o Tetizera diminuiu a participação por lá, vi que não é para mim um bom lugar.

      1. Concordo com o @Ligeiro quando diz que o melhor jeito de “desviciar” é achar seu próprio jeito. Já tentei bloquear sites, deixar o celular em outra peça da casa longe de onde estou… mas tudo não passou de tentativas frustradas.
        Minha situação atual é essa:
        – Facebook: uso para manter contato, principalmente, de parentes “old-school” que só usam essa rede social.
        – Whatsapp: inevitável! Hoje em dia para falar com o gerente do banco ou até pedir uma pizza é pelo Whatsapp.
        – Youtube: assisto basicamente tutoriais de ukulele e clipes de música.
        – Twitter: minha rede social preferida. Foi onde conheci o MdU, e como sou engenheiro de software, sigo outros engenheiros que trabalham em grandes empresas como Google, Microsoft etc. Muitos deles interagem e respondem questões técnicas. Muitos membros de comunidade de software livre usam o Twitter para divulgação de seus trabalhos.
        – Post Livre do Manual do Usuário: acho que estou ficando viciado nisso aqui.

        1. Rodrigo, só pra ser a do contra: é evitável usar whatsapp, sim! :) Só pelos dois exemplos que deu, dá pra trocar pelo telefone! Se não me engano, o app do meu banco até oferece chat com o gerente da conta, mas se eu precisasse resolver uma situação e só fosse com ele, acho que preferiria ir à agência.

          Estou há um ano sem whatsapp e, em nenhum momento, senti falta ou me atrapalhou não ter. Mas sempre friso que EU não preciso pro trabalho e, mesmo quando usei, nunca tratei de algo “sério” por lá.

    8. Youtube é um grande problema pra mim. Hoje eu fiz logout e como uso o navegador Brave, eu posso desativar todo JavaScript do site.
      Ele fica completamente quebrado. Quando dá aquela vontade de abrir o site e vejo que ele nem carrega, eu já fecho.
      Também desativei ele no meu telefone, já que não consigo desinstalar.

      To tentando usar Pomodoro pra ter mais foco também.

    9. uia, estranho achar Youtube uma rede social – poderia explicar melhor, por favor? Pra mim, é só uma plataforma de videos: assisto o que quero (tutorial, review de jogos ou dispositivos, musica, etc) e pronto, sempre desativada a auto-reprodução.

      Sobre o zap, desative a notificação e veja somente duas vezes ao dia: ao acordar e ao dormir. Se der vontade, libere apenas mais um horário, com tempo limitado.

      E tb nunca tive rede social – inutilidade apenas voltado ao culto de personalidade.

      1. Tudo bem que para casos como o seu, o YouTube seja só para assistir algo. Mas ele tem área de comentários, interação entre pessoas em chats de live etc, é possível se agrupar em canais e conversar sobre, eles tem hoje blogs e setores em textos, etc… Então de alguma forma ele tem algum perfil de rede social.

        O que não é rede social é site sem área de comentários ou participação de usuários em áreas onde ele se expõe.

    10. Para o YouTube, procure a extensão Unhook, que permite bloquear as partes do site que você escolher. Infelizmente, só no computador.

  29. No post sobre o que lemos de bom desta semana (https://manualdousuario.net/indicacoes-leituras-longas-42/) o @Vilson trouxe uma questão relevante, sobre “os estudantes atuais que não entendem o conceito de pastas e estrutura de diretórios dentro de um computador”.

    Vou trazer abaixo meu comentário, pois acho que aqui seria o melhor e tenho a esperança que possa render um bom bate-papo:

    O interessante é que talvez nem seja realmente necessário (manter a estrutura de pasta e diretórios, tal e qual conhecemos).
    Isso tem mais a ver com a maneira com que cada um se organiza do que com a necessidade atual e real.
    Uma das coisas incríveis do MacOS e do iOS é a capacidade de pesquisa do spotlight (aliás, quem conhecer algo nesse sentido para windows e linux, por favor indique), pois tendo o arquivo no computador, a busca é praticamente instantânea, não fazendo diferença em relação a qual estrutura de diretórios aquele arquivo pertence.

    Entendo que a estrutura de pastas e arquivos (que ainda tenho bem clara na minha cabeça) é um “transporte” mal feito do mundo físico para o digital, ignorando premissas das possibilidades computacionais de busca e indexação (presumo que, por impossibilidade técnica da época).

    Hoje tento deixar as coisas mais “gerais” e usar tags/marcações, assim tenho 1 pasta com fotos e outra com documentos (cópias de RG, certidões e afins), outro com documentos diversos (contratos, garantias, etc) e um com comprovantes (de pagamentos de compras e notas fiscais).

    Simplesmente realizo busca e acho o que quero.
    Penso que vale tentarmos mudar esses paradigmas e começarmos a usar mais o computador como “computador mesmo” e não como um “caderno” ou “arquivo” digital/digitalizado.

    1. Gosto do Spotlight, mas não confio a organização dos meus arquivos a ele porque não é um sistema “universal”, como você mesmo apontou. Digamos que amanhã eu tenha ou decida mudar para outro sistema. Se estiver tudo organizado por pastas, a mudança será tranquila, zero problema. Se eu dependo só da indexação do Spotlight, que é um sistema exclusivo do macOS/Apple, estarei lascado.

      A lógica de arquivos e pastas não é tão complexa, mesmo para quem nunca mexeu com pastas e papelada de escritório. Ficaria tranquilo com outra metáfora desde que ela não fosse atrelada a um sistema ou outro particular, o que não é o caso. Sendo assim, uso o Spotlight como um auxílio, mas faço o esforço de manter os arquivos organizados. É tão bom quando chega março, abril, você abre a pasta “Finanças” e toda a papelada (digital) do imposto de renda está lá, prontinha, só jogar no app da Receita e pronto 😌

      (Essa é outra vantagem também: a “visão panorâmica” que uma organização manual proporciona. Até dá para fazer isso com a busca, mas a complexidade é muito maior e corre o risco de não dar certo.)

      1. e afinal de contas, parece uma coisa boba, mas como é a estrutura de arquivos pessoais de voces?

        usam o que já tem padrão no windows/linux? tipo pasta documentos, músicas, etc? ou cria uma pastona com subpastas?

        1. Uso a do sistema. Não vejo muito sentido em criar em outro lugar. Para falar bem a verdade, quase tudo que importa meu está na pasta Documentos. (As fotos ainda estão grudadas no iCloud, porém.)

        2. fotos ( raríssimas pastas específicas, como do casamento)
          documentos pessoais (cópias de RG, certidões e afins) – use criptografia aqui documentos diversos (contratos, garantias, etc)
          comprovantes (de pagamentos, e as respectivas contas)
          Raspberry Pi
          * backups (um disco externo)
          Milhas e Pontos ( coisas relativas a programas de milhas, pontos e ainda)

          Não tenho músicas ou vídeos no computador.

          Eventualmente alguma para temporária de um projeto

      1. Tem o Everything também. Programa matador para indexar arquivos.

        1. (Muito embora o Rofi seja apenas um launcher de aplicativos)

    2. Não lembro desde quando, mas a busca do Windows também indexa os arquivos e exibe resultados instantâneos. O que eu faço é sempre salvar o arquivo na pasta “correta” seguindo umas estrutura que eu conheço e para abrir uso a busca. Assim caso eu migre de sistema como o Ghedin disse, eu não ficaria perdido. Eu vejo a busca como um facilitador e não como substituto.

      1. O problema é que no Windows 10 o Windows mistura resultados online junto com resultados do armazenamento. Geralmente desativo a função de busca online para ficar mais fácil. E prefiro usar o Everything aqui.

        1. Misturado é um jeito exagerado de descrever. Ele mostra primeiro os resultados no PC e depois, em uma categoria separada, após um marcador chamado “Pesquisas da Web”, resultados sugeridos de busca. Everything não tem opção de buscar conteúdo dos arquivos, pra mim é algo que sentiria falta.

    3. eu tendo a concordar com você, mas também nunca havia pensado na armadilha do spotlight ser proprietário e o esquema de pastas ser “agnóstico”, como apontaram ghedin e os colegas

      de todo modo, não é só a estrutura de pastas uma transposição mal feita do mundo físico para o digital: a própria metáfora do arquivo também o é, não? nesse sentido, talvez devêssemos pensar em uma superação ainda mais radical desse paradigma

      e como complemento: ainda pensando na metáfora tradicional (e até para se beneficiar do spotlight), vale também padronizar os nomes dos arquivos, de forma que eles indiquem também o “local” ideal em que eles deveriam estar. Eu uso aquele padrão data_assunto_especificidade (exemplo: 2021_projeto-1_documento-1.doc)

      1. Cara, sobre dizer que arquivo e pasta são uma transposição mal feita, eu tendo a discordar. Afinal de contas, o que o meio digital herdou foi apenas o nome. O que mudar a nomenclatura de “arquivo” e “pasta” ajudaria no problema? (aliás, qual seria o problema a se lidar? eu entendo que os estudantes se perderam no conceito, talvez. Por não usarem tanto o computador e mais o celular, onde esses conceitos de “arquivo” e “pasta” não são tão aplicados).

        Comparativamente, eu vejo essa discussão do nome “arquivo” parecido com o nome “átomo”. Os cientistas nomearam a menor partícula por ser indivisível, mas hoje sabemos que o átomo é composto por partículas menores ainda. Mas o nome pegou e a definição de átomo está aí. Que vantagem teria em se mudar o nome do átomo pra qualquer outra coisa?

        1. Aqui acho q é mais a questão do conceito do que o nome.

          No Linux não é incomum usar link simbólico, mas não usamos muito isso no Windows. Por mais que tenham os atalhos, a gente (leia-se a maioria dos usuário, q não são educados) faz várias cópias do mesmo documentos desnecessariamente

        2. mas a questão não é o nome, é a metáfora

          arquivos continuam sendo documentos autocontidos e individuais reunidos num “espaço” — a analogia com o mundo material é fundante nessa forma de organizar a informação

    4. Excelente o ponto de vista sobre o Spotlight ser proprietário. Sinceramente, por desleixo, ignorei isso é tbm cai na armadilha.

      Hoje ainda uso as pastas, mas seriam como grandes “caixas” como as de brinquedos das crianças: finanças, documentos e outros como falei acima.

      Me dei conta que tbm uso certo padrão nos nomes como alguns amigos disseram.

      Algo que gostaria de fazer mas ainda me falta capacidade técnica é a possibilidade de, quando chegar e-mail de prestadora de serviços (da vivo, por exemplo), que a conta já fosse baixada, o nome alterado para vivo_internet_2021_novembro.pdf e a senha removida (cadê o hacker pagador de boletos kkk) e movesse pra pasta de contas.

    5. Pra mim a busca e a organização em pastas podem servir a propósitos diferentes e podem coexistir sem grandes problemas e vai depender muito do seu uso. Vejo a busca servindo muito bem para filtrar ou localizar itens de maneira especifica e flexível e associada a um momento imediato, tipo preciso desse arquivo ou desses arquivos e as pastas como estruturas fixas que dão uma visão mais panorâmica. Por exemplo na minha rotina é comum utilizar pastas para organizar etapas e entregas de projeto o que em um sistema de busca é meio confuso de procurar ou exigiria uma combinação de termos filtros complexas que talvez minha memória não fosse capaz de acompanhar, porém quando preciso de um arquivo especifico ou filtrar arquivos no momento específico daquela ação a busca é o local que utilizo.

    6. Interessante a questão geracional. Meio fora do assunto mas não muito, meu pai até hoje usa uma pasta direto no c do windows chamada joao, em vez de usar as pastas de documentos do sistema.

      sobre isso de busca, eu uso como meio termo… por ex, o spotlight e semelhantes permite não precisar deixar as pastas tão exatas, já q dá para buscar. mas deixar tudo solto é muito caótico pra mim.
      o backup automatico de fotos q eu faço já não tem pasta e me dá um pouco de nervoso. isso de caçar por datas e não eventos as vezes é meio confuso qdo tenho q achar alguma coisa

  30. A partir do Post livre 289 e 292, comecei a pesquisar sobre aliases para email.
    No PL 289, o @Eloi comentou sobre alguns serviços como AnonAddy e SimpleLogin, Migadu, Mailbox e Posteo.
    Achei o SimpleLogin e o AnonAddy interessantes.
    O SimpleLogin tem um plano gratuito com até 15 aliases (ótimo para testar) e outro de $30/ano (o que daria entre R$ 170 – 180,00/ano), enquanto o AnonAddy oferece ilimitados aliases em seu plano gratuito, porém, com uma banda mensal de 10mb. Só os pdfs que a minha operadora envia mensalmente já estouram o limite.
    O plano seguinte (AnonAddy) tem banda de 50mb por $1/mês, o que daria por volta de R$70/ano.
    Só que esses valores já ultrapassam a solução apresentada pelo @Joseph no PL 292, que é o mailshield.xyz (R$40,00/ano). É o serviço de um Brasileiro. Só que aí vem o problema: me pareceu tudo simples demais. Não sei desde quando funciona e nem tenho informação sobre o status do serviço.

    SimpleLogin e AnonAddy são opensource e são os mais indicados nos fóruns para quem quer um serviço de aliases.

    Encontrei um serviço chamado erine.email (opensource). Parece ser promissor, mas aindan não testei e não encontrei ainda relatos de quem testou.

    O serviço de email chamado Soverin é o novo queridinho do pessoal que está saindo do Tutanota e Fastmail. O Soverin parece ter um ótimo controle de aliases. Custa $3,25/mês

    O Fastmail tem serviço de aliases. O primeiro plano custa $3 com 2GB de espaço.

    O Google Workspace permite email com dominio próprio por R$ 24 com 30GB. Por R$ 48,60 eles dão 2TB (com esse plano eu eliminaria o Onedrive, mas por outro lado, daria adeus a minha privacidade e segurança).

    Criptext e Ctemplar estão fazendo frente ao Protonmail (que nos últimos meses se mostrou tão “seguro/privado” quanto o Telegram). O Criptext tem uma assinatura de $10 com suporte a aliases e dominio. Ele também tem um plano grátis que é inútil.

    Sigo pesquisando…

    1. Gostei muito do AnonAddy e SimpleLogin, mas a questão do preço me deixou meio assim, pois acaba sendo mais viável manter diretamente um tutanota, por exemplo, eliminando o intermediário.

      Migadu fiquei com o pé atrás, sem motivo muito específico, mas as opiniões sobre ele são bem contraditórias, apesar de o @Ghedin ter dito que gosta.

      Soverin já li a respeito, pareceu interessante, mas tem sede nos 9 eyes alliance.

      Fastmail de US$3/mês não permite uso de domínio próprio.

      Google Workspace é ótimo o serviço, a um preço +/-
      Não acho que seja adeus à segurança, penso que bem seguro, mas acredito que seja adeus à privacidade, apesar de eles dizerem que não processam as informações de e-mail e afins em planos pagos.

      CTemplar consegui um código de testes para conta grátis e tem sido “ok”, porém tiveram um recente problema com perda de dados (ok, backup é sempre necessário e não deixa de ser responsabilidade do usuário, mas né…)

      mailshield.xyz tenho gostado, pq já acompanhava outros projetos do desenvolvedor, então é uma pessoa em relação a quem eu gostaria de pagar para usar os serviços.
      Ele realmente é simples e, como contra, temos a impossibilidade de alias reverso pelo serviço. Por hora tem valido meus R$ 40/ano

      Ainda não é minha solução definitiva. Atualmente tendo a usar tutanota (plano de 12EUR/ANO) + dominio próprio

      1. Fiquei curioso sobre os pontos controversos sobre o Migadu, teria algum link na qual se diz mais sobre?

        1. Foram várias pesquisas, nada muito específico como eu citei, mas vi bastante comentário interessante no Reddit (tanto em subs de privacidade, segurança, quanto de serviços concorrentes) quanto no hackernews.

          O ponto interessante é que há vários comentários em ambos os sentidos, muita gente elogiando e muita gente reclamando bastante.
          Teve gente que falou que não confia neles para coisas grandes, mas acha ótimo quando precisa de segmentação para um projeto pequeno; outros o utilizam como uma única alternativa e acham ótimo.

          Em posts passados o @Eloi comentou que a migadu não tinha criptografia em repouso, o que me causou estranheza.
          Eu não preciso de anonimato, então tudo bem poder pagar com cartão de créditos e precisarem de um ou outro dado, desde que plausível o que pedem, mas me senti um pouco inseguro.

          1. Entendi. Eu comecei a usar e não pretendo sair tão cedo pois, eles são bem transparentes, inclusive, eles tem uma página mostrando os pontos “negativos” do serviço*.

            *https://www.migadu.com/procon/

    2. Junior, por acaso você é usuário de macOS e/ou iOS? Pois tenho acompanhado essas dicas nos últimos posts livres e sempre penso se o iCloud+ com o “ocultar meu e-mail” e a possibilidade de usar domínios próprios não seriam alternativas para essa situação.

      1. Gabriel, sou usuário do iOS. Eu vi essa solução do iCloud+, mas não segui em frente por conta do receio de ficar preso em uma plataforma.
        Atualmente pago o iCloud apenas pelo espaço de 50GB para backup de fotos e vídeos.

    3. Olha, eu tenho usado o SimpleLogin para serviços nas quais eu só quero receber e-mail quando eu precisar (uma vez que vc pode desabilitar o recebimento de um alias) e juntamente com isso, tenho usado o Migadu com dois domínios (e alias para filtrar as mensagens) diferentes, um principal para serviços mais importantes e o segundo para serviços mais gerais, limpando assim minhas caixas de entrada e evitando que pessoas mal intencionadas saibam meu domínio principal.

        1. Só pontuando que, estou dizendo de forma leiga, alguém mais técnica poderia pontuar com mais afinidade.

          Sobre se eu tenho gostado, é complicado dizer sobre um serviço de e-mail mas, o que eu posso dizer é, que estou bem satisfeito.

          prós são :
          – eles são bem transparentes em tudo na plataforma, não tentam te vender algo que não podem oferecer
          – acho o custo da plataforma justo
          – é “bem configurável”

          contra são:
          – não é tão simples de configurar (digo, não é tão amigável para o usuário final)
          – não tem app oficial para o Android nem IOS*
          – webmail é bem limitada e com um visual bem simples

          *não vejo com um grande problema, mesmo pq, não complicado configurar o e-mail nos apps de e-mails

    4. eu tenho pesquisado sobre isso ultimamente tb, uso o fastmail e tem me atendido, mas criar um e-mail toda vez é chato e as vezes acabo usando um repetido.

      estou pensando em migrar pro mailbox, pois ele custa 2 euros, então sai praticamente o msm preço do fastmail (que não no meu plano não permite domínio), além do fato de poder usar tarefas direto pela web, coisa que o fastmail não permite.

        1. eu sei

          mas eu ainda não tenho o domínio, então uso o do próprio fastmail, aí tenho que configurar toda vez que quero um alias novo.

          então para poder usar o domínio no fastmail seria 5 dólares (28,09 reais) contra 3 euros (19,46), no mês é pouco, mas num ano é considerável, fora que hoje pago 3 dólares no fastmail que dá quase o valor com domínio no mailbox

Os comentários deste post foram fechados.

Compre dos parceiros do Manual:

Manual do Usuário