Post livre #256

Toda semana, o Manual do Usuário publica o post livre, um post sem conteúdo, apenas para abrir os comentários e conversarmos sobre quaisquer assuntos. Ele fecha no domingo por volta das 16h.

96 comentários

  1. Estive procurando sobre plano de celular barato e achei o Vivo Easy.
    Penso em como é a privacidade do usuário nesse plano, já que tem as diárias descontadas de acordo com o uso. Alguém aqui é usuário dele e pode opinar sobre?

  2. Adorei este twitt sobre Bitcoin:

    “Porque nem todo mundo sabe: se o preço do Bitcoin chegar a US $ 1 milhão, ele produzirá mais carbono do que todos os EUA e consumirá 2x toda a produção elétrica dos EUA.

    E fica pior

    À medida que o preço sobe, vale a pena para os mineiros gastarem mais para minerar uma moeda. Mesmo que lhes custe enormemente em custos de energia.

    Irão eles? Garantido.

    Porque isso tem exatamente o mesmo incentivo financeiro do comércio de drogas.

    Enquanto alguém que deseja melhorar suas finanças puder fazer fortuna destruindo um bem comum, pelo menos um psicopata fará isso.

    E o Bitcoin é (em grande parte) anônimo, então eles podem ser a RPC ou a Coréia do Norte, mas também podem ser senhores da guerra que invadem e capturam usinas nucleares.

    Não haverá uma maneira de parar esses mineiros porque os incentivos financeiros são todos atrasados e construídos * deliberadamente * para isso.

    Bitcoin é sustentado por pessoas que não confiam nas decisões da comunidade. Eles inocularam o BTC contra a sociedade humana.

    O que significa que eles garantiram que – à medida que as mudanças climáticas aumentam continuamente em criticidade – seremos igualmente cada vez mais impedidos de usar a energia com sabedoria

    O que podemos fazer? Trate o Bitcoin como nós (deveríamos) tratar o comércio de heroína. As pessoas querem isso, os fornecedores estão ficando absurdamente ricos com isso e não adianta absolutamente nada.

    Pare de adicioná-lo como uma opção de checkout, como se não fosse um assassino de planetas.

    E pelo amor de Deus, pare de permitir que qualquer pessoa se refira à promessa futura do blockchain como uma barba para o BTC.
    Se houvesse qualquer outro uso além de queimar a Terra até ficar crocante, já o teríamos encontrado.”

    Daqui: https://twitter.com/jackdanger/status/1363174689925787649

    1. Mais do que isso – como se todo esse mercado já não fosse por si só abjeto – o BTC se tornou um grande esquema de pirâmide. As pessoas entraram na onda dos investimentos “normais” como day trade (ainda que eu ache que isso deveria ser proibido por ser caracterizar como jogo de azar) e viram que os ganhos não são os que aqueles cursos milagrosos prometem e acabaram caindo “mais fundo” nesse mundo. Aí entra o BTC.

      Custo energético (ambiental) e custo social. Blockchain não serve pra nada, só pra extorquir ainda mais o planeta.

  3. Semana passada passei na loja de “salvados” (produtos recomprados depois de ter embalagem aberta, garantia pedida errada ou equipamento de mostruário), e vi um Galaxy Z Fold lá.

    Eu só não pedi para mexer nele pois o aparelho valia R$ 4.700,00 lá. Mas olhando de perto, digo: bichinho bonitinho e pequeno quando dobrado. Notei que provavelmente a empresa deixou a mesma de uma forma discreta para anunciar pois sabe que o mesmo é um aparelho que é bonito, mas bem, quebrou, não tem outro…

    1. Eu namoro muito esse aparelho. Acho um milagre de engenharia o que a Samsung fez nele (e infinitamente melhor executado que o Razr)

    1. (embora o MdU seja um dos poucos espaços sobre tecnologia de consumo na internet sem qualquer traço daquela toxicidade masculina típica de sites similares)

      1. “Sem qualquer traço” é uma afirmação um pouco exagerada. Mas é menos tóxico que outros veículos sim.

        1. Importa-se em apontar a toxicidade que percebe aqui? Ao contrário do Ministério do Meio Ambiente, o Manual do Usuário se preocupa com a poluição em seus domínios e está sempre disposto a combatê-la.

          (Se preferir falar no privado, mande um e-mail.)

    2. Uma vez fiz um comentário sobre isso e levei um puxão de orelha.

      Entendo que há ainda um temor das meninas em participar de conversas sobre tech onde há um grande número de homens, seja por medo de assédios de todos os tipos, ou entrar em algum tema onde geralmente há um preconceito masculino e isso se voltar contra elas – ou talvez até elas se sintam confortáveis mais em espaços onde elas possam achar outras meninas, vai saber. Isso acho que é mais algo que psicólogos e estudantes de humanas podem falar melhor sobre.

      (A única menina que eventualmente tenho contato e mexe com tech não está por estas bandas, eu deveria tentar convida-la a participar daqui).

      1. O manual é só um reflexo do mercado.

        Mulheres tendem a ser menos afeitas à ideologia que permeia o ambiente de TI (além, claro, do assédio moral e sexual que elas costumam sofrer em ambientes de TI, ainda que não seja o caso do manual).

        Sem falar que os assuntos cobertos aqui são assuntos de tiozão, as gurias estão na Twitch ocupando o espaço delas :)

        1. Foi mais ou menos onde eu quis chegar. Mas taí uma coisa: estereótipos.

          1. Estereótipos normalmente são baseados em alguma realidade observacional. No caso de mulheres e TI eu sempre notei que a média delas são de melhores programadores mas menos afeitas à ideologia liberal que os homens impõe nas discussões de TI no Brasil. Assim, a maioria das mulheres nesse mercado ocupa outros locais, usualmente onde elas não falam de tecnologia em tom tão messiânico e são mais organizadas ao redor de causas mais aderentes ao mundo delas (que é diferente do mundo masculino toxico).

        2. vou lá na esquina comprar um corola depois dessa :)

    3. Na última pesquisa demográfica que fiz, no final de 2020, o público masculino respondeu por 86%. Foi um avanço — na anterior, de 2018, era 91%.

      É realmente um mistério. Eu gostaria muito de mudar isso, mas estou no escuro.

      1. Bem, se serve de algum indicativo, o fato de você ir para o Mastodon definitivamente me impulsionou a ler o site com mais frequência. A ideia de participar ativamente só me ocorreu após um tempo de acompanhamento mais próximo.

        1. Fique a vontade para puxar a nossa orelha de comentaristas para a gente deixar o ambiente melhor ;) :D

  4. Com essa onda de vazamentos massivos que estamos vendo, tomei como hábito cadastrar dados falsos meus em todos os sites que não envolvam dinheiro ou que possam me botar na cadeia. Inclusive CPF que coloco de um site gerador de números. Únicas coisas que deixo são meu nome e endereço quando vou comprar algo, por motivos óbvios. Assim, dou uma mitigada nos danos de um eventual novo vazamento, já que a maioria das infos serão fakes.

    O que vocês acham? Já fazem ou fariam o mesmo?

    1. Geralmente eu procuro me cadastrar o mínimo. Preciso fazer umas revisões de segurança, mas sinto que tá tranquilo. Fiz o Registrato quando anunciaram aqui no MdU e aparentemente tudo ok ao menos quando se fala de fraudes…

    2. Já pensei em fazer o mesmo. Hoje até quitanda de vender pamonha tá pedindo cpf, tá louco.

    3. Eu mantenho um perfil completo, desde data de nascimento, e-mail até cartão de crédito (falso também) justamente por conta dessa “necessidade desnecessária” de informações para se cadastrar em algum site ou loja (eu só quero comprar, não entregar meus dados).

  5. Digitando um comentário no post livre utilizando um nintendo 3DS. Incrível Ghedin, o site abre até em um console antigo hehe.

    1. cadê a foto? lembro que tinha uma # que o pessoal postava de dispositivos inusitados acessando o site

      1. Nem me atentei a esse fato! Vixe. A # é do twitter? Eu não uso mas posso tirar uma foto acessando o site, salvar no Google drive e colocar o link aqui. Assim que chegar em casa envio em um novo comentário.

        1. é sim,acho que foi ideia do ligeiro

          ficarei no aguardo pela foto

          1. Acho que era #manualemtodolugar. Na hora que eu tiver tranquilo luxo.

            Mas se quiser se adiantar, @vagligeiro é meu nick no twitter

          2. Eu não uso twitter (e ainda uso muito os serviços google) então aí vai o link: https://drive.google.com/drive/folders/1z9PtH84s34o2zYBRz3y1BAgbGwp4k9X5?usp=sharing

            Fico impressionado, o navegador do Nintendo 3DS não carrega quase nada por causa de problemas de certificado porém o site do MDU continua firme e forte. Mudando de foco, finalmente comprei meu primeiro console Nintendo, sempre quis ter um videogame portátil e o que estava ao meu alcance (financeiramente) foi essa belezinha. Agora só falta um conversor 220V -> 110V para poder aproveitar sem medo.

        2. Conversor 220 / 110 v é “fácil” de achar. Mas salvo engano, tem fonte original do DSi que é bivolt. Se quiser pesquiso para ti.

          1. Eu achei um conversor na cidade onde eu moro, só que era desse tamanho:
            https://img.olx.com.br/images/43/436916012438912.jpg

            Eu queria algo pequeno, do tipo carregador de parede, que tenha suporte ao “US plug” (o plug que tem os conectores retos, não os redondos), mas uma fonte original bivolt seria perfeita, se o frete ajudar haha (moro no Ceará e o frete nunca é convidativo).

          1. Ligeiro, muito obrigado pela força! Vou falar com os caras o mais rápido possível.

      1. Ghedin, parabéns pelo esforço e cuidado em manter o site leve e acessível. Estou impressionado! Obrigado pelo seu trabalho e por sua dedicação.

  6. Opa!
    Alguma dica de ferramentas/apps de repetição espaçada, estilo Anki, porém mais acessíveis ou quem sabe até gratuitas?
    Vale também alguma técnica pessoal.
    A finalidade é memorizar aproximadamente cem itens de um checklist de segurança, por pessoas com pouco ou nenhum contato com o conteúdo anteriormente.

    1. vou comentar aqui pq tb quero saber,rs

      aliás, o anki é bom msm?

      1. Uso o anki já tem uns três anos e não tenho o que reclamar. O anki é multiplataforma com versão web, apenas o app para iOS é pago, no entanto se não quiser pagar vc pode usar a versão web pelo celular, fiz isso por muito tempo. No meu caso, utilizo a versão para computador para criar e editar cartões e decks, e utilizava a versão web no celular para estudar. Recentemente fiz a compra do app no meu iphone 7 e assim, se for apenas para estudar e visualizar, a versão web e o app são equivalentes.

          1. Sim, meu uso principal sempre foi para aumento de vocabulario em ingles. Adiciono a palavra (dentro de uma frase ou não) e sua “tradução”. Pratico todos os dias, uns cinco minutos. De modo geral tem funcionado para mim.

    2. Tenho uma amiga que faz seus proprios cartões a mão, demora mais tempo mas como vc tem um papel mais ativo na montagem acaba que vc memoriza mais rapido

  7. Mais um aplicativo de carteira digital, Claro Pay. Todo mundo querendo entrar na festa. Parece com a proliferação de empresas com máquinas de cartão!

    1. Eu tava pensando em ir para a “carteira digital” do Bradesco (até pq tenho mania de usar a conta poupança como conta corrente, o que é bem errado). Só que não dá no Android 5.0…

      1. Por que é errado usar a poupança pra movimentação? Eu não uso, mas não vejo nada de errado nisso…

        1. Pode, mas tem dois asteriscos aí (que eu me lembre/saiba):

          1. O dinheiro da poupança não acaba quando seu saldo chega a zero, ou seja, numa dessas você pode entrar no cheque especial sem perceber ao pagar uma conta no cartão de débito sem ter saldo.
          2. Poupança é um investimento, ou seja, ao deixar seu dinheiro lá, ele rende. Só que o aniversário da poupança é mensal. Seu dinheiro precisa passar um mês ali para render qualquer coisa; se tirar antes, não rende nada.

          Eu gosto de separar as coisas: poupança para reserva de emergência (raramente saco), conta corrente para despesas do mês, incluindo a fatura do cartão de crédito.

          1. Eu também faço como você Ghedin, mas conheço um montão de gente que usa poupança pro dia a dia.

            Não sabia sobre o item 1, eu achava que entrar em cheque especial era característica de contas corrente apenas.

          2. Opa, eu que me confundi! Você está correto — acho — ao dizer que cheque especial é algo da conta corrente 😓

            Enfim, a diferença básica é que poupança é um investimento e conta corrente, não.

          3. Que eu me lembre, quando uma vez eu passei do limite da conta poupança, levei uma bronca. Conta poupança nunca pode ficar negativa.

            Mas sim, é por todos estes motivos. Só que lá para 2000, se tratou poupança como “conta salário”, por isso que acabe o usando assim.

  8. Olá pessoal. Sou usuário do LastPass e, como já sabem, eles vão limitar a um dispositivo e estou pensando em migrar. Gostei da opção do SafeInCloud. Pagamento único, preço razoável, plano familiar.
    Alguém que usa o LastPass vai mudar? Que opções estão pensando.

    1. Eu uso o Bitwarden, é acessível (US$10 ao ano), open-source e multiplataforma.

      1. Eu uso bitwarden gratuito. Qual ferramenta você considerou que valeria o investimento?

    2. Estou considerando migrar também. Aqui em casa como sou eu e minha esposa julgo ser inviável. Tô considerando exportar em csv e aderir ao Bitwarden que suporta esta que temos atualmente no lastpass.

    3. Eu comecei com o KeepPass, aí passei para o LastPass e com essa mudança de agora comecei ontem a testar o Bitwarden e estou gostando bastante.
      O plano gratuito é bem parecido com o que era o LastPass até agora e o funcionamento é quase idêntico, na verdade estou achando um pouquinho melhor. Além disso ele permite guardar o cofre em um servidor próprio (pra quem curte) e o plano premium é bem mais em conta.

    4. Eu uso o Myki. Lembro que usava o LastPass antigamente, mas não me agradava, daí mudei pro KeePass, e depois eu testei entre o BitWarden e o MYKI. O MYKI me pareceu melhor.

    5. Eu usava o plano pago do 1Password até bloquearem o domínio no proxy da firma. Depois migrei pro Lastpass.

      Testei aqui e (por enquanto) o Bitwarden tá liberado. Acho que vou dar uma chance pra ele.

  9. Hoje fui atender uma pessoa que alegava que clicava nos links dos e-mails (Outlook web) e no final não abria nada. Achei estranho, pois geralmente isso é associado a vírus que tenta emular uma página ou protetor de links em sites de piratas.

    Pois bem, não sabia que a Microsoft tinha um “sistema de segurança” que fazia algo próximo ao que um protetor de link faz: ao clicar em um hiperlink do e-mail, o mesmo é redirecionado para um servidor de avaliação e com isso teoricamente a página se abriria, mas na prática não abre – é um erro bem comum que acontece.

    Resolvi o problema com uma extensão no Chrome que corrige os links distorcidos do sistema de segurança, o que não deixa de ser diferente de um “desprotetor de links” – e desabilitando a função de “prevenção de segurança”.

    Engraçado pensar que algo que deveria ajudar leigos, no final mais atrapalha…

    1. Tenho o Office 365 e acontece essa mesma coisa com os links comigo. Mas no meu caso, eles abrem normalmente. Talvez seja alguma coisa com o firewall que não permite acesso a esse servidor específico da Microsoft? Ou até mesmo o próprio servidor da Microsoft fora do ar?

      1. Então. Não existe “firewall” (empresarial) aqui no caso. É acesso comum. Pensei se poderia ser algo relacionado a DNS (não reconhecer o servidor da MS), mas no final desativei o mecanismo de “prevenção” e no final só deixei a extensão para a cliente pois o que acontece é que quando passava pelo sistema da MS, ele já convertia o próprio e-mail, processando os links e transformando os mesmos no “link seguro”. Resultado: mesmo o e-mail já salvo tem o link, teria que reprocessar tudo, e não sei programar…

        (E agradeci o fato de já imaginar que alguém criou uma extensão, senão eu teria que tentar ver ou fazer algo parecido ao cliente – e não tenho conhecimentos para isso)…

        1. Talvez seja algo do provedor, não? Sei lá. E sobre o link seguro, eu testei aqui, e de fato é como você falou: os e-mails já processados ele não “converte de volta”, é como se ele tivesse editado todos os hiperlinks e salvo o e-mail ao abrí-los (ou no momento do recebimento). Curioso, o conteúdo do e-mail deveria permanecer intacto, e a “conversão” dos links deveria ser em tempo real, ao carregar o e-mail.

          1. É isso que fiquei pensando – se não era algum erro do provedor (Vivo) em relação ao serviço. O ponto é que quando fui pesquisar sobre o erro, apareceu um bom número de páginas sobre a falha, na qual notei que é bem comum a ocorrência.

            Entendo que provavelmente a MS tenha vários servidores, e na falha de um (ou falta de resolução do DNS), todos aqueles e-mails que foram convertidos pelo serviço perde-se o link até o momento que acha alguma solução (script/extensão).

  10. O robô Perseverance da Nasa pousou com sucesso em Marte, mais um feito incrível após uma jornada de mais de seis meses e 200 milhões de km.

    1. Incrível mais essa conquista. Muitos experimentos serão realizados, tecnologias nunca antes enviada pra Marte! Fiquei muito feliz.

  11. Hoje o pessoal tá meio desanimado, né?

    Não aguento mais essa quarentena, mas ainda acho egoísta sair de casa.

    Eu só queria poder voltar a (pensar em) viajar.

    1. Falo como alguém que já está nas ruas todos os dias desde Agosto do ano passado:

      – Usar máscara SEMPRE já diminui bastante os riscos da doença te pegar de jeito. Higienizar-se também. Boa parte das pessoas que conheço que estão em situação similar vivem assim.

      – Se quer viajar, há opções para sair sozinho ou com pessoas do seu ciclo. Passeio em áreas de campo, ou locais “mais desertos” são uma boa – vi uma pessoa que relatou no twitter que fez um passeio com mais duas pessoas e tudo deu certo – não tiveram doença e nem correram riscos nenhum. Claro que no caso dela ela estava com veículo próprio, o que é uma vantagem.

      – Já relatei que ano passado viajei para ver um familiar. Isso na época que a pandemia declinou um pouco. Regra básica: mantive distância de muitos, o contato mais próximo que tive geralmente foi pessoas que já tiveram a Covid, então teoricamente ficaram com a “imunidade temporária” (e sem transmissão), e pessoas de risco mantive distância e higiene. (E fiquei pouco tempo com a pessoa também). Simples.

      Não vejo nada de errado a pessoa fazer algo sozinha, desde que não aglomere ou vá a algum ponto público sem máscara, o resto é bem tranquilo.

      1. eu entendo que com essas medidas o risco de espalhar uma eventual doença assintomática ou de ser contaminado é realmente mais baixa, mas também penso que tendo o privilégio de poder ter ficado em casa todo esse tempo seria egoísta da minha parte sair

        sei lá, tá tudo tão desanimador

        1. Uma coisa sobre egoísmo: Egoísmo é justamente fazer pelo seu ego, não porque você tem privilégio ou não.

          Se você ficou em casa até hoje, não há problemas “teoricamente” em sair. Mas óbvio que infelizmente estamos em uma nova situação de risco e você tem todo direito de escolher o que para ti for mais seguro. Isso é um ponto.

          Só o fato de você entender toda a situação social que estamos já ajuda bastante, não é egoísmo ou privilégio, é conhecimento. Ninguém salva o mundo fácil assim, mas é aquela coisa do “cada um faz sua parte”.

          Saia quando se sentir seguro, se aparentemente é assim que tu deseja. Não é e não será problema. Mas fique livre para planejar sair se quiser tentar sair sozinho. Se já tem consciência, já está melhor do que muitos que vejo pela rua só com a máscara cobrindo a boca ou tirando quando sai de lugar público.

    2. Os últimos meses tem sido bem dificieis. Alternamos entre tristeza, ansiedade, lágrimas.
      Eu e minha esposa temos saído esporadicamente, evitando aglomeração.
      Esse fim de semana iremos até as ruínas de São Miguel junto com uns amigos, mas de moto, que ainda é melhor do que dividir um carro.

      Você estava pensando em visitar algum lugar?

    3. Acho que estamos no limite. Eu sou bem caseiro, não curto muito viajar e estava lidando bem com o isolamento, mas mesmo para um perfil como o meu é insustentável a longo prazo. Tem que flexibilizar um pouco ou a gente entra em parafuso.

      O risco sempre existe, mesmo enfurnado em casa. Tomar os devidos cuidados, como o Ligeiro disse, ajuda a mitigá-lo. E, convenhamos, esses devidos cuidados são raros, apesar do clichê “estamos seguindo todos os protocolos”. (Raramente estão.) Quando saio para caminhar ou ir ao mercado, dá para contar nos dedos as pessoas com quem cruzo que estão vestindo máscara da maneira correta (leia-se: com o nariz tampado). Esses trajetos curtos a pé têm me angustiado; parece que usam a máscara só para cumprir o protocolo ou com a ideia errada de que basta colocá-la de qualquer jeito que o vírus não ataca (ou, pior, não espalha no caso dos contaminados), quando já se sabe que máscaras justas aumentam consideravelmente a proteção.

      Acho que dá para considerar viagens curtas, de preferência de carro próprio, e para destinos que realmente sigam os protocolos (com quartos isolados, ou espaços ao ar livre, por exemplo).

      1. Cá entre nós, realmente muito lugares só “dizem” seguir o protocolo. Se Curitiba tá esta situação, São Paulo nem se fala – o que conheço de lugar que só usam a máscara quando veem desconhecidos… pois se veem um conhecido – mesmo um fiscal ou policial -, abaixam a máscara e ficam rindo a toa, soltando gotículas…

        De qualquer forma, creio que a atitude individual aqui conta – a pessoa tomando cuidado com higiene e prestando atenção onde vai, o risco é baixo (imagino). Claro que um infectologista vai falar com mais propriedade.

        Uma coisa interessante: no transporte público, o pessoal no começo usava a máscara de boa. Hoje parece que há uma tolerância ao menos com o “nariz de fora”. Quando não, já vi todo o tipo de gente não usando máscara…

        Uma situação que me enervou foi uma vez que um cara, barbudo e com cara de roqueiro chato estúpido, desparafusou a trava da janela de um ônibus (com ar condicionado) para poder abrir a janela e tirar a máscara. Só não soquei ele pq não quero gastar meu primário com isso. Mas digamos que a situação ficou bem tensa depois que surtei.

      2. Essa questão do uso correto das máscaras eu comprovei quando peguei covid. Sigo todas as medidas sanitárias básicas – álcool gel, máscara correta e distanciamento quando possível. Tive contato com mais de 30 pessoas, e NENHUMA foi infectada.

    4. deu pra sentir o gosto do q é uma prisão domiciliar.
      tb sou bem caseiro… nem curto muita bagunça. mas tá chato demais…
      até daria pra sair e viajar, mas não tem clima. seja por conta dos mortos, seja por conta de todas as restrições e possibilidade de se contaminar e contaminar os outros caso vc fique doente no meio desse processo.
      noto q muita, mas muita gente mesmo, já não está mais preocupada e tá viajando de avião sem medo…
      sei lá… como não há perspectiva alguma em ser vacinado (creio q o sistema público não vai dar essa vacina para todos num tempo razoável), o q pode acontecer é o sistema privado ter vacinas e quem puder se vacinar vai apelar a isso pra poder circular. mas ainda assim, vai ser um clima merda, pq quem vai poder pagar por essa vacina?

      1. pois é

        eu acho fundamental lutarmos para que seja proibida a venda de vacinas: devemos partir do princípio de que se há vacinas disponíveis no mercado, cada dose deve estar à disposição do SUS — por mais que o ministro da saúde tenha a competência de uma ameba e seja tão experiente em logística quanto eu sou em estratégia militar.

        mas tá tudo desanimador mesmo

    5. Olha, não sei onde você mora, mas se tem acesso à “entretenimento” na natureza, acho que não é algo muito grave. Tenho feito isso, trilhas, praias mais tranquilas, andar de bicicleta, lugares abertos, limitando a aproximação de pessoas e usando máscara.

      Não acho que isso é egoísmo, na medida em que é uma atividade que oferece riscos muito baixos, tendo em vista que se encontra poucas pessoas nessas atividades.

      Claro, tudo depende do local, praias badaladas eu já evito, ou trilhas muito fáceis que normalmente enchem de pessoas. Esse também é meu perfil, há quem ache um saco fazer trilhas ou programas na natureza.

      1. Era nisso que eu queria chegar.

        Em cidades grandes (como São Paulo, Curitiba ou Belo Horizonte), imagino que visitar o centro e conferir locais onde há arte em aberto (esculturas, praças, etc) é uma boa pedida. Ou averiguar o horário dos parques e adequar o mesmo em momentos onde há possibilidade de ter menor densidade de pessoas.

        Em cidades onde há atrativos naturais (Praia ou Campo, usando-se de estereótipos simples), não duvido que há regiões onde a densidade de turistas é menor, e por consequência, o risco também o é.

        No meu caso, eu gosto de passear no transporte público, então é achar um lugar onde eu não precise dividir com ninguém, sentar e curtir a paisagem (ou encher o saco nos comentários daqui :p )

  12. Olá a todos. acho que aqui é onde vou conseguir achar opinião legal:

    Tenho um Lenovo Ideapad i5(7ª geração), 4gb RAM. Comprei zerado em 2017. Meu uso é bem modesto: linux ubuntu, desenvolvo sites no wordpress, utilizo Gimp e arrisco umas coisas no ruby, pyhton, javascript. e internet, podcast, uns filmes.

    Estou pensando em comprar mais 4gb de RAM e colocar um SSD como único HD. creio que meu investimento com isto não passe de $400, considerando que tenho alguma intimidade para fazer a troca.

    Vale a pena?

    1. Eu acredito que sim, 8GB é uma boa se quiser usar IDE ou editores mais pesados para desenvolver. O SSD é sempre uma boa pedida, dá outra vida ao computador, mesmo o mais básico deles SATA.

    2. O ganho com o SSD é muito grande no dia-a-dia. Inicialização, voltar da hibernação, salvamento. Recomendo sempre, mesmo com um modelo básico de 120Gb.

      Quanto à memória, de 4Gb para 8Gb o ganho depende de teu uso. Como disse o Gabriel, IDEs gostam de memória, e com o tempo (e quem sabe preços melhores) vale ir além, dentro da limitação de teu notebook.

    3. Seria um ideapad 320?
      Temos um aqui e mesmo com SSD o gargalo ainda é memória. Assim que sobrar grana vou comprar um pente de 8GB pra levar a RAM total para 12GB.
      Veja se o seu também possui 4GB soldado.

    4. Eu farei algo similar. Usava até semana passada um notebook corporativo. No entanto, acabei sendo desligado por um corte de orçamento e tive que voltar a usar um Asus que há anos estava parado. Ele é velhinho, mas tem uma placa de vídeo, 8gb de ram e processador core i5. Vou comprar somente um SSD para ter essa “sobrevida”. Fui pesquisar os preços de alguns novos, e realmente está bastante alto!

    5. Vale. Cada centavo. Se tiver dinheiro só pra um dos dois, eu optaria pelo SSD.

  13. Alguém já sentiu dores na mão por teclas “pesadas”?

    Eu comprei um Logitech MX Keys no começo da pandemia, gostei bastante dos recursos e do design, achei as teclas meio duras mas tudo bem. No final do ano passado, comecei a sentir dor no dorso da mão…achei que era o mouse porque incomodava ao clicar também.

    Mudei o mouse de mão e nada, aí percebi que o incômodo era maior na época que eu escrevia mais. Para testar, aproveitei uma promoção + cupom , para pegar um teclado bem diferente: um RedDragon “Dark Avenger”, modelo TKL com switch brown.

    No Carnaval, fiz um teste de fogo, escrevendo um post grande no meu blog (foi até linkado na newsletter, o texto “Sobre montar um pequeno computador”, valeu Ghedin!). Praticamente sem dores, muito menos do que eu estava sentido antes com o MX Keys.

    Achei curioso, porque nunca vi ninguém pontuar essa questão de ergonomia, provavelmente essas teclas do MX Keys são muito mais pesadas que a média. Ou eu digito muito errado, não sei…

    1. Hmmm, quando eu estava no jornal, tinha dias em que escrevia muito e ficava com a mão dolorida. Era um teclado comum, desses Dell baratinhos. Mas era bem raro e com outros teclados, como o meu mecânico (também com switches marrons), não lembro de ter acontecido.

      O que destrói minha mão é o trackpad do MacBook. O que é uma pena, porque acho a usabilidade dele ótima, bem melhor que a de qualquer mouse.

    2. Eu uso um logitech trackball antigo (que comprei em uma sucata). Melhor coisa até hoje – não incomoda a mão. E o teclado é um HP antigo que vem nos modelos empresariais. Não é pesado e é bom para digitar.

    3. Estranho. Esse teclado da Logitech me parece ser um teclado ergonômico, confortável. E a maioria dos acessórios da Logitech tem esse intuito mesmo (ao meu ver). Talvez eles erraram na mão neste modelo?

      1. Eu acho que ideia dele é ser uma alternativa ao Magic Keyboard, com perfil mais baixo e design mais “profissional”. Não tem um grande enfoque em ergonomia, outros produtos deles são mais voltados para essa questão.

    4. Curioso você comentar isso, também tenho um MX Keys. Uso há quatro meses, antes usava um teclado mecânico mais barato da Redragon. Talvez seja o fato de ser low profile?

      Também vou trocar o meu MX Keys em breve, mas é por um motivo diferente do seu — quero um teclado split. Os meus ombros ficam muito tensionados quando uso teclados “normais”. Comprei um Moonlander Mark I está semana, deve chegar no fim de março ou no começo do abril.

      1. Não acho que seja o caso, porque uso teclado de perfil baixo há literalmente 10 anos. Na época que começou a doer, voltei a usar o teclado do notebook da empresa…muito melhor.

        Em relação aos ombros, o que me incomoda nos teclados normais é como ele deixa o mouse longe para quem é destro. Percebi que as dores do lado direito eram piores por isso também, notebook é tipo usar um teclado 60%…então incomoda muito menos nisso.

        Achei bem incrível esse Moonlander Mark I, nunca tinha ouvido falar dele, parabéns pela compra!

        1. Então é bem provável que seja algo no mecanismo de acionamento das teclas. 🤔 Você também já usava teclados em ANSI antes?

          O Moonlander é bem interessante, cheguei a cogitar um Kinesis Freestyle mas queria switches com exigências de força de acionamento menores. Nunca tive um teclado focado em ergonomia antes, e já me disseram que vai ser uma baita de curva de aprendizado. 😬

          1. Eu suponho que seja o mecanismo mesmo, quando estava pesquisando sobre, esse vídeo comentou que o “actuation force” do MX Keys é alto. OBS: esse cara é meio metido, mas foi útil esse ponto que ele levantou haha

            Eu acabava usando tanto ANSI quanto ISO, porque ABNT2 é o mais comum nos teclados do trabalho e ISO é o padrão do MacOS que uso faz uns 10 anos já.

            No final, sempre acabei trocando de teclado e me acostumo relativamente fácil, mas esse ergonômico acho que a curva é maior e precisa posicionar as mãos do jeito correto. Mas acho que é bom, porque força vocẽ a digitar correto, já que não dá para usar os dedos errados.

Os comentários deste post foram fechados.

O site recebe uma comissão quando você clica nos links abaixo antes de fazer suas compras. Você não paga nada a mais por isso.

Nossas indicações literárias »

Manual do Usuário