Post livre

Post livre #25

Um post livre é um post sem nada aqui na parte de cima. Ele é publicado apenas para abrir os comentários, onde COISAS acontecem. Por COISAS, entenda bons debates com a comunidade de amigos e leitores do Manual do Usuário. Chegue aí, puxe uma cadeira e vamos conversar! :)

Aviso 1: Amanhã, 22/8, estarei em Curitiba participando de um painel sobre os excessos no uso da Internet (tudo a ver com o Manual!) no Curitiba Social Media. Se estiver na capital paranaense, dê um pulo lá — o ingresso é baratinho.

Rodrigo Ghedin no Curitiba Social Media.

Aviso 2: O Manual está dando um Zenfone 2! Para concorrer, tem que me mandar uma selfie. Detalhes aqui.

A melhor maneira de acompanhar o site é a newsletter gratuita (toda quinta-feira, cancele quando quiser):

Acompanhe também nas redes sociais:

  • Mastodon
  • Telegram
  • Twitter
  • Feed RSS

287 comentários

  1. Eu ia tentar começar o costume de terminar o Post Livre com alguma vinheta de encerramento de emissora de TV… Só que não sei se o Ghedin fecha isso hoje ou amanhã… ele deve estar passeando em Curitiba conversando com as capivaras da Prefeitura :)

    Bem, se quiserem começar esta tradição, é só não fazer novos comentários…

    Encerramento da TV Educativa Paraná

    https://www.youtube.com/watch?v=QbUY6f7zXOA

    1. Não teve :/ Abriram streaming na parte da tarde (o meu painel foi às 11h30). Vou ver com a organização se gravaram e se sim, se será publicado em algum lugar.

  2. O @fmontarroios:disqus e o @AlphaDeltaVictor:disqus acabaram entrando no famoso “imbróglio” sobre bem vs. mal na sociedade durante a conversa sobre o Uber.

    Para tentar ajudar legal na conversa, jogo um texto que acabei de ler na Folha, sobre redução de pena baseada na leitura. Fica a recomendação para todos lerem. :) http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2015/08/1672461-caso-de-ex-pm-preso-faz-justica-discutir-se-ler-tambem-e-estudar.shtml

    1. hum… acho q não foi bem isso, não @vagnerligeiroabreu:disqus. há o instinto de aniquilação de um lado e o de preservação da vida de outro. se um representa o bem e o outro o mal eu não posso assegurar, pq isso eliminaria as nuances das coisas. e, afinal, como reparar um mal irreversível? apenas fazendo o bem? duvido… a reparação, se alguma for possível, tem q vir de meio civilizado e não através da barbárie ou de forma simplista. eu li a matéria q vc indicou e ela, claro, vai de encontro ao simplismo, pq não visa a formação do prisioneiro, pq é só um arremedo de uma iniciativa pra estimular a leitura, por mais bem intencionada q ela seja. como aqueles q não possuem o repertório e condições pra ler enrtrarão nesse programa? presumo q a maioria dos prisioneiros tenha escolaridade baixíssima, então esse programa interessará a uns poucos… q já liam antes de entrar no sistema prisional…

        1. Parece que o fabio não lê as mensagens que escrevo. Sempre me posicionei totalmente contra violência. Apenas afirmei que os bandidos precisam ser punidos. Mas na cabeça dele, bandido após cometer crimes deve receber carinho porque é vítima da sociedade, das circunstâncias. Complicado esse tipo de raciocínio.

    2. Eu entendo que a prisão deve ter um caráter punitivo. A pessoa deve temer a prisão, a perda da liberdade.

  3. Ghedin e o podcast, morreu? acho que vi voce falar sobre ter perdido o editor etc, se for por isso, não rola pedir ajuda a alguem que frequenta o manual na camaradagem não? tipo naquele post que voce pediu ajuda da galera que frequenta o site para algumas funções e tal.
    ps: desculpa se eu to falando alguma besteira

    1. Está em stand by, @oiiiiiiiiii:disqus. Perdemos o Jefferson na edição e o Paulo estava com os horários apertados. E eu também estou — sem o podcast já é corrido, com ele, então… Uma hora volta :)

  4. @fmontarroios:disqus Você como escolar, sabe quem decide o que entra para o vestibular e o que fica fora? Fui ver os conteúdos do vestibular FUVEST/ENEM/UNICAMP e são os mesmos, e percebi que o ensino médio de hoje, só tem a preocupação de preparar para o vestibular e não para ensinar. Isso me preocupa pois o que não é considerado importante para o vestibular acaba saindo da grade curricular de ensino.

    1. Exatamente, cara. As coisas seguem nessa toada e, nas escolas particulares, mais ainda (somando o período q muitos jovens passam em cursinhos preparatórios). Não à toa, e vc deve saber, há uma grande evasão do ensino médio. Não sou especialista no assunto, então só posso falar da minha impressão sobre isso: estamos arruinando a vida de muitos desses jovens q ficarão desorientados em relação aos dilemas da vida sem a preparação e o reportório necessários pra enfrentar as drásticas mudanças pelas quais as sociedades passam de modo cada vez mais acelerado. Então não se estimula os estudos de ciências, artes, repertório humanístico etc etc numa fase crucial da vida. E esses movimentos do tipo “Todos pela educação” estão forçando que os currículo seja orientado pra q esses jovens se tornem mão de obra barata no futuro e os cargos cruciais da sociedade fiquem ainda mais restritos a uma elite minoritária (a elite da elite). E esse lance de preparar pra vestibular tb ilude as classes médias, pq ao ingressar numa universidade pública, esses jovens em condição um pouco melhor, vão se deparar com universidade à beira da falência e cada vez mais detonadas por todos os governos (que detestam a educação). Estou frequentando aulas na USP, pra preparação pra um mestrado e, cara, a USP está sendo destruída pelo governo estadual. Algumas universidades federais estão um pouco (apenas um pouco) melhores, mas isso em SP, fora daqui a situação não deve estar melhor, eu presumo… A nossa educação está parada no tempo e o q eu noto é: mentalidade do século XVIII, grade curricular do XIX e técnicas burocrática do XX. Estamos ainda bem distantes do século XXI e o nosso país, claro, vai ter esses índices vergonhosos por muitas gerações. Infelizmente vc é um dos poucos q manifesta preocupação, pq a maioria manifesta apenas o desejo de uma educação melhor, como quem desejo um bolo de chocolate no fim da tarde ou um chope na beira da praia… Ou seja, não tem compromisso. E o vestibular, claro, é um maneira muito cruel de reter milhões de jovens no obscurantismo, afinal, qdo vc vê manifestações com viés político (com todos os seus problemas e defeitos, claro) elas partem das universidades públicas e não das privadas… Que governo ia querer uma massa de gente reclamando nas ruas, mas reclamando com propriedade?

      1. Eu já “tenho” que por meu filho em boa escola, pois ganho dinheiro o bastante para para tal, e não fazê-lo é diminuir exponencialmente as chances dele no futuro. E a única métrica que tenho a disposição é quantos alunos da escola passaram em “cursos difíceis” em universidades públicas. Saiu um mural na escola do meu filho, que mostrava com orgulho alunos aprovados em universidades publicas e privadas que são boas, mas vi que ali não tinha todos os alunos e nem todas as faculdades tem o direito de estar ali, por não agregar “status”. Sei que meu garoto não quer ingressar em nenhum curso tradicional, ele quer cursar ciências da computação ou algo similar, mas para que ele saia da escola com uma educação decente tenho que desembolsar rios de dinheiro, e não tenho dizer na forma que a escola conduz o ensino. Percebo que as escolas hoje em dia preocupam-se com o ranking do Enem, e como os alunos vão nos vestibulares sem preocupação de facto com a qualidade de ensino, desde que saiba acertar no gabarito nada mais importa.

        1. isso acontece mesmo na maioria das escolas particulares (só não é de hj, isso vem de longe). mas, infelizmente, essas escolas servem tb (e às vezes principalmente) como filtro social, ou seja, é normal que os pais queiram seus filhos com iguais e não com o diferentes (e todos os problemas q isso acarreta). uma escola pública seria o ideal: todos os jovens, não importando suas origens, estudando juntos para q, no futuro, estejam juntos e não rechacem uns aos outros, mas é justamente o contrário o q temos. os q estão escola pública sofrem agora e sofrerão tb no futuro, pq serão barrados por aqueles q ocuparão os cargos de decisão… boa parte dessas escolas particulares tem boa estrutura e até tem bons professores, mas está focada nisso: em aprovar alunos em vestibulares e figurarem nesses rankings de avaliação. é o ensino como mercadoria tão somente. a escola deveria cuidar da formação dos alunos de modo amplo e estimulante, mas entregam aos jovens uma semiformação ou um arremedo de ensino apostilado. alguns podem superar isso, mas a maioria não. daí, teremos a reprodução dos mesmo problemas sociais q vivenciamos hj nas gerações futuras (só q agravados). é normal q os pais queiram o melhor para os filhos, mas não é aceitável q os governos tenham destruído o ensino público q seria o ambiente favorável pra difundir valores como a igualdade, por exemplo. só q, insisto, os governos tb estão destruindo o ensino universitário público. já deu pra sacar, claro, q essa pátria educadora não existe e esse lema, falso até o último fio de cabelo, é tão cruel, mas tão cruel, q nem as criancinhas são poupadas: http://www1.folha.uol.com.br/educacao/2015/07/1658820-dilma-corta-verba-para-pre-escola-e-creche-vagas-eram-promessa-eleitoral.shtml

        2. o lance é vc estimular seu filho a ler, frequentar atividades culturais q tenham uma grande carga reflexiva e encorajá-lo a viajar e ver outras realidades. mesmo ele gostando de ciências exatas, nada disso é incompatível, muito pelo contrário.

          1. Acho que a politização e o estímulo à cultura são chave no desenvolvimento humano. Acabei por cancelar um programa de intercâmbio do meu moleque, pois, iremos nos mudar para o Canadá, se tudo der certo após junho de 2017. Espero que eu tenha sucesso em ensiná-lo a ouvir e aprender a respeitar as ideias dos outros. E assim teremos mais um humano que sabe ouvir, algo que é raro hoje em dia.

            Outra coisa que tenho percebido é, são milhões de pessoas prestando o vestibular, para entrar em uma universidade que daqui a 3 messes pode não ter dinheiro para pagar as contas. Gasta-se muito para criar um bom candidato que não tem suporte após cruzar a linha de ingresso.

          2. isso já é mais raro de acontecer, da pessoa não ter grana pra bancar. geralmente o q se dá é a grande celebração por ter entrado na universidade, pois aqui o q conta é entrar e não terminar o curso, então toda a festa é pra qdo vc entra, pq, o resto (o mais importante) está assegurado. parte considerável das famílias espera o ingresso tão somente, se o cara vai concluir ou não, parece q não importa. isso é bem típico do brasil, diga-se.

            acho q no canadá ele vai ter mais chances de aprender muito mais, com certeza. as escolas daqui estacionaram no tempo, infelizmente.

  5. Por acaso, parei numa explicação[1] do Projeto Draft sobre o que seria o fim da web e nela havia links para respostas ao texto da Wired. Gostei bastante da resposta publicada no MIT Technology Review[2], na qual há uma contextualização do nascimento e importância do HTML5. Não sou programador, mas gosto bastante de histórias sobre o assunto, principalmente as mais recentes.

    Vocês tem indicação de textos (ou livros) que contem surgimento de tecnologias digitais recentes e seus impactos na sociedade? Por exemplo, nascimento do Python e a relevância dele na história da computação.

    [1] http://projetodraft.com/verbete-draft-o-que-e-o-fim-da-web/
    [2] http://www.technologyreview.com/featuredstory/421418/the-web-is-reborn/

    1. Um texto não, mas fiquei curioso: por que Python? Apesar de eu gostar, acredito que seja apenas mais uma linguagem. Java, por exemplo, foi algo bem interessante…uma linguagem que já nasceu rodeada de expectativas.

      1. Foi o primeiro exemplo que me apareceu à cabeça. Por exemplo, eu não sabia que havia expectativas sobre o java no nascimento.

        1. O Java tinha várias propostas interessantes em seu surgimento: a VM para o famoso “code once, run anywhere” e a orientação a objetos, logo no lançamento já era bem interessante.

          É muito mal visto pelos leigos por causa dos applets Java, principalmente de segurança dos bancos, e o histórico de aplicações desktop/mobile lentos…mas é uma linguagem server-side extremamente poderosa e robusta. Se você quer fazer um sistema bancário ou algo assim, é Java provavelmente.

          Python e Ruby são linguagem mais antigas que Java, por incrível que pareça, mas ganharam popularidade recentemente para aplicações mais simples. O Java é poderoso mas é complicado de se utilizar, principalmente para coisas menores é muito trampo. O PHP é uma opção, mas não é uma linguagem muito bem arquitetada, então agora o “cool” é Python e Ruby que tem uma sintaxe mais simples e bem adequado para startups e quem está começando.

  6. Na “seção” recomendações de leitura da semana, indico para a galera um mangá com uma pegada histórica: Innocent, de Sakamoto Sinichi.
    A história do mangá perpassa os eventos da Revolução Francesa, focando numa das figuras não tão conhecidas pelo grande público: os executores. Em especial, conta a história de Charles-Henry Sanson, predestinado a se tornar o próximo executor de Paris, mas cuja natureza doce vai totalmente contra qualquer forma de violência.
    A arte do mangá é fantástica, a narrativa visual, instigante, e o autor tem uma sutileza ao tratar com o tema morte. Mas cuidado: se você é sensível para imagens fortes/sangrentas, acredito que não vá gostar da obra.

    1. Achei a premissa jóia, mas o fato de ser on going me desmotivou. Tenho medo de nunca acabar.

      1. Fica tranquilo cara. O autor não é de estender suas obras infinitamente. Mas uma opção é esperar acabar e ler tudo de uma vez.

    1. Realmente, para que utilizar esses antivírus e gerenciadores de memória que só pioram a experiência? Ou é bloatware?

      1. O Clean Master, esse app dedo duro do print, vem pré-instalado e não pode ser removido… Tudo bem, a Asus deve ter ganho alguma coisa para colocá-lo, mas é bizarro que um app “nativo” passe a impressão errada sobre o principal selling point do aparelho, né?

    2. Com certeza esse povo não sabe que o Android utiliza o máximo de memória disponível para agilizar processos e aplicativos.

      De certa forma tanta memória RAM parece um efeito placebo, que na mente de muita gente vai impedir qualquer erro o problema.

      Hoje em dia qualquer dispositivo Android com 2GB de RAM que é bem otimizado tem memória de sobra.

      Só que existe uma quantidade enorme de aplicativos mal otimizados (algo que não se restringe a essa plataforma) e que utilizam recursos em excesso de forma desnecessária. Enquanto não mudarem isso, podem colocar 8GB ou 16GB de RAM que erros vão continuar.

      1. Pelo que li o maior problema desse smartphone é o excesso de bloatware.

        Hoje em dia, quando compro um produto Android já tenho em mente o uso de uma ROM AOSP, porque raramente um fabricante faz algo que melhore o uso no mundo real.

      2. Pelo que li o maior problema desse smartphone é o excesso de bloatware.

        Hoje em dia, quando compro um produto Android já tenho em mente o uso de uma ROM AOSP, porque raramente um fabricante faz algo que melhore o uso no mundo real.

          1. Tem sim, mas não muda o fato de estar cheio de bloatware (no Zenfone 5 não era assim).

            Te recomendo ler o review do Higa, no Tecnoblog, que ele fala de uma maneira muito honesta sobre isso.

    3. Eu usava o CM no Moto X 2 e toda hora aparecia esse aviso chato. Sempre clicava para fazer a limpa e não via mudança alguma de performance. Pra falar a verdade, acho até que comprometia. Acabei desinstalando, fica tudo por conta do sistema mesmo. Só limpo o cache vez ou outra. Acho até que melhorou.

  7. O que vocês acham do notebook asus x550l? Existe algo melhor nessa faixa? Tive uma péssima experiência com o vostro 5470 que virou um tijolo…

    1. Meu notebook queimou essa semana e só pretendo comprar um novo que seja mais leve. Só que aqui no Brasil as opções são poucas. Sinceramente, não sei qual modelo comprar (ou mesmo se vou comprar).

  8. Tenho uma dúvida bem específica sobre o jogo Minecraft. Faço uma pesquisa e o uso, daí precisaria jogá-lo no computador mas com joystick e não com teclado. Alguém já jogou assim? Sei que há softwares em q vc configura o joystick, pq o Minecraft pra PC não funciona com joystcick por padrão, mas não me pareceram muito práticos… Alguém sabe de uma maneira mais fácil de usar joystick no Minecraft pra PC? Abs,

    1. Você deveria ir no YouTube e procurar sobre isso. Com certeza alguém vai explicar, já que é febre no Brasil.

      1. pode ser uma boa. vou tentar achar algum canal em q haja essa abertura.

  9. Tenho uma dúvida bem específica sobre o jogo Minecraft. Faço uma pesquisa e o uso, daí precisaria jogá-lo no computador mas com joystick e não com teclado. Alguém já jogou assim? Sei que há softwares em q vc configura o joystick, pq o Minecraft pra PC não funciona com joystcick por padrão, mas não me pareceram muito práticos… Alguém sabe de uma maneira mais fácil de usar joystick no Minecraft pra PC? Abs,

  10. Lembro que em outro post livre tinha alguém perguntando sobre mau conto nos slots de sim card/sd card do moto g, então vou postar aqui porque a informação pode ser útil pra alguém:

    Meu telefone moto g estava com este problema até esta semana. Desde que comprei, quando usava um sd card, depois de algum tempo parava de reconhecer o próprio sd e/ou o segundo sim card. há umas dua semanas, após alguns meses de uso, parou de reconhecer qualquer sim ou sd.
    Levei na autorizada no centro do Rio que além de me atender extremamente mal, recusou a prestar garantia devido a um pequeno trincado num canto da tela.

    O problema estava numa plaquinha que tem os slots dos cartões, o led da câmera e o motor de vibração, fica ligada à placa principal por uma espécie de flat cable. Comprei no ML por uns 30 Reais e é bem fácil de trocar.

  11. Vocês fazem compras em sites chineses como Aliexpress, DX ou GearBest? Se sim, com frequência as compras são taxadas?

    Pergunto isso porque essa semana chegaram meu fones Piston 3, comprados na GearBest. Não fui taxado e entregaram o produto direto aqui em casa. Pensei que tivesse sido uma hagada antológica mas um amigo meu falou que poucas das muitas compras que ele faz, são taxadas.

    As duas situações vão totalmente de encontro com o que eu leio e acompanho a respeito. Não sei de mais nada.

    1. Fones são pequenos, então passam. Se você não compra com frequência, tem que ser “sortudo” para ser parado. Eu já fui taxado duas vezes: a primeira numa compra dos EUA (um Xbox velhão que iria transformar em media center; esse era batata, pelo volume, e doeu o bolso) e um joystick de Xbox (DealExtreme, tudo baratinho e não senti tanto), mas outras coisas passaram numa boa.

    2. Deve ser questão de frequencia, aqui em casa, eu, meu pai e meu irmão começamos a comprar na aliexpress recentemente, e olha, nada foi taxado até agora (eu comprei um relógio, meu pai tambem na conta dele, e meu irmão comprou duas camisas separadamente na conta dele).

    3. Costumo comprar com certa frequência. Talvez pela frequência, tenho sido mais taxado ultimamente e, geralmente, tem doído no bolso, já que a gana do governo é monstruosa. Nos dois últimos casos, em compras de valores baixos (entre US$10,00 e US$30,00) e volumes pequenos (um voltímetro/amperímetro e um mini teclado para um media center) os valores dos impostos cobrados foram superiores ao valor da mercadoria. Fora o aborrecimento de ter que ir à agência dos correios para fazer a retirada e ser estuprado, quer dizer, cumprir meu papel de cidadão e ajudar a tampar o rombo da Lava Jato. Tenho uma amiga que trabalha na receita e, segundo ela, em memorando interno, o governo tentando desesperadamente (e imoralmente) aumentar a arrecadação, tem feito com que os fiscais e demais envolvidos nesse processo de taxação “tirem leite de pedra”.

      1. A minha compra foi US$15 e eu já estava preparado pra largar a encomenda lá caso eles tentassem abusar :0 :0

        1. Pois é, na minha primeira compra eu cheguei a pensar em fazer isso, mas como não consegui achar nada semelhante no Brasil e o que eu achava aqui era muito mais caro, acabei pagando a facada. Mas já teve casos em que preferi não ir buscar. Um adendo aqui: Compras menores no aliexpress, baratinhas e normalmente que vem sem código de rastreamento, tem chegado sem problema.

          1. É, o meu veio com um código que só funcionava lá na China. Alguns me recomendaram pagar uns trocados a mais pra ter um código válido pelos Correios.

          2. Normalmente eu prefiro fazer assim também, porque já perdi pacotes no Limbo (também conhecido como Unidade de Tratamento Internacional de Curitiba), mas quando o valor é muito baixo, nem vale a pena. Adaptadores, componentes eletrônicos, cabos de US$2,00 a US$5,00.

    4. Fui taxado apenas duas vezes, e uma delas eu pedi revisão e removeram as taxas, faço menos de meia dúzia de compras por ano.

      1. Amigo, como foi esse pedido de revisão? e o que você alegou? é bom saber só pois isso pode ajudar em compras futuras que se encaixem no mesmo perfil da sua

        1. Então brother, na época eu preenchi um formulário de pedido de revisão que na agência dos correios e anexei o pedido, a página do produto no DX e a fatura do meu cartão provando que minha encomenda não custou nem dez dólares e eles tributara arbitrariamente como se fosse mais de 50 dólares. Mas é melhor você dar uma pesquisada porque andei vendo que o processo ficou um pouco mais burocrático.

    5. Compro um pouco. Esse ano já recebi umas 30 encomendas e fui taxado uma vez.

      Acredito que fui taxado porque era uma caixa grande, com Amiibos. Eram 6 e acabei taxado. Mesmo assim valeu a pena, porque paguei R$ 50,00.

      Existem coisas que dificultam qualquer taxação, como compras pequenas, gift e pedir descontos.

    6. compro com certa frequência no Alixpress e ainda não fui pego pela receita, mesmo pq nem deveria, já q compro dentro da cota permitida e as apreensões da receita como estão hj são todas ilegais, pois a cota é de 100 doletas de pessoa física e jurídica e não apenas 50 dólares como dizem e restringindo o comércio à pessoa física. até agora tudo q comprei veio conforme anunciado tb. por ora tenho dado sorte, eu acho.

    7. Tenho um amigo que comprou uns CIs (eletrônico) e desde julho o mesmo tá parado lá em curitiba… não falam nada, não faz nada… e o pior é que ele precisa do CI para terminar um trabalho…

      Taxação não sei se vai cair – é valor bem irrisório. Mas que a situação tá chata, isso tá.

    1. Não conheço a marca, mas quanto ao ter que ficar ligado na tomada acho que a necessidade é em função da quantidade de portas (e consequente quantidade de dispositivos) ligados ao mesmo tempo. Dependendo do que você ligue, a porta do computador pode não dar conta de fornecer tanta corrente.

      1. é verdade… acho q ficarei com um menor pra ter q evitar mais um fio. valeu.

      1. acho q não, gedson. parece ter relação mesmo com a demanda de energia q alguns periféricos trarão ao serem conectados ao hub.

  12. Alguem aqui ja teve problemas com o spotify??? nenhuma notificação de cd/musicas lançadas tem chegado na minha conta, nem por email nem no app, e eu reclamo, reclamo e reclamo e eles so falam que vão resolver e nada, to perdendo varios lançamentos por não chegar nenhuma notificação, ta foda…

      1. To pensando seriamente ainda, mas sou premium no spotify, então ainda não trocaria, mas se meu problema não for resolvido até esse mes…

      1. Puts quem dera AHAHAHHA. Eu gosto bastante, pois sempre me atenta a um lançamento novo que rola la, e como eu uso diariamente, eu sempre “Limpo” as notificações pois estou sempre vendo la etc.

        1. Se der, a opção não está nas Preferências do app para Windows. No iPhone PROIBI o app de mandar notificações, uma das vantagens do sistema centralizar esse tipo de coisa (acho que nas últimas versões do Android também tem esse kill switch para notificações nas configurações, né?)

          1. Há muito tempo existe como fazer por aqui:
            Configurar > Aplicativos > {Escolher aplicativo} (existe uma opção de check de notificação)
            Acho que no Lollipop veio esse caminho alternativo:
            Configurar > Som e notificação > Notificações de aplicativos > {Escolher aplicativo}

          2. Todo aplicativo no Android pode ter as notificações desativadas na área de Configurações => Apps.

      1. Olá, não pude deixar de ler a conversa de vocês… O que está achando do Moto X Play?

        1. Cara, é descomunal. Tinha um mx14 e esse play caiu em minhas mãos por puro acaso, e no início, torci o nariz. Aliás, um snap 615 não da conta do 801. Ledo engano. Me parece que os 64 bits compensam a diferença em números e benchmarks. Sobre a tela, certa vez desci meu facebook simultaneamente nos dois aparelhos, e… A do x14 apanhou feio. Seu branco é amarelado( muito) e o X play não faz esforço para ganhar por uma boa margem. A bateria é colossal, um dia e meio no meu uso. Qualquer outra coisa, só perguntar.

          1. Acho que não é apenas pelo fato de ser 64 bits, mas porque é um chipset mais moderno mesmo. Mesma coisa que comparar um chip Intel de 5 anos atrás com 3ghz com um atual de 2ghz.

            Enfim, conseguiu achar por quanto?

          2. Acredito que o ângulo de visão não é satisfatório, sendo a tela TFT, certo?

          3. Conto. Os ângulos de visão, a reflectividade sob o sol, a saturação e mesmo a responsividade são supreriores.

          4. Pow, legal. Já tive experiências horríveis com TFT, a ponto de não conseguir ver a tela direito num ângulo acima de 45º. Imagino que tenham melhorado a tecnologia nesses últimos anos.

      2. Quando o teu aparelho mostra as notificações inteligentes – acendendo apenas o relógio e o ícone da notificação, enquanto a tela permanece preta –
        você notou que a tela não permanece exatamente preta como nas outras gerações do Moto X?

          1. Não é óbvio, pois não é necessário que obrigatoriamente eu saiba a diferença prática entre Amoled e IPS. E exatamente por a resposta não ser óbvia é que decidi perguntar.

            De qualquer forma, gratidão!

          2. Perdão se pareci grosseiro. No amoled os pretos são verdadeiras ausências de luz, por isso o tom mais real

  13. ALERTA PARA QUE VAI JOGAR THE PHANTOM PAIN!
    SE VOCÊ ESPERA O JOGO E NÃO QUER SPOILER A HORA DE CORTAR COMUNICAÇÕES É AGORA!
    EM LOCAIS DA EUROPA JÁ É POSSIVEL COMPRAR O GUIA DO JOGO, OS SPOILERS JÁ COMEÇARAM A CIRCULAR! VOCÊ FOI AVISADO.

  14. Olá pessoal, atualizando meu relato no post livre passado, ontem chegou a prometida Mi Band, juntamente com a Mi Bank , a camisa laranja e uma cartinha de perdão pelo vacilo, da Xiaomi!

    Cumpriam a promessa feita para os que assistiram a segunda sessão do lançamento, pois houve uma grande desorganização e muita gente ficou fora do teatro no dia.

    Fica o registro da atenção da Xiaomi com a situação.

    1. Cara! Massa demais!!! É o tipo de comprometimento, por parte de uma empresa para com seus consumidores, que a gente não está acostumado a ver por aqui.

    2. Queria tanto essa Mi Bank rapaz, pena que não to com grana agora!

    1. Até eu que não jogo nada fiquei curioso com esse Horizon Chase, mas vou esperar sair a versão para PC no Steam. (Detalhe: foi feito por um estúdio brasileiro :)

  15. Aproveitando a pergunta sobre fone de ouvido, alguém conhece algum bom headphone com fio ou, melhor ainda, bluetooth que use plush ao invés desse material mais comum que reveste a área de contato com a orelha?

    1. Sennheiser Momentum. Tava em promoção esses dias na Saraiva ou B2W, não lembro. No HT Fórum tem gente vendendo usao.

  16. Aproveitando a pergunta sobre fone de ouvido, alguém conhece algum bom headphone com fio ou, melhor ainda, bluetooth que use plush ao invés desse material mais comum que reveste a área de contato com a orelha?

  17. Dica de jogo para essa sexta: Horizon Chase.
    No estilo Top Gear, jogabilidade excelente, assim como os gráfico e a música. Aliás, a música foi feita pelo mesmo compositor do Top Gear.

    É só para iOS e vale cada centavo dos U$ 2,99.

    E outra coisa legal, é que foi feito pro brasileiros. Entrou ontem na App Store e já virou escolha do editor :D

    http://horizonchase.tumblr.com/

    https://youtu.be/HQDVSRmhiP0

    1. Haha, acabei de responder o comentário do @mhanolloghames:disqus sobre isso! Até eu que não jogo nada fiquei interessado — e, li por aí, em breve sairá uma versão para PC/Steam.

      1. Pois é, eu jogo pouco também. Depois de muito tempo sem jogar nada no celular, agora tenho só o Horizon Chase.

    2. Fui ler também sobre e estou babando nisso… :p

      Só estou implicado com o game design. O traço dos veículos geralmente tem royalites. Não sei como eles conseguiram isso, e principalmente, quanto será que saiu para contratar o Barry Leitch. Falando neste último… http://www.barryleitch.com

        1. Mas o design está bem “óbvio”. Não sei se é um problema isso, mas… Enfim. É que acho que bons games também tem carros com designs diferentes ,fora do padrão… mas até entendo.

          PS: deixei o soundcloud do Barry Leitch (se pronuncia “Leithe”?) rodando aqui. :)

  18. Menos de um ano para olimpíadas. Alguém pretende assistir algo in loco?

    1. nem… conseguiram com a copa e olimpíadas afundar ainda mais a nossa capenga estrutura urbana. sem falar nas pessoas q morreram em obras desnecessárias. o mais engraçado vai ser ver um monte de gente q detesta governo participar da festa promovida pelo… governo.

        1. tem gente q protesta contra a corrupção com a camisa da cbf, então tá “serto”.

    2. seria interessante, mas tenho outros planos.
      espero que dê tudo certo para o Rio de Janeiro. Tomara que a população receba algo desse evento…, por que dá copa do mundo só surgiu elefante branco.

      1. Ja tão surgindo varios elefantes brancos aqui pelo visto viu, pra começar pois tem uma monte de coisa sendo construidas na barra aka lugar longe para caraleo

      1. Era justamente isso que queria, mas não consegui no sorteio e tasquei o foda-se.

  19. Depois de uber x taxistas, agora o embate é whatsapp x operadoras. Acho muito infâme alguém ficar sem melhorar seu serviço por anos e quando chega um negócio interessante desses (chamadas do app), ao invés de evoluir, fica querendo impedir o progresso e querendo blindar o país no passado e no monopólio.

    Qual será o próximo embate? Duolingo x escolas de idiomas? Porque essa é a nova modinha dos sindicatos…

    1. esses caras são capitalistas e liberais até certo ponto, como se pode ver. pregam o livre mercado, a redução de impostos, bla bla bla e qdo algo ameaça o lucro vertiginoso deles, os outros são piratas, marginais, foras da lei, bla bla bla… tenho certeza q o presidente da vivo tb quer um país melhor (pra ele, claro).

      1. No capitalismo, todo mundo é liberal até que peguem no pé deles – vale até para os investidores dos sistemas citados.

        Em tempos: uma coisa que me dá agonia é toda entrevista onde o RP do Uber dá a sua palavra é ele falar “nós somos um sistema privado de transporte, que queremos se integrar ao serviço público”… PQP, que contradição!

        1. eu tendo a ver essas manifestações dessas empresas como discursos de marketing e, como tal, não valem muita coisa em termos de utilidade. andei de uber uma vez, voltando de um aeroporto e foi uma experiência muito boa. e, claro, já andei em centenas de táxis e a experiência geralmente tb é boa perto da paulista e bairros ricos da cidade, pq, longe deles, é loteria, cada táxi vem de um jeito…

          1. isso por que o serviço está iniciando. se for olhar os casos que acontecem com o Uber em San Francisco vai deixar os usuarios com receio.

        2. Não chega a ser uma contradição total, sendo que é bastante comum empresas privadas prestando serviço público, seja através de concessão, permissão ou autorização, seja através de licença, utilizado para serviços cuja titularidade não é do Estado, mas pelo interesse econômico que geram, podem ser regulados por ele, como é o caso dos táxis. Então, caso o Uber seja regularizado no Brasil, é bem provável que seja através de licença também.

          1. Não é isso.

            Eles falam assim: “fazemos serviço de transporte privado” (errei na hora de escrever, perdão), e ao mesmo tempo se coloca dizendo “queremos participar do transporte público”.

            Não é assim que funciona.

            Serviços de táxi (com taxação por distância – táximetro) tem regulação com condições para atender todos de forma igualitária – a tarifa é padronizada (o Uber varia os valores), o serviço atende um requisito mínimo (isso obviamente o Uber faz) e sempre o veículo passa por uma fiscalização (a pontuação no Uber substitui em partes isso…).

            Serviço privado ou particular é serviço de fretamento. Eu alugo o serviço por alguma condição como uma diária ou outras considerações. E isso não incide um táximetro e uma condição de pegar passageiros em vários lugares da cidade para fazer viagens diferentes.

          2. As nomenclaturas confundem, mas o Uber é uma empresa privada que, em tese, pratica serviço público (ainda que não regulamentado). O transporte público coletivo (ônibus, por exemplo) é um serviço titularizado pelo Estado, pela abrangência e regularidade na prestação; nesse caso o Estado poderia constituir uma Pessoa Jurídica de Direito Público fazer o serviço diretamente, mas prefere, através de concessão ou permissão, delegar para empresas privadas. O táxi é um serviço de utilidade pública de transporte individual (e é nisso que se diferencia dos ônibus) que precisa ser regulado pelo poder público, através de licença; nesse caso, o Estado apenas regula, não delegando a atividade, por não ter sua titularidade. O serviço privado de transporte é exatamente o que você definiu.
            Resta saber se o Uber se enquadraria nesse tipo de serviço particular ou no tipo serviço público prestado por particular. Acredito que a última opção é a única que se encaixaria, praticamente se igualando ao táxi.

    2. Eu não sou contra o Uber. Sou totalmente a favor da inovação, porém a favor também das leis. Por isso, é necessário dizer que pelo menos no Brasil o Uber é totalmente ilegal. Se houvesse uma consultoria jurídica séria nesse serviço, eles jamais se instalariam no Brasil.

      É totalmente desnecessária ser feita alguma lei para proibir o Uber. Aqui no Rio todo motorista desse serviço que porventura é parado pela polícia, é autuado por exercício ilegal da profissão e recebe multa conforme o código de trânsito brasileiro.

          1. Não é!
            em reportagem, o Uber respondeu que não é uma empresa de taxi e muito menos fornece esse tipo de serviço.. ela é uma empresa de tecnologia que conecta quem precisa de carro a quem oferece o serviço.. o UBER não é ilegal..

          2. Sabe de nada inocente. Como eu disse, eu apoio inovação e não tenho nada contra Uber. Até gosto da ideia. Mas os empreendedores devem se ater às normas jurídicas da região…

          3. eita.. ta complicado de entender ai hein, jovem!?
            o Uber não é ilegal.. e pra cada cidade onde ele opera, existe uma regulamentação diferente.. aqui em BH, já tentaram barrar o uber mas um procurador do MP me disse q ele não fere nenhuma lei da cidade/estado..
            só é proibido se estiver na lei que é proibido.. ao contrário, é totalmente legal!

          4. “Procurador da Polícia”. What?

            Ok. É o seguinte. Simples. Não existe uma lei dizendo que o Uber é proibido. Todavia a partir do momento que um sujeito pega seu carro particular, transporta alguém e cobra por isso ele está infringindo leis.

          5. o cara pode estar errado.. desconheço a lei para tal afirmação..
            mas o UBER, não está errado!
            o UBER.. APP.. SERVIÇO!

          6. É muito conveniente ao Uber tirar o dele da reta. Isso aí não cola — ele é parte do problema e deve ser encarado assim na discussão.

          7. ok! eh parte do problema..
            mas ainda assim, não é ilegal!

          8. O app fornece um serviço ilegal, lucrar em cima de serviços ilegais é ilegal. Logo não importa como eles se auto-denominam é um serviço de taxi alternativo, onde eles cadastram os motoristas e os mesmos usam o app para pegar clientes.

          9. Errado de novo.

            Imagine um exemplo: se eu for para a rua com um veículo qualquer trabalhar pegando e levando passageiros, e cobrando por isso, pode?

            Pela lei não.

            Se um app incentiva isso, é que nem um barzinho recheado de p*** – prostituição não é crime, mas um terceiro ganhar com isso é.

          10. paro por aqui na discussão..
            da minha parte, vou continuar usando Uber até ser devidamente proibido e expurgado do BR.. o q acho muito dificil.. mas MUITO dificil..
            pra pensar em usar taxi novamente, vou precisar de, no mínimo, ser tratado com educação..

          11. sequestrar uma pessoa, ameaçá-la com uma arma e bater nela costumava ser crime, mas qdo praticado por um taxista, parece q não tem problema.

          12. fabio, vamos separar uma coisa. O que os babacas táxistas fizeram é crime e torço muito pela prisão destes. Isso até alguns do próprio sindicato dos taxistas repudiaram. Um babaca taxista criminoso deve ser punido, tal como alguém que fez transporte sem autorização.

            Acho que agora é o momento certo de dizer: meu pai foi taxista, porém ficou um tempo sem trabalhar e perdeu a licença e o ponto. Foi tentar trabalhar sem licença, ficou com o carro apreendido. Foi mais de 2 mil reais para tirar o carro do pátio do Departamento de Transportes. Mais pontuação na carteira e “nome sujo”.

            EU vi por alguém da minha família o que fazer errado gera. Foi uma multa de prejuízo, fora outros problemas (na verdade que nem cabem aqui).

            Então EU posso dizer com toda a clareza que se alguém faz errado, QUE SE PUNA. Me dá INDIGINAÇÃO ver o Uber operar sem uma punição severa aos responsáveis e representantes.

            Toda vez que vejo um monte de gente fazendo besteira nas ruas e não serem punidas, me pergunto se no final são as pessoas que não gostam de seguir as leis ou as leis não valem mais nada.

          13. não vejo assim, lamento. não acho q seu pai tinha q ter o carro apreendido, multado ou mesmo ter a possibilidade de ser preso. se uma pessoa tem habilitação de motorista profissional, pronto. o q mais é preciso? pagar impostos!? claro… isso pagamos o tempo todo. acho q a questão não é acabar com os táxis e ubertizar tudo. não… a questão é: poder escolher qual serviço quer usar, mesmo pq só vai ter uber onde tiver clientela capaz de solicitá-lo pq o uber é como qualquer outra empresa: tá pouco se fodendo se uma região carente precisa dos serviços dele mais do q a área rica q já tem tudo. bom, daí aparece uma empresa e, pimba, nossos ilustríssimos vereadores “pensam” (imagino um campos machado pensando e sinto ânsia de vômito) vamos proibir, vamos acabar com isso etc etc etc. qdo deveriam pensar vamos regulamentar para manter o equilíbrio. ponto. mas não… instaura-se uma guerra e, claro, as decisões tendem a ser favoráveis ao uber. agora, eu pensava q os ultra conservadores taxistas paulistas detestassem o comunismo totalitário do pt, mas, veja só, não é bem assim.

          14. Eu não falo bem disso, mas sim de aplicação de lei. Falamos muito que não há punição para corrupções e crimes cometidos. Mas tipo, a situação é tão aleatória e tão maluca que é isso que me causa indignação.

            Se a lei não serve de nada, então não precisamos dela e nem precisaria desta discussão. Ponto. É nisso que quero chegar.

            Se existem leis, se algo está fora dos padrões, então se adeque para que em caso de situações que prejudiquem alguém, se estabeleça parâmetros para assim quem estiver fazendo algo, que a punição seja justa. Ponto.

            A punição do meu pai foi justa. O que meu pai fez é ser um táxi pirata. Não dá para ser hipocrita aqui.

            O ponto é ver Uber trabalhando e brigando e esperando apoio alheio. E pedindo lobista :p

            Não é mais fácil primeiro se adequar e depois mudar de dentro para fora?

          15. cara, a punição do seu pai foi completamente injusta. não deveríamos achar justo só porque um mancebo movido sabe-se lá por quais interesses escreveu algo q criminaliza uma conduta qdo, evidentemente, ela não está fazendo mal algum. imagine, seu pai é motorista profissional… ele está habilitado, portanto, a guiar como um profissional. dirigindo um carro q é homologado e não um protótipo… cara, as coisas vão contra a lógica.

          16. Não é injusta. E explico os porquês.

            – Meu pai foi taxista. Logo, supõe-se que ele fez os cursos necessários e tem a habilitação para a profissão. Isso significa também que ele sabe as leis e as condições, caso ele não siga a regra estabelecida.

            – Quando ele perdeu o “ponto” (a licença de uso), e foi operar como “táxi pirata”, podemos dizer que ele assumiu o risco de ser pego e punido por tal. Um táxi pirata não tem o mesmo controle que um táxi oficial.

            – Um táxi pirata é mais loteria do que um táxi oficial. Um táxi oficial pode ter até um taxista ruim no atendimento. Mas um táxi pirata pode também ter riscos de ser alguém aplicando um golpe, provocando um sequestro, etc…

            O mal das leis restritivas é que elas são criadas porque alguém fez algo prejudicial antes e com isso criou a condição para regrar tal conduta.

          17. já andei em ônibus alternativo em sp, pra trajetos q não eram contemplados pelo sistema. isso deve ter sido, sei lá, em 1999-2000. os pegava no metrô ana rosa… e as vans q outrora foram consideradas piratas foram regulamentadas e entraram no sistema. nada a ver proibir. o q é preciso fazer é termos leis q facilitem a vida das pessoas q querem trabalhar. claro, se alguém estiver fazendo besteira, é preciso ter consequências, mas como a coisa está, do q adianta paralisar uma pessoa q pode trabalhar!? querem ou não querem fazer o país da crise? não é o q parece…

          18. Fabio, não por mal mas sinto que está desviando o assunto.

            O que quero chegar é o seguinte: se existe uma regra a ser seguida e as pessoas são condicionadas a aprender sobre tal e segui-la, então não segui-la é uma corrupção da mesma e a pessoa, naquele momento, ou pode ser punida pela condição, ou sofrerá a consequencia.

            No caso do meu pai, ele corrompeu uma regra (fazer um serviço de táxi sem o veículo estar regulamentado como tal). Não importa se ele foi taxista antes, o ponto é que ele perdeu o ponto. A licença e a habilitação ele tem, mas não significa que ele poderia voltar a ativa.

            Se a lei está errada, o ideal então é combater a lei e elimina-la. A quem interessa isso? Quem estaria disposto a ir na câmara municipal e falar “olha, a legislação sobre táxis está ruim. É hora de elimina-la”.?

            Entende. Eu não discordo que deveria existir menos restrições, e como já falei em outros comentários no que suponho que tenha acompanhado, a questão do transporte alternativo se resolveu de forma minimamente inteligente – regulamentando as então “vans piratas”. Isso ajudou? Até que razoável.

            Vale ao Uber, vale a qualquer condição onde há uma pré-regulamentação – ou eu atendo a condição regulamentada e a sigo como tal, ou eu burlo ela e sou passível de sofrer as consequências em relação a situação.

            Vale na vida como um todo: por mais que “tudo seja possível”, sempre haverá uma condição de limitação, e caso eu a ultrapasse, uma consequência eu poderei sofrer.

          19. Vamos entender a lógica aqui.

            – O app Uber
            * emula o serviço de rádio táxi (agregando profissionais a serviço dele)
            * emula um taxímetro (fazendo a cobrança baseada nas condições de tráfego e distância).

            – O profissional a serviço do Uber
            * tem habilitação para serviço remunerado (válido)
            * MEi (válido)
            * Placa particular (inválido)
            * Usa um táximetro não autorizado pela lei (inválido).

            No Brasil, qualquer serviço de transporte (ou agregação) DEVE ter autorização de alguma esfera governamental. Não é chegar e botar o carro na rua – isso é coisa de perueiro ilegal.

          20. “A Administração Pública não pode impedir trocas voluntárias entre particulares, a menos que demonstre de forma inequívoca que essa medida é necessária e adequada para a proteção de um interesse fundamental. Esse foi o entendimento do juiz Bruno da Rós Bodart, da 1ª Vara da Fazenda Pública do Rio de Janeiro, ao proibir que órgãos e agentes de trânsito apliquem punições a um motorista credenciado ao aplicativo Uber, que conecta pessoas em busca de transporte e autônomos que cobram pelo serviço.”

          21. Só que o Uber incita o crime e a liberação dele (na condição atual) não protege de um interesse fundamental – o equilíbrio no serviço de transporte público.

            Código de Trânsito Brasileiro

            Artigo 231 – Capítulo XV

            VIII – efetuando transporte remunerado de pessoas ou bens, quando não for licenciado para esse fim, salvo casos de força maior ou com permissão da autoridade competente:
            Infração – média;
            Penalidade – multa;
            Medida administrativa – retenção do veículo;

            Se a pessoa trabalha para o Uber, sempre está correndo o risco de ter o veículo apreendido.

            Se o Uber incentiva isso, é um criminoso.

          22. Assim, esse artigo do CTB diz respeito a uma infração administrativa e não a um crime – é preciso fazer essa distinção. No caso, não há crime algum, e por isso nem dá pra cogitar incitação a crime aqui também.

          23. Não, algo ilícito nem sempre é crime. Se eu não utilizo cinto de segurança estou cometendo crime então? Ou se deixo de observar alguma legislação municipal ou estadual que estabeleça infrações referentes a meio ambiente, plano diretor, fisco, então sou criminoso? Nesse caso não é frescura, a própria lei estabelece esses níveis, até para não praticar injustiças.

          24. É uma opção do legislador definir o que vai ser regido pelo Direito Penal e o que vai ter punição apenas na esfera administrativa. Então diversas ilegalidades não são crime, até porque não há necessidade de utilizar todo o poder punitivo do Estado para regular infrações com mínimo potencial ofensivo. A diferença existe e acredito que você seja o único que entenda que tudo é crime, rs. Aqui nesse texto tem uma explicação boa sobre os dois institutos utilizando um exemplo similar ao que você deu:
            http://www.conteudojuridico.com.br/artigo,direcao-sem-habilitacao-crime-ou-infracao-administrativa,40119.html

            Não achei esse texto do motonline bem embasado juridicamente – você pode dizer que é só uma questão de nomenclatura, mas é a que utilizamos no Direito Brasileiro e as camadas existem para estabelecer os diferentes níveis de punição a serem aplicados.

          25. Esse é o problema de muitos profissionais de direito e a questão das pessoas “leigas”.

            O que muitos dos profissionais em direito tem que entender é que as pessoas justamente se sentem injustiçadas devido a questão de desequilibrio de punições.

            Se a pessoa comete algo errado perante a lei, tem que ser punido, certo? Simples. O nivel da punição pode até variar, mas as pessoas entendem que tudo que errado tem que ter alguma punição para correção.

            Tudo que é “errado” deveria ser considerado ofensivo. O ruim, e nisso concordo, é que há a questão subjetiva – o que um pode entender que é errado, outro entende que é o certo.

            Fiz o texto devido a indignação que me dá todos os dias ver as pessoas fazendo besteira nas ruas e não haver punição. Por que EU tenho que ser punido e o os o outros não? Por que EU tenho que agir certo e os outros podem xingar a polícia e ainda serem tratados como herois?

            Esse é o ponto aqui. Muitas vezes a questão jurídica no Brasil é arcaica e corporativista – aposto que se um dia se investigar todos os meandros da justiça, vai achar tanta ou mais podridão quanto na política.

            “quem vigia os vigilantes”?

          26. Mas isso é cultural, Vagner. O Brasil é um dos países que mais tem regras e punições diferentes, porque aqui a lei é infringida pra valer mesmo. Mas pensa você ter que submeter tudo isso no Fórum Criminal e ainda tratar como criminoso e ameaçar colocar na cadeia um camelô, por exemplo, é demais, ainda mais considerando o tanto que nossas cadeias são escolas do crime atualmente – por isso a distinção entre crime e infração.

            Não concordo com o excesso de rigor na hora de punir, até porque os que mais prejudicam nossa sociedade (grandes empresas, bancos e os com maior patrimônio) sempre ficam fora desse rigor punitivo, cabendo só aos das camadas inferiores da sociedade arcar com a maior parte das responsabilidades.

            Sou da área do Direito e aprendi que se muda o comportamento das pessoas dando motivos para que ela não infrinja a lei, e não procurando apagar o fogo depois que ele já ocorreu. Leis mais rigorosas não vão desincentivar práticas ilegais, isso é fato.

          27. Samuel, não viva numa utopia. Criminoso é assim por natureza. Eles podem ter a melhor educação, serem das melhores famílias, mas se nasceram para ser criminosos assim serão e ponto final. Vemos garotos de classe média que vão para o mundo do crime e garotos de favelas que apesar de terem tudo para se tornar traficantes violentos, traçam outro rumo. Eu sou um exemplo disso. Nasci e fui criado em favela no meio da criminalidade, do uso de drogas e não virei bandido. Muito pelo contrário.

            Traficante não para de traficar porque existe emprego. Do mesmo modo que ladrão não para de roubar porque lhe oferecem um trabalho honesto. Criminosos têm medo de ficarem sem a sua liberdade. E como no Brasil se por acaso eles forem presos, logo estarão na rua novamente, eles não vão parar de cometer crimes. Procure vídeos no YouTube de bandidos ironizando suas prisões. Eles falam na cara do policial que irão passar um tempo com os colegas para colocar o papo em dia e até mesmo se alimentarem melhor no presídio e logo estarão de volta às ruas.

          28. Obrigado pelos seus comentários, @samucael:disqus. Seu posicionamento sobre aplicabilidade da lei, impunidade no Brasil e os meios mais promissores de reverter a situação é ótimo!

          29. Nestes argumentos eu concordo. Tem que se dar motivos para não infringir uma lei. E de certa forma, também sou adepto de não usar uma violência ou restrição extrema. Mas sou adepto de se reagir com violência caso ajam contra mim com violência.

            O excesso de rigor desequilibrado acaba acontecendo, ao que noto, porque de certa forma temos um problema na nossa cultura: quem tem mais patrimônio, as pessoas “respeitam” ou “extorquem” pois espera que parte deste patrimônio vá para esta. Hoje, a propósito, temos a sorte de ter a questão das corrupções sendo expostas de forma mais aberta, dando um pouco mais de sensação de punição devida.

            O ruim é que é difícil mudar esta cultura enquanto as pessoas se sentirem injustiçadas, que estão sob riscos. Ou lembrar que muitas punições não ocorrem por questões pessoais (ser amigo do polícia, pagar um suborno, etc…). É uma falta de visão coletiva. E é cíclico.

            As pessoas se sentem injustiçadas também porque justamente veem aquela situação (citada por ti em outro comentário) da pessoa ir para a cadeia e não mudar. Isso é parte dos problemas nossos culturais e antigos… e não vejo um grande esforço em mudar, apenas esforços pontuais, geralmente de pessoas “humanistas”.

            O ponto não é criar mais leis rigorosas. Como já dito pelo fabio, a CTB por exemplo é bem restritiva. E quando falo de igualar crime a infração, é no sentido das pessoas entenderem que “se há uma lei e esta é corrompida, há uma punição por isso”. Se a gente classifica em níveis, as pessoas vão cometendo “infrações” e reclamando… (gerando as reclamações que o governo arrecada com multas e tudo mais).

            O ponto é punir, e principalmente, PREVENIR PUNIÇÕES. Ou seja, aí indo de encontro com o que fala, de educar e falar “olha, tal coisa é errada pois faze-la resulta em situação x, que pode te prejudicar ou prejudicar o próximo. E se pegamos você fazendo isso, o resultado é ou você ser alvo do próprio erro ou a gente te punir para evitar que erre de novo”.

            Só que, usando o exemplo do trânsito, falo pelo que vejo: as pessoas entram na auto escola e reclamam que as mesmas é quem força a pessoa a fazer o “quebra”. Mas quem no final pede o quebra é o próprio aluno. Se ele não quisesse participar da corrupção, é só não fazer a aula naquela auto escola, ou melhor ainda, denunciar. Mas isso, novamente, é ciclico e faz parte do problema da nossa cultura – o diretor da auto escola conhece o diretor do ciretran, que conhece o diretor do detran, e com isso todos abafam o caso e tudo “volta ao normal”.

            Gostaria que fosse mais questionado realmente o excesso de burrocracia e regras que temos aqui. O ruim é que se questiona justamente as leis que tentam mais proteger as pessoas de seus próprios erros. Ou não se debate com inteligencia formas de mudar coisas que são burrocraticas e acabam facilitando a “venda de facilidades”.

            Enfim.

          30. Aqui no Rio, além de ser multado, o motorista do Uber é autuado no artigo 47 da lei das contravenções penais.

        1. Estude. Lei das Contravenções Penais e Código de Trânsito brasileiro.

          1. esse código penal é uma pérola! graças a eles teremos mais e mais prisioneiros! qto ao cbt, acho q ninguém nunca o leu, especialmente quem está atrás de um volante ou guidão de veículo motorizado ou não.

          2. esse código penal é uma pérola! graças a eles teremos mais e mais prisioneiros! qto ao cbt, acho q ninguém nunca o leu, especialmente quem está atrás de um volante ou guidão de veículo motorizado ou não.

          3. Infelizmente nossa legislação é muito branda. Deveria ser muito mais severa e, assim, haver muito mais gente presa e por muito mais tempo, sem regalias. Há homicidas, latrocidas e estupradores que ficam um ou dois anos presos, conseguem alguma saída por bom comportamento e nunca mais voltam. Enquanto em país civilizado esses criminosos são condenados a prisão perpétua sem condicional ou de morte.

            Quando tirei minha CNH li o código de trânsito brasileiro inteiro.

          4. ainda rola aquela de sair com 1/7 da pena por bom comportamento? (era isso?)

          5. Historicamente, maior rigor na repressão penal nunca refletiu em melhoria na segurança pública. Na verdade, costuma ocorrer o inverso. Quando se aumenta as penas ou os tipos de punição para uma conduta, entra o chamado Direito Penal Simbólico, que serve para dar à população uma falsa noção de segurança, de que o Estado está efetivamente fazendo algo.

            Estamos nessa de aumentar a repressão há um bom tempo, inclusive com a polícia fazendo a justiça com as próprias mãos e as coisas só pioram; já passou da hora de buscarmos soluções alternativas, como o resto do mundo vem fazendo.

          6. É preciso haver punição. Cadeia não é pra ressocialozar até porque isso não existe. Bandido que atira em alguém ou desfere uma facada para roubar um carro ou uma bicicleta não tem conserto. Precisa ser expurgado da sociedade.

          7. Sim. Devemos adotar leis mais duras, prisão perpétua e de morte como nos Estados Unidos. Li recentemente: bandido fugia de policiais e atropelou fatalmente um policial lá no Texas. O que acontece com o bandido? Condenado a morte. Simples.

          8. Só pra contrapor um pouco, os EUA tem cada vez mais abrandando suas leis, inclusive com diversos Estados abolindo a pena de morte e as perpétuas. E assim anda o resto do mundo. Se você quer viver num país que vai na contramão do que é ideal para os direitos humanos e para a garantia de um Estado de bem estar social, tudo bem, mas eu não.

          9. Direitos humanos para criminosos? Francamente. Eles pensam muito nos direitos humanos quando estão atirando para pegar seu celular, seu carro, seu dinheiro.

            Bem estar social somente quando os criminosos não estiverem livres.

          10. Vou tentar ajudar a equilibrar aqui, pois via de fato, entendo o seu lado.

            O ruim nesta história de mocinhos vs. bandidos é que temos muito a ideia justamente deste dualismo.

            E não discordo – sim, há pessoas que praticam crimes por praticar, por estar acostumado, por visarem o lucro sem se importar com o meio. Querem só ganhar, e sabem que só vão perder quando forem mortos.

            Assim como há pessoas que praticam crimes pois a condição imposta condiciona a situação como crime (por exemplo – cria-se uma lei que impede a pessoa de atravessar uma ponte).

            E também há condições, geralmente extremas, onde as pessoas vão praticar crimes pois a situação social está insustentável (crises onde as pessoas saqueiam supermercados por exemplo).

            Se for usar a moral plena baseado nas leis, qualquer um de nós somos apontados como criminosos.

            Logo, falar que bandido bom é bandido morto é um simplismo comum e de certa forma válido quando falamos de inimigos. Mas quando entendemos que qualquer um em uma sociedade é igual a qualquer outro, estamos mudando o valor das coisas.

          11. exatamente, pelo código penal, todo mundo cometeu algum crime na vida. a diferença cruel é q uns vão presos e outros não. eu, por exemplo, sempre passo por viatura da polícia e nunca sou parado – e não moro num bairro rico. simplesmente não estou dentro do esteriótipo pelo qual o estado orienta seus funcionários para perseguir. e notadamente estamos todos atentos aos crimes contra o patrimônio e bem pouco atento aos crimes contra à vida (muitos deles cometidos por autoridades em todas as esferas). nossos governantes não responsabilizados por mortes estúpidas, então isso dá um grande descrédito ao nosso sistema… infelizmente a tendência é a coisa se agravar e termos mais presos com a redução, um sistema prisional terceirizado (e gente ganhando rios de dinheiro com isso) e um conservadorismo cada vez mais cego. vidas e mais vidas serão destroçadas. estamos bem longe de uma condição decente…

          12. Cara, sinceramente, você se superou nesse comentário!

            “não estou dentro do esteriótipo pelo qual o estado orienta seus funcionários para perseguir.”

            Polícia vai atrás de bandido. Não importa, cor, gênero, condição financeira. Roubou, matou, estuprou vai em cana! Agora, se as leis permitem que o endinheirado não permaneça preso, é outra história.

            “e notadamente estamos todos atentos aos crimes contra o patrimônio e bem pouco atento aos crimes contra à vida (muitos deles cometidos por autoridades em todas as esferas)”

            Então, no Brasil em que você vive homicidas não são presos??? Outra coisa, se você pesquisar um pouco todas as polícias prendem e expulsam seus próprios agentes e tem um número bastante significativo disso.

            ” infelizmente a tendência é a coisa se agravar e termos mais presos com a redução”

            Um sujeito de 16 que estuda e vive conforme a lei não será atingido pela diminuição da maioridade penal. Mas o sujeito de 16, 17 que pratica crimes como um adulto deve ser tratado como tal. Infelizmente, a redução deveria ser para muito menos. A partir de 12 anos a pessoa já entende muito bem o certo e errado. O cara de 15 anos que droga a amiga do colégio e a estupra precisa ser punido!

            “vidas e mais vidas serão destroçadas. estamos bem longe de uma condição decente” [devido à mais criminosos presos]

            É a coisa mais simples possível. Tenha uma vida honesta, correta, não cometa crimes e terá liberdade. Se o cara faz um monte de m… punível não pode reclamar que está preso.

          13. a polícia não age de maneira seletiva!? sério? ou vc tá me zoando? pq só pode estar me zoando… uma pessoa sensata não diria q temos um sistema não seletivo. talvez uma pessoa ingênua pudesse dizer: “nosso sistema trata a todos igualmente”, mas um adulto já bem ciente das coisas dizer q não existe seletividade é um completo e total disparate…

            polícia vai atrás de bandido, claro… claro… curiosamente vai atrás de negros, jovens e pobres com uma certa incidência desmedida, pq, afinal, jovens, brancos e ricos tb cometem crimes. ah, não. desculpe, esses são santíssimos.

            não, amigo, homicidas não são presos. pq só 8% dos casos tem alguma solução por parte da polícia… os outros 92% ficam sem esclarecimento. e é bem provável q desses 8% uma margem significativa seja de casos mal resolvidos, isto é, pegaram qualquer um.

            lamento, mas o corporativismo dá guarida a funcionários que agem fora da lei e contra a lei. são eles próprios uma ameaça ao estado de direito, mas disfarçados de funcionários e seguindo a onda de justiceiros de facebook, tocam o terror, mas só na periferia, pq nas áreas ricas, são cheios de dedos (fora do gatilho, diga-se).

            é fácil levar uma vida honesta, claro. muito fácil. os q levam uma vida desonesta optaram por essa vida por preguiça, claro. não tem nada a ver com falta de oportunidades, com equidade, com justiça, com a precariedade, com a exploração, com a corrupção… ainda bem q o papai noel recompensa os honesto no fim do ano.

          14. Cara, eu nasci e fui criado em uma das favelas mais perigosas do Rio de Janeiro. Tenho muito mais experiências do que você sobre tudo isso que você tem falado. Tive vizinho traficante mais procurado do RJ, tive policiais invadindo minha casa pela janela com arma em punho, morei perto de boca de fumo etc etc… Não fale nada sobre o que você desconhece, ou melhor, acha que conhece através de livros. Eu conheço a realidade das ruas. Tanto a favela, quanto policiais (tenho vários amigos policiais) e logo eu vou me tornar um porque passei em um concurso e estou esperando a posse. Bem, é isso.

          15. normal… vc vai ser mais um q vai reproduzir o caos em q vivemos de modo irrefletido (consequentemente) e continuado. parabéns! se tiver chance, agradeça ao governador por mim.

          16. Bem, apesar de saber que nada do que eu falar aqui vai mudar seu modo de pensar, vou tentar deixar uma mensagem de encerramento visto que o Ghedin logo deve encerrar este post.

            Sinceramente, se você tiver paciência, releia minhas mensagens com a mente um pouco mais aberta. Apesar da minha origem humilde, eu consegui reverter minha história. Apesar de você não ter falado isso, talvez pense que meu modo de agir ou pensar seja um tipo de revolta, posso lhe afirmar que não é. Eu não sou um cara revoltado, violento ou coisa parecida.

            Eu tenho estudo, tenho faculdade, pós-graduação. Fui capaz de passar em um concurso concorrido. Tive de estudar muito direito (inclusive direitos humanos), constitucional, penal, processual penal, Criminologia. Passei no psicotécnico.

            Minha origem digamos que me credencia a falar sobre certas coisas com um pouco mais de autoridade.

            Para mim, pessoas que pensam como você querem deixar o mundo mais complicado do que verdadeiramente é. Seja mais prático, mais objetivo. Não torne complexo o que não é. Enfim, fiquei sem palavras. rs

            Desejo o melhor para você, sinceramente.

            E, não, eu não vou reproduzir o caos. Eu sempre sonhei em ser policial e falo abertamente os motivos com pessoas do meu convívio. O que me motiva é poder ajudar as pessoas. A carreira policial é linda. E, se necessário for, com certeza serei enérgico com a pessoa que pedir por isso.

          17. Eu sempre me referi a criminosos violentos que comentem seus atos com a intenção de causar dano.

            Qualquer pessoa pode se tornar um criminoso no futuro, pode infringir alguma lei existente.

            Mas furtar um biscoito para comer, atropelar alguém que inadvertidamente aparece no meio da rua, xingar alguém ou coisas parecidas são completamente diferentes de atirar contra alguém friamente sem motivo, ou para roubar. Aqui no nosso país tenho visto casos recorrentes de latrocínio que a vítima sequer esboça reação para o criminoso e o cara atira. Um sujeito desse não deve ter clemência.

          18. Estou indo correr na rua agora. Se porventura algum pivete tentar me roubar, vou dar a minha contribuição ao país e mandá-lo logo para o inferno em vez de gastar o dinheiro do contribuinte sem necessidade. (porto um faca tática na cintura)

          19. eu tinha suspeitas q falava com um proto-assassino, agora tenho certeza.

          20. Leia algo sobre “justiça reparativa” e vc verá q existem soluções mais inteligentes e civilizadas. Ou veja um documentário chamado “into the abyss”, apesar q pessoas q defendem a punição severa não são muito dispostas a ler ou refletir sobre as consequências.

          21. Eu penso na consequência dos atos dos criminosos. Mude o foco. Por que pensar no bandido? Pense na família da vítima. Nunca vi o pessoal dos direitos humanos visitar a família de algum policial que tenha sido covardemente morto. O policial colocou a vida dele em risco pela sociedade e a sociedade quer dar carinho para quem impõe o terror. Valores invertidos.

          22. candidate-se a carrasco, então. talvez vc se sinta livre de todo o mal executando pessoas dia após dia.

          23. Para finalizar esse assunto nesse espaço, deixo minha última mensagem.

            Cara, eu não sou violento, não sou cruel, não gosto de ver o sofrimento alheio etc. Não apoio execuções sumárias nem justiça com as próprias mãos, linchamentos, por exemplo.

            Mas eu tenho convicção que atualmente no Brasil o Estado passa a mão na cabeça de muitas pessoas que não merecem esse tipo de tratamento benevolente. Eu apoio leis mais duras, uma punição de verdade. Porque atualmente a prisão é uma colônia de férias para os criminosos (devido ao curto tempo que eles passam lá).

            Enfim, eu já expressei bastante muita coisa que eu penso ao longo desse espaço.

            Finalizo compartilhando um conselho que um amigo meu, policial civil, dá: fiquem trancados em casa ou aprendam a se defender, porque os bandidos estão soltos e eles não terão pena de você!

          24. É assim q se estimula um comportamento paranoide, mas boa sorte. Agora, comentários são possíveis de apagar, só q qdo vc ferir alguém por conta do julgamento q fizer da situação em q se encontrar na hora q algo lhe acometer ou mesmo ser ferido com a própria faca.., bom, isso não será.

          25. O problema neste papo é que ambos ficaram na retranca. Se não se chega em um consenso, não há boa conversa. Tanto tu (fabio) tem que entender que há pessoas que entendem que a violência é uma forma de solucionar a violência. Tal como o Alpha também tem que entender que há hoje uma busca por não-violência para evitar maior violência.

            Não discordo do Alpha Victor – sim, boa parte dos criminosos estão mais astutos e psicopatas que antes. Não se importa com pessoas, só querem ver o bem próprio.

            O ponto é como combater isso com não violência?

          26. cara, é uma questão de percepção. não dá pra bater o martelo em “os criminosos ficaram mais violentos”. donde vem tal dado pra sustentar essa afirmação (não sou tarado por estatística, mas é preciso algum rigor pra sustentar isso)? se vier do datena, 110% dos crimes ficaram mais violentos… então, esse tipo de percepção influenciada pela mídia policialesca não deveria contar – não entre pessoas capazes de perceber as nuances desse discurso, claro. há violência? há, sem dúvida, e uma violência escabrosa q pode partir de qualquer lugar (q sempre existiu), mas ela não vem de todo lugar o tempo todo, do contrário, estaríamos ferrados e não haveria sociedade possível.

            estão tirando exceções como margem para tudo. um dos problemas é justamente querer resolver as coisas como justiceiro ou alimentar esses espírito justiceiro na polícia (q tb assiste ao datena e assemelhados todos os dias).

            o trânsito é violentíssimo e não vejo nenhuma atitude como “carrego uma faca comigo”, bla bla bla… seria tão bom ver uma pessoa falando: “ando em velocidade reduzida, porque isso reduz as mortes”, mas não… o q se houve é “eu ando rápido, pq tenho medo de assalto”. ah… cara, o presidente da OAB perdeu a perna recentemente num acidente de carro e um amigo dele, diretor da OAB, morreu… e o cara bem é CONTRA a redução da velocidade! e é a OAB e não, sei lá, os entusiasta do V8 ou algo do tipo.

            e há tanta tecnologia q poderia ajudar as pessoas a viverem num mundo menos violento (especialmente no judiciário), mas ela não é usada, infelizmente… o q há é o claro desejo de eliminação do Outro. há um genocídio em curso e por isso se dar de modo velado, não estamos atentando ao fato de estarmos caminhando lado a lado, todos os dias, a cadáveres precocemente adiados… e, claro, muita gente lucrando com esse medo todo, afinal, não há condomínio q não tenha câmera. no meu, q já tinha 1 milhão de câmeras, coloram mais câmeras… quem vende e fabrica essas câmeras agradece.

          27. Tente olhar para si mesmo e dar parte das respostas como parte da sociedade, ao invés de ve só o outro lado também ;).

            A base não é o Datena. E sinceramente, minha preguiça tá nas costas não deixando eu usar o Google para pesquisar :p Mas se pegar pelas estatísticas e pela história do crime, verá que sim, existem pessoas que são extremamente violentas. Não da violência cotidiana, mas violentos psicopáticos ou quase. Geralmente lideres de facção e alguns outros tem esta mentalidade.

            Mas na verdade, o que tem que se ter de respostas é um conjunto – respostas a nivel psicológico (há pessoas que tem possibilidade de serem extremamente violentas a ponto de tirar do convívio?), a nivel social (o meio permite este tipo de comportamento?), etc…

            Não sei se já leu Admirável Mundo Novo e 1984, mas caso leu, vamos partir dos dois para tentar entender um pouco mais as coisas.

          28. sem fazer essa análise, não dá pra falar, sinto muito. do contrário é achismo. eu não posso achar q não aumentou e vc não pode achar q aumentou baseado na nossa percepção da realidade, q é limitadíssima. é preciso um estudo sobre isso e não é algo tão improvável de fazer e talvez já tenham feito. vou procurar.

            as críticas q faço, claro, tb se aplicam a mim.

            li as duas obras sim, mas, vc sabe, são ficções, e essas duas distopias são formas q podemos, sim, nos ver no futuro, mas ainda são ficções.

            qto a violência, bom, ela pode partir de qualquer um e não só de líderes (ué, pensei q liderança fosse algo valorizado e estimulado pela sociedade) de facções. vc e eu podemos ser absolutamente violentos.

            eu tenho grande interesse pelo tema violência – vai ser alvo da minha pesquisa, inclusive – e, cara, é um assunto complexo pra caramba. o q sabemos disso é bem pouco e o q senso comum diz sobre o assunto é pior ainda. e, infelizmente, para nossa total desgraça, os datenas são “a” medida do senso comum.

            assisti um documentário certa vez, policialesco, q era sobre a divisão de sequestro da polícia de sp. não me recordo o nome do doc, mas depois posso te passar. há, evidentemente, casos escabrosos e terríveis ali. um deles me chamou a atenção tamanha a falta de sentido: a polícia estourou um cativeiro e a sequestrada estava morta, foi estrangulada. os policias faziam perguntas aos suspeitos (até então eram suspeitos) e ao serem questionados se tb haviam estuprado a vítima, um deles respondeu: “não faz parte da nossa ética fazer isso”.

            o q vc acha de um cara q sequestra uma criança? ora, é abjeto. mas pode ser algo irracional. agora, o q vc acha de um estado q tira os filhos de mulheres prisioneiras? é igualmente abjeto. mas é algo dentro de uma visível racionalidade.

          29. sem fazer essa análise, não dá pra falar, sinto muito. do contrário é achismo. eu não posso achar q não aumentou e vc não pode achar q aumentou baseado na nossa percepção da realidade, q é limitadíssima. é preciso um estudo sobre isso e não é algo tão improvável de fazer e talvez já tenham feito. vou procurar.

            as críticas q faço, claro, tb se aplicam a mim.

            li as duas obras sim, mas, vc sabe, são ficções, e essas duas distopias são formas q podemos, sim, nos ver no futuro, mas ainda são ficções.

            qto a violência, bom, ela pode partir de qualquer um e não só de líderes (ué, pensei q liderança fosse algo valorizado e estimulado pela sociedade) de facções. vc e eu podemos ser absolutamente violentos.

            eu tenho grande interesse pelo tema violência – vai ser alvo da minha pesquisa, inclusive – e, cara, é um assunto complexo pra caramba. o q sabemos disso é bem pouco e o q senso comum diz sobre o assunto é pior ainda. e, infelizmente, para nossa total desgraça, os datenas são “a” medida do senso comum.

            assisti um documentário certa vez, policialesco, q era sobre a divisão de sequestro da polícia de sp. não me recordo o nome do doc, mas depois posso te passar. há, evidentemente, casos escabrosos e terríveis ali. um deles me chamou a atenção tamanha a falta de sentido: a polícia estourou um cativeiro e a sequestrada estava morta, foi estrangulada. os policias faziam perguntas aos suspeitos (até então eram suspeitos) e ao serem questionados se tb haviam estuprado a vítima, um deles respondeu: “não faz parte da nossa ética fazer isso”.

            o q vc acha de um cara q sequestra uma criança? ora, é abjeto. mas pode ser algo irracional. agora, o q vc acha de um estado q tira os filhos de mulheres prisioneiras? é igualmente abjeto. mas é algo dentro de uma visível racionalidade.

          30. A maioria dos policiais não é justiceira senão não haveria mais bandidos no Brasil.

            A maioria dos policiais é extremamente profissional. Veja a quantidade de prisões. A polícia inclusive protege o criminoso quando está sendo linchado pela sociedade.

            Se o preso apresentar um ferimento a mais durante a escolta policial, o agente está ferrado porque ele vai responder processo administrativo na corregedoria.

            O policial é aquele sujeito extremamente controlado. Como já escrevi em um comentário nesse espaço, os bandidos viram clientes dos policiais e esses apenas fazem o que é permito: prendem. E aí, a justiça põe os criminosos na rua novamente porque a lei fraca permite.

          31. Vagner, a questão é que é impossível parar um traficante armado com um fuzil oferecendo rosas para ele.

            Aqui no Rio de Janeiro a Polícia Civil possui uma equipe de Operações Especiais chamada CORE (Coordenadoria de Recursos Especiais), basta procurar no YouTube para saber ao que eu estou me referindo. Então, as viaturas blindadas dessa equipe (os carros e helicópteros) são chamados de Pacificadores. Porque quando a CORE entra em uma favela dominada por criminosos fortemente armados com esses carros, eles conseguem, pelo menos por um tempo, impor a paz e tranquilidade que os moradores merecem.

            Devido à situação que nós nos encontramos – leis frágeis, bandido sendo tratado como vítima da sociedade etc. Os criminosos perderam totalmente o respeito.

          32. Mas é isso que eu gostaria que vocês dois entendessem.

            Como diz um ditado: “não existe uma resposta simples”. Como humanos, aprendemos que a forma rude, violenta, é a mais rápida de resolver algum problema. E as pessoas que querem se manter no topo, os bandidos – nisso aproveito para mudar o termo de criminoso para bandido, pois foca melhor. Criminoso, como eu já disse, qualquer um pode ser. – muitos destes hoje são bem mais violentos, ignorantes socialmente e apenas só querem ter a liberdade e conforto para fazer o que julgam interessante a si e a seu redor.

            Nessas horas eu entendo a necessidade de uso de violência, aqui no caso a força policial, para tentar impor um equilíbrio.

            Ao mesmo tempo, entendo que quanto mais se buscar uma não-violência – e não falamos de “usar rosas”, mas sim de entender o motivo daquilo e eliminar o motivo da violência sem usar algo que agrida – é muito melhor e menos estressante.

            Nisso, pessoas comuns vivem sob medo intenso, seja porque pode ser alvo de um bandido – e aqui falo tanto de bandidos comuns quanto policiais que se tornam bandidos – quanto também ser alvo da polícia, seja em bala perdida, seja na (infeliz) cultura de ação agressiva e altamente regrada usada na PM.

            Muitos de nós sabemos que por trás da “guerra contra os bandidos”, há muita coisa acontecendo que tanto gera corrupção, quanto até de vez em quando uma paz plena. Há muita coisa a se pensar sobre isso.

            O ideal aqui é todos os lados se entenderem. Esmiuçar tudo até que não sobre dúvidas e todas as atitudes possíveis podem ser tomadas com segurança. Ou seja, resolver o problema dos crimes de forma que ou se diminua o máximo dos crimes, ou até analisar se o que hoje é considerado crime não seria considerado excesso – a questão do tráfico de drogas por exemplo, que a propósito, querem fazer a mudança para regulamentação do uso e venda. Eu mesmo sei que mesmo a mudança para regulamentação não significa que vai acabar a existência de bandidos. Mas enfim…

          33. Estava lendo o mapa da violência e vi q aumentaram os homicídios com arma de fogo progressivamente por décadas. Recomendo a leitura. Mas esse mesmo mapa não diz q os crimes ficaram mais cruéis… Isso não tem Como medir.

          34. O preço da liberdade é a eterna vigilância.

            Há sete anos porto diariamente armas de uso permitido, já passei por situações estressantes que qualquer outra pessoa destreinada causaria uma tragédia. Mas eu soube resolver sem as armas.

            Se em caso extremo eu precisar utilizá-las, com certeza as tornarei úteis eficientemente. Se for necessário matar, matarei. Na luta pela sobrevivência não pensarei em lei e, mesmo assim, estarei amparado pelo art. 25 do CP. Se eu for derrotado, com certeza levarei alguns comigo!

          35. quem é vítima quer se vingar (lógico), mas…se o cara comete 1 crime e recebe uma pena alta, então pra ele não faz muita diferença (hipoteticamente) cometer 1 ou 10 crimes…a pena vai ser alta de qualquer jeito…de certa maneira os outros 9 crimes saem “de graça”…por esse raciocínio eu entendo que um maior rigor penal é contra-producente…o mundo é complicado mesmo…

          36. não necessariamente, pq não dá pra fazer essa generalização. mesmo q a pessoa exija justiça como vingança não dá pra dizer q toda vítima quer vingança e q essa vingança vai ser direcionada a um alvo específico… o importante é evitar q o dano seja feito, pq depois q ele está feito, no caso de um assassinato, por exemplo, ele é irreversível e os familiares das vítimas, se houver, ficam destroçados. os familiares do acusado tb podem ficar destroçados com o crime, tb se houver. há uma iniciativa chamada “justiça reparativa” q poderia ser uma forma de encontramos soluções melhores, mas como o clima está para linchamento ou enforcamento em praça pública, teremos ainda mais algumas gerações de obscurantismo e sofrimento…

          37. puts! branda??? (só uso três pontos de exclamação qdo o q leio é completamente absurdo, diga-se.) amigo, se vc acha a nossa legislação branda é sinal q desejas algo como na indonésia. a pena de morte ou prisão perpétua é algo q vai contra a civilização, assim como a tortura. há maneiras mais inteligente e eficientes de lidar com o crime e esse seu pensamento serviria bem se estivéssemos, sei lá, na idade média. imagine… as cadeias estão lotadas de pessoas sem julgamento. e esse lance de q quem comete crime grave é liberto em dois anos é balela. isso não se dá dessa forma. bom, vai ter eleição e o datena vai ser candidato, ele já tem o seu voto! e olha q ele nem começou a campanha….

          38. Para mim, vai contra totalmente a civilização eu ser obrigado a conviver com alguém que já matou alguém por motivos banais.

          39. então esse é um problema de sociabilidade SEU e não dos outros. afinal, por esse seu raciocínio, uma pessoa, depois de ter cumprido pena, não pode se reintegrar à sociedade, isto é, ela mereceria ser aniquilada. amigo… esse é tipo de coisa q pode te pegar tb. hj são os crimes graves com motivação banal, amanha serão os crimes simplesmente banais q mereceram pena de morte. claro, sempre respeitando o critério de seletividade social tão amplamente difundido pelo mundo: “vamos matar, mas espera, quem vamos matar?”. e, veja, pelo menos neste país tortura-se e mata-se pela mão do estado todos os dias. agora, não entendo pq vc já não encontra regojizo nisso. teve uma chacina há poucos dias em SP, não? morreram 18! entre os mortos havia pessoas q passaram pela prisão… vc talvez aprove isso e, veja, eu ainda assim sou obrigado a conviver com vc… se vc reparar bem, estamos todos entre proto-assassinos, meu caro.

          40. Não aprovo chacina. Se você gosta de viver com criminosos. Ok. Que tal se mudar para um presídio?

          41. ou q tal eu levar um bandido pra casa? esses “argumentos” eu conheço bem e todos juntos não valem um centavo pq só pioram as coisas… mas faz sentido q eles estejam tão em voga hj.

          42. Sou a favor da pena de morte, mas prefiro a prisão perpétua e o preso ser obrigado a trabalhar para pagar sua estadia e alimentação.

            Sou contra tortura e justiça pelas próprias mãos. Toda pessoa merece um julgamento correto. Mas sou a favor de uma punição verdadeiramente rigorosa.

            Se você acha que criminosos perigosos ficam muito tempo na cadeia, é preciso se informar melhor. Pergunte para qualquer policial como as leis brasileiras beneficiam os bandidos. Os bandidos viram clientes conhecidos dos policiais que se cansam de prendê-los.

          43. Sou a favor da pena de morte, mas prefiro a prisão perpétua e o preso ser obrigado a trabalhar para pagar sua estadia e alimentação.

            Sou contra tortura e justiça pelas próprias mãos. Toda pessoa merece um julgamento correto. Mas sou a favor de uma punição verdadeiramente rigorosa.

            Se você acha que criminosos perigosos ficam muito tempo na cadeia, é preciso se informar melhor. Pergunte para qualquer policial como as leis brasileiras beneficiam os bandidos. Os bandidos viram clientes conhecidos dos policiais que se cansam de prendê-los.

          44. Quando eu falo policial me refiro a policial de verdade. Policial que realmente combate o crime, que está na rua. Oficial PM e delegados não são verdadeiros policiais, tanto que são conhecidos como NP (não policiais). Abraço e boa tarde!

          45. Aqui no Brasil além das fracas leis há uma polícia mal planejada dividida em quatro grupos. E o que isso gera? Infelizmente, muita ineficiência. Temos uma polícia de patrulhamento ostensivo dividida em praças e oficiais. E uma polícia investigativa dividida entre delegados e agentes.

            Para que servem os oficiais? Nada! Ou melhor, para tratar mal os subordinados – praças. Apenas oneram os cofres públicos com altos salários. Quem trabalha de verdade são os praças – soldados, cabos, sargentos, sub.

            Para que servem delegados? Nada! Isso só existe aqui no Brasil. É a coisa mais bizarra nós termos policiais bacharéis em direito querendo fazer parte do poder judiciário. Quem trabalha de verdade? Os agentes – investigadores, inspetores, escrivães.

            Os oficiais e delegados, com raras exceções, são policiais de mentirinha, de gabinete, burocráticos que não conhecem nada vezes nada da realidade das ruas.

          46. O problema não é esse. O sistema prisional brasileiro está falido e essas pessoas muitas vezes vivem em condições subumanas.

          47. alguns críticos dizem q o sistema prisional está como deveria estar: destruindo as pessoas. não à toa nada se faz para mudar a situação.

          48. Bandidos precisam sentir a punição, ter a resposta pelos seus atos.

        2. Eu diria que o Uber se aproxima mais da irregularidade do que da ilegalidade, por isso há ainda decisões diferentes no Judiciário em relação a ele. O problema maior é que no fim das contas, por mais discurso que se dê a ele, é um serviço de transporte remunerado, e deveria ter licença do poder público para isso…

          1. justamente..
            ele tem q ser regulamentado e não legalizado..
            são coisas diferentes! =D

          2. Geralmente algo tem que ser legalizado (por lei) primeiro para depois ser regulamento (por decreto). A falta de qualquer um pode legitimar sua retirada da atividade. Sou a favor do Uber, mas não diria que está juridicamente errado uma decisão que o tire de circulação, infelizmente.

        3. Art. 47. Exercer profissão ou atividade econômica ou anunciar que a exerce, sem preencher as condições a que por lei está subordinado o seu exercício:

          Pena – prisão simples, de quinze dias a três meses, ou multa.

          (lei das contravenções penais)

          1. estou lá eu morrendo sei lá do q, aparece um médico e ele diz, cara, “eu não tenho licença, posso te ajudar assim mesmo?”. daí eu respondo: não, é melhor deixar o doutor fritz agir…. motorista não treinado!? eu acho q 90% dos motoristas sabem movimentar o carro, agora dirigir, eles evidentemente não sabem, pq ignoram tudo, até as leis da física. qto ao engenheiro, bem, é melhor contar com algum conhecimento, do q com achismo. valoriza-se demais títulos e certificações, como se essas coisas, por si só, resolvessem tudo. bom, como vivemos o império dos tecnocratas, um documento provando isso ou aquilo é fundamental, mas não resolve nada.

          2. Pelos taxistas que conheço isso não quer dizer nada.

            O único que ganha com isso é o governo arrumando um jeito para conseguir dinheiro fácil.

          3. Quando falo de “sem licença”, seria profissionais com diploma falso na verdade, errei a terminologia. (Vide caso da região de Sorocaba onde falsos médicos foram contratados).

            Certas profissões tem regulamentação pois exige-se que o profissional tenha o mínimo de conduta ética e principalmente, assuma os riscos da sua profissão e assuma quando erra.

            É uma chata “carteirada”, mas necessária aqui.

      1. Isso. o Uber é uma grande iniciativa, mas eles entram sem se preocupar com a legislação. Em Paris deu um quebra pau muito maior do que por aqui.

    3. Enquanto vocês discutem sobre UberxTáxis, por aqui ainda tenho que ter celular de cada taxista ou ligar para ponto de táxi para conseguir algum ( e contar com a boa vontade).
      A aderência ao agregadores de Táxi é quase zero…

          1. Sugiro chamar os amigos aí e começar a fazer movimentos para mudar o jeito que os táxistas tratam os cidadãos. Isso já deve ajudar. Sério.

            (Se falar que isso não adianta…)

      1. Isso deve ser pressão de cooperativa, que morre de medo de ser “substituída” pelos apps, como já ocorre por aqui.

          1. Cara, ganhe dinheiro com isso! Crie um app ou represente algum app já existente e convide os táxistas a se organizarem e entrarem na onda!

            Chame jornalistas da cidade, converse com amigos, e tente convencer (sem violência :) ) os táxistas a prestarem um bom serviço. No maximo, ameace “olha, se vocês não trabalharem direito, vamos pedir para o Uber passar aqui :p”

          2. Hahahah. Haja força de vontade!
            Vou dar uma movimentada por aqui, apesar de não usar muito táxi (essencialmente só quando vou ao aeroporto)

          3. Tenta. Na dúvida, joga na mão de jornalistas e grupos locais o trabalho. Dê a letra e pronto! :)

            Imagine: o seu jornal local lhe cita pela sugestão de uma matéria sobre os taxistas que atual de forma péssima na cidade?

            (Há um risco nisso – infelizmente tem gente que ia querer seu pescoço por tirar a comodidade do mesmo…)

          4. isso quando ficam no ponto né? é mais facil atacar um taxi em trânsito do que no ponto.

          5. Eu moro no Rio (capital) e aqui táxi é a coisa mais fácil de se encontrar em qualquer lugar, no trânsito ou em ponto. Desnecessário uso de aplicativo e sempre fui bem atendido.

            Mas realmente quando viajo para o interior de São Paulo encontrar um táxi é uma verdadeira saga que não desejo para ninguém.

      2. Já cheguei a esperar 1 hora por um táxi. Aqui eles não são ruins, frota nova e são bem mais cuidadosos no trânsito comparado a outras cidades. Mas cara, é um sistema tão velho. Ligar para cooperativa, esperar…Mesmo que não existisse o Uber, eles já deveriam ter agregado novas tecnologias ao serviço.

      3. Já cheguei a esperar 1 hora por um táxi. Aqui eles não são ruins, frota nova e são bem mais cuidadosos no trânsito comparado a outras cidades. Mas cara, é um sistema tão velho. Ligar para cooperativa, esperar…Mesmo que não existisse o Uber, eles já deveriam ter agregado novas tecnologias ao serviço.

    4. Taxistas tudo mafioso… falam do UBER mas usam um monte de outros serviços para não pagar as operadoras… que coisa mais incoerente né gente? Aceita que dói menos e melhorem o serviço porque tá péssimo e caro demais.

    5. Um pause aqui. O problema neste tipo de discussão é sempre o dualismo. É difícil ter um debate deste tipo porque as pessoas tentam falar “ah, é certo”, “ah, é errado”.

      Existem tantas outras coisas a serem discutidas, que ficar no fla x flu acaba encabrestando a conversa.

      No caso do Uber, sempre se esquece de falar de mobilidade urbana num todo e na questão de veículos particulares.

      Deveríamos tentar tudo de novo.

    6. Porque essa é a nova modinha dos sindicatos.

      que exagero mermão, desde quando vivo/tim/etc são “sindicato” ?

      1. Não tem sindicato mas tem a Telebrasil, é uma associação que defende os interesses das operadoras.

          1. fala sério cara, são coisas totalmente diferentes…
            pra início de conversa ( e sendo totalmente redundante porque sei que todo mundo aqui sabe disso) sindicatos são de “empregados”, cartéis são de “empresas”, geralmente grandes empresas, muitas vezes empresas gigantes (como é o caso das operadoras vivo etc), e por aí vai…o fato de que muitos sindicatos foram/são controlados por máfias não invalida o fato de que a maioria dos direitos trabalhistas que existem hoje foram resultados de lutas (e sofrimento, e mortes) de sindicalistas ao longo do tempo…quem acha que sindicato não presta pra nada que dê uma olhada para ver como eram as condições de trabalho na Inglaterra no início da revolução industrial…

          2. (modo chato) insisto – não é tão diferente um do outro… são agremiações que buscam um benefício para o grupo em si.

            Não é que sindicato não presta, mas justamente o que você colocou – hoje quem está nisso não faz mais quase nada, e só lucra com isso. Antes era útil um sindicato, pois nem todos tinham ciência de seus direitos e deveres. Hoje a população está melhor escolarizada e sabe exigir melhor – tanto é que aos poucos o que se pede é uma política sem representação indireta.

            Cartel é a mesma coisa: não difere de um sindicato pelo fato de ser grupos unificados em busca de benefícios. Ponto.

            Carteis existem pois se busca uma igualdade, e não uma disputa. Por isso a equiparação de preços, ao invés de competição.

          3. Os sindicatos de fato ajudaram muito os trabalhares, mas temos um problema no Brasil, só se pode ter um sindicato para a categoria, e a imensa maioria deles não funciona em prol do trabalhador e sim de quem mais ajuda quem está no poder sindical. Salvo casos de demissão em massa, o sindicato não se mexe muito, a não ser que a coisa esteja pegando no bolso.

          4. Há o sindicato patronal e dos empregados. As vezes os dois agem em conjunto em benéfico mútuo. Os empregados ficam em segundo plano, infelizmente. Sem falar q os sindicatos se estrelaram de tal modo ao jogo político q praticamente se confundem… Vide Paulinho da Força.

    7. Tentando dar um reset nesta conversa.

      Não discordo de seu ponto – é ruim quando as pessoas não se aperfeiçoam, se acomodam (eu falo por mim também – tou muito acomodado :p ).

      Só que há questões aqui a se pensar. E tem que separar um pouco a questão dos serviços regulados (como o de transportes) dos não-regulados (apps)

      No caso do Whatsapp vs. operadoras, há um ponto válido – se a empresa (Whatsapp) ganha baseado no serviço de celular, ou emulando o serviço (por isso os questionamentos de usar o número de telefone como login), que isso seja bem explicado. A questão do número como login é válido o questionamento, mas ao mesmo tempo remete a uma coisa – Facebook também permite isso. Um número de telefone é meio que um “RG” hoje.

      No caso do Duolingo, acho que não é tanto risco. Se ficar neste combate de “tradicional vs. tecnologicos”, muito serviço online hoje seria bem questionado – educação, comunicação, etc…

      As reclamações são válidas, até porque a gente vê quais calos estão sendo pisados e sabemos também quem quer manter a situação no jeito que está. Quer se acomodar. Outro temor também é esta inovação resultar em nova acomodação depois. Se o Uber entra e domina o mercado de transporte por carros, o que será que pode acontecer depois? Se as pessoas só viverem usando o Whatsapp, o que pode acontecer no futuro?

      Chega outro chutando o pé na porta e mudando tudo de novo?

    8. O problema é que as pessoas estão parando ainda mais de usar os serviços de telefonia deles para usar o WhatsApp. Ai tem menos lucro, ai o povo ao invés de correr atrás resolve se esconder e tenta se protejer com a ajuda do governo.

  20. Bom dia. Ontem fui ver melhor o que tinha instalado e notei que tinha muita coisa instalada que nunca tinha nem ao menos usado uma única vez. E apaguei por volta de uns 60 aplicativos.

    Quais aplicativos são essenciais para vocês?

    1. Windows/gnu linux: Office/libre office, steam, sublime text, virtualbox, packet tracer, vlc, ace player (pra acompanhar streaming fhd da formula 1), spotify, chrome/firefox, photoshop, cdex, mp3tag, filezilla, putty, notepad++, free download manager/uget.

      Android (exceto os que já vem): whats, spotify, tapatalk, muambator, bb, evernote, twitter, chrome, flipboard.

      WinPhone: whats, spotify, tapatalk, 17track, bb, evernote, twitter, flipboard.

      Acho que é isso.

    2. Isso já foi questão no MdU e no post livre. Mas sempre vale atualização.

      Eis minha lista:
      – Facebook Lite
      – Whatsapp
      – Player de música
      – Rádio FM (nada como escutar como vai as coisas na cidade… :p )
      – Crossy Road :3
      – EMTU
      – Moovit (ei, falando nisso, tenho um convite: quem quiser mapear a sua cidade e cadastrar no sistema de mapas do Moovit, é só ir lá entrar em contato com eles :) http://moovitapp.com/pt-br/ )

    3. Ninguém acredita, mas, atualmente, só uso dois aplicativos no celular (Moto G): Chrome e Keep.

      Não uso rede social, não uso comunicador instantâneo, não jogo e vejo meus e-mails no próprio navegador…

        1. eu só não saio do Keep pq ele integra tudo bonitinho na nuvem e tals.. isso pra mim, é essencial! =D

          1. Tem muita diferença do One Note? Tentei utilizar o Keep, mas achei ele muito bagunçado.

          2. O app de captura do Evernote só pode ser magia. Ele sempre acerta em qual caderno deve salvar o artigo, sem contar que a busca do Evernote é muito rápida. O único problema é não ter acesso offline às notas no smartphone.

          3. O app de captura do Evernote só pode ser magia. Ele sempre acerta em qual caderno deve salvar o artigo, sem contar que a busca do Evernote é muito rápida. O único problema é não ter acesso offline às notas no smartphone.

    4. Nossa, eu tenho uns 120 apps, e uso pelo menos uns 30 deles regularmente, e outros eventualmente kkkkk

    5. Essenciais mesmo são Sunrise, principalmente pelo widget do Android, e What’s app.
      O restante quebra galho ou entretém.

  21. Não sei se separo as questões em vários comentários ou deixo tudo nesse… er… bem, sou um dos primeiros a comentar, mas a experiência que eu tive de juntar tudo em um comentário só mostrou que as conversas não se espalham, só ficam focadas em um assunto prioritário.

    Enfim, fora esta reflexão, lá vai duas coisas:

    Quem vai semana que vem na Photoimage Brasil?

    Já que falei em evento, pergunto: quem sente falta da Fenasoft?

          1. Fui acho que na última ou penultima Fenasoft. Lembro-me de pedir ao chefe onde eu trabalhava na época para poder ir lá e conhecer a feira. Achei bacana. :) Fraca – por ser uma das últimas, mas bacaninha. :)

            Ah, na época ganhei uns Cds de brinde :3

    1. hehehehe! Nunca pude ir em uma, mas sempre costumava acompanhar a cobertura em um programa de TV. Nem lembro mais em que programa e em que emissora. Tentaram gerar algum impacto em BH com a inforuso. Fui por dois anos seguidos e me decepcionei nos dois anos!

    1. Espero que as câmeras tenham melhorado, especialmente a frontal.
      Os resultados são quase sempre ruins, muito ruído se utilizados de noite.
      PPara efeito de comparação, meu Ativ S de 2013 tirava fotos melhores que o meu atual Zenfone 5.

      1. a frontal melhorou bastante em relação ao Zenfone 5 q eu testei..
        também, agora sao 5mpx.. mas o pos processamento deixam as imagens com um pouco de ruido sim.. principalmente a noite, como vc disse!
        mas no geral, eu gostei muito.. a camera eh muito competente pela faixa de preço do aparelho..

    2. Participei dos dois eventos e foi uma experiência muito bacana.
      Asus entrou com força no mercado, mas ainda estou em dúvida se o Moto G terá um concorrente no mercado à altura, contra o Zenfone Laser.

      1. queria muito ter ido mas um parceiro/amigo do canal quem foi..
        ele ficou muito animado tbm.. falou da estrutura foda do evento!

        Sobre o Laser, acho q vai ser um concorrente a altura do Moto God 3..
        mas tem q esperar o mercado receber a noticia.. o Moto God se popularizou muito e tem quem prefira o “Android Puro” da Motorola..

        1. A qualidade do evento foi nível Silicon Valley. Estrutura, CEO global, qualidade do atendimento.
          Me surpreendeu o fato de terem apresentado toda a linha Zenfone no Brasil e América Latina.

          1. tomara q tenham gostado do resultado..
            dae sempre vai ter mais aqui no BR..

            =D

      2. fui olhar a ficha desse Laser e é snapdragon!
        só nao comprei um Asus por causa dos processadores Intel.

    3. A ASUS tem estrutura de assistência técnica no Brasil ? Eu tenho um pé atrás com isso, fiquei com ódio da Nokia (na época boa da Nokia) por causa da a.t. quase inexistente e muito VAGABUNDA…e também Sony, apesar de gostar muito dos smartphones Sony, tenho um pé atrás porque quase não existem pontos de assistência técnica aqui em São Paulo

      1. eles já vendem placas mae e notebooks para caceta aqui no Br.. acho q a assistência técnica pra mobile tem a msm cobertura..

  22. Bom dia, vamos começar os trabalhos de sexta.
    Galera, preciso de indicações de fones de ouvido para serem usados durante corrida/caminhada. Pode ser tanto com fio ou bluetooth (preferencialmente).
    Tenho um bluetooth in-ear genérico, mas ele vive caindo das minhas orelhas e atrapalhando o exercício. Já tentei usar os hooks que vieram junto, mas estranhamente eles não se acomodam na minha orelha.

    1. Eu acabo usando um com fio baratinho da leadership mesmo. Já foram tantos pro lixo que eu não quero ficar gastando dinheiro com isso. Também tenho um Bluetooth genérico, mas você caindo. O leadership foi 12 reais.

      E quando eu vejo pessoas avaliando isso, dizem que até os que são caros duram pouco. Tipo um fone de 900 reais durar 1 ano. Então eu me conformo com o meu baratinho mesmo.

      1. Eu tinha um da Nokia Bluettoth (BH 503) que era ótimo. Ele se encaixava atrás da orelha.
        Era pesado e feio, mas a bateria aguentava bastante e era muito resistente. Durou mais de três anos e só quebrou porque eu sentei em cima dele (!).

        1. Eu tenho um Nokia Bluetooth também a 4 anos, mas ele não é inear e tem espuma que não dá nem pra tirar. Portanto nem posso suar nele. Acho muito bom pelos 140 reais que custou na época.

    2. eu achei nas internets o Philips ActionFit, mas estava procurando por um da Sony que um amigo meu possui. Mas esse da Sony eu nao lembro se tinha bluetooth.

    3. luis, comprei um desses e a qualidade sonora é realmente muito boa e uso pra correr e demais exercícios. aguenta bem o suor q parece não invadir o fone. só tem um problema: a parte cinza q cobre o fio laranja rompeu e tive q colá-la… curiosamente rompeu nos dois fones e quase no mesmo lugar. não foi um problema do uso e sim do material q usaram. me parece ser um ótimo fone pra atividades físicas, mas, sei lá… acho q a philips não está usando mais bons materiais em toda sua linha de produtos.

      o modelo desse fone é o shq1000.

    4. luis, comprei um desses e a qualidade sonora é realmente muito boa e uso pra correr e demais exercícios. aguenta bem o suor q parece não invadir o fone. só tem um problema: a parte cinza q cobre o fio laranja rompeu e tive q colá-la… curiosamente rompeu nos dois fones e quase no mesmo lugar. não foi um problema do uso e sim do material q usaram. me parece ser um ótimo fone pra atividades físicas, mas, sei lá… acho q a philips não está usando mais bons materiais em toda sua linha de produtos.

      o modelo desse fone é o shq1000.

    5. Eu uso o JLab Go Bluetooth e acho excelente, malho, corro e pedalo com ele e nunca saiu do meu ouvido (uso pra lavar louça tb). Ele tem uma bateria que chega a durar umas 6 horas e ele vem com vários tipos de borrachinhas para ajustar com diferentes ouvidos. Um amigo meu comprou pra mim nos EUA qd o dólar ainda tava legal, então gastei uns 120 nele. Na época, era o melhor custo benefício que tinha dentre os in-ear wireless de marca.

      http://ecx.images-amazon.com/images/I/71W6AUvsm%2BL._SL1500_.jpg

    6. ontem vi o video do MKBHD do Jaybird X2 e achei fenomenal o bichinho..
      talvez te atenda..

    7. ontem vi o video do MKBHD do Jaybird X2 e achei fenomenal o bichinho..
      talvez te atenda..

        1. sim.. ate o x1 eh bom.. nao eh pq saiu o novo q o velho fica ruim.. fica mais barato, o q eh bem melhor! =D

        1. tem q definir melhor seus requisitos entao.. vc so pediu um fone bluetooth pras atividades fisicas.. UAShUASuhASH

        2. tem q definir melhor seus requisitos entao.. vc so pediu um fone bluetooth pras atividades fisicas.. UAShUASuhASH

    8. Cara… Pode parecer balela, mas os earpods da Apple nunca falharam comigo. São resistentes, têm boa qualidade sonora e fixam bem nas minhas orelhas. Já tive experiências com fones bluetooth, mas acho burocrático me preocupar com baterias e emparelhamento com celular.

      1. Também tenho o Tracks Air, uso ele com o iPhone e é um dos melhores fones que eu já usei nessa faixa de preço dele (não considerando o valor do Moto G na época).

    9. Eu tenho um Meeletronics SportFi S6 http://www.cnet.com/products/meelectronics-sport-fi-s6-earphones-black-red/. Sempre tive problemas com fones de ouvido caindo da minha orelha. Comprei esse por ter 6 pares diferentes de borrachas. O som dele é muito bom, tem um cabo curto (acompanha uma extensão), case rígido e ainda vem com a “arm band” combinando. Além dele eu possuo o JBL E40BT, que é bluetooth. Hoje utilizo mais o da JBL mas morro de medo dele quebrar por causa do suor.

Os comentários deste post foram fechados.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!