Post livre #22


31/7/15 às 7h57

Chegou a sexta, e com ela o post livre. Os veteranos de Manual do Usuário já sabem como funciona, mas se você chegou agora, uma breve descrição: trata-se de um post (este!) sem conteúdo, publicado apenas para abrir os comentários. Ali a gente conversa o fim de semana sobre quaisquer assuntos. Você responde os outros, lança seus tópicos, e na noite de domingo eu encerro a discussão. Simples, direto, e é sempre muito legal.

Colabore
Assine o Manual

Privacidade online é possível e este blog prova: aqui, você não é monitorado. A cobertura de tecnologia mais crítica do Brasil precisa do seu apoio.

Assine
a partir de R$ 9/mês

347 comentários

    1. Fechando aqui: está em stand by. Perdemos o editor, e ando bem ocupado com outras partes do site e a universidade. Ainda não sei o que será do futuro, mas…

    1. Se você fala de organização dos arquivos, pastas, etc, sim.
      Na verdade sou forçado a ser, pois trabalho com auditoria de sistemas, e preciso ter tudo bem documentado, com cada coisa no seu lugar, pra não me perder com um monte de análises e evidências.

        1. Organização própria. Do meu ponto de vista, modelos são meio engessados e não me servem muito bem, apesar de serem ótimos pontos de partida.
          Pra falar a verdade, nem me organizo sempre da mesma forma. Gosto de ter um lugar pra jogar tudo que vem solto na cabeça e depois estruturar, de uma forma mais “palpável”, como jogar palavras-chave num quadro branco ou num Trello da vida.
          Só depois é que eu começo a pegar estas estruturas e relacionar com os entregáveis do cliente.
          Falando assim, parece meio confuso, mas basicamente é pegar tudo que você tem, jogar tudo num quadro e dar algum sentido pro monte de coisa que está ali. É tipo um brainstorming individual.

  1. Existe algum método , seja ele com root, ROM, xposed para obter funcionalidades da S pen dos Galaxy Note em qualquer Android?

  2. Uma pergunta que sempre tive mas nunca achei ninguém que soubesse responder (talvez alguém aqui saiba): alguém saberia explicar qual a “lógica” das operadoras de celular na venda de pacotes de dados?

    Por que eu consigo comprar um pacote (no caso, olhei na Vivo) com 20 GB de franquia para modem/tablet mas não para smartphone? É algum aspecto técnico ou é só comercial mesmo?

    1. É algo que tenho dúvida também. Vou chutar.

      Em primeiro lugar, o fornecedor tem que ter possibilidade de atender seu cliente de forma eficiente. Para isso, ele tem que separar o que o cliente vai usar.

      “Tela Grande” (Computadores e Tablets) consomem dados com mais voracidade que “Telas Pequenas” (Smartphones). Na verdade, isso parte de um princípio antigo, ainda da época dos celulares com Symbian ou OSs das próprias fabricantes. Como consumo de dados de celular pequeno é menor pois puxa para sites mobile e trabalha com dados pequenos, é possível diminuir a quantidade de dados. Computadores puxam mais dados em um todo. Por isso o fluxo é diferente.

      Sistemas de transmissão via celular dependem de equipamentos que literalmente hoje estão sobrecarregados. Uma torre pode atender até mais de 5 mil terminais em uma região, as vezes até mais. Quanto mais pessoas em uma central, mais denso e ocupado aquele terminal fica.

      Por isso diferencia-se a tarifa entre celulares (que são muitos que usam, e tudo ao mesmo tempo.) das tarifas de equipamentos maiores (que é em menor quantidade e trabalha com um maior número de dados).

      Se bem que isso tudo, analisando bem, é balela hoje. Celulares consomem quase o mesmo que um notebook em relação a dados. Videos em alta definição, arquivos, fotos, etc… O preço poderia ser o mesmo no final.

      Uma outra coisa é que planos de dados com modem (ou modem/roteador) tem mais possibilidade de compartilhamento de dados. Isso também interfere.

  3. Indicam bons sites de reviews/ notícias de tecnologia em inglês?
    Conheço Phone Arena, The Verge, Gsmarena, Android authority, central e mais alguns.

    1. Em termos de hardware, eu gosto muito do Techreport e do Anandtech. Mas eles são bem old school, OK? Com uma cobertura grande para a área de computadores e menor para mobile.

      1. Os reviews de smartphones do AnandTech e Ars Technica são muito bons, apesar de não agradar a todos — bem técnicos, cheios de números e referências malucas.

  4. E aí , Ghedin, o que deu aquela história da colaboração ? ( Não interpretar como cobrança de resposta imediata)

    1. Estou devendo um e-mail a todos que se interessaram em ajudar, é verdade. (E foi muita gente, quase 60 pessoas; fiquei surpreso e feliz :)

      Alguns já estão trabalhando. A Beatriz Lobato, inclusive, já publicou um post (o do Beme), e o Guilherme Teixeira está revisando os posts mais longos, para diminuir a ocorrência de typos e erros gramaticais. Nos bastidores, tem três desenvolvedores a postos para mexer no site (back e front-end), e em breve teremos uma nova seção aqui fruto do trabalho deles. Um designer está cuidando de materiais auxiliares e de melhorias pontuais na identidade visual da marca.

      Mais gente ajudando é desejável, mas o processo está complexo. (Tem muita gente para gerenciar/selecionar.) Coloquei todo mundo que mandou e-mail em uma newsletter e, ainda hoje (espero), entrarei em contato para avançar esse processo.

  5. O que foi esse estaedalhaço todo sobre as telas dos novos Moto X?

    1. Acompanhei meio por cima, e pelo que entendi tem um povo preocupado porque a Motorola trocou o AMOLED por TFT, e tem gente com receio de que ela seja como a dos Xperia pré-Z2 (com aquela perda de contraste quando vista de lado). E tem o lance da Moto Tela, que se beneficia do AMOLED para economizar bateria e, com outra tecnologia, meio que se perde, né?

      Acho pouco provável que a Motorola coloque uma tela ruim em seu topo de linha, porém.

      1. Foi justamente isso que estranhei. Telas variantes do TFT no mercado hoje são otimas ( deve estar vendo no G4), mas a economia me proporcionada pela Moto Tela é o grande diferencial do aparelho.

        1. Pois é. Eu não entendo muito bem a parte técnica, mas parece-me que TFT permitiria algo análogo ao comportamento do AMOLED. Daqui: http://www.phonearena.com/htmls/terms.php?define=TFT

          “Abbreviation of thin film transistor, a type of LCD flat-panel display screen, in which each pixel is controlled by from one to four transistors. The TFT technology provides the best resolution of all the flat-panel techniques, but it is also the most expensive. TFT screens are sometimes called active-matrix LCDs.”

          1. No amoled, o preto é um vazio absoluto, nos LCD e variantes, outra cor, dai a economia

          2. Me baseando apenas no artigo da wikipédia. Acho que está acontecendo uma confusão com os termos. TFT é uma tecnologia de telas LCD. Porém existem vários tipos de TFT LCD. O tipo mais antigo que altera as cores dependendo do angulo de visão é o TN. E IPS é o tipo mais novo que não tem esse tipo de problema. Ou seja, esse TFT na lista de especificações da Motorola é provavelmente um deslize. É bem improvável um smartphone de 2015 usar uma tela TFT TN.https://en.wikipedia.org/wiki/Thin-film-transistor_liquid-crystal_display

    1. Precisa corrigir problemas de autonomia de bateria, bugs do menu iniciar e facilitar o upgrade (erro que persiste a cada lançamento e muitas pessoas tem problemas para conseguir o novo Windows).

      A Microsoft conseguiu fazer um ótimo sistema, fiquei surpreso em o Windows ter mantido todos os programas e atalhos perfeitamente. Eles estão no caminho certo.

    2. Funcionou muito bem aqui, a atualização a partir do Windows 7 foi bem suave mesmo num notebook de quase 4 anos atrás.

      E incrivelmente, não afetou o Debian que eu tenho em dual-boot – minto: tive que desativar aquela reinicialização rápida do Windows, pois uso uma partição para troca de dados entre os dois sistemas.

    3. Ta indo bem aqui (fui do 7 para o 10), o unico bug que da é as vezes nem o menu iniciar, nem a central de notificações abrirem, e eu ter que reiniciar o pc para eles voltarem a funcionar.

    4. Comecei a usar hoje. Tinha testado a versão Preview há alguns meses e, na boa, a sensação que eu tenho é que ainda estou usando ela. As coisas estão mais lentas que o 8.1 por aqui, e já percebi que o consumo de bateria do note está maior também. Tenho um tablet com Windows 8.1 pro, acho que vou continuar nele por um bom tempo, porque lá tá tudo redondinho.
      Pra falar a verdade estava mais ansioso para instalar no note e no smartphone mesmo. Nele estou usando o Windows 10 Mobile TP.
      Mas deve sair alguma atualização em breve.

  6. Estou querendo começar a programar.
    Pense em alguém leigo. Agora redirecionar para baixo seu conceito de ” leigo”. Sou eu.
    Bons cursos presenciais e/ ou internet, de preferência na faixa, alguém indica?

      1. Qualquer tecnologia, já que ” algo específico ” para mim é desconhecido.

        1. Programadores como o @google-c1e8c4d9f770b920ebf66bcdfb1f7dec:disqus podem auxiliá-lo melhor, mas sempre ouvi deles que o começo deve ser sempre em lógica, para você entender os conceitos, possibilidades, conectivos, laços de repetição… enfim, para saber o que fazer com a linguagem de programação.

        2. O @ghedin:disqus está certo, o primeiro passo é aprender lógica de programação.

          Não tendo nenhuma preferência de tecnologia, recomendo começar por Python: ela tem uma sintaxe bem simples, funciona em qualquer computador e um editor texto é mais do que suficiente para começar. Aparentemente virou a linguagem padrão para começar a programar.

          O Codeacademy é um bom lugar para começar um curso gratuito de Python e em português. Não gosto muito dele para tópicos avançados, mas me parece bem legal para iniciantes.

          Se não gostar da linguagem ou do curso, comenta aqui no Post Livre novamente qualquer coisa que sempre acompanho. :)

          1. uma alternativa a Python é Lua, bem mais simples, mais fácil de instalar, a sintaxe é mais permissiva…a vantagem do Python é que a quantidade de bibliotecas adicionais é imensa
            ps. I hate Python

          2. uma alternativa a Python é Lua, bem mais simples, mais fácil de instalar, a sintaxe é mais permissiva…a vantagem do Python é que a quantidade de bibliotecas adicionais é imensa
            ps. I hate Python

          3. Bom, não conheço Lua, mas parece ter uma proposta similar ao Python e Ruby. Parece muito bem sucedida em projetos embarcados e games, mas nunca vi muita coisa “comum”por ai usando ele.

            Recomendei Python por popular e de uso geral, Ruby é interessante mas vejo pessoas reclamando dele no Windows e ela parece mais focada em desenvolvimento web mesmo. O que te incomoda no Python?

            Para iniciantes, acho legal: tipagem forte, dá para ir passando de estruturado para orientação objetos sem problema e tem o interpretador para feedback rápido. O que me incomoda um pouco é que o 2.x e o 3.x devem conviver por muito tempo ainda…

    1. To nessa também, cara. Já decidi que vou aprender Python ou Ruby. No Quora, recomendam bastante as duas por: fácil de usar/aprender, diversas aplicações possíveis e por fim, a comunidade de desenvolvedores é ampla, o que ajuda bastante troca de ideia e solução de problemas.

      Até pensei em pegar esse promoção, que me pareceu um preço honesto: https://deals.thenextweb.com/sales/python-programming-for-beginners

  7. De sábado até amanhã a noite, já vi que o movimento cai por aqui. E noto que o pessoal vai em conversas mais votadas, e menos nas mais recentes.

    Bem, para não ficar só com esta coisa de reflexão de comentários, uma pergunta: Quem aí fez algum curso de datilografia ou de criação de documentos formais? Tipo, fazer parágrafo, acentuação correta, espaçamento correto, etc?

    Desde quando entrei na internet, me lembro que sempre usei o que aprendi no curso de datilografia para poder digitar textos como este, com parágrafos espaçados e tudo mais.

    PS: sim, noto que alguns comentaristas daqui não fazem este tipo de digitação e é por isso o questionamento :p …

    1. Eu fiz curso tanto de datilografia (em máquina manual!) quando de redação comercial. Sou velho… :) Mas o que me permitiu ter a boa redação que eu tenho não foi isso não, e sim o hábito extremo da leitura (eu era rato de biblioteca quando era adolescente), aliado à participação em fóruns de tecnologia e política desde o início da internet. Eu lembro que nas provas da escola eu sempre errava as questões que pediam as regras de acentuação ou ortografia, porque embora eu escrevesse sem erros, eu tinha aprendido isso através da leitura e não da disciplina de língua portuguesa, ou seja, eu sabia o que era certo ou errado, mas não sabia o porquê.

      Participar de fóruns na internet é muito bom para melhorar a escrita, e se a pessoa tiver um mínimo de senso filosófico, isso pode tornar a pessoa mais tolerante também, afinal a gente encontra tanta gente “doida” (no bom e no mau sentido) nesse mundão de deus que se a gente não conseguir achar uma maneira tranquila de conviver com elas, é a gente que fica doido (e de verdade), virando uma espécie de dom quixote do teclado.

      P.S.: acho que o fenômeno dos tópicos mais movimentados serem os mais votados é por causa da configuração padrão do Disqus, que é colocá-los na frente. Eu por exemplo normalmente ordeno pela ordem cronológica direta, e deixo o post aberto, pois assim fica mais fácil identificar as mensagens novas.

      1. também acho que o segredo para se escrever (razoavelmente) bem é muita leitura…isso valeu para mim em português e mesmo em inglês, onde até consigo escrever alguma coisa…

        ps. tô vendo umas pessoinhas carimbadas aqui, o ligeirinho do gizmodo e o andré pessoa dos tempos do news do uol :)

          1. ah cara, deixa pra lá :)
            na verdade, nos tempos do uol acho que você ainda era o “tenório” :)
            estou na internet brasileira desde o início, fui beta tester da embratel, e tenho boa memória, lembro de muitos nomes daquela época

    2. Acho que você quis perguntar se as pessoas tiveram aula de português, certo? Porque fazer parágrafos, acentuação correta e espaçamentos… isso a professora ensinou nos primeiros anos do primeiro grau usando aquelas malditas folhas de papel almaço (que para o meu total espanto ainda são vendidas no site (!) da Kalunga).

  8. Estou reparando que tem bastante programadores por aqui. A pergunta que quero fazer é: quais linguagens vocês utilizam no dia a dia para trabalho?

    1. Hoje eu mexo como PHP principalmente e estou arriscando um pouco de desenvolvimento front-end. Antes disso, passei 5 anos trabalhando com plataforma Oracle (PLSQL, Oracle Forms, SQL…).

      Bônus: para o mestrado em aprendizado de máquina e processamento de língua natural uso Python para a maioria das coisas e o R para uma ou outra.

    2. Hoje C# para projetos em Asp.Net e Objective C para projetos em iOS.

      1. Meio chato misturar .Net e Objective-C né pensando em infra-estrutura: precisa de um Mac com VMs e tals. Ou não usa essas tecnologias em um mesmo sistema?

      2. Meio chato misturar .Net e Objective-C né pensando em infra-estrutura: precisa de um Mac com VMs e tals. Ou não usa essas tecnologias em um mesmo sistema?

        1. Na verdade é uma questão de costume. Rodo o Windows em uma VM com o Parallels. Funciona 100% inclusive para acesso a VPN’s de clientes que só tem client para Windows. É um saco ficar com dois SO’s mas o Asp.Net 5 está chegando e o VisualStudio Code já está aí.

  9. Algum piloto de scooter por aqui? Quero pegar uma pra trabalhar, mas fico com receio de ela não aguentar os quase 50km por dia que eu percorro de ida e volta.

    Vale a pena? Como é a autonomia? Manutenção? Seguro? Que modelos vocês recomendam e por quê?

    1. Uso mais moto “normal” (street). Tem que se pensar no que você tem em mente.

      50 km ida e volta = 25 km a cada saída. É uma distância razoável. Se pega estrada, já elimina qualquer “125”, no máximo, podendo pegar a partir da PCX 150 da Honda. Se for só por avenidas e ruas, pode pegar uma Burgman i (Suzuki), que é a clássica das clássicas por aqui, e padrão-de-mercado. Tem a Smart (Dafra), que nada mais é que uma variação da Burgman (na Coréia, a Hao Jue é licenciada Suzuki, e é ela que fabrica as motos de baixa cilindrada vendidas no Brasil).

      Se pensa em pegar estrada de fim de semana também ou o caminho casa-trabalho-casa é uma rodovia, a não ser que tenha um “espirito aventureiro” (se bem que vejo muitos usarem uma Burgman para fazer até 40 km + 40 km), o ideal é pegar uma scooter com porte maior. No caso, já como falei, a PCX da Honda, a CityClass e a CityCom 300 da Dafra. A PCX tem a vantagem de ter sistema start-stop (desliga o motor após alguns segundos parado, depois o motor liga sozinho quando acelera), mas o motor é de baixa cilindrada. A CityClass tem um motor que compete com a PCX, mas não é tão econômico quanto. E a CityCom é uma grandinha, mas está bem no mercado e atende a quem anda bastante e quer uma scooter de bom porte.

      De manutenção, podemos dizer que todas são razoáveis. Da experiência que tive com a Dafra (isso a anos atrás), digo que ela tem só o problema de não ter uma grande rede e de ter uma demora na reposição de peças dependendo do lugar. Fora isso, é uma marca respeitável. Honda e Suzuki depende da concessionária da região.

      Manutenção de scooters são mais práticas e eventuais do que as de moto. Devido a questão de usar o CVT (o sistema de transmissão variável), as peças tem uma durabilidade maior, já que o motor sempre trabalha no que se chama “regime ideal”, sem excessos. Mas se prepare que os gastos em caso de acidente ou danos graves são altos.

      De autonomia, geralmente as 125cc tem em torno de 40 km/l. A PCX não me lembro, mas acho que é entre 25-30 km/l ou mais, já que usa o sistema Start-Stop. CityClass e CityCom tem aprox. 25 por litro.

      Dica: passa no Motonline que tem comparativos sobre elas: http://www.motonline.com.br :)

      1. Valeu pelas dicas, Vagner!

        Então, sempre que faço pesquisas, fico entre a PCX, Citycom e a Cityclass. A Citycom acaba saindo na frente porque passa um ar mais robusto pra mim do que as outras duas. E é bonita pakas, haha.

        Minha maior preocupação é com relação à distância que percorro. Moro em Santo André e faço auditoria em clientes por toda SP, a maioria na Faria Lima e Morumbi, e na volta, vou direto pra faculdade em São Bernardo. Aquelas rodinhas de velotrol da Burgman e da Smart já são eliminatórios pra andar em Sampa, na minha opinião.

        Não conhecia esse Motonline. Valeu por essa dica também! :D

        1. A Citycom é a scooter padrão da Porto Seguro, pelo que me lembre. ;) E sim, ela é robusta e também potente, por ser 250cc. Acho que é a que pode servir melhor para seu caso.

    2. A citycom 300i nova, se não me engano, tem freios melhores (FH-CBS). Só que ficou mais cara também… 17 mil. O problema de moto ou scooter é que vc precisa comprar um bom capacete (de mil ou dois mil), uma boa luva (de 600), uma boa bota (mais 600), uma boa jaqueta (mais milão), protetor de coluna (mais uns 500) e, se vc ainda não estiver falido, uma calça dessa: https://www.youtube.com/watch?v=aoHdZ589-J4

      1. Roupas são parte da proteção, mas penso que a melhor proteção existente é ser uma pessoa atenta no trânsito.

        Já sofri dois acidentes sem grande gravidade de moto, e as multas que tomei foram só devido a não ter pago a documentação da moto. Cada dia que ando de moto, aprendo que a melhor proteção é evitar situações perigosas:

        – Corredor em alta velocidade
        – Andar acima dos limites
        – Ultrapassar sem sinalizar
        – Não manter distância.

        Vale para qualquer tipo de veículo na verdade: direção segura é aquela que segue as normas colocadas. Não é a toa que rebaixaram as velocidades na SP-015

        1. Eu ando de bike e a minha única proteção é um capacete. Uso as luzes e cores claras. Torço apenas pra não trombar com um bêbado, pq o q eu mais trombo são os enfezadinhos – de carro, de moto, de caminhão, de ônibus…

          Acho moto legal, mas é muito equipamento pra carregar e fora o calor. Acho q não aguentaria.

          1. ando de bike no dia a dia e o maior perigo aqui são os pedestres do que os veículos. os motoristas de onibus são os mais educados.

      2. Então, se pegar a City, vou pegar uma usada… Dá achar por uns 9K na WebMotors.
        Também tô separando uns 1500 pra comprar o equipamento todo, com direito até a cotação. Só não compro essa calça do vídeo porque teria que vender as pernas pra pagar hahahaha

        1. Se vc não for do clube do Tiozão e do Mike Terrotista, provavelmente não vai precisar.

          1. HAUAHUAHUAHUA Que nada! Sou de boa no trânsito.

            Pra falar a verdade, vou pegar a carta da moto mês que vem, então provavelmente vou ficar todo “certinho” no primeiro ano de motoca.

          2. Espero q vc fique certinho pelo resto da vida, afinal, vc parece dar valor as suas pernas.

          3. Com certeza, hahahaha!

            Vou ficar esperto, sei bem dos riscos de andar de moto. Escolhi moto mais por necessidade (e qualidade de vida, pra nunca mais pegar 5 conduções pra trabalhar), e também por não ganhar o bastante pra “casar” com o carro. :P

  10. Recebi email do NuBank hoje, enviei meus dados e agora é só esperar aprovarem. O problema é que uso Windows Phone Mobile, alguém que tenha o cartão sabe se o site é usável?

    1. Não sei se vocês sabem, mas a Saraiva tem um cartão Internacional sem taxas pelo Banco do Brasil.

      É bem simples realizar o pedido diretamente no site.

      Fora isso ainda traz descontos para os produtos vendidos por ela.

  11. Semana passada recomendei aqui o fone da Mi Basic num comentário, e ele chegou no dia seguinte. Digamos que ele é meio… “Basic” demais. :/

    O que achei dele:

    Gostei:

    – A embalagem dele é simples, sem logotipos ou muito texto, mas é muito bonita e bem feita. Deixou uma boa primeira impressão;

    – O design dele acompanha a embalagem: simples, discreto, e mesmo assim, de encher os olhos.

    – Ele vem com 3 tamanhos diferentes de protetores (1 no fone, que acho que é o médio, e um pequeno e um grande separados). Os protetores são bem resistentes, não machucam e não pegam muita cera, pros mais porquinhos;

    – O botão dele responde bem rápido e é texturizado. Bom pra mim que usa o fone por baixo da camisa e vive alternando faixas com o botão. Pena que, no Moto X 2014, os de volume não funcionam. Mas nada que interfira muito no dia-a-dia. O microfone eu ainda não testei, pois quase não faço/recebo ligações.

    Não gostei:

    – O som dele é muito abaixo da média pra faixa de preço dele (40~50 dilmas). O ganho de volume é quase nulo, preciso deixar o som quase no máximo pra música ficar aceitável. Sons mais graves saem meio “chapados”, não sei explicar direito (audiófilos, me ajudem! :D), e também “estouram” em volumes mais elevados. Como um amigo exemplificou, com esse fone, parece que você está debaixo d’água ouvindo música. Nos da Phillips e da Samsung que tive, a sensação é de que a banda está tocando na sua frente

    – Ele passa a impressão de ser MUITO frágil, ao ponto de parecer aqueles de 10 “leal” do camelô. Os fios são meio finos, e os encaixes das partes do microfone/botões ficam um pouco expostos. Certeza que, quando esse fone quebrar, vai ser na junta entre os fios e o mic. E, como uso o fone por baixo da roupa, puxões causados pelo movimento do corpo no cotidiano são constantes. Como diz o mestre Gil Brother, “não aguenta 10 minutos de porrada comigo”;

    – O mesmo vale pro conector. Além de ser bem frágil, ele não tem aquela curvinha que alguns fones tem pra não danificar o cabo. É outra candidata séria a quebrar.

    Conclusão:

    Gostei do fone? Gostei, apesar das ressalvas. O botão quebra um puta galho e conserva os botões de volume do smart (já explico o porquê).

    Recomendo? NÃO. Tem bem melhores e duráveis na mesma faixa de preço, ou até mais baratos. Vou usar ele enquanto não for pra vala, mas meu próximo fone não vai ser um da Mi. Talvez as versões mais premium da linha (silver e gold) tenham acabamento e qualidade sonora melhores, mas não pagaria 100 reais num fone.

    Em tempo: Meu fone antigo não tinha botão, então instalei o Pocket Skip Track pra passar as faixas com os botões de volume do smart:

    https://play.google.com/store/apps/details?id=com.silentlexx.volbtntrackctrl

    Pra fones com botão, recomendo o JAYS Headset Control:

    https://play.google.com/store/apps/details?id=se.jays.headsetcontrol

    Ele é bem responsivo e dá pra customizar as ações de cada botão, desde passar faixas e alterar o volume, até definir o número de cliques pra cada ação. E os dois são de graça!

    1. Obrigado pelo “review”, e eu recomendei esse app JAYS Headset Control aqui semana passada para talvez fazer os botões do earpod funcionarem no android, apesar de não saber ainda, gostei da indicação (e do outro app tambem.)

      1. Opa, acho que vc recomendou pra mim! Eu atualizei o comentário no outro post livre na semana passada. Não funcionou com os earpods.

  12. Alguém ai tem um cupom de desconto de no mínimo uns 10% da submarino que não vá utilizar? Tô realmente precisando de um.

  13. Pessoal, estou pensando seriamente em comprar um Sony Xperia Z3 (D6633) e gostaria de saber se alguém aqui “se aventurou/arriscou” a comprar e está satisfeito com o aparelho… Alguma experiência?

      1. Realmente, a SONY está péssima nas terras tupiniquins! Porém, gostaria de algum relato de uso por algum proprietário de um Z3… :(

        1. Porque você quer um Z3?

          Acho as bordas desse aparelho enormes, o que aliado a traseira sem curvas se torna péssimo em usabilidade.

          Hoje em dia tem ótimos modelos como o Moto X 2014 e LG G3 que vivem aparecendo por menos de R$ 1.000.

          Fora que a interface do Z3 e câmera dele não se destacam.

          1. Louis, não se trata de escolher um aparelho: eu já escolhi o Z3! Você tem ele? Queria relatos de proprietários do Z3, com experiência real de uso no dia a dia, e não achismos…

          2. Não existe achismo nos pontos que toquei.

            De qualquer forma, boa sorte com o Z3.

            Recomendo você procurar relatos de usuários no YouTube.

            Principalmente nos EUA e Europa muitos usuários publicam relatos de um ano de uso, o que torna bem mais completo que um review de algumas semanas. Fora que isso acompanha as atualizações disponibilizadas pela fabricante. Boa sorte.

          3. Valeu Louis!

            E por aqui, no Brasil, algum leitor do manualdousuario é proprietário do Xperia Z3? Tem algo a acusar/defender o aparelho e/ou a própria SONY?

          4. Minha prima quase irmã tem. Uso direto. Assim, quase todo dia e já fiquei uma semana com ele antes de receber o meu de volta ( mergulhou fundo em águas salgadas. ). Construcao premiun, ba ba ba e tudo que você ter levado em conta pra escolher, mas sinceramente, acho horroroso. Trava toda hora, bordas enormes e a incapacidade da Sony de lancar smarts com preço justo. Economize seu dinheiro.

          5. Vi um Z3 por cerca de R$ 1600,00… Qual outro celular nesta faixa de preço, configuração e acabamento, você me recomendaria? Acredito que a questão de travar a toda hora deve ser analisado os demais aspectos (o que está instalado nele, etc…), bordas enormes é questão de gosto pessoal, e Sony lançar smartphones com preço justo, no Brasil? Qual fabricante lança top de linha aqui por menos de R$ 2.000,00? Samsung e Apple beiram os insanos R$ 4.000,00!

          6. Por um pouco a mais, já encontrei o s6, que é melhor em tudo que você possa imaginar. Por um pouco a menos, da pra levar um G3 ou um Moto X 2.
            Pode esperar sair o Moto X style ou importar o onde Plus Two, que mesmo com taxas vale a pena. Tudo que eu tive da Sony estragou.
            Xperia XQ, Ps4, Bravia, tudo.

          7. Os que eu citei. Moto X e LG G3. Os dois são tops, Android leve e menos de R$ 1.000,00.

        1. Jairo, mas a samsung é a campeã de vendas correto? É natural que ela seja a com maior número de reclamações, já que possui o maior número de vendas! ;)

          1. Sim meu jovem , o detalhe é a pior no parâmetro feedback e resolução das não conformidades .

          2. Isso não é verdade. Entre essa empresas citadas a Samsung de longe é que mais resolve os problemas.

          3. De uma olhada no site , compare com outras OEMs e depois comente , aí VC poderá afirmar algo e by the way sou um dos que deu nota zero a apenas 2 dias devido atendimento dúbio do SAC de um smartphone da minha mulher , caso que já encaminhe ao Procon .

          4. O ranking divulgado mostra o que disse.

            Fora isso, no meu trabalho uma senhora teve um problema no smartphone Samsung (derrubou na água) e ela recebeu um modelo novo e sorrir ao que ela tinha.

          5. É, tem que ver a resolução proporcionalmente. No ranking do Procon-SP a Samsung se sai bem, mas nos índices do Reclame Aqui (que, acho, o @disqus_Go6BK8Dexe:disqus estava se referindo) ela perde para Motorola e LG em problemas solucionados.

          6. O Reclame Aqui pode ser útil para se ter uma noção, mas nem todos os casos tem um acompanhamento.

    1. Conheço duas pessoas que têm o Z3. Ambos tiveram problemas com ele :/

  14. Pessoal, seguem dois artigos de locais e escritos de forma distinta, mas sobre o mesmíssimo assunto.

    http://meiobit.com/323370/deputado-quer-exigir-cpf-de-comentaristas-de-internet-no-marco-civil/

    http://gizmodo.uol.com.br/projeto-de-lei-quer-obrigar-o-uso-de-cpfs-para-acabar-com-o-anonimato-virtual/

    Como nossos legisladores podem ter um pensamento tão insano? Sério, não consigo entender o que eles pensam e fico cada vez mais assustado com os rumos que uns caras desses podem nos levar caso consigam apoio a longo prazo.

    1. Mais uma imbecilidade que nossos governistas acham que vão resolver. Acredito que o número IP seja até uma maneira mais fácil de se encontrar alguém na Internet. Não é isso que vai resolver o vandalismo na internet (se é que é algo para se resolver)

      1. Não entendi bem o que você quis dizer com “governista”. Ele não é da base do governo e sim da oposição, e ele também não é nenhum governante, mas somente um parlamentar do baixo clero cujo projeto não tem a menor chance de ser aprovado. Se a gente pesquisar o arquivo da Câmara, vai encontrar muitos projetos idiotas como esse, mas praticamente nenhum passa da primeira comissão.

    2. Eu sou totalmente contrário a uma lei desse tipo, mas…

      Se eu fosse dono de um site sério e importante (por exemplo, a Folha de S. Paulo), eu exigiria sim que todo comentário feito nas minhas matérias fosse totalmente identificado. É a única maneira de coibir um pouco os crimes contra a honra e o discurso de ódio que ocorre todos os dias nos comentários desses portais. O método para identificar cada participante poderia ser debatido (somente exigir o CPF seria um controle muito fraco), mas acho que sites muito visados só têm a ganhar acabando com o anonimato em seus comentários.

      1. Rastrear via ip já é o bastante, não é nada de outro mundo, só que ninguém quer investir, e correr atrás. É mais fácil tornar a vida dos brasileiros mais difíceis do que melhorar o lado deles.

        1. Rastrear IP é um método muito falho de controle, pois em inúmeros lugares o IP é compartilhado, e mesmo que somente os moradores daquela casa usem um determinado endereço, pode ficar confuso para a justiça ter certeza de quem responsabilizar em caso de crime. Além disso, para rastrear um IP o provedor de conteúdo precisa da ajuda da justiça e a colaboração do provedor de acesso. Já se ele fizer um controle direto de quem pode postar, ela não precisa da colaboração de ninguém.

          1. Com a quantidade de dados pessoais circulando pela internet, sem contar aqueles geradores de CPF, isso também não será muito eficiente. Deve haver cruzamento de informações para rastrear e garantir que uma pessoa comentando seja de fato, portadora do próprio CPF.

          2. Exatamente. Seria preciso fazer cruzamento de informações. No caso específico da Folha, a maior parte das matérias só permite comentários dos assinantes. Assim fica bem mais fácil; se o cara é assinante, então o jornal poderia ter o cadastro completo dele (na verdade nem sempre tem, mas isso é outra história).

    3. Eles têm assessoria jurídica e tal, mas, pelo visto são mal assessorados. Há as comissões que analisam essas coisas depois, só q tudo indica q essas comissões não estão fazendo um bom trabalho. Acho q vivemos tempos bem ruins mesmo… cheios de ideias estapafúrdias pra dar liga na próxima campanha eleitoral. Estamos lascados.

      1. Muitas vezes os deputados não têm nenhum assessor jurídico. Os cargos de assessor viram moeda de troca pra eles, e só cabos eleitorais os conseguem, especialmente no caso de deputados do baixo clero, como é esse aí. As comissões sim, todas têm assessoria jurídica apartidária, com funcionários de carreira da Câmara. E até por isso elas são razoavelmente eficientes para barrar projetos muito absurdos.

        1. Tem isso tb… Pra vc ver como nosso dinheirinho escorre por muitos ralos.

    4. Analise um pouco: se você tem um local e gostaria de ter um controle para evitar abusos, como fazer?

      Enquanto existir abusos, existirá sempre um pensamento de controlar estes.

      1. É que não é um “local”, delimitado e sob as mesmas regras, e o mecanismo escolhido é falho, facilmente burlável. Projeto de lei patético.

      2. É que não é um “local”, delimitado e sob as mesmas regras, e o mecanismo escolhido é falho, facilmente burlável. Projeto de lei patético.

        1. Eu não acho patético. Até porque, muitas vezes se criam leis justamente para apenas incitar debates e deixar que o resto transcorra como se deve.

          De fato sim, é possível burlar usando “geradores de CPF”, mas aí recai em Falsidade Ideológica. Então, a pessoa que comenta anonimamente com CPF falso estaria cometendo dois crimes. Quanto mais formas de identificar uma pessoa, mais fácil resolvemos alguns problemas.

          Na verdade, nem precisa exatamente da aplicação da lei. Alguns sites adotam já algo parecido, então há algum controle para ter a identificação de quem comenta.

          O ponto aqui é caçar os “haters” e “trolls”, os chatos da internet. Se não há mecanismos para dar uma lição em quem pensa que pode fazer discursos de ódio barato e provocar outras pessoas, isso fica impune e sempre vai comprometer a qualidade de qualquer site onde tenha seção de comentários.

          Não dá mais para manter um ciclo de manutenção de discursos de ódio. Ou se para com isso, ou então temos que aceitar que isso pode ser padrão um dia…

  15. Não testei nenhuma build do W10, não vi reviews no Youtube (mentira). Tudo isso pra ver se ele me surpreendia.
    E meus caros, que sistema bonito que ficou! Atualizei direto pela ferramenta da Microsoft por cima do W7 com arquivos importantes e tudo.
    Todo o processo demorou umas 2-3 horas e o mais incrível foi a ausência de erros ou incompatibilidade.

    1. Se seu computador for de uma grande marca, como Dell, HP, Lenovo, nenhum deles vai ter problema de compatibilidade, e se tiverem são raros os casos.E o que ajudou muito, foram os 9 meses de open-beta, que podem ter ajudado em muitos bugs.

      1. Não necessariamente. Um amigo tinha um Dell que veio originalmente com o Windows 7 (comprado 1 ano antes do lançamento do Windows 8) e a Dell não só não lançou drivers oficiais para o Windows 8 como 2 dispositivos dele (um deles era o Bluetooth) pararam totalmente de funcionar com a atualização do sistema.

        1. Os dispositivos eram de marcas famosas, e tinham suporte ao Windows 8?

          1. Eu não me lembro qual era o fabricante dos dispositivos, mas eram equipamentos oficiais da configuração original da Dell. Deveriam ter driver, mas não tinham.

          2. A Dell não é mais a mesma, cara. Estou bem frustrado com o atendimento deles e com a não-solução q deram pro meu problema.

          3. Eu não tenho o que reclamar da Dell por aqui, mas meu uso é outro, só tenho tido contato com eles pelo lado empresarial. Se qualquer máquina dá problema, ela é retirada antes do fim do expediente e já vem uma máquina igual no lugar. Felizmente só tenho tido alegrias com eles, mas isso é com a venda em volumes.

          4. Acho q eles estão dando mais atenção a esse tipo de cliente mesmo. Ok, mas daí isso precisa ficar claro. Não é o q estão fazendo, infelizmente.

          5. Sempre gostei muito da Dell nesse quesito, mas para computador pessoal, nunca usei, sempre tive vontade mas acabo montando o meu, é mais prazeroso.

          6. Tb curto montar. O meu desktop eu mesmo montei e ficou muito bom, diga-se. Mas preferi trocar pro um note pra economizar energia, reduzir o ruído e poder levá-lo pra alguma eventualidade… O equipamento da Dell não é ruim, mas pisaram na bola no pós-venda.

          7. Eu tenho 2 WS, onde uma fica em casa e a outra no escritório, a de casa também uso para jogar de vez em quando, e um notebook, para as viagens.

          8. pois é, o q eu menos tenho feito é jogar. e preciso ficar craque no minecraft pra uma pesquisa q vou fazer… gosto de jogar coisas mais antigas (tava indo bem no mirror edge e no walking dead, mas acabei abandonando os dois, infelizmente). o note eu comprei pra poder circular com ele, mas fiquei receoso, de assalto e tal. como vou de bike pra casa, estou preferindo carregar um tablet baratinho e agora um teclado portátil. como é só pra tomar notas, vai servir. achei interessantes os tablets da microsoft q permitem instalar exe. mas o preço deles é quase o de um notebook… então não vale como prejuízo antecipado.

          9. Na pós graduação, eu pegava o metro, e acabei voltando ao caderno, já que a solução iPad+Teclado não me agradou,e tinha muito receio de levar o note.

          10. pretendo dar alguma utilidade as minhas anotações, então pra ter q ficar digitando depois, já quero deixá-las num formato editável pra ir incorporando na dissertação. depende da carteira. se forem aquelas muito pequenas, já não vai rolar.

          11. pretendo dar alguma utilidade as minhas anotações, então pra ter q ficar digitando depois, já quero deixá-las num formato editável pra ir incorporando na dissertação. depende da carteira. se forem aquelas muito pequenas, já não vai rolar.

    2. No meu tb foi tudo ótimo e fiquei bem empolgado, mas depois vieram os problemas com o teclado e mouse e não tive tempo de arrumar… Como só tenho um note de trabalho, achei por bem retornar ao win7, mas depois tive q fazer uma instalação do zero no win7, pq aí a coisa já não ficou mais tão redonda…

    3. No meu tb foi tudo ótimo e fiquei bem empolgado, mas depois vieram os problemas com o teclado e mouse e não tive tempo de arrumar… Como só tenho um note de trabalho, achei por bem retornar ao win7, mas depois tive q fazer uma instalação do zero no win7, pq aí a coisa já não ficou mais tão redonda…

  16. Ninguém aqui falando do major bug do Android ou do Wifi Sense no Windows10?

      1. O Wifi Sense permite seus amigos conectarem à sua rede wifi sem precisar de senha. O sistema permite você compartilhar a senha wifi com seus amigos e contatos, mas quando ambos estão sobre o alcance da mesma rede, ele vai logar automaticamente. Isso é desativado como default, mas se você seleciona a opção ele vai compartilhar com todos.

          1. Qualquer um pode acessar sua rede wifi, ataques estilo MiM(man-in-the-middle).

    1. Aquele lance da brecha no Hangout? Se for isso, é medonho. Eles deveriam estar trabalhando nisso agora, mas não sei se é o q ocorre. Vi q uma das medidas era parar de usar o Hangout, mas isso não é solução…

      1. é que nem recomendar a melhor dica para não morrer é não nascer.

    2. Sinceramente, nunca recebi na vida um MMS. É uma falha grave, mas ao mesmo tipo bem restrita.

      O WiFi Sense mostra um face da nova Microsoft. Ela quer todos os seus dados a qualquer custo para decidir o que fazer com eles e praticamente te obrigar indiretamente a ficar conectado.

    3. Sinceramente, nunca recebi na vida um MMS. É uma falha grave, mas ao mesmo tipo bem restrita.

      O WiFi Sense mostra um face da nova Microsoft. Ela quer todos os seus dados a qualquer custo para decidir o que fazer com eles e praticamente te obrigar indiretamente a ficar conectado.

        1. Já tinha visto essa aí, mas ela é ainda mais restrita. Usar MKV é difícil e ainda ser sorteado com uma versão corrompida que atenda aos requisitos da falha mais ainda.

          Sinceramente não acho preocupante.

    1. Se for o Windows 10, não. Acho melhor esperar alguns meses. O sistema ainda está muito cru e ainda não chegou nos volumes, os lotes são os que vão dar número para isso.

    2. Pouco para o Windows.

      Fora que foi uma vergonha a reserva do Windows. Além de não funcionar para a maioria das pessoas, muita gente foi baixar e aconteceu problemas.

  17. O @disqus_zYtLtaXjJM:disqus falou sobre o PapodeHomem no tópico dos sites que acompanhamos todos os dias, e isso me lembrou que publiquei um post lá dia desses, nada a ver com tecnologia: http://www.papodehomem.com.br/nunca-pensei-que-seria-um-cara-estranho-fui-um-cara-estranho

    Fiquei fascinado com o feedback que um texto mais íntimo, que fala de sentimentos e rejeição, teve. É uma vibe diferente daqui — e publico vários posts úteis no Manual; só é… diferente mesmo. Queria conseguir escrever mais sobre as coisas da vida e do coração, haha.

    1. Ghedin, na verdade eu não mencionei, mas conheci seu site lá, como o vejo diariamente, li seu post (que não lembro agora) e gostei muito, terminando de ler fui atrás do seu site, gostei e hoje vejo diariamente.

      Parabéns pelo site e pelo trabalho.

      1. Hum… não curto muito o “Papodehomem”… Pq, na minha concepção, “papo de homem” tem mais a ver com ruminações entrecortadas com arroubos de entusiamo com esperanças vãs… Não encontrei isso nos posts q vi e se a proposta era um site com “papos de homem”, eles se desvirtuaram. Eu vi o vídeo do cara q criou o site e ele o fez por se sentir só – me pareceu bem autêntico, na verdade – e eis um bom motivo pra fazer algo, mas o q ele criou, como ficou, não sei, acho meio… muito cheio de onda, digamos.

      2. Hum… não curto muito o “Papodehomem”… Pq, na minha concepção, “papo de homem” tem mais a ver com ruminações entrecortadas com arroubos de entusiamo com esperanças vãs… Não encontrei isso nos posts q vi e se a proposta era um site com “papos de homem”, eles se desvirtuaram. Eu vi o vídeo do cara q criou o site e ele o fez por se sentir só – me pareceu bem autêntico, na verdade – e eis um bom motivo pra fazer algo, mas o q ele criou, como ficou, não sei, acho meio… muito cheio de onda, digamos.

        1. Acompanhei um pouco e digo: apesar de eu também não curtir o Papo de Homem, eu justamente admiro os principais do site (o Gulherme, o Jader e o psicólogo que esqueci o no… ah é, Frederico) por terem dado um giro no site.

          Explico: no começo, eles fizeram o site mesmo para ser um “espaço de macho” por assim dizer. Nisso, muita gente foi na onda e começaram a usar eles como base e fazer outros sites sobre “o macho”.

          Depois de alguns posts polêmicos que eles fizeram (esqueci o que houve, perdão), eles começaram a repensar tudo o que fizeram. A partir daí mudou tudo.

          Eles começaram a ficar mais reflexivos e criarem textos que desafiam o “comum” e a própria visão de “macho” existente. Afinal, eles mesmos foram confrontados pelos leitores quando tiveram certas posições e criaram (sem ou por querer) as polêmicas que se envolveram; nisso eles mesmos se confrontaram e confrontaram seus leitores.

          A ideia era justamente ver o que realmente é ser “macho”, ser “homem”. E ironicamente, o “Homem” do título, antes direcionado ao ser masculino, esteriotipado, comum; virou o “Homem” no sentido de humano, de pessoa pensante.

          Conta o fato que tinha alguns integrantes do site (como o Gustavo Gitti) que eram bem mais “zen” e também colocava questões sobre a humanidade e o respeito ao próximo, e o Frederico, sempre mostrando as questões psicológicas e a relação desta com as pessoas.

          Hoje, nas poucas vezes que visito, noto que ficou bem melhor e tem textos interessantes. Este “desvirtuamento” ficou benéfico -saiu do clichê de “macho”(cadochato) e virou um site de “homem” mesmo :) .

          A única coisa que fico implicado é com a presença do Alex Castro. Tenho um trauma deste cara devido a postura que muitas vezes ele coloca em seus textos.

          1. Não sei o quem é o Alex, vou dar uma espiada rápida no texto dele. Mas acho pouco provável vc encontrar “papo de homem” num site com esse nome. Me parece mais um ardil pra atrair o público. Diferente de um site de “moda masculina”, por exemplo, q se não tratar de moda, bem, não é um site de moda, podendo só ser um site masculino. Como as discussões de gênero, felizmente, estão sendo remodeladas, reinterpretadas e vista de outro modo, tendo a esperar q num “papo de homem” não vá direto para o “papo de macho”. Esse “papo de macho” tem mais a ver com um mundo sem frescuras, na minha concepção, numa certa brutalidade de encarar as coisas q, infelizmente, hj em dia mais ainda, se ligou a uma visão militarizada de vida (não à toa tantos produtos emulam a estética militar americana). Mas o “papo de homem”, com substancia, pra mim, passa necessariamente pelo já bem antigo existencialismo, mas mais especialmente na figura do Camus (filósofo e goleiro!). Eu acho q ele conseguiu extrair o essencial do q é ser homem, pelo menos por ora.

          2. Fabio, leia com atenção o relato do Vagner sobre o site Papo de Homem, que ele é bem preciso. Aconteceu exatamente como ele falou. De início, o site era no estilo “papo de macho” mesmo, mas com as polêmicas que ele causou, e a reflexão dos donos, ele se transformou numa outra coisa, mais humana do que masculina. Eu até ia cutucar ele, dizendo que a crítica que ele fazia ao Alex Castro era porque simplesmente ele radicalizava ao máximo essa nova visão.

            O Alex é na minha opinião um escritor sensacional, e tem alguns textos absolutamente estupendos. O que eu mais gosto é o “Pessoas que acreditam em coisas”, onde ele faz uma crítica extremamente precisa às religiões, sem um pingo de ironia ou sarcasmo mas sem precisar também apelar para chatos argumentos filosóficos. A crítica dele é lúdica e chega até a ser infantil (mas no bom sentido).

          3. André, vi esse texto do Alex q vc recomendou… Bem, não é do meu interesse esse tipo de escrita verborrágica, mas se vc aprecia, ok. Vc disse q o texto não tem ironia nem sarcasmo, mas, por deus, o texto está cheio delas. Enfim, pesquei uma coisa do texto q meio q se coaduna ao q vc diz: ” As pessoas que invocam muito a lógica em geral estão querendo te engrupir. Hoje em dia, a lógica é muito mais usada para enganar e confundir do que para explicar, mas pelo menos não tenho medo da palavra. ” Se o cara acha isso da “lógica” é sinal q ele tem mais demônios do q imagina… E se vc acha realmente q a filosofia tem argumentos chatos… eu diria q não é bem assim, pq a filosofia tem argumentos difíceis e não chatos. E para encará-los é preciso disposição, coragem etc. Fatores antes atribuídos apenas aos homens, mas já está claro q isso está bem distribuído nos dois gêneros.

          4. Houve um pouco de exagero na minha outra mensagem. Desculpe. Eu leio filosofia, então a história da chatice foi um argumento retórico. Obrigado por ter sido bem mais preciso que eu na abordagem.

          5. A minha implicância com o Papo de Homem é por causa da presença do Alex Castro. Tipo, é daquelas pessoas que é 8 ou 80. E o pior é que ou se ama ou se odeia ele. Acabei odiando-o.

            Como colocado pelo Fabio, o mal dele é que ele abraça uma bandeira, defende um lado e ataca o outro, recheado de sarcasmo e ironia (pelo menos nos primeiros textos que eu li dele, não sei como está hoje). Tipo, é para aquelas pessoas que amam serem diretas com as outras. O que para muitos que não gostam disto, é meio que ser estúpido.

            No começo da fase “zen” do PdH, muitos dos textos eram dele, e o pior é que ele que fez alguns textos polêmicos também, muitas vezes até preconceituosos. Pior é quando ele respondia comentários com violência.

            Eduardo também é direto em seus textos, mas não sou muito fã. Respeito-o e leio uma ou outra coisa. Do resto da trupe, só do Guilherme, Jader e Frederico. Mas justamente por ter implicado com algumas coisas é que a leitura lá é mínima, nula.

        2. acompanhei por algum tempo, acho que é muito cheio de frufru…de vez em quando tinha umas postagens legais de um cara chamado Eduardo Pinheiro, budista, meio alternativo, etc

          1. É, talvez o termo certo seja “frufru” mesmo. Ia usar afrescalhado, mas achei q isso pudesse dar a conotação errada. Vou dar uma olhada no texto desse Eduardo Pinheiro já q tenho grande admiração pelo budismo.

      3. Dois sites jornalísticos gerais altamente recomendados: BBC Brasil e El País. É o outro nível, muito à frente da grande imprensa brasileira. Se você é sensível à causa dos direitos humanos, eu recomendo também a Pública e a Ponte. São sites verdadeiramente jornalísticos, totalmente apartidários e com excelentes jornalistas.

          1. Eu não sinto isso não. Quem gosta de manchete caça-clique é o Brasil Post e obviamente o BuzzFeed Brasil (em ambos os casos, por influência de suas matrizes).

          1. El País. Esse eu acompanho e ele tem reportagens marcadas pela parcialidade.

            Nada contra ser parcial, desde que deixe isso bem claro.

    2. Caraca, Ghedin, que texto. Acompanho teu trabalho desde a época de MeioBit e acho que nunca tinha lido um texto teu nesse estilo. ahahahah
      Muito bom.

    3. Eu realmente gostei do tom intimista nesse texto, Ghedin. Foi uma leitura bastante agradável, sendo impossível não se identificar com a situação que ali ocorreu.

    4. Ghedin… quais outros blogs na mesma pegada do PdH que vc segue. de preferencia nacionais! Eu curto o VICE, que tem varias materias legais!

      1. Não me recordo de cabeça, @felipelima:disqus :/ Não leio muito sites nesse estilo. (E a Vice é um conglomerado que fala de tudo, né?)

    5. Eu havia lido o texto no meio da semana, foi bem legal.

      Mas aí, O podcast #GuiaSentimental vai ao ar quando? :) :) :)

    6. Não dá para usar o rodrigoghedin.com.br para estas coisas intimas? :p (Edit: sim, eu sei que dá – fui lá dar uma bisbilhotada :) ).

      Falando sério, o ponto é que noto que você já construiu o MdU neste formato de falar sobre techies e pessoas. O PdH já tem este formato atual deles – reflexivo e contemplativo, onde seu texto casou bem. A propósito, até hoje fico implicado de visitar lá… : Gosto dos textos de alguns, mas sinto uma imposição de ideias de alguns outros… sei lá…

      É como construímos o espaço que gera o resultado, né? Se fosse um texto que falasse sobre o Tinder e caísse na sua história, talvez ficaria legal :)

      1. Daria, mas ficaria meio reticente. Esse texto mesmo, que saiu no PdH, mandei para eles exatamente para ter um crivo externo, para que outras pessoas que escrevem sobre o assunto achavam legal/válido de publicar. Já fui muito mais aberto na Internet (e escrevi um monte de bobagens nessa), haha. Hoje estou mais consciente (embora continue escrevendo umas bobagens vez ou outra.)

    7. Quando li, nem sabia que era seu, depois que vi no seu Twitter. :)

      Acho legal esses textos, exigem uma exposição muito grande (que eu não teria coragem pro exemplo) e nos reconhecemos nesse tipo de situação. Por isso o engajamento. Realmente não caberia muito por aqui, mas começou muito bem…quem sabe você não faça algo de ficção futuramente?

      1. Adoraria, mas não tenho muita confiança ou mesmo ideias para ficção, crônicas, coisas assim. Mas sempre que surgir uma ideia tentarei escrever.

    8. Parabéns pelo texto e pela coragem @ghedin:disqus . Abrir-se desse jeito publicamente é para poucos.

  18. Já vi algumas pessoas, em posts ou podcast, falando que já dispensam antivírus ou usam apenas o Microsoft Security Essentials. E vocês, como fazem? Qual usam?

    1. Desde o Windows 8 eu não uso. Ou melhor, “não uso”, já que confio no Windows Defender que vem pré-instalado. Apesar disso, não recomendo a todos. Alguns ataques mais avançados, como o problema dos pen drives, páginas falsas de bancos e e-commerce e outros, só são barrados por antivírus mais avançados. E para quem é menos VERSADO em usar o PC, eles salvam o dia.

    2. Desde o Windows 8 eu não uso. Ou melhor, “não uso”, já que confio no Windows Defender que vem pré-instalado. Apesar disso, não recomendo a todos. Alguns ataques mais avançados, como o problema dos pen drives, páginas falsas de bancos e e-commerce e outros, só são barrados por antivírus mais avançados. E para quem é menos VERSADO em usar o PC, eles salvam o dia.

    3. Meio clichê, mas o melhor anti vírus é você mesmo. Faz uns 2 anos que não uso nenhum. Claro que passo um malware whatever a cada 3 meses ou quando me lembro.

      Mas faz muito tempo que não me lasco por conta de vírus. A última vez acho que foi em 2003 por ai ou antes.

    4. Desde o Windows 8 não utilizo antivírus no Windows. E utilizava, mas depois de ficar meses usando sempre que fazia uma varredura nunca encontrava nada. Fora isso, utilizo bloqueadores de conteúdo no navegador e conheço os sites que utilizo.

    5. Por precaução uso o Bitdefender. É bem leve e não fica enchendo o saco com propaganda.

    6. Li um texto há uns anos (infelizmente não me lembro quem era o autor ou mesmo o site onde li) em que um cara defendia que era perfeitamente possível usar windows sem antivirus. Uma das coisas que ele recomendava fazer era não usar, o tempo todo, uma conta de administrador que equivaleria, comparativamente falando, a estar logado 100% do tempo como root num sistema unix. Já pensei em experimentar, mas não uso windows com muita frequência, exceto no trabalho, onde não dá pra fazer essas experiências.

      1. faz uns bons meses que eu preparava os computadores dos clientes com uma conta de administrador usada apenas por nós e uma de usuario apenas para uso cotidiano.
        não adiantou nada! dava uns dias e já tava abarrotado de porcaria.

      2. A lógica é essa. Se usa um sistema operacional em um nível “capado”, ou seja, para a operação básica, é possível usar um sistema sem antivírus. Sistemas -nux (Linux, MacOSX e outros) e mais profissionais são assim.

        Só que o porém da história é que sistemas operacionais tem falhas, aproveitadas por muitos. Um antivírus analisa se o programa pode aproveitar alguma falha e já avisa dos riscos.

    7. usava o MSE mas nem eh tao confiavel assim. no trab o pc da empresa pegou aquelas pragas de Pen Drive!!! Aqui em casa to usando o Bitdefender!

    8. teve um cliente nosso que se infectou com cavalo de tróia que se espalhava por pendrive. ele mudava os arquivos por atalhos.
      encontrei a raiz dele na pasta do usuario/apps/roaming se não me engano…
      em fim, computadores com Avast, Avira, Malware Bites e Security Essencials foram afetados. não adiantou nada.
      zipei a pasta do danado na minha pendrive e pluguei no meu PC da empresa. na hora o Windows Defender do Windows 10 reconheceu a ameaça.
      a minha reação foi assim:
      ¯_(ツ)_/¯

      1. Pergunta: tais antivírus eram gratuitos, né? :p

        E isso é um virus até que comum e já vi clientes meus pegarem direto. O Paulo Higa tinha uma dica que passou e decorei para limpar rapidinho na linha de comando e na raiz :

        – del *.lnk
        – attrib -s -r -a -h /s /d *.*

        O ruim é que noto que ultimamente os vírus estão tentando modificar a “posse” de arquivos… :

        1. sim, gratuitos.
          só que essa dica ai nao bastava.
          como falei, eles ficava alojado em: pasta do usuario/AppData/Roaming

          lá ele ficava numa pasta oculta de nome aleatorio, tipo “hnuxbis”.
          dentro dela havia alguns executáveis e alguns scripts. os executtaveis criavam processos como “Microsoft Disk Manager” (algo que é dado como despercebido para alguns usuarios avançados) e quando finalizados reiniciavam o computador. portanto não adiantava usar o JRT ou desabilitar processos.
          Entrei em modo de segurança e exclui a pasta. Salvei uma cópia para verificar…., se eu encontrar (estou de ferias no momento) eu repasso aqui.

          1. Cara, para limpeza costumo pesquisar no Bleeping Computer ou Linha Defensiva para ver se existe algo similar ao que estou enfrentando. Já peguei casos parecidos com o seu.

            Geralmente, faço assim:

            – Uso o Autoruns para verificar o que está iniciando com o Windows. Se ele não abre, já sei que é virus fdp que bloqueia anti-virus e similares. Nisso tenho que entrar em modo de segurança.
            – Combofix para tirar malware comum
            – AdwCleaner para tirar propagandas
            – JRT para tirar Ask, Baidu e similares.
            – Na unha quando nenhum deles funciona.
            – Em último caso (ou dependendo do cliente, dos arquivos e da pressa do mesmo), reinstalo o Windows.

          2. foi no bleeping que conheci o jrt.
            sempre mantenho um backup do sistema inteiro. deu merda? faço um backup básico e a recuperação total do sistema. nao precisei mais reinstalar o sistema.
            até esse negócio dos autoruns eu tenho uns BAT que desabilitam eles do windows. então já é um problema a menos. o cliente que busque manualmente a pendrive. foda-se hahahahahah.

          3. É que eu trabalho com manutenção. Então mandar o cliente fazer as coisas, para mim, é perder dinheiro :p

            Falando sério, hoje ensino aos clientes algumas coisas para eles agilizarem. Isso faz eu focar em consertar quando precisar mesmo.

            Tou mais para “nerd da ajuda” do que para “técnico”. Consultor de informática, se preferir. Na verdade, nunca consegui definir o que eu faço. Alguns vão falar que eu sou concorrente do “sobrinho” (já usei isso), outros (geralmente bab***) vão falar que sou “prostituto” (porque cobro barato) (Diz um filósofo que quem se põe a venda para qualquer coisa, de fato é um prostituto, não só quem vende sexo :p )… mas sei la´…

          4. é só o cara saber fazer umas coisas que a galera já chama pra qualquer coisa. ontem estava doando sangue e uma amiga me chamou pedindo ajuda pra um scanner.
            só que a gente sabe das coisas por que pesquisou, oras, bastava o usuario pesquisar que iria aprender tambem, hehehe

    9. Avira. Sinceramente, meio “visão bobo-alegre”, acompanho por cima o AV Comparatives e ele sempre está no topo. Como a versão gratuita funciona bem, é a que eu uso e indico ao alheio. Tirando as propagandas eventuais, de resto, funciona muito bem e barra adwares básicos no modo free.

    10. para usuários leigos acho indiferente usar antivírus, o sistema vai pegar vírus de qualquer maneira, afinal, vírus novos estão constantemente aparecendo…tenho certeza de que a maioria dos comentaristas aqui já teve que “consertar” máquinas de familiares com anti-vírus mas cheia de malwares

  19. @ghedin:disqus não tenho visto o botão de compartilhar pelo WhatsApp no celular (continuo com o Moto X1, Lollipop, Chrome), você tirou?
    Outra coisa, sabe se é coisa do Disqus ou do sistema mas no celular não consigo fazer a citação como fiz agora. Estou escrevendo pelo Chome no Windows.

    1. É, estou respondendo do G4, no Chrome, e não aparecem os nomes ao colocar a @…

      Sobre o botão do WhatsApp, é de lua. Agora que tem uns desenvolvedores dando uma força ao Manual, vamos mudar esses botões. Em breve :)

  20. Quais programa vocês utilizam no Windows para ouvir música? Queria um que tivesse integração com Podcasts e tivesse uma interface leve e organizada. Já usei o iTunes, mas tem várias coisas que atrapalham.

    Alguém tem uma boa indicação.

    1. Há muuuuito tempo, quando ouvia MP3 no computador, gostava bastante do foobar2000. É leve e personalizável, então você deixa a interface como quiser. Só (acho que) não lida com podcasts, mas é complicado achar apps desktop para isso.

      1. Eu sou do tempo do Winamp.

        Winamp, mIRC e kazaa abertos…desceu uma lágrima agora.

    2. O que eu tinha de mp3 apaguei. Não vejo mais sentido ter esses arquivos comigo se eles estão na nuvem por algum serviço de streaming.

    3. Pra ouvir MP3 uso a interface web do meu servidor Plex. Ele faz pra mim a identificação das músicas e das capas dos álbuns automaticamente. E ainda deixa acessível tanto em rede local quanto pela internet. Em relação a podcasts, uso o site do PocketCasts mesmo. Pq ele sincroniza com o aplicativo do celular. Apesar de cobrar 9 dólares pra te deixar usar. O bom é que pagou uma vez, fica liberado pra sempre (ou até a empresa deixar de existir).

      1. Já usei o Plex, mas devido a problemas achei um substituto melhor de streaming.

        Não sabia que o PocketCasts fazia isso na web. Obrigado pela dica.

  21. Alguém aí voltou para a versão anterior do Windows 10 depois de atualizar?

    1. Caramba, nem recebi a atualização e já tem gente voltando?
      Não estou com pressa dessa vez. Vou aguardar chegar para mim calmamente…

      1. A reserva do Windows 10 foi uma furada da Microsoft. Além dos problemas para atualizar, quando o download tinha qualquer erro tudo baixado era perdido.

        Se for atualizar, recomendo utilizar um pendrive. Assim se acontecer qualquer erro na instalação, você não terá que refazer o download.

        1. Eu tenho um Dell e estou querendo fazer uma instalação limpa para tirar todos os programas que vem instalados, mas muitos recomendam que faça a atualização antes por questão de sincronismo da chave. Mesmo assim tem como fazer pelo pendrive?

          1. A instalação pelo pendrive permite sem nenhum problema manter todos os recursos. Você fará a instalação limpa apenas se quiser, pois existem as opções no programa disponibilizado pela Microsoft.

            Você precisa manter seus arquivos, para não perder a chave. Depois de ter a licença ativada, no próprio Windows 10 é possível apagar as coisas antigas e realizar uma instalação limpa.

    2. Sim. Meu teclado e mouse ficavam malucos de cinco em cinco minutos e não houve solução. E outras esquisitices q não tinha tempo de compreender. É melhorar esperar. Voltei pro win7.

      1. Voltei para Windows 8.1, pois é bem mais leve que o Windows 10. Recomendo você testar depois se puder.

        1. Realmente, há sistemas e sistemas. No meu notebook o Win8 e 8.1 era impraticável! Assim que instalei o insider preview já notei a diferença. Está bem estável e mesmo sendo um notebook de 2009, ainda roda redondo.

        2. Realmente, há sistemas e sistemas. No meu notebook o Win8 e 8.1 era impraticável! Assim que instalei o insider preview já notei a diferença. Está bem estável e mesmo sendo um notebook de 2009, ainda roda redondo.

          1. Tive uma péssima experiência no Windows 8. Com o Windows 8.1 não tive mais problemas e ele é acima de tudo bem leve.

        3. É… não tinha como usar o win 8.1. Quero a grana de volta q a Dell cobrou por esse sistema. Eu tenho o win7 e eles não me deram a opção de comprar sem… Tinha, pq atualizei pro 10, no note da minha esposa e não gostava nem um pouco… O windows 10 no sony vaio dela está funcionando super bem.

      1. ChromeOS é do caralho!, tenho usado um Samsung ChromeOS2, e cara, depois que você se conscientiza do que ele faz e o que ele não faz, isso já tem que ser sabido antes da compra. Mas tudo funciona, me lembra até um notebook de fruta, facilita muito se você já usar os serviços do Google, e em minutos você tem todos seus apps e está tudo pronto. Vale ter um Desktop/Notebook mais potente, mas realmente ele substitui 90% do meu trabalho administrativo, e deve atender 100% dos usuários domésticos que não querem jogar.

  22. Só acho que a definição que o Ghedin usa para o post totalmente errada:

    “trata-se de um post (este!) sem conteúdo

    Ele tem muito conteúdo, só que de cabeça pra baixo.

    1. Aliás, é tanto conteúdo que fica complicado para mim acompanhar.
      Pelo meu trabalho, não posso ficar o tempo todo no celular lendo os comentários e muito menos deixar o site aberto o dia todo e acessar ele de tempos em tempos…
      Ainda bem que tenho ficado em casa nas sextas para reduzir o banco de horas…

    2. É uma forma legal de ver a coisa, e concordo contigo :) Mas quando digo que o post é sem conteúdo, o segredo está no “post”, a parte de cima da página. Ele não tem nada mesmo, haha

  23. Algo tem martelado minha cabeça aqui..

    Vendo os posts “mesa de trabalho”, achei que o pessoal do home office era pouco no brasil. e, ao contrário, uma grande maioria trabalha em casa (ao menos dos leitores aqui do site).

    interessante que até hoje nunca encontrei uma empresa que tivesse tal flexibilidade.

    Quais as dicas que os srs poderiam passar? Que tipo de trabalho vocês fazem pra conseguir esse estilo de vida?

    1. Não é uma questão apenas do tipo de trabalho, mas da empresa em que se trabalha.
      Claro que empresas com empregos mais novos ou empresas com uma mente mais jovem isso fica mais fácil.
      Empresas de tecnologia, desenvolvimento, por exemplo, são mais abertas para isso, mas também existem empresas “mais tradicionais” que oferecem o home office. Não a semana toda, mas algum dia. O que já é muito interessante.

    2. O forte disso é a área privada, mas tem se expandido bastante no setor público.

    3. Bruno,
      Sou Engenheiro Civil e trabalho na área de projetos, por enquanto ainda trabalho em casa, mas to esperando o mercado estabilizar para montar um escritório fora.
      Home office tem seus lados bons e ruins.
      Contra
      – Você tem que ter muita disciplina para manter o foco no trabalho e não querer tirar aquele cochilo depois do almoço, além de não ter ponto para bater,então você não tem horário para começar e acabar o dia.
      – No meu caso como lido com clientes, nem sempre é bom trazer clientes para dentro da sua casa, não passa um ar de profissional, dependendo do cliente tento marcar em local público ou no próprio escritório da empresa ou no local que querem viabilizar o empreendimento.
      – Como você não tem que bater ponto, você teoricamente você não tem hora para começar e acabar o dia e isso pode atrapalhar um pouco.
      – Você sempre vai estar pensando no trabalho, mexendo no pc ou algo do tipo, o problema é fds, as vezes você não quer, mas quando vê, já está trabalhando.
      – Perde a privacidade de casa.

      Prós
      – Flexibilidade de horário (algo que acho muito bom, mas, pode atrapalhar também);
      – Você trabalha confortável, não precisa andar arrumado todo dia, a não ser no meu caso quando tenho reunião ou vou sair para resolver algo;

      Bom, esse é meu ponto de vista, se for lembrando de mais algo acrescento posteriormente.

      Abraço.

    4. acho q trabalhos “criativos” (projetista, design, etc) ou que cuidam na area social midia.. esses devem ter tendencias ao home office!

    5. Bom, eu coloquei minha mesa de casas apenas porque é onde eu consigo deixar as coisas do jeito que eu gosto. Eu não faço home-office rotineiramente, a empresa deixa mas por hora não é vantajoso.

      Não se se fui o único, mas é que pensando em algo para mostrar como eu trabalho…prefiro a mesa que eu montei em casa do que a do trabalho que tanto os equipamentos quanto o layout não foram escolhido por mim.

  24. @ghedin:disqus Já pensou em abrir uma coluna colaborativa semanal ou quinzenal, para que os usuários/ leitores, falem sobre assuntos que os competem, porém aleatórios. Como forma de curiosidade e engajamento por parte dos leitores.

    1. Não precisa ser periódica. Qualquer leitor que tiver uma ideia legal de pauta ou um bom texto pronto pode entrar em contato e aí conversamos para publicá-lo aqui :)

      1. Escrevo muito mal para poder divulgar algo, mas gosto de ler, então fica a dica, para quem se interessar.

  25. Recebi há uns dias atrás convite para testar o beta do Modo Carreira do FIFA 16 no Xone.. Alguém mais recebeu?

  26. Bom Dia Galera. Estou procurando pra comprar Cartão de Memória Classe 10 16GB. Alguém conhece uma boa loja com baixo custo pra comprar? Olhei no Submarino, Kabum, etc…

        1. Desconcordo. No DX quando é “similar” está descrito…
          No Ali realmente é mais complicado.

    1. Cara, comprei o meu em loja especializada em fotografia. Procura na sua cidade se não tem loja desse tipo.

    2. O melhor lugar que já encontrei foi no Mercado Livre. SD de 32 GB, classe 10 por R$ 39,00. Só que foi ano passado. Lá tem bons vendedores, mas precisa ter cuidado.

    3. O melhor lugar que já encontrei foi no Mercado Livre. SD de 32 GB, classe 10 por R$ 39,00. Só que foi ano passado. Lá tem bons vendedores, mas precisa ter cuidado.

      1. é, comprando de loja grande já fico com o pé atrás… Aliexpress e Mercado livre, sem chance… rsrsrs

        1. Você não deveria pensar assim. Problemas existem em todas lojas. O Mercado Livre tem um bom sistema para saber quando o vendedor é sério. Fora que tem de fatos boas ofertas. Recomendo você pesquisar.

          Lembro que tinha ido há um shopping e encontrado SD de 32 GB até por R$ 250.

          1. Sim, estou pesquisando bastante. É que se for pra comprar no Mercado Livre, pra mim, compensaria mais comprar na Santa Ifigênia. É que fico receoso em comprar lá, pq quem me garante que as configurações são as que estão descritas na embalagem? é complicado. E por ser uma diferença não muito grande, prefiro comprar em lojas de confiança.

          2. A diferença de preço entre os vendedores do Mercado Livre e os da Santa Ifigênia é imensa. Eu chuto uns 30%. O que garante que as especificações da caixa estão corretas é a reputação do vendedor. Já comprei mais de 50 coisas no Mercado Livre e jamais tive qualquer problema, porque antes de comprar eu analiso com calma a reputação dele (uma dica: verifique como ele responde às avaliações neutras ou negativas). E eu já comprei pen drive na Santa Ifigênia que depois eu descobri que era falsificado, por causa do preço abaixo do preço americano. Levei de volta lacrado e pedi o dinheiro de volta. Pra me pressionar, ele abriu a embalagem do pen drive tentando não me devolver o dinheiro, e é só o fez porque eu ameacei chamar a polícia. A Santa Ifigênia é uma farsa. Só se encontra o mainstream do mainstream e tudo caro.

          3. Na Santa Ifigênia, 25 de Março e similares, costumo fazer assim:

            – Loja boa é aquela que já fica há muito tempo na região. E eles tem um preço bem justo, nem muito baixo, nem muito acima.

            – Galerias tem muita variação de lojas, mas tem pontos tradicionais. Prefira sempre estes.

            – Sempre diga que não tem tanto dinheiro, ou só está olhando. Isso já afasta “desesperados”.

            – Nem a pau confie em carinhas anunciando lojas. Loja boa não fica gritando na rua para todos saberem. É aquela que no boca-a-boca o pessoal elogia.

            Na 25 de março, a maioria das galerias trabalha com piratarias e ilegais. Difícil confiar lá, exceto para produtos que se sabe que não acha mais original no mercado.

            Na Santa Ifigiênia, diminuiu bastante os falsários. Até porque os próprios comerciantes por lá hoje se fiscalizam mais.

          4. A Santa Efigênia é muito boa para se comprar, só que tem fazer a mesma coisa que se faz no mercado livre, tem que pesquisar quais são as lojas que valem a pena ir e comprar, lá tem muito 171 assim como tem no ML, é só pesquisar.

    1. manual, macmagazine, tecnoblog, ign brasil, meiobit, g1. de fóruns > hardmob, outerspace e adrenaline.

    2. Para ser sincero, o único site que eu realmente acesso é o Manual. Os outros eu costumo acompanhar pelo feed e não sou muito de comentar.
      Mas gosto muito do trabalho do Ghedin e a galera aqui é bem bacana de conversar.
      P. S. : por que pelo celular, uso um Moto X1 e acesso o site pelo Chrome, não consigo citar uma pessoa? No Windows, também uso Chrome, é só colocar o @ que a lista já aparece…

      1. De fato, tenho notado que acesso bastante o MdU — sobretudo por causa dos comentários, que em geral são bons. Acho que o MdU contraria a regra básica da internet.

        1. Como já falei outras vezes, o Ghedin sabe cultivar as coisas aqui. Tanto é que quando pensei ia chegar o pessoal bagunçando, semanas depois não há muito deles por aqui, e eles comentam de boa e sem bagunça. :)

          Geralmente, quando o site não há tantas visitas ou o pessoal pensa antes de comentar, os comentários viram um espaço bacana, um fórum bem aproveitado.

          Quando é um espaço com trocentas visitas, uma visibilidade alta e é difícil de controlar, o resultado é que fica difícil de manter os comentários. Mas depende muito também de como isso é visto, até porque com comentários ruins ou não, é uma audiência e isso tem valor.

    3. Só acesso Manual mesmo, fora as redes sociais, o resto eu acompanho as noticias pelo feedly etc.

    4. Bom, eu vejo diariamente os seguintes:
      – MDU
      – Papo de homem
      Já vejo outros que não postam sempre, mas gosto do conteúdo são:
      – Mude.nu
      – HackLife
      – Nesta.org.uk

    5. Tenho acessado os seguintes sites com certa frequência: el pais brasil, folha, archdaily brasil (arquitetura), ponte (direitos humanos), algum site com notícias sobre o palmeiras, rdio, theguardian (especialmente cinema), observador (portuga), alias (estadao), carta capital, veja (mas com asco de certos colunistas), bbc (brasil e internacional), the atlantic (tem matérias longas e muito boas), vox, the verge, wired, revista piaui, vice (brasil), blog do ims, lifehacker, arquitetura da informação (ótimo site de ux), scielo (acadêmico), revista cult, cmais (da tv cultura de sp), livros & prosa (do ‘o globo’), revista zum (fotografia contemporânea), agência pública, fique sabendo, vá de bike (e vários outros do tipo), revista pesquisa fapesp, polygon (games) e mais uma pancada q eu fico de olho. vou salvando no pocket e lendo aos poucos o q me interessa.

    6. Tecnologia, em ordem de quantidade de visitas:

      – Manual do Usuário
      – Gizmodo (sim, voltei a visitar :) )
      – Tecnoblog
      – (Guia do) Hardware
      – Inovação Tecnológica
      – Info (Abril)

      Veículos
      – Motonline
      – Carplace
      – Carsale
      – Quatro Rodas

      Jornalistico
      – UOL / Folha
      – G1
      (O Estadão tem paywall hoje bem chato… na hora que minhas contas melhorarem, quem sabe?)

      Entretenimento
      – Youtube
      – Crunchyroll
      – JBox

      Fora outros.

    7. Quora
      Tecnoblog
      Webdesigner News
      Lifehacker
      MeioBit
      B9
      E unns blogs que sigo no feedly

      Quero parar de acessar o UOL e substituir por outro site de notícias, ou parar com notícias em geral. Seguirei a dica da BBC Brasil e El País.

    1. Acho engraçado como todos esses comparativos acabam analisando apenas as novidades das últimas duas versões, quando há 20 anos de caminhos diferentes: não será bom usar OS X para jogar por exemplo, assim como não será bom usar Windows para mexer com desenvolvimento open-source. Isso falando de coisas “grandes”, mas há detalhes no uso de cada um que somando tudo podem deixar o uso de um ou de outro mais agradável para as suas necessidades.

      Para usuários comum, meio que está tudo na mesma, mas se for olhar para tudo precisariam fazer uma bíblia de comparativo. :p

    2. antes eu me importava, mas hoje acho besteira.
      acho que OSX e Windows não são concorrentes. Alias, mesmo usando linux, me atrevo a dizer que não há concorrente para Windows em PCs. é o sistema dominante a 2 decadas! Em alguns paises a Apple e o Linux podem até ter algum marketshare maior, mas longe de ameaçar o dominio da Microsoft em computadores pessoais.

      1. Li esse ano uma matéria sobre o Macbook já ter aproximadamente metade das vendas de novos notebooks nos Estados Unidos.

        Até alguns executivos da Microsoft já afirmaram que preferem usar Macbooks.

        1. até o Windows funciona melhor num macbook, hehe
          mas pelo Statcounter a “briga” está assim:

          1. O ruim é saber que as fabricantes com Windows raramente investem em uma máquina com acabamento e tela como o Macbook.

            Até a Samsung que tem potencial para isso, deixa muito a desejar.

          2. Eu tive um Samsung Série 9. A construção dele era praticamente perfeita. Era mais leve que o MacBook Air e era muito poderoso, embora pecasse na impossibilidade de qualquer upgrade. E custava a metade do preço do concorrente da Apple.

          3. Lembro dessa série, mas se não me engano a tela não era nem Full Hd. Hoje em dia o padrão mínimo deveria 2K, para notebooks.

          4. Desde 2013 o Series 9 (ou ATIV Book 9, como é chamada agora) tem telas Full HD e até maiores. A versão atual, por exemplo, de 12,2″, tem resolução WQXGA (2560×1600).

            O meu é de 2012, e mesmo para essa época a tela é legal (1600×900) :)

          5. o pior é que eles conseguem fazer excelentes notebooks, mas nao conseguem competir contra o peso da marca ‘Apple’

          6. A marca é muito importante, mas falta mesmo é qualidade.

            Normalmente o plástico domina e mesmo quando não, sempre tem uma tela inferior ou bateria ruim (vide a nova linha de tablets da Sammy, Tab S, que agora vai ter acabamento top só que a a bateria é a metade de um iPad).

        2. Respondendo a todo mundo num comentário só: Já começaram a surgir esses comparativos. Passei por um hoje, não lembro onde mais, porque nem perco tempo lendo. O OS X, de uns tempos pra cá tem caminhado numa direção que não me agrada. Lembro que até o 10.5, o sistema era gostoso de usar! A filosofia da interface, o jeito com que os programas se integravam ao sistema, a estabilidade e confiabilidade, o poder de um sistema unix com a facilidade de uso de uma interface agradável. A partir do 10.6 começaram a apostar na burrificação do usuário ao comprometer algumas áreas do sistema em prol de uma facilidade simplicidade exagerada. Manter o sistema simples é uma coisa, matar determinadas funções sob o pretexto de que ele vai ficar mais simples é outra. Nunca migrei pro 10.10, por exemplo, e ou protelar para migrar para o 10.11 quando for lançado, mas sei que uma hora não vai ter jeito. Sinceramente ando flertando com o windows 10. A Microsoft do Nadela tem se parecido mais com a Apple do começo dos anos 2000 e a Apple do Cook parecida com a Microsoft do fim dos anos 90. Quanto aos notebooks, o que creio que ainda faça os MacBooks os campeões de venda lá na civilização é o fato de que não existe uma concorrência de peso contra eles: acabamento, teclado retro-iluminado, tela com boa resolução, trackpad gigante e multitoque (e um sistema que faça uso dele), boa duração de bateria tudo numa mesma máquina.

      2. Tirando as grandes empresas, acho que essa dominância do Windows tem bem menos valor real para a Microsoft do que parece pela força da Apple no mercado high-end.

        Preciso me atualizar um pouco no mundo Windows, não usei o Windows 8 e o Windows 10 parece que está indo bem, mas acredito que a Apple está em uma situação bem confortável. Suas vendas crescem e, achismo meu, acredito que os usuários costumam ficar extremamente satisfeitos com os Macs em geral.

        Eu uso uns 4 aplicativos que não tem versão para Windows, nas quais as alternativas são inferiores. Teriam mais se eu estivesse disposto a investir mais dinheiro em algumas ferramentas que optei por soluções mais baratas. Ou seja, apesar de ter 90% > de market-share, pensando em plataforma não tem se mostrado uma vantagem competitiva tão relevante.

        Com tudo virando web-app, o futuro do Windows é bem menos promissor que seu passado. Para a Apple, não muda muito a situação, de certa forma outras coisas acabaram ajudando seu modelo de negócios: computadores duram cada vez mais e a portabilidade se tornou uma característica preponderante.

        1. Dependendo da área com que você trabalha, lá fora, os macbooks são quase lei, ai os devs nem investem em alguns apps para Windows, além do fato da pirataria comer solta no Windows.

          1. Eu trabalho em uma “venture builder” de startups aqui em São Paulo e a realidade já é apenas Macs para os desenvolvedores e designers. Se não fosse Mac, provavelmente seria Linux para ter um ambiente mais parecido com os demais.

          2. desenvolvedores web realmente só usam mac, mas para software corporativo o padrão é windows

        2. O último parágrafo do seu comentário destaca um ponto que muitos ignoram ao falar de marketshare e plataforma dominante: desde o início dos anos 2000, a web tomou o lugar do Windows como base para as principais aplicações.

          O Windows só não perdeu tanto espaço naquela época como viria a perder depois, para Android e iOS, porque a web precisa de um navegador e esse, naquele momento ainda dependia de um sistema mais complexo/de baixo nível para funcionar e o Windows todo mundo já tinha.

          Tanto foi assim que, quando o Firefox apareceu, com uma proposta e execução melhores que as do Internet Explorer, caiu nas graças do povo e o IE jamais recuperou a hegemonia que só havia conseguido impulsionado pela força do Windows nos anos 1990 e a falta de concorrentes, tanto em sistemas operacionais quanto em navegadores.

          1. o firefox não “apareceu”, foi uma evolução (embora disruptiva) do netscape…acho que o internet explorer perdeu espaço simplesmente porque era muito ruim (alô IE6, estou falando com você)…agora, o que me surpreendeu mesmo foi a grande aceitação do chrome, em tempo recorde

          2. Acho que a aceitação do Chrome se deu muito por conta dos serviços do Google. A marca tem peso e algumas novidades muito bem vindas nos serviços apareciam primeiro no Chrome.

          3. Sim, era um Mozilla mais leve e sem os apps de e-mail, IRC etc. Mesmo assim, uma hora ele “apareceu” ao grande público, né? Versão 1.0, anúncio de página dupla no New York Times financiado pelos próprios usuários etc.

  27. Galera uma dúvida que me aflige a muito tempo.

    Se
    o USB 3 (e até o 3.1) é retrocompatível com o USB 2, porque os fabricantes de
    placa-mãe ainda insistem em lançar placas-mãe com poucas portas usb 3 e várias
    usb 2.

    Pesquisando, não achei nada que falasse sobre
    os royalties do usb3 serem superiores ao do usb2.

    Queria entender o porque de ainda acontecer
    isso.

    Não seria mais fácil (e até cômodo tanto para o
    usuário, quanto para a fabricante) já lançar o produto com todas as portas no
    modelo mais atual?

    1. simples. porque essas mesmas fabricantes vendem placas mais caras, essas sim repletas de usb3.

    2. Primeiro é mais caro.

      Segundo, existem problemas de compatibilidades.

      Por esse segundo motivo, pode notar que muitos fabricantes que utilizavam USB 3.0 em modelos antigos, não usam mais em novos produtos.

      É quase a mesma coisa que acontece com o bluetooth e suas versões.

    3. 1 – Existem problemas de compatibilidade. Por exemplo, você só consegue instalar o Windows 7 através de uma porta USB 3.0 se for uma versão modificada com driver específico pra ele.

      2 – Os fabricantes de placas-mãe dependem basicamente da Intel para colocarem mais portas USB 3.0, porque é caro colocar um chip separado (além do chipset) para prover mais saídas (e é por isso que isso só é feito nas placas-mãe mais caras). E a Intel infelizmente tem sido um pouco lenta na adoção especificamente do USB 3.0.

    4. O chipset é mais caro, além de problemas de compatibilidades, Vai demorar anos até as placas adotarem o 3.0, se as empresas forem espertas elas vão direto para o 3.1, de preferência o type-C. Além de não ser necessário o 3.0 ou 3.1 para a maioria dos dispositivos, como mouses, teclados e os periféricos em geral não usam tanta banda e energia. Só vejo o USB 3.0 com 5GB/S para SSDs, de resto não tem muito uso.

  28. Galera uma dúvida que me aflige a muito tempo.

    Se
    o USB 3 (e até o 3.1) é retrocompatível com o USB 2, porque os fabricantes de
    placa-mãe ainda insistem em lançar placas-mãe com poucas portas usb 3 e várias
    usb 2.

    Pesquisando, não achei nada que falasse sobre
    os royalties do usb3 serem superiores ao do usb2.

    Queria entender o porque de ainda acontecer
    isso.

    Não seria mais fácil (e até cômodo tanto para o
    usuário, quanto para a fabricante) já lançar o produto com todas as portas no
    modelo mais atual?

    1. Como usuário de tablet Android, te recomendo seguir buscando os iPads. O iOS definitivamente é melhor nesse sentido. Estão saindo agora uns conversíveis Windows muito bons, também, e que permitem instalar programas .exe (corra dos Windows RT, se ainda existem), mas não sei como é o gerenciamento de bateria.

      Quando você diz acesso a internet, quer dizer por meio de redes móveis? Porque todo tablet tem acesso a internet, mas nem todos tem 3G/4G.

    2. Testei o Nexus 7 (ambas as versões), 9 e 10. Sempre acabo voltando pro iPad, não só pela bateria insana e qualidade do aparelho, mas também pela quantidade de acessórios disponíveis pra ele.

      Acaba sendo o tablet que recomendo para qualquer pessoa.

    3. excelente esse ai.
      se for de android eu recomendo o LG V500 (se voce ainda acha-lo)….

      1. Eu tenho um desses. É um bom aparelho, mas tive q atualizar o Android eu mesmo e a bateria dura um dia se vc não abusar. Isso te obriga, então, a andar com um power bank.

        1. é o unico que me interessou até hoje, mas nao comprei por que ainda nao vi utilidade para um tablet no meu dia a dia.

          1. Cara, fora do assunto, mais a série “Bojack Horseman” tá indo muito bem na falta do “Ugly americans”.

          2. estavam me falando que a série chega a ser bizarra. eu to só esperando fechar a fatura do cartão pra assinar Netflix. Antes eu dividia com os amigos, mas ai eu me mudei do apartamento.

          3. Hum… Não achei depressiva não. Bom, acho aquelas situações tão normais q me parecerem aceitáveis. Mas no “the verge” saiu um texto falando da ênfase na tristeza da série…

          4. Bojack Horseman é um soco no estômago que você corre o risco de nem perceber. Ela disfarça a depressão do personagem principal com o nonsense de pessoas-animais e um humor legalzinho, e nada mais. Mas na real é muito deprê. Na segunda temporada fica mais evidente e, infelizmente e ao mesmo tempo, ela apela para um humor mais rasteiro. (A crítica do The Verge é bem boa para apontar esses desdobramentos.)

          5. Ainda estou na primeira temporada… Hum, mas tenho achado bem legal, na verdade e nem um pouco depressiva. A acho bem divertida, pq me lembra várias coisas, mas, em especial, um filme do Nicolas Cage (“o” ser decadente de Hollywood), chamado “Vício frenético”… Não que eu me satisfaça com desgraças ficcionadas, mas… é só um cavalo beberrão q faz muita merda como qualquer um poderia fazer numa situação daquelas, não?

            E, por curioso, tb me lembra um pouco o protagonista do “São Paulo SA”, do Person, qdo ele vai até a casa da amada e, bebâdo, faz um escândalo pra ela aparecer (ela não aparece) no portão – é triste, mas divertido. Bem, mas ele sofria de outras coisas mais pesadas q o Bojack, diga-se (a transição de uma época). Fora q há personagens bem mais depressivos em “Madmen”, por exemplo (onde a coisa é bem pior para os personagens, eu acho)…

            Um contraponto q eu vejo ao Bojack é no “Hora da aventura”. Sim, é uma série dita juvenil – q é a coisa mais maluca q eu já vi na vida em termos de inventividade e referências – e, bom, há um personagem ali chamado “Rei Gelado”, q é um ótimo retrato de um ser solitário em temos de alegria em estado puro. Esse sim é depressivo… Mesmo sendo apresentado a um público juvenil q provavelmente o vê como apenas um cara trapalhão…, a qual a série se destina (apesar de achar q ela não é para crianças e nem para adolescentes e sim para adultos).

            Enfim, deixei separado o texto do “The Verge” pra ler daqui a pouco.

          6. Ah, você ainda não viu tudo. O começo é meio light (e o penúltimo episódio é hilário), porque mostra um astro decadente fazendo maluquices. Mas essa frase resume bem o a série: “it’s a story about genuine depression: the relentless cycle of self-sabotage that produces universal alienation.”

            Hora da Aventura é bem legal, e o Ice King é deprê também :(

          7. Acabei não encontrando a referência, mas o autor do “Demônio do meio-dia” (um livro sobre depressão), o Andrew Solomon, ficou espantado com o sucesso do livro dele no Brasil… Ele achou curioso esse tema interessar tanto (e vender tanto) num país associado (queiramos ou não e muitos compatriotas dão mil motivos pra acharem isso, tirando aquela louca que se esfaqueou na suécia e disse q foi vítima de um ataque racista ou algo assim) à alegria e felicidade infinitas. Eu ainda estou bem longe de ver essa depressão toda q autor diz ter colocado no desenho e no personagem do Bojack (outra referência mais interessante: “Encontros e desencontros”, com o Bill Murray meio q fazendo ele mesmo em fim de carreira), mas como é só um show e tem q forçar no caricato pra ter o efeito desejado, pode até ser… Mas eu acho q há algo na interpretação ou, desculpe o trocadalho, na dosagem que nos diferencia bastante dos gringos: eles se referem a todo momento ao “lado escuro”, mas eu acho q eles, os autores, não desceram ao inferno pra valer pra terem essa percepção, pq não deixam isso claro no show. Podem ter vivido em Hollywood e visto o vazio das celebridades e da riqueza, mas esse vazio está por todo lugar e lá talvez seja só um lugar meio mais besta q o resto, por concentrar tanta celebridade, como seria o Rio com seus funcionários da Globo frequentando o mesmo bar q vc, mas, ok, vou ver mais e dar um crédito ao autor (q estranhamente diz gostar de Friends…). O “Rei gelado” ainda é o personagem mais deprimente q eu posso ver ligando o Netflix. Os demais estão tentando…

          8. Hum… Não vi bizarrices não. Mas vale ver. O primeiro episódio é fraco, mas vai melhorando um pouco.

          9. Hum… Não vi bizarrices não. Mas vale ver. O primeiro episódio é fraco, mas vai melhorando um pouco.

          10. TB nao via muita utilidade, mas pra ler é bem melhor q no cel. Agora vou fazer o teste de levá-lo na aula pra substituir o caderno. Mas precisei de um teclado físico pra facilitar…

          11. tens razão a trequice, mas o preju seria maior se me levarem a mochila num assalto, além de dados pessoas q acabam ficando na máquina de um jeito ou de outro…

          12. para ler, acho que um celular grande é melhor que um tablet, e além disso é um gadget a menos para carregar

          13. Pode até ser, mas eu gosto de celular menor e esse Moto G de primeira geração q eu tenho está no limite. Agora todos os outros são grandes demais… é pra usar como GPS, mas no dia a dia, prefiro menores mesmo. O tablet vai ser uma experiência pra anotação em sala de aula, mas eu o uso pra ler o q salvo no Pocket e os livros comprados via Kindle.

          14. Também não achei. Joguinhos bestas vai no cel mesmo. O resto das coisas que faço, exige mais que um tablet. Ai acabo usando o note mesmo.

            Leitura, quando dá tempo, uso o note mesmo ou o cel. Mas tem tempo que penso em comprar um kindle. Talvez no fim do ano compre um, quem sabe..

    4. tablet android.. de preferencia acima de 2 GB de RAM!.. se for um samsung pelo menos 3 de RAM

      1. Também não é assim. Tenho um Tab Pro, por sinal respondo essa mensagem por ele e não tem nenhum problema da RAM com 2GB.

        A Samsung tem uma boa ROM para esse modelo por sinal.

        Existe muito exagero em relação ao Android.

        1. sei la. nao curto muito o TW.. normalmente os apps da samy ocupa consome memoria no segundo plano!

        2. sei la. nao curto muito o TW.. normalmente os apps da samy ocupa consome memoria no segundo plano!

    5. Obrigado a todos pela resposta.

      Acabei comprando aquele mesmo da propaganda.

      Abraço a todos.

    1. Não entendo a utilidade/necessidade de apps de tempo. Pergunta ingênua mesmo: não é só olhar pela janela?

      1. O importante é o fator previsão, ou seja, como o tempo estará daqui a algumas horas. Aí você se programa — levo o guarda-chuva? Vou de carro? Saio mais cedo? Lavo a roupa hoje ou deixo para amanhã, quando a previsão diz que fará Sol? É bem útil sim.

        1. Para quem acorda as 5:30h da manhã e sai para trabalhar e só volta as 19h isso a previsão de como estará o clima é fundamental. Pouco me importa o que a janela mostra quando eu nem estou vendo o sol ainda…
          :P

          1. exato. eu só uso o google now pra pedir a previsao do tempo enquanto acordo do coma.

      2. Abrir a cortina leva o mesmo tempo que olhar o app! E olhar a janela não diz o quão frio/quente está! Também não sei a velocidade e drieção do vento olhando a janela, e para mim isso faz toda a diferença. Pedalar contra o vento é foda, e me faz ter que sair mais cedo de casa!
        Fora as previsões futuras né…

      3. Cara, aqui em natal, nessa época do ano, não se pode confiar em janela. principalmente eu que saio as 7h e só volto as 19h. A previsão pro dia todo ajuda.

        agora no resto do ano é sol o dia inteiro.

        srsrs

      4. Pra quem pedala ou faz um percurso maior a pé, é fundamental. Aqui em SP eu já ando preparado pra chuva e frio todos os dias, com exceção do verão, q dificilmente faz frio. Mas o mais importante é ter uma previsão do quanto vai chover, pq se for uma chuva ou chuvinha, ok. Mas às vezes aqui chove tanto, q fica difícil circular de bike ou a pé.

      5. eu uso o Yahoo tempo só porque acho o ícone “bonitinho” Mas sei que ele fica o tempo inteiro em segundo plano e seria mais prático criar um atalho do Climatempo na área de trabalho.

    2. Uso o Widget do G3 e ele é incrível. Tanto a previsão do tempo como várias outras coisas aparecem. Por exemplo, se vai chover ele traz alguma recomendação. Quando um aplicativo gasta bateria em excesso ele avisa o percentual que ele usa da bateria – o bom disso é saber o que está mal otimizado e evitar usar.

  29. A motorola escorregou no lançamento da semana?

    Moto G top a R$ 979. É bizarro ver essas duas informações tão próximas. Num mundo onde se encontra facilmente um lg g3 a 1100 em média, quem optaria pelo moto g?

    Pra que criar confusões com 2 novos moto x? Pq o moto X play não é o moto g top?

    Se pessoa tem um moto g 1ª geração e tiver afim de trocar, vai mesmo optar pelo novo moto g? Mesmo com a forte marca obtida nesses 3 anos acho difícil. Geralmente os usuários do moto G 1ª geração possuem uma quantia próxima dos 500 reais pra gastar num novo smartphone. E a xiaomi sorri muito diante disso.

    Precisava mesmo o novo moto x style ter 5.7″? Eu não quero nem imaginar ano que vem…to até temeroso quanto aos lançamentos dos novos iphones, não pelo preço (esse já se sabe que atingirá níveis plutônicos), mas sim pela tela….sim deve permanecer igual ao 6 e 6+ mas sei lá ne? Ninguém acreditava que eles iriam aumentar os 3,5″ e aumentaram pra bem mais..

    1. G3 ontem apareceu por 900 no boleto ou cartão submarino.

      Queria saber o quanto da tela desses aparelhos é influência dos componentes internos.

    2. Me preocupa muito este aumento de tela e de preço nos smartphone. O preço é compreensível por causa da fezes do dólar, mas acho muito estranho esse abandono das fabricantes por parte de quem gostava de tela e aparelho pequenos. Espero que o rumor do Galaxy s6 mini seja verdadeiro.

      1. O problema do S6 Mini é o histórico da Samsung em criar esse diminuto com hardware capado. Nesse caso é mais interessante a linha Compact da Sony.
        Pessoalmente vou aguardar o rumor do Nexus 5 2015 em que a LG supostamente trará um sucessor do Nexus 5 de 2013.
        Só assim para eu trocar meu Moto X guerreiro.

        1. Mas pelo que vazou do S6 mini, ele aparenta que vai trazer uma configuração quase equivalente aos top atuais, ao contrário do que foi os modelos anteriores. Claro que se ele não se confirmar eu pretendo comprar o z3 compact mesmo.

    3. – Acho cedo para avaliar (abordagem “slow judgement”). Aguardarei reviews comparando os competidores do novo cenário mid-range. E preços, cedo tbm, né? Afinal, devem cair até mais perto do Natal e os motos sempre começam com “sobre-preço” para lucrar em cima dos ansiosos.

      – “Moto x style” é a motorola querendo competir na corrida de Specs e Status (GS6, iPhone). Infelizmente faz sentido em termos de mercado (Curiosamente, nos EUA ele tem o “Custo x Benefício”). Para cá o “Moto x play” é o mais próximo de “sucessor filosófico” do “Moto X”. Ele não participa da corrida de Specs e parece melhorar *absurdamente* os principais pontos de reclamações dos modelos anteriores (Câmera e bateria).

      – O aumento de tamanho de tela me incomoda nos dois modelos. A impressão é que a estratégia é mesmo forçar a adoção e avançar nos usos que um tablet atualmente cobre (forma indireta de competir com estes). Confesso que estou tentado a experimentar telas maiores justamente pq meu uso anda se aproximando bastante do que faria com um tablet.

      1. sim! o pessoal tá surtando com os lançamentos da Motorola.
        os reviews já dizem que os aparelhos são ótimos.

      2. É, eu tenho o Moto X 2013 e sou satisfeito com o tamanho dele, já achei o Moto X 2014 um pouco grande e acredito que acharei tanto o Play quanto o Style enormes. Provavelmente, essa é minha única restrição para a aquisição deles… Será que no futuro não veremos mais smartphones de nível avançado que caibam em uma calça slim de boa? Haha

    4. A única coisa que achei ruim nos lançamentos da Motorola é a falta de um smartphone com hardware bom com tela menor. 5,5 do Play e 5,7 do Style ainda são muito grandes. De boa, praticamente não existe diferença, são 0,2 pol (5 mm). Até as 5 pol. do G já acho que começa a ficar fora de controle.

      Eu achava que a Motorola estava trabalhando pra puxar o Moto E 2015 para o patamar do G 2013 e o G 2015 para o patamar do X 2013 (um mid top), aí seria justo colocar o SD 615 no G e jogar ele pra uns 1499, mantendo as 5 pol. E sem parecer desonestos como a Samsung que lança seus “mini” com hardware inferior, dando a entender que são apenas a versão menor dos top.

      Pela questão de nomenclatura, faria mais sentido o X Play se chamar G Play. Pode se pensar “tudo bem, são apenas nomes”, mas tanto o Xperia M4 Aqua quanto o Galaxy A7 possuem o SD 615 e hardware semelhante ao X Play, e não me lembro de tanta gente reclamando do SD 615 nestes dispositivos, ou mesmo de seus preços de lançamento. (O Xperia M4 foi lançado a R$ 1.499, e o Galaxy A7 a R$ 2.099).

      Portanto, chamar o aparelho de Moto X dá a entender que ele será um upgrade do Moto X de segunda geração, o que não é verdade, já que o X Play é um aparelho novo para ocupar o segmento intermediário entre o G e o X. Ou poderiam até ter criado uma nova letra, quem sabe.

    5. A única coisa que achei ruim nos lançamentos da Motorola é a falta de um smartphone com hardware bom com tela menor. 5,5 do Play e 5,7 do Style ainda são muito grandes. De boa, praticamente não existe diferença, são 0,2 pol (5 mm). Até as 5 pol. do G já acho que começa a ficar fora de controle.

      Eu achava que a Motorola estava trabalhando pra puxar o Moto E 2015 para o patamar do G 2013 e o G 2015 para o patamar do X 2013 (um mid top), aí seria justo colocar o SD 615 no G e jogar ele pra uns 1499, mantendo as 5 pol. E sem parecer desonestos como a Samsung que lança seus “mini” com hardware inferior, dando a entender que são apenas a versão menor dos top.

      Pela questão de nomenclatura, faria mais sentido o X Play se chamar G Play. Pode se pensar “tudo bem, são apenas nomes”, mas tanto o Xperia M4 Aqua quanto o Galaxy A7 possuem o SD 615 e hardware semelhante ao X Play, e não me lembro de tanta gente reclamando do SD 615 nestes dispositivos, ou mesmo de seus preços de lançamento. (O Xperia M4 foi lançado a R$ 1.499, e o Galaxy A7 a R$ 2.099).

      Portanto, chamar o aparelho de Moto X dá a entender que ele será um upgrade do Moto X de segunda geração, o que não é verdade, já que o X Play é um aparelho novo para ocupar o segmento intermediário entre o G e o X. Ou poderiam até ter criado uma nova letra, quem sabe.

  30. @ghedin:disqus nunca pensou em ter uma coluna sobre “games” aqui no Manual do Usuário? Ta, acredito que você mal deve ter tempo (ou alguém) pra criar esse tipo de conteúdo, mas ia ser bem bacana textos mais intimistas, como os feitos no Kotaku US. Que acho que se encaixam bem com o estilo do site.

    1. Não, nunca me ocorreu. Já escrevi sobre jogos no passado, é um universo à parte (e muito grande) para conciliar com o que já cubro. Melhor deixar para quem só faz isso — e tem muita gente boa fazendo :)

    2. Não, nunca me ocorreu. Já escrevi sobre jogos no passado, é um universo à parte (e muito grande) para conciliar com o que já cubro. Melhor deixar para quem só faz isso — e tem muita gente boa fazendo :)

      1. É pedir de mais recomendações? Por que eu acabo lendo mais o material estrangeiro. Confesso, nunca parei pra procurar material BR do mesmo estilo, todos que eu vejo são bem parecidos e “engessados”.

        ps: não da pra abraçar o mundo, mesmo sem falar sobre games, o Manual do Usuário tem um dos melhores conteúdos =D

        1. ultimamente tenho lido o br.ign.com

          se vc já lê conteúdo em inglês, melhor ainda então rapaz. desencane disso. =)

        2. De gamer para gamer: continue lendo o conteúdo americano. Não há nada parecido com o Manual do Usuário na area gamer brasileira.

          Se bem que, ta ai uma ideia bacana pra um projeto.

          1. Até criei meu próprio blog, pra tentar fazer algo no estilo. Mas conciliar tudo que se tem pra fazer, jogar e ainda escrever é complicado. Faltou dedicação. Sem falar que prefiro escrever sobre o jogo se eu já tiver “zerado” ele.

          2. Ai não há problema nenhum em escrever após terminar o jogo. Assim, vc segue a filosofia slow web (sem ter a obrigação de postar algo assim que o jogo é lançado) e de quebra aproxima o estilo praticado aqui pelo rodrigo.

          3. O saudoso Continue.com.br com o Fábio Bratch, Caio Corraini e Felipe Dal Molin era bem interessante. Não sei se o site ainda ta para acesso, mas havia alguns textos muito bons lá.

        3. Raramente leio conteúdo escrito em português voltado para jogos, mas escuto (e recomendo) o podcast do 99vidas.com.br e assisto alguns vídeos do canal do Zangado no YouTube.

  31. Começou cedo hoje! =) Acho que o assunto que vai dominar são os lançamentos da Motorola!

Os comentários estão fechados.