Post livre

Post livre #203

Toda semana, o Manual do Usuário publica o post livre, um post sem conteúdo, apenas para abrir os comentários e conversarmos sobre quaisquer assuntos. Ele fecha no domingo por volta das 16h.

A melhor maneira de acompanhar o site é a newsletter gratuita (toda quinta-feira, cancele quando quiser):

Acompanhe também nas redes sociais:

  • Mastodon
  • Telegram
  • Twitter
  • Feed RSS

128 comentários

    1. Uma mistura de desânimo e achar que estava me expondo muito ali. Ainda tenho a base de e-mails; talvez, se eu me organizar direitinho e encontrar um norte para abordar todo mês, eu volte com ela ano que vem. Antes disso, devo mandar uma mensagem por lá ainda em 2019.

      (Para quem não assina/conhece, aqui: https://newsletter.ghed.in)

  1. Pessoal,

    Acham seguro o Google Pay? Porque o app do meu banco não permite pagar com NFC diretamente. Ele faz uma ponte com o Google Pay. No entanto, isso não deixa o Google sabendo dos meus gastos? Ou ele já os sabe de qualquer forma porque uso o app do banco em um sistema Android?

  2. Viram a sacanagem que a direção daquele novo site de notícias, o Vortex, fez com a equipe de dados e a sucursal de São Paulo? Demitiram todo mundo — e não faz três meses que o negócio entrou no ar. Aqui tem o relato do Sérgio Spagnuolo, um dos demitidos, que ajudou a desenhar o projeto e liderava a equipe de dados. Diego Scosteguy, o fundador e CEO do Vortex, deu respondeu aos tweets do Spagnuolo e só piorou a imagem dele e do site (e, pelo amor de deus, um jornalista que não sabe fazer fio/thread no Twitter fica difícil).

    1. Lembro que perguntei desse Vortex aqui e alguém respondeu que passaria longe por conta do tal Diego.
      Mas pesquisando, não ficou claro pra mim se o Vortex acabou ou só diminuiram de tamanho

      1. Não acabou, só demitiram uma pá de gente. O que, com dois meses no ar, não é um bom sinal e é uma tremenda sacanagem com o pessoal que foi demitido — eles dizem que havia a promessa de que teriam pelo menos três anos sem demissões.

        O que ninguém diz, nem (principalmente) o Escosteguy, é de onde vinha a grana da operação e por que secou de repente. Há boatos rolando, mas…

    2. vortex tinha uma equipe excelente, APESAR do escoteguy

      agora saiu a equipe e só restou aquele sujeito — que prefiro não adjetivar porque certamente receberia a visita do sr. processinho

      fico triste pela excelente equipe, mas para o escoteguy só consigo pensar “bem feito”

    3. Nunca fiz sociedade na vida ou me joguei em “parcerias promissoras” por causa disto: sempre desconfio quando alguém usa este tom para querer chamar alguém para ajudar.

      Vi também os twitts lá e fiquei surpreso, mas aí falaram que já tem um histórico de ações do Escosteguy em relação as mídias que ele já trabalhou.

      É triste pensar que jornalistas bons acabam sempre indo parar na mão de maus financiadores. Difícil.

    4. vergonhoso… imagine uma pessoa q pediu demissão pra embarcar nessa empreitada e se depara com isso.

    5. uma coisa chamou a atenção… o time de jornalistas não ter desconfiado da oferta q pareceu ser top demais num ambiente ruim de grana para o jornalismo. poderia ser uma empresa de fachada para todo tipo de operação ilegal e os jornalistas estarem nela e comprometerem suas reputações pra valer. acho bem perigoso embarcar em atividades com promessa de muita grana justamente pela disponibilidade de recursos não ser comum nessa área específica. acho q todo mundo meio q baixou a guarda e caiu no canto da sereia… de modo algum estou dizendo q a culpa é das vítimas, mas q o ambiente ruim do jornalismo (sendo atacada todos os dias pelos criminosos profissionais de fake news e pelo governo) hoje pode mesmo criar esse tipo de situação ilusória…

      1. Sim, vi pessoas de renome no meio. Mas entendo que alguns entraram como “aposta”. Tenho até uma teoria boba em mente que é para justamente pegar o dono da ideia no “pulo”, dado o histórico do mesmo.
        Veremos.

        1. Cuidado ao espalhar teorias sem pé nem cabeça por aí, Ligeiro. Garanto-lhe que essa aí não faz sentido algum: a galera demitida largou emprego CLT e agora ficou de mãos abanando e com salário atrasado, e está (com razão) frustrada e meio perdida.

          1. Perdão Ghedin, tem razão. E não a toa postei aqui ao invés do twitter também, pois sei que é uma teoria boba e lá poderia ter o risco de ferrar alguém.

            Só espero que tudo se resolva com os jornalistas, pois é chato para caramba trabalhar quase de graça.

  3. Olá, pessoal.
    Eu vi comentários sobre o ProtonMail e gostaria de mais informações. Se alguém puder me informar, questiono:
    1. Como fica o email? fulano@protonmail.com?
    2. A plataforma dele é boa? É estilo Outlook ou gmail?
    Obrigado de antemão :)

    1. 1. Pode ser @protonmail.com ou @protonmail.ch. Isso no plano gratuito. Nos pagos, você pode configurar um domínio personalizado (eu poderia, por exemplo, usar um @manualdousuario.net com o ProtonMail).

      2. Com plataforma, você quer dizer o app? É bem decente, tanto os de celular quanto a versão web. Dá para configurá-lo no Outlook, Thunderbird e Apple Mail usando o ProtonMail Bridge, mas ele só está disponível a usuários pagantes.

    2. 1. Tem como habilitar o recebimento de e-mail por um domínio encurtado deles: @pm.com

      2. Uso desde quando ainda precisava de convite, e posso dizer, é muito bom, o único ponto negativo, mas isso vejo como uma questão de segurança é: se vc fechar a página do navegador aberta do e-mail, vc vai ter que logar novamente.

  4. As vezes, tudo o que eu queria é que a mente humana (ou melhor, a minha mente) tivesse a capacidade de ser seletiva o suficiente para “arquivar” memórias problemáticas (tipo, escolhas ou palavras erradas que cometi) e valorizar melhor memórias positivas (tipo elogios ou acertos de vida) ou que são necessários para eu viver melhor (automanutenção – limpeza da casa, visita ao médico, etc…).

    O problema é pensar que a ciência acaba usando esta ideia mais para fazer nossa mente cair em um eterno ciclo de valorizar algo artificial e que dê conforto a quem teve o poder de mexer na mente, do que de fazer a comunidade se unir para viver bem…

    (tou com umas filosofias bobas hoje, dsclp…)

    1. (Aí me vem a mente a cena do Neo (Matrix) “aprendendo kung fu”. Interessante pensar como nossa forma de aprendizado é mais na imitação ou estudo dos atos do que no conceito que “virá em nosso DNA” o aprendizado)

  5. Olá pessoal, gostaria de umas recomendações de Fone de Ouvido Bluetooth. Em busca de economizar, comprei um no AliExpress da marca Bluedio, só que o som dele me deixou um pouco frustrado, principalmente quando comparo com um fone que eu tenho da Philips (SHL3060BK00). Todas as dicas são bem vindas.

    1. Cara, eu tenho usado o Redmi Airdots e estou bem satisfeito com a duração da bateria e a qualidade do som. Eu uso muito mais para podcast do que para ouvir músicas.

  6. Boa tarde, meus caros!
    Alguém tem uma lista da literatura que foi recomendada pelo Guilherme no Tecnocracia? Ele sempre cita obras que parecem bacanas, mas eu sempre esqueço de anotar e acaba caindo no baú de “tenho que procurar”. Desculpem a preguiça aí, rs.

  7. Eu curti muito a proposta desse site/newsletter. Eu lia muitas coisas assim, profundas e com reflexões sobre a ação da tecnologia atual na nossa vida. Sinto falta de mais coisas que tragam essas reflexões hoje. E com certeza o que leio aqui me satisfaz demais.

    1. É para marcar presença!!

      Zoeira, é que o motor de renderização HTML dos aplicativos de e-mail da Microsoft pararam na época do Internet Explorer 6. Importa-se de fazermos uns testes para corrigir isso? Se tiver disponibilidade, me manda um e-mail.

      1. Tranquilo.
        Mandei email pro endereço do Manual do Usuário.

  8. @fred
    qual hospital (pode ser em qualquer lugar do mundo) vc achou mais foda em termos de arquitetura?

    1. Nossa, não sei
      Hospital é algo que não tenho muito conhecimento, só vivência

      Mas aqui em brasília enaltecem muito os Sarah, que são projeto do Lelé. Na europa, tem um do Alvar Aalto que parece ser interessante também

      Mas posso te dizer um que não gosto (nem foi construído) que é o hospital para veneza projetado pelo Corbusier

      Mas pq?

      1. é verdade! tem o lelé! vou dar uma espiada novamente, pq conheço um pouco da obra. esse europeu não conheço…

        le corbusier tb não curto muito. as idas até a usp me agradam muito pelo lugar arborizado, mas os prédios…

        estou buscando uma referência pra um hospital veterinário para população de baixa renda num projeto q estou vendo se avança. são paulo já tem um, mas é insuficiente.

        e, cara, já ouviu falar do projeto ‘jardins do tempo’? depois dá uma espiada: https://www.infoartsp.com.br/agenda/jardins-do-tempo/
        vi um render dele, q é bem longo, quase um filme, e gostei muito da ideia. o autor, um cadeirante, está desde o 13 anos com isso em mente. e ele já tem uns 50 e tanto… pena não darem ouvido a essas coisas…

    1. Conselho que eu sigo e lhe dou: não entre mais no Tecnoblog. Não vale a pena.

      Eu antes ia 1x por mês lá brigar a esmo. Não vale.

      1. ou foi má fé ou a pessoa realmente não tinha as referências do q é o cyberpunk, pq estava tudo ali, jogado na cara e sem meios termos. e eu nem tinha visto a parte dos caras descendo do carro com roupas estilo matrix… acho q as discussões só valem como termômetro da insanidade a qual estamos nos metendo com essas mentiradas e gente com o coração cheio de ódio. só pra isso já q um diálogo não surge ali.

        1. Sinceramente, o jornalismo do Tecnoblog em si já fomenta esse tipo de ódio. Já ouviu o podcast? Eu fiz a besteira de ouvir uma vez.

          1. há informações relevantes ali e num ritmo forte de atualização. não dá pra descartar o trabalho dos caras, de um modo geral. tem muito o q divergir e tem uma linha editorial, claro… mas o podcast, q eu ouvia assiduamente, talvez em 2017, foi ficando difícil e simplesmente parei por divergir bastante das opiniões dos participantes qdo eles tratavam de assuntos mais gerais, q envolviam as consequências sociais do uso da tecnologia. qdo estiver de boas vou ver a quantas anda.

      2. Eu ouço o podcast,mas é mais para manter o bom hábito de discordar deles :)

  9. Postei lá no Reddit mas quero a opinião de vocês também.
    Tô tentando melhorar a minha privacidade na Internet e comecei levantando todas as ferramentas digitais que eu uso e estou buscando substitutos “Privacy-friendly” para tentar substituir. Segue a lista:
    Windows -> Linux
    Chrome -> Firefox
    Google Drive -> ?
    MSN Weather -> ?
    Android -> iOS
    Chrome -> Firefox
    Facebook, Instagram -> ?
    Google photos -> ?
    Google -> DuckduckGo
    Gmail (the app) -> ?
    Gmail (the mail) -> ?
    Google translate -> ?
    Google Maps -> ?
    Google Agenda -> A paper agenda
    Google Drive -> ?
    Evernote -> ?
    Gboard -> ?
    Xiaomi Mi Band 3 + MiFit -> ?
    Skype -> ?
    Google at a glance widget (to weather forecast) -> ?
    Skype -> ?

    1. Gmail -> ProtonMail e Tutanota
      Google Agenda -> Tutanota tem calendário, ProtonMail tem planos pra lançar tbm.
      Evernote -> Standart Notes.

      No caso do Drive eu já li sobre o Cryptomator: vc cria um cofre criptografado e guarda ele no Drive, assim a google não consegue ler seus arquivos. Mas não testei ainda.

    2. Revomendo olhar as páginas do PRISM Break, Ethical.net, Data Detox Kit, Compute Freely e switchin.software – ethical alternatives. Há várias sugestões livres, éticas e/ou menos danosas nelas.

      Sobre o e-mail, teste o Tutanota ou o Proton. O interessante do primeiro é que ele utiliza fontes renováveis de energia e conta com mais espaço gratuito (1GB contra os 500MB do segundo). Ambos têm aplicativo para celular. Para o Google, também há o Searx, Startpage (usa o motor do Google) e Ecosia (utiliza o motor do Bing), tendo o último um foco voltado à proteção ambiental.

      Se você não morar nos grandes centros, talvez não encontre nada à altura do Google Mapas. Mas convém testar o OpenStreetMap. Existe também o Here, porém é proprietário.

      Eu não testei as seguintes alternativas, todavia sei da existência delas: Google Drive – Nextcloud (pago); Facebook – Diaspora* e Friendica; Instagram – Pixelfed; Skype – Jami. :)

      1. O nextcloud é FOSS e tem a possibilidade de você mesmo hospeda-lo.

  10. Vi o site hj, vim por aqui pelo Spotify. Gostei muito da proposta de vcs com relação a slow web. Parabéns.

  11. Eu preciso de muita ajuda pra voltar a ler como alguns anos atrás. Alguma sugestão? Tentei ler meu livro favorito, mas no outro dia não peguei de volta.

    1. Tenha um canto da leitura ou crie um hábito diário de ler sempre nos mesmos horários (após almoço, antes de dormir, por ex).

      E sempre com o celular ou alguma outra distração longe.

      Leia livros de assuntos do seu interesse ou obras que são relacionadas ou inspiraram alguma série que você gosta.

      1. Eu realmente acho que tô meio viciado no celular. Eu quero muito reler o livro. Além de ser meu favorito, quero reler pra assistir a série na HBO (A Amiga Genial/My Brilliant Friend(leiam/assistam)), mas tá difícil. Vou me forçar a largar o celular amanhã.

    2. Ler é superestimado. Se você não gosta, não leia. Simples.

      Se você quer ler algo, apenas leia. Não precisa ter regras, horários, tabelas e horários. Leia, 1p por dia ou 100p vai dar na mesma, ambos ritmos vão te levar ao mesmo lugar. Deixe o livro a mão (mochila, banheiro, sala de estar) e leia quando der na telha.

      Se focar mais em qualidade do que quantidade é o melhor que posso te dar de dica. Melhor ler 1 Proust por ano do que 100 livros da moda que são escritos em escala industrial.

      Mas a vdd é que nada na vida precisa ter organograma, app pra auxiliar e nem ritmo.

      1. Eu gosto de ler. Acho que to viciado no celular mesmo. Preciso aprender a usar menos. Passo muito tempo no reddit.

    3. Uma coisa que me ajudou a criar um hábito de leitura foi comprar um Kindle. De 2010 até primeira metade de 2017 eu li 14 livros (durante todo esse período); já no período da segunda metade de 2017 – quando comprei o Kindle – até hoje li 39 livros, e estou lendo o 40°.

      Acredito que alguns fatores foram determinantes para isso: o fácil acesso a uma vasta biblioteca de livros, o que facilita a experimentação, a praticidade e sentir menos ansiedade durante a leitura.

      1. Às vezes eu acho que um Kindle me ajudaria, mas não tenho tanta certeza. Eu tenho vários livros lá, mas odeio ler no celular e no notebook.

        1. Eu também tinha dúvidas antes de comprar. É claro que cada pessoa é uma pessoa, mas ao menos comigo funcionou muito bem.

      2. Kindle é vida. E kindle com luz embutida é vida sem atrapalhar o sono da esposa. ;)

      1. Gosto muito de podcast, pode ser uma boa. Tenho um audiolivro na Play Store. Vou tentar escutar, pra ver se pode ajudar.

    4. Pegue um livro do qual você gosta muito ou de um assunto que te interesse profundamente (parece que já fez isso) e crie um compromisso diário, nem que seja de 20 minutos, para se dedicar exclusivamente a ele (sim, com o celular no modo avião).

      Para mim, é a melhor maneira de manter o hábito das leituras longas.

      1. Vou tentar a começar poucos minutos por dia, e ir aumentando com o tempo.

  12. Acabou de sair um vídeo do Peter Leigh / Nostalgia Nerd, sobre o “fenômeno” Hugo, um “TV Game” eletrônico que fez sucesso no Brasil via CNT, mas que teve origem na Dinamarca. O formato foi distribuído por mais de 40 países e foi um dos primeiros “TV Game” que teve sucesso a ponto de virar franquia, além de ter uma mecânica eletrônica que evitava o lag entre o telefone e a televisão.

    https://www.youtube.com/watch?v=wix8VnRmnik

        1. Era o Hugo mesmo
          Então eu via na CNT (nem sei que canal é esse) achando que era MTV. Por isso não encontrava quando procurava

  13. vi a lista do spotify sobre absolutamente tudo q fiz no aplicativo deles. gostei de saber de algumas coisas, como, por exemplo, q ouvi músicas de artistas de 65 nacionalidades diferentes. mas, ao mesmo tempo, é deprimente eles terem todos esses dados e usarem como bem entenderem.

    1. Eu gostei bastante de ver a apresentação destes dados – como sempre, jogando na cara do Last.fm o que ele poderia ter sido, e até melhor (por reunir estatísticas de diferentes players e serviços), mas não foi.
      No entanto, me incomodou a instrumentalização desses dados em prol dos objetivos comerciais do Spotify. Não gosto de ouvir podcasts no Spotify, por algum motivo eu gosto de manter as duas coisas em apps diferentes (atualmente, o Castbox). Mesmo assim, tendo ouvido no máximo uns 10 episódios de podcast no ano, dos quais metade eu não devo nem ter terminado, eles tiveram um destaque enorme no meu Wrapped. Das 4 estações, umas 2 ou 3, tiveram como capa algum podcast que eu ouvi uma ou duas vezes.
      É uma besteira, mas isso abalou um pouquinho a confiança que ainda restava nessa relação.

      1. sim, esse lance com os podcasts é pior, mesmo pq o plano deles é fechar os podcasts na plataforma. é, de fato, uma mina de ouro a ser explorada. usava o rdio e não sei se eles faziam isso tb. acabaram fechando. talvez justamente por não fazer essa coleta toda, vai saber… não creio q seja necessário tudo isso, pq a ideia de vender música por streaming é boa por si só. mas eles querem mais… querem tudo!

  14. Usei Spotify pra escutar podcasts (testar como seria via app). Acho que o artista que eu mais ouvi foi “O Amor Existe” por 49 minutos. Eu sou old school e ainda escuto MP3/FLAC pirata no Foobar2000.

      1. Tentei várias vezes também, sempre deu errado. No final acostumei com a interface de programador dele.

      2. Também nunca consegui, mas nem tentei muito porque eu gostava daquele visual padrão/software de caixa de loja de bairro. Outra coisa que era muito legal e, até onde sei, inexistente em outros players, eram os atalhos globais no teclado. (Perceba que na época não tinha um “teclado multimídia” com teclas para controlar o áudio.)

      1. Eu também só ouço pelo PC. Tentei usar o Spotify, mas não deu muito certo.

      2. Tentei usar esses tempos, mas me parece que tem coisa e excesso. Ou era menos crítico nos anos 90.

  15. Alguém viu ou leu sobre o privacy*? Dei uma olhada e a ideia parece ser interessante, mas até onde valeria a pena?

    *https://privacy.com

    1. Não conhecia, achei a ideia interessante mesmo.

      Só resta saber se é seguro dar todos os dados de cartão pra eles.

  16. compraram tudo que queriam na Black Friday?

    Eu comprei um celular pro meu irmão

    ficou faltando uma vpn boa e barata e o office (esse nem procurei, vou começar a pesquisar pelos próximos dias

    1. O principal, que seria um celular novo, não
      Mas dei uns azeites top pra minha mãe, então tá tudo bem

    2. Acho que sim, tentei me conter para não gastar muito, então estou satisfeito.

      Comprei:
      Mouse Razer Deathadder Elite Destiny 2
      Aparador De Pelos Multigroom
      Fone HyperX Gaming Headset Cloud Silver
      Fonte EVGA 650w (pro meu irmão)

      Assinei:
      Protonmail 1 ano
      Standard Notes + 1 ano

    3. Não comprei nada, mas troquei de celular uns 2 meses antes da black friday. Peguei por um preço bom, mas fiquei com receio de ver ofertas melhores na friday. Ainda bem que a diferença não foi tão grande rs.

    4. Comprei um moedor elétrico de café.
      Em 2017 eu deixei passar ele na desova do Walmart (R$ 900) e desde aquela data eu me arrependia de não ter comprado, pois era um preço muito bom.
      Na BF deste ano, apesar de estar 200 reais mais caro, com todo esse rolê do dólar e com o preço de tabela ter subido também (faixa de R$1.6k) , fiz uma boa compra.

      O único problema é que estou bebendo 2x mais café por ainda estar na fase de aprendizagem com o novo “brinquedo”, rs.

    5. Comprei o fone Pamu Slide usado (paguei um bom preço), lâmpadas Yeelight e a Alexa para comandar minhas lâmpadas por voz.

    6. Esse ano as ofertas foram discretas, e como não houve aquele desconto acabei apenas com um SSD. Outros itens vou deixar pra uma outra ocasião….

    7. Comprei um jogo de panelas e uma geladeira top. Agoro sou um dono de casa mais feliz.

    8. Não comprar não, mas achei que tava com preço bom.
      Então comprei uma Smart TV 4K Samsung 50 polegadas.
      No final das contas saiu por R$ 1799,00 com frete grátis. E com R$ 360,00 de cashback com AME.
      Agora tenho que vender a minha atual. Uma Smart TV Samsung Full HD 48 polegadas. Falando nisso, dei uma pesquisada (Merc. Livre e OLX) e acho que dá para pedir R$ 1100,00 nela. O que acham?

    9. Aproveitei pra comprar uma bicicleta elétrica Vela que estava namorando havia muito tempo, teve um desconto de mais de 20%. (Anunciaram um novo modelo mais “conectado” e baixaram o preço do modelo atual, suponho que pra desovar o estoque. Por mim tudo bem.)

  17. Começando com as resoluções do ano, vamos para as listas de melhores do ano.
    Vou começar colocando os meus e peço que fiquem a vontade para colocarem os seus também.

    Melhor canal de Youtube: André Pilli.
    Melhor site/blog: Manual do usuário.
    Melhor podcast: Tecnocracia.
    Melhor app: Microsoft To-do.
    Melhor jogo: New super Mario Bros U Deluxe.
    Melhor disco: Michael Kiwanuka (Kiwanuka).
    Melhor filme: Parasita.
    Melhor série: Stranger Things S03.

      1. Fiquei muito surpreso ao assistir Parasita, assisti com a expectativa lá embaixo (em parte preconceito de filmes orientais), então a surpresa foi muito grande, recomendo muito assistir!!

    1. Em alguns vou fazer top 3 porque não sei mesmo

      Melhor canal de Youtube: Mohamad Hindi, Will Detili, Vinhos de Bicicleta, Carioca pelo Mundo e ryukhar com menções honrosas;
      Melhor site/blog: twitter, risos
      Melhor podcast: Visual+Mente, foi o único que tive paciência mesmo para ouvir;
      Melhor app: Instagram, Pocket, Cellar Tracker;
      Melhor jogo: Super Mario Maker 2;
      Melhor disco: acho que não ouvi nada desse ano, então vou deixar o Like Clockwork… do QOSTA aqui, que foi o álbum que mais ouvi na década, acho;
      Melhor filme: BacurMentira, nem vi. Dor e Glória, Coringa, e o novo Star Wars, que ainda não vi mas sei que vou gostar — vi quase nada desse ano também, sem paciência;
      Melhor série: Fleabag, The Deuce S03, Mr. Robot S04;
      Melhor livro: Cork Dork – Bianca Bosker.

    2. Melhor canal de Youtube: Life By Lufe.
      Melhor site/blog: FlatOut
      Melhor podcast: Boa Noite Internet.
      Melhor app: Waze.
      Melhor jogo: FIFA 20 (não sei se o melhor, mas é onde mais me divirto).
      Melhor disco: Sei lá…
      Melhor filme: Coringa.
      Melhor série: Mindhunter.

        1. estou ganhando título de chato em muitas categorias. essa, com certeza, será uma das mais expressivas em breve.

        1. melhor cotonete: com hastes de papel
          melhor açaí: açaí da demarchi
          melhor blog: saberanimal.org (dá trabalho demais pra eleger outro)
          melhor podcast: podcast saber animal (idem)
          melhor caderno de notas com pauta: memo notes (feito na itália, muito chique)
          melhor podóloga: uma aqui perto de casa, salvou o meu dedo do pé da dor extrema
          melhor site de notícias independente: ponte jornalismo
          melhor lente: 50mm 1.4 da canon
          melhor tênis com solado q não escorrega e q dura mais q o resto do próprio tênis: fila kt1, um ano de duração. comprei três iguais e estou no segundo par.
          melhor dia: aquele q não ouvi ou li nada q se refere ao bozo
          melhor álbum com sons estranhos: fear in a handful of dust e long stories, ambos do amon tobin
          melhor situação envolvendo música clássica: as três vezes q pude ir à sala são paulo esse ano
          melhor álbum de jazz: coltrane ’58: the prestige recordings
          melhor lanche: o dark melt, do animal chef na augusta
          melhor coisa q poderia acontecer com o bozo: ele ler num fundo de um prato de miojo q ele deve renunciar e ser muito feliz como drag queen depois de cagar no livro do ustra
          melhor pessoa com a melhor postura social: greta thunberg
          pior família depois dos meus vizinhos do andar de baixo: aquela dos milicianos
          melhor gente do brasil q o cidadão de bem devia reverenciar ao invés de querer vê-los mortos: mães de maio / os yanomami
          melhor carro: aquele q para pra vc atravessar
          melhor restaurante: loving hut
          melhor sorvete: mondo
          melhor livro acadêmico q li algumas partes este ano: pensar/escrever o animal
          melhor de ficção q comecei a ler este ano: Máquinas como eu: E gente como vocês
          melhor mangá q comecei a ler este ano: lobo solitário (parei no 14)
          melhor livro de tecnologia: Irresistível: Por que você é viciado em tecnologia e como lidar com ela
          melhor livro de tecnologia gringo:
          melhor jogo: apeout
          melhor notebook: asus vivo book
          melhor smartwatch: amazfit bip
          melhor momento: o retorno pra casa depois de um longo dia de tarefas
          melhor discussão com o chefe: aquela q eu evitei a minha possível demissão
          melhor livro q peguei na biblioteca do sesc:
          melhor livro q comprei no mercado livre: a história do design gráfico, do meegs
          melhor livro q comprei no estante virtual: j. carlos, um catálogo de uma exposição de 2014
          melhor bebida: água de côco ducoco
          melhor leite vegetal: leite ducoco
          melhor chocolate: talento dark
          melhor calçada: uma na vila mariana, toda arborizada
          melhor canal do youtube: ludoviajante, disparado
          melhor podcast fora o saber animal até os caras começarem a falar de comida e demonstrar desprezo pelos animais: jogabilidade
          melhor coisa q eu fiz numa livraria: esconder os livros do ustra na martins fontes da paulista

    3. Não necessariamente coisas que saíram esse ano, mas que eu conheci esse ano.

      • Melhor canal de Youtube: AntsCanada, mas deixo minha menção honrosa pro Girlfriend Reviews.
      • Melhor site/blog: Hacker News.
      • Melhor podcast: Couples Therapy.
      • Melhor app: Reeder, Ulysses e Apple Books.
      • Melhor jogo: Dragon Quest XI.
      • Melhor disco: Alone, do Will Barber.
      • Melhor filme: A Star Is Born, que só fui assistir esse ano, ou Spider-Man Into The Spider-Verse 🤔
      • Melhor série: Doctor Who.
      • Melhor livro: Fotografia de Nu Arstístico, do Guilherme Lechat ou A Arte da Fotografia Boudoir, da Christa Meola.
      • Melhor anime: Geralmente só leio mangá, mas reasisto BECK: Mongolian Chop Squad todo ano e vai sempre ser o melhor anime do ano.
      • Melhor mangá: The Seven Deadly Sins, Fire Force e The Girl from the Other Side.
      1. Já que você lê The Seven Deadly Sins, me tira uma dúvida: na votação popular do Google Play, escolheram a edição #30 desse mangá como o melhor livro do ano. Confesso que fiquei intrigado, não apenas por ser um mangá, mas por terem escolhido uma edição específica de um mangá. Acontece algo de especial nessa aí ou tem algum motivo que o levou a vencer uma votação popular contra basicamente todos os outros livros e mangás publicados pela humanidade em 2019?

        1. Cara, não sabia que isso tinha acontecido, mas não saberia te dizer porque escolheram o volume 30 especificamente.

          O volume não é ruim. Existe uma busca importante rolando e o arco da história revela algumas coisas do passado de um personagem importante, mas melhor de 2019? Nah. O arco atual, final, é muito mais interessante.

          Talvez seja o volume atual disponível no Brasil ou algo do gênero? Eu leio ele em inglês, então não sei como anda a publicação por aqui.

    4. Melhor canal de Youtube: Ônibus Na Rodagem (gosto da simpatia do J. Roberto e da tentativa de ele ser claro para quem é leigo no transporte. Se ele se dedicasse só ao canal, viraria o “Lito” (A&M) dos ônibus).
      Melhor site/blog: Manual do usuário.
      Melhor podcast: (vou deixar em branco. Eventualmente escuto o Guia Prático e não escuto mas leio o Tecnocracia).
      Melhor app: (Não tenho favorito)
      Melhor jogo: Paciência :3
      Melhor disco: A playlist automática de Deep House que o Youtube montou :p
      Melhor filme: (Não consegui ver filmes neste ano – não me empolga. Preciso assistir “Parasita)
      Melhor série Animê: Hi Score Girl (S1/S2)

      1. Já que o Pond botou, aproveito:

        Melhor Mangá: “Spy X Family”. Sen-sa-cio-nal.

        1. ESSE É MUITO BOM!
          Mas meu melhor mangá de 2019 ainda é Beastars (com medalhinha para Houseki no Kuni/Land of lustrous).

          1. Comecei a ler o primeiro capítulo de Beastars (Interessante como as indicações deste ano peguei tudo com a Mara / Fábio do Mais de Oito Mil), mas não me empolguei muito.

            Eu pensei em colocar My Hero Academia como primeiro, mas este ano a sensação é que ele ficou um pouco “morno”, apesar da história sempre estar em um ritmo que requer atenção (O Leo Kitsune fala bem em um Video Quest dele).

    5. Melhor canal de Youtube: 8bit Guy
      Melhor site/blog: Manual do usuário (bom, só sigo esse).
      Melhor podcast: Tecnocracia.
      Melhor app: SofaScore
      Melhor jogo: Sekiro: Shadows Die Twice
      Melhor filme: O Irlandês (mas podem ir no banheiro no meio do filme, é de boas).
      Melhor série: Está sendo a temporada final de Mr. Robot.

      Menção honrosa pra temporada final de Silicon Valley.

      Não li nenhum livro que tenha sido lançado esse ano mas recomendo Rota66 do Caco Barcellos. A brutalidade da ROTA nos anos 80/90 que ele retrata ali ajuda a entender a situação atual do Brasil. Sem falar que faz muito bem sair da bolha de TI/Animês.

      Não ouvi nenhum álbum esse ano completo, mas recomendo o Childish Gambino para além do “This Is America”.

    6. Em alguns não consigui escolher somente uma opção rsrs.

      Melhor canal de Youtube: Arata Academy, Quadro em Branco e Rodger koller
      Melhor site/blog: Manual do usuário
      Melhor podcast: Tecnocracia
      Melhor app: Telegram, Podcast Addict
      Melhor jogo: Devil may Cry 5 (Steam) e para Smartphone One Punch man: Road to the hero
      Melhor disco: Escuto muito Spotify e de tudo um pouco que vai desde Black (hip-hop), Rock até aquelas músicas da categoria FOCO rsrs.
      Melhor filme: A Bruxa parte 1 – A Subversão (filme coreano) (Único que lembro agora)
      Melhor série: The Fiery Priest (Série coreana), Voice 3 (coreana) e Investigation Couple 2 (Coreana)
      Melhor Anime : One Punch ma 2º Temporada (mesmo com animação meia boca) e Kengan Ashura
      Melhor livro: Não consegui ler muito esse ano e ainda estou lendo no Trégua (Olivia Maia)
      Melhor mangá: Acompanho online o One punch man

    7. Melhor canal de Youtube: videogamedunkey
      Melhor site/blog: Manual do Usuário, Wait But Why
      Melhor podcast: Jogabilidade
      Melhor app: Apollo, único app que sinto falta do iOS
      Melhor jogo: Red Dead Redemption 2
      Melhor disco: Revenge of the Dreamers III
      Melhor filme: Once Upon a Time… in Hollywood
      Melhor série: Barry, Mr. Robot
      Melhor Anime : Demon Slayer, provavelmente o melhor conteúdo audiovisual que consumi esse ano
      Melhor (audio)livro: Como ser um Rockstar, do Guga Mafra

    8. agora uma lista séria:

      Melhor canal de Youtube: lujoviajante
      Melhor site/blog: the intercept brasil
      Melhor podcast: ficções
      Melhor app: anydo
      Melhor jogo: apeout
      Melhor disco: os dois últimos (lançados este ano) do amon tobin
      Melhor filme (documentário): Spacedog / Estou Me Guardando Para Quando O Carnaval Chegar
      Melhor filme (ficção): gabinete do dr. caligari
      Melhor animação: ilha dos cachorros
      Melhor série: dark (temporadas 1 e 2) / inacreditável
      Melhor livro não-ficção: the age of surveillance capitalism
      Melhor livro ficção: máquinas como eu
      Melhor anime: matalobox
      Melhor HQ: Shangri-la

    1. Idem, foi praticamente só Fábio Brazza, Greta Van Fleet, CBJR e Linkin Park, minhas bandas preferidas

      1. Esse ano escutei menos Spotify em relação aos dois anos anteriores, mas a lista ficou ótima, haha:
        1. Ramones
        2. Johnny Cash
        3. Zezé do Camargo e Luciano
        4. Falcão (sim, o do girassol na lapela)
        5. Adhemar de Campos.

    2. Não poderia ser diferente, afinal, foram as música que você ouviu ao longo do ano 😄

      A minha ficou… não ficou, na real, porque não uso o Spotify e, acho, o Apple Music não faz nada parecido.

        1. Será que está certo isso aí? Apareceram músicas que, de fato, ouvi muito, mas a contagem de reproduções parece… errada. Ouço mais álbuns do que playlists, por exemplo; a música mais ouvida tem quase o dobro de reproduções das demais do mesmo álbum. 🤨

          Em tempo, o que mais ouvi em 2019, aparentemente, foi o álbum Miúcha & Tom Jobim, Vol. 1.

          1. Eu tenho quase certeza de que a contagem de reprodução está errada. A música que eu mais escutei, Intervention da Anna Akana, mostra apenas 68 reproduções — tenho certeza que ouvi muito mais do que isso.

            Mas de resto, me parece que está tudo como deveria estar. Passei o ano escutando Queen, Anna Akana, Sara Bareilles, Will Barber, Hamilton e as trilha sonoras de Greatest Showmen e A Star Is Born — porque aparentemente música triste me inspira pra trabalhar —, e tá tudo lá 🤷🏻‍♂️

            Mas talvez por esse tipo de problema que o recurso não seja divulgado no aplicativo e afins.

      1. acontece o mesmo comigo, Soptify só uso pra ouvir o Café da Manhã e uma outra coisa que não encontro no Apple Music.

        1. Comigo acontece o mesmo com relação a podcast, só escuto ali os que não podem ser ouvidos em outro lugar… Não consigo me acostumar com a mania de reprodução automática de conteúdo e impossibilidade de marcar como ouvido com mais facilidade. Sem contar que estando online, ele manda ver e reproduz até os já ouvidos.

    3. A minha tá levemente zoada porque ouvi muita coisa via youtube esse ano, aí não tem scrobble.

      O da década achei surpreendente, mesmo que seja só desde 2014

    4. Migrei do Deezer pro Spotify recentemente, então minha retrospectiva não refletiu muito a realidade. Se considerasse o tempo do Deezer, tinha Nightwish nas 5 posições kkkkk

      Achei interessante que, depois de metal sinfônico, o gênero que mais escuto no Spotify é “Otacore”. Eu sempre chamei de “música de anime”.

      1. nem sabia que tinha nome específico, tb sempre chamei de música de anime, kkk

Os comentários deste post foram fechados.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!