Post livre #178

Toda semana, o Manual do Usuário publica o post livre, um post sem conteúdo, apenas para abrir os comentários e conversarmos sobre quaisquer assuntos. Ele fecha no domingo por volta das 16h.

Acompanhe

  • Telegram
  • Twitter
  • Newsletter
  • Feed RSS

248 comentários

  1. observando a escola particular (q não é nada barata) q a minha sobrinha frequenta, nunca notei lá nada de especial. eles têm, inegavelmente uma boa estrutura física, mas faltam coisas pra ser uma escola moderna de fato. tanto q achava minha sobrinha muito mais, digamos, curiosa e perspicaz antes de continuar avançando nos estudos… parecia q ela tinha fome de conhecimento e a escola não ajudou muito nisso.
    enfim, era algo q eu tinha convicção, mas faltavam provas: as escolas particulares e públicas não são tão diferentes assim em qualidade.
    https://www.nexojornal.com.br/grafico/2019/05/23/A-diferen%C3%A7a-entre-a-infraestrutura-de-escolas-p%C3%BAblicas-e-privadas
    vcs sabem de alguma escola q seja realmente boa?
    um amigo trabalha num grande colégio aqui de sp (um dos mais caros) e não se anima muito tb… enfim.

    1. Toda a criança tem essa sede de conhecimento, faz parte da evolução do nosso cérebro. Essa sede de conhecimento tende a diminuir aos poucos e se centrar em coisas que chamam mais a atenção (e que foram descobertas na fase inicial da exploração). Essa fase também inclui o aprendizado de outra língua e a capacidade de adquirir vocabulário mais sofisticado. Sua sobrinha, provavelmente, apenas está tendo uma boa evolução psicopedagógica, não tem, via de regra, culpa da escola nisso.

      Dito isso, escolas como temos hoje não são ambientes, essencialmente, interessantes para o aprendizado (seja ele moderno ou antigo) porque se pretendem pegar pessoas em diferentes níveis de conhecimento e nivelar pela média. A função da escola moderna é, muito mais, um sistema de propaganda política capitalista (de formação de MdO) e de militarização dos cidadãos (a ideia é fazer as pessoas entenderem hierarquia, direitos e deveras sem questionar). Esse é o modelo prussiano de escola que foi concebido mais de 100 anos atrás mas ainda se mantém onipresente como centro de formação de trabalhadores para serem moídos no grande moedor de carne do capitalismo.

      Eu conheço algumas escolas boas, mas todas são pequenas (e normalmente fora de grandes redes) e seguem metodologias pedagógicas varias mas, quase sempre, centradas nos métodos Waldorf e Montessori. E não, as escolas não seguem nada da pedagogia freiriana porque essa se foca mais na educação de jovens e adultos. Paulo Freire, o método, é quase que exclusivo para educação de adultos. Os questionamentos dele para o ensino, principalmente na Pedagogia do Oprimido, valem a pena para qualquer pessoa, contudo.

      Recomendo sempre que as pessoas procurem escolas montessorianas.

  2. Olá, galera.

    Sempre acompanho lendo, mas dessa vez resolvi estrear por aqui. :]

    Quais gadgets vocês estão pensando em comprar?

    Tenho um xiaomi mi band 3 e comprei o 4. Agora estou esperando chegar.

    Pelo que pesquisei não ha mudanças significativas, mas como vou vender o meu e vou receber um bom cashback da compra, acho que valeu.

    1. estou pensando seriamente em um delux t11 apresentado em outro post aqui no manual. fora isso… comprei algumas coisas para tirar fotografia macro (um tripé firme um rail slider), q não são gadgets, mas q são inéditos pra mim. agora, uma coisa q me pareceu bem interessante é esse medidor de qualidade do ar da xioami: https://www.aliexpress.com/item/-/32960049312.html?spm=a2g0s.8937460.0.0.816c2e0eus5XYa
      não sei se compraria, mas fico curioso em saber mais sobre o ar q respiro. vai q ele é bom e posso engarrafar pra vender?

    1. Eita! Aqui está normal (Safari). Estou trabalhando em uma atualização do layout, então acho que nem vale a pena esquentar com isso, mas obrigado pelo aviso, Fernando!

    1. Off Topic: mandei um twitt para a Andressa com um vídeo que fiz antigo. Se quiser saber como é minha voz, vai lá no twitter :3 (Deixei linkado no meu nome neste comentário)

    1. eu uso um, mas o encaixa não é dos melhores. meizu ep51. o som dele é muito bom, mas só qdo fica bem encaixado. minha esposa usa o mesmo e pra ela ficou legal. eu dei um pouco de azar com ele… teria q testar outros modelos, mas vou ficar com ele mesmo.

    2. Eu uso o JBL T110BT, ele é bem básico, som com qualidade aceitável, veda muito bem ruídos externos, fio flat e tem um imã que une os fones, é bom para pendurar quando não está em uso, bateria dura cerca de 6h. O que eu achei muito bom para correr é o fato de ser bluetooth, apesar de eu ter precisado adaptar uma presilha para ele ficar legal de usar (sem a presilha fica caindo, a bateria fica balançando quando corro se não prender 0 fio na roupa), é incrivelmente melhor utilizar um fone sem fio. Um ponto fraco para corrida é a vedação, então é bom correr em locais pouco sujeitos a acidentes. Eu fiquei interessado no JBL Endurance Sprint, mas só vou dar esse passo quando o atual der problema.

    3. JBL Endurance Run, acha por uns 90 reais, muito bom tanto o som quanto a fixação.

    4. Não tenho um específico para recomendar, mas procure modelos que tenham aquela alça que passa sobre a orelha. Ninguém merece fone de ouvindo escorregando com o suor e caindo a cada passada.
      O que eu tenho é um Mi Sports, ele segura bem na orelha, mas a qualidade de áudio não é la essas coisas, por isso não é uma boa recomendação.

  3. Essa vai para a nação Nubankeira: alguém faz uso do programa de recompensas do banco? Vale a pena?
    Eu lembro de ter lido uma matéria do Tecnoblog quando lançaram a função, mas percebi que pro meu perfil de consumo não valia a pena.

    1. O próprio site do Nubank tem uma simulação que te mostra se vale a pena dependendo do seu gasto: Basicamente, se você gasta mais de 1600 taokeis no cartão por mês, vale.

      No meu caso, como gasto um pouco mais que o dobro disso (e não me orgulho), compensa bastante. Faz mais de 1 ano que pago Deezer e Office com os pontos do Rewards.

  4. Tem lógica a Alerj exigir prova do Detran para andar de patinete? Sei que muita gente concorda que deveria haver uma regulamentação, mas isso não seria um pouco demais? Não entendi essa, se nem pra bicicleta (que na minha opinião, é bem mais perigoso do que um patinete, mesmo motorizado) precisa de CNH…
    Isso me parece aquele tipo de lei que, se for aprova, só vai ficar no papel mesmo, tipo aquela lei que serviria pra multar pedestres.

          1. Rindo por fora, mas a sombra triste da desesperança aparece ao fundo

    1. Tem.

      O ponto é que qualquer veículo elétrico autopropulsado (motorizado) recaí como veículo que requer habilitação. Teoricamente hoje, até mobilete precisa de habilitação.

      Tanto é que para uma pessoa ter uma bicicleta elétrica e não precisar de habilitação, a bicicleta tem que ter o chamado “pedlec”, que é um sistema de auxilio de tração com sensor no pedal.

      Mas na prática a fiscalização é falha e os fiscais tem N preocupações.

      1. Sério? Não vejo muito cabimento em exigir habilitação para apertar um botão. Bicicleta é mais complicado que patinete e pode alcançar velocidades maiores e mesmo assim ninguém exige habilitação. Isso é uma bobagem enorme.

        Além de tudo, existem medidas mais eficazes para evitar acidentes graves, como diminuir a velocidade máxima dos patinetes.

        1. Sim sim. Tou digitando e andando, sendo um risco de acidente. Depois divago melhor.

        2. Cara, sou da filosofia que trânsito se ensina a partir da escola – algo meio difícil no Brasil, mas podemos dizer que fui privilegiado a ter ensino de trânsito quando criança.

          Não acho que bicicleta é mais complicado que patinete – ambos, na visão do trânsito, são quase equiparáveis dependendo de como é a condição.

          Patinete e bicicleta elétrica/motorizado são diferentes de ambas sem motorização. A partir do momento que motoriza algo, muda tempo de reação, velocidade máxima, etc.

          Concordo que para evitar problemas, limitar o limite dos elétricos à 20 km/h ajuda bastante. Mas sabemos bem que infelizmente sempre vai ter aquele que vai “hackear” o equipamento e tirar o limitador.

          1. O ponto maior é que não temos uma boa educação de trânsito. Por mais que realmente hoje tem menos riscos graças a alguns programas de “ajuste de tráfego”, ainda assim as pessoas abusam de qualquer forma.

            Quando andei com o patinete no dia do desfile de mobilidade, vi que só o fato do patinete andar na rua com alta velocidade tem seus riscos. Até pensei em ir pela ciclovia, mas estava acompanhando o cortejo e acho que ficaria ruim se eu saísse dele. A ideia era tentar ver qual velocidade eu me sentiria seguro em uma ciclovia usando um equipamento motorizado.

            Não precisa de habilitação para uma patinete, mas o ideal é que se impregne noções de trânsito para a pessoa saber os limites.

            Falo por um ponto extra: moro em uma cidade onde há muitos abusos no tráfego, como ciclomotores (bicicletas motorizadas) na contra mão, controlada por jovens. E via de regra, por lei, qualquer veículo sobre rodas anda no sentido oficial de tráfego (Salvo exceções), não na contra mão.

            O assunto sobre isso daria um post a parte, mas se quiser, a gente deixa para a semana que vem sobre.

    2. Acho um pouco demais, mas, no exterior já morreu gente em acidentes com patinetes. Acho que não dá pra esperar isso acontecer aqui para fazer alguma coisa. Esses patinetes são uma praga e nem deveriam existir, mas já que existem, que se restrinja o máximo o seu uso e que se dê segurança aos usuários e aos pedestres (coisa que nenhuma empresa está preocupada).

      1. Não é nem só responsabilidade de empresa, mas da população.

        Acabei de chegar em casa depois de ficar uma hora observando uma esquina movimentada.

        Não sou bom em estatísticas, mas tipo:

        – 4 motos empinaram
        – 5 veículos não pararam para pedestres atravessarem
        – 8 motos atravessaram o cruzamento sem sinalizar, parar e observar.
        – 2 pedestres andavam com celular na cara, sem observar atentamente o arredor
        – 20 carros desviavam-se uns dos outros por causa de uma entrada de estacionamento de supermercado
        (Aqui não tem patinete elétrica e as bicicletas são mais usadas para ir pro trabalho ou por moleques que abusam demais, mas não estavam no momento).

    3. eita… patinete é bem mais perigoso q bike, cara. olha o tamanho da rodinha do patinete e compara com o de uma bike! não vejo como um patinete pode ser mais seguro…

      1. Ouso dizer que ciclista corre mais risco até mesmo do que motociclista.

        1. De fato, pois ciclistas andam com menos equipamentos e geralmente são os que mais sofrem com a violência do impacto.

    4. É exagero. Proibir e fiscalizar o uso em calçadas já ajudaria muito….
      Também sou do grupo que pensa que educação para o trânsito deveria vir desde o ensino fundamental…., Vocês já sabem bem a opinião do presidente sobre o trânsito e o MEC está sendo sucateado, então não dá pra esperar melhora nenhuma da administração atual.

  5. Vou deixar aqui minhas primeiras impressões do smartwatch Amazfit Bip.
    Sou entusiasta de smartwatches desde a primeira campanha do Pebble. Tive três, pois eles deram problemas com o tempo e a empresa me mandou novos.
    Depois parti para o LG Watch (aquele quadradão feio). Como não gostei muito do visual migrei para um Moto 360 (primeira geração).
    Esses dois Android Wear (ainda não era Wear OS) eu comprei usados.
    Depois de um tempo acabei desistindo do Moto 360 porque ele quebrou a tampa traseira e não estava mais segurando a pulseira de metal. Troquei a tampa e tempos depois estragou de novo.
    Comprei uma Mi Band 2, mas depois de muito tempo de uso eu acabei perdendo (a pulseira ficou frouxa e ela escapou).
    Por fim, adquiri um Lenovo Smartwatch 9 usado, mas ele parou de funcionar pouco tempo depois (gostei muito dele, era bem bonito).
    Fiquei um bom tempo sem usar nada, mas estava sentindo falta de um relógio para ver as horas. Pensei em comprar um tradicional (sem ser inteligente), mas estavam caros e então resolvi pelo Amazfit Bip.
    Partindo para as primeiras impressões (tô com ele há 5 dias):
    – O relógio é muito confortável de usar (a pulseira é boa e o conjunto é leve);
    – O fato de ficar sempre mostrando as horas é o diferencial do produto, a tela não desliga;
    – Outro aspecto muito bom é que ele legível quando há incidência de luz solar forte sobre a tela;
    – Restringi as notificações que chegam nele e com isso não fica vibrando a todo momento (e assim pude colocar o celular no silencioso, pois os alertas sonoros me incomodam) (obs.: o alerta vibratório do meu celular é muito ruim, direto não percebo que ele está vibrando em meu bolso);
    – A bateria é excelente. Não sei precisar o consumo diário, mas acredito que vou conseguir usar uns 30 dias antes de recarregar;
    – Gosto de acompanhar os passos que dei ao longo do dia. Apesar de não saber a confiabilidade dos números medidos, só de acompanhar a variação pelos dias já está bom;
    – Hoje testei pela primeira vez o GPS enquanto corria. Quando verifiquei no celular o traçado sobre o mapa vi que não estava 100%, mas assim como a contagem de passos, o informe do GPS vai servir para que eu acompanhe a minha evolução;
    – O que eu sinto falta é poder controlar os podcasts. No Pebble era excelente, pois tinham 3 botões físicos e assim eu conseguia dar play/pause, aumentar e diminuir o volume e retroceder e avançar.

    1. vc pode usar uns apps complementares pra eles fazer mais coisas. o amazfit tools, por exemplo, é ótimo. o mais útil é ele me mandar notificações no relógio. algumas coisas eu leio ali mesmo e nem preciso mexer no celular. e ele tb permite vc fazer o botão único ter mais funções (dois toques avança, três volta, um pausa/play). é pago, mas vale a pena.
      o relógio eu tb achei confortável e o fato da bateria durar muito me agrada bastante. eu não sou fã de relógios e nem gosto de usar, por achar desconfortável, mas desse eu gosto.

      1. Bacana Fabio. Vou dar uma fuçada nesse aplicativo. Obrigado pela dica!

    2. Parabéns pela compra. Tive 3 Mi Bands, um Amazfit Pace e hoje estou com um Galaxy Watch. Sempre fiquei babando pelo Bip, mas fui pro Galaxy por ter mais recursos e um preço legal quando comprei.

      É incrível como a comunidade abraçou mais o Bip do que o Pace/Verge/Stratos. A quantidade de app pra adicionar mais funções nele não tá no gibi.

      1. é mais barato, discreto e com a super bateria me parece o melhor negócio de todos eles. e tb não chama tanta atenção qdo os outros q são grandes. esse relógio passa batido. ele se parece um pouco com o da apple, mas um ladrão bem treinado saberia perceber a diferença. fora isso, eu não pirei muito em ir em apps pra ele. só o amazfit tools parece resolver bem os poucos problemas q ele tem. vc conhece algum outro app bacana pra ele?

    3. Tenho o primo rico (ou classe média) do Bip: o Amazfit Pace. Era tudo o que eu precisava – um relógio mais voltado para acompanhar esportes, no meu caso a corrida. A função de poder salvar músicas neles foi o que mais me impulsionou na compra, pois não gosto de levar o celular nas corridas. Acho o GPS dele bem bom, às vezes até mais preciso que o do meu celular com Strava.

  6. Caros manjadores da privacidade. Consideram o Mailfence como uma boa opção para e-mail com foco na privacidade?

  7. Minha pergunta é simples: como vocês vão?
    Como vai a saúde mental e física?
    Estão satisfeitos com a vida?

        1. Grato. Sou um pessimista em busca de “biscoito” :3, mas vou levando.

    1. estou bem, e aí, como vai?

      saúde física está ótima, estou na academia a pouco mais de um mês e tô curtindo, e a mental sempre foi boa.

      estou satisfeito, estou fazendo tudo que queria, que no caso é inglês, academia, faculdade e trabalho na minha área, a parte ruim é que quero sair de casa, mas sinto que preciso de um pouco mais de dinheiro, sendo que ganho praticamente o teto para quem tem somente o ensino médio completo (na minha área, pelo menos).

    2. Cara, o que mais tem fodido a minha saúde mental é ver a polarização que estamos passando. Como mais grave vejo a população média do Brasil fazendo arminha com a mão e vendo o liberalismo como solução em um país onde 80% da população ganha até dois salários mínimos. Muitos deles nem percebem que eles mesmos não possuem nenhuma rede de proteção social para situações que inevitavelmente aconteceriam com elas em um possível Brasil liberal. Acham que bolsa subindo é sucesso máximo quando a maior parte dos fundos de investimentos são lá de fora. Veja o quanto a bolsa subiu desde de 2016 enquanto o desemprego só aumentou.
      Essa galera perdeu toda a noção com fatos. Aparentemente política e economia se aprende pela observação e não com conhecimento e vemos um monte de gente que não entende de nada dando opinião baseada em achismos de YouTubers terraplanistas.
      É o senso comum virando fato irrefutável. Tendo isso como cenário psíquico, a saúde física vai ladeira a baixo junto. Acho que não existe corpo são com uma mente em caos.

      PS: Essa polarização está tão acirrada que hoje temos fãs;defensores e haters de aplicativos de mensagem. E situações como essas vemos em uma infinidade de temas e assuntos.

      1. Tenho um amigo que é chileno e infelizmente virou um defensor do sal no rabo. De fato, eu o conheço suficientemente bem para saber que ele tem traços de machismo e “jeitinho brasileiro” (Ele já andou com moto e sem documento). Já investiu em bitcoin até (me disse que lucrou, mas duvido…).

        Um amigo meu falecido era mais defensor do Lula, mas também tinha seus traços e defeitos.

        Noto um padrão na polarização, que é o fato que muitos de nós não sabemos como responder as respostas extremas. Quem atende as respostas polarizadas (seja da direita ou esquerda), está tentando achar uma explicação confortável para seus atos. Se sentirem bem assim.

        Ignoram que são humanos, falhos, corruptíveis. Quando eu ou você falamos “a vida não é feita de bandidos e mocinhos”, nos jogam na vala comum contrária do que pensamos.

        Nesse meio tempo, o cara que apenas tenta viver a vida seguindo o jogo como colocado, tá lá tentando passar pela greve e puto tanto com a galera da greve quanto com o sal no rabo e o dodória.

        1. O erro é colocar a polarização como problema. A polarização é o sintoma. O outro erro é colocar em pé de igualdade a extrema-esquerda (suposta, porque PSOL, PT e outros partidos são reformistas) com a extrema-direita. Nos acostumamos, como brasileiros e sociedade baseada no que tem de pior do pós-modernismo, a achar que o centro é a via correta e racional. Não é, necessariamente.

          Não temos como comparar extremos quando um lado defende extermínios, terra plana e políticas armamentistas e o outro defende a soltura de uma pessoa (que claramente teve um julgamento enviesado) e a manutenção da rede de sustentação social do povo. Acho que ambos os lados merecem críticas, mas, não dá pra usar um teoria da ferradura e colocar ambos no mesmo espectro.

        1. Finalmente acabaria as imensas filas nos hospitais – já que deixaria de existir sistema público de saúde. Daí as pessoas poderiam perecer em casa mesmo no maior conforto.

          1. Não iam mais reclamar de educação ruim, ia todo mundo ser “educado” em casa por terraplanistas.

            Não ia mais ter problemas de segurança, o traficante ia ter a milícia dele quem não pagasse ia morrer mesmo.

            No fundo, só vejo vantagens.

    3. Razoável, nada a reclamar, mas também não é todo dia que ver o céu me traz aquela paz e esclarecimento do que realmente importa nessa vida terrena etc.

      No momento, lidando com a fisioterapia no cotovelo e chateado de ficar quase um mês de molho da academia e natação

    4. – Tamo indo né…
      – Saúde mental mais ou menos, física tá mei ruim, sabe como é…
      – Na medida do possível, sim…

    5. ainda me sinto muito atarefado e impossibilitado de tocar dois projetos q me são caros: o musical (música eletrônica + músicas das antigas) e o q envolve data science (estudos e projeto social). ainda preciso me organizar melhor, pq o projeto do saber animal consome quase todo o tempo. e há tb as tarefas de casa, o trabalho e as demais coisas da vida. é muito. e ainda tem a fotografia, os jogos…
      fora isso, estou tentando reclamar menos e encarar as coisas de modo mais positivo. é uma mudança e tanto pra mim q sempre pensou de outro modo, mais pessimista.
      na parte física, o q anda pegando seus meus joelhos. meus planos de correr estão bem meia boca, pq eles doem… não sei se vou ao médico ou se contrato um personal. nenhuma das duas opções me agradam. até pra pedalar eles doem, coisa q não acontecia.
      agora, satisfação com a vida… isso é mais complicado de responder, pq não é uma constante.

      1. Acho bom dar uma olhada nos joelhos, pode parecer pequeno agora, mas depois evoluir para algo mais sério. Fora que não é bom deixar de praticar as atividades que tu gosta. Eu mesmo voltei a correr ontem e já notei que meu humor melhorou hoje e a ansiedade tá mais controlada.

        1. já olhei em outra época. e em dois momentos tive q fazer fisioterapia por ter chegado no limite da dor suportável. correr faz muito bem, nossa. qdo eu correia pelo menos uma hora por dia (ou quase todo dia) eu me sentia muito bem mesmo (mentalmente falando).

      2. procure um médico primeiro, depois o personal
        vida de atleta é isso, boy

        1. já tratei do joelho em outras épocas. tenho q cuidar muito bem deles pra não sentir dor. mas é cansativo, pq os alongamentos q tenho q fazer são chatos demais… é culpa minha, portanto. um personal ajudaria, mas confesso não ter a menor paciência pra se seguido por alguém q inclusive vai dizer o q eu tenho q fazer… vou ver se dou um jeito nisso. eu queria muito voltar a correr na rua, mas desse jeito, não dá.

      1. às vezes bate essa vontade de deixar de existir mesmo, fazer o quê?

          1. Olha…

            Olha… acho que até passou da hora do combo terapeuta+psiquiatra mesmo

          2. Prefiro um copo de café-com-leite, um waffle e um passeios sem rumo nos trilhos de SP :p

      2. q isso, cara!? temos q resistir. eu, sinceramente, não imaginava q chegaríamos num nível tão, mas tão deplorável. tenho completo nojo de certas coisas q vejo serem orquestradas por gente comum e q simplesmente não vê q poderia ser acometida pelas coisas q apregoa aos outros com uma situação só um pouco pior. acho q por ser ateu e me interessar por arte (contemplar, claro, pq não crio nada), tenho no q me agarrar nas horas de aflição. ter uma causa tb ajuda muito. e tentar pensar positivo e me livrar de pensamentos destrutivos voltados a mim e, principalmente, aos outros. não é fácil. não é pra mim e quem dirá para os outros q são Outros e, portanto, eternamente inacessíveis…

    6. [Cantinho público do desabafo aqui, né?]
      Então, eu também estou nessa medianidade – nem tão mal, nem tão bem. Ainda me recuperando de uma desilusão proveniente do exterior – mas que me ensinou bem a medir as expectativas sobre as coisas.
      Enfim, toca pra frente que minha situação não está ruim assim. Tenho emprego e comida no prato, um substrato mínimo para ter esperanças.

  8. Com esse #vajajato etc. e a lembrança do Watergate, fiquei com vontade de assistir novamente All President Men, Spotlight e The Post (esse não achei tão bom). Alguém tem mais sugestões de filmes com a trama envolvendo o jornalismo?

    1. Você quer filmes sobre escândalos envolvendo o governo e jornalistas ou filmes que colocam o jornalismo em primeiro plano?

      Do primeiro grupo, tem o Dossiê Pelicano, mas achei bem ruim e não recomendo, haha. Do segundo, vá de A montanha dos sete abutres, do Billy Wilder, e o clássico Cidadão Kane, do Orson Wells. Dois filmaços.

      1. Me devo assistir a Cidadão Kane. Acho que tinha lido resenhas, mas não vi o filme em si como deveria.

        Todos os Homens do Presidente (Watergate) é sensacional

      2. Não precisa ser necessariamente governo, até porque Spotlight trata de casos de pedofilia em igrejas.

        Valeu pelas recomendações!

  9. Lembram da discussão do Chrome bloqueando adblockers? Então, não é bem assim… Está mais para adblockers do Chrome funcionarem de forma similar aos adblockers do Safari, tendo privacidade em campo.

    “While this API is used by good actors to implement powerful features like content blockers, it can also be – and has been – abused. Because all of the request data is exposed to the extension, it makes it very easy for a malicious developer to abuse that access to a user’s credentials, accounts, or personal information. Since January 2018, 42% of malicious extensions use the Web Request API.”

    https://blog.chromium.org/2019/06/web-request-and-declarative-net-request.html
    https://9to5google.com/2019/06/13/google-creates-chrome-ad-blocker-extension/

    1. Hm, o Google defendendo sua decisão de capar extensões que bloqueiam anúncios? Quem imaginaria! 🤔

      A intenção do Google pode até ser boa e, de fato, benéfica aos usuários, mas de todas as vozes possíveis a do Google não é uma confiável para dizer se tal decisão é boa ou ruim. No mínimo, por não ser isenta e ser da parte mais forte das relações ameaçadas. Os desenvolvedores das extensões prejudicadas (Ghostery e uBlock Origin, principalmente) estão reclamando. E entre eles e o Google, eu fico com a opinião deles.

      1. Opinião não me interessa nem do Google e nem dos desenvolvedores. Me interessa somente os fatos.

        Lembro do fato que uma das extensões iriam continuar funcionando mesmo depois da liberação do Manifest V3, porém não investiguei o porquê na época. Seria interessante ver se os desenvolvedores teriam problema em usar a nova API, já que a nova API é muito mais interessante do ponto de vista da privacidade do que a solução atual (nova API funcionará de forma parecida com o Safari).

          1. Ok, você está certo. :-)

            Voltando a notícia que é o que me interessa:
            1 – Google possui um problema de privacidade que é sua WebRequestAPI sendo usada como fonte para malware (link 1). Esse é um grande problema que não pode ser ignorado ou mantido como está.
            2 – Solução de somente deprecar a WebRequestAPI é ruim porque é a mesma utilizada por adblockers.
            3 – Melhor solução é o Google fornecer uma nova API focada em privacidade que pode ser utilizada por adblockers (link 2) e posteriomente deprecar a WebRequestAPI.

            O fato que estou tentando falar e demonstrar é que manter WebRequestAPI ainda é ruim do ponto de vista de privacidade. Adblockers precisam se adaptar.

          2. Eu desconfio das intenções do Google por duas razões. Primeiro, há um interesse óbvio em minar bloqueadores de anúncio porque +90% do faturamento do Google vem da veiculação de anúncios. É uma insanidade que a maior empresa de publicidade na web seja dona do maior navegador web do mundo e tenha controle sobre o motor de renderização usado pelo resto com exceção de Firefox e Safari.

            Segundo, porque esse “problema” aí é o próprio Google que cria. Eles alegam que a API é abusada e que 42% das extensões maliciosas distribuídas na Chrome Web Store usam a API que está sendo deprecada, mas não quantas extensões legítimas dependem dela. É muito fácil pegar apenas um número e esconder os demais para fortalecer seu argumento; faltam muitos números aí para me convencer. Se considerarmos que desde 2015 o Google restringe a instalação de extensões à sua própria loja oficial, o cenário que se desenha é o do Google jogando à comunidade de desenvolvedores de extensões o resultado da sua absoluta incompetência em gerenciar a loja, o principal (pois único) vetor de disseminação de extensões maliciosas.

          3. *não é possível responder sua mensagem a minha, então respondendo por aqui*

            Ghedin, colocar de modo simples pra você com as empresas que você tanto ama:

            – Google é do mal.
            – Apple é do bem.
            – A solução atual para adblockers do Google é muito do mal.
            – A solução atual para adblockers da Apple é muito boa.
            – Google quer copiar solução da Apple.
            – Isso é bom, pois atual solução adblocker do Chrome pode dar de bandeja todos os seus dados privados para empresas de adblockers.
            – Apple provou que é possível bloquear anúncios de forma segura.

            O meu ponto é que a solução atual para adblockers do ponto de vista técnico é *ruim*. Ainda melhor do que não ter, porém pode e deve ser melhor se você quiser a sua tão amada privacidade. Tacar todas as pedras no Google cegamente não é a coisa mais esperta para se fazer.

        1. Do Tecnoblog:

          “A primeira, muito usada atualmente por bloqueadores de anúncios, dá acesso a uma série de recursos, tanto que, na visão do Google, pode comprometer o desempenho e até a segurança do navegador. Já a segunda oferece funcionalidades semelhantes, mas exige que o desenvolvedor envie a sua lista de filtros de bloqueio ao Google.

          Além disso, a nova API é considerada muito menos abrangente que a WebRequest. A DeclarativeNetRequest só suporta 30 mil regras, por exemplo. Esse limite é tão baixo que, no entendimento dos desenvolvedores, reduzirá de modo significativo a eficácia dos bloqueadores de anúncios.”

          https://tecnoblog.net/294655/google-defende-mudanca-chrome-ad-blockers/ (tags HTML funcionam aqui?)

          O problema é o Google descontinuar uma API na marra e implementar uma nova muito menos abrangente.

          Sem falar do fato do Google ter que aprovar a lista de bloqueios da extensão. Google aprovando lista de ads pra bloquear é como uma raposa aprovando quais galinhas entram no próprio galinheiro.

          1. Obrigado pelo link, Pierre. Vamos por partes.

            Concordo que é besteira impor limite na API (150k agora, antes 30k).

            “O problema é o Google descontinuar uma API na marra e implementar uma nova muito menos abrangente.”
            A solução atual faz com que adblockers não consigam ler o conteúdo das suas mensagens, mas somente bloquear ela com algumas informações. Isso é bom para privacidade!

            Pelo que olhei por cima, a declarativeNetRequest do Chrome é muito parecida com ContentBlocker da Apple. Isso é ótimo!

            https://developers.chrome.com/extensions/declarativeNetRequest
            https://developer.apple.com/library/archive/documentation/General/Conceptual/ExtensibilityPG/ContentBlocker.html

            Deixe-me lhe perguntar. Por que adblockers tem que ser capazes de saber qual URL está sendo carregada e também o conteúdo dessa URL? Não seria o bastante saber somente a URL? É assim que o Safari funciona porque é mais seguro para o usuário final.

            Por fim, “Sem falar do fato do Google ter que aprovar a lista de bloqueios da extensão.”. Onde está isso? Pois isso não faz sentido e se for realmente é um grande tiro no pé.

            Abraços

          2. Te respondendo aqui por causa do limite de comentários, andeb:

            1) Nunca usei Safari ou algum dispositivo da Apple mais a fundo, então não tenho muito a opinar sobre a API deles. Mas creio que os adblockers precisam do conteúdo da página porque o bloqueio deles é por elemento do HTML (alguém me corrija se eu estiver falando besteira). Ou seja, só a URL não bastaria, em tese, nessa estrutura. Novamente, não sei como o do Safari funciona, mas com certeza seria melhor assim, mesmo.

            2) Sobre a questão da aprovação, realmente foi uma dedução minha – e pelo texto, espero não ter sido o único.
            Vamos lá: O Google é o maior interessado no controle de quais ads podem ou não ser exibidos, afinal, essa é a fonte de receita dele hoje. Exigir que o desenvolvedor forneça sua lista de bloqueios de algo que pode impactar sua receita a troco de nada é, no mínimo, bizarro.

      1. Não vão? Nas notícias abaixo que pude encontrar Brave, Opera e Vivaldi não se pronunciaram ainda, tentei procurar mais notícias porém eles preferem esperar o resultado final. Se fosse realmente o que as pessoas dizem, imagino que eu teria achado algo mais claro falando que vão ou não vão suportar.

        “The companies have not revealed their position on Manifest V3 if it lands in its current state.”
        https://www.ghacks.net/2019/06/06/how-googles-anti-adblocking-draft-affects-other-chromium-based-browsers/

        “For the time being, Google’s implementation is not final and will likely change. It’s also possible the alternative API will eventually cover the use cases of the webRequest API.”
        https://vivaldi.com/blog/chromium-ad-blockers-choice/

        E obrigado por me lembrar dos outros navegadores! Eu uso Chrome + Gosthery mas realmente não me sinto confortável usando o Gosthery. Vou trocar para o Opera que possui adblock incluso (o mesmo vale para o Brave).

  10. Semana passada entrei no assunto sobre o Firefox Lockwise e o Ghedin pediu a opinião sobre, então vou deixar aqui minha primeira impressão e “comparar” ele com o Bitwarden.
    O Firefox Lockwise ainda está muito cru, com poucas opções e funções, tipo, notas dentro de cada serviço salvo, TOTP ainda não existe (o que economiza 1 app), não gera senhas e principalmente pelo fato dele ser voltado ao Firefox. Se hoje ou amanhã eu precisar usar o Chrome, terei que fazer alguma gambiarra para usar, se tenho chave de recuperação de um serviço, não consigo adicionar nota e gosto de organizar minhas senhas (em: normal, importante e crítico, assim crio senhas diferentes).
    Já o Bitwarden tem o que eu espero de um app/serviço para gerenciar minhas senhas apesar de que, o TOTP precisa de conta premium, mas custa apenas US$10 por ano. O app para Windows é bom, apesar da extensão não adicionar a senha de forma automática acredito que seja melhor assim pois evita de ficar mostrando que tenho senha salva e a única coisa que ainda não me agrada muito é o app para Android, mas isso dá para relevar.

    1. Obrigado pelo relato!

      Eu uso o Chaves da Apple, então quando preciso usar qualquer computador ou dispositivo que não os meus lido com esse mesmo problema. No caso, consigo visualizar minhas senhas a partir do iOS. Quando estava no jornal e usava Windows e Firefox, fazia isso: abria as senhas e copiava elas manualmente. Não é o ideal, mas funciona e o Chaves é de graça, logo…

      Sobre o app de 2FA, o Chaves também não oferece. Uso o Authy, por ser independente e ter um sistema de backup na nuvem criptografado que me libera de ter que imprimir e manter códigos extras dando sopa por aí.

      Uma dica para criar senhas aleatórias sem precisar de um app: no DuckDuckGo, escreva !password X, onde X é o total de caracteres da senha.

      1. Eu não sabia dessa funcionalidade do Authy. Isso me pareceu incrível!

      2. Authy – eu o usava (ainda uso pois não migrei tudo para o bitwarden) justamente por conta disso, mas o Bitwarden também faz isso, além disso, ele tem extensão no navegador :)

        1. Eu uso o Bitwarden também, a versão grátis e com o Authy evitaria a necessidade de pagar os 10 dólares por ano.

          1. é que a comodidade de ter apenas um app para essas duas funções, pra mim, vale a pena, mas realmente, não a necessidade de pagar, o serviço gratuito já é muito bom.

    2. por causa do TOTP que troquei o bitwarden pelo enpass, pois ele cobra um preço único, apesar da usabilidade no navegador ser melhor no bitwarden.

    3. Cara, o enpass tem tudo isso e muito mais.
      Hoje considero-o melhor que o 1password.
      Ele é o melhor multiplataforma. Tem até pra geladeira.
      Vc paga apenas uma vez e é seu para sempre.

      1. Paga uma vez em cada plataforma. Só tem esse porém.

        Se eu quiser o Enpass no Windows e no Android/iOS, tenho que pagar duas licenças.

        1. Negativo.

          Eu paguei apenas uma vez e tenho acesso a ele em TODAS as plataformas que uso:
          Linux
          Windows
          Android
          Ios

          1. Ué, então devem ter mudado alguma política de preços. Lá do FAQ deles:

            I’ve purchased Enpass on one platform. Do I need to purchase it on other platforms separately?
            Yes, you need to purchase Enpass on every platform independently. It’s because your purchases on every platform are managed by the respective stores and are not available to us. So technically we can not verify your purchase on the platform other than on which you purchased.
            Also because Enpass is an offline password manager you don’t have to sign-up and create account with us, through which we could have restored your purchase across different devices.

          2. É normal empresas mudarem o modelo de negócio e preservarem as vendas feitas antes da mudança. Hoje o Pinboard cobra anuidade, por exemplo, mas quando comecei a usá-lo era um pagamento único — comprei na época e nunca me cobraram um centavo a mais.

      1. Sim, mas o volume inviabiliza essa estratégia de frases fáceis para humanos, difíceis para máquinas. Eu tenho +200 senhas salvas; teria que escrever um conto para guardar todas na cabeça. Criando ou não suas senhas, um gerenciador é mais negócio do que confiar só no cérebro.

          1. Até verifiquei aqui para ter certeza. São 211 senhas. Eu uso o gerenciador para absolutamente tudo, dos serviços que uso todo dia até aqueles beeeem esporádicos. Deve ter algumas senhas “mortas” (serviços que não uso mais ou que não existem mais) no meio, mas preguiça de passar um pente fino ali.

        1. Depende. Minhas senhas são todas frases, onde parte delas usa um padrão fixo, a o resto é algo que consigo relacionar com o serviço que vou usar ela. Ou o próprio nome dele, mas bem misturado com letras e números.

          Algo tipo assim: “B!lh3T3-D3 n37fl1X”. Obviamente não usei meu padrão secreto no exemplo.

          É mais seguro, em teoria, e mais fácil de lembrar depois que eu assimilo algumas letras com números/símbolos e a alternância de maiúsculas e minúsculas na frase.

          Claro, se por acaso alguém descobrir o padrão, eu tô ferrado. Por isso que não tenho ele anotado em lugar nenhum.

      2. Como o Ghedin falou, o problema é a variedade de serviços, o que acabo mantendo senhas diferentes. Caso eu use esse padrão e coloque a mesma senha em alguns serviços, se algum for hackeado, tenho os outros sites em risco. Essa é a vantagem de ter o gerenciador, manter senhas isoladas/únicas para cada serviço.

        1. Eu uso, basicamente, 4 serviços diariamente (Twitter, Facebook/Instagram, ProtonMail e Gmail). Deve ser por isso. Todos os outros eu não crio contas e, se precisar, uso dados fakes e uma senha gerada apenas na hora.

  11. Comprei o Power Bank no formato de Pikachu.

    E o bicho tem a saída do cabo bem no…

    (dsclp, Ghedin, não resisti a fazer este comentário. se quiser, depois mando a prova do comentário no Twitter)

  12. Pergunta que às vezes me pego fazendo: por que criar newsletters e não sites na web + feeds?

    1. creio que a penetracao de feeds seja maior e acaba sendo algo mais pessoal.

      apesar que quando tem algum conteúdo de newsletter que gosto sempre pego feed, se não tiver, uso um site que faz.

    2. Acho o e-mail mais intimista e com menos distração. E, diferentemente de uma aba no navegador, não é algo de que você “se esquece” e jamais volta se fechá-la por acidente. A web se tornou caótica e o e-mail, justamente por todas as limitações que ele tem, resiste a mudanças drásticas. Há quem ache isso ruim devido às suas agendas particulares (Google), mas, no geral, estamos melhor com o e-mail do jeito que ele é, arcaico e limitado.

      Falando como alguém que publica newsletters, a relação com o leitor é um pouco diferente. Há uma sensação de contato maior — eu sei quem está me lendo e eventuais diálogos se dão de maneira personalizada, sem a pressão do debate público.

      Newsletter não é para todas as ocasiões, mas tem um espaço especial no leque de meios de comunicação digitais hoje.

    3. Acho que dificilmente eu leria todos os feeds. Já o email abro ao menos uma vez por dia e a chance de ler uma newsletter é mais alta.

  13. Antigamente se achava que o mundo estaria OK com um aumento de temperatura de até 2.0ºC com o ideal se mantendo em 1.5ºC para sempre. Hoje (2018) se entendeu que não é bem assim e que mesmo 0.5ºC faz uma enorme diferença.

    Aqui no Brasil ainda patinamos com um ministro condenado comandando a pasta do meio ambiente; com fiscais do IBAMA sendo demitidos e com o partido NOVO amiguinho da Vale em MG. Mas, nos EUA (e em grande parte do mundo “desenvolvido”) o meio ambiente é a nova preocupação.

    Esse ano é junho em Porto Alegre e temos 28 graus (em 2012 a temperatura era -6 graus). O verão do centro-sul do país foi o mais quente da história das medições. O centro-sul brasileiro é um local extremamente privilegiado no planeta (trace uma linha dessa região e compare com o resto do planeta: só tem deserto nessa latitude) por conta da floresta amazônica que serve como termorreguladora da região com os chamados “mares aéreos”. Problema que essa floresta está acabando para que nós possamos plantar soja e vender pros outros países.

    Não existe planeta suficiente pro ritmo de crescimento que o capitalismo atual pede. Não existirá planeta para os humanos morarem se não nos livrarmos da dependência de consumo, crescimento e combustíveis fósseis (ok, no Brasil ainda estamos em 1800, lutando contra o comunismo e discutindo gênero).

    Pensando nisso, nos EUA, um grupo de políticos mais preocupado com o planeta e com a sociedade do que com o lobistas, lançou o Green New Deal (a saber, juntando duas figuras bastante díspares da política deles: AOC e Ted Cruz contra o Lobby e AOC e Ed-Markey para passar o GND). Claro, ainda é uma iniciativa de países ricos e para países ricos. Mas se ninguém der o primeiro passo o mundo acaba numa grande bola quente e desértica enquanto a Apple apresenta o iPhone XXX. O bom disso é que o fim da civilização humana vai ser documentado em 4k.

    Para quem se interessar, a Vox fez um vídeo muito bom explicando tudo isso.

    https://www.youtube.com/watch?v=GxIDJWCbk6I

    1. Como estão as chuvas ai em POA? Aqui em Passo Fundo choveu 1 semana inteira no fim de abril e agora além de quente é seco!.
      E a previsão pros proximos dias é de continuar assim…..

      1. Mais ou menos a mesma coisa.

        Aqui choveu no final de maio uns 10 dias seguidos. Agora tá 28 graus de dia e 18 graus de noite. E a tendência é se manter assim por mais uns dias (pelo menos no final de semana). E bastante seco, principalmente se tratando de POA.

    2. um dos comentários mais comuns q vejo qdo alguém filma alguma catástrofe natural é: ‘eu nunca vi isso na minha vida’. essa vai ser uma expressão cada vez mais comum até se tornar banal. o q estamos fazendo com o planeta é seríssimo. se não mudarmos nosso estilo de vida, a coisa vai ficar pior bem antes de 2050, qdo todo munda acha ser o momento crítico.

      1. “se não mudarmos nosso estilo de vida…”
        O que nós fazemos pra mudar nosso estilo de vida? Cada vez mais eu fico incomodado com o descarte de plástico em minha casa, por exemplo. Mas acabo não fazendo nada (quando muito, separo o lixo reciclável, mesmo sabendo que irá parar no mesmo lugar). Não deixo de pensar que pensamentos como “cobrar das empresas” ou “cobrar do governo” são meio inócuos, se nós mesmos não mudamos de atitude.

        1. é possível tomar algumas medidas: levar suas sacolas ao mercado ao invés de pegar a q eles dão, tentar descartar o lixo em áreas de reciclagem (eu faço isso), falar com as empresas pra eles trocarem as embalagens de plástico pode funcionar, especialmente com as menores. na condição de consumidor dá pra escolher outras empresas/produtor. na condição de cidadão pressionar os legisladores para leis q cuidem do assunto e o poder executivo mais fiscalização. tem muita coisa q podemos fazer individualmente, mesmo parecendo pouco. é uma questão de organização e de escolhas. há casos e casos, mas no geral, dá pra fazer alguma coisa e ir mudando o estilo de vida, sim.

        2. Aqui onde eu moro eu levo sacolas de pano pro mercado. Além de tudo são melhores de carregar pois não machucam as mãos. O mercadinho da esquina de casa também aboliu plástico e usa aqueles sacos de papelão para as compras de quem não tem a própria sacola e vende os hortifruti sem saquinhos (pega numa bacia e larga na caixa pra pesar). Uma boa coisa também é procurar comprar de mercado que vendam orgânicos ou com procedência conhecida (de produtores locais, pequenos) para evitar a manutenção da cadeia de logística que derrama combustível fóssil no ar todos os dias (e também pra não comer a sopa de agrotóxicos que virou o cardápio brasileiro pós NOVA ERA). Evitar o consumo de soja e carne também é uma boa.

          A maior atitude que devemos cobrar do governo é transporte público e coleta seletiva ampla. O resto não é culpa do governo (não diretamente) e sim culpa do modo de vida capitalista de consumo exagerado e constante.

          1. Ultimamente quando tenho ido no supermercado, já que eles (as grandes redes) só disponibilizam sacolas de plástico, eu tenho optado por caixas de papelão, que eles sempre tem. Já é alguma coisa. Mas sinto que a maior parte ainda são as embalagens de plástico de produtos industrializados (ou até mesmo de carnes e frutas embalados), que quase 100% deles têm. Aí eu não sei muito como escapar deles, a não ser evitando estes produtos (o que muitas vezes não é uma opção).

          2. se o governo nos estragasse o mínimo do mínimo (coisa q não faz e não quer fazer e pretender não fazer mais com aval de quase todos) nos tiraria de um grande buraco. são coisas elementares a se oferecer, ainda mais num país como o nosso. não é tão difícil, mas a ganância e a incompetência são a tônica dominante nas esferas federal, estadual e municipal. temos um presidente, governadores e prefeitos medíocres. nada de bom sairá desse conjunto… temos q resistir na medida do possível e, se der, fazer os mais diversos arranjos sociais pra viver quase q sem depender dessas malditas autoridades.

        3. Caixas de papelão servem de você vai de carro, mora muito perto do mercado ou vai comprar coisas leves, senão é ruim de carregar.

          Carne, quando a gente compra aqui em casa, vem em um saco plástico. Não vejo modo melhor mesmo. Frutas, não compro embaladas faz alguns anos. É possível, principalmente parando de comprar em grandes redes. É tudo uma questão de adequar o consumo e morar em um local com acesso. Eu me mudei faz alguns meses pra uma região da cidade que, mesmo bem afastada do centro, tem opções de mercados menores com esse tipo de escolha. Antes só tinha um Zaffari perto de casa (e mesmo assim, 4 quadras de distância).

        4. Eu diminuí muito a quantidade de sacolas plásticas aqui depois que passei a usar uma ecobag (sim, tem toda a discussão de que a fabricação consome recursos equivalentes a 20 mil sacolas, mas pelo menos são 20 mil sacolas de plástico a menos poluindo os oceanos).

          O que eu faço: vou toda semana, às vezes mais de uma vez, às compras, e dou preferência aos sacolões/mercearias. No mercado, só compro produtos industrializados.

          Nos dois locais, na hora que estiver comprando frutas, legumes e verduras, você não precisa colocá-los naqueles saquinhos transparentes. Eu coloco tudo solto dentro da cesta e só nessa rola uma economia enorme de plástico.

          Uma vez por mês, mais ou menos, vou às compras sem a eco bag para conseguir sacolas que uso nas lixeiras de casa. Para isso, elas são melhores que as de lixo que são vendidas (pois mais finas) e, bem… são gratuitas.

          Cobrar de governos e empresas não é algo inócuo, porque são essas entidades que definem uma parte relevante do nosso estilo de vida. Depende mais deles do que das nossas ações individuais, acredite. De qualquer maneira, tem muita coisa que podemos fazer em casa, no dia a dia, para melhorar. Não vai salvar o planeta, mas é o que tem para hoje — e ainda que em grande medida seja ilusório, tem lá sua utilidade e é um tanto satisfatório saber que se está “fazendo a sua parte”.

    1. escuto regularmente, pena que muitas dicas só sirvam para iphone (se bem que pretendo comprar um…)

      1. Poxa… é que eu só tenho apple devices, mas eu tento falar de assuntos que sirvam pros dois, não só iPhone, só as recomendações que não posso fazer pra Android porque desconheço… mas os temas, 2FA, cloud, tecnicas de fotografia, bitcoin (amanha), sao todos temas “genéricos”

      1. O episódio 1 foi o de pior qualidade de áudio possivel, eu optei por tirar do ar porque realmente não é uma boa “capa” rsrs. O cara ouve o primeiro e nunca mais quer ouvir nenhum outro… então eu tirei mesmo… em breve vou fazer um remake dos assuntos iniciais pra melhorar a qualidade do áudio

    2. ouvi e gostei das dicas. comecei pelo de produtividade (o último). só uma coisa q, não necessariamente me incomodou, mas q faria diferente: tiraria as ‘hesitações’ ou aqueles momentos em q vc está formulando algo… achei q faz perder o ritmo um pouco e distrai do assunto. fora isso, já tem muita coisa ali q vou aplicar, apesar de não ter um iphone! vou continuar ouvindo!

      1. Opaa grande feedback Fabio!!
        Mas não entendi, quais momentos seriam esses? É bom pra eu rever… muito obrigado por falar…
        E sobre ter iPhone ou não, eu só recomendo apps de iOS porque só tenho ecossistema Apple, não posso recomendar nenhum android sem usar… mas as informações que eu passo, tento levar generalizada, as dicas servem pros dois sistemas, só os apps que sao pra iOS.
        Em produtividade mesmo, no primeiro episódio falei do shortcuts, mas no segundo falei do IFTTT q é muito melhor no android… a ideia é jogar a informação e despertar o interesse.
        Mas me fala quais momentos sao estes pra eu reparar pros proximos

  14. Mais alguém querendo um iPad depois do Keynote da Apple? Meu Thinkpad 8 tá cansado já, acho q pego um iPad no final do mês.

    1. Tenho um iPad 2018 e adoro ele, não sinto falta de um Pro e já tive outros tops Samsung.
      To muito ansioso pelo ipadOs.
      Vai ser foda.

    2. Eu queria, mas vou preferir gastar tudo em armas. Eu já queria muito (as armas) e agora até a esposa pode ter, ela é adv. Como um cidadão de bem se defenderia de um bandido com um iPad pro?

      Mas, falando sério, eu queria sim pra usar em projetos musicais. Mas o preço é proibitivo, ainda mais do pro. Se algum parente bem de vida quiser me dar eu vou aceitar… Fora isso, sem chance.

        1. ainda é caro, mas já melhora um pouco…
          é um baita dum aparelho, mas meu uso seria muito amador ainda. acho q precisaria avançar mais pra ele fazer sentido um gasto desse.
          o teclado deluxe t11 tá mais ao alcance…

    3. Think Pad 8 é aquele lendário tablet com Windows 8.1 que tava bem barato uma época dessas?

      1. Acho q sim, tinha tmb aquele CCE de 7 polegadas.

        O Thinkpad tá muito lento na última versão do Windows 10, acho q os drivers já não dão mais suporte. O ideal é voltar pro Windows 8.1, mas dai perde muito em funcionalidades.

      2. Comprei um na época com a intenção de escrever um post aqui (este) e depois revendê-lo, mas acabou encostado e deve estar em algum armário na casa dos meus pais. Era bem ruim.

        1. Eu lembro do post, lembro do meu arrependimento de não tê-lo comprado na época (até tem meu comentário lá no post falando isso!) hahaha

          Bom, se estiver disposto a encontrá-lo e vendê-lo… estamos aqui! 🤓

      1. Acho q vou comprar o mais completo. Mas acho firula ser elétrico sem ser algo com tipo um torque preciso e q não estrague as coisas.

        Mas as duas opções parecem boas se importadas. No ml estão pedindo um preço muito acima.

        1. Meu receio é comprar o menor e descobrir que justo para o que eu mais queria não ser possível usá-lo por justamente não ter aquela chave. rs

          Também estou muito inclinado em ir no mais completo

    1. Fui hoje na 25 e era tudo yaxiong, sei lá a marca. Até pensei em perguntar, mas não sabia se você ia continuar o assunto (na verdade estava carregando um saco preto pesado nas costas).

      1. Tb vi essas e achei caro demais pela qualidade baixa. Foi-se o tempo de bons preços na Santa. Eu fui na loja solução, sabe? De toldo vermelho numa esquina. Mas me mandaram pra segunda loja. Estava precisando de cabos do tipo bipolar. Na próxima ida te dou um toque pra batermos um papo de vc estiver no pedaço (e quiser,
        claro).

      1. A pessoa que escolheu esse domínio distribuidornacional merecia um prêmio pela falta de criatividade.

        Pode parecer besta, mas acho bem zoado hahaha

        1. Acho que é porque o domínio tá na mão da DL, que é uma distribuidora e provavelmente tinha alguma intenção de gerar um marketplace online com este nome.

        2. Antes da Xiaomi desembarcar por aqui, já tinham vários sites que vendiam importados dela usando o nome do endereço. E acho que ela não quer ir atrás do domínio antigo (mi.com.br, algo assim) pra não ter mais nenhuma ligação com aquela bomba que foi a primeira passagem no BR.

          Agora, como a DL é a distribuidora oficial, podia ter metido uns pedidos de takedown dos domínios antes do lançamento, né…

  15. Contando somente a era dos smartphones, qual o seu histórico de aparelhos?
    Eu passei por:

    iPhone (o primeiro que era somente 2G)
    LG P500H (android 2.2)
    Galaxy Nexus
    Nexus 4
    Blackberry Z10
    iPhone 5s
    iPhone 7
    Galaxy S8 (atual, muito satisfeito com ele!)

    1. Galaxy Mini
      Galaxy W
      Galaxy S3
      Nexus 4 (melhor smartphone ever)
      Moto X2
      Moto X Play
      Moto Z Play
      Outro Moto Z Play
      Mi Mix 2
      Galaxy S10e (num futuro próximo, espero hehe)

    2. Rapaz, que lista longa!

      – Nokia 5230 (oi Symbian!) – 2011
      – iPhone 4S 2012
      – Moto G 3 2016
      – Galaxy S7 2017

      Acabei de ver que estou há exatos 2 anos com o S7. Poderia estar mais satisfeito se a bateria estivesse com uma vida útil maior. Pensando em fazer um factory reset para ver se ajuda, já que eu nunca fiz.

        1. Pode ser uma opção, mas acho que ainda prefiro um carregador portátil do que mandar para a assistência e ficar sem o aparelho. Fora que o valor oficial para troca é de R$ 215 (2 anos atrás era R$ 65).

          Mas ele ainda não me deixou na mão, por ter sempre uma tomada por perto. Se eu viajasse muito, até consideraria mais a troca.

    3. Vou colocar aqui minha lista e dizer o destino deles atualmente:

      – Motorola Razr D1 (2012 ou 2013) – ainda o tenho aqui, mas não liga (até liga, mas quando quer), não sei se é problema da bateria ou do aparelho em si.
      – Moto G2 (2014) – tenho aqui e ainda funcionando. Precisei só trocar a bateria, pois não estava ligando mais. Instalei uma ROM e tá rodando o Android 9.0 Pie sem engasgos.
      – Asus Zenfone 3 (2017/2018) – eu tive dois desses entre esses dois anos, mas acabei sendo assaltado duas vezes (sim, comprei o mesmo aparelho porque gostava dele).
      – Moto E4 Plus (2018) – atualmente está sendo usado por minha mãe
      – Xiaomi Redmi 3s (2018) – o que eu uso atualmente, resolvi experimentar pra dar o Moto E4 pra minha mãe.

    4. Se a era dos smartphones não inclui os celulares com apps Java, então:

      Samsung Galaxy 5 (2011)
      Moto G 2ª geração
      Moto X Play
      Moto G5
      Xiaomi Mi A2 (2018)

      1. Caramba! Eu tinha esquecido completamente que tive um Razr D1 entre o Galaxy 5 e o Moto G2! Hehehe

    5. Segue a minha listagem e o tempo aproximado que fiquei com cada aparelho

      Milestone 1 (1 ano)
      Milestone 2 (1 ano)
      Galaxy S2 (1 ano)
      Galaxy S3 (2 anos)
      Moto X (5 meses)
      iPhone 5S (alguns dias)
      Galaxy S5 (1 ano)
      Galaxy S6 Edge Plus (2 anos e meio)
      iPhone 8 Plus (3 semanas)
      Note 9 (desde 09/2018)

    6. Motorola Spice (horroroso, meu deus, uma péssima primeira experiência)
      Samsung Galaxy Mini
      Lumia 710
      Samsung Ativ S
      Zenfone 5 (antigo)
      Xiaomi Redmi 3s
      Xiaomi Redmi 5

    7. Samsung Galaxy 5
      Nokia Lumia 710 (o melhor smartphone que eu já tive!)
      Nokia Lumia 620
      Palm Pixi (usava junto com o 620 porque precisava de outra linha. Adorava o WebOS)
      Motorola Moto G2
      Motorola Moto G4 Plus
      Xiaomi MiMax 2 (atual)

    8. Galaxy Y (passei muita raiva com essa porcaria)
      Lumia 520
      Lumia 640
      Xiaomi Redmi Pro
      Nexus 5x
      iPhone 7

    9. Tive muitos Motorola. Gostava da experiência de Android quase puro.

      – Motorola Razr D3
      – Motorola X (2nd geração)
      – Motorola Moto G3 ou 4 – não lembro
      – iPhone 8 Plus // muito satisfeito com a usabilidade, updates do SO, apps e com a integração com macOs

    10. Quanto telefone.

      A minha lista e o que eu fiz com cada um deles. A maior parte ainda está comigo por um motivo de “não vale a pena vender” porque sempre eram telefones low-end.

      – Galaxy Y [reciclei numa loja de POA]
      – Samsung Omnia [quebrou a tela quando tentaram me roubar na parada e acabei desmontando ele]
      – Nokia Lumia 520 [minha mãe usa como “telefone do ladrão” na bolsa]
      – Moto G [hoje ainda vive dentro de uma gaveta aqui em casa]
      – Nokia Lumia 525 [me roubaram]
      – iPhone 4S [hoje ainda vive dentro de um gaveta aqui em casa]
      – Alcatel A3XL [hoje ainda nas mãos do meu irmão]
      – Moto E5 Plus [atual]

    11. iPhone
      iPhone 3GS
      iPhone 4S
      Galaxy Note 2
      Moto X (2a geração)
      Redmi 3s
      OnePlus 3

    12. Vaic t800 (2008)
      Samsung Galaxy 5 (2011)
      Nokia Lumia 520 (2014)

      Eu só uso ZAP ZAP TOP, então o Lumia tava me servindo bem. Só que eu esqueci a senha do e-mail da Microsoft Account, então não tenho acesso à loja de aplicativos. Com isso, não posso atualiza-lo e, ontem, ele deixou de funcionar. Posso resetar o telefone e usar outro e-mail, mas perderia todo o histórico de mensagens trocadas nesses 5 anos. Preciso ver como fazer o backup.

      Tô cogitando comprar um Moto G7 Play. Vou esperar melhorar o preço mais um pouco.

      obs: não sou masoquista

      1. Eu acho que você consegue exporte o seu backup do Lumia pro Google Drive. Se conseguir, quando usar um Android ele vai pegar esse histórico automaticamente.

        Eu sempre perdi anos e anos de mensagens a cada troca de telefone ou problema com SIM de operadora. Mas nunca tive nada importante por lá mesmo então …

        1. Talvez seja minha chance de praticar o desapego e deixar de ser um acumulador digital de lembranças.

          Vou pesquisar melhor essa integração automática que você mencionou. Vlw pela dica. Se não der, não deu. ¯\_(ツ)_/¯

          (Apareceu um aviso de que tô enviando mensagem rápido demais. Qual é o tempo setado entre uma e outra?)

    13. Motorola Defy
      Motorola Razr I
      Samsung Galaxy Core 2 Duos
      Iphone SE

    14. iPhone 3GS (morreu bizarramente)
      Galaxy Y (meu deus como era limitado, mas rolava wpp)
      iPhone 4s (morreu bizarramente
      Moto Maxx (desde 2015)

        1. Ele tá pedindo um pouco de arrego. Como ultimamente não tenho usado intensamente, ele satisfaz e me economiza de fazer upgrade. Mas acho que de 2020 não passa

    15. Difícil lembrar de todos…
      Vou tentar
      Lumia 720
      iPhone 4
      iPhone 4s
      Moto G (1 e 2)
      Lumia 640xl
      Xiaomi Redmi 3s
      Xiaomi Redmi 2 e 2 Pro
      Redmi 5 plus
      Galaxy A5
      Galaxy S8 Plus + Galaxy Watch
      iPhone 7
      iPhone 8 (junto com o iPad e Apple Watch se tornaram meus gadgets favoritos)

      (Abençoado seja o OLX)

      1. olx funciona tão bem qto o mercado livre ou tem q manjar pra não cair em furada?
        pelo seu comentário presumo q vc fez bons achados por lá!
        se puder dar umas dicas, agradeço!

        1. Olha, acho que o básico saca?
          Preços e produtos milagrosos existem porém são raros.
          Sempre locais públicos e não tenha medo de desistir de uma negociação se não se sentir realmente seguro.
          Já fiz bons negócios lá e alguns são realmente milagrosos, por exemplo semanas atrás troquei meu Galaxy Watch 42 (que você acha por uns 900) por um Apple Watch Series 3 42mm versão de alumínio etc com condições realmente melhores que o meu, porém o caso desse “milagre” é que o cara simplesmente tinha migrado para o Android e não aguentava ficar sem um Smartwatch.
          Mas já deixei de fazer negócio e fui embora por não me sentir seguro várias vezes.
          Axho que é isso.

    16. Vou tentar puxar de cabeça, mas é difícil pois sempre foi ganhado e trocava quando tinha oportunidade.

      ZTE V821
      Clone do S4
      Nokia 500 (me diverti trocando a rom dele).
      Nokia E62
      Multilaser 3 chips (sei que não era smartphone, mas escutava música :p )
      Sony Ericsson Xperia X10
      LG Optimus P720 (3D)
      Samsung Galaxy S2
      Samsung Galaxy Gran Duos
      LG Nexus 4

    17. Sou daqueles que importa, que troca de aparelhos pela olx, por grupos de troca, que gosta de testar.
      Então tive todos os Lumias que vieram pro Brasil, exceto os 950 e XL que não vieram e não comprei, mas testei aparelhos como o 928.
      Tive iPhone do 3Gs até o 8, mas nunca no ano de lançamento. Tive do Galaxy S2 até o S8+, esses sim praticamente no ano do lançamento exceto meus atuais, tive um S6 Edge em 2016 mas só atualmente que tenho o modelo flat pra serviço e o S8+ snapdragon como top principal.
      Motorola tive todos os Moto X, incluindo o Play que adorei. Dos Z tive a primeira geração do Play e padrão, e tive o Z2 Play, nenhum mais. Xiaomi tive Note 3 Pro, Note 4x, Note 5, Redmi 5 Plus, Mi5s, 5s Plus, Note 2, Note 3, Mi A1 e A2, Mix 1 e 2.
      Sony tive Xperia Z1, Z2, Z3, Z5. Xperia X e XA1.
      Tive outros aparelhos aleatórios, intermediários como Moto G5 Plus e Galaxy Gran Prime. Tive aparelhos como HTC One M7, M8 e 10, Galaxy Note 3, 4 e 5, Huawei Honor 8 e 9, P8, Lenovo Zuk Z2, Oppo Find 7, Blackberry Z30, Sharp alguma coisa.
      A lista é longa, então não conto em detalhes.
      Mas os melhores que tive foram: Lumia 930, Xperia Z2, Nexus 4, 5x, Moto G5 Plus, Galaxy S7 Edge, S8+ e Idol 4s. Foram os que tive a melhor experiência, seja por necessidade da época, seja pelo uso completo do aparelho.

    18. android genérico
      iphone 4s
      iphone 6s

      Entre 2011 e 2013, tive um samsung genérico com android. A tela era horrível, tudo era lento, a câmara era uma merda e isso tudo me fez nunca mais querer usar android na vida.

      Entre 2013 e 2015 tive um iPhone 4s e desde então estou com um iPhone 6s — que pretendo usar pelo menos até o fim do ano que vem, quando imagino que vão deixar de atualizá-lo.

      apenas três aparelhos em oito anos ou nove anos acho uma boa relação custo/benefício

      1. A relação CxB da Apple em telefones é ótima, contudo, o start de liquidez é proibitivo pra maioria das pessoas no Brasil (aka assalariados com renda média de 3k reais, com sorte).

        Resta comprar usado, daqueles que não atualiza o iOS mais, ou partir pra um Android da vida.

        1. os preços realmente aumentaram muito nos últimos anos

          prevejo comprar um iPhone novo ano que vem para substituir o 6S, mas imagino se comprarei o modelo de 2020 ou o que será lançado esse ano — isso se continuará havendo iPhone XR até lá, pois a versão “normal” é impossível.

    19. Galaxy Ace
      RAZR i
      Nexus 5
      Moto X Style
      Nexus 5X
      Galaxy S8 (atual)

    20. LG Optimus GT 540 (detesto, era horrível, joguei fora uns dois anos atrás)
      Galaxy SIII (vendi)
      Moto X (até hoje sinto saudades, quebrou)
      Moto X 2 (vendi)
      Galaxy S6 (existe até hoje, uso para correr)
      Moto Z Play (vendi)
      Galaxy S8+ (atual há uns 7 meses)

      Engraçado que eu fico mudando de Samsung para Motorola, eu me canso do Android da Samsung e vou para Motorola, aí me canso da câmera da Motorola e volto pra Samsung. O One Vision me deixou bem interessado porque parece que a Motorola finalmente acertou uma câmera.

    21. Comecei meio atrasado na era dos smartphones.. em ordem de aquisição
      OnePlus One
      Motorola Moto X
      iPhone 5s
      Galaxy Note 4
      Samsung Galaxy A5 2017
      Galaxy S8 [atual]

    22. Saudades do Nokia e62. Gostava dele e me sentia fodão usando um. Tudo o q veio depois foi mais ou menos. Esses atuais, sem teclado, não têm graça. São como simulacros pafa uma vida impossível, plana, lisa e escura (anti-natural).

    23. Sony Xperia J (2013, 1 ano e 2 meses) – Era bonitão, travava com estilo.

      Motorola Moto G2 (2014, 1 ano e 9 meses) – Curti pra caramba, mas no final de vida ficou meio cansado pro meu uso, virou o celular da minha mãe por uns 2 anos, até ter sido vendido esse ano.

      Xiaomi Redmi Note 3 Pro (2016, 2 anos e 3 meses) – Baita aparelho tirando a câmera ruim, eu estaria com ele até hoje se fosse a versão com 3gb/32gb, por um tempo virou o celular do meu pai que quebrou ele todo kkk, hoje ele tá no meu quarto pra servir como controle remoto.

      Xiaomi Mi A2(2018, 2 meses) – Achei ele muito grande e falta da Banda28 fez eu vender ele pro meu cunhado.

      Samsung Galaxy S8 (2018, 3 meses) – Bom celular que teve um destino trágico =/

      Xiaomi Redmi 6 (2019, ~3 meses) – Meu celular atual, gosto do seu tamanho compacto e seu acabamento em plástico que me permite usá-lo sem capinha, a câmera poderia ser melhor e a banda 28 as vezes faz falta, mas pelo seu valor sem dúvidas é um celular bem honesto.

  16. Ao amigo Guilherme Jales e aos demais que ficaram interessados no grupo de colaboradores do MdU no Telegram sobre o pagamento com o celular ou com cartões contactless, segue imagem que explicativa:

    https://www.dropbox.com/s/qaqe0bibgf12l9s/16.JPG

    Para a maior parte dos celulares e relógios e todos os cartões contactless, a máquina de cartão precisa ter o símbolo indicando tem aceita pagamento por NFC . Aí basta seguir a imagem de cima que consta no link que tem abaixo.
    Se a compra for abaixo de R$ 50,00 não precisa de mais nada, se for acima será solicitada a sua senha.

    Caso use um celular ou relógio que também tenha tecnologia MST, que não tenho certeza, mas acho que são só os Samsungs, você passa a pode pagar além do modo acima também em máquinas mais antigas que não tenham tecnologia NFC. O pagamento acontece bastando aproximar o celular do local onde se passa a tarja do cartão físico. Lembrando que não é onde se insere para a leitura do cartão com chip, essa aproximação é no local onde se lê a tarja. A imagem de baixo do link exemplifica. Nesse método em máquinas mais antigas o uso de senha é obrigatório em todos os pagamentos.

    Lembrando que o local onde se lê a tarja em alguns Pin Pads ligados a PDVs é na parte de cima e não do lado como a imagem mostra.

    1. Esse MST da Samsung é vida. Não precisa ficar pedindo pra pagar por aproximação e tem aceitação universal. Não fosse por ele, dificilmente eu usaria o S. Pay.

    2. Os novos Galaxy Watches ainda tem MST? Fiquei igual bobão encostando o meu numa maquininha aqui do trabalho e nada…

          1. Isso é bem triste…
            Como disse uma solução de pagamento sem MST pra mim não serviria pra nada, porque pelo menos no Brasil ainda tem muita maquininha que não tem NFC e isso faria que eu tivesse que andar com o cartão de qualquer forma. Ontem mesmo fui ao Outback e o garçom disse: “não vai passar, essa máquina não aceita pagamento com celular” e eis que ele fica de cara quando vê que o meu passou sem entender a razão e eu agradecendo ao MST mais uma vez.

    3. Em uma farmácia, o caixa me explicou que, apesar das maquinetas aceitarem NFC, o sistema de PDV deles (por algum motivo) bloqueava ou recusava transações contactless.

      Estou numa saga pra descobrir aonde vou conseguir passar compra no meu roxinho sem digitar senha…

      1. Pra TEF é mais complicado pq precisa seguir alguns pré requisitos, vou listar alguns:

        -Máquina compatível com NFC;
        -Integradora (Auttar, Sitef) já homologadas com o contactless da adquirente (Getnet, Cielo);
        -CNPJ com bandeiras contactless habilitadas na adquirente.

        Onde trabalho o sistema só pede para aproximar depois de cumprir os pré requisitos.

        1. Interessante!

          Sendo assim, procede que só vai funcionar se a maquineta disser “Aproxime, insira ou passe o cartão”?

          1. Se estiverem usando Auttar sim, as outras empresas não sei como estão lidando. Já fui numa farmácia que aproximei o cartão e deu erro.

        2. MST evita todo esse problema, não?
          Em vários lugar o lojista “fica besta” que ele nem sabia que aceitava pagamento com cartão e o Samsung Pay emulou uma tarja com o MST e deu certo.

          1. Sinceramente não sei como funciona essa tecnologia. Até onde sei, os cartões que possuem chip não permitem a transação na tarja. Teoricamente se o MST simula tarja não deveria aprovar. Vou pesquisar melhor pra saber do que se trata.

    4. Eu já usei o contactless do Nubank várias vezes, é bem bacana! Só tenho de lembrar de deixar uma grana lá pro débito.

      1. Nossa já eu usei bem pouco, pq geralmente o lojista faz o fluxo “errado”. Pra começar a transação eles inserem o cartão na máquina, e daí tu explicar q é contactless, por mais que conheçam a tecnologia, já matou o ganho de tempo que teria.

  17. parabéns, ghedin, por elucidar como funcionam as entranhas dos aplicativos mensageiros! e parabéns por não condenar (e não seria diferente no seu caso) jornalistas q usam informações advindas de hackers (ou não) como fonte para o essencial trabalho jornalístico. imaginando um mundo sem ações das do tipo do ‘the intercept’ estaríamos numa situação muito pior do q já estamos. espero, diferente dos advogados q não enxergam problemas nas recentes divulgações do judiciário, q os jornalistas saibam valorizar todos esses esforços q atentam, essencialmente, aos fatos. pra ser jornalista no brasil é preciso tb uma boa dose de coragem, além de lucidez e sangue frio.

    1. i) O Glenn soltou uma nota hoje respondendo a canalhada que a Globo fez com ele.

      ii) Aquela mensagem do “Oi, é o Hacker” é um resumo do governo brasileiro “liberal”. Se colocar Benny Hill de trilha sonora vai parecer um filme antigo.

      iii) A quantidade de gente dizendo que os diálogos são falsos porque o Telegram disse que “não ocorreu ‘hack’ nenhum no Telegram” é de cair o cu da bunda.

      iv) A quantidade de gente que não entende um conceito básico de TI de que o hack foi feito em uma conta do Telegram e no aplicativo chega a ser preocupante.

      v) Incrível como o capital se aliou com qualquer imbecil autoritário para chegar ao poder se forma irrestrita. Já estava com o Lula mas pagava o preço de manter uma social democracia capenga. Com o Temer ensaiou uma retomada do poder (perdido no FHC) mas não conseguiu por conta dos escândalos. Agora, com o Paulo Guedes (Bolsonaro é o testa de ferro da chapa, quem realmente importa no contexto é o Paulo Guedes) estamos entregues completamente aos bancos e banqueiros. Moro foi o avalista dessa tomada de poder escusa.

      vi) O hack do Intercept adiantou a história em uns 30 anos. Iríamos sabe, eventualmente, sobre esses conchavos entre a República de Curitiba e as ações da LJ, mas, com sorte, só daqui uns 30 anos que isso vazaria através da abertura de algum arquivo ou de alguma vazamento interno. Obrigado aos jornalistas.

      vii) Glenn e David correm sério risco de vida.

      Pra ser jornalista no Brasil precisa coragem, muito coragem.

      1. correm sim. há não muito tempo, começamos a afrontar algumas pessoas relativamente poderosas aqui numa cidade próxima. nos ameaçaram de processo (o q não temo), mas o q eu mais temia é um desses caras colocarem capangas aqui na porta da nossa casa (coisa q não é difícil descobri) para nos atacar. e nem somos jornalistas! só denúncias a observações em redes sociais suscitaram as ameaças de processo. jornalistas como glenn e tantos outros são destemidos e muito corajosos. o cara enfrentou a cia, a nsa… mano, isso é algo inimaginável pra mim… fez bem em estar no brasil durante esse tempo, agora, acho q não é mais.

      2. Tem o link da nota do Glenn?
        Também vi por aí que tavam acusando o Glenn de ter defendido um líder nazista e tal, ele falou algo a respeito? Procede?

      1. Senti falta de Metroid , mas to mais que satisfeito com o BotW seguinte

    1. só vi algumas coisas, uns trailers e tal. vi, eu acho, mais coisas da microsoft e achei tudo muito louco! cyberpunk parace legal. eu q nem sou fã de star wars (q não lembro se é algo da ms tb) fiquei com vontade jogá-lo,pq ele tem tudo q star wars tem de legal. eu não tenho console nintendo, então… ou eu compro um ou fico de fora de coisas bem legais.

      1. Nunca joguei nada de SW, mas fiquei com vontade desse
        Parecia meio Assassins Creed de tudo ser escalável

  18. Passei a manhã olhando o site da Caderno Inteligente (porque vai que não ganho o sorteio do Manual?) e vi a solução deles de caderno com case pra smartphone.
    É curioso como ficou datada a medição de um aparelho pelo tamanho da tela. Com as bordas mínimas de hoje, dizer que “você pode usar um smartphone de até 5,5 polegadas” não diz muito sobre o tamanho real da capa. Vou ter que ir numa loja física que venda o produto pra me certificar de que meu celular é adequado pra case…

    1. também estou de olho no site, heheh

      aliás, achei o site bem ruim.

      pretendo comprar o modelo A5 e mais a régua, e vc?

      1. Tava pensando em pegar o smartcase A5, mas considerando o preço, provavelmente vou pegar só mesmo o caderno A5 hehehe

    1. Vou ter que ouvir pelo rádio, assim como fiz em vários jogos da Copa 2018…

    2. Só assisti Nigéria x Coréia de completo. Peguei um pedaço de EUA x THA, mas THA era tão ruim que pra passar raiva mesmo eu prefiro voltar a assistir o Vasco. Porém dei sorte de ver alguns lances bizarros dessa rodada:

      atacante da Nigéria metendo a mão na bola e quase anulando um gol contra

      o gol contra da França

      o gol da espanha ou Alemanha em que a capitã demora horrores pra tirar uma bola em cima da linha e a goleira fica só assistindo

      – – –
      Hoje assistirei, espero que role um jogo legal

    3. o q pega é: elas trabalham pra CBF q, bem sabemos, é uma empresa comprometida com muitas coisas, menos com o esporte (em especial o futebol feminino, q faz questão de afundar) e seus valores civilizatórios. no meu íntimo torço pela vitória das mulheres (seja na copa ou em outras áreas), mas estraga o barato pensar no empregador delas. e se elas ganham, esse vigaristas (machistas e misóginos até a última gota) ainda surfam na vitória (dupla exploração). abstraindo tudo isso, esquecendo os problemas os quais elas não conseguiriam tão facilmente escapar, aí sim, confesso, torço por elas. já o time dos machos, meu sincero desejo é eterna e vergonhosas derrotas, até q tudo mude na, como diz o juca kfouri, ‘casa bandida’.

      1. A CBF precisa acabar. O Vadão ser treinador das mulheres é o cúmulo (ainda mais tendo, pelo menos, duas mulheres muito mais competentes do que ele pra treinar a selação). Problema que pra CBF acabar precisa acabar a FIFA, a CONMEBOL e a UEFA (pelo menos).

        Sobre não torcer por conta da CBF, eu torço pelo esporte. Por isso torço pela seleção masculina e pela seleção feminina. Se fosse assim não torceríamos por nenhum esporte, as federações são sempre corruptas (procure pelos casos das federações de basquete e vôlei).

        E se fosse pelo empregador, eu não iria usar nada ou ver nada. O que mais tem é diretor de cinema abusador/assediador/estuprador que é endeusado em circuito indie.

        Até hoje fico pensando porque o Marcelo Camelo, que iniciou um namoro com a Malu Magalhães quando esta tinha 16 anos, nunca foi apedrejado pela classe artísticas. Ou porque o Chico Buarque segue sendo o “entendedor da alma das mulheres” depois de tudo o que ele pra Marieta Severo.

        Sei lá, hipocrisias.

        1. os últimos pontos são bem observados e, confesso q cai nessa conversa mole de q o chico é o cara q explica o q as mulheres pensam e sentem…
          malu tinha uma mentalidade infantil. lembro de uma entrevista dela no jô, falando q dava nome aos seus instrumentos musicais de modo, essencialmente, infantil. camelo provou a máxima forçada: ‘mulher amadurece mais cedo’…

          tem o esporte amador. esse pode contar com a nossa torcida. até ele deixar de ser, aí correríamos pra outros amadores e assim pra todo o sempre.

          1. A da Malu foi algo que a minha mãe comentou quando viu. Ele basicamente namorava uma criança. Ganhou vista grossa porque é do Los Hermanos e o pessoal adora o LH no meio mais indie.

            Eu acompanho e jogo Rugby hoje em dia. Um amigo meu me chamou pro jogo e tô lá, levando porrada. É bom. O Futebol ainda tem bastante gente pelo amor ao esporte, mas esse pessoal está nos times de bairro, nos torneios citadinos e na várzea. Futebol na TV é show e capitalismo.

        2. pra ser sincero, nunca saquei muito bem o q queriam dizer as letras dos los hermanos. e continuo nessa. qualquer dia tento alcançar o inalcançável. se falhar é incompetência minha mesmo.

          1. É a placitude do home branco frente as vicissitudes do dia-a-dia moderno. Todas são a mesma comiseração em relação à (pseudo) incapacidade dele de se adequar aos padrões. É um homem branco reclamando de que é difícil ser branco, rico e hétero porque a mulher que ele, supostamente ama, não quer ele.

    4. Complemento da resposta anterior:

      Ainda não parei pra ver todos os gols: das melhores coisas de copa e futebol feminino são os golaços. Até agora o de falta da Cristiane está como favorito

    5. Não gosto de futebol no geral, mas torço para todas as mulheres! Que o esporte seja mais conhecido e reconhecido.

    6. Eu estou vendo – mas hoje tive uma reunião bem no horário.

      Estou decepcionado com o fato de não conseguir comprar nas livrarias aqui de Campinas o álbum de figurinhas capa dura da copa feminina. Na masculina até padaria tinha e havia muita gente vendendo e trocando figurinhas. É triste ver essa discrepância.

Os comentários deste post foram fechados.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!