Post livre #166


21/3/19 às 12h17

Toda semana, o Manual do Usuário publica o post livre, um post sem conteúdo, apenas para abrir os comentários e conversarmos sobre quaisquer assuntos. Ele fecha no sábado, na hora do almoço.

Assine o Manual do Usuário

Ao acessar este blog, você não é rastreado ou monitorado por empresas como Google, Facebook e outras de publicidade digital. A sua privacidade é preservada. O Manual do Usuário tenta viabilizar-se por métodos alternativos e éticos. O principal é o financiamento coletivo. Colabore — custa a partir de R$ 9 por mês:

Assine no Catarse

144 comentários

  1. Olá de novo!
    Estou usando um notebook bem simplório (um Celeron pareado com 4gb de ram) e resolvi meter um Linux Mint nele porque a perfomance do Windows 10 era lastimável.
    Pretendo abandonar o Chrome porque ele também não casa bem a configuração, então queria indicação de browsers para usar no Linux. Atualmente estou no Brave, mas ele apresenta problema com execução de streaming com DRM (spotify e netflix).

    1. Iceweasel me agrada bastante. É uma versão livre (sem marcas registradas) do Firefox mantida pelo pessoal do projeto Debian.

      Depois disso você tem o indicado pelo Ghedin aqui, o Suf, que permite apenas uma aba. Você ainda pode usar o Konqueror, da suíte KDE que é bastante parecido com o FF.

      Se o seu problema for recursos computacional, eu indico o Midori que é bastante leve e eficaz (faz tudo o que os outros fazem).

  2. Amigos, boa noite!

    Tudo bem?

    Terminei esta semana com uma indecisão muito grande com relação ao próximo celular que eu vou comprar, se alguém puder me ajudar, dar dicas, eu ficarei muito grato.

    Atualmente, eu tenho um Moto G4 de 16GB e 2GB de RAM, ao pesquisar os celulares atuais, percebi como já avançamos bastante com relação ao hardware e software.

    No início da semana, eu estava cogitando trocar do Android para o IOS e pensei em comprar um iPhone 7 de 32GB por R$ 2.500,00, este é o preço mais em conta que posso pagar, porém, fiquei com um pé atrás de pagar este valor em um celular de 2017 com pouca memória se comparado com outros celulares da mesma faixa de preço, além disso ele possui somente 2GB de RAM.

    A outra opção que eu cogitei foi comprar um Galaxy Note 8 do meu amigo que está ótimo estado de conservação, ele possui 6GB de RAM e tem 128GB, ele está vendendo por R$ 2.100,00.

    O que vocês me recomendarião? Quais celulares vocês estão usando? Até qual preço vocês pagam em um celular?

    Obrigado a todos!
    É a primeira vez que participo ativamente no Manual do Usuário. Quero parabenizar o Ghedin pelo excelente trabalho, principalmente como jornalista e à comunidade que participava bastante. =D

    1. Ja tem mais de um ano que estou com um iPhone 7 e funciona tão bem quanto no primeiro dia que liguei ele, no meu caso os 32 GB são mais que suficientes. Acredito que um Galaxy Note 8 tbm funcione super bem, o único problema que vejo é o fato de ser um celular usado, mesmo em boa conservação vc já começa com uma bateria com menor tempo de vida útil. Um ponto muito importante entre os dois celulares, pelo menos na minha visão, é o tamanho de tela, as 4.7 polegadas do iPhone 7 foi o critério definitivo para mim escolher por ele.

    2. Bem-vindo, João! :)

      Não tente comparar iPhone com celulares Android a partir de números objetivos, como quantidade de RAM. As arquiteturas são tão diferentes que comparações diretas do tipo não traduzem as experiências que você terá com cada aparelho.

      O iOS é mais eficiente no uso de recursos do que o Android, de modo que 2 GB de RAM, para uma tela “pequena” como a do iPhone 7, é o bastante. (Eu tenho um iPhone 8, que também tem 2 GB de RAM, e nada a reclamar.)

      Fosse eu, pegaria o iPhone 7 justamente porque os celulares da Apple envelhecem melhor que os com Android. Em termos de processamento, os chips A da Apple ainda estão à frente dos da Qualcomm e o suporte que a Apple dá a aparelhos antigos também é superior. O iPhone 5s, de 2013, ainda recebe atualizações. Qual Android dessa época está na mesma situação? (Spoiler: nenhum.)

      Só tem dois pontos em que você perderia ao optar pelo iPhone 7. O primeiro é tela/design. O Galaxy Note 8 já adota um visual mais moderno, “tela infinita”, e a tela é bem maior (6,3 polegadas contra 4,7). O outro é a memória de armazenamento, que no iPhone 7 é 1/4 do que você teria no Note 8 do seu amigo. Nesse caso, a saída é mitigar a falta de espaço com uma assinatura do iCloud — 50 GB na nuvem custa R$ 3 por mês e a integração do iCloud com o iOS é tão suave que com o tempo você até esquece o que está no celular e o que está na nuvem.

      1. Confesso que depois dessa breve (e leve) comparação, me fez até cogitar em adquirir um iPhone no futuro (possuo um Moto G4 Play), principalmente pelo tamanho da tela que para mim é ideal para mim (até 5,5 polegadas) e que pelo andar da carruagem, vão se tornar cada vez mais escassos com o passar do tempo. Mas o preço é claro, me fez voltar para a realidade.

        Em tempo, como me parece grande a disparidade de hardware para o Android rodar tão bem como o iPhone.

    3. Com relação ao iOS, eu sugeriria não olhar para as especificações técnicas, como disse o ghedin — a não ser, é claro, que você precise particularmente de algum recurso, como o das câmaras mais novas, faceID, etc — mas para o potencial do aparelho em continuar recebendo atualizações. Em média os iPhones continuam recebendo novas versões principais do iOS por quatro anos. Isso significa que esse eventual iPhone 7 (lançado em 2016) provavelmente ainda deve receber as atualizações dos futuros iOS 13 (2019) e iOS 14 (2020), o que deve torná-lo minimamente utilizável até meados de 2021. Não entendo de aparelhos android, mas tenho a impressão que este potencial de vida útil só ocorre em aparelhos mais recentes.

      Tenho, por exemplo, um iPhone 6s, do longínquo ano de 2015. Algumas coisas nele já estão meio lentinhas, mas em geral ainda é um aparelho bastante útil.

      1. Nenhum aparelho Android tem essa vida útil.

        Se não me engano funciona assim: Google, nos aparelhos que ele comercializa, dá 2 ou 3 atualizações. A Samsung garante 3 atualizações para a linha S. Motorola são duas para linha Z e uma para a linha G (e nenhuma para a linha E, eu mesmo tenho um E5 que vai morrer no Oreo caso eu não coloque um outro SO nele, e não é por falta de HW, mas eu já sabia quando comprei o telefone e paguei R$700).

        Minha mãe, por outro lado, tem um iPhone SE e ele ainda deve receber mais duas atualizações (já recebeu 2). Meu antigo iPad 2 foi até o iOS 9 (rodando mal, mas foi).

        Se você tem dinheiro pra gastar e quer atualizações sempre, iPhone é sempre a melhor pedida.

    4. Pessoal, muito obrigado pelo feedback de vocês. Entendi perfeitamente que não devo comparar as especificações de hardware do iPhone com os smartphones Android, pois são arquiteturas diferentes. Eu iria comprar um iPhone 7, mas, INFELIZMENTE, minutos depois que vim aqui tirar esta dúvida com vocês, roubaram o meu Moto G4, loucura, né?! Pois é, estava na rua de casa, já bem próximo ao portão, quando veio uma moto e dois caras nela, subiram na calçada e colocaram a arma em mim, pediram o celular, eu entreguei e eles foram embora.

      Fiquei bem triste com o acontecido, pois não cogitava trocar imediatamente, estava estudando as melhores opções, esperando por bons preços e, inclusive, o lançamento da linha A10/20/30 da Samsung.

      Hoje, mais cedo, tive que ir ao shopping comprar o meu celular e, por conta disso que aconteceu, optei pelo Moto G7 Plus que estava com um excelente preço através da operadora Claro, a qual eu já uso e não precisei alterar o plano. Um dia, quando tiver em um lugar mais tranquilo, comprarei um celular melhor, por enquanto tenho que evitar dores de cabeça.

      Mesmo assim, muito obrigado pela ajuda de vocês. Para quem deseja saber onde eu moro, é São Paulo/SP, Zona Leste.

      1. Fez uma boa escolha.
        iPhone tem todo um leque de vantagens para alguns, mas a bateria de autonomia pífia é um problema que não será sanado tão cedo.

    1. Cinco abras, quando muito.

      Acho que vou criar um curso de gerenciamento de abas de navegador. (Não em formato de curso, mas no ano passado cheguei a considerar a ideia de post com dicas para evitar o acúmulo de abas. Nunca escrevi, porém.)

    2. 5 no modo normal

      15 trabalhando

      20 se eu tiver pesquisando algo que não consigo achar fácil.

      100 não, por favor (mas já quase cheguei nisso)

      (agora mesmo estou com 6 – Dois do Youtube [uma esqueci de fechar], um do Facebook [página de uma loja de recuperados], um do Diário do Transporte [página de transportes que gosto], uma do Gizmodo [tem uma matéria interessante lá sobre Stanford fazer um instituto de homens brancos], uma do Twitter [vício] e essa aqui que digito agora)

    3. Quando chego a 10 eu já começo a fechar. Fico bem perdido com várias abas…

      Um cara que trabalhou comigo mantinha umas 5 janelas do chrome (separadas por áreas do que ele tava trabalhando) com umas 20-30 abas em cada. Não faço a menor ideia de como ele se situava ali

      1. Acho que vou adotar isso de fechar a partir de x número de abas

        As abas abertas são espécie de favoritos/read it later

        1. essas abas eu vou salvando tudo no pocket mesmo hahaha

          quando é urgente eu até mantenho, mas não costuma ser o caso

  3. Pergunta nada a ver da semana só para render papo: como vão de saúde?
    O que têm feito ativamente para cuidar do bem estar físico (e mental, igualmente)?
    Estão praticando algum esporte/atividade física?

    1. Recentemente fiz vários exames (de sangue, ecocardiograma, de esforço), e está tudo bem.

      Porém não me alimento como deveria (tenho dificuldade em ingerir frutas e verduras) e quero mudar isso (só não sei como começar).

      Minha saúde mental acredito que está normal, minha saúde emocional é que não está tão boa (eu sempre digo que ela está instável).

      Pretendo nesse ano ainda, frequentar uma academia para ser mais “notado”. Atividade física mesmo, só uns “rachas” na semana.

        1. Você deve ter imaginado uma pessoa acima do peso né? Na verdade é o contrário. Sou magro, tenho 66 kg. Quero aumentar minha massa muscular hehehe.

          Mesmo assim, obrigado pela sugestão.

          1. low carb é pouco carboidrato e não zero carb
            concentrar sua dieta em proteina e gorduras pode te fazer ganhar peso com saude
            tudo é uma questao de escolher bem os alimento e ver o que funciona com vc
            não há formulas magicas
            tem tb o livro do tim ferris, 4 hors para o corpo

    2. Estou acima do peso. Nesse mesmo período ano passado estive o meu peso máximo. Acho que já era considerado obesidade, não tenho certeza. Fiz uma cirurgia de desvio de septo e assim que tive liberação, estou nadando e malhando quase que diariamente.

      Apesar do peso alto, nunca tive tanto vigor. Seja pelo resultado da cirurgia, seja pelo empenho que dou nos exercícios, estou com energia de garoto. A dificuldade está em corrigir alimentação. Preciso fazer mais minha própria comida e depender menos da rua.

      Junto a isso, quero incluir corrida na minha rotina também. Não gosto muito de corridas a distância, mas depois de ler “Do que eu falo quando eu falo de corrida” fiquei tentado a tentar os 10km. Essa aproximação dos esportes individuais com a meditação é algo que vem me atraindo muito. Algumas vezes senti na natação e malhando e a sensação é muito legal.

      Do lado mental, esses exercícios estão segurando minha ansiedade muito bem. Hoje me acho um tanto tolo de ter largado as minhas atividades anteriores por causa dos trabalhos da faculdade ou mesmo por desinteresse. Acho que perdi muito por isso. Hoje até gasto bastante tempo da semana assistindo vídeos no YT sobre meus exercícios para me motivar mais.

      1. Ainda sobre a comida, parei com delivery, fast foods, e de uma gelada todo fds.

    3. Desde os 22 anos eu tenho dificuldade de me manter no peso, mas eu sei porque isso rola.
      Eu joguei bola semi-profissionalmente até essa idade (fui das categoria de base do Inter, depois joguei no Cerâmica, hoje um time regular de Gaúchão). Depois dos 22 ainda joguei até os 28 futsal, disputando o citadino e a série prata. Durante todo esse tempo eu comia muito mais gastava muita energia também.

      Dos 28 em diante eu ganhei 11 kg (de 78 kg pra 89 kg). Por sorte sou um pouco mais alto que a média e isso me faz parecer mais magro do que eu realmente sou.

      Hoje em dia o meu único problema de saúde é a asma (ansiedade e depressão estão controladas) que é crônica, então, vive e deixe viver.

      Eu como quase nada de gordura e carboidrato, meu problema é açúcar e chocolate (meu único motivo pra nunca ser vegano é não comer mais chocolate ao leite, por exemplo) então meu exames tendem a ser sempre bons. Tive um exame de glicose alterado uns anos atrás mas uma dieta rápida me recolocou nos trilhos.

      Cheguei a estar com taquicardia, mas era culpa da ansiedade, depois de iniciar com terapia e medicação tudo normalizou.

    4. Eu também tanho que dar minha contribuição!

      Após uma reeducação alimentar e umas corridas ali e acolá, meio que tinha estacionado na faixa dos 83-85kg. Mas ainda assim me sentia insatisfeito com o meu visual (a cintura que acumulava gordura…).
      Depois de uma viagem em que eu andava praticamente 15km todos os dias, perdi cerca de 5 kg e decidi manter esse novo peso. Tomei vergonha na cara e cumpri a meta de corrida 3x na semana e vez ou outra, corridas de bicicleta (uns 25km ou 1h20). Cheguei nos 77kg e estacionei.
      Só que vi que estava quase sem força muscular na parte superior do corpo (abdômen e braços), daí, após uma luta interna, fiz uma aula experimental de crossfit e confesso que já gostei de cara. Como não sou os loucos corssfiteiros, ia num ritmo bem leve, para criar resistência mesmo. Consegui perder mais alguns quilos, e de quebra, muita porcentagem de gordura corporal e ainda ganhei massa magra.
      Hoje estou na faixa dos 73kg, bem satisfeito, mas ainda quero ganhar mais massa muscular. Talvez mude para a tradicional musculação por um tempo (detesto academia tradicional).
      Enfim, com isso tudo, minha auto estima melhorou bastante! É bom escutar uns elogis de vez em quando. A única parte ruim é que perdi muita roupa (nem ajustando ficaram boas).
      Vida que segue.

  4. Pessoal,

    Vocês fazem alguma gerência do que leem/assistem/escutam? Do tipo “hoje vou ler livro X, depois assistir vídeo Y, amanhã ouvir podcast Z”. Vocês possuem alguma rotina ou hábito para organizar o consumo desses conteúdos?

    1. Entendo isso como metodologia para trabalho ou estudo de assunto. Para lazer? Nunca

    2. Meu consumo de conteúdo num dia normal é majoritariamente de Youtube e podcasts. Não é raro eu me pegar olhando pra watchlist do YT e pensar, “hm, vou dar uma acelerada com isso daqui antes de voltar pros podcasts”

    3. Fico cerca de 1h30 na van de casa para o trabalho. Nesse tempo eu tento ler algum livro tecnico no Kindle, ou os artigos que tenho gravado no Pocket (algo entre artigos tecnicos e curiosidades).

      Descendo da van, vou tomar café da manhã, e aproveito para assistir à charge do dia no Youtube (do canal Charges.com.br do Maurício Ricardo), e mais algum vídeo que me seja sugerido (gosto bastante de coisas sobre ciência, especialmente sobre o espaço, então algo de SciShow, The Science Asylum, PBS SpaceTime, Veritasium, It’s Ok to be smart).

      Na hora do almoço, leio um ou dois capítulos do livro de ficção que está começado no Kindle (levo uma eternidade para ler esses, já que é só 30min por dia).

      Na viagem de volta para casa (o que dá umas 2h) e depois na academia, é hora de ouvir meus podcasts.

      Antes de dormir, assisto um episódio de alguma série no Netflix ou Globoplay.

      Fim de semana é uma grande exceção. Um podcast de 30min assim que acordo, enquanto preparo o café (aí coloco na caixinha de som mesmo, para acordar todo mundo na casa), e tento jogar no Xbox o máximo que conseguir.

    4. tenho várias listas de tudo (livros, animações, filmes etc)

      elas servem para orientação/sugestão: pesco alguma coisa delas regularmente.

      meu único controle são as postagens que faço no blog, que são bem aleatórias.

      abs

    5. eu tenho

      só ouço podcast enquanto estou no ônibus;

      animes quando estou no horário de almoço ou quando chego cedo no trabalho;

      o único mangá que estou lendo atualmente, leio em qualquer lugar, até pq é um capítulo por semana, então é tranquilo ;

      série assisto em casa quando estou com tempo;

      livros e canais do YouTube quando estou no ônibus ou em casa (fico bastante tempo em ônibus, de 4-5 horas por dia).

  5. A nova série sobre Formula 1 do Netflix é incrível. Devorei em 2 noites, qualidade espetacular. Aos amantes de automobilismo, recomendo!

    1. Sou amante de automobilismo, mas recomendo a série até para quem não gosta (todos que conheço hahaha), a corrida é só um pano de fundo, acho que a série explora muito bem os aspectos humanos que não dá para ver na corrida.

  6. Qual o nível de tolerância de vocês com erros em compras on-line?

    Por exemplo: frete de 3 dias úteis e produto chegando em 4 ou 5 dias úteis. Pedido que veio errado. Ou cobrança indevida?

    Bastou a loja errar 1 vez e fim de papo? Há hierarquia de erros? Qual o primeiro canal que buscam para tentar resolver com a loja: telefone, e-mail ou chat? Ou é direto no ReclameAqui?

    1. Cara, é raro eu comprar online pois sou um cara EXTREMAMENTE ansioso.

      Ano passado comprei no DX e fiquei puto pois o que eu tinha comprado só chegou aqui em junho, e ainda não era o que eu queria (tive que trocar pois não tinha no estoque).

      Geralmente eu uso os sites de compra online para pegar o endereço e ir pessoalmente. Ou fecho negócio online e pego no local combinado (loja ou rua).

      Mas já usei o Reclame Aqui com a D-Link por exemplo, e funcionou. Na hierarquia de erros, fiz assim:

      – Área de contatos / ouvidoria online (demorou demais)
      – Telefone (não atendeu)
      – Reclame Aqui.

      A propósito, tenho que dar um jeito aqui pois a Vivo resolveu demonstrar na fatura que parte da conta que ela paga é para pagar royalities, e tou pagando 140,00 em um ADSL 8Mbps, sendo que sei que tem fibra 20 MBps por 80.

    2. Parei de comprar online depois do advento dos marketplaces. Não tem mais como comprar, pagar frete caro e demorado e ainda ter que lidar com lojas pequenas. A grande vantagem da compra online era exatamente não ter problemas e poder diluir o preço do frete na operação de uma loja grande.

      Atualmente compro tudo o que dá de lojas ao meu redor , normalmente pago uns 10% a mais, mas como consumo muito pouco de tudo isso não chega a ser um problema e, de quebra, não alimento marketplace.

    3. Quando eu morava em São Paulo, eu comprava muito menos coisas online, pois é muito fácil encontrar quase qualquer coisa lá. Hoje, em Salvador, é um tanto mais complicado, porque para diversas coisas simplesmente não tem uma loja física na qual eu possa ir e comprar.

      Evito ao máximo marketplace, pedindo até para amigos comprarem em São Paulo antes desse recurso. Quando acabo sendo forçado a apelar para isso, procuro sempre pesquisar a reputação da loja (o Mercado Livre é interessante nesse caso por oferecer estatísticas sobre os vendedores).

      Sobre a tolerância, erros acontecem, o fator decisivo para mim é a boa vontade do comerciante em resolver o problema, se dar muito trabalho, entra na lista negra sem cerimônia.

    4. compro direto pela mercado livre e se o vendedor nao entrega eles devolvem o dinheiro
      com isso me aventuro com novos vendedores sem medo

      abs

    5. Faz um bom tempo que não compro nada, entre muitos dos motivos, esperar chegar em casa é um deles. Fora os formulários chatos para preenchar na hora de pedir ajuda. Eu tento sempre ir pelos meios on-line, já que hoje em dia quase tudo funciona pelas “internets”, e acho melhor esperar na fila do chat de suporte do que ligar, cair nas musiquinha e ficar longos minutos (iih).

      Mas dependendo do que for comprar, às vezes parece valer mais a pena ir nas lojas pela cidade e pagar um pouco mais caro, do que perder algumas horas do dia “pirando” no ReclameAqui ou esperando chegar.

  7. Fico me perguntando:

    1) Será que existe algum país ou lugar no mundo onde ao invés do Windows ser padrão nos computadores (note que não falei celulares, e sim computadores), seja o Linux ou outro SO?

    2) Com o Fim de Vida do Windows 7, muita gente vai migrar finalmente de máquina ou de SO?

    1. a 1 não sei responder

      2- acho que vão continuar com o 7 msm, pessoal não muda de sistema enquanto estiver funcionando, foi assim com o XP e será assim com o 7, ouso dizer que o Windows 7 ainda terá participação relevante daqui 10 anos.

      1. Ontem tive que instalar um Windows XP para um cliente que comprou uma antiga Plotter Roland que não tem suporte para Win 7 ou maior.

        E conheço gente que usa Win XP até hoje e dá de ombros.

        1. A questão do hardware antigo não tem jeito mesmo. O problema que vejo é que esses periféricos antigos dependem de sistemas antigos que muitas vezes não rodam em hardwares novos. Eu já tive que instalar XP em máquina para suportar equipamentos gráficos também, mas nunca deixo essas máquinas com acesso à Internet. Na verdade não faz muito tempo tive que refazer a instalação de um NT 4 por causa de uma Imagesetter cujo software original não rodava em nada mais novo.

          1. Sim.

            No caso da plotter, vi que posso instalar em uma máquina virtual. É um ótimo ponto positivo. Mas sei que há imagesetters e outros com placas dedicadas, que não testei (e muitas vezes nem tem como testar).

            Pelo menos aprendi algo

          2. Respondendo acima, porque não consigo responder abaixo:

            A máquina virtual é uma mão na roda! Já fiz isso para um equipamento médico. Além da questão do suporte ao hardware, há a questão da portabilidade. Posso replicar uma instalação simplesmente copiando a máquina virtual. O ponto negativo é que, até hoje, só consegui isso com equipamentos em portas USB. As com placa dedicada, tipo as imagesetters, não tem jeito mesmo.

            Complementando meu comentário anterior: Se o sistema é velho, mas está isolado da internet e sendo usado praticamente só para o equipamento em questão, não faz diferença nenhuma a questão da (falta de) segurança.

        2. Um tempo atrás, tive que extrair uma lista da rede com todas as estações de trabalho no domínio pra auditar o sistema de monitoramento.

          Descobri que ainda tem máquinas com Windows 95 na firma. TRÊS máquinas.

          1. E essas máquinas faziam/fazem o que? Rodam algo específico, como nos casos acima ou ainda tem gente que consegue dar uso geral mesmo?

          2. @Harlley,

            Umas delas era de um coletor. As outas duas eram de usuários das filiais.

            Aqui na empresa, pessoal tem a cultura de só atualizar os computadores quando eles dão PT. Pelo menos não dá pra falar que esses 2 usuários não cuidam dos PCs, né!

          3. Surreal!!! O interessante é que provavelmente essas máquinas não foram sequer formatadas nesse tempo todo.

  8. Galera,

    Acho que aqui é o lugar mais apropriado pra levantar essa questão…

    Depois das cagadas de privacidade em série do banco Inter, vocês ainda confiam/confiariam de deixar seu dinheiro ou poupança nele? Por que?

    1. Nem fodendo. Se tivessem agido da forma correta e assumido a falha, até daria pra dar uma segunda chance, mas a forma que lidaram com a situação alá Facebook não tem desculpa.

      Hoje deixo meu dinheiro em uma conta bancária República Checa usando o TransferWise e um pedaço no Neon, para pagamento de boletos bancários — já que o TransferWise não tem essa opção.

      Apesar do Neon ter tido os seus problemas, a comunicação com os clientes ao meu ver foi super profissional, ao contrário do Inter que até hoje continua batendo na tecla de que não foi nada demais.

      1. deixo meu dinheiro em uma conta bancária República Checa usando o TransferWise

        o_O

        Cara, juro que acho esquisito isso.

        1. Eu recebo em dólar de uma empresa e euro de outra. Como cerca de 80% do que eu gasto acaba sendo em dólar ou euro com serviços, servidores e afins, fica mais fácil deixar o dinheiro lá e assim não pagar taxas de conversão, IOF e afins.

          O TransferWise também te dá um cartão de débito e crédito — meio que, o crédito debita na hora —, então caso eu me ver sem um puto em real no Neon ou na carteira, posso usar o cartão pra sacar ou fazer uma conversão na hora.

          É um sistema que eu venho usando a um bom tempo e tem me servido muito bem.

          1. Quando comecei a trabalhar pra empresas de fora, o PayPal foi a primeira opção. Mesmo com a empresa pagando parte das taxas, a mordida ainda era grande.

            Depois fui pra transferência direto pra uma conta no Brasil — Caixa —, que tinha uma taxa de câmbio até que bacana e uma mordida pequena, mas eu não tenho muito controle financeiro e estava usando cheque especial o tempo todo de bobagem, então pra evitar problemas, cancelei e fui em busca de alternativas.

            Quando encontrei o TransferWise foi amor a primeira vista, haha. Mas se aparecer serviço melhor… tchau 🤷🏻‍♂️

          2. Juro que se você não tivesse explicado, ia achar que era uma hipérbole, hahahahah

            E o que você tá achando do Neon? A experiência é boa no app?

            To entre ele e o Next mais por isso, o Original é bonzinho, mas o app é meio fraco…

          3. O Next é um banco tradicional escondido atrás de um aplicativo bonitinho e uma cor horrível — sério, nunca vi um cartão tão verde.

            Abri uma conta com eles pra fazer um teste, não gostei das taxas e afins e tentei cancelar. Sem exagero, fiquei quase uma hora no chat deles tentando chegar a um ser humano, mas o chat ficava caia toda vez que chegava em um.

            Quando finalmente consegui falar com alguém, tive que imprimir um contrato de várias páginas, assinar, escanear e enviar pra eles. Sério, um “banco digital” onde você não pode usar uma assinatura digital, por exemplo.

            Já com o Neon eu não tive problemas até hoje. Toda vez que precisei entrar em contato com o suporte foi tudo muito rápido e resolvido na hora, o aplicativo funciona muito bem no iOS, a integração com a Siri ficou muito legal e o cartão de crédito virtual deles é uma mão na roda.

            Mas né, essa é a minha experiência. Já li vários relatos de experiências ruins com o Neon e meu colega de trabalho coloca a mão no fogo pelo Next — bobagem ter banco de estimação, mas enfim.

          4. Nunca consegui fazer o pessoal depositar direto no BB, passei os números internacionais pra eles e tudo mais mas, mesmo assim, era Paypal. Or argentinos ainda rachavam a taxa meio-a-meio, mas o irlandeses era tudo comigo.

            Peguei um certo receio de fazer negócios com qualquer pessoa do Reino Unido e arredores. Só me dei mal com eles (e meus amigos idem). Preconceito a mil, mas fazer o que.

          5. Cara, vi seu comentário sobre o Next la embaixo e me deu um frio na espinha o_O

            Sorte que meu cadastro ainda tá na fase de aprovação, então mandei um email pra eles comunicando a desistência. Espero que dê certo sem muita burocracia.

            Quanto ao Neon, não resisti e abri a conta lá antes do seu “review”, hahahaha!

            Te falar que o único app que me deixou tão satisfeito quanto o Nubank foi ele, viu!
            Todas as funções principais logo de cara, e a interface é super fluída, com poucar firulas, mas todas na medida. Sem falar do cadastro, que completei (com a ativação do cartão virtual, inclusive) em 10 minutinhos.

            Pelo visto meus daily drivers bancários vão ser Neon e Nubank. Valeu pela dica!

    2. “Confiar” é uma palavra muito forte para se usar com Bancos.

  9. Alguém aqui é assinante do Amazon Prime Video Brasil? Se sim, como tá sendo a experiência?

    1. na TV a interface é uma bosta
      acho um serviço bem mal desenhado considerando a netflix

      mas tem umas coisas legais no acervo

    2. Eu uso na Apple TV e funciona bem.
      Estou pagando R$8, uma pechincha perto dos R$32 da Netflix.
      Tem série originais boas como Deuses Americanos, Lore e Homecoming; séries antigas muito boas como Parks & Recreation e, principalmente, Seinfeld. Se só tivesse Seinfeld eu já pagaria os R$8 mensais hahahaha

      E esses R$8 teoricamente são por 6 meses (depois vai pra R$14,90, ainda assim muito barato) mas eu sempre cancelo (mandando email pra Amazon) e eles me dão mais 6 meses por R$8. Última vez me deram 2 meses grátis ainda.

      A minha TV da sala anda capenga mas tem um painel muito bom, de 32′ fullHD é bem raro hoje em dia, e eu ando pensando em comprar um Fire Stick da Amazon e usar como AndroidTV (que é o que o Fire TV da Amazon de fato é) pra ver se dou uma sobrevida pra velha TV.

  10. Falando de assunto manjado: iOS e Android. Eu peguei um Galaxy S10e em uma ótima promoção de pré-lançamento que fizeram aqui no trabalho. Nem estava pensando em voltar para o Android, mas iria trocar de telefone esse ano e estava muito interessante a oferta.

    Depois das dificuldades padrão de trocar de plataforma, conclui que as coisas não mudaram tanto da última vez que usei Android. A flexibilidade de launcher é algo que eu sentia falta no iOS, prefiro essa abordagem de área de trabalho + gaveta de aplicativos. Por outro lado, entendo bem o argumento de que o iOS é mais consistente e refinado no acabamento, a experiência é mais agradável apesar de limitada em alguns pontos.

    Em termos de hardware, simplesmente espetacular o S10e. O tamanho é bom, a tela é maravilhosa (só desligar o modo “vívido”), a câmera wide é bem útil e o acabamento ótimo. Na caixa, veio fones de ouvido acima da média e uma capinha (feia, mas bem acabada). Sem falar no DAC da saída de fone de ouvido, fui usar meu headphone e fiquei surpreso, nem tinha visto que eles tinham dado um upgrade nessa parte igual a LG.

    1. Eu fiz o caminho contrário: depois de anos usando Android, voltei pro iOS. Tive um 5S logo quando foi lançado, não me adaptei muito bem ao sistema e até então estava com um Galaxy S6, até que apareceu a oportunidade de comprar um iPhone 7 por um preço bem em conta e voltei pra maçã. Acho impressionante como os desenvolvedores são desleixados em consideração ao Android, pois os apps no iOS são bem trabalhados (o Instagram por exemplo têm coisas que possivelmente nunca chegarão ao robozinho verde). No mais, foi uma mudança tranquila já os dois sistemas estão muito bons atualmente. O iPhone 7 com apenas 2GB RAM roda de maneira fluída, enquanto meu antigo S6 com 1GB a mais vivia dando umas engasgadas bem chatas, acredito ser essa a maior vantagem da Apple em relação aos concorrentes, mesmo que a experiência seja um pouco limitada em questão de customização, você sabe que o aparelho vai entregar o que promete e por um bom tempo.

  11. Ghedin, acompanhei seu AMA no Reddit ontem e foi bem interessante. Parabéns pela iniciativa!

    Só senti falta de uma divulgação aqui no MdU. Talvez renderia mais algumas assinaturas, no meu ponto de vista.

    [Meio off] Não acredito que acompanho o Manual desde o começo e deixei passar a treta do notch! hahahahahaha

    1. Divulguei o AMA/PQC nas redes sociais (Telegram e Twitter) do Manual do Usuário. Mas, na real, encarei aquilo mais como uma oportunidade de apresentar o projeto a novos leitores. Os regulares já têm uma espécie de PQC toda semana: este post livre. Não que ele seja feito para me fazerem perguntas, mas tento ser bem acessível — talvez demore um pouco para responder e-mails, mas sempre respondo.

      1. AMA= Ask Me Anything.
        É uma “sessão” no Reddit onde um convidado responde as perguntas da comunidade. O r/Brasil costuma ter bastante desses, até com políticos e outras pessoas conhecidas.

    2. Eu me deparei só com o day-after da treta do notch e confesso que até hoje fico assustado com aquilo. BTW, desde esse dia eu reparei que palavras em português como “entalhe” passaram a aparecer mais nos posts do TB… :P

  12. No Tecnoblog, pra variar, o pessoal nos comentário estava doido no liberalismo achando que a UE está errada em se preocupar com o mercado (livre) e como o Google impacta nisso com o seu modelo de negócios (principalmente no que tange a publicidade).

    Da lista do Norte:

    UE multa Google em 1,5 bilhão de euros

    A União Europeia anunciou ontem uma multa de 1,5 bilhão de euros (cerca de R$ 6,4 bilhões) ao Google.

    A empresa foi multada por ter praticado concorrência desleal em seus serviços de publicidade e violado leis antitruste, segundo autoridades da UE.

    Mais especificamente, o Google teria usado sua plataforma de publicidade AdSense para privilegiar seus próprios serviços em relação aos concorrentes.

    A prática viola as leis antitruste da União Europeia. Uma empresa pode dominar um mercado, desde que não abuse de sua posição para restringir a concorrência.

    Esta é a terceira multa aplicada pela UE ao Google, mas a empresa ainda não pagou nenhuma e recorreu das sentenças nos casos anteriores.

    Em sua defesa, o Google afirmou que está trabalhando para atender às demandas europeias e dar mais mais espaço a concorrentes.

    Possivelmente antecipando a punição, o Google anunciou ontem que permitirá que usuários de Android na Europa escolham o navegador e a ferramenta de busca de seus celulares.

    É o mesmo que a Microsoft fez há dez anos, quando foi acusada pela UE de prejudicar outros browsers no Windows.

    Na época, a empresa foi obrigada a incluir uma tela com outras opções de navegador em seu sistema.

    1. Quem tem poder naturalmente irá usá-lo em benefício próprio para perpetuá-lo.

      Eu vejo que a economia capitalista tende sempre ao monopólio. E nos casos em que é proibido por lei, acabamos com oligopólios que são tão nocivos quanto.

      Além das tradicionais empresas de tecnologia, eu também não vejo com bons olhos o grande conglomerado de mídia que a Disney se tornou, por exemplo. Isso para não falar das telecomunicações e até do setor alimentício.

      Tudo isso me faz ter uma visão bem sombria do futuro, onde um grupo cada vez menor controla quase tudo o que as pessoas consomem.

      1. A Disney, com o Disney+ que engloba um monte de empresas, é um problemão que poucas pessoas se deram conta até agora. Acho que no momento estamos todos voltados aos problemas oriundos do modelo de negócios do Facebook e do Google e, principalmente, da sua invasão de privacidade e influência nociva nas nossas vida diárias e até mesmo nas democracias ocidentais.

        Se isso for resolvido (além dessas multas da UE, temos uma audiência marcada pela UE com o Google e o projeto que foi posto a prova pela senadora Warren para limitar/regular a atuação dessas empresas) de algum modo em breve iremos ter os holofotes voltados aos conglomerados de mídia. Já tivemos esse discussão (nos EUA) quando a Time Warner estava comprando todo mundo, inclusive a AOL.

    2. A gente já falou sobre isso, o problema é o foco do TB que concentrou “este tipo de gente” pelas bandas de lá.

      Tenho lido mais regularmente por lá a propósito dado que 1) Tenho preconceitos com outros sites de tech dado o estilo que eles lidam com notícias (só consigo acompanhar Gizmodo e Tecnoblog, não consigo acompanhar outros, tenho asco) 2) eles parece quem tem um padrão bom de publicações.

  13. Com toda a questão de privacidade e segurança o que vocês acham do isso do, seria viável ou ainda falta algo?

      1. Com toda a questão de privacidade e segurança o que vocês acham do Linux, seria viável ou ainda falta algo?

        1. O Linux não vai resolver o problema da web. É um alternativa viável faz alguns anos, principalmente para quem não depende alguns softwares mais específicos (como Photoshop, Trados, Word), mas não é uma solução para o problema de privacidade porque este é um modelo de negócios da web em si.

          Não adianta usar Linux e instalar o Chrome ou Chromium, por exemplo, porque você está no ecossistema do Google ainda.

          1. Com relação aos programas temos muitas alternativas mas realmente, mesmo que você tenha o sistema menos intrusivo do mundo e instale o Chrome nele não adianta nada.

        2. Eu não acho viável. Uma quantidade cada vez maior de pessoas acessam a internet apenas por meio de smartphones, e nesse mercado Apple e Google reinam em absoluto. Apple é um mercado de nicho, principalmente em países emergentes e pobres, então o monopólio do Google nesses países é gritante. Como pode surgir um player hoje que ameace o poder do Google?

          Hoje eu me lembro dos que torciam contra o Windows Phone que, na minha visão, foi o único que chegou perto de representar um risco a dominância do Android. Ah, mas o Android é open-source, é linux… Nada disso importa se o Google o controla com mãos de ferro, impedindo que fabricantes ofereçam o Android sem seus apps instalados.

          A UE brigou com o Google por conta disso e o que aconteceu? Agora o Google vai oferecer o Android sem os Gapps, mas vai cobrar pela licença de uso pelo os outros. Agora te pergunto, qual fabricante vai encarecer seus produtos por causa disso?

          1. Mas com relação ao desktop. Muitas pessoas sequer dão conta da privacidade e segurança de seus dados nós computadores. Sempre que o Linux aparece na mídia ou é por atualização de alguma distribuição conhecida ou por falha de segurança (em que a solução já está pronta e disponibilizada). No campo mobile realmente é muito difícil, é Android e IOS mesmo.
            Mas com relação a UE e todas as fabricantes tem alternativas. Android sem G-Apps. É muito cômodo querer o sistema da Google sua loja mas não trazer consigo o resto do pacote.

          2. Acho viável que as empresas absorvam uma parte do “prejuízo” das licenças de SW que o Google vai impôr na UE. Smartphones de baixo custo já estão sendo pensado com o KaiOS (que veio do FirefoxOS) o que pode ser uma alternativa ao Android em telefones com hardware mais popular. A própria Samsung tem planos de usar cada vez mais o Tizen no lugar do Android.

            Atualmente o Android é nos telefones o que o Windows é nos computadores.

            Mais uma coisa, o Android nem CA/SL é. Tem alguns trechos do código que não são, ou seja, ele não é FOSS e não segue os princípios da FSL.

            Aliás, sobre isso recomendo o texto do Stallman sobre o Android: https://www.gnu.org/philosophy/android-and-users-freedom.html

  14. Já viram aquela nova série da Netflix, Love, Death & Robots? É meio “Black Mirror + Animatrix“, com episódios de duração variável (6 a ~30 minutos), sempre contando histórias diferentes e com estilos de animação bem diferentes também. Alguns são meio bobos, mas a qualidade das animações é de cair o queixo.

    1. Vi alguns. O meu favorito até agora em termos de animação foi o Testemunha. Gostei do Iogurte também. O pior acho que foi o do Hitler, wtf aquilo

    2. Até o momento assisti 7 episódios e a qualidade das animações é excelente, gostei do Os Três Robôs e Quando o Iogurte Assumiu o Controle.

    3. “Love, Death & Robots?” – é acima da média. uma das melhores animações curta ocidentais recentes q vi.

    4. Cheguei a conclusão que o Ghedin é o @StartupDaReal.

      Os dois deram mesma indicação de série em questão de minutos (um aqui e outro no Instagram).

      #aquiéinvestigação

      PS: botei a série na minha lista de downloads da baía pirata.

    5. aquele da perseguição é simplesmente lindo: todos aqueles rosas e verdes e azuis explodindo na tela junto daquelas onomatopeias e o movimento e aquela animação que fica entre a modelagem 3d e a animação tradicional. Achei maravilhoso.

    6. Li hoje no The Verge que vários dos contos que inspiraram os episódios estão disponíveis de grátis online (por meios legais mesmo!)

      Mais uma pra minha watchlist interminável da Netflix.

  15. Alguém já esteve na situação de “Objeto Mal Encaminhado” com o serviço dos Correios?

    1. Tenho muito poucos problemas com os correios. Fora uma mercadoria enviada para outra cidade por engano as demais encomendas sempre foram recebidas até antes do prazo.
      O pessoal reclama, pede privatização, mas nossa experiência com outras transportadoras é terrível.

      1. Quem pede a privatização dos Correios não entendem três coisas sobre o Brasil:

        1) Não existe monopólio de encomendas. Se o seu site preferido entrega pelos Correios apenas é porque, provavelmente, o melhor contrato é com eles.

        2) Os Correios são contratadas pelas grandes empresas de logística internacionais para fazer as entregas no interior do país. Porquê? Porque não é lucrativo entregar de braco uma encomenda no interior do Amazonas. Sem os Correios esses locais ermos vão ficar sem assistência nenhuma (cartas, malotes, bancos) e as prefeituras desses locais vão ter de gastar muito mais pra se manter em contato com os centro.

        3) O papel dos Correios é de integração nacional. Se eles problemas, vamos corrigir os problemas ao invés de jogar o nenê fora. Nenhuma empresa privada vai fazer o que os Correios fazem no interior desse país. Acredite.

  16. Ghedin, no texto da Mom sua caixa de Newsletter tá um tanto incômoda:

    https://i.imgur.com/rkTbt1g.png

    Fora a cor (mas aí é critério seu), achei que ficou muito próximo do texto inferior, sem respiro, ainda mais considerando a sombra.

    1. Hm, estava bem grudado mesmo. Removi a caixa. Foi só um teste nessas matérias que estão tendo mais acessos para tentar trazer mais leitores à newsletter. Com a inclusão do box de assinatura, no final, o da newsletter ficou muito distante. Enfim, vou voltar às pranchetas porque essa ideia aí não funcionou muito bem, haha.

  17. Qual o melhor lugar para comprar camisetas lisas de qualidade? (Especialmente as pretas)

    1. Gosto da de algodão pima da básico.com, porém caras. Ultimamente tenho comprado as da Malwee, de Santa Catarina. Acho-as confortáveis, têm um preço bem honesto e, até onde sei, fora um ocorrido na Bahia em 2015, não têm histórico de exploração dos trabalhadores.

      1. Quando li “caras”, imaginei uns 80 reais… Quase pulei da cadeira hahaha

        Vou olhar as Malwee, possuem loja no shopping que costumo frequentar

    2. Normalmente vou de Hering. Comigo duram anos antes de perderem a cor e maciez.
      Experimentei Taco também e achei ok. As de departamento em 1 ano comigo encolhem e desbotam muito.

      1. Sempre usei Taco, aquela sem costuras laterais, mas aquele tecido é mais grosso do que eu gostaria e rapidinho mancham de desodorante (e não sai nem a pau)

      2. Também compro sempre na Hering. E sempre no começo de ano, que tem aquelas liquidações, até 60% off.

        Mesmo essas de liquidação duram anos antes de eu achar que precisam ser trocadas

      1. nunca tinha pensado nisso.

        vou fazer isso, pois quero algumas lisas para usar por baixo de camisas

        1. Faz alguns anos que eu comecei a fazer isso dada a impossibilidade de comprar camisetas que me agradem (e o preço cada vez mais absurdo que cobram por estas peças).

          Eu tenho 1,84 e peso 89kg. Todas as camisetas G ficam apertadas e curtas. As camisetas GG fica boa na largura mas curtas porque as malharias fazem a GG com o mesmo comprimento da G (ou seja, se você usa GG você não pode ser um pouco mais alto).

          Ou seja, eu comprava a camiseta, pagava caro e ainda ficava com uma baby-look.

          Sem falar nas golas mal feitas (com ribana de menos e muito largas/cavadas).

      2. Cara, eu tenho costureiras na família a nunca tinha pensado nisso! Pra mim vai ser bem fácil mesmo. Vou fazer algumas de teste e ver se fica bacana o resultado (elas trabalham mais com roupas íntimas / biquínis)

      3. desculpe a nubice, mas onde vc compra o algodão?

        tem algum tipo especial de tecido?

        1. Compra tecido 100% algodão nas lojas de tecido. Primeiro vai na costureira/alfaiate e tira as medidas, diz como quer as peças e ele vai te dizer quanto metros de tecidos tu vai precisar por peça e no total. Daí é só ir numa loja que venda tecido e comprar algum que seja 100% algodão (até dá pra dar uma sentida no algodão primeiro, tem uns mais caros e mais macios e outros mais baratos e mais duros).

          Eu indico algodão porque é o melhor pra transpirar e usar no dia-a-dia. Nada melhor do que uma camiseta feita pro seu corpo e de algodão. Também são bons os 80% algodão e 20% poliéster, mas esses são menos “transpirantes” no verão, mas são mais baratos de se comprar.

    3. Vindo de alguém que só usa roupa lisa — porque eu não preciso ser garoto propaganda de ninguém —, foi bem difícil achar algo bom que não desbote em três lavadas, já que 99% das minhas camisetas são pretas.

      Acabei comprando uma da Nike para testar e depois de cerca de dez lavagens, continua sem desbotar. Já considerando trocar as outras seis que tenho por mais seis dela.

      Único porém é que a básica dela tem uma tag meio espalhafatosa na manga esquerda — ou direita, não lembro agora —, mas é facilmente “tirável” na tesoura.

  18. Qual o melhor programa de podcast para android? eu tive que formatar meu celular e o pocket casts ficou todo bugado, dizendo que tenho mais de 2k de episódios não escutados, e não tem como marcar como lido em massa, e isso está me incomodando muito. estou testando o castbox, mas queria outras opiniões.

      1. Para poder usar tem que tem instalado o google assistente, e eu desativei.

          1. Eu paguei mais caro no pocket casts, rs.

            ah, também paguei o wecast para ajudar o projeto, pois achei interessante, mas acabei usando por apenas um dia.

      1. Você realmente acha R$10 um valor caro para um aplicativo de podcast? Em contrapartida, R$10 lhe parece um valor justo por uma camiseta feita sob medida…

        1. Sim, ainda mais que um aplicativo como esse é feito uma vez e depois é apenas dado “suporte evolutivo” (bugs e correções muito pontuais, a interface mesmo não sofre alterações desde 2012, pelo menos). Ao passo que uma camiseta sob medida pelo mesmo preço precisa ser feita toda a vez. Não tenho como fazer uma camiseta e copiar ela magicamente, replicando-a sempre, para diversas pessoas. Sem falar que cada camiseta precisa de medidas diferentes (para pessoas diferentes). É um trabalho artesanal que exige para cada peça um número de horas.

          Um software é implementado uma única vez e depois disso replicado infinitamente, não um recuso que exija modelagem a cada nova compra e muito menos é um recurso escasso. Se tivesse como piratear, eu faria.

    1. Eu uso o Castbox e gosto muito!
      O aplicativo é integrado com o site, ele salva onde vc parou de ouvir e sincroniza tudo, super recomendo. E pra mim a maior vantagem dele sobre o Google Podcasts é poder salvar os podcasts no cartão sd.

    2. Eu assinei um podcast hoje no Pocket Casts e consegui marcar todos como escutados, depois do último update ele chama isso de arquivado. Foi só selecionar o episódio a partir do qual não quero ouvir e selecionar Archive all from here. https://imgur.com/a/R1Mb3Rw

    3. Tive um problema assim com a última atualização do Pocket Casts também. Eles lançaram um esquema de “Arquivar” episódios, e fiz isso: arquivei um monte de coisa.

      Se não me engano, se você “tocar e segurar” um episódio para abrir o menu, tem uma opção para arquivar tudo a partir desse episódio

      1. é isso msm, muito obrigado

        agora, o pocket casts tinha que ter uma integração melhor com a nuvem, estão devendo nisso.

Os comentários estão fechados.