Post livre

Post livre #121

Às sextas, o Manual do Usuário publica o post livre: um post sem conteúdo, apenas para abrir os comentários para conversarmos sobre quaisquer assuntos. Vamos lá?

A melhor maneira de acompanhar o site é a newsletter gratuita (toda quinta-feira, cancele quando quiser):

Acompanhe também nas redes sociais:

  • Mastodon
  • Telegram
  • Twitter
  • Feed RSS

150 comentários

  1. Estou usando o Linux Mint pela primeira vez, pq sempre preferi o Ubuntu, e, sinceramente, estou bem satisfeito até agora. Tudo funcionou perfeitamente no surrado Dell Vostro 5470 q tenho aqui comigo há alguns anos. Acho incrível a velocidade em q tudo fica funcionando qdo faço a inicialização. Só não é mais rápido, pq optei pela instalação com criptografia. E tive, até agora, um probleminha chato: o mouse Bluetooth despareou em certo momento e não pareava novamente nem a pau. Tive q reiniciar pra ele voltar a funcionar. Fora isso, depois q instalei o TLP pra controle de temperatura, pq ele estava esquentando muito, tudo tem funcionado redondinho. Tem um SSD nele e isso ajuda bastante, claro. Mas o Linux Mint deu uma bela sobrevida ao equipamento.

  2. Com a troca de equipamento, finalmente uso um monitor de 1920×1080. Mas por ser uma tela de notebook, tudo fica diminuto. Com o scaling do Windows 10 as coisas ficam… ruins, feias e mal resolvidas. Penso em usar um monitor 4k ligado ao notebook, mas antevejo esses problemas de escala q, aparentemente, não tem solução da Microsoft…

    1. Aí é uma questão de tamanho da tela x resolução. Aumentar a imagem via escalonamento é uma gambiarra assim como aumentar o zoom de sites pelo navegador. A solução é ter uma tela grande com uma resolução confortável pra você, nenhum SO vai te dar uma solução melhor do que isso.

      Eu hoje uso uma TV de 32′ como monitor principal porque é o melhor CxB pra mim. Um monitor de 29 ou 32 é muito caro, não compensa (por exemplo). Como secundário eu tenho um ultrawide da LG (que no momento está com o meu irmão). Foi o melhor setup dentro do orçamento reduzido que eu tinha.

      E sim, é uma bosta trabalhar com telas de 13, 14 ou mesmo 17 de notebook ou as de 21 e 23/24 que são as padrão dos monitores.

      1. Pois é… eu queria um montior grande, mas na firma tem um, de 32, da Dell, q foi bem caro, eu q escolhi pra um departamento lá, e ele é um monstrão. Acho bem ruim trabalhar nele, pq as coisas ficam bem distantes. Mas é baita monitor.

        O que tava em mente é um da Dell tb, de 24 polegadas, q é 4k. Acho q tudo vai ficar pequeno nele. Mas li q ele é melhor q o de 27 em termos de qualidade de imagem. Provavelmente muda a relação da densidade dos pixels qto maior for o monitor.

        Gostaria de um desses ultra wide, pra dividir a tela seria o máximo. Mas eles são muito caros… Vc gosta da qualidade de imagem desse seu monitor de 32 polegadas?

        1. A qualidade é bem boa pra 1080p. Me agrada bastante, mas isso é algo bastante subjetivo (ele tem o modo PC que faz a TV a funcionar como um monitor, basicamente, mas é uma TV muito antiga de 32 FullHD [coisa que não existe mais, bem dizer] que tinha uma série de funções que foram capadas nas atuais).

          O UW que eu tenho é 25′ (25UM58) da LG. Paguei R$749 nele pelo Kabum. O de 29′ ainda é pagável, dependendo do seu orçamento (deve estar uns R$1200).

          4K com 24′ vai ficar super pequeno e ruim de usar, tenho quase certeza, mas novamente: subjetivo.

          Só não compre um monitor UW se pretende usar o macOS, a Apple não tem suporte às resoluções UW.

  3. Aconteceu com uma amiga: foi furtada, o seguro nao cobriu, botou o seguro na justiça e perdeu (logo, vai ter que morrer 500 golpinhos na advogada). Os cara ja vão pra audiencia cheio de advogado pronto pra nao perder, uma puta esquema safado
    Lembro de alguém que ja comentou aqui que perdeu uma nessas.
    Pelo visto infelizmente a unica opção agora é mentir que te assaltar a mão armada pra conseguir ganhar o seu direito no seguro, a que ponto chegamos.

    1. Pior que esse tipo de propaganda deve dar muito certo, principalmente com quem tentar carreira policial ou judiciária.

      Eu uso os cursos da Casa do Concurseiro pra me preparar e, por sorte, nunca fizeram nada do tipo.

      1. talvez. Eles já tinham ”dado a entender” algumas coisas [embora não acompanhe muito para saber mais]… já falaram antes e provavelmente viram que valeria a pena fazer de novo. Perdem uns clientes, ganham outros… e propaganda

        acho que o normal é não fazer nada do tipo mesmo, não? rsrs só lembro de ter visto posicionamentos polêmicos no estratégia… e talvez no alfacon. Como nao acompanho, nao sei dizer…

      2. sendo q policiais e mp deveriam estudar a sério os direitos humanos… é justamente o contrário. minha esposa q é adv, e já participou de cursos preparatórios (e na própria faculdade de direito), ela contou q os professores zombavam dos direitos humanos e do direito ambiental. a boçalidade nesse meio é vasta.

        1. Completamente. A PC ainda tem uma tendência maior de ser menor boçal, mas não é nada digno de nota.

          As forças jurídicas e policiais brasileiras são terríveis.

  4. Vi um poster gigante do farcry (nunca joguei) no metrô (linha amarela) e achei a imagem provocativa pra caramba. Uma alusão clara a última ceia de Cristo . Depois vibeaae vídeo e saquei o porquê da coisa.

    https://youtu.be/Kzx3JGB0QPU

  5. na sexta-feira santa um celular meu resolveu nadar em um pote cheio d’água dentro da pia. Coloquei em cima de um móvel e ele caiu lá. Não chegou a ficar submerso, caiu de pé e a água cobriu mais da metade. Desliguei, tirei a bateria, sequei a água… deixei tudo secando separadamente. No domingo ele ressuscitou o/

    eu botei uma capa bem grande nele, uma parte da capa meio que cobre o buraco do carregador também. Acho que isso ajudou a conter a água, não sei

    não tem muito propósito esse post, só queria compartilhar essa alegria

    1. Fico com medo do meu cair na águas . Apoio ele num lugar perigoso qdo vou lavar a louça . Até agora nunca caiu… estou dando sorte . E esse modelo aqui não tem como abrir pra secar tão fácil .

      1. pois é… nao cometa o meu erro kk eu boto o celular ”de lado” ainda pra ver youtube ou outra coisa às vezes… Aliás, botava, porque não vou fazer mais isso lol eu deixei ele lá, virei as costas e ouvi um barulho… :(

    2. dizem que colocar dentro dum pote de arroz ajuda tb
      mas torçamos que vc n precise se lembrar mais dessa dica

      1. é, falam bastante do arroz… como vi só gotas na parte de dentro, achei que havia esperança… fiquei com medo do arroz atrapalhar em outra parte, n sei. Eu até sabia que em tese só iria ajudar na parte da água, mas preferi deixar quieto lol

      1. sim, sim… e uma culpa enorme por ter tentado usar o celular e lavar a louça ao mesmo tempo rs. Já fiz 1000 vezes, mas basta uma dar errado… a parte que aliviou um pouco: paguei ””só”” 450 nele. Eu uso para sair na rua… e vez ou outra em casa. Mas a função dele é ir com o assaltante, se for necessário haha

  6. na sexta-feira santa um celular meu resolveu nadar em um pote cheio d’água dentro da pia. Coloquei em cima de um móvel e ele caiu lá. Não chegou a ficar completamente submerso, caiu de pé e a água cobriu mais da metade. Desliguei, tirei a bateria, sequei a água… deixei tudo secando separadamente. No domingo ele ressuscitou o/

    eu botei uma capa bem grande nele, uma parte da capa meio que cobre o buraco do carregador também. Acho que isso ajudou a conter a água, não sei

    não tem muito propósito esse post, só queria compartilhar essa alegria

  7. na sexta-feira santa um celular meu resolveu nadar em um pote cheio d’água dentro da pia. Coloquei em cima de um móvel e ele caiu lá. Desliguei, tirei a bateria, sequei a água… deixei tudo secando separadamente. No domingo ele ressuscitou o/

    eu botei uma capa bem grande nele, uma parte da capa meio que cobre o buraco do carregador também. Acho que isso ajudou a conter a água, não sei

    não tem muito propósito esse post, só queria compartilhar essa alegria

    1. Todo dia tem notícia nova :)

      É um dilema do jornalismo ponderar esse fluxo de notícias com a tolerância do leitor. Corre-se o risco de saturar (leia-se causar aversão a) um tema que é importante.

      1. Sim sim, talvez minha comparação tivesse que ser com o uber: o Facebook tá dando motivos mesmo para ser noticiado. O uber era só uma ou duas cagadas por dia, o FB tá superando

    2. Falei isso numa notícia do tecnoblog e removeram meu comentário ¯_(ツ)_/¯

      Como foi um comentário de zueira nem esquentei a cabeça.

  8. nesta semana vi um burburinho gigantesco em torno do apple pay: muita gente ansiosa para começar a fazer pagamentos encostando o celular na máquina de cartão.

    eu confesso que olho para tudo isso e penso: “gente, sério que as pessoas estão comemorando um jeito novo de GASTAR DINHEIRO?!”

    1. hahaha. vejo da mesma forma. qual a vantagem? se vc não tivesse q fazer nada, tipo, ser cobrado automaticamente sei lá como, até poderia ser um avanço, mas tem q roçar o celular numa máquina q certamente vai fazer alguma cagada.

    2. Eu só imagino a FILA QUE ISSO VAI DAR NO MERCADO uma vez que as máquinas já dão problema pra passar/inserir um cartão normal.

      E, não me surpreende, o Brasil tem fanboy de banco (NuBank)!

      1. Moro em Londres e venho usando pagamento contactless faz um tempo sem nenhum problema. Pagamento é tão rápido quanto encostar o celular na máquina. Vamos pensar positivo um pouco. :-)

  9. Nos últimos anos, teve algum app/software* novo que se tornou essencial para as tarefas de vocês?

    Tava aqui vendo as coisas que tenho instaladas, e nesses últimos 2 anos a única coisa nova para mim foi um app de abastecimento, MyShellBox. Fora isso, tenho usado as mesmas coisas de sempre, tanto celular quanto desktop.

    *tudo pode ser chamado de app agora?

    1. Eu estou fazendo o oposto de você, desinstalando apps que estão sendo inúteis para mim. Tipo Facebook só pelo navegador e com todos esses escândalos não estou postando mais nada, removendo informações a meu respeito e acessando bem menos que antes. Twitter troquei pelo Lite acessando via PWA (progressive web app) e tenho priorizado mais PWA.

    2. Navegador tá (re)ganhando força comigo. Acho que nunca perdeu na verdade… O Twitter por exemplo deu um jeito de colocar o Twitter Lite como uma versão acessível para navegadores mobile (acho que o requisito é que o navegador seja compatível com HTML5). O Reddit idem… É engraçado isso, por que mesmo num celular velho, tipo um Lumia com Windows 10, é possível ter acesso praticamente completo à certos serviços.
      E falando nisso, lançaram o m.uber.com no Brasil.
      *Suponho que sim ? Eu que sou velho de vez em quando me pego falando em “programas”; puro vício de quem conheceu a computação nos anos 90.

        1. Na minha época a PC Expert continha dois CD’s na edição: Aplicativos no primeiro e utilitários no segundo.

          Sigo até hoje essa nomenclatura fora da internet.

          1. Qual a diferença? Utilitário seria coisa pro sistema e aplicativo coisa pro usuário?

    3. No último ano, acho que os apps de corrida, tipo Cabify e 99. Com a mudança para Curitiba, cidade maior e com mais oferta desses apps, passei a usá-los com regularidade. É muito melhor para saídas — você pode beber numa boa, não tem que se preocupar com estacionamento e/ou flanelinhas etc.

      1. Pra tuas tarefas de escrever online, os aplicativos ainda são os que costumava a utilizar uns 5 anos atrás?

        Tenho a impressão que há uma fase na vida que a pessoa fica girando de software até um ponto que para por cansaço ou por realmente ter encontrado o santo graal. Mas na maior parte das vezes, acho que é a primeira opção e pelo costume, acaba dominando o sotware a ponto de não querer mais outros, mesmo que prometam um fluxo de trabalho mais eficiente.

  10. Há uns dois meses, decidi vir trabalhar de transporte público. De ônibus. Foi uma mudança significativa em minha vida. Hoje, prefiro vir de ônibus do que de carro: é tão rápido quanto (na volta, mais, porque a linha que eu faço tem corredores exclusivos), raramente está lotado e me tira um punhado de preocupações inerentes ao carro, como atenção ao dirigir, preocupação com batidas e roubos.

    Acho que em cidades menores o carro tem um valor muito grande ainda. Estive em Paranavaí na Páscoa e lá o transporte público é zero e não há apps de carona tipo Uber, por exemplo. Não posso dizer que em grandes centros não ter carro é fácil para todo mundo, mas para mim/meu perfil está ficando bem óbvio que é mais vantajoso não ter carro. Ainda estou analisando possíveis desvantagens, mas, se minha expectativa se confirmar e essas supostas desvantagens não se manifestarem, pretendo me desfazer do carro em breve.

    1. Em Porto Alegre é essa realidade para quem mora no centro e adjacências (e me arrisco dizer que é assim em todas as capitais do país). Quem mora afastado, na periferia, como eu, perde 2h de ida e mais 2h de volta no trânsito da cidade com o ônibus. Mais vantagem ir de bicicleta.

      1. Poxa, sim, tem essa também. Eu moro no centro e a redação fica num bairro relativamente próximo, a 3 km. Dá uns 10 minutos de ônibus ou carro e a linha que eu pego é eficiente — os ônibus são frequentes, bem cuidados e raramente estão cheios.

        Tem muitos ônibus que vêm da região metropolitana trafegando ali pelo centro, então imagino que deva ser um perrengue para quem mora nelas e trabalha nas regiões mais centrais da cidade.

        1. poxa, o lugar fica a 3km de distância e vc vai de busão? eu iria de bike ou correndo.

          1. ou a pé mesmo, de boaça ouvindo uma música boa ou um podcast
            contemplando a paisagem, a urbanidade, o cheiro da vida lá fora

          2. Bicicleta acho complicado porque o trajeto tem umas vias expressas, sem acostamento. Deve ser meio roleta russa andar de bicicleta ali.

            Correr seria uma opção, mas o vestiário do prédio é meio precário. O que faço com frequência (ou quando não chove no fim da tarde, algo com aqui) é voltar para casa andando. Trago tênis de corrida e um shorts na mochila e boa. Dá uns 40 minutos e já aproveito para fazer um exercício — tenho estado muito sedentário.

          3. pô, ghedin. 3 Km em 40 minutos!? vc volta pulando num pé só?

            vc deve parar pra ver as vitrines, não é possível…

          4. Veja bem, hahaha! Na real, a distância é de 3,2 km. Em 40 minutos, significa uma velocidade média de 4,8 km/h, o que considero ok pois venho tranquilo, sem pressa e ainda lido com alguns cruzamentos movimentados.

          5. Eu fazia mais ou menos isso quando estava na faculdade. Descia no final da linha do meu ônibus, num shopping, e ia caminhando pra casa. Dava ~3km e eu fazia em pouco mais de 35 minutos.

          6. agora falando sério, tô usando uma smartband há alguns dias e tem ajudado a ter um controle do sedentarismo. e tb uma medida sobre o sono. não estava muito interessado nesses dados, mas depois q eles passaram a ser coletados, achei interessante o fluxo da coisa toda. comprei mais pra acompanhar a pressão arterial, mas o contador de passos é bem legal.

          7. qual modelo? to começando a olhar esses paranaues atrás de algo que sirva para natação tb

          8. Essa q eu uso é uma T6. AGORA pra nadar, q eu saiba, só a honor band 3.

          9. Apple Watch pra mim agho que não compensa, tanto pelo preço (mas se esse garmin for caro rb, desisto) quanto por ser mais do android

        2. Tenho uma lista considerável de amigos que estão trocando o carro pelo ônibus/apps de transporte aqui em São Paulo/SP e em poucos meses sentiram a economia que estão fazendo no bolso. Eu moro há 5 km do meu trabalho, tenho fretado grátis e penso em vender o carro, às vezes vou trabalhar de bicicleta para fazer aquecimento para a academia e chegar um pouco mais cedo em casa.

    2. Moro no centro de são paulo e trabalho perto de casa (o que me torna praticamente um privilegiado em uma cidade tão segregada). Apesar de morar na cidade em que há um carro para cada dois habitantes, a ideia de ter que dirigir por aqui me assusta. Prefiro continuar como estou, usando aplicativos quando necessário. Simplesmente detesto dirigir.

      1. eu até gosto de dirigir, só não gosto de pegar trânsito, claro. tem uns horários melhores q outros e tal. mas, de um modo geral, a experiência de dirigir não é boa. os outros motoristas estão sempre num estado de corrida q, sinceramente, tira a graça da coisa.

    3. BSB é uma merda em termos de transporte público. Caríssimo e ineficiente, tanto por conta da gestão dos transporte quanto pelo desenho do DF (muitos vazios urbanos, cidades satélites longíssimas umas das outras, topografia acidentada, etc).

      Sonho em morar numa cidade que eu consiga fazer minhas atividades dependendo no máximo do transporte público local. Gosto bastante de andar de ônibus em horários tranquilos

    4. Em março do ano passado resolvi vender meu carro e fazer um teste de 6 meses vivendo em São Paulo sem carro. Minhas despesas caíram significativamente, gasto menos tempo me locomovendo, e o principal disso tudo: passei a ler MUITO mais livros. Se antes minha média de leitura de livros era de 1 a cada 45 dias, atualmente estou conseguindo ler 2 por mês. Priceless.
      OBS 1: continuo sem carro e sem a menor vontade em voltar a ter.
      OBS 2: moro e trabalho perto de estações na mesma linha de metrô, o que facilita muito essa mudança de vida.

  11. Um motorista quase me atropelou na faixa de pedestre. A preferencial era minha e se eu não paro ele teria passado por cima… Gosto de SP, mas o trânsito daqui é uma merda.

    1. A lei diz que o veículo maior deve proteger o menor, mas na prática é o contrário. Pedestres, ciclistas e motociclistas são alvos fáceis nessa briga que não há vencedores. Ontem saiu uma notícia no site da CET SP de um plano de longo prazo chamado Visão Zero para reduzir mortes no trânsito, mas não tenho muita esperança que isso vá funcionar.

      1. tb não tenho, pq foi essa prefeitura não fez nada para desestimular esse comportamento nesses últimos tempos. e fez o contrário em algumas ocasiões.

        1. acho surreal como em bsb, pelo menos na área do plano piloto, a faixa de pedestre tem uma eficiente de uns 90% pra mais (pelo menos na minha experiência)

          teve uma campanha forte nos anos 80 ou 90 e depois conseguiu-se que isso virasse uma espécie de cultura.

          mas ao mesmo tempo, aind ahá mto caso de atropelamento de ciclistas e batidas fatais de carro, pq tem mtas pistas de alta velocidade, o que estimula a se comportar assim em qualquer pista

          1. aproveitando o ensejo, brasília, me parece, seria perfeita pra que o carro autônomo fosse testado, por conta das ruas planas, tempo seco e uma estrutura viável grande.

      2. Tive q controlar a minha TEI. Pq a vontade q me swu wra quebrar o retrovisor do corolla com chute qdo ele parou no farol mais à frente. Mas não deixei barato, tirei uma foto do carro. Vou ver se consigo uma multa pra ele.

  12. Essa semana tivemos uma breve reunião na empresa e tive que escutar “Eu sei como é, pois tenho 27 anos de experiencia no comércio”.
    Realmente gosto de trabalhar com manutenção, vidros e fechaduras. Mas a arrogância do chefe já me faz pensar em sair para outra.

    Já passaram por algo assim?

    1. eu já tive um chefe mitômano… e corrupto. fora esse, todos os meus outros chefes foram bem tranquilos.
      teve um qdo trabalhava de suporte técnico, q era um grande desgraçado. mas fiquei satisfeito: pegaram ele vendendo ingressos, como um cambista, na infosoft (uma antiga grande feira de informática q tinha em sp). perdeu o emprego o trouxa.
      no emprego atual a relação com o chefe, sinto, é mais de conflito de geração mesmo. mas as coisas se resolvem numa boa.

    2. Para mim, as pessoas são a parte mais crucial na hora do emprego….se o time não tem um relacionamento ok é bem complicado para mim ficar na empresa ou projeto.

      Em relação as pessoas que dão carteirada com anos de experiência: acho esse negócio de experiência super-valorizado, tem muita gente fazendo exatamente a mesma coisa por 10 anos enquanto outras procuram evoluir. Principalmente quando se passa de 10 anos…o retorno da experiência é pouco relevante.

  13. Alguém está usando um S6 ou qualquer outro Android da mesma época? Pretendem continuar com eles, mesmo sem novas atualizações de software?

    Estou pensando que, à medida que os smartphones tem ficado mais poderosos, esse problema de falta de atualização do Android será cada vez mais incômodo. Anos atrás, um smartphone com 2 anos de lançamento estava uma draga, hoje em dia acredito que não seja mais o caso.

    Por outro lado, é ruim ficar sem atualizações de segurança do sistema.

    https://tecnoblog.net/238095/galaxy-s6-s6-edge-fim-atualizacoes-seguranca/

    1. Já estou me preparando pra processar a samsung. Tenho esse aparelho e farei um pedido simples: troca por aparelho mais novo da mesma linha ou devolução do valor pago. Fiz esse pedido pelo SAC e a resposta foi esdruxula. Agora, inclusive, vou pedir danos morais. Não faz sentido haver essa interrupção de atualização de segurança com um tempo tão curto do aparelho. Eu o adquiri em 2016. E ele ainda é vendido em grandes lojas!

      1. Quando assaltaram a minha mãe eu quase comprei um Galaxy S6 pra ela (ainda vendem, inclusive, e caro: R$1499) mas desisti quando vi que o preço era semelhante ao do iPhone SE.

        1. caríssimo, diga-se. só comprei pq uso profissionalmente, do contrário, jamais. mas eles vão ter q ver isso. vou processá-los, com certeza. achei um disparate isso.

          1. Do ladrão de rua ou da Samsung? Não sei qual foi o assalto maior.

          2. o do q tomou usando a força e a ameaça e não o q tomou usando a persuasão e o apelo.

    1. A Microsoft está mais que certa, faz mal para qualquer empresa depender de apenas um produto, então variar é preciso.

      1. Faz uns dez anos que o Windows deixou de ser o carro-chefe da Microsoft. Acho que o interessante nessa discussão é fim da necessidade de se usar Windows. Parafraseando a mim mesmo:

        “Acho que antes soava como papo de fanboy, agora é uma realidade: as pessoas usam Android pra fazer quase tudo, e “os ricos” usam iOS. Windows é coisa de trabalho.
        E digo mais: O Chrome OS e a nuvem são um ameaça real ao Windows. Uma hora, alguém em algum país em desenvolvimento ou que tenha como clientes pequenas empresas con orçamentos apertados, perceberá que é possível criar apps corporativos e/ou de produtividade pra Chrome OS, por exemplo calculadoras de caixas de registradores de super-mercados, funcionais o suficiente pra substituir máquinas com Windows.”

        Apesar dos outros sistemas terem chances de ganharem mercado, acho que a grande vencedora nessa disputa será a nuvem.

        1. PoS já tá na nuvem desde 2012 mais ou menos. É tudo web (PHP, principalmente) nas principais redes. As caixas são tudo “cliente burro”.

          1. Tinha uma tirinha do XKCD que dizia que a nuvem é apenas o PC de outra pessoa =D

            Mas entendi o que você perguntou.

            Quando eu trabalhei na SONAE era tudo num servidor local deles com backup e redundância, os vendedores, caixas a atendentes acessavam esse servidor via web pra consultar banco de dados e fazer outras operações.

            Anos atrás eu implementei umas soluções do tipo aqui em POA pro meu pai e mais alguns amigos/conhecidos dele e descobri que a SONAE e a KW (outra empresa que faz esses sistemas de PoS) migraram tudo pra AWS/Azure. Mas não sei como foi implementado exatamente.

      2. Ainda bem que o Nadella já tomava conta da parte de Azure e abraçou todas as plataformas. O pessoal faz muita piada com Linux (ano do Linux), mas o Linux (e o open source) tomou de assalto o lucrativo mercado corporativo.

        Considerando que o Linux só tem 20 anos, é absurda a velocidade com que ele se estabeleceu como a solução padrão para servidores. A própria Microsoft tem migrado suas boas ferramentas corporativas, como o SQL Server e o .NET, para suportar Linux.

        Mesmo falando de desktop corporativo, a Microsoft tem perdido espaço. Antes era normal ter front-end que só funcionava em Windows, mas com soluções web e dispositivos mobile, não é mais viável. E mesmo o Office continua sendo a melhor opção, mas é bem mais dispensável. Na minha empresa só algumas áreas usam, o resto se vira com Google Driv para coisas internas.

        Em resumo, assim como no mobile, eles já perderam a hegemonia do mercado corporativo. Nem adianta forçar a barra, o jeito é agregar serviços em todas as plataformas.

        1. cara, a wired fez um baita estrondo com o ‘fim da web’. a web tá aí e, mesmo q a wired tenha errado feio, uma manchete chamativa é do jogo. cria uma certa tensão e vontade de ler e ouvir. clickbait é outra coisa.

          1. ou ignorancia msm

            se bem que to voltando a ler um pouco mais as areas tecs de alguns jornais (gazeta e estadao)

          2. O jornalismo tech é muito acelerado. Acho q faltam os longos textos como os q o MdU publica. Falta indicar livros para as pessoas se apeofundarem. Faltam entrevistas com pessoas q tem uma visão mais ampla de determinadas questões etc. Por isso fica, essencialmente, esse superficialismo generalizado e, pelos comentários, a gente vê q as pessoas ficam meio q andando em círculos qdo se deparam com problemas q têm grande impacto.

          3. Falta o pessoal – a maioria – que cobre TI ser menos babaca. Quem reclama da cronica esportiva e política nunca analisou o noticioso de TI.

          4. sinto muita falta de entrevista, muito mesmo

            eu gostava quando o gizmodo br, lá no sue primeiro ou segundo ano, fazia uma cobertura legal de tech br indo além de gizmos

            mta coisa sobre energia, por exemplo

          5. é uma lacuna grande, né? falta uma pegada do jornalismo cultural no jornalismo de tecnologia. mas isso tem a ver com o meio (do de formação dos jornalistas da área) e com o público desse tipo de conteúdo (um tanto machista, homofóbico, reacionários etc). os meios de comunicação gringo parecem cobrir melhor a área com matérias mais densas. acho q a ‘info’ ia bem nessas questões e, não à toa, fechou…

            e se as entrevistas se limitarem aos empresários do ramo ou aos marketeiros, tb não vejo lá muita graça. tinha q ser entrevista com substância. acho os profissionais atuais são capazes (no manual, na folha e estado, no tecnoblog e muitos outros provavelmente). falta um direcionamento editorial nesse sentido e apostar num leitor q quer mais.

            sem essa pegada mais crítica, a gente vê mais orientação ao consumo em detrimento de pensar a tecnologia como parte das nossas vidas. gente pra entrevistas debruçada sobre esse tema, não falta. um alento tem sido os textos do ricardo abramovay na “quatro cinco um”.

  14. Aos que gostam de ler livros, quais lugares ou momentos que vocês acham mais proveitosos para ler?

    Quando morava em São Luís, gostava muito de chegar muito cedo na universidade (6:30 por aí) e ler por uns 40-50 minutos até as pessoas começarem a chegar para as aulas. Quando em casa, gostava de ler na cama que era espaçosa e bem iluminada. Mas desde que me mudei de cidade, não consigo mais criar rotina de leitura. A casa é menor, a TV é mais barulhenta. Na universidade, era ruído demais. Meus momentos ficaram basicamente reduzidos aos tempos de espera em bancos, médicos etc.

    1. Gosto de ler no sofá. Cama eu evito porque pode afetar o sono e/ou a leitura — você corre o risco de associar as duas coisas e aí os desdobramentos podem ser meio desastrosos. Quando me mudei a Curitiba, fui algumas vezes ao Jardim Botânico, aos fins de semana, para ler no gramado. É uma boa, também.

      Uma maneira de neutralizar ruídos externos é contar com um par de fones de ouvido. Ligue um barulhinho de chuva e boa, você se isola do resto do mundo. (Ou, se o caixa estiver forte aí, usar um headset com cancelamento ativo de ruídos.)

      Você mora com mais gente? Achei curioso o “a TV é mais barulhenta”. Também moro em um apartamento minúsculo, mas isso nunca foi problema. O que me incomoda é o barulho das ruas no entorno do prédio (muito carro, ônibus, caminhão e gente maluca), coisa que, infelizmente, só mudando de endereço para resolver.

      1. Sair de casa para ler é algo que nunca experimentei fazer (exceto ao ir para livrarias).

        Moro com uma tia idosa e aparentemente o recurso da TV de nivelar o volume também não funciona bem. Por sorte acho minha rua tranquila. Acho que o benefício menos falado de BSB é que NÃO HÁ BUZINAS!

      2. tem um fone de ouvido da xiaomi, desses com formato comum, que tem redutor ativo de ruído. gostaria de testá-lo, pq esses grandes headphones esquentam muito a orelha.

    2. Gosto de ler no horário de almoço do trabalho. Aqui o povo sai pra almoçar fora e eu fico sozinho na sala. Leio apenas com o Kindle.

    3. Eu gostava muito de ler no trem, no caminho casa-trabalho e trabalho-casa. Até mudei meus hábitos numa época, pegando outra linha que demorava mais, mas era maia vazia, pra eu poder sentar e ler sossegado.

    4. Gosto de ler sentado, seja na cama ou sofá, pelo motivo do sono que o Ghedin citou. A dica do fone de ouvido funciona pra mim, mas deixo sem som nenhum. Até mesmo as playlists de sons da natureza do Spotify tiram parte da minha concentração.

    5. Aah, e eu acho muito triste não poder ler em ônibus/carros. Fico enjoado. O jeito é ouvir podcasts nos trajetos diários da vida.

      1. Tome Dramim ? Sério: eu trabalhei uns anos como cobrador de ônibus (foi meu primeiro emprego registrado) e na primeira semana tomei Dramim pra aguentar os enjôos.

        1. Acho que enjoado não é bem a palavra.. eu fiquei meio tonto as poucas vezes que tentei.

          1. É enjôo. Aprendemos na escola que temos cinco sentidos, mas na verdade temos sete, e um dos outros dois é o equilíbrio; o cerebelo se encarrega de processar as informações capitadas pelo labirinto, órgão sensor que fica dentro dos ouvidos, sobre a posição da cabeça em relação ao chão, e essas informações são comparadas com as da visão. O estômago também tem função na detecção do equilíbrio. De alguma forma, tentar ler é como negar que sua cabeça esteja sacodindo, e isso causa o enjôo. E mesmo sem ler tem gente que enjoa em ônibus.

      2. Acho ruinzão ler em ônibus, não consigo me concentrar de jeito algum

      3. também não consigo muito. Já consegui, mas com esforço. Acho que o brt é melhor para isso…

    6. Eu leio no transporte público normalmente e na minha cama que é uma beliche e tem apoio para costas, quando estou com tempo livre eu gosto de ir tomar um café e ler um livro por lá.

    7. Eu lia muito quando passava as ferias lá na casa dos meus pais. É o que me restava sem ter internet…., lá eu li o senhor dos aneis 3 vezes e o Hobbit 2 vezes. haha.
      Fim de semana passada estavamos lá e me coloquei a ler uma biografia dos Ramones.

        1. Ainda não. Por enquanto só Clapton, Ozzy, Hendrix…, Tem tanta coisa que eu queria ler…, Mas falta tempo.

          1. hendrix queria muito ler. clapton não… e o ozzy me bastou aquele programa da mtv q era na casa dele e com a família dele. aquilo era maravilhoso!

          2. O Clapton era um cara legal quando não estava bêbado, ou seja, raramente. Tbm não sou muito fã, mas a autobiografia é muito boa.

            A do Ozzy é hilária. A melhor até agora. Estou com a do led Zeppelin, mas achei meio chata.

    8. gosto de ler no meio da bagunça. no silêncio ouço demais meus pensamentos… e eles me distraem.

    9. Consegui um estágio em fevereiro, de la pra ca adquiri o hábito de ler no transporte publico. Demoro no máximo 1:30 pra chegar no trabalho e sempre vou sentado, então eu curto o trajeto melhor. Mas sabe o que talvez tenha ajudado? O fator do conforto do ônibus. Para eu ir ao trabalho, pego um ônibus com ar condicionado e sempre vou sentado, entao estou num estado muito relaxado, ai leio quantas paginas dão ate eu cruzar a ponte (rio-Niterói) e depois guardo o livro e descanso um pouco.
      Para ir a faculdade por exemplo, eu nunca parei pra ler, sendo que eu sempre peguei muito transito etc pois saia de casa no horario de pico, entre 17/18 da tarde, mas é complicado, pois moro no Rio de Janeiro e os onibus daqui pra minha faculdade (UFF) nao tem ar condicionado, entao é sempre um trajeto meio desconfortavel, com calor execessivo etc

    10. Eu leio todas as noites antes de dormir, eu gosto de ler em silêncio e com tempo de sobra pra interromper a leitura pra reflexão.

  15. Encontrei meu antigo Nexus 4 numa caixa em casa dia desses. Tentei carregar a bateria, mas nem sinal. Nem mesmo com aqueles truques de segurar o botão liga/desliga e os de volume ao mesmo tempo ele ressuscitou.

    Alguma ideia de como trazê-lo de volta à vida?

    1. Esses dias fui emprestar um nexus 5 e foi a mesma coisa, não adiantou em nada ter o aparelho guardado para uma emergência.

    2. Tenho um LG de uns 7 anos de idade. Um aparelho bem básico.
      Dei um “choque na bateria” e ele ressuscitou. Só que a bateria não carrega mais…

        1. dar uma carga reversa durante um tempo. eu tenho uma fonte de bancada (que fizemos aqui no curso), aí eu regulei ela para uns 5V (sendo que a bateria do celular é 3,7V).
          deixei uns segundos e ela já pegou um pouco de carga.
          tem uns videos que explicam o procedimento.

          lembra de uns anos atras que os Motorola (eu acho) desligavam com menos de 1% de bateria? Era para evitar que a bateria zerasse.

Os comentários deste post foram fechados.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!