Post livre #110


19/1/18 às 8h21

Todos prontos para o post livre? Então vamos lá.

Para quem acaba de desembarcar no Manual do Usuário, o post livre é um post sem conteúdo, publicado às sextas, apenas para abrir os comentários. Ali, conversamos sobre quaisquer assuntos.

Colabore
Assine o Manual

Privacidade online é possível e este blog prova: aqui, você não é monitorado. A cobertura de tecnologia mais crítica do Brasil precisa do seu apoio.

Assine
a partir de R$ 9/mês

82 comentários

  1. Galera que compra online, vocês confiam em mktplace?
    Finalmente decidi quais panelas vou comprar, mas que chato é entrar em cada loja grande e descobrir que é um mktplace que nunca ouvi falar sobre

    EDIT: para piorar, quando você finalmente escolhe o produto, o site diz que sua senha é inválida. Depois de muitas solicitações para mudar a merda da senha, o site continua dizendo que é inválida. O que deveria ser algo fácil virou extremamente estressante

    EDIT 2: mudei de loja, 20 reais não vale esse rage todo. Pois é, selecionei a opção de pagar com o Masterpass achando de pouparia tempo, mas o site da loja não se conecta com o serviço :)))))))

    Não sei até que ponto é incompetência e até que ponto é só estupidez mesmo

      1. Mktplace para mim é a mesma coisa que a loja não ter um site próprio, desconfio muito, é como se não exitisse

        Sei que tem varejos tb em mktplace, como dell, ricardo eletro etc, mas a maioria me são obscuras

  2. O que vocês fazem para se manterem concentrados (talvez foco ficaria melhor, não sei) e motivados em ambientes pelos quais não se está acostumado? (não sei se me expressei bem)
    Estou de férias da faculdade na casa dos pais (em um sitio), e por mais que aqui seja extremamente tranquilo (até de mais para quem fica em SP em ano letivo), não consigo manter o foco no meu projeto de pesquisa… simplesmente não anda e não encontro “motivação”. Acredito que seja por conta da falta de compromisso, mas em ano letivo, eu chego a ficar horas, as vezes finais de semana inteiro em pesquisa, mas aqui no sitio, não sai nada…

    1. Eu usei Pomodoro durante meu projeto de mestrado, então funcionava como um trabalho por horas, aí mesmo as partes mais chatas acabavam indo porque eu tinha uma rotina bem definida.

      Nesse cenário, eu consegui fazer meu projeto até que tranquilamente, mesmo trabalhando ao mesmo tempo (apesar de que estava bem tranquilo durante todo o período).

      1. Obrigado pela dica, vou seguir as instruções que são apresentadas pelo método… eu sempre planejo meu tempo (utilizo o calendário do office 365 e ele vai me avisando 5mim antes de cada “coisa” que planejei fazer em determinado momento), mas como eu disse, aqui no sitio o negocio não anda, mas fiquei interessado com o Pomodoro.

        1. No meu uso, eu só colocava metas de ter uns 4 pomodoros por dia quando eu tinha expediente normal no trabalho e 8 pomodoros nos sábados e outros dias sem expediente (exceto domingo).
          Não tentava calcular nada em termos de pomodoro e nenhum controle mais sofisticado, era simplesmente para evitar que eu me distraísse das atividades necessárias.

          Em alguns momentos eu não ligava para metodologia quando entrava no fluxo e também quando algum prazo apertava muito, mas em geral eu consegui fazer o mestrado tranquilamente considerando que eu trabalhava na época.

  3. Terminei de ver “Black Mirror” e para a minha total surpresa, não é q os caras conseguiram retomar o fio da meada da segunda e longínqua temporada de forma BEM interessante e de modo BEM instigante? Achei todos os episódios com uma boa qualidade nas histórias. E, de um modo geral, claro, alguns foram melhores q outros em expor as ideias centrais. O último episódio então: foi sensacional! Que belo conto de terror (com ótimas piadas) tecnológico. Que pena q vc não curtiu, Ghedin…

      1. claro! foi um belo episódio de medo e sobrevivência. não importa se com zoombies, fantasmas, vampiros, monstrengos, doenças (febre amarela, oi?), robôs em forma de cachorro ou gente etc. esse medo vem de longe… e eu consegui até adivinhar o q tinha dentro da caixa ao final do episódio. e como era um episódio sem nenhum esclarecimento do q veio antes daquele evento prosaico (resgatar o conteúdo da caixa), dá margem pra todo tipo de possibilidade de imaginar o q houve. e essas ameaças (nesse tipo de filme de sobrevivência) são quase sempre uma metáfora pra outro tipo de ameaça do tempo presente (real ou igualmente imaginada).

    1. nossa, primeira pessoa que gostou de todos os episódios. rsrs não tinha visto uma até agora :p

  4. Vocês tiveram o desprazer de pegar uma fila de vacinação recentemente?

    Fui lá vacinar para febre amarela e tétano, e meu deus, que horror. Foram 3 horas de espera no calor, com pessoas extremamente inquietas e um conjunto de desinformação enorme. Pessoa berrando porque uma mãe com criança de colo entrou na sala de vacinação para tirar uma dúvida

    1. Eu fui tomar a vacina aqui em Curitiba em uma unidade de saúde, mas fui apenas por exigência já q vou viajar não foi por precaução, mas aqui foi tranquilo, mas pelo que foi informado na unidade de saúde a procura aumentou nos últimos dias. hoje pela manhã tive que ir na ANVISA no aeroporto para fazer a carteira internacional e segundo funcionário comentou, estava movimentado acima da média.

  5. Alguém já montou um “retro console” com o Raspberry Pi? Estou flertando com um projeto desses e gostaria de saber da experiência de quem já fez: RetroPie ou Lakka?

        1. Quer sentir espírito maker, pega um pc antigo e instala uma distribuição do Linux e sai “navegando na web” atrás dos módulos(drive) de placa de som, vídeo, modem… kkkk

      1. Confesso que acho que não faz sentido comprar um Raspberry pra fazer isso, mas, dizer que “dá na mesma coisa” é como falar que jogar no Nintendo 3DS XL e no iPhone “é a mesma coisa” hahahahaha

        Um Raspberry liga na USB da TV e fica lá, sem incomodar. Tem-se o trabalho uma vez e deu. Se tiver um controle sem fio (Xbox ou PS3) com um adaptador, fica mais “invisível” ainda.

        1. Cara, como eu disse aí em cima, eu tenho um par de controles USB que comprei há muito tempo e não usei. No entanto, se a montagem me der um resultado satisfatório, penso em comprar controles bluetooth. Na verdade mais um controle, porque tenho um NES30Pro da 8Bitdo, que uso com o computador.

          1. Eu usei uma vez apenas o controle do PS3 via BT e funcionou de boas (usando um dongle baratinho), mas tem quem diga que o BT não funciona muito bem. De fato, porém, o controle de Xbox com o transmissor da MS funciona muito bem e sem stress de instalar nada, só plugar e jogar.

        2. Poxa, eu ainda acho que dá na mesma. A única diferença que consigo ver é que, em vez de plugar um cabo USB, você pluga o HDMI. Controles sem fio também funcionam no computador e, se tiver um bom emulador (o OpenEmu é fantástico), fora o espaço ocupado e o consumo energético menores do Raspberry Pi, não consigo ver no que a experiência diferiria.

          1. Em termos de jogo é a mesma coisa, até porque usa o mesmo controle =)

            Eu estava falando mais em termos de praticidade mesmo. o Pi vai ficar ligado pra sempre na TV, basta mudar de HDMI, pegar o controle e começar a jogar, ao passo que o laptop tem que ser ligado na TV, na tomada, abrir o emulador … é mais trabalhoso (pra mim) do que simplesmente estar com o Pi ligado.

      2. Na verdade eu já tenho o Raspberry Pi que eu ganhei há algum tempo e um par de controles que eu comprei há uns 10 anos para usar no computador e que praticamente nunca usei. Sempre quis fazer algo assim porque, pessoalmente, só jogo coisa antiga (falta de máquina para coisas mais novas e falta de interesse em jogos mais novos). Some-se ao fato de que, vez ou outra, recebo a visitas com crianças em casa e ter um “console” assim começa a fazer sentido. O estalo para o projeto veio quando eu vi o case NesPi, que basicamente imita um NES e tem tudo o que eu preciso para fazer uma montagem apresentável.

    1. Eu tenho um Retropie feito com o Raspberry Pi (o primeiro modelo) que funciona muito vem faz anos. Jogo, basicamente, MSX e SNES nele. De quebra ainda dá pra colocar o Kodi a rodar pelo Retropie e ter a suan biblioteca disponível sem muita complicação.

      Não é complicado e funciona muito melhor do que qualquer outro tipo de aparelho pra esse sentido.

      Os Raspberrys também funcionam muito bem para media center com um Plex/Kodi da vida.

      1. Ah sim! Uma das minhas ideias é manter um segundo cartão micro-SD com essa finalidade. Se não estiver em uso como vídeo game, é só trocar o cartão e utilizá-lo como media center.

    2. estou com o meu aqui pra isso. só não tive tempo ainda. quero um retro pie tb.

  6. Pessoal. preciso de uma ajuda. Hoje, faz algum sentido comprar uma câmera point and shoot acessível?

    Estou perguntando porque minha mãe usa uma câmera antiga para tirar fotos de bijuterias que ela faz, mas ela está começando a reiniciar sozinha e quero dar uma de presente para ela. Entretanto, não sei quase nada de fotografia (muito menos ela) e minha impressão é que esse mercado está em decadência.

    Minhas dúvidas são:

    – Que recursos eu preciso me preocupar para tirar fotos de bijuterias em ambiente controlado (luz razoável e cenário claro)? Minha mãe usa o modo automático de macro da câmera e funciona bem, mas já que estou pensando em comprar….gostaria de saber se algum controle manual ou característica da câmera eu devo me atentar para esse tipo de foto.

    – Qual o custo de uma câmera point and shoot? Para leigos, um smartphone com boa câmera faz um trabalho melhor de forma mais simples?

    – Vale a pena comprar fora do país ou aqui mesmo?

    1. Além da máquina, ela usa aqueles cubos para controle de ambiente?
      Por incrível que pareça eu já vi algumas publicidades disso no Instagram e achei interessante, poderia “complementar” e ajudar na melhoria das fotos.

      1. Ela tem um sim, mas usa pontualmente porque precisava comprar umas lâmpadas para trazer melhores resultados, vou conversar com ela sobre isso.

    2. Uma SLR ou mirrorless está fora de cogitação, certo? Nesse caso, uma boa lente provavelmente a ajudaria a produzir imagens melhores.

      Eu recomendaria presenteá-la com um iPhone X ou 8Plus pela facilidade com que eles produzem boas fotos em mãos amadoras, mas acho que também não faz sentido pois imagino que você esteja pensando no orçamento de uma point and shoot mesmo.

      Só não recomendo as point-and-shoot superzooms pois elas são péssimas em situações de baixa luminosidade (e a não ser que sua mãe possua um estúdio profissional bem iluminado, a luz fatalmente será sempre ruim). Uso uma superzoom quando viajo pela praticidade (mais prática que SLR e objetiva com distância focal muito maior que a de um smartphone), mas é uma câmera completamente amadora (veja fotos em flickr.com/gaf :)

      1. Obrigado pelas sugestões!

        Posso considerar dependendo da faixa de preço, menos de 2K e conseguir algo bom, mas como eu entendo pouco e estou sem tanto tempo…não faço ideia de como escolher uma SLR ou Mirrorless. Minha mãe provavelmente usaria modo automático e aí não sei se faz tanto sentido.

        Se for gastar uma grana ($500), parece que tem umas point and shoot premium muito boas da Sony e Fuji…não sei se para um leigo é melhor que uma SLR usada por exemplo.

    3. A última vez que ouvi falar de alguma point n shot interessante faz uns 2 anos, era sony ou canon e era muito cara. Talvez a PS ainda seja levemente melhor que o smartphone no quesito lente + sensor (talvez), mas eu particularmente acho que o smartphone pode ser mais interessante pelos apps de edição.

      De qualquer forma, se não tiver tripé acho que você pode considerar incluir um.

    4. Estava pensando nisso ontem mesmo. Vamos até o Viaduto 13 e pensei em pegar uma camera emprestada com um amigo, mas ai eu vi que não vale a pena.
      Poxa, o meu smartphone é o suficiente e na primeira rede que eu conectar ele já faz o backup no Google Photos.

    5. Comprei uma pra esposa faz um tempo, justamente por ela ter os dois mundos: ela tem recursos manuais e tb é point and shoot. Ela não tira muito proveito da parte manual, mas parece q vai dedicar mais tempo a isso esse ano. Ela já é antiga, tem uns anos q compramos, mas funciona bem (muito bem até). Só a bateria q não dura quase nada. Precisamos comprar umas extras. Ela curte tirar fotos de plantas e por isso usa bastante o recurso de macro. Uma câmera dessas e um tripé funcionam super bem pra quem quer fazer fotos simples. Essa q ela tem é uma canon powershot sx230 hs. Acho q não fabricam mais, mas deve ter algo parecido. Só q tem q saber explorar os recursos manuais, do contrário, vira um desperdício uma câmera dessa.

  7. Uma curiosidade: como e com que frequência vocês usam powerpoint (ou keynote e similares)? Acham a ferramenta imprescindível para suas apresentações?

    1. Na época da faculdade eu usava o PowerPoint em todas as apresentações. Salvo as vezes que o grupo queria impressionar o professor (E ter mais trabalho). Aí usávamos o Prezi. Acho uma alternativa bem interessante.

        1. Eu acho bonito e diferente. PowerPoint enjoa de vez em quando.

        2. O Prezi é o tipo de coisa que vai do impressionante para o incômodo no intervalo de duas apresentações — a primeira que você vê e a segunda.

        3. Acho totalmente sem sentido. O paradigma aplicado ali não faz sentido pra mim.

    2. Uso mais o Apresentações do Google com umas templates do Slides Carnival

    3. Uso toda suite do Google, teve um momento que formatei o notebook e perdi a licença do Word. Tentei piratear, enfrentei problemas, incompatibilidade ou deixava de funcionar. Com o tempo achei chato e arriscado ficar pirateando, ai testei o Word Online, funcionou “ok”, mas parecia uma gambiarra, travava um pouco no Notebook humilde de 2GB. Então testei o Google Documents e uso toda suite do Google até hoje, me adaptei tão bem que acho mais fácil/leve/prático de usar que o Word/PowerPoint/OneDrive/OneNote/Derivados, além de não precisar assinar o tal do Office 366bláblá..
      Mas mês passado comprei um iPad, e usei o Keynote para fazer alguns trabalhos, achei extremamente simples e intuitivo, fiz uns PP que me orgulhei por lá haha
      Quero testar o Pages também, o problema é que não posso fazer alteração pelo celular, somente iPad ou PC porque eu uso Android. Provavelmente eu continue com os serviços do Google mesmo.

      1. O keynote é tudo o que o PP podia ser se ele fosse bem feito pela MS ?

        mas acho que ele mantém todos os defeitos e vícios do PP e aplicativos de apresentações em geral

    4. Uso muito powerpoint, mas vez ou outra vou de alguma coisa da Adobe. Conheci uma galera que fazia boas apresentações usando Canva

    5. Sim.

      Mas minha apresentações eram todas com fundo branco e fonte arial preta. Sem figuras e, com sorte, algumas tabelas.

    6. Usei faz tempo e, infelizmente, ele não surtiu o efeito desejado. Não sei se foi culpa da apresentação, mas ele não ajudou… Usei o do Libre Office. Funcionou direitinho.

    7. Eu uso bastante o PowerPoint, mas é muito em função de ser o padrão da empresa. Não curto o Prezi, mas já usei o do Google e foi tranquilo.

      O PowerPoint tem a vantagem de trabalhar muito bem com dados vindos do Excel. Não acho imprescindível, já usei até o Evernote pra apresentar.

  8. Alguém já fez hackintosh?
    Pode compartilhar a experiência?

    1. Cara, eu já fiz alguns, mas há mais tempo. O último que montei foi na época do OS X 10.7.

      A experiência de uso em si, por incrível que pareça, não é ruim. Vez ou outra eu era surpreendido por um kernel panic (o que, vez ou outra vejo acontecer com o meu “puro sangue” também). Na época eu lembro que o que mais me preocupada era quando saía alguma atualização pro sistema. Eu sempre esperava uns dias para aplicá-la e geralmente acompanhava nos fóruns dedicados ao assunto, o relato de quem já havia instalado.

      Não sei como anda hoje, mas acho que deve estar ainda mais fácil do que nessa época aí. Basicamente a regra número 1 é escolher um hardware o mais parecido possível com o utilizado pela Apple. Hackintosh com notebook é algo mais complicado também (eu fiz com um netbook em 2009) pela impossibilidade alterar determinados aspectos do hardware; num desktop você escolhe uma placa que tenha aquele chipset específico, num notebook nem sempre isso é possível.

      Provavelmente no ano que vem eu deva montar outro, já que meu Mac mini de 2009 não tá dando conta do recado e o último mini que valeu a pena, na minha opinião, foi o de 2011. Como os preços aqui também não andam nada amigáveis, devo montar outra máquina em algum tempo.

      1. Pelo que andei vendo no YouTube, pelo menos a atualização está normal. Estão atualizando o SO pela Appstore mesmo.

        Tenho uma AMD RX e um HD sobrando. Tô pensando em fazer isso.

        1. Pelo que me lembro o suporte a GPUs da AMD não era muito estável. Acho que isso pelo menos não mudou, já que da última vez que vi a lista de hardware compatível num site voltado ao Hackintosh, as recomendações eram sempre placas de vídeo da nVidia que inclusive fornece um driver para OS X. Uso no meu mini, que tem uma GeForce 9400, e ele é melhor que o driver nativo da Apple.

          1. Hj o suporte a AMD já está MT bom pq ja tem modelos com essas placas

          2. Bom saber. Sempre tive apreço por essas placas desde quando ainda eram da ATI (a Apple usava GPUs Radeon nos Macs com PowerPC).

    2. Já tive muita vontade, mas tenho notebook e as coisas são um pouco mais complicadas. Apesar disso, no meu caso só o wifi não funcionaria e um desses adaptadores USB simples daria conta do recado. Talvez um dia, com mais tempo, eu tente.

      1. Na época em que fiz isso com um Netbook (e eu ainda tenho essa máquina com o 10.6.8 rodando) eu tive esse problema do WiFi incompatível. Comprei uma plaquinha mini PCIe usada, retirada de um Macbook. Foi só instalar e o sistema reconhecer.

        1. Comecei a ler, bem interessante.
          Salvei no pocket e “nunca mais lembrarei que está lá” mas lerei quando estiver em casa. ?

          1. Também faço isso, mas lembro de ler ao menos uma vez por semana, rs, vou lendo ao poucos pq o texto é extenso, mas uma hora termina.

    1. Eu comprei um tema preto quando meu antigo celular tinha root, só era chato quando um app atualizava e voltava a ser branco… aí tinha que abrir o substratum, escolher a versão do meu android, alguns apps eu tinha que escolher a versão que usava, então tinha que ir na play store descobrir qual a versão (isso era pro whatsapp, facebook, messenger e instagram, pelo que me lembro), então com o tempo enjoei de ter que fazer isso a cada dois dias e parei de usar.

      1. Essa parte é chatinha mesmo, desativei as atualizações da Play Store, deixar para atualizar só mensalmente e assim configurar o tema novamente.
        De certa forma vai ser legal, ao invés do app passar por pequenas mudanças, cada vez que atualizar vou me surpreender com as novidades hahaha

        1. Antes eu atualizava manualmente também, mas perdia certo tempo com isso, aí deixei a “tecnologia trabalhar”, estou virando adepto do pegar e usar, estou ficando enjoado de ficar configurando coisas, rs.

      1. Usava Nexus 5X, infelizmente ele morreu (problema com solda na placa, conhece?). Quando o NX morreu estava sem $$$, recorri ao Redmi 4X que é o celular que uso atualmente com a ROM DotOS.
        Quando tinha Nexus a única custom ROM que instalava ás vezes era aquela do Pixel, não gostava muito das outras por ter muitas opções de personalização (que ironia, não é? Logo eu que tô usando Substratum).

        1. Sei bem desse problema :/. Tava usando a Pure Nexus, mas meio que abandonaram ela no Nougat, ainda tô na procura da minha “nova preferida”

          1. Tinha uma ROM chamada CosmicOS (se não me engano) desenvolvida pelo Argraur e outros devs do XDA, gostei dela por ser extremamente simples e fluída.
            Recomendo você participar do grupo @nexus5xglobal no Telegram, quando eu queria saber alguma recomendação de ROM sempre tinha o pessoal frenético por custom ROM e sabiam os pontos fracos e fortes de cada uma.

    2. Detalhe para “Sem Serviço – TIM” hahaha
      É que trabalho em um lugar bem fechado e o sinal acaba caindo muitas vezes

  9. Olá pessoal, bom final de semana para todos.
    Alguém tem alguma sugestão de caneta para iPad (não Pro) que não custe muito? Tava pensando em alguma da Samsung do Mercado Livre, mas não sei se funciona.

    Espero que não seja detectado como SPAM igual como aconteceu com os meus últimos três comentários :V

    1. Cara, as da Samsung não vão funcionar no iPad, porque elas precisam de uma digitizer da wacom que a Samsung usa na linha Note mas que a Apple não usa.

      Num post livre há algum tempo eu sugeri uma que eu, pessoalmente, já testei em alguns iPads com bons resultados: https://www.aliexpress.com/item/OVERDRIVE-Active-Capacitive-Stylus-pen-USB-Charging-Metal-Screen-Touch-Pen-for-iPhone-iPad-Samsung-Tablet/32547015984.html?spm=a2g0s.9042311.0.0.Ddbp6F

      Não é barata e tem o inconveniente de usar uma pilha AAA, mas funciona muito melhor que qualquer uma de ponta borrachuda.

      Lembrando o que eu disse da última vez que indiquei essa stylus por aqui: O resultado depende muito da qualidade da touchscreen. No iPad, funciona muito bem. Em outros dispositivos o resultado pode não ser tão bom.

      Nas avaliações dela no AliExpress tem umas imagens e desenhos criados com ela. Dá pra ter uma ideia.

Os comentários estão fechados.