Com Photoshop por streaming, Chromebooks podem ficar mais atraentes


29/9/14 às 14h47

Photoshop a caminho do Chrome OS.
Foto: Google.

O Google anunciou uma parceria com a Adobe para levar o Photoshop aonde ele nunca havia ido antes: aos Chromebooks.

Esses notebook que rodam Chrome OS, como já vimos duas vezes, são bem limitadas. De que maneira, então, o pesadão Photoshop rodará neles? Com o poder da nuvem. O Projeto Photoshop Streaming oferecerá aos donos de Chromebooks e usuários de Windows que usam o Chrome a possibilidade de rodar o editor de imagens via streaming.

Na prática, é como se o Chromebook/Chrome fosse um terminal burro. Todo o processamento, armazenamento e até a própria instalação do Photoshop ocorrerá em servidores remotos. Localmente, apenas a interface e os comandos serão executados. Por limitações atuais, o Photoshop Streaming não terá funções que rodam em cima da GPU, não salvará arquivos localmente (tudo ficará no Google Drive), nem conversará com periféricos, incluindo impressoras.

As vantagens, por outro lado, são ter um Photoshop, ou melhor, o Photoshop de verdade sempre atualizado, sem ocupar espaço na memória do equipamento e que roda mesmo no fraquíssimo hardware tipicamente encontrado em Chromebooks. De outra forma, ou seja, instalado e consumindo recursos locais, esse aplicativo seria inviável. Para o Google, a oferta do Photoshop eleva o moral do seu Chrome OS, ainda encarado com desconfiança por usuários e imprensa pela sua restrição a apps que rodam na web.

Na primeira fase o Photoshop Streaming será restrito a usuários selecionados que pagam a Creative Cloud, são estudantes e residem nos EUA. Para o futuro, a Adobe promete expandir o programa, além de trazer outros apps da Creative Cloud à modalidade por streaming.

Quem tem um Chromebook encontra editores de imagens relativamente simples na Chrome Web Store, como o Pixlr e o Sumo Paint. Nada que se compare ao poder do Photoshop, porém.

Colabore
Assine o Manual

Privacidade online é possível e este blog prova: aqui, você não é monitorado. A cobertura de tecnologia mais crítica do Brasil precisa do seu apoio.

Assine
a partir de R$ 9/mês

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 comentários

  1. O duro é fazer upload de uma sessão fotográfica com vários GB de fotos em RAW para tratar no Photoshop. Com as nossas conexões ainda… :(

  2. Também não vejo muito sentido nisso. Fico com pé atrás em relação ao desempenho. Na página diz que é necessário uma conexão de pelo menos 5 mbps, e não achei nenhum vídeo mostrando o funcionamento. Fora a dependência do Google Drive, a necessidade de iniciar uma nova sessão em caso de queda da conexão, e a ausência da GPU, então não acredito que a presença do Photoshop nos Chromebooks aumente seu apelo comercial.

    1. O Chromebook foi feito e é vendido como segunda máquina. Não acho que fotógrafo algum irá jogar fora o desktop que tem para tratamento e edição de imagens em prol de um deles, mas ter o Photoshop disponível pode salvar o dia em campo, durante uma viagem ou em outras situações atípicas.

      E pense também em quem não é profissional, mas tem fotografia como hobby. Não é de outro mundo imaginar que, para esse perfil, às vezes a falta do Photoshop pode ser determinante na não escolha de um Chromebook. Com essa opção por streaming, Google e Adobe fecham essa lacuna.

      Não importa ter um milhão de apps, mas sim ter os certos. E o Photoshop, seja no Windows, seja no Windows Phone, Android, iOS ou mesmo Chrome OS, é um desses.

  3. Não tem sentido alguém que precise usar o photoshop abrir mão da gpu e ficar refém do google drive. Se é pra ser assim, melhor usar aqueles webapps que tem na loja do Google, e assim, economizar dinheiro e paciência.