Arte do livro "Pantaikan", escrito e ilustrado por Diogo Carneiro.

O livro pantaneiro que conquistou o Brasil pelo Reddit


21/1/19 às 8h00

“E por causa de vocês, r/Brasil, o projeto deu certo!” Foi com esta mensagem que, no dia 11 de dezembro de 2018, o ilustrador Diogo Carneiro agradeceu a um monte de desconhecidos em um grupo na rede social Reddit pelo sucesso comercial do seu livro de estreia, Pantaikan e a Ordem do Ipê-Branco, uma história fantástica ambientada no Pantanal sul-mato-grossense e ricamente ilustrada.

Pantaikan conta a história de Nheco, uma capivara que leva a vida como pescador, mas que tem o sonho de virar um guerreiro pantaneiro. Um encontro com uma criatura que ele só ouvira falar em rodas de tereré, porém, muda o seu destino. Perseguido e tratado como um criminoso, a capivara Nheco precisa recuperar sua honra enquanto se aventura por Pantaikan tentando proteger um item envolto em mistério e magia.

O livro é uma homenagem apaixonada ao Pantanal, um dos biomas mais famosos e belos do Brasil. Carneiro, 32 anos, nasceu no Mato Grosso do Sul e sempre morou lá. “Desde que era praticamente um bebê eu já ia à fazenda, no Pantanal”, relembra. “Sempre tive um contato muito próximo com o Pantanal. Está meio no sangue”.

Diogo Carneiro, autor do livro "Pantaikan".
Diogo Carneiro. Foto: Divulgação.

Carneiro formou-se em Publicidade e Propaganda em 2007. Trabalhou em agências, foi diretor de arte e, nessa função, fazia trabalhos com mascotes e ilustração de cartilhas. Eram os que ele mais gostava. Em 2012, largou a agência para trabalhar exclusivamente com ilustração. “Sempre gostei de desenhar, desde pequeno”, conta.

O universo retratado de Pantaikan surgiu como uma ilustração para o portifólio do ilustrador. “Acabou que gostei muito dele [o desenho], do universo que estava rascunhando. Resolvi segurar um pouco. ‘Aqui dá para explorar mais, esses personagens’”, lembra ter pensado na ocasião.

Entre os primeiros traços daquele personagem e a publicação do livro, passaram-se três anos. Os pedidos para ilustrar livros infantis, capas de livros, jogos e impressos em geral fazia com que sobrasse pouco tempo para dedicar a Pantaikan. “De produção, mesmo, foram uns dois anos, escrevendo e ilustrando no meu tempo livre, quando dava”, disse. A parte burocrática — registros e impressão — consumiu mais um ano.

Dobrando a aposta em Pantaikan

Foto de alguns livros "Pantaikan" empilhados em uma mesa.
Foto: Diogo Carneiro/Divulgação.

Todo o gasto com a impressão da primeira tiragem de Pantaikan saiu do próprio bolso de Carneiro. Houve uma proposta da editora/gráfica que fez o trabalho em que o autor ficaria com 10% do faturamento de cada livro vendido. “Aí resolvi bancar eu mesmo”, relembra. Não só. Com uma dose de ousadia que demonstrou o quanto ele confiava no material que tinha em mãos, ele dobrou a aposta: “Quando escolhi a tiragem, arrisquei: pedi o dobro do que a princípio queria porque, assim, o custo caía pela metade”.

Carneiro não revela valores nem volume de vendas, mas afirma que já vendeu 30% da tiragem e que, com isso, conseguiu recuperar os custos de produção e começar a ter lucro. O preço de capa do livro é de R$ 75, valor que, nas postagens dos tópicos do autor no Reddit, assustou alguns leitores interessados na obra. Mas há uma explicação: “Ele [o livro] é grande, capa dura, todas as páginas coloridas e ilustradas em papel couché de qualidade. Queria um acabamento bem bacana”, justifica.

Outro possível entrave, o frete, foi resolvido graças a uma exceção que os Correios fazem à remessa de livros. Para esse tipo de produto, a estatal faz o transporte para qualquer lugar do Brasil pelo valor fixo de R$ 14.

De Campo Grande para o Reddit

Diogo desenhando à beira de um rio com um jacaré passando ao fundo.
Diogo desenha à beira do rio enquanto um jacaré nada tranqüilamente. Foto: Divulgação.

O Reddit não figurava com destaque dentro da estratégia de divulgação de Pantaikan. Inicialmente, o autor se voltou ao Facebook, onde está a sua rede de contatos. Começou a falar do livro um mês antes de um lançamento presencial, ocorrido dia 13 de dezembro em uma lanchonete de Campo Grande.

No Reddit, que Carneiro frequentava pelos grupos dedicados a jogos eletrônicos, a princípio ele buscou por grupos de ilustradores e autores independentes. Logo, constatou que nesses locais o alcance seria limitado. Foi aí que, expandindo a pesquisa, encontrou o r/Brasil, provavelmente o maior grupo majoritariamente brasileiro no Reddit, hoje com pouco mais de 200 mil participantes.

Sua primeira postagem no r/Brasil foi simples e direta: “Escrevi e ilustrei um livro de fantasia inspirado no Pantanal”, seguido de uma ilustração/convite para o lançamento presencial em Campo Grande. “Estava saindo para jantar e quando estourou a postagem eu estava na rua, não consegui responder. Foi meio uma surpresa”, recorda. “Eu pensava que o livro teria uma aceitação maior no estado, pela temática pantaneira, então isso me surpreendeu”.

Aquela primeira postagem recebeu mais de 2 mil “upvotes” (as “curtidas” do Reddit) e 242 comentários, a maioria parabenizando o autor, muitos perguntando onde comprar o livro. Havia um interesse real daqueles desconhecidos em Pantaikan. A pré-venda foi um sucesso e a exposição na rede social ajudou a romper as fronteiras do país. “Foi a partir do Reddit que mandei livros para a Alemanha, Inglaterra, Estados Unidos (um monte), Canadá e até um para o Emirados Árabes”, diz. A promessa de desenhar uma capivara no autógrafo de todos os livros comprados na pré-venda, feita no segundo post no grupo, ajudou a potencializar as vendas no digital.

Foto do autógrafo do livro "Pantaikan" com a capivara para os leitores que compraram na pré-venda.
Capivara desenhada no autógrafo dos livros da pré-venda. Foto: Diogo Carneiro/Divulgação.

Graças ao Reddit, os pedidos de Pantaikan via internet empataram com as vendas presenciais, dos círculos de amizade de Carneiro: “O público das minhas redes sociais meio que pagou o projeto, mas o que deu solidez mesmo foi com certeza o Reddit”. A terceira postagem, citada no início da reportagem, foi de pura alegria e satisfação: “Eu gostaria de agradecer cada um de vocês, não apenas quem comprou, mas também as pessoas que deram Up Vote ou comentaram com um amigo. O apoio de vocês foi incrível. Eu recebi muitos pedidos de pessoas do r/Brasil”, escreveu.

Mais do que potencializar as vendas, o apoio do Reddit serviu como uma espécie de sinal verde para Carneiro expandir o universo de Pantaikan. Desde o começo do ano, ele vem publicando um glossário do seu universo no r/Brasil e já vislumbra novas obras derivadas e continuações para o futuro próximo.

“Quero começar o segundo livro”, adianta. “Neste ano estou bastante focado em uma empresa minha de jogos, mas quero encaixar no planejamento a criação do outro livro, porque deu certo [o primeiro], então tem muita gente pedindo a continuação. E penso também em outros spin-offs, histórias paralelas à principal, com alguns contos, algo menor para ser mais rápido de fazer. Quero continuar.”

Pantaikan e a Ordem do Ipê-Branco pode ser comprado em seu site oficial.

Confira algumas artes e conheça os personagens:

Personagem Nheco do livro "Pantaikan" em arte de divulgação.
Nheco. Arte: Diogo Carneiro/Divulgação.
Personagem Tocaia do livro "Pantaikan" em arte de divulgação.
Tocaia. Arte: Diogo Carneiro/Divulgação.
Personagens Ceverino e Tião de "Pantaikan" em arte de divulgação.
Ceverino e Tião. Arte: Diogo Carneiro/Divulgação.
Personagens Zagaia e Nheco do livro "Pantaikan" em arte de divulgação.
Zagaia e Nheco. Arte: Diogo Carneiro/Divulgação.

Arte do topo: Diogo Carneiro/Divulgação.

Newsletter

O melhor do Manual do Usuário:


Nas redes sociais, notícias o dia todo:
Twitter // Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 comentários sobre “O livro pantaneiro que conquistou o Brasil pelo Reddit”

  1. Que legal essa história!

    Lembra de anos atrás, quando se tinhas mais expectativas positivas das redes sociais e não somente problemas de privacidade, vício e conduta das empresas.

  2. Eu gosto muito de livros com a temática ou ambientação brasileira. Com tanta variedade e riqueza que temos em termos de ambientes, biomas, culturas, etc, é uma pena que não haja mais literatura que explore tudo isso.