Pessoa de sexo não identificado, com cabelo roxo e pele azul, segurando uma xícara de café com vários ícones em alusão ao Manual do Usuário na fumaça e um celular na outra mão. Embaixo, o texto: “Apoie o Manual pelo preço de um cafezinho”.

No varejo brasileiro, vendas via internet já superam as vendas de rua

O varejo brasileiro é digital. Levantamento feito pela repórter Daniele Madureira, da Folha de S.Paulo, a partir dos balanços financeiros de grandes varejistas nacionais, constatou que elas já vendem mais pela internet do que nas lojas físicas:

  • Via (Casas Bahia e Ponto): 59% das vendas no digital;
  • Magazine Luiza: 71%; e
  • Lojas Americanas: 76%.

Apesar disso, as lojas físicas ainda são importantes pela logística, como ponto de apoio e até para emanar confiança aos consumidores. Tanto que, nesse mesmo período, as varejista continuaram abrindo novas lojas físicas.

Esse caldeirão do novo varejo brasileiro ainda tem outros ingredientes importantes, como o WhatsApp, os marketplaces e a pandemia. Via Folha de S.Paulo.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Dúvidas? Consulte a documentação dos comentários.

2 comentários

  1. Um contraponto a esta matéria:

    A interpretação destes números não é tão simplista quanto os reportados em balanços, e essa matéria da Folha de SP dá uma maquiada no que é a realidade. Se você vai em uma loja dessas e compra um produto com entrega via CD, em enorme parte dos casos você está comprando um item que contabilmente é alocado como uma venda online, mesmo acontecendo em um ponto de venda físico.

    E isso nem é apenas para os produtos pesados, como geladeiras ou lavadoras. Vá a uma loja das Casas Bahia e tente comprar um iPhone. Ao negociar preço, a primeira abordagem do vendedor é se você pode esperar 1-2 dias e receber em sua casa, ou retirar o produto na loja horas depois (ou no dia seguinte) que o desconto é maior. Nesses casos o produto é faturado pelo centro de distribuição e a empresa capta o benefício do ICMS faturando esta venda como uma transação do canal online. Mais um caso que contabilmente a venda é reportada pro canal online mas é uma venda essencialmente de loja física.

    Inclusive o modelo de comissionamento dos vendedores destas lojas físicas remunera o vendedor do “chão de loja” de modo a não criar canibalização entre os canais de vendas dos varejistas.

    Posto isso, afirmo: o varejo brasileiro possui alta penetração do online, é um mercado muito evoluído, mas estas redes citadas (Via, Magalu e Americanas) não são tão digitais quanto suas páginas de RI afirmam.

  2. Nessas redes de lojas grande até pode ser e é meu óbvio, eles vendem bem mais barato no site do que na própria loja, a diferença de preço é um absurdo.

Compre dos parceiros do Manual:

Manual do Usuário