Banner anúncio do Revelo UP, com o logo do programa e o texto 'Financiamento de curso em tecnologia' à esquerda, a frase 'Investir no seu futuro começa agora' no meio e, à direita, a palavra 'UP' vazada, com uma mulher pensativa no 'U' e um homem fazendo anotações no 'P'.

Spotify lança o Car Thing, seu primeiro produto físico

Car Thing acoplado ao painel de um carro, com uma mão mexendo em seu botão giratório.
Foto: Spotify/Divulgação.

Este é o Car Thing, primeiro hardware (produto físico) do Spotify e forte candidato a gadget mais inútil do ano. Pensado para carros sem sistemas de entretenimento compatíveis com o Spotify (quantos?), ele se conecta ao celular por Bluetooth e precisa se conectar, também, ao sistema de som do veículo, por fio ou novamente via Bluetooth. Por que alguém preferiria isso a conectar o celular com o app do Spotify diretamente ao sistema de som do carro? Apesar da tela de 4 polegadas, o Car Thing só roda o Spotify. Aquele botão giratório parece bem legal, mas é pouco para justificar os US$ 80 que a empresa pede pelo Car Thing nos EUA. Via Spotify (em inglês).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 comentários

  1. Meu carro é de 2007 e não tem nenhum tipo de tela. O rádio sequer tem bluetooth.

    Mas, acho que o Car Thing não é pra mim. Tenho o Amazon Music só pq assino o Prime e uso muito pouco e no carro, após a partida, a única coisa que eu faço é ligar o rádio e colocar na estação de notícias.

    1. O som do carro do meu pai tem bluetooth, e basicamente isso.
      Pra mim é suficiente, quando eu preciso usar algo do celular eu simplesmente programo tudo antes de sair de casa. Entendo que as pessoas gostem de uma central multimídia, é super cômodo, mas só vai ser seguro mesmo quando a direção autônoma virar a regra.

  2. Seguindo o Bonela: “som automotivo” tem toda uma cultura (muitas vezes infeliz, como os paredão de som e a busca pelo melhor tom grave que sacode tudo…), e de fato, sempre há uma busca por equipamentos diferentes para aprimorar a dita “experiência”. Há até a cultura da busca de som antigo para casar com o veículo de época.

    No caso do Spotify “Car Thing”, achei interessante, mas a sua lógica está certa, Ghedin: ele é um teco complexo – precisa de duas ligações, uma do celular ao aparelho e outra do aparelho ao som do carro. Obviamente a segunda acabaria permanente, inclusive em veículos que não tenham equipamento bluetooth, dado que ficaria o fio ligado direto lá.

    Veículos atuais já vem creio que 90% com som instalado de fábrica. Creio que “Car Things” como este serve para veículos bem mais antigos. E mesmo assim, acho que daria para ser mais prático se fosse um simples dock com dois botões giratórios. Seria a coisa mais óbvia e prática do mundo, mas acho que até hoje não foi feito porque deve ter tido alguma patente bloqueando…

  3. Fugindo ao contexto da discussão, é impressão minha ou esse selinho com o nome da marca nos produtos nos passa a sensação de algo mais premium? Fico impressionado como um pedacinho de tecido consegue alterar nossa percepção (pelo menos a minha) haha.

  4. Isso é com certeza melhor do que usar o celular diretamente no carro, especialmente pela presença dos botões físicos, mas meio redundante em qualquer carro que tenha suporte a Android Auto/CarPlay. Vale lembrar que Android Auto e CarPlay só estão presentes em carros mais ou menos de 2015 pra cá, então tem muitos carros por aí que não têm qualquer tipo de tela. Como o Spotify se tornou meu meio principal de consumo de música, eu adoraria ter esse treco. É melhor de usar que o celular diretamente e o celular pode continuar sendo usado para GPS, por exemplo.

    1. Deve ser melhor mesmo, mas acho que a questão aqui é mais se o ganho é relevante a ponto de justificar a existência (e a compra) desse negócio. Mesmo lá, US$ 80 não é mixaria, e… sei lá, player de música não é um negócio que você fica encarando na tela normalmente. E outra, o sistema de entretenimento do carro, por mais antigo que seja (e não pode ser muito, pois precisa ter Bluetooth), já tem controle de áudio e até de execução (dá para avançar ou voltar faixas no celular).

      Quando eu tinha carro, ouvia música exatamente assim e era um processo totalmente livre de telas: assim que eu ligava o carro, o tocador ligava junto, sincronizava no Bluetooth do celular e começava a tocar o que eu estivesse ouvindo antes.

      Sei lá, fiquei meio desgraçado da cabeça com esse Car Thing, haha… Parece muito um dispositivo dos últimos dias do capitalismo tardio 😄

      1. Acho que é mais um item pra quem se importa muito com a música que está ouvindo do que um dispositivo dos últimos dias do capitalismo tardio. 50 anos atrás, ainda bem antes do capitalismo tardio, o pessoal tinha uns 6 aparelhos espalhados pela sala pra ouvir música entre receiver, sintonizador, amplificador, caixas e por aí vai. Eu fico trocando de música o tempo inteiro quando tou dirigindo, daí a vontade (e não necessidade) de um aparelhinho desses no carro. O custo é outra conversa, é caro mesmo e difícil de justificar.

O site recebe uma comissão quando você clica nos links abaixo antes de fazer suas compras. Você não paga nada a mais por isso.

Nossas indicações literárias »

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!