Pessoa de sexo não identificado, com cabelo roxo e pele azul, segurando uma xícara de café com vários ícones em alusão ao Manual do Usuário na fumaça e um celular na outra mão. Embaixo, o texto: “Apoie o Manual pelo preço de um cafezinho”.

Amazon atualiza Kindle Paperwhite com tela maior e USB-C; Facebook lança um “tablet” para videochamadas

Semana cheia para consumidores interessados em dispositivos físicos de vigilância de grandes empresas de tecnologia.

A Amazon atualizou seu Kindle Paperwhite, agora em duas versões, ambas com telas (6,8″) e baterias maiores, entrada USB-C e, no caso da “Signature Edition”, carregamento sem fio e sensor de iluminação. Os preços no Brasil estão mais salgados. O Kindle Paperwhite básico encareceu 30% e agora sai por R$ 649. O Kindle Paperwhite Signature Edition custa R$ 849. Via Interfaces.

Lá fora, o Facebook lançou uma versão com bateria do Portal, seu dispositivo para videochamadas. O Portal Go, com tela de 10″, roda Android, mas não dá para chamá-lo de tablet — além de pesado (1,4 kg), o software é restrito a basicamente apps como WhatsApp, Facebook Messenger, Zoom e alguns outros do tipo para o mercado corporativo. Lá fora, sai por US$ 199. Via The Verge (em inglês).

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Dúvidas? Consulte a documentação dos comentários.

7 comentários

  1. Não faz muito tempo o Kindle Paperwhite custava uns R$ 350 :( Vou cuidar com carinho do meu Kindle velho de guerra aqui.

  2. Meus deus olha o preço dessas coisas!!! *chorrindo*
    Sinceramente, eu li MUITA coisa que não teria lido se não fosse e-book, mas com o dólar altíssimo, não está compensando tanto mais. Não é raro achar e-book acima de 50 reais. Não pretendo recomprar outro e-reader (principalmente, não da amazon) quando o meu parar de funcionar (e nem tem conserto pra esse tipo de aparelho!!).

      1. Resposta curta: não.

        Existem gambiarras, algumas envolvendo o próprio Kindle, mas nada remotamente tão cômodo como a experiência oficial/da Amazon. E no Brasil, então, é muito pior — acho que nem tem mais Kobo aqui, talvez a única plataforma concorrente do Kindle que restou.

        1. Pois é, a Livraria Cultura já vendeu o Kobo por aqui. Agora acho que já desistiu.

          No Aliexpress tem uma gama de e-readers, mas não sei se prestam. O custo é bem elevado, até, em alguns casos.

        2. A loja de e-books da Kobo ainda funciona aqui no Brasil, mas se os preços da Amazon já não estão convidativos, imagina os de lá?? Sem falar dos autores que têm contratos de exclusividade…
          Eu tenho um Kobo, como já comentei antes, mas mantenho mais pelos livros que já comprei e ainda não li. Já desisti de termos uma concorrente nacional. Queria que pelo menos fosse possível comprar de outras lojas no exterior.

      2. O Open Book Project é um projeto open-source para dispositivos de leitura. Ainda está engatinhado, mas é interessante acompanhar.
        Talvez comercializem num futuro distante.
        https://github.com/joeycastillo/The-Open-Book

        Tem um grande empecilho em tornar o mundo dos e-books em algo mais livre por causa dos formatos de publicações que são muito fechados por questões de direitos autorais, empresariais, patentes… É bem chatinho pra desenvolver e tornar responsivo entre os dispositivos e que converse com vários softwares. Um dia a gnt chega lá

Compre dos parceiros do Manual:

Manual do Usuário