Fundo azul, com uma chamada para um PlayStation 5 no centro. À esquerda, a frase “Ofertas de verdade, lojas seguras e os melhores preços da internet.” À direita, “Baixe o app do Promobit”.

Google suspende engenheiro que afirma que inteligência artificial da empresa adquiriu consciência

O engenheiro Blake Lemoine, do Google, acredita que a inteligência artificial LaMDA, apresentada pela empresa em 2021, é senciente. Acredita tanto que causou um rebuliço na empresa e fora dela, quebrando contratos de confidencialidade para provar seu argumento, até ganhar férias remuneradas do Google. A empresa nega que sua IA seja senciente.

LaMDA, abreviação em inglês para “modelos linguísticos para aplicações de diálogo”, é uma tecnologia que o Google emprega em vários dos seus produtos para predizer sentenças que humanos usariam. Não é senciente, é só uma inteligência artificial relativamente boa em regurgitar de forma coerente as toneladas de conteúdo escrito por seres humanos que o Google devora e processa.

A história de Lemoine, contada em ótima reportagem de Nitasha Tiku no Washington Post, envolve crenças transcendentais e alguns questionamentos interessantes. E ecoa o primeiro robô de conversação da história, o ELIZA.

Criado em 1966 por Joseph Weizenbaum, do Laboratório de Inteligência Artificial do MIT, o ELIZA emulava um terapeuta. Mesmo com uma lógica simples, a ilusão era forte o suficiente para fazer vários estudantes se abrirem com o programa. Via Washington Post (em inglês).

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Dúvidas? Consulte a documentação dos comentários.

2 comentários

  1. Perdeu um bom trabalho só para ganhar 15 minutos de fama ou provar seu “argumento”, que todo mundo para de se importar em alguns dias. No final, o que ganhou com isso além de ficar sem um emprego?

Compre dos parceiros do Manual:

Manual do Usuário