Discutindo o noticiário, “o mais influente meio de educar populações”

Homem lê jornal sentado em trem do metrô de Nova York.

Existe um tipo de formação continuada que nos arrebata na juventude e, raríssimas exceções, atendemos até a morte. É o noticiário. Alain de Botton, em seu livro Notícias: Manual do Usuário, diz que ele é “de longe o mais influente meio de educar as populações”. Há indagações e sugestões interessantes ali, todas pautadas por uma questão maior: a finalidade das notícias.

Ser bem informado é um atributo valorizado pela sociedade. Isso não é algo originado ou exclusivo do noticiário, é uma característica da nossa espécie. Em Sapiens: Uma Breve História da Humanidade, o historiador Yuval Noah Harari atribui à fofoca, ou ao falar de si mesmo e dos outros, a superioridade do Homo sapiens frente a outras espécies humanas.

Essa autorreferência que fazemos desde tempos remotos está na nascente da cultura, talvez a explique, mas não justifica o formato e as práticas jornalísticas atuais, que datam de poucos séculos. Quando éramos caçadores-coletores, saber sobre a vida social dos pequenos bandos em que vivíamos, os locais e classificações dos alimentos disponíveis e o terreno onde nos estabelecíamos temporariamente era vital. Hoje, é difícil encontrar o fio condutor entre uma desastre natural na China e a vida de um bancário, casado, dois filhos, fã de futebol que vive numa cidade no interior de São Paulo.

A fragilidade desse elo evidencia problemas nas duas pontas da comunicação que se estabelece por meio da notícia. Do lado da imprensa, os incentivos econômicos e a postura convencida de ser a detentora de uma suposta verdade absoluta, imparcial, prejudicam o pleno exercício da função. Em determinado ponto, de Botton fala sobre a real capacidade do noticiário: não a de mostrar, mas sim a de moldar a realidade — de exercer, pois, sua parcialidade:

São tantas as versões da “realidade” que é impossível falar da nação como se fosse uma coisa só, passível de ser apreendida a cada dia, mesmo pelas agências de notícias mais determinadas. Talvez o noticiário adquira ares de maior autoridade quando o assunto é formar um retrato da realidade. Talvez alegue ter a resposta para a questão impossível que é saber de fato o que está acontecendo. Entretanto, a verdade é que ele não tem a capacidade universal de transcrever a realidade, apenas se limita a moldar a realidade por meio das escolhas que faz quanto às histórias que serão postas em foco e às que serão deixadas de lado.

O sangue que escorre de programas policiais, por exemplo, é um recorte sensacionalista. Ele pode gerar medo e desconfiança generalizados, nos tornar paranóicos e menos inclinados a sermos gentis ou mesmo amistosos com estranhos — afinal, com tanta coisa ruim acontecendo, o outro pode muito bem ser um assassino ou ladrão. Ainda que os níveis de criminalidade sejam elevados, assistir a programas do tipo pode passar a falsa impressão de que nunca fomos tão bárbaros quanto agora. A finalidade passa a ser o espetáculo, não a informação; a notícia perde a sua função original.

O potencial danoso vai além. Na política, em exemplo dado pelo autor, o desestímulo à participação na vida pública encontra na confusão, tédio e distração armas mais eficazes do que impedimentos declarados como a censura. O autor diz: “Uma enxurrada de notícias, e não sua proibição, seria suficiente para deixar o status quo inalterado para sempre”. Aplicar esse raciocínio às redes sociais, das quais ambos publicações noticiosas e leitores se tornaram escravos e vítimas do tédio que os motivam a ingressar nessa esteira que nunca se desliga, agrava o problema. Quando tudo parece importante, tudo deixa de sê-lo.

Livro Notícias: Manual do Usuário, de Alain de Botton.

No prefácio, de Botton argumenta que o noticiário nos causa “inveja e terror; alegria e frustração”. Não raro, explora os sentimentos do consumidor. Gera frustração, torpor, fúria. Num mar de informações em que se recompensa o poder de prender a atenção de gentes distraídas, é preciso ser agressivo para se destacar — ou, pelo menos, ser lido/visto/ouvido.

Do lado do consumidor de notícias, parece que pouco se pode fazer. É um problema sistêmico: somos educados, desde cedo, por todo mundo, de todo o espectro político e praticamente todas as filosofias de vida, a estarmos “bem informados”, no sentido restrito de “saber o que está acontecendo no mundo”.

Estimula-se um conhecimento horizontal, raso, sem muita atenção à profundidade. A menos que haja algum interesse transcendental, é difícil escapar à exclusividade dos meios de comunicação tradicionais e enxergar o mundo de um ponto de vista panorâmico, embasado por outras informações que não as noticiosas, alcançando assim o distanciamento necessário para colocar a notícia em perspectiva com a nossa realidade — e não o contrário.

Encontra-se aí um curioso paralelo com o amor. Na introdução do romance Alta Fidelidade, Nick Hornby expressa essa frustração:

As pessoas se preocupam com crianças brincando com armas e adolescentes assistindo a vídeos violentos; tememos que algum tipo de cultura à violência tomará conta deles. Ninguém se preocupa com crianças ouvindo milhares, literalmente milhares, de músicas sobre corações partidos e rejeição e dor e sofrimento e perda.

Somos educados nas relações pessoais por filmes hollywoodianos e novelas que mostram um amor romântico ciumento e super exigente, o que contraria ideias maiores de amor distribuído e saudável, algo presente em obras como A Arte de Amar, de Erich Fromm, que, com sorte, você topará se optar por fazer algum curso superior de humanas.

Na escola, voltando à crítica de de Botton, aprendemos a interpretar Shakespeare, mas não a primeira página do New York Times:

Nunca somos instruídos sistematicamente quanto à extraordinária capacidade que os meios de comunicação têm de influenciar nosso senso da realidade e moldar o estado daquilo que podemos muito bem chamar — sem qualquer implicação sobrenatural — de nossa alma.

Em meio a esse caos, como elevar a qualidade do nosso consumo de notícias? Afinal, o livro é um “manual do usuário” e, ao final do prefácio, promete “complicar um hábito que, no momento, parece um pouco normal e inofensivo demais”. Vejamos, resumidamente, qual é a proposta do autor.

Como ler notícias

Foto de Alain de Botton.
Foto: Fronteiras do Pensamento/Flickr.

O francês Alain de Botton é um filósofo pop, fundador da School of Life, que não se sente ofendido em ser chamado de escritor de autoajuda. É o que ele escreve, afinal e, defende-se, o que grandes pensadores que remontam à Grécia antiga escreviam. O problema, apontado pelo próprio em entrevista à Época, é que “a maioria dos livros de autoajuda é escrita por americanos sentimentais e moralistas, que prometem a seus leitores a vida eterna e riquezas incontáveis.” Distanciando-se desse estigma e apoiando-se na sabedoria de grandes filósofos do passado, a quem dá uma apresentação mais moderna e mastigada (até demais), Alain de Botton consegue vender muitos livros e agradar a esses leitores.

Em Notícias: Manual do Usuário, o autor divide seu texto por editorias. Fala das falhas e de como acredita que o noticiário poderia ser melhor na formação do cidadão nas áreas da política, noticiário internacional, economia, celebridade, desastre e consumo.

Alguns preceitos permeiam todas elas, em especial a ideia de contexto. Para ele, pinçar uma notícia pontual de uma história ainda em desenvolvimento é um desserviço ao leitor. Para ilustrar esse ponto, ele transcreve uma passagem particularmente monótona de Anna Karenina, o célebre romance de Liev Tolstói, como se fosse uma notícia. Alguém que lesse apenas aquele fragmento se frustraria; lê-lo junto às mil páginas do romance, porém, gera uma impressão diferente, enriquecedora e satisfatória.

Essa crítica se faz recorrentemente, não é nova ou exclusiva desse livro. Lamenta-se a perda dos jornalistas que, num passado relativamente distante, traziam ao noticiário traços de literatura, um estilo menos engessado que hoje se instaura a fim de sustentar a pretensa imparcialidade que a maioria dos jornais ainda insiste em vender.

Talvez o jornal de Alain de Botton fosse mais interessante, de fato, e mais instrutivo. Seria mais caro também. Esse clamor por um noticiário encorpado tem espaço no atual na figura das grandes reportagens, coisa que é rara perto das notícias cotidianas. Além disso, há, efetivamente, perfis e profissões que se beneficiam das notícias corriqueiras apontadas por de Botton, essas que fazem um recorte quase atômico de uma situação maior ou que ainda esteja se desenvolvendo. Há uma tensão entre significado e quantidade no jornalismo.

O problema é que passamos por uma fase turbulenta, em que se nota um desequilíbrio desse tensionamento. O que o explica é o custo da produção e distribuição de notícias pelos meios digitais e o surpreendente retorno, dentro dos modelos de negócio predominantes no jornalismo, que coisas triviais como o balanço financeiro trimestral de uma empresa de capital aberto ou o passeio de um famoso pela orla carioca trazem. Não são conteúdos só mais baratos de se produzir; são mais rentáveis também. Ou seja, são materiais duplamente atraentes para redações que vêm seu faturamento e corpo profissional diminuírem ano após ano.

Essa é uma discussão de que senti falta ser abordada no livro. Em condições ideais é bem mais fácil desempenhar um bom trabalho. É uma pena que não vivemos nesse vácuo. O autor chega a tocar nisso, mas apenas no prefácio e com outro enfoque, o de que o barateamento nos afogou em notícias de tal modo que elas são praticamente inescapáveis, preenchendo todos os espaços que seriam de respiro em nossas vidas.

Outro incômodo nas proposições de de Botton é a ingenuidade de algumas delas. Na parte sobre economia, por exemplo, ele critica a abordagem macro da cobertura jornalística, focada em variações percentuais e outros números frios e ignorante das condições de trabalho e demais situações de chão de fábrica que se desenvolvem nas empresas. Mas será que a pessoa que investe está interessada nessas subjetividades — a menos que alguma delas afete o valor da empresa e, consequentemente, os seus investimentos? É cruel pensar assim, mas aí é algo que escapa (apenas) ao jornalismo. Há um limite no quanto o noticiário é capaz de dobrar a realidade. Se forçar muito, a quebra. No caso, quebra a confiança do leitor-investidor que, lendo esse caderno econômico utópico, certamente procuraria algo mais objetivo em outro lugar.

Manchete sobre Caetano Veloso estacionando seu carro.

A parte mais desgostosa, porém, é a que se refere às celebridades. Ela começa com a crítica vazia dos que criticam esse tipo de “notícia” e se desdobra em um exercício complicado de justificativa. Celebridades são, para de Botton, pessoas excepcionais com quem temos algo a aprender. No Guardian, o escritor George Monbiot contrapõe o argumento dizendo que celebridades como Kim Kardashian (e outras; não é uma crítica direcionada) têm como função “existir em nossas mentes” e, eventualmente, ser o rosto de corporações distantes e impessoais que precisam de algo (ou alguém) com que o público se identifique. Num feliz jogo de palavras, Monbiot diz que celebridades são “armas de distração em massa” e que não são inofensivas; são perigosas.

Nesse capítulo, mas não só nele, paira um ar de Poliana nos argumentos. Alain de Botton diz que o ideal, no noticiário de celebridades, é focar nas qualidades que destacam essas pessoas e aprender com elas. É uma ideia totalmente válida. Todos temos outros a quem admiramos e com quem podemos aprender pelo exemplo ou inspiração. O incômodo está em tentar adequar essa relação saudável na de fã e celebridade. Parecem-me situações diversas, sem uma relação muito direta entre si. E não entenda como pedantismo. Uma mesma pessoa pode aparecer por aparecer no Ego (celebridade) e, em outra ocasião, oferecer muita sabedoria em um perfil num caderno de cultura de uma publicação que não tenha essa inclinação para o universo das celebridades, que foque, de fato, nas qualidades admiráveis do entrevistado.

Aqui a crítica ao formato do jornalismo poderia fazer bastante sentido não fosse a obsessão do autor em acomodar de qualquer jeito essas problemáticas à sua visão.

Notícias e o narcisismo temporal

Trecho do livro de Alain de Botton.

No fim, Notícias: Manual do Usuário educa, de fato? Não muito. É mais um guia sobre como fazer um jornalismo ideal, segundo o autor, para jornalistas do que sobre como consumi-lo. Como deveria ser, e não como é. Fica a sensação de que há um erro de direcionamento na promoção do livro, que acaba por pegar o caminho mais fácil ao propor discutir um problema complexo. Mas há uma mensagem, que estranhamente é apresentada no prefácio e só é retomada na conclusão, que é bem válida: a do posicionamento do nosso tempo no grande esquema das coisas:

Precisamos de um alívio da impressão, alimentada pelo noticiário, de que vivemos em uma época de importância sem igual, com nossos tumultos, guerras, dívidas, crianças desaparecidas, festas de estreia de alguma coisa, ofertas públicas de ações e mísseis. De vez em quanto, precisamos usar a imaginação e chegar ao espaço, muitos quilômetros acima da superfície da Terra, até um lugar onde aquela conferência, aquela epidemia, aquele celular novo e aquele incêndio florestal chocante percam um pouco da capacidade de nos afetar — onde até os problemas mais intratáveis parecerão se dissolver no contato com a eternidade do tempo, tudo isso atestado pela visão de outras galáxias.

O ano que termina é sempre o pior de nossas vidas — em 2016 isso foi especialmente sentido em comentários por aí porque, de fato, 2016 foi um ano atípico em vários sentidos. Falta-nos, porém, distanciamento e tempo para reflexão; qualquer conclusão nesse sentido em janeiro de 2017, no caso de 2016, é apressada.

O noticiário nunca foi tão feroz e competente em registrar o cotidiano como é agora, e com suas falhas, recortes incompletos e realidades moldadas, seria esperar muito dele ter respostas precisas e imediatas para os anseios que derivam da vida pública e que ainda precisam de tempo para serem colocados em perspectiva.

No final de 2014, o programador e escritor norte-americano Paul Ford escreveu uma sensível carta aos seus filhos. Lá pela metade dela, há um trecho a que sempre recorro quando essa sensação tão comum ameaça bater em meio às canções natalinas:

A ideia de que há qualquer coisa especialmente ruim sobre 2014 é um narcisismo temporal. Vivemos em uma época de opiniões infinitas. Estamos apenas começando a nos acostumar a isso, essa ideia de que podemos documentar tudo. De fato, mas não podemos começar a interpretar ou entender tudo isso.

O noticiário transforma o mundo em uma seleção limitadíssima de fatos aleatórios que, da forma como é apresentada e por toda a carga cultural que ele carrega, suplanta questões internas e que nos seriam mais caras. As notícias são importantes, potencialmente úteis e nos ajudam de várias formas, mas ocupam um espaço demasiadamente grande, desproporcional, em nossas vidas. Há tanto conhecimento lá fora. Não deveríamos desperdiçá-lo consumindo notícias que amanhã já teremos esquecido.

Tem gente que foi além e abdicou completamente do noticiário. David Cain relatou, em cinco pontos, o que sentiu após deixar de consumir notícias:

Se você larga [o noticiário], mesmo que por apenas um mês, o hábito de consumir notícias começa a parecer feio e desnecessário, da mesma forma que um fumante só nota como o cheiro ruim que o cigarro deixa nas coisas depois que para de fumar.

Soa como uma atitude radical, mas há bons insights ali que podemos adaptar para uma dieta de notícias mais equilibrada. Dos cinco pontos, gosto especialmente do que diz que há maneiras melhores de ficar informado e do que acusa as pessoas de, na maioria das vezes, não saberem muito bem do que estão falando — e, mesmo assim, serem bastante incisivas em seus argumentos.

Uma matéria de 500 palavras ou uma reportagem de três minutos são reduções extremas, muitas vezes de temas complexos. Não dá para exigir mais que isso do formato notícia e, na mesma medida, é pouco subsídio para discutir de modo produtivo esses mesmos assuntos. E nem entramos na questão das notícias falsas…

Trata-se, pois, de um questionamento antigo, ainda que latente, na sociedade. Se há um mérito em Notícias: Manual do Usuário, ele está em jogar luz nessa discussão que, dada a certeza do noticiário, acaba ignorada. O que é pouco se considerarmos a sua premissa.

Diz-se que Eça de Queiroz, escritor português que viveu entre 1845 e 1900, teria respondido o seguinte, por carta, a um amigo que lhe confessara a intenção de fundar um jornal em Paris:

(…) O jornal oferece a cada manhã, desde a crônica até aos anúncios, uma massa espumante de juízos ligeiros, improvisados na véspera, à meia-noite, por excelentes rapazes que rompem pela redação, agarram uma tira de papel e, sem tirar mesmo o chapéu, decidem com dois rabiscos da pena sobre todas as coisas do céu e da terra.

Algumas coisas mudaram de lá para cá. Não se usa mais chapéu, tampouco pena; os jornalistas não saem mais às ruas; e, talvez, o tempo para reduzir as notícias a texto seja menor. Mas o fundamental segue o mesmo. Tanto no século XIX quanto hoje, é preciso encontrar o ponto de equilíbrio sobre o estar bem informado, um que contenha notícias, sim, mas não somente elas.

O Manual do Usuário é um blog independente que confia na generosidade dos leitores que podem colaborar para manter-se no ar. Saiba mais →

Acompanhe

  • Telegram
  • Twitter
  • Newsletter
  • Feed RSS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 comentários

  1. Uma informação útil é quando não ler um livro (com justificativas razoáveis e ponderadas). Ótimo texto!
    Sobre esse tema, ano passado saiu um artigo que gosto muito: http://www.artofmanliness.com/2016/01/18/is-there-any-reason-to-keep-up-with-the-news/
    Eu tinha acabado de ver o filme Spotlight e estava interessado por jornalismo. É interessante a argumentação dele de por que a gente acha que lê notícias e quais são os verdadeiros motivos. Eu particularmente me identifiquei bastante. A gente acha que acompanha o noticiário para se manter informado, mas é muito mais uma forma de entretenimento e um medo de “perder” algum acontecimento grande na história. No fim, ele faz uma recomendação de dieta de notícias bem interessante.

    Uma citação da citação:
    “I don’t know a single truly creative mind who is a news junkie — not a
    writer, not a composer, mathematician, physician, scientist, musician,
    designer, architect or painter. On the other hand, I know a bunch of
    viciously uncreative minds who consume news like drugs. If you want to
    come up with old solutions, read news. If you are looking for new
    solutions, don’t.”

  2. Vários trechos do texto reli de tão impressionado que fiquei.
    Baita texto, baita livro. Obrigado pela sugestão.

  3. E acho que o maior problema de todos dentro do jornalismo é a ideia (errada) de que ele deve ser imparcial. Dentro dessa ideia vemos malabarismo semânticos que servem exclusivamente para suavizar/intensificar determinada pauta de acordo com a ideologia do editor/dono do jornal.

    Jornalistas como o Greenwald fazem matérias e entrevistas politicamente engajadas e com posição marcada no The Intercept, e são ótimas. Fazer uma avaliação negativa do trabalho dele porque ele é abertamente progressista (ou social-democrata) e ficou do lado da Dilma no golpe institucional do ano passado é ignorar o trabalho (conteúdo) e focar no autor.

    Eu não sou leitor, por exemplo, do Instituto Mises Brasil (IMB) mas eles faziam matérias bem feitas e levantavam pontos acerca do liberalismo e conservadorismo de maneira muito bem sedimentada. Claro que a cada linha que eu lia eu percebia boa parte da fraqueza dos argumentos deles, mas isso jamais deixou o trabalho do veículo menor.

    Mas, repare, são todos veículos focados em um nicho de pessoas, com textos longos e com um tempo maior para se criar o texto – argumentos, referências, revisões, etc – o que é bem diferente da redação de um jornal grande que precisa fazer “clipping” de 1000 assuntos em um dia. Acho que é realmente impossível, dentro desse modelo de produção capitalista que exige muita produção e muito retorno, que se mude o cenário a longo prazo para o jornalismo de massa, não tem como ser melhor do que isso – e a tendência é piorar, no meu entendimento – porque a necessidade financeira é essa. Os outros veículos/livros viverão sempre no nicho, focando em quem quer ir além.

    Todo o resto dos problemas são problemas da sociedade e da formação dela – capitalismo faz com que o tempo e qualidade sejam postas abaixo em detrimento do faturamento e da rapidez – onde o imediatismo muitas vezes suplanta a verdade. É complexo e eu não tenho muita capacidade de falar sobre.

    1. Tem sentido essa questão de nicho vs. grande público. Quanto maior o alcance pretendido, mais horizontal deve ser a cobertura a fim de agradar a maioria e desagradar o mínimo possível.

      É por isso, entre outras coisas, que torço o nariz para o modelo de escala de sites grandes. Em pouco tempo, a linha editorial se dilata e o site perde a identidade — daí a gente acaba com sites como o The Verge cobrindo cinema e fazendo desses malabarismos semânticos para justificar isso dentro da sua missão.

      1. Porém, no meu entendimento o problema do nicho é o retorno financeiro. Como se manter focando apenas num leitor específico? Ou você segue para sempre pequeno ou abraça o modelo generalista que pouco se preocupa com algo além de acessos (leitores).

        1. Não sei se ainda é o caso. Tem tanta gente na Internet que falar em “nicho” é o mesmo que “milhões de pessoas”. Ainda é difícil por questões subjetivas (mentalidade, valorização etc.), mas algo que já está mudando. O The Information, por exemplo, é uma publicação de nicho, atrás de um paywall e que opera no azul fazendo um trabalho ótimo: http://www.niemanlab.org/2016/10/the-informations-jessica-lessin-on-how-shes-scaling-an-already-expensive-subscription-product/

          1. Depende muito do target nesse caso. Antes de qualquer coisa, inclusive do nicho, tem que se ter um plano de negócios que seja capaz de prever minimamente o foco do negócio. Simplesmente cobrar para dar notícias aprofundadas ou escrever artigos aprofundados sobre temas que estão por toda a internet.

            Tem também a validação de pares – alguém muito famoso/reconhecido em determinado campo tem mais chances de conseguir tocar um negócio baseado em paywall do que alguém sem a mesma capilaridade.

            No final, é quase como um periódico de nível A1, quanto mais ele for reconhecido como autoridade, mais artigos bons ele vai atrair.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!