O que tem na mochila do Jacqueline Lafloufa.

O que tem na sua mochila, Jacqueline Lafloufa?


4/3/15 às 9h38

Retrato da Jacqueline Lafloufa.

Jacqueline Lafloufa é jornalista, editora do Brainstorm#9, tradutora e consultora digital. Desde 2009 trabalha em regime de home-office, e por vezes também faz “mobile office”, trabalhando de qualquer lugar com internet e energia. Monta sua mochila pensando em todos os pequenos empecilhos do dia a dia de trabalho que possam ser resolvidos até 4kg nas costas.

  1. MacBook Air (late 2010). Perfeito para carregar na mochila porque pesa quase nada nas costas. Não tem tela Retina, não tem muita memória e algumas abas abertas já acabam com ele, mas ele é meu computador “de rua”, para quando preciso trabalhar fora de casa. Anda sempre junto com o carregador.
  2. Cartõezinhos de visita da Moo. Networking digital é lindo, mas o papel ainda tem o seu valor. Carrego na caixinha da própria Moo, além de alguns dentro da carteira.
  3. Adaptador de tomada universal. Foi presente de uma marca e é uma das coisas mais úteis da minha mochila. Funciona para várias tomadas, em especial para viagens internacionais.
  4. iPhone 5s. Uma incrível ferramenta de trabalho. “Ai Jac, mas porque não Android?” Porque como uma early adopter de vários apps, não aguento ficar esperando pela versão Android. Tem seus contras, claro: ainda não posso usar WhatsApp na web.
  5. iPad mini 2 com 3G. MUITO mais portátil que o iPad normal. Costumo usá-lo para confeccionar textos menores ou anotações, em especial em situações onde abrir o computador é mais incômodo do que digitar no iPad, como coletivas de imprensa ou cobertura de eventos. Consigo fazer o que preciso de pé mesmo, sem precisar sentar no chão e apoiar o computador. O SmartStand, essa pecinha azul na Smart Cover, ajuda a manter o iPad em uma posição inclinada. Vem com um adesivo para colocar na base, para evitar escorregar, e é ótimo.
  6. Bateria externa HyperJuice Micro. Quem tem iPhone entende – a bateria vive te deixando na mão. Essa tem capacidade para recarregar o iPhone por completo três vezes, com saídas de 5W e 10W (para poder recarregar o iPad também, se precisar).
  7. Cabo RJ-45 com fio retrátil. Xing-ling comprado no DX para o caso de precisar usar um roteador.
  8. Lip Balm Loreal. Pois é, vocês pediram para abrir a mochila, e isso está lá. Muito útil em ambientes com ar condicionado, que costumam ser bem secos.
  9. Mochila para notebook Targus TSB193US. Foi a mais barata que os pontos do cartão de credito conseguiam comprar.
  10. Mini mouse Clone com fio retrátil. Não aguento o trackpad por muito tempo se for para editar imagens.
  11. Carregador e cabo do iPhone/iPad. Para quando for ficar muito tempo fora de casa.
  12. Livro de papel. Adoro e também tenho um Kindle, mas quando o assunto é viagem de avião, é um saco ter que ficar desligando o aparelho e ligando de novo. Com livro de papel, aerominas e aerominos não me incomodam e me deixam ler em paz.
  13. Caderninhos Moleskine e Cícero. Algumas coisas ainda fazem mais sentido no papel. Qualquer caneta serve (a da foto é de um hotel).
  14. Óculos escuros (quaisquer, o último é um da Tommy). Se sair no sol sem eles, eu não consigo abrir os olhos.
  15. Microfone de lapela para iPhone, com 2m de comprimento. Essa é uma aquisição recente, para criar vídeos com o iPhone e ter um som minimamente decente. Usei recentemente para uma série de mini-entrevistas na Campus Party Brasil — para ver, procure pela hashtag #humansofcpbr no Instagram.
  16. Fone de ouvido Skull com microfone. Possível novo substituto do fone de ouvido do iPhone 5S, que machuca minha orelha.
O que tem na mochila do Jacqueline Lafloufa.
Clique para ampliar.

Nota do editor: O Na mochila é uma seção semanal do Manual do Usuário que apresenta o que gente que admiro carrega em suas bolsas e mochilas. Acesse este link para espiar as demais.

Assine o Manual do Usuário

Ao acessar este blog, você não é rastreado ou monitorado por empresas como Google, Facebook e outras de publicidade digital. A sua privacidade é preservada. O Manual do Usuário tenta viabilizar-se por métodos alternativos e éticos. O principal é o financiamento coletivo. Colabore — custa a partir de R$ 9 por mês:

Assine no Catarse

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

23 comentários

  1. Havia um ditado que nunca se sabia o que havia em bolsa de mulher e cabeça de juiz. Hoje já se sabe sobre as bolsas (mochilas), mas cabeça de juiz continua sendo campo imprevisivel

  2. Acho essa série sensacional, acompanho desde a primeira, pesquiso boa parte dos gadgets e itens da lista de todo mundo, acho interessantíssimo e já até comprei alguns mencionados. Parabéns, essa foi uma ótima idéia.

    1. Oi Frederico,

      Esse livro tá indo bem, viu. Eu já tinha lido Insustentável Leveza do Ser e esse é mais de contos, mas tô gostando.

  3. Jacqueline,

    Eu confesso que fiquei surpreso ao ver que na mochila de uma mulher não há nenhum item de maquiagem/beleza, a não ser o hidratante labial. Me surpreendi também com a quantidade de gadgets que você carrega. Eu não levo nem metade disso, acho que nem 1/3 na verdade, hehe

    Sobre o mouse, eu nem sequer tenho um. Entendo que trabalhar com imagens deva ser desgastante usando um trackpad, mas eu trocaria esse aí por um modelo sem fio.

    Cabo de rede… para quê? Fiquei curioso, de verdade. Faz anos que não preciso de um, rs. Seu MacBook tem entrada para esse tipo de cabo? Ou você tem um mini roteador wifi também?

    1. Oi, Ed!
      Fico feliz de ter te surprendido no quesito maquiagem. Não que eu não use ou que não tenha meu kitzinho, mas ele não é uma prioridade no trabalho. Prioridade é estar bem – e por isso o hidratante labial :)

      Sobre mouse, respondi num comentário acima – detesto mouses sem fio pelo peso e pela preocupação com pilhas, mas talvez reconsidere isso no futuro.

      E sobre o cabo de rede, bom, essa é uma mochila que precisa servir para quase qualquer situação. Eu tenho um adaptador RJ-45 – USB exatamente pra isso. Vai que eu vou numa Campus Party que não tem Wi-Fi oficial, né? Ou então vou a algum lugar onde eles oferecem um espacinho no roteador para eu subir imagens ou vídeos, mas não tem cabo extra pra emprestar…

      Acredito que no futuro esses adaptadores se tornarão obsoletos e vão sair da mochila, mas até lá, prefiro ser prevenida!

  4. Legal saber das prioridades das meninas numa mochila..
    nao muda muito dos ja postados, mas eh bacana pra saber q vcs nao tem um mundo alternativo dentro das mochilas de voces.. kkkkkkk

  5. Jacqueline, um conselho. Troque seu mouse da Clone, por um Logitech sem fio baratinho. Um pouco mais caro (mas nem tanto rsrs), mas faz uma diferença enorme (e a pilha dura meeeeeses).

    1. Confesso que mouses sem fio me irritam muito. Às vezes eles travam, tem esse problema da pilha que tem sempre que ficar de olho, muitas vezes acho eles bem pesados (por conta do peso das pilhas), e eles vão usar uma saída USB anyways. Mas vou reconsiderar para o futuro, quem sabe pode ser uma boa melhoria :)

      1. Interessante, por muito tempo pensei exatamente como você. Estou lindando com umas raras travadinhas depois de desconectar e conectar em outro PC (foram várias quedas até isso… e um mouse de 25 R$), mas de resto é só alegria.

        A mudança de peso, também incomodou no início, mas hoje quando pego um mais “leve”, eu estranho, parece fora de controle rsrs; o peso dá mais estabilidade,na minha opnião.

        Boas opções [ http://goo.gl/OOxjsw ], com um preço mais salgado, mas com uma ótima vida útil (das pilhas) e um nível mais alto de qualidade.

        Tudo isso pela minha atual filosofia de gadgets: Less cables, more happiness.

        E… ficaria interessado também nesse adesivo do B9 :)

      2. Tb odeio mouse sem fio e ainda (não sei se é loucura minha) não acho que eles sejam ‘instantâneos’ como os de fio.