Top 10 melhores apps para Android lançados em 2013.

Os melhores apps para Android lançados em 2013


18/12/13 às 14h41

Com milhões de apps disponíveis no Google Play e algumas dezenas saindo toda semana, a curadoria desse material é difícil. Mas é importante separar o joio do trigo e, por isso, sites especializados destacam os mais promissores (ou com as melhores assessorias). Às vezes a qualidade ou apelo de um faz ele se espalhar naturalmente entre os usuários, fazendo o caminho contrário deles até a mídia.

Mesmo com esses filtros, terminamos com um punhado de apps. Pensando nisso surgiu a ideia de compilar três listas com os dez melhores apps lançados em 2013 para cada plataforma.

Eles foram escolhidos com a ajuda de quem me segue no Twitter e o acompanhamento, no decorrer do ano, dos apps mais comentados e elogiados. Abaixo, você tem os dez melhores apps para Android lançados em 2013 — não vale atualização, são apenas apps novos. Amanhã sai a do iOS e depois de amanhã, a do Windows Phone.

Ah, e só para esclarecer: o Top 10 abaixo está listado em ordem alfabética. Há apps muito distintos de modo que seria bastante improvável colocar um acima de outro sem incorrer em injustiças.


App para Android: 1 Second Everyday.

1 Second Everyday

Gratuito
Site oficial
Disponível também para iPhone

Se fosse possível unir a experiência de ter um diário com o poder visual dos vídeos, qual seria o resultado? Certamente algo parecido com o 1 Second Everyday.

O app idealizado por Cesar Kuriyama é tão simples quanto seu nome sugere. Filme um trechinho de vídeo por dia, separe um segundo dele e, ao fim de um período, você terá um vídeo que é um catalisador de lembranças.

Dá para manter vários diários (ou semanários, ou qualquer outro intervalo; você decide) simultaneamente e há sincronia com a nuvem, para que um furto ou perda do smartphone não acabe com o projeto. Escrevi em novembro um post mais aprofundado sobre o 1 Second Everyday e já fiz o meu primeiro vídeo, esse abaixo.


App para Android: Aviate.

Aviate

Gratuito (em beta, apenas para convidados)
Site oficial

Um dos diferenciais do Android é o suporte a launchers: apps que modificam profundamente a interface do sistema. Apesar do potencial, a maioria se preocupa em acrescentar camadas extras de complexidade ou, quando flertam com o simples, reduzem a ideia a modificar o visual.

O Aviate é, junto ao Facebook Home, um dos primeiros launchers feitos para pessoas comuns. A abordagem é similar à do Google Now, ou seja, contextual, mas em vez de focar no usuário, o Aviate atua no próprio smartphone. Como? Modificando a tela inicial do Android de acordo com a hora do dia, a geolocalização e os traslados do usuário.

Basicamente, o Aviate busca oferecer ao usuário os apps e recursos que ele usará antes mesmo que o smartphone seja liberado. O launcher tenta organizar tudo automaticamente, mas dá bastante espaço para intervenções do usuário — o que acaba ajudando ele a refinar seus algoritmos de automação.


App para Android: Expense Manager.

Expense Manager

Freemium (~R$ 6,20 para liberar tudo)
Site oficial

A grande vantagem do celular ante outros dispositivos digitais conectados à Internet é estar sempre por perto. Essa vantagem é bem explorada pelos desenvolvedores, um deles o austríaco Markus Hintersteiner, desenvolvedor do Expense Manager.

Este app serve para controlar seus gastos. Tem uma interface bonita, fácil de usar e adaptada a tablets. É gratuito, mas libera alguns recursos mediante pagamento — um modelo freemium interessante e livre de anúncios.

O Expense Manager permite dividir as despesas por categoria, definir um limite de gastos e visualizar padrões de consumo e outras informações que ajudam a encontrar aqueles “vazamentos” na fatura, aqueles trocados que, somados, causam um belo rombo no orçamento.

Screenshots do app Expense Manager.


App para Android: Eye in Sky.

Eye In Sky

Freemium (~R$ 4,80 para remover anúncios)
Site oficial

Apps de previsão do tempo são os novos clientes de Twitter: a categoria onde desenvolvedores brilham com novas ideias e boas práticas.

O Eye In Sky é um dos mais bacanas. Ele puxa dados do CustomWeather e os apresenta em três colunas: diária, das próximas 48 horas e dos próximos 15 dias. A interface é bonita e livre de invencionices. Ou quase isso: o app traz 14 conjuntos de ícones, todos muito bonitos, para indicar visualmente as condições climáticas. Insatisfeito com eles? Dá para instalar seus próprios ícones.

No pacote ainda vêm quatro widgets, compatibilidade com tablets e extensão para o DashClock. O Eye in Sky é gratuito e, nesse estado, exibe anúncios. A chave que os remove custa cerca de R$ 4,80.

Screenshots do Eye in Sky.


App para Android: Google Keep.

Google Keep

Gratuito
Site oficial

O Google dá o exemplo e faz alguns dos apps mais legais do Android. O Keep apareceu em 2013 e ganhou adeptos pela simplicidade e velocidade absurda com que é executado.

Notas, listas de tarefas, fotos e áudio são os formatos com que o Keep trabalha. Dá para misturá-los em uma única nota, usar cores para diferenciá-las e definir lembretes contextuais, baseados na geolocalização ou em horários.

Existe ainda uma versão web que, como tudo do Google, sincroniza em tempo real com o app móvel — este adaptado para tablets. Não dá para compartilhar notas com outros usuários de dentro do próprio Keep e ele não é multiplataforma, mas são ausências que empalidecem perto da qualidade do app.

Screenshots do Google Keep.


App para Android: Moves.

Moves

Gratuito
Site oficial
Disponível também para iPhone

Questionamentos ao Quantified Self começaram a ser feitos. Enquanto a gente não chega a um acordo sobre o que e quanto é legal coletar de informações sobre nós mesmos, o Moves segue por aí.

A grande sacada desse app é colocar no smartphone recursos que, antes, apenas equipamentos dedicados ofereciam — as pulseiras de Nike, Fitbit e Jawbone. A precisão talvez não seja das melhores ainda, mas o surgimento de chips dedicados para monitorar nossos passos, como o M7 do iPhone 5s e o núcleo de computação contextual do Moto X, podem virar o jogo num futuro muito próximo.

O Moves é simples. Instale o app, dê nomes a alguns lugares principais que você frequenta e esqueça que ele está ali. Rodando constantemente em segundo pano, ele registra seus caminhos e fornece aquelas estatísticas bacanas de passos dados em um dia e plota tudo isso em mapas.

Screenshots do Moves.


App para Android: Nights Keeper.

Nights Keeper

Gratuito (com limitações) ou US$ 1,99
Site oficial

Sabe o Não Perturbe do iOS e o Assist do Moto X? O Nights Keeper é o equivalente para o resto de nós. E com recursos extras valiosos.

Em essência, o que este app faz é emudecer o smartphone em intervalos pré-definidos pelo usuário. Embora nome, ícone e outros detalhes façam referência ao período de repouso, nada impede que você defina regras para outros momentos — a aula, por exemplo. Dá para criar várias regras a seu critério.

O Nights Keeper é bem munido de opções. As tradicionais, como lista branca de contatos, liberação após várias tentativas de ligação de um mesmo número e envio de SMS para ligações ignoradas estão lá.

Mas ele vai além. Dá para abrir exceção para mensagens de texto e desabilitar/habilitar recursos do sistema durante o repouso. Para quem usa a conexão pré-paga por dia, é uma boa desligar a rede de dados na hora de dormir — assim você não gasta desnecessariamente aqueles centavos dos seus créditos. Esses recursos estão disponíveis na versão Pro que custa cerca de R$ 4,60 via in-app purchase.

Screenshots do Nights Keeper.


App para Android: Press.

Press

~R$ 7,00
Site oficial

O Google Reader bateu as botas e continuamos todos vivos — com a bênção do Feedly. O Press conversa com esse e outros três provedores de RSS: Feed Wrangler, Feedbin e Fever. E faz seu serviço em uma bela interface, cheia de gestos e muito bom gosto.

O Press surgiu confiando no backend do Google Reader. Pouco tempo depois, o fim desse foi anunciado. A transição para os novos serviços foi tranquila e é de se notar o quanto o app evoluiu em tão pouco tempo. Às custas de muita experimentação e uma ou outra pisada de bola em algumas versões, o Press se transformou em um app muito agradável.

Dá para passear pela interface do Press usando apenas gestos. Quem preferir botões também está bem servido: eles estão por toda parte, colocados nos locais onde seriam esperados. As configurações são bem pensadas, embora coisas como limite de cache e intervalo de itens salvos devessem ser automáticas. Felizmente as configurações padrões são decentes.

Para fechar, o jogo de cores é sóbrio e há seis opções de fontes para escolher, além de ser possível aumentar e diminuir o tamanho dela.


App para Android: Simplenote.

Simplenote

Gratuito
Site oficial
Disponível também para iPhone

A Simperium foi comprada pela Automattic (a empresa por trás do WordPress) há alguns meses. A primeira ação dos novos proprietários foi lançar o então inédito Simplenote para Android. O app, que existia no iOS há tempos, finalmente chegou à plataforma do Google.

Rápido e bonito, o grande trunfo do Simplenote é o mecanismo de sincronia e o ecossistema de apps compatíveis com ele. É possível organizar as notas por tags ou confiar na precisa busca embutida.

Não existe qualquer tipo de formatação; nesse aspecto, o Simplenote se equipara ao Bloco de Notas. E desse primo distante para Windows vem, também, algumas das suas melhores características, como a confiabilidade e a rapidez para abrir e receber pensamentos, ideias e anotações.

Screenshots do Simplenote.


App para Android: Timely.

Timely

Freemium (~R$ 7,80 para liberar tudo)
Site oficial

O Android ganhou na versão 4.2 um app de Relógio completo, com despertador, timer e contador regressivo. Ele é suficiente para a maioria, mas há bons motivos para instalar o Timely, belo app da Bitspin.

Logo de cara, a interface chama muito a atenção. Colorida e cheia de efeitos sutis, até a transição dos números dos relógios é diferentona — e muito bonita. Ele vem com timer, contador regressivo e alarmes. Dá para programar vários, escolher toques feitos especialmente para o app e até desafios na hora de desativá-lo, uma medida para evitar adiar o alarme sucessivas vezes até perder a hora.

O Timely se adapta a tablets e, o mais legal, sincroniza seus alarmes na nuvem. Isso significa que ao trocar de smartphone, tudo continua igual. (Para quem tem uma rotatividade grande de aparelhos, como editores de sites de tecnologia, é uma mão na roda.) O app é freemium. Para liberar alguns toques, desafios e outros aspectos circunstanciais, é preciso fazer uma compra dentro dele de cerca de R$ 7,80.

Screenshots do Timely.


A lista, claro, não é exaustiva. Muitos bons apps ficaram de fora. Lembrou de algum? Encare os comentários deste post como a continuação dele.

Assine o Manual do Usuário

Ao acessar este blog, você não é rastreado ou monitorado por empresas como Google, Facebook e outras de publicidade digital. A sua privacidade é preservada. O Manual do Usuário tenta viabilizar-se por métodos alternativos e éticos. O principal é o financiamento coletivo. Colabore — custa a partir de R$ 9 por mês:

Assine no Catarse

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 comentários

  1. Ao invés de usar outro app pra ver feeds eu uso o Feedly que apesar de perder o login constantemente é simples e quando vou pro desktop continuo vendo os feeds que faltaram.

    No lugar do SimpleNote eu ainda prefiro o Evernote + Keep que já fazem muito por mim.

    O Timely eu tentei usar, mas cansou rápido.

    De resto eu continuo com os apps tradicionais do android.

    Ah detalhe importante eu não instalei o Facebook que enxia muito o saco com avisos e mensagens nas horas indesejadas.

  2. Gostei dessa SimpleNote. E tem app pra iOS e Mac tb, com sincronização entre os dispositivos. Já virei usuário de carteirinha :-)

  3. Com o aplicativo oficial do Feedly, compensa mesmo pegar o Press? Um receio que tenho ao comprar aplicativos para Android é eles caírem no desuso com o tempo. Vide jogos, os 2 únicos que comprei quase não jogo, em compensação sou viciado em 2 gratuitos.

  4. A lista é de 2013. Será que o Spotify chega a tempo?

    Uso a versão desktop que já está toda em português e se não me enganho ouvi anúncio informando que o app já está disponível no Brasil – e “é free pra sempre!”.

    Não consegui instalar no celular, mas como todos os anúncios (tanto visuais como sonoros) foram lançados em pt_br esta semana… deve estar perto de chegar.

    Deus… ele fica toda hora perguntando se quero “andar de carro velho” com a Ivete Sangalo e dizendo que um tal de Miudinho está me esperando numa playlist exclusiva. Paaaaaaaaaara Claudia Leite, eu não quero assistir o The Voice!

  5. O Google Keep tem futuro, mas ainda parece com algo inacabado. Ia sugerir como melhor alternativa o Wunderlist, mas ele já é velhinho.

    Estou testando estes dois, lançados a pouco, para projetos, anotações e to-dos:
    – Trello, que em vez de listas ou cartões, é baseado em “tábuas” (;
    – Droptask, que é baseado em “círculos” (lindaço no PC).

    Todos são freemium e tem aquele esquema de indique 01 amigo e ganhe 01 mês premium.

  6. Eu uso o Minhas Economias como gerenciador de finanças. O aplicativo para Android foi lançado esse ano e é simples e funcional.

    Ele também é um serviço web e tem as vantagens que o Gabriel Arruda mencionou para o Toshl, com a diferença de ser completamente gratuito. Vale a tentativa.

    Muito boa a lista Ghedin.

  7. Ótimo artigo e mais interessante ainda buscar aplicativos lançados nesse ano.

    Dos listados utilizo apenas o Keep. Tentei o Aviate, mas o fato de limitar a utilização dos widgets me fez desistir. Os widgets são grande parte do motivo de eu usar o Android e não migrar para outras plataformas, claro que existem outros fatores, mas essa feature para mim é como sideral a matadora. Mas eu achei o projeto muito interessante. E claro, o fato de possuir um Moto X me faz não necessitar realizar uma busca por aplicativos de automação, hoje meu aparelho se organiza sozinho de forma muito satisfatória para o meu perfil.

  8. Eu gosto muito do Toshl para gerenciamento de finanças porque ele é um serviço web, ou seja, não preciso acessa-lo necessariamente do smartphone. O preço do serviço é um pouco salgado, mas ele é bem simpático e acho que acessar do desktop é uma killer-feature.

  9. Cheguei ao Android há pouco, mas já tenho meus apps favoritos:

    – Pocket Cast
    App pra gerenciar podcasts com sincronismo multiplataforma. Rápido e estável vale o preço.

    – VSCO Cam
    Um app pra fotógrafos amadores aos moldes do Instagram. Recursos menos destrutivos para as fotos e uma comunidade com fotos de muita qualidade.

    – Ovvvertime
    Cliente pro Dribbble, melhor inclusive que os disponíveis no iOS.

    – Fing
    Para análise de maquinas ligadas a sua rede LAN/wi-fi.

  10. Pra mim, o Google Keep anula qualquer necessidade do Simplenote, de modo que nunca colocaria os dois na mesma lista. No lugar do Simplenote, eu colocaria o Any.do e o seu parceiro Cal, recém-lançado.

    Trocaria também o Timely por algum concorrente, provavelmente o SleepTime. Acho o Timely muito eye-candy e insuficiente em recursos.

    E tentaria achar na lista algum espaço para o Pocket Casts, que é o player de podcasts mais perfeito que existe.

    1. No meu workflow cabem Google Keep e Simplenote (embora o use bem mais no computador). O primeiro é para anotações rápidas, o segundo, para ideias — que começam e são desenvolvidas ali mesmo.

      O SleepTimer parece estar em uma categoria diferente da do Timely. Pelo que vi rapidamente aqui, ele analisa o sono e ajuda a melhorá-lo; o Timely é só um despertador mais bonito (e que sincroniza com a nuvem, o que é bem bacana).

      O Pocket Casts estava na primeira versão da lista, mas cortei por ele não ter sido lançado em 2013.

    2. O Pocket Casts é sensacional mesmo, simplesmente mudou meu hábito de consumo de podcasts. Simples, sem ser simplista, e bonito.