Foto de um carro passando rápido na estrada.

Manual do Usuário, o blog de tecnologia que será (quase) sempre o último a falar


15/10/13 às 10h00

Em uma das minhas últimas idas a São Paulo reuni alguns amigos em uma cafeteria da Alameda Santos e, sendo a maioria jornalistas que escrevem ou já escreveram sobre tecnologia, o papo acabou descambando para esse lado.

O Pedro levantou as sobrancelhas de alguns dos presentes quando disse que, hoje, se houver três notícias de tecnologia revelantes por dia é muito, e que todo o resto é basicamente dispensável.

Aquilo ficou martelando a minha cabeça.

Mais recentemente, Evan Williams, do Blogger, Twitter e Medium, disse ao TechCrunch algo na mesma linha:

“Notícias em geral não importam na maior parte do tempo e a maioria das pessoas estaria melhor se gastasse seu tempo consumindo menos delas e mais ideias com efeitos de longo prazo.”

Ele também disse que blogs de tecnologia são escritos por incompetentes e todos muito ruins, mas esse é outro papo :-)

A importância que a tecnologia de consumo ganhou na vida das pessoas, principalmente depois do “boom” dos smartphones em 2007~2008, fez crescer também a atenção dada a essa área. Mesmo com esse fator jogando contra as declarações do Pedro e do Ev, uma análise menos apressada revela que talvez não seja mesmo preciso gastar tanto teclado para manter os interessados por dentro do que rola e que, com certeza, há muito ruído no noticiário de tecnologia. Na Internet de modo geral, mas especialmente nessa área.

Existe uma série de culpados que força boa parte da imprensa a dar atenção a rumores, falar incessantemente de Apple, entrar nas briguinhas de fanboys e apelar para curiosidades que mereceriam no máximo um tuíte, mas o principal é a publicidade. Ainda calcada em métricas questionáveis como page views, ela coloca o bom jornalismo contra a parede. É um problema crônico e de longa data sobre o qual não me prolongarei muito aqui — aos interessados, e recomendo que todos estejamos, leiam isto.

Outras questões meio relacionadas merecem crédito também, como o tratamento que alguns veículos dão ao tema, como se tudo fosse super incrível e maravilhoso, e aos leitores, ignorando a bagagem e o conhecimento deles, mantendo aquele desnivelamento típico de professor-aluno de escolas antiquadas, como se a relação site-leitor fosse uma via de mão única.

Dá para fugir disso? Dá para fazer diferente? Acho que sim, e é isso o que tentarei neste Manual do Usuário.

Mas… quem é você?

Este sou eu.
Foto: Laura Mariane Cecílio/Arquivo pessoal.

Oi, meu nome é Rodrigo Ghedin — esse cara boa pinta aí em cima. Sou bacharel em Direito, estudo Comunicação e nunca trabalhei com outra coisa que não jornalismo de tecnologia. Comecei nisso, aos trancos e barrancos, em 2002, e desde então integrei equipes de alguns sites e blogs muito legais.

Tudo começou no WinAjuda, site próprio que criei quando ainda estava no Ensino Médio e, oito anos depois, vendi para uma editora. Em 2009 fui para o Meio Bit, onde fiquei por dois anos. Depois teve os meteóricos seis meses de Gemind, no final de 2011, minha segunda investida independente que fracassou por ser muito ambiciosa e, em certa medida, ingênua. Nesse meio tempo, colaborei timidamente com o TechTudo, da Globo.com, assinando uma coluna sobre a Microsoft. No começo de 2012 fui para o Gizmodo.

Lá, aprendi muito sob a batuta do Pedro e, depois, do Leo, ao lado do Felipe, Nina, Giovanni, Daniel, André e Ana, e com o apoio de todo o corpo de profissionais da F451 — é um punhado de gente! Mesmo remotamente, deu para sentir mais ou menos o clima de uma redação e apurar a visão que eu tinha desse universo. Ter mais cautela, mais paciência, ser mais curioso. No fim, acho que aprendi a ser mais profissional.

Esse caminho, com umas partes das quais me orgulho um bocado, algumas viagens fascinantes e uns encontros não muito legais da minha cara com o muro, culmina neste blog que você está lendo, no Manual do Usuário.

Mais um blog de tecnologia?

Sim, mas um diferente. E é nessa diferença que ele se justifica.

Se tudo correr bem, você ficará satisfeito ao fim de cada leitura que fizer aqui, terá compreendido e internalizado o tema proposto e, talvez, ficará com um gostinho de quero mais que poderá ser saciado na seção de comentários.

A ideia é levar aquele papo de três notícias por dia (no máximo!) ao pé da letra, apegar-se à filosofia slow web1 e oferecer conteúdo único e de alta qualidade. Você não lerá nada exatamente novo aqui. Não tenho e nem quero o compromisso de ser o primeiro a dar uma notícia, não é essa a ideia. O objetivo é dar a notícia que importa e de maneira completa. Contextualizada, questionada, esmiuçada.

Além das notícias, há outra parte importante nessa receita: os textos longos, bem trabalhados, demorados, como alguns que fiz nos últimos meses pelo Gizmodo — veja isto e isto para entender. Lá fora chamam esse estilo de “longform journalism”; aqui, já ouvi falar em “leitura de fôlego”, mas não tenho certeza se esse é o termo correto. E não importa. O que interessa é que serão textos fora da curva, lapidados, redigidos depois de muita leitura, pesquisa e reflexão. Note que até o visual do blog denota esse ar mais… artesanal. (Aliás, curtiram?) Os assuntos? O que for legal e/ou importante.

Quando Tim Stevens, ex-editor-chefe do Engadget, anunciou sua ida à CNET, ele escreveu em seu blog:

“Embora a cena de notícias de tecnologia esteja muito saturada, ainda há um monte de histórias não contadas apenas esperando atrás das cortinas. Quando o ritmo das notícias é intenso dessa forma, poucos escritores têm o luxo ou a paciência de se aprofundar, não só para responder o que determinado objeto é, mas por que ele é. Que fatores contribuíram para seu design, seu desempenho, seus recursos e seu custo? E então, depois que os reviews são publicados e a indústria se move em sua sua eterna obsessão para saber o que vem a seguir, como o que já está aqui se encaixa de fato em sua vida? Cada novo produto e avanço tecnológico tem uma história. Trabalharei para contar, de forma exaustiva e respeitosa, essas histórias.”

Longe de mim comparar-me ao Tim, mas ler esse parágrafo reforçou a ideia de que havia essa lacuna e que as condições eram favoráveis para tentar.

Legal! Por onde começo?

Foto de cima da Type Cover anexada a um Surface Pro.
Foto: Rodrigo Ghedin.

Pensei em explicar logo de cara a linha editorial do Manual do Usuário, mas talvez seja mais divertido se vocês verem essas coisas nascendo aqui e ali. O arquivo já conta com algumas notícias recentes. Novos estão a caminho, incluindo os especiais a que me referi acima. Os podcast serão trazidos para cá e, por ora, podem ser ouvidos direto da fonte (caso queira assiná-lo, este é o feed RSS e aqui ele na iTunes Store). Recomendo também dar uma lida no “Sobre”, especialmente o trecho onde explico como planejo manter isso funcionando — você pode ser parte importante para fechar os números no final do mês e é, sem dúvida, a mais importante no que condiz a termos de uso e privacidade.

Como é praxe hoje, acompanhe as novidades via TwitterFacebook, Google+, RSS ou assinando a newsletter gratuita do site. Você também pode se tornar assinante e ganhar acesso ao “lado B” do site, com alguns benefícios como a versão “premium” da newsletter. Nela, além do resumão semanal deste blog, compilo e comento links bacanas que encontro por aí. Quem assina, adora.

(Pretendo publicar apenas links dos posts, um “giro de notícias” diário e responder dúvidas no Twitter do Manual do Usuário. Para um papo mais descontraído e comentários rápidos sobre tecnologia, além de umas piadas ruins e tuítes sem nexo ocasionais, siga meu perfil pessoal por lá.)

Os comentários, como dito, estão abertos. Lerei todos, responderei quando convir. Puxe um banquinho, abra a geladeira, pegue uma cerveja e não se sinta intimidado para falar. Isso será legal!


1 Slow web é um movimento recente que chama a atenção para a celeridade da informação na web e de como isso nos faz mal. Como uma analogia ao Slow Food, Jack Cheng prega, em seu manifesto, que desaceleremos e saibamos aproveitar o que a web tem de melhor em vez do que ela oferece mais rápido. Escrevi sobre isso no PapodeHomem

Cadê os anúncios?

O Manual do Usuário é um projeto independente, que se propõe crítico e que respeita a sua privacidade — não há scripts de monitoramento ou publicidade programática neste site. Tudo isso sem fechar o conteúdo para pagantes. Essas características são vitais para o bom jornalismo que se tenta fazer aqui.

A viabilidade do negócio depende de algumas frentes de receita, todas calcadas na transparência e no respeito absoluto a você, leitor(a). A mais importante é a do financiamento coletivo, em que leitores interessados sustentam diretamente a operação. A assinatura custa a partir de R$ 5 por mês — ou R$ 9/mês para receber recompensas exclusivas:

Assine no Catarse

Newsletter

Toda sexta-feira, um resumo do noticiário de tecnologia, indicações de leitura e curiosidades direto no seu e-mail, grátis:


Nas redes sociais, notícias o dia todo:
Twitter // Telegram