Funcionários de um escritório reunidos em torno de um notebook, sorrindo.

Como deixar de seguir todo mundo no LinkedIn


23/1/19 às 8h18

Dependendo da sua profissão, ter um perfil no LinkedIn é quase obrigatório. Muitas empresas usam a plataforma para recrutar, então estar fora dela significa abdicar de oportunidades. O problema é que o LinkedIn não é só um “currículo 2.0”; é, também, uma rede social. Com um feed. Que, por experiência própria e pelo que ouço de amigos e colegas, está cada vez mais esquisito, repleto de autoajuda corporativa barata e lições de moral questionáveis. Já pensou em deixar de seguir todo mundo lá, para ter paz ou para recomeçar do zero o seu feed? Se sim, hoje é o seu dia de sorte.

Nenhuma rede social oferece um botão “deixar de seguir todo mundo” porque isso vai contra a essência e o modelo de negócio delas. É possível fazer isso manualmente, mas dependendo do tanto de pessoas que você segue seria um trabalho demorado e entediante — em alguns casos, inviável.

Felizmente, existem hacks que automatizam o “deixar de seguir”. No caso do LinkedIn, testei um bem simples contra os cerca de 940 perfis e páginas que seguia. Não precisa instalar nada, basta um trecho de código aplicado na página que lista quem você segue. Fiz o procedimento no navegador Safari, mas ele com certeza funciona também no Chrome; provavelmente, em todos os demais. Com qualquer deles, é preciso fazer o procedimento em um computador, já que smartphones e tablets não dão acesso às ferramentas do navegador de que precisaremos.

Esta dica foi encontrada no Quora e publicada por um usuário anônimo.

Primeiro, acesse a referida página aqui: https://www.linkedin.com/feed/following/

Agora, abra as ferramentas de desenvolvimento do seu navegador. No Chrome, você pode apertar a tecla F12 ou Ctrl+Shift+I (Cmd+Opt+I no macOS; esse atalho também funciona para o Safari). Outra alternativa é clicar com o botão direito na página e selecionar a opção “Inspecionar Elemento”.

Uma janela estranha (ou painel dentro da página, dependendo da configuração) aparecerá. Não se assuste! Você só está vendo as entranhas do site — todos os códigos e processos que acontecem nos bastidores.

No topo dessa janela/painel, existem abas. Procure uma chamada “Console” e clique nela. No rodapé, haverá um campo de texto. Ele serve para executar comandos que interagem com a página em exibição. Naquele espaço, cole este trecho de código:

var buttons = $("button"),
interval = setInterval(function(){
    var btn = $('.is-following');
    console.log("Clicking:", btn);
    btn.click();
    if (buttons.length === 0) {
        clearInterval(interval);
    }
}, 1000);

E dê Enter.

Print do inspetor de elementos mostrando o processo de deixar de seguir todo mundo no LinkedIn.
A mágica acontecendo.

Se funcionar, imediatamente você verá os botões “Seguindo” abaixo das fotos dos seus contatos mudarem para “+ Seguir”. Isso significa que você os deixou de seguir, automaticamente. O que o código faz é isso: ele automatiza esse clique que, de outra forma, teria que ser dado manualmente, um a um.

No meu caso, notei que o código só estava interferindo nos contatos que eram exibidos na página. Por padrão, o LinkedIn mostra apenas cerca de 20 deles; o restante, só rolando a página. Bastou fazer isso para que o código, que fica rodando até você recarregar ou fechar a página, retomasse o trabalho. Acredito que esse problema tenha ocorrido por eu ter usado o Safari, que pode ter alguma diferença ou limitação com o código usado. Segundo relatos que li na web, no Chrome o procedimento é totalmente automático.

Caso o código dê algum problema ou você precise se ausentar ou desligar o computador, tudo bem. Basta repetir o procedimento e ele recomeçará do ponto onde parou.

Ao final, se der tudo certo, você se deparará com esta imagem de paz e tranquilidade:

Print da tela que o LinkedIn exibe quando você não segue ninguém.
Seria um sonho??

Agora, basta procurar os perfis que compartilham conteúdo útil e legal e segui-los novamente.

Newsletter

O melhor do Manual do Usuário:


Nas redes sociais, notícias o dia todo:
Twitter // Telegram