Pessoa de sexo não identificado, com cabelo roxo e pele azul, segurando uma xícara de café com vários ícones em alusão ao Manual do Usuário na fumaça e um celular na outra mão. Embaixo, o texto: “Apoie o Manual pelo preço de um cafezinho”.

Brasileiros usam “carteiraço da LGPD” para dar o troco em spam no WhatsApp

Brasileiros usam “carteiraço da LGPD” para dar o troco em spam no WhatsApp, por Gabriel Daros no Uol Tilt:

O programador porto-alegrense Fernando Dandrea, de 29 anos, não tem ideia de como seus dados foram parar na mão da imobiliária Urban Company. Mas, quando recebeu a mensagem de um vendedor no WhatsApp, ele sabia exatamente como reagir. Exigiu ser informado quem havia autorizado aquele contato. E arrematou: “Solicito saber nos termos da Lei 13.709, LGPD: como obtiveram os dados e quais são eles?”

O vendedor até tentou contornar, com respostas vagas, mas acabou pedindo desculpas e desaparecendo.

[…]

No artigo 18, a LGPD diz que o titular dos dados poderá a qualquer momento solicitar a eliminação dos dados pessoais coletados, mesmo que a coleta tenha sido feita com consentimento.

Segundo Bruno Bioni, diretor do Data Privacy Brasil, a prática do “carteiraço” é válida, e não depende da intermediação de uma outra instituição para a exigência destes dados.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Dúvidas? Consulte a documentação dos comentários.

2 comentários

  1. Já fiz isso duas vezes. Não iniciei as conversas com “Solicito saber nos termos da Lei 13.709, LGPD”, mas com um simples: “A LGPD já está valendo, sabes? Gostaria de duas coisas: de saber como vocês conseguiram meus dados e a total exclusão deles da base de dados de vocês”.
    Nunca obtive resposta. =\

  2. Excelente ideia! Até anotei a frase aqui para começar a usar. Há algum tempo venho sendo assediado pelo Itaú em todos os canais possíveis (e-mail, SMS, ligações tanto no fixo quanto no celular, WhatsApp e não duvido que em pouco tempo descubram meu UIN do ICQ)

Compre dos parceiros do Manual:

Manual do Usuário