Pessoa de sexo não identificado, com cabelo roxo e pele azul, segurando uma xícara de café com vários ícones em alusão ao Manual do Usuário na fumaça e um celular na outra mão. Embaixo, o texto: “Apoie o Manual pelo preço de um cafezinho”.

O que você leu de bom?

Toda quinta, na newsletter do Manual (cadastre-se gratuitamente), indico leituras longas/de fôlego (artigos, reportagens, ensaios) publicadas em outros sites.

Seria o máximo se esse trabalho fosse colaborativo, feito com a sua ajuda.

Indique nos comentários uma leitura longa da última semana, relacionada aos temas que costumam aparecer aqui no site, que você acha que deveria ser lida por mais gente. Vale em português ou inglês.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Dúvidas? Consulte a documentação dos comentários.

9 comentários

  1. Li um texto de Amitav Ghosh, trecho do seu livro The Nutmeg’s Curse – Parebles for a planet in crisis, que reflete sobre silenciamentos, narrativas e poder a partir de uma perspectiva multiespécies, leitura fantástica.

    Brutes – Meditations on the myth of the voiceless
    [ https://orionmagazine.org/article/brutes/ ]

    1. Cara, não cheguei a ler a matéria completa, mas penso se não estamos voltando a geração dos meus pais. Eles nunca conseguiram entender bem o conceito de pastas específicas e arquivos.

      E nossa, impossível para mim ter uma pasta com um monte de arquivos aleatórios.

    2. O interessante é que talvez nem seja realmente necessário.
      Isso tem mais a ver com a maneira com que cada um se organiza do que com a necessidade atual e real.
      Uma das coisas incríveis do MacOS e do iOS é a capacidade de pesquisa do spotlight (aliás, quem conhecer algo nesse sentido para windows e linux, por favor indique), pois tendo o arquivo no computador, a busca é praticamente instantânea, não fazendo diferença em relação a qual estrutura de diretórios aquele arquivo pertence.

      Entendo que a estrutura de pastas e arquivos (que ainda tenho bem clara na minha cabeça) é um “transporte” mal feito do mundo físico para o digital, ignorando premissas das possibilidades computacionais de busca e indexação (presumo que, por impossibilidade técnica da época).

      Hoje tento deixar as coisas mais “gerais” e usar tags/marcações, assim tenho 1 pasta com fotos e outra com documentos (cópias de RG, certidões e afins), outro com documentos diversos (contratos, garantias, etc) e um com comprovantes (de pagamentos de compras e notas fiscais).

      Simplesmente realizo busca e acho o que quero.
      Penso que vale tentarmos mudar esses paradigmas e começarmos a usar mais o computador como “computador mesmo” e não como um “caderno” ou “arquivo” digital/digitalizado.

  2. Estava lendo esse texto aqui sobre a impossibilidade de se apagar uma imagem dos anos 70 (de uma mulher chamada lena forsén) usada por engenheiros pra desenvolver um software de processamento de imagem.

    https://pudding.cool/2021/10/lenna/

    As animações na página são bem interessantes tb.

Compre dos parceiros do Manual:

Manual do Usuário