Fundo azul, com uma chamada para um PlayStation 5 no centro. À esquerda, a frase “Ofertas de verdade, lojas seguras e os melhores preços da internet.” À direita, “Baixe o app do Promobit”.

O que você leu de bom?

Toda quinta, na newsletter do Manual (cadastre-se gratuitamente), indico leituras longas/de fôlego (artigos, reportagens, ensaios) publicadas em outros sites.

Seria o máximo se esse trabalho fosse colaborativo, feito com a sua ajuda.

Indique nos comentários uma leitura longa da última semana, relacionada aos temas que costumam aparecer aqui no site, que você acha que deveria ser lida por mais gente. Vale em português ou inglês.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Dúvidas? Consulte a documentação dos comentários.

19 comentários

  1. Olá , li algumas notícias sobre o perigo de usar ativadores em programas (Corel, Photoshop etc)… infelizmente é algo que no YouTube deixa passar , o que seria interessante que esse tipo assunto , deveria nem existir por lá.

    1. Acho que este assunto poderia ir para o Post Livre. Mas já que está aqui, uma divagação rápida.

      Sim, um crack de certa forma tem seus perigos se a pessoa não entende de informática, da origem onde puxou ou de código (este último é a minha falha). Boa parte dos cracks vem em pacote com programas tipo “cavalo de tróia” (Quando simula uma coisa para aproveitar brechas do sistema e depois invade).

      Cracks em programas tipo Corel, Photoshop ou Autocad tem um ponto: estes últimos (incluso também as últimas versões do Office) programas, quando instalado de forma oficial, tem um sistema de ativação que costuma conversar com servidores de checagem, criando com isso um “backdoor”a favor da empresa e que monitora a instalação e o uso de cracks. Ao usar um crack com o programa online, o backdoor (existe o Protexis por exemplo) checa se há um programa de crack ou se o código do programa bate na base de dados com algum número de série vazado ou considerado pirata. caso positivo, o programa é revertido para modo demo ou bloqueado com aviso de que foi reconhecido a pirataria.

      O que os cracks (mais simples e inofensivos) fazem é apenas mudar o código do programa para que bata com algum número de série válido, ou dependendo do caso, achar o código no programa que verifique o número de série e isolar este código, fazendo o programa agir como se fosse original, mas sem número de série.

      Cracks prejudiciais são os cavalos de tróia. Fazem a tarefa anteriormente dita, mas em compensação criam mecanismos para ficarem ocultos no sistema e ativarem quando necessário. Isso é comum em sites onde tem uma renca de propaganda para baixar o crack ou o programa pirata.

      Na dúvida, procure sites como o AltenativeTo.net para saber de programas similares e gratuitos (ou mais baratos) em relação ao que você queira ou precisa usar.

    1. Cara, que baita matéria! Nunca tinha ouvido falar dessa história.
      Infelizmente o descaso com o meio ambiente é algo presente não só nesse país, mas na humanidade de uma forma geral.
      E eu pergunto de quem foi a ideia genial de contratar a Nortox para descontaminar a área? E a solução mágica deles de usar cal para anular o efeito? Não sou químico, na verdade odiava química no colégio, mas acho que não precisa ter tanto conhecimento para saber que as coisas na prática não são tão simples assim… posso ter falado um monte de besteira? Posso. HAsuHSUHAu

      E ainda na mesma linha, se tu não leu Vozes de Tchernóbil eu aconselho muito a leitura.

      1. Pois é, eu desconhecia esta história até ontem também. Obrigado pela indicação, já dei uma procurada aqui e com certeza lerei.

    2. Nossa, que matéria!! Me lembra a história daquela mineradora Norueguesa (?) que está acabando com uma cidade do Pará. Coisas no nosso próprio país e que a gente nem fica sabendo…

  2. Não uso o Trello, mas gosto das matérias do blog deles. Essa fala sobre como lidar com conflitos no local de trabalho.
    Leia no blog

    Isso acima foi uma tentativa de fazer links embutidos em palavras. Vou descobrir agora se deu certo. =)

    1. “a verdade é que há pessoas na equipe que não gostariam de passar tempo juntas se não recebessem para o fazer.”
      Hahaha, parte mais verdadeira desse texto.

      Eu usei o Trello na faculdade, me ajudou várias vezes a não perder datas de provas e trabalhos. A gente tinha um grupo e era só o professor anunciar uma atividade que alguém já atualizava o quadro na hora.
      Pro meu trabalho, um bloco de notas, físico ou virtual, é o suficiente. (E e-mail, que eu amo. Sem ironia.)

Compre dos parceiros do Manual:

Manual do Usuário