Extensão Ghostery.

Configure a extensão Ghostery para navegar na web com privacidade


2/6/15 às 15h25

O acesso a um site se dá pela comunicação do cliente (você) com um servidor (onde está o site), que repassa via Internet os códigos, scripts e imagens que geram a página que você vê no navegador. Entre eles costumam vir mais coisas além do estritamente necessário para exibir o que foi solicitado. É nesse momento que a sua privacidade na web é comprometida.

Redes sociais, redes de publicidade, sistemas de estatísticas… um punhado de serviços são carregados junto com inúmeros sites através de scripts; vários deles geram cookies, minúsculos arquivos que guardam informações relacionadas a um domínio/site. Juntos, esses pequenos trechos de código e arquivos monitoram e devolvem aos seus criadores dados seus que, agregados, traçam um perfil bastante fiel dos seus gostos e hábitos. E, como efeito colateral, no processo eles ainda deixam os sites mais pesados.

A maioria usa essas informações anonimamente, com o único intuito de direcionar anúncios mais eficazes ou aperfeiçoar a experiência online. O que não é pouca coisa. Se te incomoda aquele monte de anúncios de sapatos que passa a aparecer depois que você fazer uma pesquisa por um modelo específico, a culpa é dessa estrutura que se criou na Internet. Como evitá-la? Não é fácil, mas extensões como a Ghostery criam uma boa barreira.

A Ghostery tem versões para os principais navegadores do mercado, apps para Android e iOS, e um modo de funcionamento simples, porém não muito fácil de entender. Daí este pequeno guia.

O fantasma azul da Ghostery

Depois de instalada, você verá o ícone de um fantasminha azul na barra de endereços do seu navegador. Ele é a principal interface da Ghostery no dia a dia. Nas configurações padrões, ao acessar um site o fantasma fica colorido e um numero aparece embaixo dele. É a quantidade de rastreadores carregados junto com a página em questão.

Clique no fantasma para ter uma visão do que são essas coisas e mais opções:

Ghostery no Manual do Usuário.

A lista contém os scripts que coletam algum tipo de informação. Cada um pode ser expandido, revelando quais arquivos exatamente são os responsáveis por isso (ou, a raiz do problema) e um link, da própria Ghostery, com informações detalhadas sobre a empresa que criou o script e o que ele faz, afinal.

Ao lado de cada entrada existem dois botões. O primeiro, um seletor, é global: ele serve para liberar ou não aquele serviço para todos os sites. O segundo, um botão, diz respeito ao site em questão. Exemplos páticos:

Disqus liberado para todos os sites.

Na configuração acima o Disqus está liberado para qualquer site que o utilize.

Disqus liberado apenas para este site.

Já nesta outra, o Disqus está bloqueado em todos os sites, exceto o que estou acessando no momento.

O rodapé do popup exibe dois botões também úteis. O primeiro, “Pausar bloqueio,” suspende o funcionamento da Ghostery — é como se ela não estivesse instalada até que você clique nele novamente.

O segundo, “Site da lista branca,” coloca o site que está aberto numa lista branca, ou seja, sites em que os rastreadores, todos eles, são permitidos independentemente das configurações globais. É uma boa para não prejudicar sites que respeitam o usuário e não exageram nos scripts, nem escorregam na escolha de quais rodam, como o Manual do Usuário.

Ghostrank, o “pagamento” da Ghostery

TrackerMap da Nike, criado pela Ghostery.
Isto é um TrackerMap, um dos tipos de relatórios que a Ghostery comercializa.

Clicando com o botão direito no ícone e indo em Opções, você chega às configurações globais da extensão. A primeira tela é bem importante. Logo de cara, a Ghostery pergunta se você deseja participar do Ghostrank, um programa de envio de dados estatísticos anônimos a fim de refinar o algoritmo da extensão.

A empresa responsável pela extensão vê nessa cessão de dados o “pagamento” pelo trabalho desenvolvido. E esclarece: “são dados sobre a tecnologia de rastreamento que você vê e onde a vê.” Na mesma página, lista o que o Ghostrank coleta com esse mecanismo.

Além de aprimorar a Ghostery, esses dados servem de base para que a empresa ganhe dinheiro. Como? Assim:

Nós pegamos aquelas informações, acrescemos a nossa análise e a vendemos para outras empresas a fim de ajudá-las a auditar e gerenciar seus relacionamentos com essas ferramentas de marketing.

Os dados são anonimizados e, segundo a Ghostery, impossíveis de serem associados a alguém individualmente. O Ghostrank é totalmente opcional e vem desativado por padrão — o que é sempre um bom sinal de respeito.

Opções de bloqueio

Na mesma tela do Ghostrank temos outras configurações. A segunda, “Atualização automática,” determina se a lista de scripts detectados e tratados pela Ghostery será atualizada automaticamente. Não vejo motivos para não ser.

Tela das configurações com todos os rastreadores.

O último bloco traz um listão de todos os rastreadores compreendidos pela Ghostery. No momento em que escrevo isso, são 2015 (!) possíveis. Eles são divididos em categorias e há um campo de pesquisa, a fim de facilitar a procura por algum específico. Também dá para fazer seleções e marcações em lote. Um item marcado significa que ele será bloqueado em todos os sites, e vice-versa.

Marcar todos é uma boa? Talvez. Algumas categorias, como a Cookie Respawning, certamente sim, mas alguns scripts rastreadores têm funções práticas para você, ou são importantes aos sites — para além da publicidade ou criação de perfis de consumo. Esses, dependendo do seu nível de confiança, merecem continuar desmarcados.

O Disqus é um bom exemplo. Marcado, você não consegue ler ou enviar comentários em diversos sites, inclusive o Manual do Usuário. Google Analytics e ChartBeat são sistemas de estatísticas que muitos sites usam; marcando-os, você passa a não contar como leitor deles, o que prejudica (ainda mais) a parte comercial da coisa. O mesmo vale para newsletters se o item MailChimp Tracking permanecer ativado. Se você não desmarcar o Typekit, alguns sites aparecerão com a tipografia estranha, já que não conseguirão acessar as fontes web dos servidores da Adobe.

Temos ainda as redes sociais que, se marcados, não exibirão mais seus botões — em troca da comodidade de compartilhar conteúdo com um clique, eles são poderosos coletores de hábitos de navegação. Toda aquela parte de Afilliate Marketing afeta anúncios, ou seja, mesmo não sendo esse o fim (a Ghostery não é um bloqueador de anúncios), você acabará vendo menos publicidade na web. No geral, a Ghostery também diminui o peso das páginas, já que diversos elementos externos acabam por não serem carregados. Para quem usa conexões lentas ou com algum tipo de limitação de banda, é um bônus interessante.

Ter algum conhecimento de como as coisas funcionam nos bastidores da web ajuda a fazer as melhores escolhas na configuração da Ghostery. Se não for o seu caso, ficar atento ao fantasma azul e o que ele revela dos rastreadores bloqueados, site após site, é uma estratégia de ação válida. Há informações suficientes para ajudar a determinar o que pode e o que não deve ser liberado.

Ah, e só uma curiosidade. Comecei a usar a Ghostery pra valer tem poucos dias, e até agora só encontrei um site livre de todos os 2015 rastreadores monitorados. Qual? A Wikipedia. Aqueles trocados doados ao Jimmy Wales não foram em vão!

Mais configurações

Ainda nessa tela existe uma segunda aba, “Avançado,” com opções importantes.

Exemplo de uma bolha de alerta com 12 scripts.Por padrão a Ghostery exibe um balão, no canto inferior direito da página, onde lista todos os rastreadores por alguns segundos antes de desaparecer (essa aí do lado). Se ele incomodá-lo, desmarque a opção “Exibir bolha de alerta.”

Também gosto de deixar ativadas as opções do bloco “Click-to-Play.” Como a Ghostery, na minha configuração, bloqueia players de áudio e botões de redes sociais, essa opção se apresenta como um meio termo: em vez de sumir com esses elementos, ela os substitui por gatilhos. Um clique ativa, só naquele momento, um botão do Facebook, ou um player do SoundCloud.

Player do SoundCloud, incorporado em uma página, com o Click-to-Play funcionando.

No fim, há um link para importar ou exportar as suas configurações, o que é bacana para o caso de você trocar de computador, ou tiver que reinstalar o sistema. Salve o arquivo num Dropbox da vida, e na próxima não precisará se preocupar com configurações finas da lista de exclusões e outros detalhes.

Vale a pena?

Mascote da Ghostery,
Melhor mascote.

A Ghostery não é uma extensão exatamente leve, então se você já tem problemas de falta de memória e/ou lentidão com o Chrome, ou mesmo outro navegador, vale a pena testar antes de fechar com ela.

A experiência de navegar na web com essa extensão ativada é um tanto diferente. Menos anúncios, menos botões chamativos, algumas coisas quebradas… E, claro, a tranquilidade de saber que seus hábitos de navegação não estão ajudando a criar perfis segmentados dos seus gostos e tudo mais.

Como já escrevi em outra oportunidade, essas informações são anonimizadas e, até onde se sabe, nunca vazaram dos grandes players (Google, Facebook e afins). Só que elas contribuem para uma web mais controlada, possivelmente até demais, e pendente à criação de bolhas de opinião. Muitos podem não gostar dessa situação, ou se sentirem incomodados.

Eu fico um pouco, apesar de meio que ainda depender de uma parte desse sistema para trabalhar e ganhar uns trocados. (Daí o incentivo para que você, leitor, assine o Patreon, compre pelos links das promoções, enfim, ajude a financiar o Manual do Usuário por outras frentes que não a publicidade contextual, que ainda persiste aqui, perdida no arquivo.)

A Ghostery é gratuita e pode ser baixada aqui. Caso prefira ou queira experimentar uma alternativa, tente a Disconnect.

Assine o Manual do Usuário

Ao acessar este blog, você não é rastreado ou monitorado por empresas como Google, Facebook e outras de publicidade digital. A sua privacidade é preservada. O Manual do Usuário tenta viabilizar-se por métodos alternativos e éticos. O principal é o financiamento coletivo. Colabore — custa a partir de R$ 9 por mês:

Assine no Catarse