Quantos gigabytes uma pessoa gasta, por mês, numa conexão de banda larga fixa

Homem de Mad Men caindo em fibra ótica.

Puxadas pela Vivo, operadoras que vendem conexão fixa à Internet de banda larga começaram a se movimentar no sentido de instituir ou fazer valerem as franquias de dados previstas em contrato. A exemplo do que já acontece com a Internet móvel, se isso for para frente em breve será preciso ficar de olho no consumo da sua conexão residencial sob pena de, extrapolando o limite contratual, ser desconectado ou ter a velocidade severamente reduzida.

Para o consumidor, é um claro retrocesso. Mais que isso, é uma dificuldade extra ter que mensurar esse tipo de consumo e fazer contorcionismos para não passar da cota estabelecida. Ao contrário da conexão móvel, geralmente restrita ao smartphone ou, se muito, a ele e mais um ou outro dispositivo (tablet, notebook), a Internet via conexão fixa alimenta uma multiplicidade de dispositivos que, se hoje já pode ser grande, com a Internet das Coisas despontando tende a se tornar enorme. Assim como hoje é impossível contar quantos produtos equipados com um chip temos em casa, num futuro bem próximo não saberemos dizer, de pronto, quantos estarão conectados.


Receba a newsletter (grátis!):


O pior é que a Anatel, que deveria fiscalizar e coibir tentativas de degradar a qualidade dos serviços oferecidos pelas telecom, afirmou em nota que a imposição de limites à banda larga fixa é “benéfica” ao consumidor. Segundo Carlos Baigorri, superintendente de competição da Anatel, “não existe um único consumidor, então para quem está abaixo da média, consome menos, o limite é melhor. E pior para quem consome muito”.

A justificativa é fraca porque esbarra em conceitos vagos. “Muito”, “pouco”, o que isso significa em termos de banda larga? E, ainda que esses termos subjetivos sejam convertidos em números exatos, invariavelmente será pior do que “não ter limite”. Hoje, mesmo com a NET e a Oi tendo a previsão de franquia em contrato, são raríssimos os casos de aplicação a quem ultrapassa esses limites.

Além de termos mais dispositivos conectados à rede, o próprio uso que se faz dela depende cada vez mais de dados. Streaming de alta qualidade, jogos pesados, colaboração em tempo real por vídeo… tudo isso pede mais e mais dados. Hoje a única chateação de baixar um jogo no Steam, por exemplo, é a demora no download, fruto do único critério de diferenciação nos preços praticados pelas operadoras, a velocidade do acesso. Paga-se mais para ter uma conexão mais rápida.

Ilustração com uma mãozinha depositando uma moeda em uma caixa com o logo do Manual do Usuário em uma das faces, segurada por dois pares de mãos. Ao redor, moedas com um cifrão no meio flutuando. Fundo alaranjado.

Apoie o Manual do Usuário.
Você ajuda a manter o projeto no ar e ainda recebe recompensas exclusivas. Saiba mais »

Cabos de rede.
O irônico desta imagem é que nenhum dispositivo meu está conectado à Internet por cabo. Foto: Andrew Hart/Flickr.

Nos novos planos da Vivo a franquia varia de acordo com o plano contratado, ou seja, velocidade e limite de tráfego andam juntos. As franquias variam de 10 GB por mês, o que é patético, porém adequado à igualmente ruim velocidade de 200 Kb/s — o que, na real, nem deveria ser englobada no conceito de “banda larga” –, a 130 GB, que podem ser baixados a 25 Mb/s. (Fazendo download na velocidade máxima, atingiria-se o limite em curtíssimas 11 horas, 49 minutos e 58 segundos.)

Sem pensar muito, sem recorrer a cálculos, já dá para sacar que esses limites são baixos. Mas eu queria saber o quão baixos eles são. Então colhi alguns dados e me submeti a uma mensuração quase manual do meu consumo de dados a fim de ter uma resposta mais precisa. Vamos aos números?

Sopa de números

A NET diz que informa no painel do cliente, em tempo real, o consumo de dados do mês. A Vivo garante que uma ferramenta similar será disponibilizada aos clientes quando o limite de franquia entrar em vigor, algo previsto para o início de 2017.

Tabela de consumo de dados da NET.
Tabela de consumo mensal da NET. Imagem: @_MrMouse/Twitter.

De outro modo, é preciso correr atrás de ferramentas que façam esse monitoramento.

A maneira mais fácil depende do seu roteador. Alguns modelos contam com um monitor de consumo embutido, então basta entrar na área administrativa dele para conferir quantos gigabytes já foram baixados e enviados em determinado período. Firmwares de terceiros como o famoso DD-WRT também oferecem o recurso, mas aqui o problema é colocar em risco o equipamento numa operação delicada; se está tudo funcionando bem, não há motivo para tanto.

Gráfico de consumo via DD-WRT.
Gráfico do DD-WRT. Imagem: @LucasBraga/Twitter.

O meu roteador não tem um monitor de tráfego e, como ele nunca me deu dor de cabeça, não cogito trocar seu firmware pelo DD-WRT. Assim, optei por uma ferramenta num nível superior na arquitetura da rede: a da aplicação.

Há desvantagens claras em monitorar o tráfego via apps, sendo a maior delas a incapacidade de alcançar todo o tráfego da rede. No teste que conduzi, restringi-me ao computador. Existem alguns aplicativos que fazem esse monitoramento e, no caso do OS X, o sistema operacional da Apple, o Monitor de Atividade faz isso nativamente.

Monitorando o tráfego de dados na Internet.

Durante uma semana, antes de dormir, abri o Monitor de Atividade e anotei o consumo do dia num bloquinho — como faziam os antigos. Ficou assim:

  • 24/2: DOWN, 1,95 GB; UP, 206 MB.
  • 25/2: DOWN, 1,36 GB; UP, 178 MB.
  • 26/2: DOWN, 985 MB; UP, 129 MB.
  • 27/2: DOWN, 1,86 GB; UP, 238 MB.
  • 28/2: DOWN, 319 MB; UP, 34 MB.
  • 29/2: DOWN, 1,34 GB; UP, 157 MB.
  • 1/3: DOWN, 2,25 GB; UP, 147 MB.

Somando o consumo de download e upload e, depois, tirando a média, no computador eu gasto 1,59 GB de dados por dia. Multiplicando por 30 (dias no mês), chegamos a 47,7 GB. Pelas ofertas da Vivo segundo a velocidade da minha conexão eu já estaria muito perto do limite mensal — 50 GB na conexão de 4 Mb/s; a minha, da GVT-em-breve-Vivo, é de 5 Mb/s.

Meu uso no computador é relativamente leve. Não jogo, não vejo Netflix, o que mais faço é navegação web, e-mail e Twitter. Nem YouTube eu vejo muito; os canais que acompanho e vídeos maiores — leia-se com mais de cinco minutos — costumo ver na TV. Isso é importante porque, como disse ali em cima, o computador é só parte do dia a dia.

Quanto a Netflix consome? O próprio serviço responde: até 3 GB por hora de conteúdo em alta definição. Quase todo dia vejo alguma série ou vídeo, ali ou no YouTube, por cerca de uma hora. Assim, podemos colocar na conta mais 3 GB diários.

Spotify também é outro. Sendo assinante da modalidade Premium, o app me dá a opção de fazer streaming de alta qualidade, de arquivos com taxa de bits de 320 Kb/s. Aqui a conta é simples: 320 * 60 (segundos) / 8 (conversão de bits para bytes) = 2400 KB, ou 2,4 MB por minuto. Multiplica-se o resultado por 60 e chegamos a 115,2 MB por hora, que é o tanto, na média, que ouço de música todo dia.

Há outros fatores que acrescentam. Smartphone, por exemplo. Em tempos de WhatsApp centralizando a vida digital de muita gente e servindo de central de recebimento e distribuição de fotos e vídeos, Facebook com vídeo automático no feed e upload de fotos e vídeos em segundo plano para a nuvem, não é uma fatia dispensável.

1 GB de dados móveis em dois meses.

Não encontrei nenhuma ferramenta para smartphones que monitore o tráfego do Wi-Fi. Por trabalhar em casa, uso relativamente pouco a conexão de dados da operadora, o 3G/4G. Para não deixar esse importante campo em branco, abri o histórico de consumo de dados da operadora que o próprio sistema gera. Ali indica que desde 28 de dezembro, há dois meses, portanto, baixei e envie 1 GB de dados. Fazendo uma extrapolação com base no que, proporcionalmente, uso o smartphone em casa (no Wi-Fi), multipliquei por quatro esse valor, chegando a 2 GB/mês. Note que, creio eu, essa é uma estimativa conservadora. Não me surpreenderia descobrir que consumo mais que isso em cada mês, no smartphone, via Wi-Fi.

Atualização (14h30): Após a publicação do post, alguns leitores indicaram apps para iOS que fazem esse trabalho. São eles: My Data Manager (grátis) e WifiMan (US$ 3,99). Agradecimentos ao Paulo Higa e Bernardo Ferrari!

Ainda tenho um tablet e, vez ou outra, amigos e familiares passam em casa e usam o Wi-Fi. Desconsiderando eles, somente eu consumo quase 5 GB por dia, ou 150 GB por mês, acima do plano mais generoso que a Vivo oferece em novos contratos, que é de 130 GB.

Meu perfil é econômico e excluí, da conta, eventos esporádicos — atualizações de sistema e download de apps, por exemplo. Também não contei as partidas online de FIFA/Need for Speed e atualizações de jogos. Aliás, imagine alguém que compre pelo menos um jogo AAA por mês, o que não é algo de outro mundo. O simples download dele é capaz de acrescentar algumas dezenas de gigabytes à conta — The Division, no momento o jogo mais vendido do Steam, ocupa 40 GB de espaço.

E mais: eu vivo sozinho. Segundo o último censo do IBGE, de 2010, em média 3,34 pessoas moram em cada domicílio. Ainda que consumo que eu auferi seja cortado pela metade, multiplicado por três ele fica maior — essa hipotética casa com três pessoas que consomem metade do que eu consumo chegaria ao fim do mês com 225 GB gastos.

130 GB não é o bastante

https://twitter.com/luigilol/status/705791131783700480

O motivo desse exercício foi a mera curiosidade. Quando o assunto chegou à pauta, motivado pelos novos planos da Vivo, perguntei-me quanto eu gastava. Lá no fundo pensava que, talvez, a justificativa da Anatel, de que as pessoas não consomem tanto e que, portanto, poderiam ser beneficiadas com descontos em franquias menores, fizesse algum sentido. Não parece ser o caso e, mais que isso, a tendência é que o uso de dados aumente com tudo virando digital e muitas coisas do dia a dia, incluindo produtos comuns de casa, se conectando à Internet. Perguntei a quem me segue no Twitter qual o consumo deles e as mensagens acima mostram que, de fato, eu sou exceção — na realidade, consumo poucos dados.

Felizmente o Ministério Público já começou a investigar essa movimentação em torno das franquias na Internet fixa, pedindo esclarecimentos à Vivo, Oi e NET/Claro, empresas que preveem limites do tipo em seus contratos — a TIM, que comercializa conexão de banda larga fixa via Live TIM, não estabelece franquias. É desanimador, de qualquer forma, que no momento em que o mundo começa a falar em 5G, a Internet das Coisas se fortalece e conexões gigabit à Internet se tornam banais em mercados mais maduros, nós tenhamos que lutar para não ter a Internet cortada após consumir uma quantia claramente insuficiente para as demandas contemporâneas.

Foto do topo: Surian Soosay/Flickr.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

66 comentários

  1. Um absurdo mesmo, já nao basta os políticos agora as empresas de telecomunicações querem nos roubar tbm, isso e de propósito eles sabem que consumimos muito, mas quem será prejudicados seremos nós se continuarmos aceitando tudo que vem desses empresários.

  2. Sabem por que existe esse mundo de limite e banda larga sem tanta qualidade? Porque não existe concorrência, o mercado está nas mão de poucas empresas: Vivo, Net, Sky, Oi e outras menores. E sabem o porquê disso? Responde pelo nome de Anatel. Isso mesmo. A agência impõe tanta exisgência que ninguém consegue entrar no mercado para concorrer com essas grandes. Então elas podem se juntar e impor suas condições como limites de banda larga e a Agência ainda acha isso bom para o consumidor. Nós precisamos de um mercado livre e aberto, para que a concorrência leve as empresas a prestarem serviços de melhor qualidade por um preço cada vez menor. Vejam o que acontece no mercado de eletrônicos, onde existem várias empresas. Cada dia que passa os preços são menores e a qualidade só aumenta (vide televisões Smart). Procurem eleger governos que estejam preocupados com os consumidores, que tenham planos de abrir o mercado e proporcionar maior liberdade para que a concorrência possa fazer valer sua regra. É disso que precisamos.

  3. Muito bem aborda a matéria , primeiramente te falo que este senhores do topo da Anatel estão preocupados em propinas e cargos políticos , com isso quem perde é a economia do nosso país pois a internet movimenta trilhões anuis de vendas, negócios , salários , compras de equipamentos, vendas de produtos , correios, transportadoras etc. Mas aqui neste lixo de terceiro mundo vivemos no país do faz de conta onde somos roubados com pesados impostos e ainda temos que aguentar estes administradores safados da Anatel que se vendem para as teles milionárias atrapalhando toda a economia de um país. Aqui eu faço backup na nuvem trabalho e uso para lazer também a internet consumo uma media de 500 GB a 1TB tranquilamente por mês . Se me castrarem a internet acarretara em demissões e desemprego de pessoas envolvidas no meu trabalho. Fiquemos com Deus e oremos para que estes administradores corruptos da Anatel tenham um momento de lucidez parando de se vender e realmente fiscalizando as teles para o país poder crescer e se desenvolver .

  4. Me perdoem se tenho uma opinião diferente.
    O que compramos é a quantidade, ou seja o que consumimos por mês.
    A velocidade só obriga a que a infra estrutura seja melhor, por isso é mais cara.
    É obvio que quem consome mais tem que pagar mais.
    Qualquer serviço é assim.
    Água, Luz gasolina.
    Se os limites são ridículos devem ser ajustados, mas não é justo uma pessoa que apenas acessa os emails pagar o mesmo que outra que consome 300 gb por mês.
    Isso é óbvio.
    O problema é que quando as velocidades eram baixas isso não era levado em conta.
    Hoje, com as grandes velocidades torna-se necessário o pagamento por faixa de consumo.

  5. Bom dia, tenho um problema e também a outros em minha região que tem o mesmo provedor de internet. A prestadora de serviço vende seus pacotes de 2 a 5MB/s dizendo que é “ilimitada” porém este é o meu primeiro mês de uso e antes de chegar ao final faltando 2 dias minha internet caiu para 2MB/s, liguei e me disseram que fui penalizado por que minha cota já ultrapassou a 140/GB porém não informaram no inicio e me desculpem a ignorância mais eu não sabia que existia um limite nas outras prestadoras também… meio que com vergonha da tamanha falta de informação! Porém vamos direto a minha duvida como de muitos outros aqui que utilizam a mesma…

    Existe algum programa para que monitore os 30 dias de utilização do meu roteador e que me passe o detalhamento real de quantos Gigas foi utilizado pelo roteador? Tenho um computador com windows 7 Ultimate SP1 e meu roteador é o TP LINK MODELO TL-WR740N

    Gostaria que alguém pode-se me auxiliar…

    Desde já agradeço a atenção de todos,
    Elvis Dutra

  6. isso é capitalismo barato. a argumentação deles é algo referente a quem consome menos pagará menos, mas um plano absurdamente lento e limitado. resumindo, politicos foram comprados e estão prestes a iniciar uma guerra com o povo, onde o vandalismo as redes de internet não terá limites. boa sorte, mocinha da anatel.

  7. Matéria legal. Bem esclarecedora

    Só não sei ver no meu Roteador , que é um D-Link DIR -615 como é meu consumo.
    Se alguém me desse uma dica , eu agradeceria .

  8. Q retrocesso… Aqui aonde moro, a internet é de 2 MB! O q fazer com um pacote desse (e ainda cobram R$ 70 por isso); tem gente q tem de 1 MB. Não tem plano mais veloz q esses! Essa limitação vai ferrar o mercado digital, o mercado de games… Eu tenho game no meu PC q foram mais de 50gb só pra baixar, e como joga-lo conectado à Steam com essa limitação? O mesmo vale para os videogames, para a PSN ou para a xlive! E nem vou falar nada da netflix, do YouTube, etc… Olha, tá cada vez pior viver nesse país!

  9. Então amigo, amei seu post, e eu já havia feito uma medição do tipo na minha casa, mas como eu trabalho com TI e sei que medir somente por um ou dois aparelhos não vai me fornecer o total real eu procurei na internet uma ferramenta que me ajudasse a monitorar o meu modem de internet, na verdade tudo começou com minha curiosidade em monitorar meu sinal vdsl da LiveTIM e saber da estabilidade da linha/modem, e acabei encontrando o DSLstats ( http://www.s446074245.websitehome.co.uk/ ) que faz isso de forma maravilhosa no meu modem ( Technicolor TG589vn v3 ).

    Resumindo: eu coletei as informações sobre meu consumo DIRETAMENTE do modem, dando assim uma maior credibilidade dos dados. Moro com minha esposa e raramente recebemos visitantes em casa, tirando assim o uso de wifi por amigos, eu jogo bastante online, temos 2 pcs, 1 smart tv, 2 e-readers e 4 aparelhos android ( 3 celulares e 1 tablet ). Nosso consumo mensal médio são de 500GB por mês. Nós utilizamos bastante o netflix, youtube, google play, eu jogo bastante online e possuo vários jogos instalados que são constantemente atualizados.

    Conclusão, somos um casal nem tão conectado assim, mas temos um hobby de assistir filmes e seriados, jogar e navegar na internet, fazer pesquisa para trabalhos da faculdade ou vida cotidiana mesmo. Eu acho um absurdo querer impor o limite de franquia na internet fixa ainda mais tendo e vista que um casal, 2 pessoas apenas, gasta em média quase 5 vezes o valor máximo de franquia disponibilizado pela Vivo, ridículo.

    Apenas minha contribuição.

  10. meu desktop usa mais ou menos 700 por mês, mas ainda tem o desktop do meu irmão (+/- 400-600), mais o laptop de um sobrinho(+/- 100-150) mais meu celular, do meu irão e sobrinho ( os 3 +/- 50gb) mais 2 laptops que usam mais uns 40 gb cada, segundo a net o meu limite é 120gb kkkkkkkkkkkk.
    esse golpe ai na era da informação vai sair pela culatra.

  11. Só estou vendo agora a matéria. Parabéns pela matéria. Um detalhe a acrescentar é o 4k. Ainda está engatinhando no país mas as tvs com essa tecnologia já estão com o preço acessível e aos poucos aparecem conteúdos nessa qualidade. Aí que essa franquia não dá pro cheiro.

  12. Seguindo o plano deles, minha internet é de 10 mb, pelo que vi vai ter limite de 100gb, mas ai o problema é que na minha casa mora 4 pessoas, são 4 smathphones e 2 notebooks conectados, tenho Netflix que uso junto com minha irma, não dou 2 semanas para a franquia acabar, é foda uns trem desses, tomara que o Ministerio publico consiga resolver isso.

  13. Vou pedir direitos autorais, citei aqui o limite de 2tb e o caso de dividir a senha com os colegas, ambos citados no podcast. <3

  14. Ainda quero saber o que diabos vai ser dos clientes da GVT. A qualidade do serviço já caiu de alguns meses pra cá, demonstrando que estão deixando de investir em infra-estrutura, modo operandis herdado da Vivo. Em abril a marca vai deixar de existir e virar Vivo, então me pergunto se o contrato atual vai continuar valendo. Medo, muito medo.

  15. Resumo: se tem contrato sem previsão de franquia, meu caso, NÃO ASSINE nada mais da operadora e mantenha este contrato até a morte. ;)

  16. Excelente e necessária matéria! Lembro que isso me preocupou há algumas semanas, quando pensei em migrar do meu contrato velho da Velox para o Net Combo. Fiquei preocupado porque vi no contrato que a Net impõe esse limite. E não tinha noção de quanto eu gastava. Cheguei a perguntar isso por aqui. Agora, tenho certeza que, entre Netflix, Xbox, computador, smarphone, tablet etc. etc., com certeza ultrapassaria os 80 Gb da franquia da Net.

    O que eu achei complicado foi a forma como isso está previsto no contrato. Eles dizem que a NET “pode” cortar a velocidade em caso de estouro do limite da franquia. Você fica sem nenhuma previsibilidade. A operadora pode, um belo mês qualquer, limitar seu consumo. Não dizem qual é o critério.

    Acabou que não consegui passar pra Net, por falta de disponibilidade técnica na região (apesar de eles informarem que meu CEP estava ok, vai entender…). Mas vi que ia ter dor de cabeça…

  17. Excelente e necessária matéria! Lembro que isso me preocupou há algumas semanas, quando pensei em migrar do meu contrato velho da Velox para o Net Combo. Fiquei preocupado porque vi no contrato que a Net impõe esse limite. E não tinha noção de quanto eu gastava. Cheguei a perguntar isso por aqui. Agora, tenho certeza que, entre Netflix, Xbox, computador, smarphone, tablet etc. etc., com certeza ultrapassaria os 80 Gb da franquia da Net.

    O que eu achei complicado foi a forma como isso está previsto no contrato. Eles dizem que a NET “pode” cortar a velocidade em caso de estouro do limite da franquia. Você fica sem nenhuma previsibilidade. A operadora pode, um belo mês qualquer, limitar seu consumo. Não dizem qual é o critério.

    Acabou que não consegui passar pra Net, por falta de disponibilidade técnica na região (apesar de eles informarem que meu CEP estava ok, vai entender…). Mas vi que ia ter dor de cabeça…

  18. Uma dúvida: o Marco se viu na internet não deveria coibir essa prática?

    Acho que o que acontece é o seguinte: toda operadora de internet tb tem o serviço de TV por assinatura. O Netflix está com o catálogo MUITO parecido com o dos Telecine, e ainda tem suas séries próprias. Com isso as pessoas pegam o pacote básico HD e deixam os filmes por conta do Netflix (eu fiz isso em 2013). Só que o Netflix usa dezenas de GB por dia de uso, então o que as operadoras fazem? Inviabilizam o Netflix com limite de franquia. Simples assim.

    1. Faz sentido. Vindo dessas empresas que tratam tão mal o consumidor, não me surpreenderia uma estratégia assim.

      1. Não dá pra comparar streaming de canais esportivos com Netflix. E vou mais além: esse tipo de restrição de franquia torna o Brasil desinteressante pra novos serviços, como Amazon Prime e qualquer outro que venha a ser criado no futuro. Como sempre, estamos na contramão da evolução.

        1. Não é comparação. O que quis dizer que em longo prazo essa medida vai ser ruim até para os próprios canais. A HBO por exemplo poderá ser impactada, por exemplo.

        2. Não é comparação. O que quis dizer que em longo prazo essa medida vai ser ruim até para os próprios canais. A HBO por exemplo poderá ser impactada, por exemplo.

    2. O Marco Civil não é pra coibir cartela. É pra coibir o consumidor final e cada vez mais cercear a liberdade na rede. É mais espionagem e perseguição e menos liberdade de expressão.

    3. Sim, mas de qualquer forma o que fazem e errado estão praticamente querendo obrigar assinar tv por assinatura, o que e um absurdo, temos direito de escolher o que vemos, somos consumidores e nosso dinheiro não e capim, essas operadores ferem o direito do consumidor.

  19. Gente, lembrando que já é assim em algo muito mais básico e fundamental: energia elétrica. Cada um paga o que consome. Nada é de graça, inclusive conexão com internet. Estamos saindo de um muito do ilimitado em que tudo era possível, para um mundo de recursos escassos.

    Só acho que o modem deveria vir com um relógio embutido, com o consumo de dados oficial sendo explícito. Essa sim é uma exigência que a anatel deveria fazer para proteger o consumidor de arbitrariedades

    1. Energia elétrica e Internet são coisas diferentes, com funcionamento diferente. Energia se paga pelo consumo porque a geração dela é quantitativa. Mesmo caso da água. Já uma conexão não tem esse “gasto corrente”. O que se tem é largura de banda, por isso que existe a cobrança por velocidade — quanto mais rápido, mais banda se usa. Se o seu link tem 5 Mb/s, presume-se que a operadora tenha como garantir esses 5 Mb/s, ou seja, que se reserve um pedaço do link, com essa largura, para o seu ponto de acesso. Se você usa ou não, tanto faz.

      Edit: complementando… https://www.techdirt.com/articles/20130118/17425221736/cable-industry-finally-admits-that-data-caps-have-nothing-to-do-with-congestion.shtml

        1. Aliás, expandimos esse trecho no podcast desse fim de semana. De fato, o consumo ocorre pela velocidade/fatia do link disponível, mas como nossas conexões não tem uma largura muito grande, o que as operadoras fazem é uma espécie de “overbooking” da rede, ou seja, elas contam que a maioria não vá usar toda a banda disponível concomitantemente porque, se isso acontecesse, a rede não suportaria.

          Ouçam: https://www.manualdousuario.net/guia-pratico-69/

  20. Sensacional Ghedin!
    Estou com medo disso, e provavelmente terei que mudar para, aff, Net. Essa franquia não beneficia o consumidor que usa pouco nem o consumidor que usa muito. É absurda.

  21. Claramente é um retrocesso sem precedentes, principalmente por não termos nem mesmo um órgão competente para defender o consumidor, a ANATEL é uma piada, um órgão abusivo e corrupto preso às burocracias e completamente patético. Penso até quando viveremos na ditadura velada das corporações que, dentro de um país abusivo, praticam o abuso como se isso fosse um direito auto-contraído em território nacional.

  22. Acho que as franquias poderiam realmente ser benéficas. Eu poderia pagar menos caso use menos, por exemplo, mas tendo internet rápida. Mas esse não é o caso que está sendo vendido. Querem que eu limite o meu uso pela minha velocidade, claro que ele não poderia me vender uma franquia inalcançável pela minha velocidade, mas pq não me deixar ter uma franquia de, digamos, 25Gb num plano de 100mbps? Claro que exagerei nos valores, mas pq não?
    Velocidade e franquia não deveriam andar juntos. E as franquias não deveriam ser tão absurdamente baixas!
    Ou seja, a ideia tem fundamentos, mas deveria ser MUITO mais bem aplicada!

      1. Até eu concordo com isso. Tem gente que, sabe-se lá por que, acha que precisa ter toda a internet em seus HDs. Acho que 1TB/mês seria uma franquia razoável.

  23. Acho que as franquias poderiam realmente ser benéficas. Eu poderia pagar menos caso use menos, por exemplo, mas tendo internet rápida. Mas esse não é o caso que está sendo vendido. Querem que eu limite o meu uso pela minha velocidade, claro que ele não poderia me vender uma franquia inalcançável pela minha velocidade, mas pq não me deixar ter uma franquia de, digamos, 25Gb num plano de 100mbps? Claro que exagerei nos valores, mas pq não?
    Velocidade e franquia não deveriam andar juntos. E as franquias não deveriam ser tão absurdamente baixas!
    Ou seja, a ideia tem fundamentos, mas deveria ser MUITO mais bem aplicada!

  24. Cara, sabe o que muita gente não sacou nisso? É o quanto esta sendo explorado pelas empresas que vendem acesso a internet.

    Se a vivo quer limitar 25 mb/s a 130 gigas, quer dizer que hoje, você pagaria mais de R$ 102,96 (considerando que esse preço é o plano de 10 megas, imagine o de 25?) pela bagatela de 11 horas, 49 minutos e 58 segundos, de uso.

    Ele comparou que em outros países, isso é comum, mas, não me lembro de países avançados tecnologicamente isso acontecer (nem com esse tipo de franquia ridícula), e nem muito menos.. algum lugar do mundo que cobre esse valor, por quase 12 hrs de internet.

    Também, quis “comparar” com gás, nesse valor compro dois (a ainda sobra pra comprar algumas coisas) e cada um dura no minimo 4 meses.

    Também quis comparar com energia elétrica, esse valor me paga por quase 3 meses.

    Só que tem uma diferença nisso.
    Se não bastasse o modo de comparação idiota (que denota pela própria burrice da comparação o quanto é um valor alto), ainda podemos usar outra coisa como comparação, seguindo o mesmo raciocínio:

    Moro em um bairro em uma cidade com mais de 600 mil habitantes, com o 20º maior PIB do Brasil. Tem gás (botijão e encanado), tem energia elétrica… mas, não tem internet… e ai? Que tal comparar as coisas direito?

    Comparar maças com batatas e ainda levar uma banana, não tem preço!

  25. Cara, sabe o que muita gente não sacou nisso? É o quanto esta sendo explorado pelas empresas que vendem acesso a internet.

    Se a vivo quer limitar 25 mb/s a 130 gigas, quer dizer que hoje, você pagaria mais de R$ 102,96 (considerando que esse preço é o plano de 10 megas, imagine o de 25?) pela bagatela de 11 horas, 49 minutos e 58 segundos, de uso.

    Ele comparou que em outros países, isso é comum, mas, não me lembro de países avançados tecnologicamente isso acontecer (nem com esse tipo de franquia ridícula), e nem muito menos.. algum lugar do mundo que cobre esse valor, por quase 12 hrs de internet.

    Também, quis “comparar” com gás, nesse valor compro dois (a ainda sobra pra comprar algumas coisas) e cada um dura no minimo 4 meses.

    Também quis comparar com energia elétrica, esse valor me paga por quase 3 meses.

    Só que tem uma diferença nisso.
    Se não bastasse o modo de comparação idiota (que denota pela própria burrice da comparação o quanto é um valor alto), ainda podemos usar outra coisa como comparação, seguindo o mesmo raciocínio:

    Moro em um bairro em uma cidade com mais de 600 mil habitantes, com o 20º maior PIB do Brasil. Tem gás (botijão e encanado), tem energia elétrica… mas, não tem internet… e ai? Que tal comparar as coisas direito?

    Comparar maças com batatas e ainda levar uma banana, não tem preço!

  26. Tenho um link da GVT em casa, e devo confessar que fiquei com calafrios com esse posicionamento da Vivo. Agora é esperar que eles cumpram com os contatos vigentes da GVT, e não imponham esses limites.

    1. Minha dúvida é essa… Tenho, hoje 15mb da gvt. Será que compensa aumentar a velocidade agora para continuar sem franquia? Porque fico com medo de deixar para dar um up na velocidade mais pra frente e a vivo querer empurrar os planos novos limitados.
      Eu assinei com a gvt justamente pela ausência de franquia.

      1. Não, isso não depende da velocidade contratada, mas do contrato em si. Se o seu contrato não traz previsão de franquia, a única forma da GVT/Vivo inclui-la é rescindindo esse contrato e fazendo outro, ou fazendo um aditivo no atual (que precisa da sua aprovação).

        O problema é que, na prática, é fácil para a empresa manobrar a fim de que você aceite uma mudança nas regras. Veja o caso de algumas operadoras, quando começou o lance de bloquear o acesso ao fim da franquia em vez de diminuir a velocidade. Para forçar os clientes a rescindirem o contrato e assinar um novo com essa previsão, elas deram um aumento tímido de velocidade ou franquia e atrelaram essa vantagem a um novo contrato.

        Tem que ficar atento e não aceitar a primeira coisa (ou qualquer coisa) que a empresa oferecer de primeira.

        1. Mas… De certa forma eles não forçariam o novo contrato com o pedido para aumentar a velocidade? Porque eles não respeitam regras da Anatel. Exemplo disso é que praticamente todas as operadoras de fixo que eu conheço aplicam multas no encerramento do contrato antes de completar o primeiro ano. E o pior é que muita gente paga sem saber dos seus direitos…

        2. Mas… De certa forma eles não forçariam o novo contrato com o pedido para aumentar a velocidade? Porque eles não respeitam regras da Anatel. Exemplo disso é que praticamente todas as operadoras de fixo que eu conheço aplicam multas no encerramento do contrato antes de completar o primeiro ano. E o pior é que muita gente paga sem saber dos seus direitos…

        3. A única diferença pra mim foi que aumentaram em R$1 o que cobram pela minha internet móvel. A velocidade e franquia se mantiveram as mesmas de antes. Tente adivinhar qual era a operadora…?

    2. A GVT vai sumir em abril e passar a ser Vivo.
      Não sei qual vai ser a mudança nos contratos com essa mudança.

  27. Primeiramente parabéns pela matéria Rodrigo.

    Quero acompanhar essa novela de perto.

    É extremamente revoltante perceber que isso é uma manobra mais para ganhar dinheiro do que melhorar o serviço (que é como estão vendendo o peixe). Claro que venderão planos adicionais pra quem extrapolar o limite.

    Discutindo com uma galera aqui da firma, isso pode ser também para desencorajar o uso do streaming, já que as operadoras envolvidas possuem TV por assinatura. Não é novidade a “inveja” que a VIVO sente da Netflix.

    Não consigo ver o aumento de custo por se utilizar mais a internet. Por exemplo, a energia elétrica, para ser usada, é necessário ser gerada. Agora a VIVO gera o que??? Ela só conecta o seu computador em um servidor, eu vejo que esse custo da conexão é coberto pela mensalidade que você paga, o custo de manter o link funcionando. Agora se eu faço mais download que a média, quer dizer que a VIVO vai ganhar menos dinheiro??? Não vejo sentido

    Anatel é outro que só decepciona. Nem reclamações adianta fazer lá, um problema meu com a OI teve que ser resolvido na justiça, infelizmente.

    1. não sei porque você sitou tv por assinatura, o texto não está se referindo a ela e sim o consumo de internet.

      1. Qualquer pessoa com bom senso entende que é muito mais vantajoso pagar R$30 por mês do que mais de R$100 por TV a cabo que com uma chuvinha já cai o sinal. Sem contar, é claro, que para ter canais premiums você tem que desembolsar mais uma bela de uma grana que poderia muito bem ser investida em uma Internet mais rápida. Excluindo o fato de que com um computador e uma Internet veloz você baixa qualquer filme por uTorrent antes mesmo de sair na TV a cabo. Independente se você usa sua Internet só para navegar nas redes sociais e sua TV a cabo só para ver filme, não compensa pagar preços exorbitantes em uma TV a cabo quando você pode, em questão de minutos, baixar um filme no computador.

        1. A TV via Cabo é o mesmo cabo da internet não cai com chuva. Os filmes que são baixados na internet que sai antes do que TV a cabo são piratas,estão na ilegalidade.

          1. E você é dono da moral? Se você baixar para uso pessoal não há nenhum problema.

    2. não sei porque você citou a tv por assinatura, a matéria se refere ao consumo da franquia da internet.

      1. As operadoras querem colocar franquias na internet por causa da netflix, onde as operadoras de internet q tabem tem tv por assinatura vem perdendo mercado pra netflix

  28. Primeiramente parabéns pela matéria Rodrigo.

    Quero acompanhar essa novela de perto.

    É extremamente revoltante perceber que isso é uma manobra mais para ganhar dinheiro do que melhorar o serviço (que é como estão vendendo o peixe). Claro que venderão planos adicionais pra quem extrapolar o limite.

    Discutindo com uma galera aqui da firma, isso pode ser também para desencorajar o uso do streaming, já que as operadoras envolvidas possuem TV por assinatura. Não é novidade a “inveja” que a VIVO sente da Netflix.

    Não consigo ver o aumento de custo por se utilizar mais a internet. Por exemplo, a energia elétrica, para ser usada, é necessário ser gerada. Agora a VIVO gera o que??? Ela só conecta o seu computador em um servidor, eu vejo que esse custo da conexão é coberto pela mensalidade que você paga, o custo de manter o link funcionando. Agora se eu faço mais download que a média, quer dizer que a VIVO vai ganhar menos dinheiro??? Não vejo sentido

    Anatel é outro que só decepciona. Nem reclamações adianta fazer lá, um problema meu com a OI teve que ser resolvido na justiça, infelizmente.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!