Anúncio 15% de desconto no Sh*ft Festival com o cupom MANUALDOUSUARIO

Galaxy S5 New Edition, o smartphone cujo preço despencou antes mesmo de ser lançado

Galaxy S5 New Edition?

Entre tantos smartphones da Samsung que são lançados toda semana (literalmente), alguns chamam a atenção. Os topos de linha, por motivos óbvios. Outros, como o Galaxy Gran Prime, pela forte campanha de marketing — e, para quem tem um, pela irritante lentidão. Alguns pelos nomes cada vez maiores e mais bizarros, como Galaxy Core Plus Duos TV (é sério). Com o Galaxy S5 New Edition, porém, a história é outra.

Já tinha visto esse modelo em algumas lojas do varejo há, pelo menos, 25 dias — é até onde chega o histórico de preço do Bondfaro. Essa mesma ferramenta aponta que o valor cobrado pelo Galaxy S5 New Edition jamais havia ultrapassado R$ 1.475 na loja mais barata. Com frequência, ele aparecia por até R$ 1.349, o que era um bom negócio para um topo de linha de 2014 recauchutado.

Gráfico de variação de preço do Galaxy S5 New Edition.
Gráfico: Bondfaro.

Foi com surpresa, pois, que ontem (27/10) a assessoria da Samsung disparou um comunicado à imprensa anunciando o Galaxy S5 New Edition. Um mês, caras! É de se questionar se não é o caso de já ser um Galaxy S5 Não Tão New Edition, né? O preço sugerido, de salgados R$ 1.999, também assustou.

Quando estava compilando a última lista de promoções publicada no Manual do Usuário, havia encontrado o Galaxy S5 New Edition por R$ 1.399 na Americanas e no Ricardo Eletro. Ontem, após a divulgação pela imprensa do anúncio da Samsung, ambas subiram o preço para R$ 1.999. (A Americanas já baixou de novo o preço; neste momento, o aparelho sai por R$ 1.499.)

Consegui pegar uma snapshot do cache do Google, do dia 26/10, mostrando o referido valor promocional:

Galaxy S5 New Edition por R$ 1.399 na Americanas.
Cache do Google, 26 out. 2015 00:43:20 GMT.

Antes mesmo de ser lançado o Galaxy S5 New Edition já tinha estado em promoção por 30% abaixo do valor que a Samsung acha que ele vale. A minha dúvida era se tal situação estava dentro da normalidade ou não.

O que diz a Samsung

Por telefone, conversei com a assessoria da Samsung a fim de entender o que havia ocorrido. Foi-me explicado que diversas áreas atuam simultaneamente no lançamento de produtos e, nesse caso, a assessoria estava alinhada para anunciar o produto ontem mesmo. O aparecimento precoce do Galaxy S5 New Edition no varejo deve ter sido causado por alguém que queimou a largada nessa cadeia que compõe os lançamentos da fabricante no Brasil.

Também disseram que o valor de R$ 1.999 é sugerido pela Samsung e que as lojas têm autonomia e certa margem para trabalharem o preço. A menos que Americanas e Ricardo Eletro estivessem pagando para vender, essa margem é bem grande — quase 1/3 do preço cheio.

É comprovado que smartphones Android desvalorizam pouco tempo depois de chegarem às lojas. Uma pesquisa realizada pelo Zoom, outro site comparador de preços, determinou que os descontos nesses produtos aparecem, em média, a partir do segundo mês à venda. Mas o caso do Galaxy S5 New Edition é único. A menos que eu tenha deixado algum outro passado, é o primeiro smartphone cujo preço despencou (e não foi pouco) antes mesmo de ser lançado.

Quais as diferenças do Galaxy S5 New Edition?

Galaxy S5 New Edition e a versão antiga ao lado.
À direita, o Galaxy S5 original.

Dizem que smartphones Galaxy são como Gremnlins, ou seja, se multiplicam insanamente. E embora dispensem água para tal, um requisito para a multiplicação dos monstrinhos do cinema, pode ter sido o caso do Galaxy S5 New Edition — o Galaxy S5 original era à prova d’água, tal qual essa “nova edição”.

Essa é uma das (boas!) características que permaneceram na releitura do modelo. O Galaxy S5 New Edition, lá fora conhecido como Galaxy S5 Neo, é uma versão modificada do S5 original. Algumas mexidas foram positivas, outras, nem tanto. As diferenças da New Edition para a original são as seguintes:

  • SoC Exynos 7580 Octa, da própria Samsung, com oito núcleos Cortex-A53 rodando a 1,6 GHz em vez do Snapdragon 801 da Qualcomm (quatro núcleos Krait 400 a 2,3 GHz) presente no S5 original.
  • Apenas versão dual SIM.
  • Câmera frontal de 5 megapixels, contra a de 2 megapixels do modelo antigo.
  • Porta USB 2.0 livre, sem portinhola móvel. O Galaxy S5 original tinha uma USB 3.0, porém protegida por uma aparentemente frágil tampinha (vide foto acima).
  • Bluetooth 4.1, contra 4.0 do S5 original.
  • O Galaxy S5 New Edition perdeu as seguintes características: sensor biométrico (o que não faz tanta falta, já que o do S5 era horrível), barômetro, sensor de gestos, infravermelho e capacidade de filmar em 4K.
  • Não está disponível nas cores azul e branco, apenas em preto, cinza e dourado.

Por R$ 1.399, o S5 New Edition parece um bom negócio. Eu gostei bastante do Galaxy S5 — boa empunhadura, desempenho legal, câmera boa e a minha maior crítica à época, os excessos da TouchWiz, foram amenizados no Android 5.1 (que a New Edition traz instalado de fábrica). Chega a ser incrível como, mesmo com as alterações sofridas, certas características ficaram intocadas, como dimensões e peso. Mas por R$ 1.999… Aí é uma bola fora. O Galaxy S6, superior em todos os aspectos, vez ou outra fica abaixo disso no varejo — neste momento Submarino, Ponto Frio, Casas Bahia e Extra vendem a versão dourada por R$ 1.978 à vista.

Resta a esperança de que, mesmo com essa largada pra lá de esquisita, o Galaxy S5 New Edition faça jus às suas origens e, daqui a dois meses, volte ao patamar pré-lançamento, abaixo dos R$ 1.500. A ficar de olho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

70 comentários

  1. Galaxy s5 new edition não é resistente à água, não caiam nessa. E depois de entrar água a samsung ainda exclui o celular da garantia pois entrou água no celular “à prova d’água”. Parece piada, mas não é.

    Agora terei que entrar na justiça para fazer valer meu direito.

    Totalmente arrependido de ter comprado um aparelho da samsung.

    samsung nunca mais.

  2. Gente, em novembro comprei 2 aparelhos, cada um por r $1.139,00 no site do extra com frete gratis… o preço foi que me levou a comprar 2 unidades. Vinha acompanhando o preço e quando vi comprei na hora!

  3. Gente, em novembro comprei 2 aparelhos, cada um por r $1.139,00 no site do extra com frete gratis… o preço foi que me levou a comprar 2 unidades. Vinha acompanhando o preço e quando vi comprei na hora!

  4. @ghedin:disqus , só pra ajudar, outra coisa que “caparam” esse modelo novo aí é que ele não é mais à prova d’água.

      1. Entra na água com ele que vc vai ver se é mesmo, e depois que estragar por ter molhado, a samsung vai falar que não tem garantia pois entrou água no seu celular “resistente à água”, eu cai nesse golpe da samsung, e se vc pesquisar vai achar dezenas de caso e a samsung nem ai. Meu celular não tem 2 meses de uso e esta estragado e não querem cobrir.

  5. Ghedin, preciso discordar sobre o “é o primeiro smartphone cujo preço despencou (e não foi pouco) antes mesmo de ser lançado”.

    Acompanho há bastante tempo o preço de smartphones e isso é extremamente comum no lançamento – principalmente com Androids (o Windows Phone despenca ainda mais, entretanto, demora um pouco mais de tempo).

    Acredito que quem compra Android, não deve ter previsão de revenda com lucro ou preço próximo ao valor pago.

      1. É, esse é o ponto e acho que a parte em que você se confundiu, @disqus_1TXBqyGKZD:disqus. Smartphones Android sempre ficam mais barato depois de lançados. O caso do S5 New Edition é único porque ele ficou mais barato antes de ser anunciado pela Samsung.

      2. É, esse é o ponto e acho que a parte em que você se confundiu, @disqus_1TXBqyGKZD:disqus. Smartphones Android sempre ficam mais barato depois de lançados. O caso do S5 New Edition é único porque ele ficou mais barato antes de ser anunciado pela Samsung.

  6. Ghedin, preciso discordar sobre o “é o primeiro smartphone cujo preço despencou (e não foi pouco) antes mesmo de ser lançado”.

    Acompanho há bastante tempo o preço de smartphones e isso é extremamente comum no lançamento – principalmente com Androids (o Windows Phone despenca ainda mais, entretanto, demora um pouco mais de tempo).

    Acredito que quem compra Android, não deve ter previsão de revenda com lucro ou preço próximo ao valor pago.

  7. Já tem umas 3 semanas que eu acompanho a variação de preço dele, chegou a custar R$1299. Na BF pode ser possível encontrá-lo até por menos. Seria uma boa compra.

    Com a nova TW “mais leve”, talvez o aparelho não sofra, já que o processador dele se equipara a um snap 615.

  8. Vi ele no post de ontem e fiquei me questionando: será apenas mais um Galaxy S alguma coisa Mini?
    Pelo visto, é melhor que isso, pois não capou drasticamente como costuma acontecer nos Minis.

    1. Nos fóruns da vida as pessoas reclamam que ele capou justamente o que importava, o processador. Desse modo, desenvolver ROMs alternativas pra ele já é tão esperado quanto foi pro S4 “alternativo” que foi lançado depois (modelo I9515). Não sai nada!

      1. Mas esse é um problema bem mais específico e não acho que atinge a maioria dos usuários, só quem pretende fazer troca de ROM.
        Aliás, não da pra considerar que o processador foi “capado”, pois parece ser tão bom quanto o original :P

    1. “O Galaxy S5 New Edition perdeu as seguintes características: sensor biométrico (o que não faz tanta falta, já que o do S5 era horrível)”

  9. Às vezes eu pergunto o modelo do Samsung que as pessoas tão usando só pra ouvir “Galaxy não sei o que” ou “Galaxy Core alguma coisa”. ?

  10. Por mais que alguns vejam como “vantagem” esse queda vertiginosa de preço dos Androids após o lançamento, eu acho meio desrespeitoso com o consumidor que não necessariamente tem as manhas: é justo o cara comprar o Galaxy S6 por cerca de R$3K perto do lançamento e 6 meses depois estar uns 60% desse valor? Qual a margem que eles colocam então para “pegar trouxa early-adopter”?

    Aliás, andei pensando um pouco sobre o cenário de preços de smartphones nacionais com o fim dos benefícios fiscais, acho que a Apple acabará ganhando mais mercado por aqui. Passando do nível dos mid-end, não há mais tanta barganha como antigamente e para as pessoas “normais” iPhone tem muito valor…um iPhone 5S por R$2000,00 me parece um concorrente complicado para os Androids.

    1. Acho que essa queda pós-lançamento não é algo exclusivo de smartphones, embora pareça ser mais forte nessa categoria. Comprar no lançamento costuma ser mais caro mesmo — o fator “novo” tem seu preço.

      O comércio sempre encontra formas de lucrar. Talvez seja “exploração”, mas… sei lá. O consumidor é o elo mais fraco, mas tem ferramentas que nem sempre usam. Outro cenário relacionado: a compra de celulares nas lojas da operadora. Esses dias, no shopping, havia um grande banner numa da TIM ofertando o LG Volt por R$ 649. Estava em “promoção”. O mesmo aparelho, no último post de promoções do Manual, saía por menos de R$ 500 no Magazine Luiza.

      1. E esse fator novo em relação ao iPhone perdura 1 ano, fator que garante que ele não vai abaixar até lançar o próximo, as vezes pode até aumentar!!!

          1. Acho que ele se referiu ao fator produto novo. O 6 será o flashgip até lançar o 6s, e assim em diante. As datas de lançamentos são sempre as mesmas, oq gera uma certa estabilidade.

      2. Eu sempre recomendo pras pessoas que eu conheço: compre online!
        São raríssimas as vezes onde a loja física tem preços semelhantes ao online.
        Aqui na minha cidade, por exemplo, todas as lojas físicas vendem os aparelhos pelo preço “de etiqueta”, tomando como exemplo o Moto X Play por R$1499,00. Mesmo à vista, depois de meses do lançamento, o preço é sempre o mesmo.

      3. Eu sempre recomendo pras pessoas que eu conheço: compre online!
        São raríssimas as vezes onde a loja física tem preços semelhantes ao online.
        Aqui na minha cidade, por exemplo, todas as lojas físicas vendem os aparelhos pelo preço “de etiqueta”, tomando como exemplo o Moto X Play por R$1499,00. Mesmo à vista, depois de meses do lançamento, o preço é sempre o mesmo.

        1. curioso esse comentário, porque, imagino q no futuro os shoppings não serão mais lugares pra se comprar muita coisa… vai ser só showroom mesmo. vc vai, olha, e depois resolve se encomenda ou pode encomendar na loja e mandar entregar em casa ou na loja. tenho a impressão q o varejo online vai dominar totalmente a forma de consumo… será curioso qdo isso acontecer.

          1. E é uma possibilidade bem real ao meu ver.
            Hoje eu só compro em loja física coisas como roupa ou quando acho algo muito interessante.
            Tem gente que até roupa e sapato compra online, então deve ta difícil pros lojistas :P

          2. faz um tempo q não entro numa loja pra comprar roupas. tenho comprado online… geralmente da mesma marca, então, qdo entro numa loja pra comprar algo é pq não vendem online ou nunca comprei nada deles…

          3. Comprei um tênis de corrida esses dias pela netshoes. Não chegou ainda, mas eles fazem a troca se ficar grande ou pequeno, sem eu precisar pagar nada.

            Pra mim, além do preço, o que pesou foi a falta de opções no comércio local.

          4. em termos de marca esporta, a adidas funciona muito bem. a nike tb, mas um pouco mais demorada.

          5. Comprei um Adidas Duramo 6, as resenhas foram bem satisfatórias. Ia comprar pelo site da adidas, no outlet, mas achei mais barato ainda no netshoes.

          6. No futuro as pessoas morarão em shoppings. Shoppings serão convertidos em condomínios residenciais.

          7. seria bizarro, mas realmente nada improvável. mas isso beira uma distopia, tá louco.

        2. Um colega de trabalho comprou um Galaxy A5 por 1500, no varejo local, sendo que o preço nas lojas beirava os 900. Mas o importante é que ele não possui cartão de crédito com bom limite e também não tem condições de comprar a vista, aí parcelou no crediário da loja. E isso acontece bastante.

          1. Então, mas se ele usasse mais o cartão de crédito eles aumentariam o limite e aí ele não entraria nesse ciclo nefasto do crediário, onde, dependendo da quantidade de parcelas, pode pagar até 70% do aparelho a mais (fora não ter os descontos do online).

          2. O pior é que ele sempre usa até a baga do limite.

            O que sugeri para ele, que já possuía um Xperia C, foi poupar o dinheiro que ele pagaria na prestação do A5 até ter um valor cuja soma da venda do Xperia C rendesse um aparelho novo com um pucta desconto nas lojas online.

            Mas as pessoas sempre arranjam uma desculpa para ter o aparelho novo AGORA.

            EDIT: Se ele vendesse o Xperia C por uns 400, poderia comprar um novo, a vista, em cerca de 4 meses.

      4. Acho estranho que a Motorola não tem essa flutuação absurda…o Moto X que saiu por R$1,5K nunca baixou tanto durante o ano em que era o high-end da Motorola…mas já saiu com um preço mais realista. O preço da Apple é praticamente estável por sua vez.

        Acho complicado porque, por exemplo, eu não achava que o Galaxy S6 ficaria tão mais barato assim (LG G4 baixou mais rápido ainda). Não sei, por exemplo, se vale a pena comprar um Style agora ou se daqui a 6 meses estará por R$1500,00. Tudo bem que smartphone é algo que defasa rápido, mas 30-40% de diferença em 6 meses eu realmente não entendo como…

        1. De fato, os da Motorola não caem tanto de preço.
          Acho que é por causa da procura. Todo mundo procura um Moto G ou Moto X, ai aproveitam e mantém o preço…
          O X baiscamente baixou de R$1500,00 pra R$1300,00 como preço oficial, mas ficou por ai.

          Aliás, raramente vi promoções do Moto X. É comum encontrá-lo por pouco menos de R$1200,00 no boleto, mas basicamente é o desconto do pagamento à vista. Promoção mesmo quase não vi…

          1. Atualmente tem por ~R$ 1.000,00 direto. Inclusive paguei isso no meu há uns 3 meses.

          2. Pelo menos nas maiories lojas (tipo as da rede B2W), isso não é comum. Claro, existem outras lojas como a CissaMagazine que ta esse preço mesmo, mas não são de conhecimento do grande público.

          3. Os preços q tenho visto são em lojas grandes. Não lembro se exatamente do grupo b2w.
            Eu comprei no ponto frio no mês 5 e lembro q foi a primeira promoção nesse valor.
            De lá pra cá já vi até de R$ 900,00. Lógico q é desova de estoque.

          4. Anteontem dois modelos estavam por R$ 930 na Americanas e todos os demais por R$ 1.030. Baixou bem e ainda é um celular legal :)

          5. Bah, eu nunca vejo essas coisas =/
            To me coçando pra trocar o Nexus 4 por um X 2014 ou X Play, mas como disse, sempre que vou atrás de preços está a mesma coisa. Até as newsletters da Americanas e MagazineLuiza eles sempre aparecem com o mesmo preço.

          6. Não vale a pena pegar um Moto X 2014 pelos graves problemas na tela.

          7. Graves? Me desculpe mas tenho um a praticamente há um ano e nunca apresentou problemas na tela

          8. Ouça o Podcast do Tecnoblog (o Higa falou sobre isso) e procure em fóruns sobre a tela – amarelada e com sérios problemas de burn-in.

          9. Tela amarelada é normal, uma característica de telas AMOLED super saturadas.

            Sobre os problemas de burn-in, dei uma pesquisada aqui e encontrei alguns relatos isolados de defeitos na tela. Acontece. Todo produto manufaturado está sujeito a vir com falhas. Mas daí a generalizar ou associar algo assim a uma falha de projeto… é complicado, viu.

          10. Sim, mas já saiu o Moto X Style e o Play…o Galaxy S6 saiu em Abril e, 6 meses depois, já tem um desconto maior do que o Moto X depois de mais de um ano de lançamento.

          11. Porque o S6 é lançado com altas margens de lucro. Ja o MotoX não, por isso a diferença de preços fica tão baixa. Não é que tá bom porque tá com desconto, é porque não vende ai eles vão abaixando o preço até ficar com uma margem “pequena” e vem aqueles preços “maravilhosos”.

          12. Porque o S6 é lançado com altas margens de lucro. Ja o MotoX não, por isso a diferença de preços fica tão baixa. Não é que tá bom porque tá com desconto, é porque não vende ai eles vão abaixando o preço até ficar com uma margem “pequena” e vem aqueles preços “maravilhosos”.

        2. tem aquele lance do preço de âncora, né? talvez esteja na estratégia de marketing das empresas fabricantes chegar com um aparelho por 1999 e depois dar margem pra baixar. só q se o aparelho nunca custaria 1.999 reais e ele aparece por 1.399 e vc não está por dentro do valor real do aparelho, já era, vc já tem um preço em mente e acha q está fazendo um bom negócio. a margem de lucro das empresas é baixo, mas são dados confiáveis? pelo q eu saiba, ninguém revela a margem de lucro tão facilmente assim.

        3. tem aquele lance do preço de âncora, né? talvez esteja na estratégia de marketing das empresas fabricantes chegar com um aparelho por 1999 e depois dar margem pra baixar. só q se o aparelho nunca custaria 1.999 reais e ele aparece por 1.399 e vc não está por dentro do valor real do aparelho, já era, vc já tem um preço em mente e acha q está fazendo um bom negócio. a margem de lucro das empresas é baixo, mas são dados confiáveis? pelo q eu saiba, ninguém revela a margem de lucro tão facilmente assim.

          1. De fato, a alavanca pode ser uma explicação…apesar de não saber se isso está funcionando bem: para a maioria das pessoas, provavelmente Apple é sempre melhor e já era…então isso só deixa a pessoa mais tentada a ir no concorrente. Claro, isso é um chute de que a marca de LG e Samsung não consegue chegar perto da força da marca Apple.

            Sobre os lucros, para abertura de capital é necessário divulgar resultados trimestrais e, pelo menos nos EUA, tem a lei SOx que regulamente esse tipo de coisa para evitar maquiagens como a que deflagrou a crise de 1930. Em teoria, é obrigação legal e, por isso, empresas como Dell decidem fechar capital para trabalhar com mais “tranquilidade” sem a necessidade de bons resultados trimestrais.

          2. hum, nutro desconfiança desses balanços. não sou especialista nem nada e só posso mesmo nutrir desconfiança. não tenho interesse em teorias conspiratórias, mas sei lá, o mercado financeiro não me parece ser confiável, especialmente depois do q se viu na crise de 2008 e seus desdobramento em termos de punições. há auditorias, claro, mas, sei lá… qdo dizem q margem de lucro com celulares android é mínima eu fico meio cabreiro, pq essas empresas precisam mostrar resultado e ganho, do contrário, eles invertem o jogo qdo a coisa chega ao limite. eu presumo q eles tenham lucro sim, mas, sei lá, por algum motivo isso não é destacado como no caso da apple, q tb não sei se é verdadeiro de fato. enfim, não sou a melhor pessoa pra discutir sobre isso, já q não sinto muita confiança no ambiente mesmo.

          3. Fugindo um pouco do tópico, mas sobre a crise de 2008: nesse caso foi um “simples” erro de estimação de risco das super respeitadas agências de análise (as mesmas que dizem que país X ganhou ou perdeu notas/estrelas) em relação a títulos de imóveis. Investimento sem valor que era considerado altamente seguro. Caso seja de interesse, esse assunto é muito bem discutido no livro “Sinal e Ruído” do Nate Silver, recomendo fortemente a leitura.

            A próxima crise, chuto eu, deve ser essas startups que valem bilhões sem receita e nem planos para tal…o menor dos problemas do mercado financeiro são números falsos.

          4. Mesmo com os resultados de cada trimestre. Não se vê quanto a margem de lucro. Eles divulgam diversos dados, mas não a margem. Existem consultorias que fazem estimativas do preço, mas ainda sim é quase um tiro no escuro.

        4. Acho que você não acompanha as promoções. Já vi o Moto X 2014 algumas vezes na casa dos R$ 700 e o Moto X Play por R$ 1.000.

          Não entendo, como você afirma que não entende a queda nos preços. Você acha mesmo que um Moto Maxx, S6, iPhone 6 ou LG G4 vale o preço cobrado no lançamento?

          1. O problema não é o quanto e sim o quanto as pessoas aceitam pagar: todo mundo sabe que o iPhone é o telefone com maior lucro, mas nem por isso ele está em promoção todo dia. Ou melhor, praticamente nunca está.

            A questão é que esse comportamento é estranho, não acompanho preço de muitas outras coisas, mas essa flutuação é suspeita: um carro não baixa 30% do seu valor poucos meses depois do lançamento.

            E não acompanho promoções mesmo, só vi algumas de Moto X por R$900,00 mas o problema maior é que o preço de tabela é simplesmente mentira: assim como esse Galaxy, simplesmente nunca teve o preço anunciado.

            Uma questão importante nessa discussão: em outros países, existe essa flutuação de preços?

          2. Nos EUA, não, mas lá a lógica é diferente (contratos, preços subsidiados etc).

            Alguns outros mercados têm essa dinâmica. Jogos, por exemplo. Quem compra no lançamento paga (muito) mais caro. Há vantagens em alguns casos, como nos de multiplayer com progresso do personagem (quem começa mais cedo tem mais chances de dominar), mas muitos esperam alguns meses para comprar o mesmo jogo com… sei lá, 50%, 60%, até 80% de desconto.

            Tem gente que paga mais caro por desconhecimento, pressa, condição (parcelado em vez de à vista) e outros fatores. Quem tem mais tempo, mais disposição e menos pressa, costuma economizar — e isso vale para tudo. Nos smartphones é mais descarado, mas é regra de mercado mesmo. E pelo tempo que as fabricantes trabalham assim aqui no Brasil, é de se suspeitar que seja uma estratégia funcional (por ora, pelo menos).

O site recebe uma comissão quando você clica nos links abaixo antes de fazer suas compras. Você não paga nada a mais por isso.

Nossas indicações literárias »

Manual do Usuário