Como o jogo mais popular do Brasil caiu nas graças do povo

Personagem de Free Fire em um local com palmeiras, de costas e fortemente armada.

No final de julho, centenas de milhares de brasileiros se ligaram no YouTube para assistir a uma mesma transmissão ao vivo na plataforma. Em dado momento, quase 800 mil pessoas acompanhavam, simultaneamente, a grande final de um campeonato de Free Fire, uma das maiores audiências da história da plataforma no Brasil, superior à de jogos de futebol badalados como a partida entre Corinthians e Racing pela Copa Sul-americana, que juntou 438 mil espectadores simultâneos no início do ano. Free Fire é um joguinho de celular.

Disponível para Android e iOS, Free Fire foi desenvolvido e é distribuído pela Garena, de Singapura. Foi lançado no final de 2017 em uma tentativa de surfar no sucesso do gênero “battle royale”, em que dezenas de jogadores são colocados em um mapa virtual delimitado com o objetivo de matar uns aos outros até que sobre apenas um. É um jogo violento; no Brasil, ele não é recomendável a menores de 14 anos.

Print de uma partida do jogo Free Fire.
Uma partida de Free Fire. Imagem: @rnojx/Twitter.

O sucesso abrupto do precursor do gênero, o jogo sul-coreano PlayerUnknown’s Battlegrounds (mais conhecido pela abreviação PUBG), e do avassalador Fortnite, da norte-americana Epic, consolidou o estilo no mercado de video games e pressionou outras desenvolvedoras a seguirem seus passos. Dos esperados, como o tradicional jogo de tiro Call of Duty, até os menos suspeitos, como o quebra-cabeça Tetris (?), o “battle royale” tomou de assalto os títulos multijogador.

Free Fire, em essência, é bastante conservador, no sentido de que não tenta reinventar a roda. É um jogo muito similar àqueles em que se inspirou, próximo da linha que separa a inspiração da cópia. Seu grande diferencial é a natureza móvel: diferentemente dos rivais diretos que despontaram em computadores e passaram aos video games de mesa antes de chegarem aos celulares, Free Fire nasceu e existe apenas nas telinhas que carregamos nos bolsos.

A Garena, responsável pelo Free Fire, foi fundada em 2009 por um empreendedor chamado Forrest Li. A empresa atua em duas frentes principais: o desenvolvimento de jogos próprios que são distribuídos no mundo inteiro e a aquisição dos direitos de distribuição em sua região (Sudeste asiático) de jogos de outros estúdios. Em paralelo, ela mantém desde 2010 uma espécie de rede social para jogadores chamada Garena+, que viabiliza a comunicação, gerenciamento de conquistas nos jogos e a criação de grupos ou clãs — basicamente o mesmo que outras plataformas mais conhecidas no Ocidente, como o Steam da norte-americana Valve.

Embora a marca “Garena” continue sendo usada nos negócios envolvendo video games, em 2014 o grupo foi rebatizado de Sea. Em outubro de 2017, a Sea abriu seu capital na Bolsa de Nova York. Hoje, vale US$ 13,8 bilhões (cerca de R$ 56,6 bilhões). O valor das ações praticamente triplicou em 2019.

No Brasil, receita e memes

Como um jogo criado em Singapura explodiu no Brasil? Embora seja um inegável sucesso, Free Fire não está no vocabulário dos “não iniciados”, ou seja, seu nome não diz muito para quem não joga ou tem contato com alguém que o jogue, o que sugere uma grande força de propagação orgânica — no boca a boca — e/ou via anúncios segmentados.


Receba a newsletter (grátis!):


Um dos primeiros reflexos do sucesso de Free Fire no país apareceu em um relatório da consultoria Sensor Tower, que apontou o jogo como o aplicativo mais rentável do Brasil em 2018, à frente da Netflix e do Tinder — segundo e terceiro colocados no ranking geral — e de jogos mais conhecidos do grande público, como Clash Royale (que já teve campanha na TV aberta) e o infame Candy Crush Saga.

Gráfico mostrando os top 10 de apps/jogos mais rentáveis, mais rentáveis no iOS e mais rentáveis no Android.
Gráfico: Sensor Tower/Reprodução.

Free Fire é um jogo gratuito, ou “free to play” na terminologia do setor. A Garena fatura atuando como uma espécie de casa de câmbio exclusiva, trocando dinheiro de verdade por diamantes, uma das moedas virtuais que movimentam a economia interna do jogo. De posse dos diamantes, os jogadores podem comprar itens virtuais, desde os meramente estéticos (roupas e acessórios) até armas especiais que podem melhorar seu desempenho nas partidas. E a receita funciona bem: Dados recentes da Sensor Tower apontam que Free Fire faturou US$ 35 milhões no mundo inteiro somente no mês de agosto de 2019 — 68,5% desse total no Android, invertendo a lógica da indústria, em que apps costumam faturar mais em suas versões para o iOS, da Apple.

A popularidade local de Free Fire fez aflorar o talento nato do brasileiro de fazer meme de qualquer coisa. Mesmo alguém que não usa tanto redes sociais não escapa dos incontáveis memes baseados no jogo.

Um tema recorrente é a exaltação do caráter viciante do jogo. O jovem disputando uma partida enquanto sua parceira amorosa aguarda pacientemente ou tenta disputar a atenção dele com Free Fire (o jogo sempre vence) ou os pais que batizaram a filha de Rosa porque a mãe gostava de flores e o filho de “Freefireson” (autoexplicativo). Namoradas insatisfeitas criaram outro meme em que desfocam o parceiro porque “a câmera não foca em namorado que me troca por Free Fire“.

Print de homens mexendo em celulares com a legenda "É isso q o Free Fire faz com o homem".
Imagem: @jaohighline/Twitter.

Outros tantos absorvem e ressignificam elementos que, dentro do jogo, têm qualidades distintas das esperadas. “Suponhamos que eu tenha mil diamantes”, pergunta o professor Girafales em um desses memes. “Me dá uma máscara de caveira”, responde Chaves no quadrinho seguinte, no que se presume que, na lógica do jogo, a tal máscara é um item desejado e valorizado. Muitos memes são feitos com base no dialeto interno, com termos como “rushar”, “Zé Carrinho” e “Zé Casinha”.

Os memes também apelam à função básica da sátira, a crítica. Há incontáveis fazendo graça de supostas falhas no jogo da Garena e com a ineficiência da plataforma em se livrar de hackers que, usando de trapaças, desequilibram o jogo justo. Personagens genéricos livremente inspirados em atores e personagens famosos da ficção também entram na dança.

Comparação entre atores de produções da Netflix e personagens genéricos de Free Fire.
Imagem: @garena_brasil/Instagram.

E ainda tem as festas temáticas de Free Fire, um fenômeno aparentemente comum entre jovens adultos.

Painel e bolo com temática de Free Fire.
Imagem: @vslsara/Twitter.

Páginas no Facebook e perfis no Twitter e Instagram com centenas de milhares de seguidores produzem e distribuem o conteúdo, sem se preocuparem muito com atribuições de autoria. No YouTube, compilações de cenas engraçadas ou curiosas também são facilmente encontradas. E as músicas sobre Free Fire, um potente validador de modas e tendências culturais, também estão acessíveis na plataforma de vídeos do Google. Não uma, mas várias — Jogando Free Fire do MC Denny e Funk do Desafiante de Free Fire, Funk do rushadão de Free Fire e Funk dos Platinas de Free Fire, entre outras, do Quick Irônico.

Como que para coroar a boa fase, em junho deste ano Free Fire foi apontado o jogo para celulares mais popular do Brasil na pesquisa anual de mobilidade do site Mobile Time/Opinion Box.

O sucesso no mercado brasileiro parece ter pego a Garena de surpresa. A subsidiária brasileira ainda estava sendo montada no início do ano. Ela é liderada pelo executivo Fernando Mazza, contratado em dezembro de 2018. Mazza foi a Xangai, onde fica um dos principais escritórios da Garena, para fazer treinamento. Pelo LinkedIn, ele disse que a operação local começou para valer em janeiro de 2019. Em abril, Lucas Brito foi contratado para o cargo de gerente de comunidades do Free Fire. Ambos declinaram os pedidos de entrevista do Manual do Usuário.

Com a negativa daqueles que fazem Free Fire, restou conversar com outros atores desse ecossistema precoce e calcado em um jogo violento de celulares para entender melhor o fenômeno.

O rei do streaming móvel

Pode-se dizer que um segmento de negócios está quente quando os tubarões da área sentem o gosto do sangue e saem em disparada para abocanhar a oportunidade. Por este parâmetro, é seguro dizer que o streaming de video games está fervendo: Amazon (Twitch), Google (YouTube) e Microsoft (Mixer) disputam a tapa a atenção que milhões de pessoas dão a outras pessoas jogando e comentando video games por horas a fio.

A Nimo TV tem o mesmo diferencial do Free Fire: nasceu no e para celulares. Com essa premissa, funciona como um ótimo termômetro para medir a popularidade desses jogos. “Não posso revelar números exatos, mas posso dizer que [Free Fire] é a maioria dos streamings assistidos na plataforma”, contou-me Lucas Peng, country manager da Nimo TV no Brasil.

Outra similaridade é que a Nimo TV também veio do Oriente, mas da China. Lá, a plataforma atende por Huya, mesmo nome da empresa que a administra. Criada em 2016, ela abriu seu capital na Bolsa de Nova York em maio de 2018 e atualmente vale US$ 4,9 bilhões (cerca de R$ 20 bilhões).

“Jogos mobile não param de crescer”, explicou Peng. “É fato que o Brasil adora internet, celular — tem mais de um smartphone por habitante. Era uma tendência natural. Os millennials pularam a parte de PC, entraram na internet só via celular. Esse é um ponto importante. Outro saiu na pesquisa Game Brasil recentemente, de que hoje a maioria das pessoas que se consideram jogadores prefere jogar no celular. Tem toda uma tendência de casualidade, de jogar enquanto esperam uma consulta, por exemplo”. A última edição da referida pesquisa, com dados coletados em fevereiro de 2019, apontou o celular como a plataforma mais popular na hora de jogar — 83% dos respondentes disseram jogar nele, quase o dobro dos que afirmaram jogar em video games de mesa (48,5%). Além disso, o celular também é a plataforma preferida da maioria — 45,3% contra 26,5% do segundo colocado, os video games de mesa.

Desenho do personagem Miguel, inspirado no Capitão Nascimento, do jogo Free Fire.
Imagem: Garena/Divulgação.

Ok, o brasileiro adora jogar no celular, mas por que gosta (e gasta) tanto do Free Fire? O fato de um dos personagens jogáveis lembrar muito o infame Capitão Nascimento dos filmes Tropa de Elite, de José Padilha, pode ter ajudado, mas está longe de explicar o fenômeno. (Em maio, sem explicação, a Garena mudou o visual do personagem.) É difícil responder satisfatoriamente esta pergunta. Apesar disso, há elementos que se destacam na interseção entre Free Fire e a realidade brasileira e indicam um caminho promissor na busca por respostas.

O “battle royale” da massa

Como qualquer plataforma de streaming, a Nimo TV também tem seus influenciadores. Há um sistema centralizado de incentivos financeiros da própria plataforma para jogadores dispostos a passarem horas de seus dias transmitindo jogos para seguidores, o que fomenta o surgimento de micro-influenciadores. É o caso de Tamy Watanabe, 21 anos, moradora de Belo Horizonte (MG). No Free Fire, ela atende pelo codinome Korah.

Há quase um ano fazendo streaming profissionalmente, Korah passa cerca de seis horas por dia jogando e interagindo com os espectadores. Hoje, vive exclusivamente dessa atividade e já chegou a faturar US$ 1.400 (quase R$ 6 mil) em um mês, entre o incentivo da Nimo TV e doações feitas ao vivo nas transmissões por seus seguidores.

Antes de conhecer o Free Fire, Korah era entusiasta do MOBA Arena of Valor, da chinesa Tencent. (A Tencent já investiu algumas vezes na Sea/Garena.) No começo, ela conciliava as transmissões dos dois jogos, mas depois de um tempo voltou-se completamente ao jogo de tiro.

Para ela, há dois fatores que explicam o sucesso de Free Fire no Brasil. Primeiro, a frequência de novidades que o jogo recebe. “Todo mundo fica ligado para acompanhar”, explica. “Estão integrando muitas coisas, como o Contra Squad, e quando tem novidade o pessoal fica com vontade de jogar”. Eventos temáticos, novos itens cosméticos e até modos de jogo inéditos são constantemente acrescentados ao jogo. O “Contra Squad” a que ela se refere é um modo para oito jogadores que se dividem em duas equipes. Foi lançado em meados de agosto deste ano.

Chamada de vídeo no YouTube ensinando a rodar Free Fire em celulares antigos.
Tutoriais no YouTube prometem fazer o jogo rodar em celulares lançados em 2013. Vídeo: LS Games.

O outro é, talvez, mais importante: o jogo é leve. “[Free Fire] é mais leve, mais fácil de rodar em celulares [simples]. Nem todo mundo tem celular que rode PUBG“, diz a streamer. Peng ecoa essa suspeita, ressaltando que ela não se baseia em dados ou qualquer informação da Nimo TV: “O Brasil é um país sempre muito interessante e interessado em modas. Quando uma moda pega lá fora, o Brasil tenta achar um jeito de acompanhá-la. ‘Battle royale’ foi uma moda muito forte, mas por que Free Fire? Arrisco dizer — uma opinião muito pessoal — que o Free Fire faz umas coisas mais simplificadas, como a casualidade (no máximo 50 jogadores, contra 100 dos rivais) e os requisitos exigidos dos aparelhos são um pouco menores que os do PUBG. Essas duas coisas somadas [tornam] o jogo certo e as especificações mais adequadas ao Brasil”.

O Brasil é um país de celulares intermediários. Os iPhones e Galaxy S que dominam as manchetes dos sites especializados e costumam virar notícia nos grandes jornais são produtos para poucos. De acordo com a consultoria IDC, o preço médio dos celulares vendidos por aqui no segundo trimestre de 2019 foi de R$ 1.252. Roda PUBG e Fortnite? Provavelmente sim, mas não com a mesma fluidez que um Free Fire, que, sempre bom relembrar, nasceu em celulares, não é uma variação de um jogo feito primeiro para computadores e video games de mesa, equipamentos capazes de rodar jogos muito mais complexos e pesados.

Pessoas jogando Free Fire enquanto esperam o início de um show musical.
Ou no esquenta de um show. Imagem: @godssavetheguy/Twitter.

Depois que o jogo ganha massa crítica, o crescimento se espalha quase naturalmente. Peng continua: “E, lógico, acho que depois disso vira uma bola de neve. Alguém que está começando a jogar no celular vê que todo mundo está jogando Free Fire, então é mais interessante jogar Free Fire também porque vai ter mais jogos rolando sempre, sem esperas para começar uma partida. A pessoa está na escola, no intervalo, no consultório médico, todo mundo sabe que tem essa promessa de que em 10 minutos você termina a partida, coisa que outros jogos não têm”.

O mundo descobre Free Fire

Demorou, mas marcas mais estabelecidas no Brasil descobriram o sucesso do jogo da Garena. Desde julho, o Google distribui diamantes na compra de cartões físicos de crédito para sua loja digital, o Google Play. E no final de agosto, a Samsung passou a oferecer uma “skin” (roupa digital para os personagens) exclusiva de Free Fire para todos os consumidores que adquirirem um celular novo da linha Galaxy A.

Anúncio da Samsung prometendo uma jaqueta dentro do Free Fire para quem comprar um celular da linha Galaxy A.
Imagem: Samsung/Divulgação.

Essa movimentação também se estende aos eSports, competições de video games valendo prêmios em dinheiro e assistidas por milhares de pessoas via streaming. O recorde de público virtual citado no início da reportagem foi de um campeonato promovido pela BBL, holding de entretenimento parceria da Garena e que faz a competição oficial de Free Fire no país, a Pro League. Há ainda uma competição paralela criada pela National Free Fire Association, a Liga NFA, que também agita os jogadores brasileiros interessados em serem os melhores do país. Free Fire virou um grande negócio para muita gente além da Garena.

Para a desenvolvedora singapurense, a disputa no mercado de jogos segue tão intensa quanto uma partida de “battle royale”. Em uma tentativa de conquistar o público perdido para o rival singapurense, a Tencent lançou no Brasil uma versão “lite” (mais leve) do PUBG no final de agosto. A Epic, do líder global Fortnite, está envolvida em outras batalhas para controlar a distribuição da sua galinha dos ovos de ouro. No Android, o jogo é distribuído fora da Play Store para evitar o pedágio de 30% do Google nas compras feitas em apps e jogos baixados da loja oficial do Android. É outro fator que afasta o jogador casual, que por desconhecimento ou receio não se aventura fora da loja oficial de apps do seu aparelho.

O foco em Free Fire continua, mas a Garena não quer ser conhecida como uma “one hit wonder”. Recentemente, a empresa lançou seu segundo título no Brasil, Speed Drifters, um jogo de carro nos moldes do clássico Mario Kart da Nintendo. Coincidência ou não, o lançamento se deu semanas antes da própria Nintendo lançar para celulares o jogo que inspirou o segundo título da Garena. É difícil um raio cair duas vezes no mesmo lugar — neste caso, o jogo derivado superar aquele em que se inspirou —, mas pode acontecer.

Imagem do topo: Garena/Divulgação.

Acompanhe

  • Telegram
  • Twitter
  • Newsletter
  • Feed RSS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 comentários

  1. estranho, nunca ouvi falar…
    eu não jogo ***nada*** (a não ser umas partidinhas de freecell) mas meus colegas de trabalho todos estão envolvidos com games…meu colega do lado estava comentando na sexta-feira a BGS, os cosplays, etc…não ouvi nenhum deles falar sobre esse game

  2. Achei interessante o contraste entre o destaque dado aos memes que representam mulheres como desinteressadas no jogo em si, supostamente frustradas por disputarem a atenção de seus pares homens, e à apresentação de um perfil de jogador popular ser justamente o de uma streamer mulher.

    1. O Manual do Usuário sempre privilegia fontes não-homens heteros em suas reportagens. Isso é especialmente importante em ambientes hostis a minorias, caso da misoginia nos video games.

  3. Brasileiro adora falar de iPhone e Galaxy Note e ficar comparando AnTuTu mas tem um Galaxy J ou Moto G.

    Esse é o motivo.

    Free Fire roda melhor nesses dispositivos.

    1. Se falar sobre a maioria da população, junta três coisas: baixo poder de compra, preço alto de smartphones poderosos e falta de conhecimento sobre especificações técnicas (“em parte” diminuído pelos youtubers que recomendam xiaomi). Sobra pra maioria da população comprar Moto G e Galaxy J mesmo. Nenhum deles vai rodar um Fortnite pra android, talvez nem o PUBG mobile (o lite roda em Moto G5, mas o full não), e acaba que o Free Fire é a opção ideal de jogo. Leve, fácil de usar e tem partidas rápidas.

      Jogar PUBG mobile no celular é um saco se você for cauteloso. As partidas levam quase 40 minutos pra acabar. Por outro lado um game pensado para celular desde o começo consegue ser mais dinâmico. E isso Free Fire entrega, mesmo que (talvez) tenha física e gráficos inferiores.

  4. Excelente materia! Muito bem apurada.
    Eu estava refletindo sobre os numeros de jogadores e o predominio do mobile. Meu chute seria que o numero de jogadores de console e pc pode estar relativamente estável, mas o celular aumentou muito a base total de jogadores possiveis, inclusive atraindo jogadores casuais, que nao comprariam um aparelho “so” para jogar. Deve ser bem dificil conseguir as estimativas de números absolutos para ver qual efeito predomina.

    Sobre o porque de free fire ter ficado popular, acho que a tese principal do artigo é: a gente queria jogar Fortnite e pubg, mas nao rodou no celular. Qual a alternativa que roda e é de graça? Depois vem efeito de rede e boca a boca. Faz bastante sentido para mim!

    Abraço!

  5. Eu sou professor de ensino médio, então conheço essa febre por Free Fire desde o ano passado. É um jogo que se tornou quase “obrigatório” entre os jovens, pq já tá ficando difícil conhecer algum que não jogue. Isso até já me rendeu algumas situações em sala de aula 😅.

    Matéria excelente, sempre quis entender pq o Free Fire é tão popular aqui, enquanto sempre lia a mídia falando apenas de PUBG e Fortnite.

  6. O texto está muito bom, mas tem algumas coisas que me incomodaram no decorrer da minha leitura. Se me permite, indico algumas pequenas correções:

    i) Free Fire é “fremium” e não Free-To-Play porque ele vende itens que melhoram a sua capacidade dentro do jogo. FTP seria se as vendas fossem apenas cosméticas (como PoE e tantos outros).

    ii) Vídeo game de mesa é chamado de “console” (ou consola em Portugal). ME soou muito estranho ler isso. Não chega a ser uma correção mas só uma dica de terminologia.

    iii) Rushar (assim como grindar, partear etc) são termos que vem bem antes do Free Fire, no texto dá a entender que são próprio do jogo =P

    ~~

    Eu acho que a tendência de jogar no celular está explicada pela própria Tamy Watanabe (ainda que não existam explicações simples para questões complexas): o brasileiro compra celulares baratos (o ticket médio informado no texto deve ser bem mais baixo quando falamos de adolescentes, inclusive) e isso torna os consoles muito menos apelativos a esse público. Computadores com CPU de uma geração nova, GPU dedicada, SSD, e mais 16GB de RAM tendem a ser ainda mais caros. O maior apelo pra mim está aí. Jogos de celular sempre vão ser mais barato na entrada (compra de HW e diversos modelos fremium) do que ter que comprar um console/PC e ainda comprar o jogo (ignorando que pirataria exista no PC, só para efeitos de comparação).

  7. Além do modismo, é interessante ver essa consolidação do negócio de games e e-sports no Brasil. Existe um grande potencial no mundo e o Brasil é um mercado com espaço para crescimentos absurdos. Deve ser tendência nos próximos anos e ainda tem muito pouca gente olhando para isso.

  8. Aqui na minha cidade (Betim-MG) eu percebi essa febre um dia quando estava cortando cabelo. Alguns rapazes no salão não paravam de falar sobre o jogo (que aparentemente tem um senso de comunidade fortíssimo ), e sobre as batalhas entre esquadrões/gangues inter-bairro ehehe.
    Ótima mateira , como sempre :3
    Cheers !

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!