Firefox para Windows 8 é cancelado devido à falta de interesse dos usuários

Parece que foi ontem, mas o Windows 8 já está no mercado há um ano e meio. Para qualquer empresa de desenvolvimento média ou grande, prazo generoso para portar ou criar um app. Considerando a fase de testes do sistema, que embora não trouxesse a Loja do Windows, em certa altura passou a permitir o desenvolvimento e depuração de aplicativos Metro/imersivos, lá se vão mais de dois anos.

O Windows 8, analisando bem, não é carente de grandes apps. Os principais estão lá, disponíveis na Loja: Facebook, Twitter, Foursquare (em versão exclusiva, ainda que de utilidade duvidosa, para tablets), Netflix, Skype… Com uma ou outra exceção, são apps inferiores aos equivalentes de plataformas rivais, mas marcam presença e amenizam a impressão de se estar em um deserto de apps ao iniciá-lo pela primeira vez.

Firefox Metro: desenvolvimento cancelado.
Screenshot: Mozilla.

Na última sexta-feira (14), o novo ecossistema da Microsoft teve uma baixa considerável. Johnathan Nightingale, vice-presidente do Firefox, anunciou o cancelamento do Firefox para Windows 8 em um blog oficial. A justificativa para encerrar um trabalho que vinha de longa data foi o baixo interesse dos usuários (grifo meu):

“Nos meses que se seguiram [desde o lançamento da versão beta], na medida em que a equipe testava e refinava o produto acompanhamos a adoção [da versão] Metro. Pelo que pudemos ver, ela é nula. Em qualquer dia nós temos, por exemplo, milhões de pessoas testando versões de pré-lançamento do Firefox para desktop, mas nunca vimos mais do que mil usuários ativos diários no ambiente Metro.”

Esse dado alarmante da Mozilla, de que menos de mil pessoas por dia testavam a versão moderna do Firefox, denota um problema de longa data: o desinteresse pelos apps em tela cheia e interface imersiva que estrearam com o Windows 8.

Em maio de 2013, a Soluto, que oferece uma solução de assistência remota e otimização de sistemas para Windows, liberou dados de uso do Windows 8 colhidos de usuários do seu app. Uma amostragem pequena e que exclui o Windows RT (a versão para processadores ARM que, apesar de rodar apenas apps modernos, vira e mexe fica sem eles, como no recente caso do VLC), mas que fortalece o discurso de que os usuários ignoram apps modernos em prol dos tradicionais, aqueles que rodam na área de trabalho clássica.

Cerca de 60% dos usuários de Windows 8 em sistemas sem tela sensível a toques abre menos de um app moderno por dia a cada semana. Em equipamentos touchscreen, esse perfil responde por 44% dos usuários analisados — melhor, mas ainda preocupante se levarmos em conta que a interface ideal, a tela que aceita comandos, está presente.

De quem é a culpa? Não dá para apontar o dedo para uma única causa. Na verdade, é uma série de fatores compartilhada entre Microsoft, desenvolvedores, fabricantes. A própria ideia inicial da Microsoft, de contemplar cenários tão distintos em um único sistema, dispersa a atenção, fragmenta a experiência e joga contra todos os esforços, sejam quais forem, em promover apps modernos.

Para a Microsoft, não ter o Firefox para Windows 8 é um forte sinal de desconfiança em relação à plataforma. Mas nem sempre ter a atenção dos concorrentes é exatamente bom. Em uma das últimas versões do Chrome, o Google se aproveitou de uma abertura nas políticas do sistema exclusiva para navegadores e recriou, dentro do Windows 8, o Chrome OS. Como um cavalo de Troia, o Chrome pode ser tudo o que o usuário vê no sistema, caso ela queira limitar-se a isso.

Ser ignorado ou servir de base para um sistema concorrente? Ambas as opções são indigestas e, alguns poucos anos atrás, impensáveis para o Windows. O mundo dá voltas, e rápido.

Acompanhe

  • Telegram
  • Twitter
  • Newsletter
  • Feed RSS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 comentários

  1. Temos que considerar que a Microsoft tem uma política totalmente injusta em relação aos navegadores do Windows 8. Não é possível usar dois ou mais ao mesmo tempo na versão moderna, porque apenas o navegador padrão funciona dessa forma.

    Ou seja: o Internet Explorer moderno é um bom navegador, enquanto que o Firefox ainda era uma versão bem crua e instável. Só que, para usar ele, é preciso defini-lo como navegador padrão, o que desativaria o Internet Explorer.

  2. “Esse dado alarmante da Mozilla, de que menos de mil pessoas por dia testavam a versão moderna do Firefox, denota um problema de longa data: o desinteresse pelos apps em tela cheia e interface imersiva que estrearam com o Windows 8.”

    Apesar de achar a ideia da interface Modern muito interessante, eu ainda acho que desktop é e deve ser usado para multitarefa, e apps em tela cheia/imersivos não contribuem para uma boa experiência. Esse foco na tarefa atual não me agrada.
    Sinto falta de uma barra de tarefas, do “systray”, essas coisas facilitam a visualização do que está acontecendo com o sistema.
    A Start Screen é realmente muito interessante, é um novo Menu Iniciar muito bonito e funcional, mas apenas isso.

    Na minha opnião, o ideal seria uma mescla da interface Modern com a clássica. Algo como todos os apps com o design novo, rodando em “janelas”, com uma nova barra de tarefas e systray. Algo que permitisse a usabilidade do desktop clássico, mas com a aparência nova.

  3. Eu pessoalmente não gostei do W8, mas se necessário ainda da pra usar. Porém, esses apps imersivos são realmente uns lixos, eles não proporcionam uma melhor usabilidade e são irritantes, alem de que na maioria das vezes não seguem um bom padrão de design, pode ate ser birra da minha parte, mas eu simplesmente odiei eles. (Porém, não discordo que na teoria é uma boa ideia).

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!