Vários produtos da Microsoft perderam a integração com o Facebook


8/6/15 às 22h09

Por causa de uma “atualização na Graph API” do Facebook, diversos produtos da Microsoft perderam a integração que tinham com a rede social. E eram coisas legais, como puxar aniversários e eventos para a agenda do Outlook.com e apps do Windows e Windows Phone, ou ver fotos do Facebook e compartilhar as do OneDrive e Windows com contatos de lá.

A lista completa está aqui, com os detalhes do que quebra e do que continua funcionando em cada produto. Aparentemente, o Windows Phone 8.1 saiu ileso da mudança e o Windows 8.1 Update também escapou — aqui, pelo menos, o app Pessoas continua exibindo atualizações de contatos do Facebook.

Duas coisas chamam a atenção nessa história. Primeiro, como a Microsoft pode ser lerda em antecipar o pior. O linguajar da página que dá a má notícia, somado à falta de informações do site para desenvolvedores do Facebook não deixa claro o que exatamente parou de funcionar hoje, mas se nos atermos à terminologia usada, “Facebook Connect,” é algo que estava nos planos há anos.

O Facebook Connect foi anunciado em meados de 2008 e lançado no final daquele ano. Mas durou pouco. Já em 2010 o Facebook anunciou a intenção de descontinuá-lo em prol da Graph API, que se baseia no OAuth 2.0, um padrão aberto e, imagino, mais fácil de usar pelos desenvolvedores que querem trabalhar com a plataforma do Facebook. O Windows 8 foi lançado em agosto de 2012, ou seja, mesmo com dois anos de “aviso prévio,” ele já saiu de fábrica com uma peça-chave da sua parte social defasada.

Segundo, a reincidência da Microsoft. Em 2013 novos usuários do Windows Phone ficaram à mercê da descontinuação do protocolo Exchange ActiveSync (EAS) pelo Google, então usado para sincronizar o sistema com Gmail e agenda de compromissos. A novela demorou alguns meses, com uma extensão do prazo derradeiro no meio, e teve um final feliz via atualização GDR2, que trouxe suporte aos novos protocolos adotados pelo Google, CardDAV e CalDAV.

Não sei se houve má fé do Google na ocasião em anunciar uma mudança tão grande tão em cima. O usuário também não, e esse é o ponto: ele não tem que saber, sequer ligar para isso. Ele só quer algo que funcione com os serviços que usa. Todos esses casos são de uma fase anterior da Microsoft, pré-Satya Nadella, antes da abertura a serviços de terceiros, integrações e suporte a concorrentes. Talvez esse caso do Facebook Connect seja o último de uma longa lista de gafes que atazanou a empresa nos anos recentes.

Colabore
Assine o Manual

Privacidade online é possível e este blog prova: aqui, você não é monitorado. A cobertura de tecnologia mais crítica do Brasil precisa do seu apoio.

Assine
a partir de R$ 9/mês

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 comentários

  1. Quem sou eu para dizer se houve má fé ou não por conta do Google no Activesync. Mas que rola um boicote ao WP com relação aos aplicativos do Google, sem dúvida alguma. Então isso não me assustaria se tivesse sido uma decisão proposital.

  2. O que mais impressiona é que a Microsoft está apenas afirmando que a integração parou de funcionar. Não há qualquer sinal de que eles irão reverter a situação.

  3. Algo que achei interessante no Apple Music é poder fazer streaming da sua biblioteca do iTunes. Você ter à disposição suas playlists construídas ano a ano sem ter que reorganizar tudo em outros serviços, ou num Android é bem legal. Só fiquei em dúvida sobre o armazenamento dessas músicas no iCloud; vai ser tipo o Google com um limite de músicas ou vamos ter que pagar por mais armazenamento no iCloud? Esse último seria frustrante.