Dois homens, em poses diferentes, usando cuecas pretas da Insider, um em cada canto da imagem. No centro, a frase: “A cueca mais confortável com 12% Off. Cupom MANUALDOUSUARIO12”

Ative o PIN (senha) do SIM card para evitar prejuízos com Pix caso tenha o celular furtado

A Polícia Civil de São Paulo investiga a participação da facção PCC na onda de furtos e roubos de celulares para desfalcar contas bancárias via Pix.

Reportagem da Folha de S.Paulo desta terça (12) detalhou o golpe com base no depoimento de um homem de 22 anos ligado ao esquema:

O homem preso na semana passada contou, segundo a polícia, que insere o chip do celular furtado ou roubado em um segundo aparelho para “quebrar” senhas e então acessar o telefone da vítima.

A partir daí, um segundo “especialista” entra em ação, para “quebrar” senhas bancárias e acessar as contas. “Ainda estamos investigando como fazem isso”, afirma o delegado.

Na sequência vem o “tripeiro”, como é conhecido o responsável pelo gerenciamento dos “conteiros” — pessoas que negociam o uso de seus dados bancários em troca de um percentual do lucro — ou então de contas abertas com documentação falsa. É ele quem coordena saques e transferências.

Compreender o golpe ajuda a levantar defesas mais eficazes.

Com base nesse relato, presume-se que uma das melhores é definir um PIN (senha) para o chip/SIM card. Dessa forma, toda vez que o celular for reiniciado ou o chip/SIM card for inserido em outro aparelho, será necessário inserir o PIN, uma senha numérica de quatro dígitos, para ativá-lo.

A Apple explica como configurar o PIN no iPhone — segundo a reportagem, o modelo de celular mais visado. No Android, procure a opção “Configurar bloqueio do SIM” nas configurações do sistema.

Esta página traz os códigos PIN padrões das operadoras brasileiras.

De volta à Folha:

Tudo, de acordo com o delegado, é muito rápido, para evitar que bancos tenham tempo de bloquear as contas das vítimas. “Tem que ser, no máximo, no mesmo dia”, explica. Por isso, ele ressalta, quem teve o celular levado deve registrar logo o caso, além de avisar o banco.

Vale lembrar que, no caso do iPhone, o acesso ao Buscar, que permite localizar e bloquear ou excluir o conteúdo do celular remotamente, dispensa o segundo fator de autenticação. Se perder o celular, faça isso o mais rápido possível, comunique a operadora, os bancos, troque senhas e registro um boletim de ocorrência. Via Folha de S.Paulo.

Atualização (11h45): Acrescentada orientação de como configurar o PIN do SIM card em celulares Android.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Dúvidas? Consulte a documentação dos comentários.

14 comentários

  1. Uma boa ideia, pois evita a engenharia social: os caras não vão conseguir fazer ligações com o chip roubado, e nem conseguir saber o número (eu acho). Não uso ainda, mas vou dar uma olhada.

    No celular em si o uso do desenho de pontos pra desbloquear já ajuda um pouco, não sei se muito. (É o método que uso).

    As explicações sobre as “quebras” de senha não me convencem muito, me parecem meio fantasiosas, tipo o que a gente vê em filmes e séries. Como eles fazem não sei, mas não acredito que seja um negócio “mágico” como dão a entender.

    O esquema que eu mais gostava era o cartão de números, que na prática nem era tão seguro assim, acho que era uma segurança enganadora. Tinha também o token eletrônico físico, esse sim bem mais seguro. É uma pena que os bancos abandonaram isso, com certeza para economizar (talvez mais nos processos do que nos próprios cartões ou tokens).

    1. Eu trabalho com isso e não é fantasioso. É provável que o PCC, com toda sua estrutura e dinheiro quase infinito, tenha acesso aos equipamentos necessários – bem caros e de uso restrito.

    1. Até é, mas aí acho que passamos do ponto. Segurança digital está sempre um equilíbrio com a conveniência. Se eu não posso carregar meu celular comigo, de nada adianta ele ter tantas funções. Melhor comprar um Nokia lanterninha, daí.

        1. Claro, todo brasileiro pode ter dois iphones. Um pra ficar em casa com os bancos e outro pra ir pra rua (sem a comodidade de poder fazer pix ou usar apple pay).

          1. Quem falou em Iphones? Fico imaginando o nível de fetichismo de alguém que acha que Iphone é sinônimo de celular.

            2 celulares:
            2 iphones
            1 iphone e 1 android
            2 androids

            O celular do banco pode ser o celular que você abandonou porque a bateria era insuficiente para um dia inteiro ou que não tinha memória suficiente. Ou você compra um smartphone de entrada, o que já será suficiente para esse uso.

            O pix você faz com uma conta digital, que você mantém com um valor modesto para uma emergência na rua.

  2. Alterar PIN e PUK; tirar a pré-visualização de mensagens da tela bloqueada; configurar o celular para pedir senha de acesso (letras e números) após reiniciar.

  3. Como ficam os casos de eSim nos iPhones mais novos onde não há um chip físico? É possível configurar um PIN também?

  4. No Android em geral fica em Configurações > Segurança> Bloqueio de Chip.

    Essa mesmo caminho pelo que olhei aqui serve para Samsung, Xiaomi, Motorola e Android puro.

Compre dos parceiros do Manual:

Manual do Usuário