Quem compra tablet de menos de R$ 300?


5/11/14 às 8h45

Um tablet bem barato -- e ruim.
Foto: Giovana Lago.

A parte mais interessante da tecnologia de consumo, para mim, não é ela por ela, não são os gadgets que analiso aqui. É a parte que fala sobre como os dispositivos, serviços online e todas as demais coisas legais (e não tão legais) que orbitam esse mundo nos afetam. “Nós”, aqui, tanto enquanto indivíduos como no todo, a sociedade.

É preciso estar atento para perceber as alterações mais sutis. Pensar nas grandes, porém, facilita o entendimento do que quero dizer. Um exemplo fácil é como a popularização do celular destruiu os telefones públicos, os famosos orelhões. Eles passaram de utilidades urbanas tão presentes que viraram até tema de música a peças de museu a céu aberto em menos de uma década. Esse tipo de transição acontece a todo momento, a dificuldade está em percebê-la durante o processo, especialmente naquelas que não são aferíveis tão facilmente quanto os orelhões, ou seja, que não estão visíveis a qualquer um que põe o pé na rua.

Por interessar-me nisso e escrever a respeito, fico um tanto incomodado pela posição que ocupo. E falo isso quase que no sentido literal: sempre escrevi sobre tecnologia de casa, em regime home office, e tenho círculos de amizades relativamente homogêneos no que diz respeito a como eles consomem tecnologia. Nessa, acabo meio desconectado da realidade, basicamente o que disse Paul Thurrott no Twitter:

O Twitter provou mais uma vez que pessoas que a maioria dos que sabem muito sobre tecnologia estão muito desconectadas de como as pessoas normais fazem as coisas.

E isso é ruim. Sem essa percepção o meu trabalho fica comprometido e nos coloco, a mim e a você, leitor, em uma bolha que não bate com o que acontece nesse Brasilsão.

Tablets baratos, celulares simples

Isso tudo está sempre na minha cabeça, mas ontem ganhou com força ao ler uns relatórios de consumo recentes do IDC.

O instituto diz que entre julho e agosto foram vendidos 12 milhões de celulares, sendo 1/4 deles não-smartphones, ou seja, modelos similares àqueles com lanterna e jogo da cobrinha que a Nokia vende (ou vendia) desde a era mesozoica.

Mas talvez o número mais impressionante, e o que traz mais questionamentos consigo, seja o da venda de tablets no país. No mesmo intervalo foram vendidos 1,2 milhão de tablets. Em julho, houve uma alta de 17% em relação ao mesmo período do ano passado; em agosto, queda de 3%.

Pedro Hagge, analista de mercado da IDC Brasil, disse que isso indica a entrada no Brasil na fase de estagnação que, lá fora, vem sendo sentida desde o primeiro semestre. Só que não dá para dizer com certeza que essa tendência acompanha a movimentação de outros mercados. O mesmo relatório aponta que 96% dos tablets vendidos no Brasil rodam Android. Entre os smartphones, o sistema do Google respondeu por 92% das vendas. São números bem peculiares.

O que quero dizer, até esse ponto, é que acompanhar apenas o que as grandes empresas de tecnologia dizem e divulgam sobre mercado em publicações norte-americanas ou europeias equivale a correr o risco de cultivar uma visão ainda mais destacada da realidade brasileira. O que não é novidade, caso você se interesse por tudo isso.

A novidade é o dado que o Tecnoblog colheu junto ao IDC de que 38% dos brasileiros preferem tablets de até R$ 300. Meu questionamento no Twitter não foi de brincadeira:

Que raio de tablet é esse? O último que analise, o G Pad 7.0 V400 da LG, em promoção já chegou a R$ 359. Acompanho mais ou menos de perto as variações de preços no varejo e, fora esse, já vi tablets de entrada da HP, Lenovo e Samsung abaixo dos R$ 400. Na casa dos R$ 200? Meus seguidores no Twitter apresentaram esses players: Multilaser, Mit Tech (?), Lenoxx, DL…

São marcas alienígenas que, para mim, só fabricavam mouse e teclado de segunda. Mas não: elas fabricam tablets, e não só, mas tablets que muitas pessoas querem e compram.

Achei o G Pad 7.0 V400 um tablet no limite do usável: é fraco em diversos pontos, mas custa pouco então a conta fecha. Mas não consigo imaginar algo pior que aquilo retornando uma experiência minimamente aceitável. Aliás, o breve contato que tive com um dessa safra, o BAK alguma-coisa em 2012, apesar da distância temporal ratifica tal impressão — felizmente foi para uma brincadeira de 1º de abril no Gizmodo, então quanto pior, melhor!

No mínimo, a economia cobra o preço na experiência de uso. Só que piora. Não tem mágica que empurre os preços tanto assim para baixo, então ou os componentes são de baixa qualidade, ou tem alguma outra explicação

Há um custo oculto no tablet de menos de R$ 300. Ou ele vem de práticas suspeitas, como as que supostamente a dupla acima comete, ou de alguma outra manobra comercial — pense em equipamentos obsoletos, ou de baixa qualidade. Eu entendo o povo querer o tablet mais barato possível, mas até que ponto esse anseio deve ser atendido se há um comprometimento severo do benefício que ele promete ao consumidor?

Quem compra essas coisas? Como essas pessoas se sentem? Satisfeitas, arrependidas, comprariam novamente? Eu não sei, mas estou bem curioso para descobrir.

Newsletter

O melhor do Manual do Usuário:


Nas redes sociais, notícias o dia todo:
Twitter // Telegram