BUILD 2015: Edge é o nome oficial do Project Spartan, o novo navegador da Microsoft

Na abertura da BUILD 2015, a conferência para seus desenvolvedores, a Microsoft deu mais detalhes sobre o vindouro Windows 10, apresentou novas formas de trazer apps à plataforma, revelou o nome comercial do novo navegador Project Spartan e estabeleceu uma meta ambiciosa: em três anos, ter um bilhão de dispositivos rodando a última versão do seu sistema.

Foi uma apresentação longa, com quase três horas de duração e que eu não acompanhei. Li o que rolou pelo Twitter e em matérias posteriores, e algumas coisas me chamaram a atenção. Para segmentar os comentários e livrá-lo de partes que não queira ler, dividi o post em três partes. As outras são sobre o desenvolvimento de apps e a meta de um bilhão de dispositivos com Windows 10 em três anos


Eu gostava do nome Spartan. Como a assistente pessoal da Microsoft se chama Cortana, outra referência à série Halo, fazia sentido acreditar que Spartan seria efetivado como nome comercial do novo navegador da empresa. Só que não foi o caso. O nome oficial dele é Edge.

Joe Belfiore disse à plateia da BUILD 2015, na abertura do evento, que o novo nome foi escolhido por fazer referência às “fronteiras [edge] da criação e do consumo.” O vídeo institucional do novo navegador, abaixo, deixa mais clara essa ideia de dualidade do produto:

Edge também faz referência ao EdgeHTML, o motor de renderização que atua nos bastidores do Edge. E… bem, talvez seja uma boa aposta dizer que alguém do marketing queria muito que o ícone do Spartan fosse um “e” azul que remetesse ao Internet Explorer, de modo que o nome acabou sendo uma escolha ainda mais adequada (na cabeça desse infeliz):

Ícone do navegador Edge.

Agrada-me a ideia de um recomeço do zero, de abandonar o legado e as camadas de compatibilidade do Internet Explorer. Mesmo sendo um bom navegador (ele é, acredite), o nome “Internet Explorer” está mais queimado que os pneus usados nas filmagens de Velozes e Furiosos e alguns comportamentos, especialmente quando o IE recorre aos modos de compatibilidade, são frustrantes no dia a dia.

Eu só tenho um pé atrás com as invencionices da Microsoft. Não bastava ser um navegador simples e direto, era preciso inventar umas coisas para chamar a atenção. Eu não sou de fazer apostas, mas anote aí: esse lance de anotar e desenhar em páginas web e compartilhá-las via OneNote será um fiasco. Ele me lembra os aceleradores e os Web Slices do IE8, também anunciados com grande pompa, mas que acabaram perecendo.

Página web anotada pelo Edge.

O Edge também rodará extensões portadas do Firefox e Chrome, e terá uma página inicial carregada de notícias, sugestões de apps e outros penduricalhos esquisitos. A cada novo recurso ele parece se distanciar de um ideal de minimalismo que parece fazer bem aos navegadores, o que é uma pena. Talvez seja só impressão (errada) minha, porém. Só usando a versão final para ter uma posição mais sólida.

Por fim, de volta àquele ícone. Sim, temos que voltar a ele, porque é crítico e joga por terra toda a ideia de recomeço, de abandono do legado do IE, todo um trabalho de inovação e distanciamento que, até então, era no mínimo promissor. Por que um ícone tão similar ao do Internet Explorer, uma marca de piadas infames na web e sinônimo de app ruim para boa parte da base de usuários? Eu queria entender, de verdade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

37 comentários

  1. Eu sou mais um dos que também tem usado o IE regularmente por conta do peso todo que o Chrome tem carregado ultimamente, mesmo desinstalando todas as extensões e recursos.
    O Spartan, até agora, apesar dos bugs de uma versão em desenvolvimento, é sensacional. Rosa liso, é simples e minimalista na dose certa, sem ser igual ao Vivaldi, por exemplo, que parece que nem no Paint ele foi desenhado.
    Gostei do nome Edge e achei desnecessária a tentativa de aproveitar o legado do IE no ícone, por mais que usuários leigos ainda possam ver uma boa associação nisso. Não precisava.
    Acho que também não precisava era ter lançado um nome provisório (que muita gente gostou) para duas versões de testes, que foram liberadas nas duas últimas builds, para depois trocar a identidade do navegador.
    É semelhante ao que ocorreu com a interface metro, por exemplo. Embora neste último caso a troca do nome tenha se dado por motivos de copyright, esses detalhes, ainda mais para uma empresa do tamanho da MS, podem ser levados em conta e evitados desde o início.
    Aliás, como alguém já mencionou nos comentários aí, Edge é um nome bem perigoso neste meio de processos por direitos do nome. Não acredito que o problema venha da Samsung, porque Deus e o mundo já utilizam Edge. Mas que é comum, e pode dar problema, pode sim.

  2. OFF: Tem um tempinho que não acesso o Manual via browser (só pelo Feedly), a versão Mobile tá muito boa (uso o IE no WP 8.1) ?

  3. Peraí, deixa eu ver se entendi, utilizaram o nome do celular da concorrente?

    Será que isso vai pegar?

  4. parei de ler no ” Nem vi, acompanhei no twitter” e possivelmente a fonte é o The Verge … na boa, esperava mais…

    1. Bom, essa é a hora em que você entra e complementa o post. Eu não sou o dono da verdade aqui, nem tenho o compromisso de estar a par de tudo — sou só um cara, sozinho, escrevendo um blog, e que frequentemente conta com (e espera!) a contribuição dos leitores, muitos bem mais entendidos do que eu nesse e em outros assuntos :)

      1. Ghedin, me passa o chá calmante que usa, por gentileza :)

        E acho que todos nós no final temos um bom conhecimento e nos complementamos. Nem todos sabem de tudo. Talvez seja o segredo :)

        Xô parar com estes comentários… bem, eu não posso falar nada pois não acompanho a BUILD para dar opiniões. No final, uso aqui como referência :).

  5. parei de ler no ” Nem vi, acompanhei no twitter” e possivelmente a fonte é o The Verge … na boa, esperava mais…

  6. Anotar na página talvez faça mais sentido agora, com as tecnologias de anotação e toch bem mais avançadas.

  7. A escolha do ícone ao meu ver foi bem inteligente, pq pelo menos indica que a Microsoft tá projetando levando em consideração o usuário leigo, o mesmo que detonou o windows 8 por não haver o menu iniciar. Agora tá vindo uma grande novidade mas com um link no tradicional pra não desesperar o usuário comum. Deixa a Microsoft aprender com os erros.

    1. Bingo! Vim para comentar isso!

      O uso do icone é justamente porque o usuário leigo vai pelos ícones, não por nomes ou outra coisa. Sério.

      Uma curiosidade: os pcs do “Acessa São Paulo” (projeto do Estado de São Paulo de lan-houses comunitárias e gratuítas) são em Linux, mas toda sua interface “emula” o Windows XP, e o ícone da internet é nada mais que uma “cópia” do IExplorer, mas ligando ao navegador do sistema (esqueci o nome) .:)

        1. Se for para copiar o ícone do Chrome, melhor instalar o próprio então! hehe
          Assim o usuário fica mais familiarizado não só com o ícone, mas com o navegador todo. :D

        2. Cê tá falando do sistema do Acessa São Paulo? Se for, eles tem três navegadores lá, sendo que um é que usam o navegador com ícone modificado. O outro é o Chrome :p

          1. Não conhecia o Acessa São Paulo. Só rebati o argumento da familiaridade com o mesmo, ou seja, se é para dar uma referência familiar ao usuário do Windows 10/Edge, que seja então do líder de mercado.

            Veja, se o IE estivesse nessa posição e/ou fosse bom, e por um motivo qualquer tivesse que trocar de nome e ícone, faria sentido a preservação do visual similar. Mas não. É o contrário. Ele está queimado, o Edge surgiu exatamente para apagar o IE da cabeça (e dos desktops) das pessoas. Nesse sentido, por que o ícone (e só o ícone) ficou igual? Não tem lógica.

          2. Ah tá, perdão. :)

            Então, para nós que conhecemos a informática um pouco melhor, então nos incomodamos. Mas ao que noto, e digo pelo que vejo (cada grupo pessoal tem sua visão, lógico), o icone do Internet Explorer é icônico (perdão a redundância :) ). As pessoas sabem pela imagem que o e azul com um corte amarelo é o programa para entrar na internet.

            Provavelmente a Microsoft não queria perder este ícone, esta referência visual. Melhor um logo baseado em algo antigo, mesmo que signifique “algo ruim” para alguns. Pois para outros, ainda é simplesmente “o bicho que entra na internet”. Nos WinPhones, o logo é o mesmo também, né? :)

            Bem, e se é para seguir sua lógica, tenho até uma sugestão de design aqui :p

          3. Grande parte do usuário leigo também associa o IE a baixa qualidade, não é à toa que o Firefox ascendeu tanto e o Chrome é líder de mercado.

            O Chrome também era desconhecido quando foi lançado, e chegou aonde chegou.

          4. Não vejo assim. Muita gente leiga usa o IE por costume mesmo. O que vale é o que a pessoa tem como noção de operação. Para alguns, vale a praticidade de já saber onde estão os comandos (ah, ali está o Visualizar Impressão, posso ajustar a página – algo que o Chrome tem de horrível).

            O Chrome tem muita indicação de usuário pleno que repassa para leigos, fora também os “adwares” (Quando instala uma atualização do Flash Player por exemplo).

            Há também o fator “tecnologia limitada”. Há muitos sites de instituiçoes públicas e privadas que infelizmente exigem o uso do IE, ou o uso neste é mais confortável. Tem muito TI ainda preguiçoso por aí…

          5. Claro que muita gente leiga usa o IE, com estes a Microsoft não precisa se preocupar, pois continuarão a usar o navegador que vier embarcado no sistema. A preocupação deve ser com aqueles que usam outros navegadores (uma parcela enorme de usuários), esses associarão a marca do Edge instantaneamente ao Internet Explorer e isto criará uma barreira que tornará mais difícil o primeiro contato. É uma barreira que poderia ser evitada.

        3. Po Ghedin, vc realmente acha que seria melhor a Microsoft abrir mão da identidade visual (e do bom senso) e colocar um ícone igual ao do seu principal concorrente? a galera não iria criticar ainda mais? Sem contar que participação no mercado é irrelevante nesse caso. O “E” do IE é um ícone universal e ponto, eu, vc e nossas tias sabem que quando se compra um pc novo é por ali que se entra na internet.

          1. Claro que não, mas se a justificativa é gerar “familiaridade” com o que o usuário está acostumado, que seja do líder, então. Para mim, o ícone também deveria ser novo, sem ligações com o IE.

    2. O usuário leigo também associa o IE a baixa qualidade, pelo menos uma grande parte. Esta estratégia foi muito mal pensada.

      1. Acho que não cara pq se isso fosse regra ninguém usaria o windows depois do vista ou do 8, por exemplo. Impressões podem ser mudadas. O logo não é igual, é parecido. Qualquer um associaria com o IE mas notaria uma diferença na logo. Essa mudança de paradigma vai ficar por conta principalmente do marketing que a Microsoft tem que fazer e de como vai ser aquela primeira experiência compulsória de qualquer um que é usar o navegador pra baixar o chrome. hahahah

        1. Não estou condenando o navegador ao fracasso por causa do logotipo, o que quero dizer é que haverá uma barreira inicial para o usuário experimentar o navegador, que poderia ser evitada. A Microsoft tem dinheiro e competência para popularizar uma nova marca, não precisava pegar carona na marca manchada do IE. A associação com o Internet Explorer traz mais contras do que prós.

          No caso do Windows, há um fator a se considerar: o Vista foi lançado depois da então melhor e mais popular versão do sistema, o XP, então a Microsoft tinha crédito para dizer que o Windows é bom, só o Vista que não é, e o 7 limpou a imagem do sistema (juntamente com o legado do XP). Se o XP, Vista, 7 e 8 fossem todos ruins, pode ter certeza que a imagem do Windows estaria tão manchada quanto a do IE.

      2. Duas vezes o mesmo comentário?

        Bem, a própria Microsoft já desaconselhou o uso do IE devido a suas falhas de segurança. Mas ainda assim, muita gente usa. Para alguns também, que sabem onde pisam, não há problemas em usar o IE, e os sites parecem rodar melhor neles.

        A propósito, o próprio Chrome já não uso a um bom tempo (uso o Opera Chrominium) devido ao peso que ele estava. Estou a pensar em outros navegadores. Já até experimentei um chamado “Pale Moon”.

        1. Foram respostas semelhantes para pessoas diferentes, não precisava responder aos dois.

          A MS investiu bastante em marketing do IE nos últimos anos (a famosa propaganda “o navegador que você costumava odiar” é um exemplo), e ainda assim o IE continua com a má fama, de lento, de “baixador de outros navegadores”, etc. É uma marca tão manchada que o próprio Internet Explorer 10 é um bom navegador, e ainda assim luta para reconquistar o prestígio que teve e voltar a ter a popularidade que Chrome hoje tem.

          Não quero dizer que o logotipo parecido com o do IE vai acabar com os planos da Microsoft de fazer o Edge ser um sucesso, só vai dificultar um pouco as coisas. A associação ao Internet Explorer deve causar uma resistência instantânea, que já cria uma barreira que pode atrapalhar o primeiro contato do usuário com o navegador. É claro que superada esta barreira, o usuário poderá eventualmente gostar da experiência e mudar seu conceito sobre a marca. Mas é uma barreira inicial que poderia ser evitada.

          A Microsoft tem muito dinheiro e muita força para popularizar uma nova marca de navegador, não precisava pegar carona na marca do IE.

          1. Vou juntar um pouco das respostas aqui mesmo.

            Como eu tinha mencionado, nos WinPhones, o logo do IE é o mesmo do Desktop, só que em flat e cor única (ou sombra, se preferir). Não sei se a engine é a mesma, mas ao que noto, provavelmente usaram o logo (mesmo se for outra engine) para facilitar a identificação. Acho que isso é mais caso de estudo de design (e associação de imagem) do que de informática.

            Provavelmente vamos discordar neste assunto pois noto que diferente de você, penso que a associação ao ícone é entre neutra e positiva. Se a pessoa instala um PC novo, o primeiro navegador que ela vai usar (fora se ela estiver na Europa, onde tem a regra de “escolha de navegador) é o que está disponível. Neste caso, o do Win10 será o Edge e o ícone já tem o formato que remete a lembrança ao programa de acesso à internet. Não vejo como barreira, pelo menos para usuários comuns. Para avançados, não discordo, pode ser algo “traumatizante”, mas bem, estamos discutindo isso aqui e sabemos que o Edge é diferente do IE, logo, não temos tanta preocupação quanto.

            Não gosto muito de fazer associação de marcas com problemas. Nisso, já costumo mesmo dispensar a marca com problemas, mas ao mesmo tempo penso se é problema da marca ou outro fator que possa ter colaborado.

  8. De longe o motivo que me deixa mais ansioso no Windows 10 é o Edge. Faz meses que abandonei o Chrome e uso o Internet Explorer diariamente. Minha bateria dura mais e ele faz virtualmente qualquer coisa que eu faria em outro navegador (tirando rodar vídeo em html5, que é bem bugado). Tenho certeza que o Edge vai ser ainda melhor, com todo o desempenho e compatibilidade que faltam no IE.

    1. usar diariamente já é demais….o chrome pode consumir toda a ram do pc, mas ao menos as extensões deles são muito boas (as que eu uso). sem contar que pro meu uso, o chrome está de bom tamanho.

  9. Projeto Spartan, ícone novo = agora vai!!
    Microsoft Edge, ícone do IE redesenhado = ………..

    MAS, eu testei o spartan numa build do w10 preview no início desse mês e achei bem mais rápido que o chrome. É CLARO que tem bugs bizarros ainda, css de páginas, etc.

    No geral é um navegador bem rápido e leve.

  10. Com o perdão da ironia não intencional, “menos Ghedin, menos”. Nem carregado nem pelado, “Completo”. Esse novo navegador me fez lembrar o Opera Clássico, modernizado. Interface mais limpa porém com recursos e botões espertos ali, como modo de leitura nativo, anotações e provavelmente mais integração com serviços Online.
    Sendo seguro e não sendo lerdo me parece bem atraente, já que o Vivaldi usa a praga do Blink e tem interface merda em javascript…

O site recebe uma comissão quando você clica nos links abaixo antes de fazer suas compras. Você não paga nada a mais por isso.

Nossas indicações literárias »

Manual do Usuário