Estes novos Zenfone, celulares da Asus, têm SoC da Qualcomm

Imagem de divulgação do Zenfone Selfie.

Começou, nesta madrugada, a Computex 2015 (sdds Taipei). Como acontece todo ano, a Asus anunciou um punhado de coisas: a nova versão do Zenwatch, agora em dois tamanhos; um notebook 2-em-1 com USB-C e Windows 10; e alguns novos smartphones, incluindo um com câmera frontal de 13 mega pixels (!) convenientemente batizado de Zenfone Selfie.

O que mais me chamou a atenção, porém, foi o que vem dentro do Selfie e de três variantes do Zenfone 2, também anunciadas no evento: SoC da Qualcomm.

Até então, pelo menos em seus celulares internacionais, a Asus só usava Intel, provavelmente por algum acordo de exclusividade que garantia uns bons descontos na compra dos chips e uma ajuda no marketing — o que levava a divisão de mobilidade do povo de Santa Clara a sangrar bilhões de dólares, pelo menos enquanto esse número era divulgado individualmente nos relatórios financeiros trimestrais da empresa.

A Intel demorou um bocado para apresentar soluções decentes para dispositivos móveis que rivalizassem com as da Qualcomm, mas conseguiu: apesar do problema crônico da bateria ainda existir, os Zenfone do ano passado são bem bons e custam menos que seu nêmesis no mercado local, o Moto G, da Motorola. De qualquer forma, pelo menos para o consumidor mais consciente, que sabe o que roda dentro do seu smartphone, a notícia dos SoCs Qualcomm em celulares da Asus é boa. No mínimo, traz variedade às ofertas da fabricante taiwanesa.

E para nós, brasileiros, outra boa nova: o Zenfone 2 com SoC Snapdragon intermediário e tela de 5,5″ será lançado aqui. Não se sabe quando, nem por quanto, mas ele vem. O Zenfone 2 topo de linha com SoC da Intel, anunciado no MWC em março, chega ao Brasil “até setembro.”

Acompanhe

  • Telegram
  • Twitter
  • Newsletter
  • Feed RSS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 comentários

  1. Não sou muito fã dessas “variantes”. Os lojistas aproveitam pra passar a perna nos consumidores, e isso também diminui a probabilidade de atualizações.

  2. O que eu realmente espero é a Xiaomi! Dependendo do modelo que tragam e o preço, passo o Z3 para a esposa e pego um! =)

    Agora em relação ao Zen2 acho que eu preferiria um Intel mais potente a um Snapdragon intermediário… O que acham?

      1. Verdade! Mas você não acha que para esse Zen2 realmente concorrer com os demais ele precisa vir com o preço mais em conta? Estou esperando na faixa entre R$ 1.500,00 e R$ 1.800,00. Acha que estou sendo otimista demais?

        1. Sim, daí para menos. A Asus não tem muita tradição em celulares, então precisa ganhar no preço, e deve ter algum subsídio da Intel, o que ajuda a segurar os valores. Mas é um hardware sensacional o do Zenfone 2, o que pode empurrar o preço no varejo para cima. É esperar para ver — setembro taí :)

    1. Olha, eu tenho TOC, sabe. Prefiro um processador ARM à um x86. Já é tanta camada, tanta coisa entre a máquina e o software, que portar uma coisa de uma arquitetura pra outra, já me deixa com a pulga atrás da orelha. Ok, é uma VM, mas mesmo assim.

      1. Esse processadores são baseados na tecnologia ARM, mas até onde eu sei todas eles modificam a arquitetura e, naturalmente, precisam de um compilado específico da VM para funcionar.

        É claro que tem mais diferenças entre um kernel x86 do que entre ARMs, mas acho que dá tudo na mesma…o problema é que x86 nunca foi bom de consumo de energia.

        1. Então, a base da arquitetura é a mesma, não é obrigatório mudar a VM para rodar em processadores diferentes. Provavelmente fazem para tirar melhor benefício de novas tecnologias.
          Tipo a VM para Windows, desde que seja a mesma arquitetura (x86 OU AMD64), não precisa mudar a VM, é a uma pra cada uma delas, não importando o processador.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!