Os bloqueadores de anúncios para iPhone estão entre nós


17/9/15 às 9h08

O lançamento do iOS 9 ontem (16/9) trouxe uma novidade não muito alardeada, mas que está preocupando produtores de conteúdo na web: suporte a bloqueadores de anúncios.

Na verdade, o que o iOS 9 permite é “bloquear conteúdo”, ou seja, não é algo direcionado exclusivamente para anúncios como a extensão (para computadores) AdBlock Plus, mas sim uma solução para resguardar a privacidade do usuário e acelerar o carregamento de páginas web. Ocorre que, não por coincidência, eliminar anúncios e scripts que monitoram hábitos de navegação é uma das coisas que dão ótimos resultados nesse sentido.

A simplicidade de se criar tais bloqueadores fez com que a App Store fosse inundada com apps do gênero ontem. O TechCrunch analisou três dos mais promissores, mas o que chamou a minha atenção foi o Peace, do Marco Arment, porque ele é o único (até onde sei) que usa a base de dados da Ghostery, extensão que faz um trabalho sensacional de bloquear scripts de redes programáticas e outros elementos que monitoram nosso comportamento na web.

O Peace custa US$ 2,99 e, em menos de um dia, já é o app pago mais baixado da App Store americana.

Atualização (18/9, às 14h10): em menos de dois dias, o que ninguém esperava aconteceu: Marco tirou o Peace da App Store alegando desconforto com a situação — leia-se prejudicar produtores de conteúdo independentes/pequenos, muitos do seu círculo de amizades. Por tudo que li, a melhor alternativa (superior ao próprio Peace) é a 1Blocker, que permite excluir do bloqueio certos elementos, uma granularidade que não vi em outro app do tipo.

A abertura do iOS a bloqueadores de anúncios tem sido encarada por muitos como um possível divisor de águas na forma como a produção de conteúdo na web é feita e remunerada. Os mais otimistas apostam que o impacto nessa fonte de renda levará os produtores a buscarem formas alternativas e menos invasivas de faturar. Os pessimistas, que toda essa reviravolta afetará justamente os sites pequenos, diminuindo a diversidade de vozes na Internet e concentrando ainda mais a renda da publicidade em plataformas como Facebook e Google.

Ainda é cedo para dizer no que isso vai dar (ou se dará em alguma coisa), mas independentemente das implicações, as vantagens ao usuário no bloqueio tanto código desnecessário e até danoso entregue pelos sites são muitas: além do ganho em privacidade, as páginas carregam mais rapidamente, o visual fica menos poluído e a bateria do iPhone dura mais.

Colabore
Assine o Manual

Privacidade online é possível e este blog prova: aqui, você não é monitorado. A cobertura de tecnologia mais crítica do Brasil precisa do seu apoio.

Assine
a partir de R$ 9/mês

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 comentários

  1. A coisa nos sites anda muito ruim. Um desenvolvedor da Mozzila fez um levantamento bem legal sobre o The Verge (um dos sites que mais acesso): ele carrega obscenos 9.5MB através de 263 HTTP requests! Imaginem como isso detona um plano de dados 4G mais modesto. Temos que achar um meio termo entre ad blocks e propagandas.

    http://blog.lmorchard.com/2015/07/22/the-verge-web-sucks/

  2. Só gostaria de lembrar que qualquer site tem o direito e a capacidade de se negar a exibir a página, caso detecte o uso de bloqueador de propaganda. Sites de streaming de vídeo como Hulu e Channel4 já fazem isso há um bom tempo.

    1. Acredito que o grande motivador do uso desse tipo de aplicativo é realmente a falta de bom senso dos anunciantes.
      Não digo que seja errado anunciar, mas condeno a forma invasiva e abusiva com que isso é feito principalmente no Android.
      Como “sobrinho que entende de informática” oficial da família sei bem como é o caso do usuário se enganar facilmente com um anúncio dizendo que o celular foi infectado, e receber um pedido de socorro de um parente desesperado.

      1. Concordo totalmente. O que me dá mais raiva é que a própria plataforma de propagandas do Google coloca esse tipo de anúncio dentro dos apps. É uma falta de noção sem tamanho.

      2. Eu tive que ensinar meus pais a NUNCA, NUNCA, NUNCA clicarem nessas propagandas e nem instalarem aplicativos suspeitos (em caso de dúvidas, eles deveriam me consultar).

        Até agora não tive problema, até por que o uso de smartphone/tablet deles é leve (é Facebook e Whatsapp, basicamente).

    1. Caio, segui seu testemunho e baixei o App. Você pode me dizer um site que possa testar o App? Ligando e desligando para comparar

  3. Já faz algum tempo que não compro apps. Ia coçar o bolso pra bancar os USD2.99 do Peace, mas recebi a mensagem de que não é compatível com o meu 5C (32 bit). Fuén.