O papel da big tech nas elei√ß√Ķes brasileiras de 2022, parte 1

Perto das 19h30 do dia 1¬ļ de dezembro de 2022, o coronel Jean Lawand Junior, subchefe do Estado-Maior do Ex√©rcito, abriu o WhatsApp e gravou uma mensagem de √°udio para um colega do Ex√©rcito. Nela, n√£o existe espa√ßo para subjetivo: Lawand clama para que ‚Äúele d√™ a ordem que o povo t√° com ele‚ÄĚ.

O ‚Äúele‚ÄĚ na mensagem se referia ao ainda Presidente da Rep√ļblica, Jair Bolsonaro, a um m√™s de sair do Pal√°cio ap√≥s ser derrotado nas urnas cinco semanas antes pelo agora presidente Lula. O destinat√°rio da mensagem de Lawand era o tenente-co¬≠ronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro. Cid era uma esp√©cie de bra√ßo direito, faz-tudo do ex-presidente ‚ÄĒ onde estava Bolsonaro, estava Cid a tiracolo carregando pasta, celulares e afins.

Continue lendo “O papel da big tech nas elei√ß√Ķes brasileiras de 2022, parte 1”

Threads não é para política nem jornalistas, diz executivo da Meta

Notícias e política não são bem-vindas no Threads, a rede social da Meta criada para ocupar o vácuo que o Twitter está deixando.

Na tarde desta sexta (7), Adam Mosseri, head do Instagram, respondeu a uma pergunta do editor do The Verge, Alex Heath.

Heath questionou se a Meta estava preparada para receber jornais e publica√ß√Ķes noticiosas, j√° que, segundo ele, esse seria um pressuposto para competir com o Twitter.

Mosseri disse que, embora not√≠cias e pol√≠tica sejam inevit√°veis no Threads, √© algo que a Meta ‚Äún√£o incentivar√°‚ÄĚ.

Continue lendo “Threads n√£o √© para pol√≠tica nem jornalistas, diz executivo da Meta”

Meta decide restaurar perfis de Trump no Facebook e Instagram.

A volta de Donald Trump às redes da Meta, Facebook e Instagram, dois anos após ser suspenso indefinidamente por incitar o ataque ao Capitólio, em 6 de janeiro de 2021, é uma tragédia anunciada.

Nick Clegg, ao anunciar a decis√£o, disse que foram criadas ‚Äúsalvaguardas para conter ofensas repetidas‚ÄĚ do ex-presidente dos Estados Unidos. Algu√©m acha, de verdade, que Trump ir√° se conter?

A Meta precisa de Trump para gerar engajamento (e dinheiro) e Trump, da Meta (para criar o caos). O retorno se dar√° ‚Äúnas pr√≥ximas semanas‚ÄĚ. Trump tinha o perfil no Facebook mais seguido do mundo antes de ser suspenso. Via Meta (em ingl√™s).

TSE aprova regras mais duras para combater desinformação eleitoral no segundo turno.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou uma resolu√ß√£o que endurece o combate √† desinforma√ß√£o nas elei√ß√Ķes a dez dias do segundo turno. Na avalia√ß√£o do ministro Alexandre de Moraes, presidente do TSE, ap√≥s um bom primeiro turno nesse sentido, o segundo tem sido um desastre.

S√£o v√°rias medidas que t√™m a inten√ß√£o de acelerar a remo√ß√£o de conte√ļdo que desinforma deliberadamente e frear canais e ve√≠culos que agem de m√° f√©, como a Jovem Pan e canais bolsonaristas do YouTube.

Plataformas de v√≠deo ‚ÄĒ YouTube, Kwai e TikTok ‚ÄĒ t√™m sido as principais fontes de dores de cabe√ßa.

H√° quem diga que as novas regras chegaram tarde e me pergunto, sem desmerecer o trabalho que tem sido feito nem sua import√Ęncia, se isso n√£o √© enxugar gelo. O ambiente est√° contaminado por uma for√ßa pol√≠tica mitoman√≠aca que, infelizmente, conseguiu enganar metade do pa√≠s.

Para ler o que muda, sugiro as coberturas dos ve√≠culos ao lado. Via Folha de S.Paulo, Jota, N√ļcleo.

Necrotecnologia.

Quem s√£o os maiores benefici√°rios da confus√£o das elei√ß√Ķes do Brasil? As corpora√ß√Ķes de m√≠dias sociais.

A luta para derrubar Bolsonaro força os adversários a adaptar seus discursos à linguagem de ódio, escárnio e desinformação que, há décadas, vem sendo cultivada e explorada pela big tech.

Enquanto tentamos livrar o país da necropolítica, acabamos por fortalecer a necrotecnologia.

Se n√£o conseguirmos sair desse ‚Äúloop‚ÄĚ, vamos acabar (ainda mais) dependentes da big tech para exercer pol√≠tica.

As redes sociais já sequestraram parte do discurso e logística da democracia. Aos poucos, vai alterando até os nossos conceitos sobre ela. Assim, promover a indie web virou uma necessidade civilizatória, até.


A pensata acima foi publicada na newsletter Texto Sobre Tela, do Eduardo ‚ÄúEduf‚ÄĚ Fernandes. Inscreva-se gratuitamente para receb√™-la.

Só existe um futuro para o Brasil, e ele passa pela eleição de Lula neste domingo

Em mar√ßo de 2021, quando o Brasil enfrentava uma das ondas mais mort√≠feras da pandemia de covid-19, o presidente Jair Bolsonaro imitou uma pessoa com falta de ar ao criticar declara√ß√Ķes do ex-ministro da Sa√ļde, Henrique Mandetta. Ele viria a repetir a cena dois meses depois.

As performances de Bolsonaro talvez tenham sido a manifesta√ß√£o mais perversa da sua conduta absolutamente err√°tica √† frente do pa√≠s na pior crise sanit√°ria do √ļltimo s√©culo, mas n√£o foi a √ļnica, nem a mais grave.

Continue lendo “S√≥ existe um futuro para o Brasil, e ele passa pela elei√ß√£o de Lula neste domingo”

TikTok mexe em regras para proibir políticos de receber dinheiro na plataforma.

O TikTok ainda é um terreno pouco explorado por políticos. A ByteDance, dona do aplicativo, quer que ele continue assim.

A empresa anunciou uma s√©rie de restri√ß√Ķes a fim de que ‚Äúcontas pertencentes a governos, pol√≠ticos e partidos pol√≠ticos n√£o possam dar ou receber dinheiro por meio dos recursos de monetiza√ß√£o do TikTok ou gastar dinheiro promovendo seu conte√ļdo‚ÄĚ.

Recursos de publicidade ser√£o desativados automaticamente para essas contas. Al√©m disso, elas n√£o ter√£o acesso a recursos de monetiza√ß√£o, como moedas e brindes em lives e links de e-commerce. Em breve, tamb√©m ser√£o proibidos de arrecadar fundos (leia-se: pedir dinheiro) em v√≠deos em lives. Tudo isso se soma √† proibi√ß√£o, j√° existente, de impulsionarem conte√ļdo.

Haver√° exce√ß√Ķes para contas de governos em campanhas institucionais, como impulsionar posts de campanhas de vacina√ß√£o. Via TikTok.

Falando (ou não) de política em grupos de WhatsApp

Neste Guia Pr√°tico, Rodrigo Ghedin e Jacqueline Lafloufa revelam como lidam com as dif√≠ceis e por vezes inevit√°veis conversas de pol√≠tica em redes sociais e grupos de WhatsApp. Vale a pena confrontar not√≠cias falsas? Melhor perder a amizade que deixar a ‚Äúfake news‚ÄĚ correr solta? Como denunciar conte√ļdos ilegais sem se indispor com o seu tio rea√ßa?

Continue lendo “Falando (ou n√£o) de pol√≠tica em grupos de WhatsApp”

Manual publicar√° conte√ļdo da Ag√™ncia P√ļblica que investiga campanhas de desinforma√ß√£o online nas elei√ß√Ķes de 2022.

A Ag√™ncia P√ļblica, primeira ag√™ncia de not√≠cias sem fins lucrativos do Brasil, lan√ßou nesta segunda (25) o Projeto Sentinela, uma alian√ßa entre jornalistas e acad√™micos para investigar as campanhas de manipula√ß√£o do debate p√ļblico e a desinforma√ß√£o online nas elei√ß√Ķes de 2022, com especial foco naquelas que amea√ßam a estabilidade democr√°tica.

O Projeto Sentinela √© fruto de uma parceria da P√ļblica com o pesquisador¬†David Nemer e o Berkman Klein Center for Internet & Society da Universidade de Harvard.

O Manual do Usu√°rio entra nessa como ve√≠culo parceiro do projeto, ao lado de outras tr√™s reda√ß√Ķes ‚ÄĒ N√ļcleo Jornalismo, Galileu e MobileTime.

Daqui at√© as elei√ß√Ķes de outubro, republicaremos os conte√ļdos do Projeto Sentinela. A primeira j√° est√° no ar.

Como uma rede de políticos articulou ataques virtuais contra professores em Santa Catarina

Selo de republica√ß√£o da Ag√™ncia P√ļblica.Esta mat√©ria foi produzida pela Ag√™ncia P√ļblica, a primeira ag√™ncia de jornalismo investigativo sem fins lucrativos do Brasil.

O professor de Hist√≥ria Carlos Eduardo Bartel tem mais de 20 anos dedicados ao ensino. H√° cerca de um m√™s, ele virou alvo de uma campanha de difama√ß√£o e ass√©dio nas redes por defender melhorias na educa√ß√£o. As mensagens de √≥dio foram impulsionadas no Instagram e no Facebook por perfis bolsonaristas que se articulam com pol√≠ticos locais e com uma rede de ataques ao ensino p√ļblico no Brasil, conforme apurou a Ag√™ncia P√ļblica.

Continue lendo “Como uma rede de pol√≠ticos articulou ataques virtuais contra professores em Santa Catarina”

‚ÄúUber files‚ÄĚ: Documentos revelam ilegalidades na expans√£o da Uber e rela√ß√Ķes secretas com pol√≠ticos.

O jornal brit√Ęnico The Guardian obteve acesso a 124 mil documentos internos da Uber, produzidos entre 2013 e 2017, que revelam a estrat√©gia agressiva de expans√£o da empresa, as t√°ticas question√°veis do ent√£o CEO Travis Kalanick e as rela√ß√Ķes question√°veis com l√≠deres mundiais.

Os chamados ‚ÄúUber files‚ÄĚ exp√Ķem com riqueza de detalhes alguns fatos que j√° eram conhecidos, como a estrat√©gia da Uber de entrar primeiro em cidades e fazer lobby depois. J√° valeriam s√≥ por isso, mas tem mais: contatos secretos entre Kalanick e alguns l√≠deres mundiais, como o atual presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e da Fran√ßa, Emmanuel Macron ‚ÄĒ este teria ajudado ativamente a Uber a entrar e se firmar na Fran√ßa.

Os documentos foram compartilhados com o Cons√≥rcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ) e repassados a outras reda√ß√Ķes do mundo inteiro. Em outras palavras, teremos mais revela√ß√Ķes nos pr√≥ximos dias.

Resumos no N√ļcleo (meu) e na Folha de S.Paulo. Mat√©ria completa ao lado. Via The Guardian, ICIJ (ambos em ingl√™s).

Coment√°rios e compartilhamentos de conte√ļdo pol√≠tico ter√£o menos peso no algoritmo do Facebook.

Ap√≥s testes bem sucedidos, a Meta avisou nesta quinta (7) que dar√° ‚Äúmenos √™nfase a coment√°rios e compartilhamentos para determinar a distribui√ß√£o de conte√ļdo pol√≠tico no Facebook no pa√≠s [Brasil]‚ÄĚ. Em outras palavras, menos √™nfase ao engajamento motivado pela raiva. Parece uma boa, mas tenho a sensa√ß√£o de que isso a√≠ √© enxugar gelo. Via Meta.

As ‚Äúredes tempor√°rias‚ÄĚ do governo federal para o per√≠odo eleitoral.

Perfis oficiais do governo brasileiro em redes sociais criaram ‚Äúcontas provis√≥rias‚ÄĚ a serem usadas durante o per√≠odo eleitoral, que come√ßa no pr√≥ximo s√°bado, ‚Äúdevido a restri√ß√Ķes impostas pela legisla√ß√£o eleitoral e pela jurisprud√™ncia da Justi√ßa Eleitoral‚ÄĚ. A mudan√ßa vale para Facebook, Instagram, Twitter e YouTube.

Nelas ‚Äúser√£o publicados apenas conte√ļdos inequivocamente de acordo com a legisla√ß√£o eleitoral, eliminando qualquer possibilidade de interpreta√ß√Ķes prejudiciais ao Governo e ao Presidente da Rep√ļblica‚ÄĚ.

À parte o amadorismo e o cheiro forte de coisa errada, estou tendo dificuldade para entender esse movimento.

A interpreta√ß√£o mais √≥bvia √© a de que o governo federal normalmente faz uso da m√°quina p√ļblica para promover a pessoa do presidente Jair Bolsonaro (PL) e que pretende dar uma segurada nas elei√ß√Ķes. √Č uma viola√ß√£o constat√°vel, pois expl√≠cita, mas que extrapola a lei eleitoral. √Č isso, uma admiss√£o de culpa? Via @govbr/Twitter.

Em 2022, vontade política não significa necessariamente engajamento online

Corujas n√£o s√£o exatamente exemplos de for√ßa. Uma coruja pesa, em m√©dia, dois quilos, sendo que as penas que cobrem seu corpo correspondem a uma parte relevante do peso. M√ļsculos? Quase nada. Como qualquer bicho que n√£o as orcas, as corujas t√™m predadores naturais. Linces, cobras, √°guias e falc√Ķes adoram um galetinho de coruja nas refei√ß√Ķes. O que faz a pobre coruja para se proteger? Existem algumas t√©cnicas, mas a estrat√©gia tradicional de defesa das corujas passa por projetar uma ilus√£o. Tome o exemplo do coruj√£o-orelhudo, conhecido no Brasil tamb√©m como jacurutu. Quando um predador ou uma amea√ßa se aproxima, a jacurutu adota uma postura espec√≠fica ‚ÄĒ baixa a cabe√ßa, encolhe o corpo e abre as asas para cima. Assim, a coruja tenta passar a impress√£o de que √© muito maior do que efetivamente √©. Caso o predador n√£o se sinta amea√ßado, a jacurutu emite sons agudos e, por fim, d√° um salto para frente com a inten√ß√£o de agredir a amea√ßa com as garras afiadas. As garras afiadas s√£o o que lhe resta, j√° que, atr√°s da plumagem, n√£o existe nada al√©m de ar.

Continue lendo “Em 2022, vontade pol√≠tica n√£o significa necessariamente engajamento online”

Elon Musk no Brasil

No dia 20 de maio, sem alarde, apesar dos rumores e questionamentos feitos ao Minist√©rio das Comunica√ß√Ķes, Elon Musk desembarcou no Brasil.

Na agenda estava um acordo com o governo federal para conectar escolas da Amaz√īnia usando a Starlink, rede de sat√©lites de √≥rbita baixa que polui o c√©u noturno e leva internet a lugares remotos.

Na pr√°tica, por√©m, o evento serviu para o governo bajular o homem mais rico do mundo e alardear sua no√ß√£o um tanto torta e perigosa de ‚Äúliberdade de express√£o‚ÄĚ.

Continue lendo “Elon Musk no Brasil”